sábado, novembro 17, 2012

UFOs - O Ultimo Grande Segredo Por Curt Sutherly


CAPÍTULO1

Eles não sabem de nada...

O ano de 1947 foi espetacular na história da
aviação. Novos marcos e padrões de voo foram
estabelecidos e, rapidamente, superados.
Em Muroc Field (atual Base Aérea Edwards), na
Califórnia, um grupo de pilotos e técnicos da
Força Aérea - que incluía o especialista em
guerras e talentoso piloto de testes Chuck Yeager
- estabeleceu um objetivo "impossível" e bem-sucedido: quebrar a barreira do som. A aeronave
era o X-l, pequeno avião com motor de foguete,
alaranjado, criado pela Bell Aircraft.
O X-l foi lançado ao ar por um bombardeiro B-29.
A máquina e o piloto foram arremessados a seis
quilômetros de altitude, e os foguetes se
incendiaram. O primeiro teste de voo foi
conduzido em dezembro de 1946 e pilotado por
um civil, Chalmers "Slick" Goodlin. Era Yeager, no
entanto, quem estava no controle em 14 de
outubro de 1947 - o dia em que a barreira caiu.
Quarenta anos depois, em seu livro Press on,ele
relatou que o mais marcante em relação ao voo
foi o que não aconteceu. Não desintegramos, não
batemos em nada e sequer sentimos um
solavanco quando nos tornamos supersônicos e,
graças ao sigilo militar, oito meses se passaram
antes do mundo saber da realização de Yeager.
Enquanto tudo isso acontecia, a Northrop
Corporation completava o desenvolvimento de
uma "asa voadora" para a recém-formada Força
Aérea dos Estados Unidos. Um protótipo anterior,
o XB-35, levantou vôo em junho de 1946 e uma
versão a jato, o YB-49, voou no ano seguinte. O
YB-49 colidiu em 1948, enquanto era testado pelo
capitão Glenn Edwards (a troca de nome do
Muroc Field se deu em sua homenagem). O
segundo B-49 ficou em chamas durante um acidente enquanto taxiava, o terceiro se desfez e
vários outros, já na linha de produção, foram
destruídos de acordo com uma determinada
ordem. Anos depois, antes de sua morte, John K.
Northrop alegou que o Programa Asa Voadora
fora deliberadamente cancelado pelo secretário
da Força Aérea, Stuart Symington, por razões
políticas, e não por problemas técnicos.
Enquanto a Força Aérea ainda testava a asa, a
Marinha dos Estados Unidos trabalhava na
própria versão: uma máquina circular movida a
hélice, o XF5U-1, também conhecido como
"panqueca voadora" - criada para ascender na
vertical, flutuar no ar e voar horizontalmente. O
programa de testes foi realizado em Muroc Field
sob segurança tão acirrada que até mesmo a
Força Aérea teve de se manter afastada. A
"panqueca" da Marinha, entretanto, teve o
mesmo fim da asa voadora da Northrop: foi
deixada de lado em favor dos aviões mais
convencionais, com propulsão a jato.
No porto de Long Beach, Califórnia, em 2 de
novembro, o projetista aeronáutico Howard
Hughes pilotou uma máquina que muitos acredi-tavam jamais ter possibilidade de sair do chão: o
maior navio voador do mundo, conhecido
carinhosamente como "Spruce Goose" (Ganso
Garboso). Com uma extensão de asa de quase
100 metros e medindo 60 metros, o Goose, de
190 toneladas, subiu 21 metros durante um vôo-teste de 915 metros. Após o ocorrido, Hughes
ridicularizou o mundo cético levando a nave ao
hangar e nunca mais voando com ela.
No mês seguinte, em 10 de dezembro, a piloto
Jacqueline Cochran dirigiu o Mustang P-51 em um
curso de 100 quilômetros, em velocidade média
de aproximadamente 750 quilômetros por hora.
Cochran estabeleceu um novo recorde, que viria
a ultrapassar no ano seguinte ao atingir uma
velocidade média de 693 quilômetros por hora
em um percurso de mil quilômetros.
Durante todo o período, as mudanças no  design
dos aviões foram contínuas, resultado de
rigorosos testes de novas estruturas criadas para
sustentar a tecnologia dos novos motores a jato
surgidos no pós-guerra.
Kenneth Arnold (Figura 1.1), como outros desse
período, também entrou no livro dos recordes.
Arnold aparece na lista doAir Facts and Feats: A
Record of International Aerospace Achievement.
Entretanto, diferente dos outros, não era um
piloto de testes ou acrobacias.



Figura 1.1:Kenneth Arnold (ao centro) - primeiro
piloto a oficialmente relatar objetos voadores
não identificados. Está, nesta imagem, entre o
capitão E. J. Smith da United Airlines (direita) e o
co-piloto Ralph E. Stevens. Em 4 de julho de
1947, Smith e Stevens avistaram nove objetos
em forma de disco logo após o avião partir do
Aeroporto de Boise, no estado de Idaho. Depois,
Smith se uniu a Arnold em uma investigação
sobre óvnis em Tacoma, Washington.



Piloto particular aos 28 anos de idade e dono de
uma empresa de equipamentos de segurança
contra fogo em Boise, Idaho, Arnold voou em seu
monomotor na tarde ensolarada -posteriormente, se lembraria de que havia sido
um belíssimo dia - de 24 de junho de 1947,
auxiliando na busca de um C-46 Marine que havia
caído.
Eram aproximadamente duas da tarde quando o
piloto veterano partiu do Aeroporto Chehalis, em
Washington e, nos arredores do monte Rainier,
uma hora depois, foi surpreendido por um brilho
refletido na lateral do avião. Quando observou
um segundo brilho, Arnold localizou a fonte: nove
objetos reluzentes ao sol voavam para o sul em
direção ao monte Baker, de forma escalonada,
indo para frente e para trás, entre os picos.
Impressionado, não teve a menor possibilidade
de pensar com calma e calcular a velocidade dos
objetos enquanto passavam entre os montes
Rainier e Adams, a 88 quilômetros no sentido sul.
Os cálculos sugeriram o impossível: os objetos
voavam a cerca de 2.600 quilômetros por hora,
muito além do que qualquer aeronave conhecida.
Para se ter idéia da velocidade de voo desses
objetos, a velocidade do som é de
aproximadamente 1.062 quilômetros por hora a
12,2 quilômetros.
Arnold descreveu o movimento dos objetos como
algo incomum, similar a "lanchas em águas
agitadas" ou "como um disco [...] se você o
arremessar para quicar sobre a água". Essa visão
o impeliu para a mídia. A contragosto, tornou-se
uma celebridade, o primeiro piloto a declarar
oficialmente e documentar um avistamento de
óvnis.
Embora não estivesse procurando publicidade,
Arnold sentiu que devia relatar o avistamento,
pois temia que os estranhos objetos metálicos
pudessem ser um experimento aéreo criado pela
União Soviética, o então mais novo arqui-inimigo
dos Estados Unidos. Ao pousar no aeroporto de
Yakima, em Washington, contou a história a
diversos ouvintes curiosos. Na manhã seguinte,
voou até Pendleton, Oregon, onde repórteres
céticos o esperavam. Arnold conversou com o
repórter Bill Bequette, do East Oregonian.
Após ouvir o relato de Arnold, Bequette escreveu
uma matéria de quatro parágrafos, declarando de
modo equivocado que Arnold era um membro do
"controle de fogo" de Boise, o que resultou na
também errônea identificação dele como um
funcionário do Serviço Florestal dos Estados
Unidos. Bequette enviou a matéria à Associated
Presse saiu para o almoço. Ao retornar,
descobriu que jornalistas de todo o país lhe
telefonavam em busca de mais informações.
Naquela mesma tarde, enviou uma matéria mais
longa, e o que já era um absurdo ficou ainda pior.
Uma semana depois, em 8 de julho de 1947, a
Força Aérea do Exército anunciou que um disco
voador com marcas de colisão havia sido
encontrado no estado do Novo México.
Imediatamente os mais altos centros de
operações do Exército desmentiram a história.
Por algum tempo, o governo e as autoridades
públicas enxergaram o surto de relatos sobre
discos voadores como uma histeria pós-guerra.
Até hoje relatos de visões são feitos por pessoas
sãs e sóbrias, cujos testemunhos seriam aceitos
em uma corte de justiça, mas que, ainda assim,
acabam se tornando vítimas de desconfiança do
público e da ridicularização da mídia.
Com Ken Arnold não foi diferente. Ele era
importunado tanto por indivíduos que o seguiam
à procura de detalhes, como por jornalistas
ansiosos para colocar um ponto de vista
particular na história.
Como jornalista, tive a honra de ser uma das
últimas pessoas a entrevistá-lo. A ocasião nem
sequer pareceu uma entrevista, pois ocorreu de
maneira rápida e por telefone. Ainda assim,
consegui obter mais informações do que qualquer
outro jornalista havia conseguido durante um
bom tempo.
A entrevista ocorreu em 24 de junho de 1976,
aniversário do avistamento de Arnold. Na época,
eu tinha contato com fortianos e pesquisadores
de óvnis em todo o país, enquanto recebia um
salário miserável como redator de artigos de
revistas e, eventualmente, copidesque de jornais.
Passava a maior parte do tempo sem dinheiro, e
o pouco que recebia pela venda das histórias,
quando chegava (os cheques estavam quase
sempre atrasados), era usado para financiar a
procura de novos mistérios em outras
localidades. Como era jovem, viagens e
aventuras me pareciam mais importantes do que
refeições frequentes e um teto sobre minha
cabeça.
Em algum momento no meio de tudo isso,
consegui cópia de um livro chamadoThe Corning
of the Saucers,co-escrito por Ken Arnold e Ray
Palmer (Figura 1.2). A história, contada em uma
narrativa simples e direta, descrevia a
experiência de Arnold nas semanas que se
seguiram ao avistamento no monte Rainier. Era
um relato arrepiante, uma aventura saída
diretamente de uma ficção barata. Fiquei fascina-
do, mas também desconfiado: Palmer era editor
de ficção científica. Por isso, quanto do livro seria
factual e quanto seria ficção?


Figura 1.2:0 editor Ray Palmer em sua casa, em
Amherst, Wisconsin, em 1965. Em julho de
1947, Palmer entrou em contato com o aviador
Kenneth Arnold e o contratou para viajar a
Tacoma, Washington, a fim de investigar o
relato sobre um incidente envolvendo óvnis. Os
dois posteriormente tornaram-se co-autores do
livroThe Corning of the Sancers,que narra os
estranhos eventos ocorridos em Tacoma.
(Fotografia de Rick Hilberg)

Comecei a buscar informações, tentando
encontrar o paradeiro de Ken Arnold, mas meus
contatos não puderam ajudar. "Arnold não está
morto?", alguém sugeriu. Outro disse ter ouvido
que ele havia se mudado para a Austrália com a
família, na tentativa de escapar das constantes
perturbações de repórteres e interessados em
óvnis. A verdade, como descobri, era muito mais
simples: ele ainda vivia em Idaho. Eu o localizei
ligando para o serviço de auxílio telefônico.
Ao me identificar, Arnold disse: "Estou bastante
cansado de repórteres", acrescentando que as
pessoas do jornal regional, oIdaho Daily
Statesman,tentavam uma entrevista há anos.
Sobre uma ocasião em que um jornalista lhe
telefonou, Arnold comentou: "Ouvi suas
justificativas e então desliguei o telefone em
silêncio."
Com medo de receber a mesma resposta,
apresentei o assunto com cuidado. Disse que não
era apenas jornalista, mas também um entu-siasta da aviação (o que era verdade, pois havia
trabalhado como líder da equipe de aviação da
Força Aérea), e então conversamos sobre aviação
por alguns minutos antes de abordar o assunto
original. No processo, devo ter expressado algum
pequeno conhecimento sobre o fenômeno
envolvendo os óvnis, pois Arnold disse
abruptamente: "Você parece entender dessa
coisa (de óvnis) muito bem; por acaso leu meu
livro? A maioria dos repórteres nem sequer o viu,
e isso é parte da razão pela qual não falo com
eles. Não sabem nada além do fato de que vi
discos voadores".
Naquele momento, expliquei que eu havia, de
fato, lido o livro e conhecia os detalhes
essenciais, mas que ficaria muito feliz se pudesse
ouvir mais.
"Bem, se leu o livro, já tem a maior parte dos
detalhes", respondeu Arnold. "Sabe, as citações
que ele contém não são inventadas, como muitas
pessoas acreditam. Na época, eu tinha um dos
primeiros gravadores, e o levei comigo a
Tacoma."
O avistamento de Ken Arnold perto do monte
Rainier não apenas o fez alvo da imprensa, mas
também o inundou de cartas. Havia tantas, ele
comentou, que "simplesmente não conseguiria
responder a todas".
Nesse meio-tempo, a experiência fez com que
registrasse um boletim com o comandante de
Wright Field, em Dayton, Ohio (atual Base Aérea
Wright Patterson). Além disso, por volta da
mesma época, Ray Palmer entrou em contato e
pediu a Arnold que considerasse escrever um
artigo para uma revista sobre o avistamento no
monte Rainier. Ele se recusou a escrever o artigo,
mas enviou a Palmer uma cópia do boletim
registrado na Força Aérea.
Alguns dias depois, Palmer respondeu contando a
Arnold sobre a carta que recebera de um
funcionário patrulheiro do porto próximo a
Tacoma, Washington. De acordo com Palmer, o
autor da carta alegava que ele e outro homem
haviam visto discos voadores sobre a Ilha Maury,
uma pequena península localizada a cerca de
cinco quilômetros ao norte do porto de Tacoma,
em Puget Sound. O autor da correspondência
também alegou que um dos discos havia deixado
cair fragmentos metálicos na ilha. Palmer queria
que Arnold voasse a Tacoma e investigasse a
história, com todos os gastos cobertos.
Logo depois, o tenente Frank Brown e o capitão
William Davidson, representantes da Inteligência
Militar A-2 da Quarta Força Aérea do Exército,
que haviam recebido a tarefa de investigar tal
fenômeno, fizeram uma visita a Arnold.
Questionaram-no sobre todos os aspectos do
avistamento e, com sua permissão, examinaram
a caixa de correio. Ao final da visita, os oficiais
deixaram um número de telefone para que Arnold
pudesse entrar em contato caso necessário.
Dias depois, ele decidiu aceitar a oferta de
Palmer para investigar o incidente da Ilha Maury.
Levou o avião até o final de um pasto, próximo à
sua casa, e acelerou em direção ao que
futuramente chamou de "o mais perverso
mistério que alguém possa imaginar".
Na noite de 29 de julho de 1947, pousou em
Berry Field, uma pequena pista de decolagem
fora de Tacoma, onde se assegurou de que
ninguém o reconheceria (sua foto vivia
estampada em jornais). Ao tentar fazer reservas
em um hotel - usando o telefone do aeroporto -descobriu que todas as instalações estavam
ocupadas. A cidade passava por uma carência de
hospedagem.
Em uma última e, à primeira vista, inútil tentativa
de encontrar um lugar para se acomodar, Arnold
telefonou para o Winthrop Hotel - o maior e mais
caro da cidade. Assustou-se ao descobrir que
havia uma reserva em seu nome. Apenas duas
pessoas sabiam que Arnold planejava viajar a
Tacoma: a esposa e Ray Palmer, e nenhum deles
havia reservado o quarto. De fato, Arnold sequer
se preocupou em apresentar um plano de vôo.
Tinha certeza de que o recepcionista do hotel
estava fazendo alguma confusão entre ele e
outro Ken Arnold, mas decidiu aceitar o quarto, já
que estava certo de que não encontraria outro
em nenhum local da cidade.
Após hospedar-se no hotel, Arnold verificou a lista
telefônica local e encontrou o registro de Harold
Dahl, um dos dois membros da patrulha do porto
identificado por Ray Palmer. Ao telefonar para
Dahl, o piloto percebeu uma relutância em
discutir o avistamento. De fato, Dahl sugeriu a
Arnold que esquecesse o assunto e fosse para
casa, mas o piloto, persistente, convenceu-o a ir
ao hotel para uma entrevista. Dahl apareceu
naquela mesma noite e, após alguns estímulos,
contou a história.
O membro da patrulha disse que guiava o barco
perto da Ilha Maury, na tarde de 21 de junho de
1947, acompanhado do filho, de dois tripulantes
e do cachorro. De repente, viu seis objetos
voadores "com formato de rosca" sobre sua
cabeça, a uma altitude de aproximadamente 610
metros. Um dos objetos parecia enfrentar
problemas e, aos poucos, perdia altitude. De sua
parte inferior começou a sair um material
parecido com lava - derramado em grandes
quantidades no barco e na praia da Ilha Maury.
Dahl contou que um pouco do material caiu no
filho, machucando o braço do garoto. Outro tanto
acertou o cachorro, que acabou morrendo. O
barco também havia sido danificado
consideravelmente. Os seis discos, então,
ganharam altitude e moveram-se em direção ao
mar aberto.
Segundo Dahl, cerca de vinte toneladas de um
material quente, similar às fezes, foram atiradas
na praia. Após o resfriamento da substância, os
tripulantes coletaram uma grande quantidade de
amostras e voltaram à terra firme, onde o garoto
se encontrava hospitalizado.
O incidente foi relatado à seu superior, Fred Lee
Crisman, que a princípio não teria acreditado na
história. Mas Crisman, no entanto, foi quem
enviou a carta a Ray Palmer.
Na manhã seguinte, 22 de junho, um homem que
vestia um terno preto e dirigia um Buick 1947
visitou Dahl. O estranho o convidou para ir ao
centro da cidade tomar café da manhã. O convite
foi aceito, pois o membro da patrulha pensou que
o homem fosse um cliente interessado em seu
trabalho de salvamento de meio período. Durante
o café, Dahl disse que o estranho relatou toda a
sequência de eventos ocorridos próximos à Ilha
Maury, alertou-o que não seria inteligente da
parte dele discutir o incidente se quisesse manter
a família em segurança. Estranhamente, Dahl não
deu importância ao conselho, e, segundo afirma,
em seguida dirigiu-se ao cais, onde contou aos
colegas de trabalho o mais novo episódio.
Na manhã após a entrevista, Arnold recebeu a
visita de Dahl e Fred Crisman. Este relatou
conhecer a história do funcionário, acrescentando
que, no início, estava convencido de que o
homem mentia para justificar os danos no barco.
De qualquer maneira, resolveu visitar a Ilha
Maury, onde não apenas encontrou material
parecido com fezes, mas também viu um dos
discos em forma de rosca passar sobre sua
cabeça.
Quando Dahl e Crisman partiram, Arnold
telefonou para o capitão E. J. Smith, piloto da
United Airlines, que também avistara óvnis.
1
Ar-nold começava a se sentir despreparado para
realizar a investigação e contou isso a Smith,
pedindo-lhe auxílio. O piloto da United Airlines
concordou, e Arnold logo voou para Seattle a fim
de encontrá-lo. A partir de então, os eventos
ficaram ainda mais estranhos.
Todas as conversas no quarto de hotel foram
monitoradas por uma operação secreta e
descritas em detalhes, por telefone, aos
repórteres da cidade. Os pilotos descobriram que
a conversa havia vazado quando Ted Morillo,
repórter daUnited Press,declarou que um
informante estava transmitindo os diálogos. Os
homens reviraram o quarto de hotel procurando
instrumentos, mas não encontraram nada.
Em um primeiro momento, Arnold negou a
veracidade da informação divulgada. Mais tarde,
porém, admitiu para Morillo que os detalhes
estavam corretos. Junto a Smith, começou a
1 Smith e o co-piloto, Ralph Stevens, avistaram nove discos voadores em 4 de julho de 1947, pouco
depois de terem decolado do Aeroporto de Boise, Idaho. A descrição dos discos era similar à de
Arnold, mas em 4 de julho os objetos voaram em dois grupos, um de quatro e outro de cinco discos.
suspeitar que ou Crisman ou Dahl teriam sido a
fonte do vazamento. Mas logo os pilotos desco-briram que as ligações telefônicas foram
transmitidas desde quando os patrulheiros do
porto estavam com eles no quarto. Por fim, em
desespero, Arnold telefonou para os dois oficiais
da Inteligência do Exército, o tenente Brown e o
capitão Davidson. Eles chegaram no mesmo dia,
ouviram o que Crisman lembrava dos supostos
avistamentos (seu e do funcionário) e então, de
maneira repentina, decidiram partir. (Dahl não
estava presente, pois deixara o quarto quando
soube que os militares foram chamados.)
"Praticamente imploramos para que eles (os
oficiais do Exército) ficassem", Arnold contou
durante a entrevista, "mas eles alegaram que
precisavam levar o avião para um show aéreo
que aconteceria no dia seguinte".
Os oficiais partiram levando amostras do
material, dadas a eles por Crisman. Naquela
mesma noite houve um acidente com o avião
militar que levava Brown e Davidson, e os dois
morreram. O comandante do vôo e um alistado
do exército, também a bordo, salvaram-se com a
ajuda de paraquedas.
Na manhã de 1º de agosto de 1947, a história do
acidente apareceu como manchete de primeira
página noTacoma Times.A matéria, de Paul
Lance, redator da equipe doTimes,revelava os
nomes dos dois oficiais do exército antes mesmo
que as Forças Armadas os identificassem
oficialmente. Ele declarou posteriormente a
Arnold e a Smith que era a fonte de Lance quem
fazia as ligações anônimas.
Duas semanas após a publicação da matéria,
Paul Lance morreu de forma inesperada.
"Talvez tenha sido coincidência", declarou Arnold.
Ted Morillo, repórter daUnited Press,logo perdeu
o emprego e passou por várias dificuldades
pessoais. Homem persistente, havia empregado a
própria rede de informantes tentando encontrar a
identidade da pessoa misteriosa. Nunca obteve
sucesso e, passado um tempo, sugeriu a Smith e
Arnold que deixassem a cidade para a própria
segurança deles.
Crisman desapareceu e surgiram rumores
(novamente criados pelo autor das chamadas) de
que havia deixado Tacoma a bordo de um avião
ligado ao transporte militar do Alasca. Dahl foi
visto em um cinema e, de acordo com Arnold,
parecia despreocupado com relação à morte dos
dois funcionários da Inteligência do Exército.
Arnold quase teve um destino parecido com o dos
dois militares. Quando ia para casa, parou para
abastecer e, ao levantar vôo, o motor do avião
parou de funcionar. Apenas o pensamento rápido
e excelentes noções de pilotagem puderam
salvá-lo de um acidente fatal.
Após o incidente em Tacoma, Ken Arnold passou
a sentir mágoa e raiva pelo que acreditava ser
uma resposta inapropriada, por parte do governo,
aos avistamentos de óvnis. Comentou que um
sentimento de lealdade à nação havia feito com
que registrasse um boletim, denunciando os
estranhos objetos voadores, mas, em lugar de
receber cumprimentos, ele, Smith e os outros
pilotos foram todos "levados a parecer perfeitos
idiotas".
Arnold e Smith continuaramvoando nos anos
seguintes; Smith, comercialmente e Arnold, como
piloto particular. Sobre o amigo Smith, Arnold
declarou: "Ele se aposentou depois de trinta e
três anos, aos sessenta. Fizeram um banquete
em sua homenagem, mas não pude comparecer."
Em 1949 ou 1950, Arnold recusou uma oferta de
cinquenta mil dólares da Doubleday pelos direitos
da história - valor bastante considerável para
qualquer editora da época.
"Queriam um  ghost writer declarou Arnold, "mas
eu queria o livro escrito com minhas palavras. Por
isso recusei a oferta".
Direitos de filmagem também permaneceram
com o piloto por sua insistência em documentar a
história com exatidão. No fim, o único relato
completo do incidente veio com a colaboração de
Arnold e Ray Palmer, inicialmente em um artigo
na revista  FATE  e, depois, no livroThe Coming of
the Saucers.  Não houve, portanto, nenhuma
outra publicação escrita - ele nunca desejou
transformar a história em produto de massa.
Em meio a rumores de sabotagem e espionagem
ligadas ao acidente do vôo militar, o FBI iniciou
uma investigação de campo que incluiu
entrevistas com vários envolvidos no caso da Ilha
Maury. O resultado foi um relatório de 25 páginas
para o diretor, datado de 18 de agosto de 1947,
compilado por Jack B. Wilcox, agente especial
responsável, em Seattle.
A cópia do relatório, que se tornou disponível há
alguns anos, em função do Ato sobre Liberdade
da Informação, permaneceu consideravelmente
censurada, em particular no que se refere a
nomes. De qualquer maneira, como os principais
envolvidos já eram conhecidos por meio dos
relatos de Arnold e por matérias que surgiram
logo depois, era apenas uma questão de ligar os
nomes à maior parte dos espaços vazios.
A julgar pelo relatório, o FBI concluiu com rapidez
que o episódio da Ilha Maury havia sido uma
fraude. Em uma das seções, por exemplo, há a
descrição de uma entrevista de Harold Dahl a um
jornal, realizada em sua casa. De acordo com o
relato, o repórter tentava confirmar a história de
um disco "que se desintegrava" próximo à ilha.
Durante a entrevista, no entanto, a esposa de
Dahl teria sofrido uma "crise de nervos
considerável" e exigido de seu marido a confissão
de que a história era pura fantasia. O
entrevistador afirmou que Dahl, então, desmentiu
a história* reconhecendo que o caso dos discos
voadores era inventado.
Durante uma entrevista com Dahl e Crisman, em
7 de agosto de 1947, no escritório da agência em
Tacoma, o agente do FBI em exercício considerou
as respostas dadas pelos dois, durante o
interrogatório, imprecisas e evasivas. Alegou que
os dois homens de início "negaram ter feito
quaisquer declarações a alguém" capazes de
sugerir que as amostras tivessem vindo de um
disco voador e, ainda segundo o agente, "não
diziam qual era a verdadeira e completa ligação
deles com a história do disco. Também se
recusaram a dar qualquer informação específica,
preferindo respostas evasivas e declarando,
diversas vezes, que não tinham nada a ver com o
caso".
Diante de um interrogatório duradouro, Crisman e
Dahl acabaram dizendo ao agente do FBI que, ao
se comunicarem com Ray Palmer, haviam
inventado uma parte da história ligada aos discos
voadores porque, aparentemente, "era isso que
ele (Palmer) exigia deles". O entrevistador do FBI,
no entanto, continuou como se não estivesse im-pressionado com o que parecia uma invenção
total e deliberada, e no relatório reiterou que
"nenhuma informação precisa pôde ser obtida
[...] com relação ao que cada (um dos homens)
havia feito em específico para dar início à história
do disco voador".
Com relação ao avião de transporte militar que
havia sofrido o acidente (um bombardeiro B-25),
o FBI buscou informações com os investigadores
da Quarta Força Aérea do Exército em McChord
Field, Washington. A agência foi noticiada de que
uma investigação do exército não havia
descoberto nenhum sinal de sabotagem
relacionado à queda. A causa do acidente estaria
ligada a um tubo de escapamento defeituoso
que, ao soltar faíscas, incendiara a asa esquerda.
Essa asa teria se desfeito e, no processo,
arrancado a cauda do avião. Rumores
(espalhados pelo autor dos telefonemas) de que a
queda seria resultado de uma bomba ou tiros de
um avião inimigo foram considerados falsos,
assim como os discos voadores sobre a Ilha
Maury.
Um ponto aqui diz respeito à repentina partida
dos investigadores do exército após a entrevista
com Fred Crisman. Os dois, Brown e Davidson,
devem ter percebido algum detalhe na história de
Crisman que denunciara a mentira. Se isso
aconteceu, não foi dito a Arnold, provavelmente
porque os dois funcionários recebiam ordens para
permanecer em silêncio sobre tudo o que
descobrissem.
Ainda mais obscura era a identidade do autor
anônimo das chamadas, que, entre outras
informações, dera indicações a jornalistas sobre a
identidade de Brown e Davidson antes mesmo de
o Exército ter declarado os nomes dos dois
homens. Cinco ligações anônimas foram feitas a
diversos diretores de jornais entre llh30 da
manhã de 31 de julho e 5h30 da tarde de 2 de
agosto de 1947. O FBI claramente suspeitou que
Crisman fosse, de alguma maneira, o responsável
por elas. Ainda assim, a agência nunca conseguiu
chegar à identidade do autor.
Os "fragmentos" da Ilha Maury eram uma
questão completamente diferente. Os
investigadores da agência logo descobriram que
apresentaram uma "nítida semelhança" com a de
uma metalúrgica próxima a Tacoma. Além disso,
não há dados no relatório do FBI que indique
radioatividade no material - algo mencionado por
outros que tentaram revisar o episódio.
Como a história do disco voador se tornou um
blefe, e (ao menos oficialmente) a queda do avião
do exército foi acidente, e não sabotagem, o FBI
encerrou o caso da Ilha Maury.
A seguir, algumas notas sobre os principais
envolvidos.
Fred Crisman nunca foi ao Alasca, apesar dos
rumores. Em vez disso, de acordo com o
jornalista John Keel, ele foi dispensado da guerra
da Coreia e, em seguida, tornou-se professor de
uma escola pública. Por fim, adotou a identidade
de Jon Gold, apresentador de umtalk showde
rádio em Tacoma. Em 1968, o promotor público
Jim Garrison, que conduzia uma investigação
sobre o assassinato de John Kennedy, intimou o
então radialista para ir a Nova Orleans. De forma
duvidosa, fotos tiradas na época em Dallas
ligavam Crisman ao assassinato - uma delas
mostrava um homem parecido com ele.
Keel declarou que alguém havia tentado
assassinar Crisman pouco antes de ser intimado.
A tentativa não estava ligada à morte de
Kennedy, mas sim à presença áspera de Crisman
na rádio; ele havia, era evidente, contrariado
muitas pessoas com sua personalidade sagaz e
agressiva.
A morte de Crisman se deu por causas naturais
em 1975, deixando ufólogos e teóricos da
conspiração contra Kennedy cada vez mais
confusos sobre seu passado. Muitos pensavam
que tivesse ligações com a comunidade da
Inteligência, em particular com a CIA, embora a
lógica implícita nos fatos seja tão duvidosa
quanto sua suposta presença em Dallas. Por
outro lado, a habilidade que Crisman teve ao
confundir o FBI em Tacoma, em 1947, além da
possível ligação com os telefonemas anônimos,
deixaram no ar a hipótese de alguma veracidade
nessa visão.
Logo após o incidente, o companheiro de
Crisman, Harold Dahl, mudou-se para outro
endereço. O filho adolescente de Dahl havia
desaparecido, e algum tempo depois foi
encontrado em outro estado, aparentemente
sofrendo de amnésia; outros escreveram que
autoridades o encontraram no Colorado ou em
Wyoming; o FBI afirmou que o garoto foi achado
em Montana. Não há declarações de que sofresse
de amnésia; apenas teria fugido.
Dahl, aliás, não era nem nunca havia sido oficial
da patrulha do porto. Tratava-se de um
personagem que ele e Crisman criaram para a
história, embora os dois de fato tivessem e
operassem um barco reserva no porto de
Tacoma.
O editor Ray Palmer, que foi sem dúvida,
enganado por Crisman para prosseguir com a
história da Ilha Maury, passou os últimos anos em
relativo anonimato. Sua morte, em 1977, deu fim
a uma era de relatos de óvnis, calando, o que
talvez tenha sido a maior voz nesse campo.
Kenneth Arnold viveu anos agitados antes de sua
morte em 16 de janeiro de 1984, em um hospital
em Bellevue, Washington. O quinquagésimo
aniversário de seu avistamento ocorreu em 24 de
junho de 1997 sem muita polêmica,
provavelmente como Arnold desejaria. Apesar do
avistamento no monte Rainier e da indesejada
fama, ele nunca se achou alguém especial,
sustentando o tempo todo ser apenas "um cara
normal".
CAPÍTULO2
Algo estranho está acontecendo
O "verão do disco voador", em 1947, chegou ao
fim, mas os eventos - em particular a visão de
Kenneth Arnold - subsistiram como uma lenda. As
pessoas, em todos os cantos, falavam sobre a
existência de um fenômeno, antes pouco
conhecido, o óvni.
Várias teorias surgiram para explicar a natureza e
a origem de objetos misteriosos, mas, tendo em
vista a rapidez, capacidade de manobras e
aparente inteligência implícita em suas ações, a
noção de que os óvnis eram veículos de outro
mundo logo alcançou a consciência pública. No
início de 1949, a explicação sobre a espaçonave
havia penetrado na psique norte-americana. Por
consequência, a Força Aérea Americana -responsável pela defesa da área espacial
nacional - ficou encarregada de uma investigação
a longo prazo do fenômeno. O esforço, que
levaria tempo e era considerado bastante fútil por
uma série de razões, aos poucos tornou-se o
pesadelo das relações públicas.
O verão de 1952 foi uma espécie de divisor de
águas para as atividades ligadas aos óvnis, pois
apareceram outros objetos anômalos em radares
da capital norte-americana. Os alvos - em três
diferentes telas de radar (duas delas no
Aeroporto Nacional de Washington e uma nos
arredores da Base Aérea de Andrews) e
confirmados por observação aérea e do solo -foram seguidos em velocidades que variavam
entre 160 e 11.300 quilômetros por hora. Os
equipamentos de radar, foi constatado depois,
não apresentavam falhas mecânicas.
Os avistamentos de Washington, D.C., ocorreram
nos finais de semana de 19 e 20 de julho e 26 e
27 do mesmo mês, e fizeram com que os canais
de comunicação se congestionassem com
informações sobre o tráfego de óvnis. O choque
em consequência disso foi tão intenso que deixou
os funcionários da Inteligência preocupados com
a possibilidade dos soviéticos de empregarem a
polêmica dos óvnis como base de uma "artilharia"
de guerra psicológica. Com isso em mente, um
grupo secreto de cientistas foi reunido em janeiro
do ano seguinte, liderados por H. P. Robertson -físico e funcionário da CIA. O grupo recomendou
uma campanha de "desmistificação" para di-minuir o interesse público pelos óvnis e, dessa
maneira, neutralizar uma situação supostamente
perigosa. Em paralelo, a Força Aérea recebia
golpes constantes de jornais e de investigadores
civis: a mídia pedia uma explicação e os civis
exigiam cobertura.
Apesar dos esforços para desmistificação, os
avistamentos de óvnis continuaram a intrigar
bastante até os anos 1950. No fim do verão e
outono de 1957, um segundo susto dramático
envolveu a nação. A agitação persistiu até 1958,
mas, ao final do ano, grande parte já se dirigira
ao exterior, e relatos apareciam na França,
América do Sul, Grã-Bretanha e Escandinávia. No
ano seguinte, 1959, os relatos de avistamentos
nos Estados Unidos diminuíram de forma ainda
mais significativa, embora nessa época a
campanha de desmistificação promovida pelo
governo - que começava a dar resultado - possa
ter sido, em parte, responsável por tal declínio.
Em 24 de abril de 1964, um policial perseguia um
carro em alta velocidade no subúrbio da cidade
de Socorro, estado do Novo México, quando ouviu
um zunido e observou uma luz brilhante
perdendo altitude no céu a sudoeste. Eram
aproximadamente 5h45 da tarde.
Sobre Washington, D.C., objetos voadores
anômalos foram relatados em dois finais de
semana distintos em julho de 1952. Detectados
em telas de radar no Aeroporto Internacional de
Washington e na Base Aérea Andrews, os objetos
também foram vistos por observadores no solo e
por pilotos de aeronaves que tentavam
interceptar os óvnis.
Alarmado por saber que havia um barracão com
dinamite na direção em que a luz descia, o
policial Lonnie Zamora abortou a perseguição ao
carro e foi em direção ao deserto. Seguiu até o
topo de uma inclinação tortuosa onde, em uma
vala não muito distante, notou algo que parecia
ser um carro capotado. Logo descobriu que não
se tratava de um automóvel; tinha forma de ovo,
ou de elipse, e descansava na parte baixa da
ladeira sobre quatro pernas desiguais. Dois
homens vestidos de branco e de baixa estatura
estavam de pé ao lado do objeto; quando viram
Zamora, mostraram-se surpresos e rapidamente
desapareceram de seu campo de visão.
2
Após
alguns instantes, o objeto ascendeu, zunindo e
chiando. O acontecimento todo levou alguns
minutos.
O sargento Sam Chavez, policial do estado, logo
chegou e encontrou Zamora pálido e trêmulo.
Outros policiais juntaram-se a eles e, então,
realizou-se uma investigação no local. Eles
descobriram quatro marcas no solo, onde as
pernas, ou suportes para pouso, do objeto
haviam sido vistas. Galhos carbonizados foram
encontrados e o solo mostrou evidências de
2  Durante uma entrevista com Patrick Huyghe, publicada na edição número 8 (2000) deThe
Anomalist,Lonnie Zamora disse já não acreditar mais ter visto dois homens no exterior do óvni
estacionado - apenas achara que os havia visto na época. Em uma nota de rodapé, Huyghe declara
que, duas horas após o incidente de Socorro, um agente do FBI disse a Zamora que seria melhor ele
não mencionar ter visto as duas criaturas pequenas, pois ninguém acreditaria nele.
calcinação ou superaquecimento. Zamora estava
tão perturbado que insistiu em visitar um padre
antes de completar o boletim de ocorrência do
incidente.
Escritores e investigadores, determinados a
levantar suspeitas sobre a credibilidade do
membro da patrulha, perscrutaram o relato de
Zamora. De qualquer maneira, o fato da
investigação inicial ter sido conduzida por
policiais treinados (o único pessoal mais próximo
da cena) credenciou o assunto de veracidade e
profissionalismo raramente encontrados em
casos que envolviam pousos de óvnis e contatos
imediatos. A cobertura da mídia foi intensa e por
algum tempo o caso de Socorro suplantou muitas
das outras notícias. Ninguém suspeitava que o
incidente marcaria o início de uma nova onda de
avistamentos e que, no final do ano seguinte, os
óvnis seriam relatados em números sem
precedentes em quase todos os continentes do
mundo.
A visão de Lonnie Zamora foi, para mim, um
estímulo. Eu tinha 13 anos, era um aluno do
ensino médio interessado por ciências e
literatura, com um entusiasmo crescente por
tudo o que se relacionasse a óvnis. A história de
Socorro levou meu interesse a outro patamar. Na
escola, não passava uma semana sem que
estivesse envolvido em discussões com meus
colegas, ou mesmo professores, sobre a natureza
do fenômeno óvni. A maior parte de meus amigos
achava que os objetos fossem ilusão de ótica ou
produto de mentes insanas, mas, de alguma
forma, toleravam minha sinceridade. Outros,
menos dispostos, acreditavam apenas que minha
imaginação estivesse tomando rumos
equivocados.
Um dos professores de ciências, Jackson
Underkoffier, era mais receptivo. Ele encorajava
meu interesse enquanto aconselhava que
abrandasse o entusiasmo com lógica e
objetividade. Mostrou-me que os objetos
poderiam não ser naves espaciais - como
sugerido em notícias mais sensacionalistas e por
vários pesquisadores civis -, mas sim fenômenos
naturais ou algo completamente novo e
desconhecido. Em determinado momento,
emprestou-me um grande relatório sobre
fenômenos aéreos preparado pelo Comitê
Nacional de Investigações (National
Investigations Committee on Aerial Phenomena -Nicap). Liderado por Donald E. Keyhoe, major
aposentado da Marinha, o Nicap era, na época, a
maior organização de pesquisa civil do país sobre
óvnis. Permaneci com o relatório por semanas,
antes de devolvê-lo.
Durante o resto de 1964 e em 1965, a
observação de óvnis se elevou constantemente
por todo o mundo. A eclosão ocorreu em julho de
1965.
Em 2 de julho desse ano, membros de uma base
inglesa na Antártida assistiram a uma grande
manobra de um óvni sobre as próprias cabeças.
Em 3 de julho, trabalhadores das bases chilena e
argentina nas Ilhas Órcades do Sul, ao norte da
massa de terra da Antártida, relataram um óvni.
Instrumentos existentes na base argentina
criados para registrar a atividade do campo
magnético mediram uma perturbação intensa e
repentina enquanto os objetos sobrevoavam a
região. No mesmo dia, na Ilha Decepção, no
extremo oeste da Antártida, membros de uma
base mantida pela Marinha argentina avistaram
um gigante objeto voador, em formato de lente,
enquanto mudava de cores, velocidade e direção.
O objeto foi descrito como quase idêntico ao óvni
relatado pelos funcionários da base inglesa. Em
11 de julho, grandes objetos em formato de disco
foram vistos em Portugal. No mesmo dia, um
objeto luminoso e branco foi observado sobre os
Açores. Outros avistamentos ocorreram durante o
mesmo período na Europa, África, Austrália e
América do Norte.
Nos Estados Unidos e no México haviam relatos
sobre óvnis de costa a costa. No final de julho de
1965, o pânico rondava toda a América do Norte.
Em agosto, o clima relacionado aos óvnis (o
ambiente emocional) havia se tornado carregado:
dezenas de milhares de norte-americanos tinham
passado pela experiência do fenômeno, e, para
eles ao menos, não havia como negar que algo
estranho estava acontecendo.
Em 13 de julho de 1965 - um dia após meu
aniversário de 15 anos -, por volta de meio-dia e
15min, um óvni foi avistado no condado de
Lebanon, no estado da Pensilvânia, não muito
longe da casa de meus pais. O objeto
permaneceu visível até por volta das quatro da
tarde. Relatos de testemunhas oculares, em
telefonemas à polícia e à mídia local, sugeriam
que o óvni era circular e metálico. Outros relatos
afirmavam que ele mudava de cor, de vermelho
para azul ou branco, e que também mudava de
forma (uma das características de óvnis que
examinaremos em capítulo posterior). O objeto
parecia se mover lentamente na direção
sudoeste, para fora da área.
Reagindo às muitas chamadas e relatos, um
editor do jornal local telefonou para o gabinete de
negócios públicos da Força Aérea de Olmstead,
próximo a Harrisburg, 35 quilômetros a oeste, no
condado vizinho de Dauphin, e solicitou uma
explicação. Os funcionários da base responderam
com o envio de um caça. Dentro de minutos, o
piloto declarou por rádio que avistara o objeto, e
o descreveu como algo semelhante a um grande
"balão de plástico transparente, em processo de
inflar". À aproximadamente cinco metros de
altitude, o piloto parou a perseguição.
Testemunhas no solo afirmaram que o objeto
acelerava conforme o avião se aproximava. As
condições atmosféricas eram consideradas boas,
com teto alto e grande visibilidade. No entanto,
oficiais de Olmstead posteriormente admitiram
não ser possível confirmar a presença do grande
balão naquele dia.
Dez dias depois, em Pittsburgh, no limite oeste do
estado, várias testemunhas relataram um objeto
voador "com cauda alaranjada e formato de
foguete". Ao mesmo tempo, do outro lado do
Atlântico, moradores de Warminster, na
Inglaterra, foram afetados por estranhas ondas
sonoras.
Os ataques em Warminster tiveram início em
dezembro de 1964 e coincidiram com uma
repentina e espetacular controvérsia sobre óvnis
na região. De acordo com os relatos noticiados,
os habitantes da cidade estavam convencidos de
que os ataques eram obra dos óvnis. Em certa
ocasião, uma mulher teria supostamente sido
arremessada contra uma parede por "violentas
ondas sonoras". Em outra, uma jovem teria sido
paralisada por ondas sonoras enquanto um óvni
era visto nos arredores. Histórias tão estranhas
quanto foram os relatos de "espinhos gigantes"
que surgiam "apitando" do céu. Roedores,
pombos e outros pequenos animais eram
encontrados mortos quase todos os dias - mortos
por ondas sonoras de alta frequência. Os ataques
continuaram durante os seis meses seguintes,
até julho de 1965, e só terminaram após os
avistamentos de óvnis cessarem em Warminster.
De volta aos Estados Unidos, a onda de atividade
dos óvnis atingiu o ápice na noite entre 2 e 3 de
agosto de 1965. Naquela noite, moradores de
grande parte do Meio-Oeste e Sudoeste
permaneceram do lado de fora de suas casas ou
ao lado do automóvel assistindo a objetos
brilhantes e coloridos se lançarem no céu escuro.
No Texas, Colorado, e nos estados das Grandes
Planícies a atividade foi mais intensa. Polícia,
agências de jornal e estações de rádio e televisão
tiveram as linhas telefônicas congestionadas por
ligações de testemunhas oculares.
Na manhã seguinte, um porta-voz da Força Aérea
afirmou, em declaração para a imprensa
nacional, que os avistamentos não eram nada
além da má identificação de quatro estrelas
luminosas: Rigel, Betelgeuse, Aldebarã e Capela,
localizadas nas constelações Órion, Taurus e Au-riga. A declaração despertou uma série de
protestos públicos, além de uma imediata contra-argumentação de respeitáveis membros da
comunidade astronômica. Entre os que
responderam estavam Walter Webb, principal
conferencista do Hayden Planetarium, em Boston,
e Robert Risser, do Science and Art Planetarium,
em Oklahoma. Webb destacou que as quatro
estrelas e respectivas constelações eram visíveis
em agosto "apenas do outro lado do mundo". O
dr. Risser concordou, ressaltando que "as
afirmações da Força Aérea [...] estavam tão longe
da verdade quanto se podia imaginar".
Nove dias depois, em 11 de agosto de 1965,
próximo a Monroe, estado de Michigan, uma
jovem teria supostamente sido atacada por um
monstro peludo e alto que se aproximara
entrando por uma janela aberta do carro. O
incidente, embora não esteja ligado a nenhuma
atividade de óvni conhecida, é digno de constar
aqui pela natureza bizarra e pelo fato de ter
ocorrido em meio à polêmica de 1965.
Agências de notícias identificaram a vítima - que
também era a motorista do carro - como Christine
van Acker, de 17 anos. A mãe da garota, Rose
Owen, estava no banco do passageiro. Os relatos
das notícias eram conflitantes, mas os detalhes
essenciais observavam que Van Acker fazia uma
curva quando a criatura - peluda e com 2,10
metros de altura - teria aparecido na estrada,
fazendo com que freasse, desesperadamente. Em
um instante, a criatura invadiu o carro pela janela
aberta.
"Eu olhei", contou a sra. Owen, "e lá estava
aquela mão enorme e peluda em cima da cabeça
de Christine".
Um alvoroço foi gerado com as duas mulheres
gritando e Van Acker buzinando várias vezes. A
criatura recuou de volta para a floresta. As duas
foram encontradas momentos depois por David
Thomas, 22, que afirmou ter decidido investigar
após ouvir a buzina. Ele encontrou Owen "de pé
na rodovia, atrás do carro, e Christine envolvida
em tecidos sobre o volante". Van Acker
apresentava contusões no rosto e sua foto foi
publicada em jornais e revistas do país inteiro.
Todo o episódio poderia ter sido rapidamente
esquecido, ou minimizado, se fosse a única
ocorrência do tipo. Os relatos de "gigantes
peludos", no entanto, foram numerosos em
Michigan durante os meses de junho e julho de
1965, e o mês de agosto não se mostrou
diferente. A experiência aterrorizante de Christine
van Acker conseguiu atrair a atenção da mídia
nacional. Conforme a história se espalhava,
outras testemunhas surgiam com os próprios
relatos, os moradores foram se tornando
preocupados e, depois, assustados. As
autoridades locais tiveram de lidar com o
inevitável subproduto reacionário - nesse caso,
um "esquadrão" de vigilância que quase deixou
os eventos fora de controle.
Com armas de fogo e outras improvisadas, os
membros do esquadrão fizeram buscas nas
matas do interior, mas nada encontraram.
Acreditavam que a criatura fosse uma mutação
criada pela radiação da usina atômica Enrico
Fermi, localizada nos arredores. A estação havia
entrado em funcionamento poucos anos antes, e
o esquadrão sugeriu uma busca nos aterros da
usina. Por algum tempo, a situação ficou tensa.
Os operários da usina responderam trancafiando
os portões e contratando seguranças extras.
Ao mesmo tempo, as estradas da região ficavam
engarrafadas, repletas de turistas e novos
"caçadores de fantasmas", além de restaurantes,
postos de gasolina e albergues para pernoite. A
comoção foi uma dádiva para os donos e
gerentes de estabelecimentos. O dono de um
restaurantedrive inafirmou: "Não me importo
com o que (a criatura) seja, contanto que
permaneça aqui".
Harold Butcher, 16, ordenhava vacas na fazenda
dos pais em Cherry Creek, Nova York, quando seu
rádio portátil foi abalado por energia estática. Era
19 de agosto de 1965, oito dias após o relato do
ataque a Christine van Acker. A máquina de
ordenhar - alimentada por um motor de trator -parou de repente, e um touro, preso do lado de
fora do celeiro, urrou e entrou em pânico.
Olhando através da janela, Harold viu um grande
objeto elíptico pousar a poucos metros dali. O
objeto emanava um odor de gasolina queimada,
e um vapor vermelho nublava suas extremidades.
Um bipe estranho foi ouvido. O objeto partiu,
subindo diretamente em direção às nuvens. Os
membros da família encontraram grama
danificada e duas depressões no chão, onde,
segundo parecia, fora o local do pouso.
Em 21 de setembro de 1965, os óvnis retornaram
à Pensilvânia. Dois irmãos, Ronald, 23, e Gary,
18, viajavam em carros separados em direção à
casa deles no condado de Lebanon quando
avistaram algo no céu sobre a estrada. Eram
aproximadamente 22h30. Chegando em casa,
chamaram as irmãs Susan, 15, e Kay, 20, e um
amigo visitante, Becky, até o gramado em frente
à casa. Por alguns minutos ficaram do lado de
fora e viram um estranho objeto voador cercado
por luzes verdes. O óvni desapareceu, e foi em
seguida visto, apenas por Ronald, levantando-se
de um bosque atrás da casa. O objeto girou
algumas vezes antes de desaparecer novamente
em meio às árvores.
No momento do incidente, os pais dos quatro
irmãos dormiam e não souberam do óvni até o
dia seguinte. Os vizinhos, no entanto, estavam
acordados e foram chamados pelos garotos.
Todos avistaram o objeto antes de ele
desaparecer por completo.
Na noite seguinte, 22 de setembro de 1965, um
motorista do condado de Lebanon e a namorada,
que estava no assento de passageiro do carro,
avistaram um óvni em formato de disco. As
testemunhas - Larry, 22, residente no distrito de
Cleona, e Gail, 20, das proximidades de Annville -disseram ter notado o objeto pela primeira vez no
céu a sudoeste, onde apareceu e se inclinou em
direção ao solo sobre um campo aberto. O objeto
então se moveu para oeste, em direção a
Hershey, Pensilvânia. Os dois conseguiram
avistar o óvni até que chegassem à casa de Gail,
onde chamaram seu pai.
Não demorou e cerca de trinta pessoas estavam
reunidas na frente da casa assistindo ao óvni. Um
jovem ousado - Michael, de 14 anos - localizou
um telescópio elétrico 30 x 40 e o montou para
ter melhor visão. Depois contou a um jornalista:
- Não sei qual é o aspecto de um disco voador,
mas aquela coisa tinha uma cúpula branca em
cima e outra embaixo, e um anel de luzes
vermelha e verde se movendo em zigue-zague ao
redor.
Outra testemunha, uma dona de casa, afirmou
que as luzes do óvni "ligavam e desligavam".
Disse ainda que um avião comercial passou por
cima e que o óvni "atirou uma chama vermelha e
seguiu o avião"; mas o disco fez isso apenas por
um curto período antes de retornar à posição
anterior.
Um membro do grupo decidiu telefonar para o
jornal local, oLe-banon Daily News.Um fotógrafo
da equipe, a partir de agora identificado como
"PW", saiu para registrar a cena
3
. Anos depois,
em setembro de 1974, conversei com ele sobre o
incidente.
PW me contou que a redação havia recebido uma
ligação sobre um pequeno grupo de pessoas que
presenciaram "luzes estranhas" no céu de
Annville.
"Quando cheguei lá", ele disse, "o negócio estava
muito alto e não apareceria em uma fotografia.
Eu o observei até que se deslocasse a ponto de
se parecer com uma estrela. Sei que soa bem
engraçado, mas também sei que havia uma coisa
lá em cima que parecia fora do normal."
PW disse que tentou fotografar o objeto com o
auxílio da lente do telescópio - uma façanha
quase impossível sem um suporte para a câmera.
"Cada vez que tentava focar e finalmente
conseguia ajustar, o objeto se movia em outra
direção. Então precisava focar de novo. "Era
frustrante", ele conta, "Tinha minhas lentes de
telefoto comigo, mas não eram fortes o suficiente
para tirar uma foto daquela coisa."
Finalmente, o óvni desapareceu a oeste e foi
substituído por um vindo do norte. O segundo
3O fotógrafo citado nessa passagem e nas subseqüentes morreu em 2000, após uma doença
prolongada. Eu o identifiquei pelas iniciais do nome do meio e sobrenome apenas - decisão à qual
cheguei após saber sobre a morte dele em uma conversa telefônica com sua esposa.
objeto se juntou à um outro (é possível que o
primeiro houvesse retornado), e então ambos
desapareceram permanentemente.
Na mesma noite, a nordeste de Annville, no
vilarejo de Fredericksburg, condado de Lebanon,
Dale E. Richard e o pai, Élmer, bebiam café no
Fredericksburg Diner quando um caminhoneiro se
aproximou em alta velocidade para relatar que
havia uma região em chamas próximo à pista de
corrida. A notícia se tornou uma preocupação
imediata para Richard por duas razões: ele era
tanto o chefe da área quanto o dono da pista.
Acompanhados por outros homens, pai e filho se
apressaram em chegar ao local, mas não
encontraram fogo e, de fato, não acharam nada
fora do normal - até a manhã seguinte, quando
Richard, junto com outros funcionários da pista
de corrida, descobriu um círculo queimado no
gramado interno, com cerca de dois metros de
diâmetro e perfeitamente redondo. Espalhadas
de forma simétrica entre os círculos estavam
quatro marcas ou impressões, como se pernas ou
suportes tivessem se apoiado ali.
No dia seguinte, detalhes do incidente chegaram
à mesa do editor do jornal local, oLebanon Daily
News.De novo, PW encarregou-se de fotografar.
Durante a entrevista citada antes, ele afirmou:
"Nenhum maçarico poderia ter feito o que vimos
na pista. A grama estava queimada somente no
círculo. A que existia fora (do círculo) estava
normal".
A observação de PW promoveu, em parte, uma
grande desconfiança de que Richard havia
provocado a queima da área a fim de promover
seu empreendimento de automobilismo. Eu tinha
conhecimento da suspeita porque cresci na
cidade e por muitos anos também fui cético com
relação à origem do círculo queimado. No
entanto, minha conversa com PW me forçou a
reconsiderar.
Em 17 de setembro de 1974, visitei Dale Richard
na oficina mecânica de Speedway, fechada desde
então. Entreguei-lhe uma cópia da história de um
jornal sobre o incidente e perguntei se ele se
recordava dos eventos ocorridos naquela noite de
setembro de 1965. Ele leu a matéria por alguns
instantes, olhou para cima e falou: "Sim, acon-teceu exatamente como diz aqui. Não tenho
explicação sobre o que aconteceu". Quando
comentei que muitos na cidade ainda julgaram
ser a história um truque publicitário, Richard não
respondeu nada. No entanto, continuou a me
encarar fixamente, olhos nos olhos, sem desviar.
E sua expressão, sóbria e solene, não mudou.
CAPÍTULO3
Estranhos na noite
Dezembro de 1965 deu espaço a janeiro de 1966,
e, ao redor do mundo, os avistamentos de óvnis
continuavam, embora não com tanta frequência
como antes. Olhando para trás, a diminuição dos
relatos pode estar mais relacionada com o baixo
interesse da mídia e com as persistentes
objeções do governo do que com o efetivo declí-nio do aparecimento de óvnis. Seja qual for o
motivo, a trégua não durou muito.
Em março de 1966, após o fiasco do "gás do
pântano" em Michigan, que gerou uma sólida
quantidade de relatos durante todo o verão, a
atividade decolou. No ano seguinte, durante a
primavera, houve novamente um aumento no
número de avistamentos que durou até o outono
de 1967.
Meu interesse no fenômeno dos óvnis fora
deixado um pouco de lado, ainda que não tivesse
diminuído. Eu tinha 17 anos e trabalhava após o
horário de aula para pagar meu carro - o restante
do tempo acabava usando para desfrutar a
recém-descoberta liberdade da estrada.
O corpo de bombeiros da cidade sediou, naquele
verão, o desfile e a convenção dos bombeiros do
condado, e, durante as festividades, meus
amigos e eu planejamos acampar uma noite nas
montanhas do norte. Combinamos acampar em
Little Mountain, aos pés da Blue Mountain, parte
dos Apalaches. Em 1967, a área era mais isolada
do que é hoje, cercada por fazendas e florestas, e
acessível apenas por meio de estradas sinuosas -o acesso à montanha se dava por uma estrada de
terra estreita que formava uma espécie de
looping, criando um grande círculo.
Eu conhecia Little Mountain porque havia
praticado caça selvagem com meu pai no local, e
achei a possibilidade de acampar ali excitante.
Meus amigos também estavam animados e, com
o consentimento de nossos pais, empacotamos
comida, barraca, lanternas e sacos de dormir e
seguimos em dois automóveis antigos.
Entre os amigos de acampamento estavam: meu
primo, Larry Zeigler; um de seus amigos mais
próximos, Mike; um amigo em comum, Joe; e
meus vizinhos Wayne Rentschler e Steve Hetrick.
Chegamos várias horas antes de escurecer,
escolhemos uma área decamping e desem-pacotamos  o equipamento. Não havíamos
planejado loucura alguma para aquela noite -nada de drogas ou álcool, sequer um rádio em
volume alto. Também não cogitamos a
possibilidade de ocorrerem problemas ou receber
hóspedes não convidados, pois não havíamos
contado a ninguém, além dos pais, os planos de
visitar a montanha. Os únicos visitantes que
cogitávamos a possibilidade de receber eram
alguns abutres ou predadores, e nada maior que
uma raposa ou um lince.
Instalamo-nos em uma área próxima de onde os
carros estavam estacionados, mas dentro o
suficiente da floresta para passarmos
despercebidos caso alguém usasse a estrada.
Não havia localização melhor: o chão era
relativamente nivelado e sem muitas pedras, ou
seja, dormir não seria um problema. Além disso,
havia um pequeno riacho lá perto que nos
forneceria água. (Naquela época podia-se beber
da água da montanha, sem tratamento, pois não
havia preocupações excessivas com saúde.)
Montamos a barraca, abrimos os sacos de dormir
e então fizemos uma fogueira. Ao cair da noite,
estávamos estabelecidos confortavelmente na
floresta.
Observei, ao longo dos anos e em diversos
acampamentos em países distintos, que o sono
surge mais cedo na floresta - possivelmente por
uma regressão instintiva a um comportamento
primitivo, ou talvez apenas porque, quando
estamos na floresta, não há televisão nem
aparelho de som, ou computador para ocupar o
tempo e a mente (a não ser, é claro, que você
sinta a necessidade de carregar um aparelho de
som portátil ou umlaptop- mas nesse caso você
poderia ter escolhido ficar em casa). Livre das
armadilhas  high tech,  há a oportunidade de
conversar com os colegas de acampamento ou
escutar a noite e se maravilhar com os sons que,
de outra forma, seria impossível ouvir.
Assim foi naquela noite. Preparamos a fogueira
enquanto contávamos histórias e falávamos de
assuntos da juventude. Em seguida, fizemos
cachorro-quente e comemos chili enlatado. Aos
poucos, a diminuição da comida e da conversa,
combinada com o ruído manso da floresta, aquie-tou-nos. Após algum tempo, decidimos nos
recolher - meus amigos na barraca e eu em um
saco de dormir desenrolado ali perto.
Acordei e vi o acampamento escuro, o fogo há
muito tempo reduzido a brasas fracas. No saco de
dormir encontrei minha lanterna, à qual usei para
iluminar meu relógio: eram três da madrugada.
Na copa das árvores, um corujão-orelhudo piava
de forma profunda e assustadora. Tremi em meu
saco de dormir. O grito da coruja me lembrava
um cão de caça latindo à distância.
Outro som, fraco e vibrante, me chamou a
atenção. Desliguei a lanterna e engatinhei
devagar para fora do saco de dormir. Vestido em
meu jeans, calcei o tênis e enfiei uma camiseta.
No acampamento, tudo estava parado, somente
aquela pulsação fraca e errante se intrometia no
silêncio da floresta. Sem acordar os outros, fui em
direção à estrada de acesso. Caminhei por entre
as árvores - cuidadosamente com medo de usar a
lanterna em minha mão.
De cima, a coruja clamou de novo, fazendo com
que eu saltasse. O pássaro parecia me
acompanhar, marcando meu avanço, e, pela ex-traordinária visão noturna e vantagem de ponto
de vista, ocorreu-me que ele já havia localizado a
fonte do som - devia, na verdade, estar
observando-a o tempo todo.
Minha visão se ajustava à escuridão quando
avistei a estrada de acesso através dos troncos
das árvores. Parei e escutei: o som vinha de
algum lugar ao fundo da estrada.
Vagarosamente, a vibração ficou mais alta e
então percebi que se tratava do motor de um
carro - um V-8 agudo - guinando em baixa
velocidade. Agachei-me e, momentos depois, o
brilho dos faróis atravessou as árvores.
O carro adiantou-se até ficar diante de meu
esconderijo e, inexplicavelmente, parou. Os faróis
se apagaram. Um ponto de luz atravessou com
rapidez o céu noturno, girando e descendo sobre
o acampamento. Congelei. Com medo até de
respirar, pude ouvir meus amigos se agitarem
nas barracas.Uma arma disparou na noite!
Um pandemônio irrompeu de dentro da barraca e
ouvi Wayne gritar para que os outros se
abaixassem. Inexplicavelmente, o som de terror
deles dispersou minha paralisia e, engatinhando,
comecei a me mover (talvez de maneira
estúpida) em direção à estrada, determinado a
conseguir uma visão melhor do carro.
Enquanto avançava devagar, ouvi o chiado de um
radiotransmissor. O ponto de luz desapareceu.
Fiquei de novo paralisado enquanto o automóvel
deu partida sem ao menos acender os faróis.
Reunindo o que havia restado de minha coragem,
prossegui até o limite das árvores a tempo de ver
o vulto escuro do carro, desaparecer na estrada.
Levantei-me de meu esconderijo e corri de volta
ao acampamento, onde me reuni com os outros.
Ninguém havia se ferido, mas o nível de temor
era alto. Discutimos sobre quem poderia estar no
carro, e alguém sugeriu policiais, mencionando a
arma e o rádio. Repliquei que aquilo não fazia
sentido, pois a polícia teria se apresentado e,
além disso, não usaria uma arma sem motivo.
Outra pessoa - Larry, eu acho - concordou com
minhas considerações e acrescentou que o tiro
não parecia ter saído de uma arma de polícia, e
sim de um calibre leve - 22 ou 32.
- Se não eram policiais, quem seriam então? -perguntou Wayne, insistindo que poderia ser
alguma "brincadeira" da polícia local.
- Quem quer que seja, voltará - apontou Mike,
deixando evidente, pelo tom da voz, o medo que
todos sentíamos.
Ele estava certo: ou o carro retornaria, ou
seguiria caminho, saindo na nossa frente. De
qualquer maneira, tínhamos pouco tempo para
traçar um plano de ação e escolher entre ficar ou
fugir. Indecisos, discutimos e debatemos, mas era
tarde demais: o carro já retornava.
O que cada um de nós fez ou disse naquele
momento eu sinceramente não me lembro. Sou
capaz de fornecer detalhes substanciais apenas
porque mantive anotações durante muito tempo.
Recordo-me de que estava tomado por uma
espécie de disfunção intelectual: uma descarga
de adrenalina e um instinto primitivo assumiram
o controle. Os psicólogos chamam esse
comportamento de reação "lutar ou fugir", uma
resposta a uma circunstância de ameaça à vida -como a postura de um soldado em guerra, forma
elegante de dizer que você quer mesmo é salvar
a pele. Estive nessa "casa dos horrores" em
várias ocasiões ao longo dos anos, mas aquela
noite de 1967 foi a primeira vez. Meus amigos e
eu éramos garotos, e garotos devem se divertir,
não encarar o terror em uma viagem de
acampamento, às três da madrugada.
Então esperamos, agachados no chão, usando as
árvores como cobertura; esperamos que o ponto
de luz encontrasse cada um de nós; esperamos
um outro tiro estourar na noite. Quando se é
adolescente, a imaginação é incrivelmente ativa,
e eu tenho certeza de que todos imaginamos o
pior.
A hora parecia se arrastar enquanto o carro se
aproximava - com faróis apagados e motor
chiando. Meu coração bateu forte. Sem nenhuma
mudança perceptível de velocidade, passou por
nós e se foi.
Arrastamo-nos para fora dos respectivos
esconderijos e ficamos ali, surpresos, até que
todos se pusessem a falar. No meio da conversa,
Larry sugeriu que checássemos nossos carros
para nos certificar de que não haviam sido
danificados nem violados.
Como um bando de cachorros amedrontados,
seguimos para a estrada e corremos em direção
ao local onde estacionamos os automóveis. Eu
estava por último e ouvi alguém logo à frente
tropeçar e cair. Uma longa maldição foi dita, e as
lanternas revelaram o que ocorrera: um pedaço
de madeira - uma árvore morta - bloqueava a
estrada. Além daquela, havia outra, e, além
desta, ainda outra, provavelmente colocadas lá
por alguém que estava naquele carro. Como as
madeiras foram depositadas com tal velocidade
era um mistério sobre o qual nenhum de nós
pensou por muito tempo naquela hora.
Verificamos os carros e nos convencemos de que
não havia nada de errado. Em seguida,
rebocamos os troncos para fora da estrada.
De volta ao acampamento, reacendemos a
fogueira e atiramos madeira nela até que
começasse a estalar. O medo que sentíamos pa-recia querer diminuir, dando lugar a um
nervosismo furioso. Como garotos, gostávamos
de acreditar em nossa coragem, mas os eventos
daquela noite estavam além de nossa
experiência juvenil.
Permanecemos no acampamento até o
amanhecer sem que ninguém dormisse.
Poderíamos ter escapado, acredito, não fosse
pela sensação bizarra de que, em algum lugar na
estrada, além das árvores, o carro nos esperava -o motorista talvez estivesse rindo na escuridão.
A luz do dia irrompeu com suavidade pela
floresta. Apagamos o fogo e empacotamos os
utensílios. Quando saímos da montanha, o sol já
havia nascido e, após alguns dias, os eventos
daquela noite não passariam de memória, de um
simples pesadelo.
Por mais assustadora que pareça a experiência
daquela noite, ela passa quase despercebida se
comparada aos eventos ocorridos em outros
locais. A agitação causada por um óvni -completa, com direito a luzes noturnas sinuosas,
ocupantes e criaturas estranhas - havia se
espalhado de novo pela nação. A atividade
bizarra, documentada por John Keel em seu
importante livroThe Mothman Prophecies,  foi
mais marcada, no vale do rio Ohio, onde se
estendeu por quase cartoze meses, de novembro
de 1966 a dezembro de 1967.
É possível que a primeira ocorrência do período
no vale de Ohio seja o encontro entre um
vendedor chamado Woodrow Derenberger e o
risonho ocupante de um óvni, um homem com
aspecto normal que se identificou apenas como
sr. "Frio" e conversou com Derenberger por
telepatia antes de partir em sua nave. O
incidente, testemunhado por várias pessoas,
ocorreu em 2 de novembro de 1966, nos
arredores de Parkersburg, Virgínia ocidental, e foi
relatado à polícia. Treze dias mais tarde, uma
criatura ameaçadora iniciou as aparições na
cidade de Point Pleasant (no mesmo estado) e
arredores. Apelidado de "Mothman" (Homem-Mariposa) pela mídia, a criatura foi descrita por
testemunhas como tendo entre 1,80 e 2,10
metros de altura, grandes asas e brilhantes olhos
vermelhos.

Figura 3.1: Gray Barker, autor e ufólogo, em uma
convenção sobre ovnis na cidade de Nova York,
em 1980. Entre os livros de Barker está The
Silver Bridge, relato dos casos de óvnis e
criaturas estranhas em Point Pleasant (Virgínia
ocidental) e arredores. (Fotografia de Michael G.
Mann, da coleção de R. Hilberg)

A chegada do "Mothman" foi anunciada não
apenas por relatos sensacionalistas da mídia,
mas também por um surto de mortes não
explicadas de animais e desaparecimentos de
bichos de estimação. Em um caso, investigado
pelo falecido autor Gray Barker (Figura 3.1), um
pastor-alemão chamado Bandit desapareceu
próximo a Salem, Virgínia ocidental. O dono de
Bandit, Newell Partridge, contou a Barker que na
noite de 14 de novembro de 1966, o aparelho de
televisão da casa dos Partridge emitiu um chiado
parecido com o de um gerador enquanto, do lado
de fora, Bandit começou a choramingar. Partridge
apontou uma lanterna na direção do celeiro e
percebeu dois grandes círculos vermelhos, ou
"olhos". Foi então à caça e, ao perceber que o
cachorro não havia retornado, resolveu dormir
com uma arma carregada a seu lado. Na manhã
seguinte, encontrou as pegadas de Bandit onde
avistara os "olhos". As marcas denunciavam que
o cachorro havia se movido em círculos, como se
seguisse o rabo, e as pegadas se estendiam
apenas até aquele local.
Treze meses depois, em 15 de dezembro de
1967, a Silver Bridge (uma ponte de 213 metros)
em Point Pleasant caiu durante o trânsito na hora
do  rush.  Uma testemunha declarou: "Olhei para
cima e ela não estava lá". A ponte inteira
desapareceu no interior do rio, fazendo com que
um total de 31 veículos afundasse no gelado rio
Ohio e 46 pessoas morressem na tragédia.
Uma semana após o desastre de Silver Bridge,
em 22 de dezembro, Keel reportou que dois
homens estranhos, com pele bronzeada e ves-tindo casacos pretos, entraram no escritório de
Mary Hyre, correspondente do jornal local.
Exausta pela cobertura dos eventos trágicos da
semana anterior, a senhorita Hyre ficou perplexa
quando os homens lhe perguntaram sobre a
presença de óvnis na região. Durante a estranha
conversa, um dos homens perguntou a ela o que
faria se fosse "convidada" a parar de escrever
sobre discos voadores.
Mais tarde, naquele mesmo dia, outro homem
com olhos e pele escura entrou no escritório e se
identificou como Jack Brown, investigador de
óvnis. Outra conversa estranha ocorreu, em meio
à qual Brown alegou ser amigo de Gray Barker e
perguntou sobre John Keel. A senhorita Hyre
relatou que o homem gaguejava e vestia um
terno antiquado e mal ajustado, e que, apesar do
intenso frio do lado de fora, ele não usava
casaco.
Personagens como Jack Brown têm perturbado e
amedrontado pessoas durante séculos. Em
tempos passados, eram associados ao ocultismo
ou a experiências religiosas - os "Homens
Obscuros" de inúmeras tradições. Nos dias atuais,
eles fazem parte da mitologia dos óvnis. Chegam
depois de um disco voador ou evento fortiano - e,
com frequência, até mesmo antes de a vítima ter
a chance de relatar sua experiência -, às vezes a
pé, outras vezes dirigindo automóveis que
aparentam ser novos, mesmo quando o veículo
claramente tem anos de idade. Às vezes abordam
amigos ou familiares de testemunhas e
investigadores, fazendo perguntas estranhas e
observações duvidosas, ou apenas os perseguem
por todos os lugares. A conduta deles é
desagradável e suas palavras e ações são, quase
sempre, um absurdo completo.
A primeira vez que ouvi sobre os "Homens de
Preto" foi por volta de 1969 ou 1970, em
matérias de revistas e em um livro escrito por
Gray Barker. De início, tudo isso se parecia muito
com uma paranóia relacionada a óvnis, mas em
pouco tempo estava me correspondendo com
Keel e Barker, e ambos me asseguravam que os
Homens de Preto eram um fenômeno real, ainda
que esquivo. Pouco tempo depois, encontrei-me
com Barker numa convenção em Cleveland e
durante uma longa conversa me lembrei daquele
evento assustador nas montanhas em 1967.
Contei-lhe em linhas gerais a experiência e sugeri
que poderia se tratar de uma ocorrência dos
Homens de Preto. Após ouvir com educação,
Barker me disse que o episódio provavelmente
não era nada além de uma comum, se não
exagerada, brincadeira. Anos mais tarde, percebi
a ironia da resposta ao descobrir que Barker,
junto com seu amigo James Moseley, havia
aplicado diversos trotes impressionantes e ao
menos um bastante sério na comunidade dos
ufólogos.
Apesar de Barker ter sugerido que se tratava de
uma brincadeira - peguei-me de novo insistindo
nos eventos daquela noite de 1967. Quanto mais
pensava neles, mais suspeitava de que havia
passado por uma experiência fortiana. Pense:
havia uma coruja - uma ave associada à lendas,
inclusive à lenda do fantasma que geme, o "Ban-shee"; havia o fato curioso de que o ocupante, ou
ocupantes, parecia saber exatamente onde o
acampamento estava localizado; havia a
obstrução causada pelos pedaços de madeira,
colocados misteriosamente em transversal na
estrada com velocidade e silêncio - nosso
acampamento não estava muito distante e
teríamos ouvido o barulho da madeira sendo
arrastada. Por fim, havia o medo intenso e quase
anormal que acompanhou a experiência.
Nos anos 1970, enquanto prosseguia meus
estudos sobre óvnis, continuei a ouvir sobre os
Homens de Preto. As histórias vinham de diversas
fontes, entre elas amigos e conhecidos. Descobri
que havia dois tipos de Homens de Preto: o
misterioso, mas em geral bastante humano, e
outro tipo que, com base em relatos, parecia ser
algo não humano, mas "para-humano", como o
personagem da história que me foi relatada em
junho de 1977.
Eu havia partido para uma viagem de fim de
semana e, na volta, parado em um restaurante
que costumava frequentar. A garçonete em
serviço era uma amiga que conhecia meu
interesse por eventos fortianos e lamentou por eu
não ter estado lá no dia anterior.
Um homem desconhecido, ela disse, se
aproximou da entrada principal do restaurante e
começou a empurrar, em vão, o vidro da porta.
Claramente sem compreender que para abrir a
porta era preciso puxar, o homem continuou
empurrando, até que a garçonete gritou:
"Puxe!"
Ela disse que o homem, de meia-idade, vestia
uma camiseta velha e calças, tinha a pele escura
(não negra) e caminhava de maneira dura e
bizarra. Minha amiga percebeu que havia algo
sombrio nele, algo que não podia definir muito
bem. Em um vilarejo onde desconhecidos são
uma raridade, esse homem era especialmente
peculiar.
Com um olhar estranho e fixo, o homem se
aproximou do balcão e pediu à garçonete
cinquenta centavos. Ela, pensando ter ouvido
errado, ignorou o pedido. Quando pediu uma
segunda vez, ela lhe disse com educação que
restaurantes eram negócios para ganhar e não
dar dinheiro, o que fez com que o homem
respondesse com um ressonante "Oh!". Em
seguida, ele se sentou junto ao balcão. Pediu um
copo de água, sem ver ou sem perceber o copo
cheio que a garçonete já havia colocado à sua
frente. Ela apontou para o copo, então, o homem
pegou-o e bebeu, sedento. Sem dizer nenhuma
outra palavra, levantou-se e caminhou para fora
do restaurante, apenas parando para encarar
demoradamente a garçonete, antes de seguir.
A aparição e as ações bizarras do homem
deixaram minha amiga nervosa. "O mais
estranho nele", ela disse, "é que nunca piscava!".
Ela admitiu que talvez pudesse ter piscado
enquanto ela não olhava, mas nem uma vez
sequer ela viu suas pálpebras se moverem.
Em 1967, um episódio tão estranho quanto esse
ocorreu em San Luis Valley, no Colorado, área
com longo histórico de óvnis e fenômenos for-tianos. A testemunha, a quem vamos nos referir
como senhorita B, era uma artista que identificou
um objeto com forma circular voando sobre o
vale do Great Sand Dunes National Monument.
Posteriormente, ela pintou o objeto voador e pôs
na tela as lembranças da experiência.
Semanas mais tarde, em sua casa perto de
Alamosa, a senhorita B recebeu a visita de um
homem interessado em sua pintura. O visitante,
aparentando ter cerca de 35 anos, comportava-se
de maneira estranha e declarou ser de outro
universo.
"Não sei ler", explicou, "mas diga o nome de
qualquer livro, em qualquer biblioteca, e eu
poderei lhe contar o conteúdo dele."
Nervosa com o desconhecido, a senhorita B
perguntou-lhe como soubera de sua pintura. Em
vez de responder à pergunta, ele apenas
lembrou-a de que não podia ler, e tratou de
confundi-la ainda mais ao afirmar que os
humanos perdem muito tempo e energia na
busca por alimento "quando tudo poderia ser
tirado com facilidade da atmosfera".
A artista disse à polícia que o homem parecia
doente e insistia em comprar a pintura. Ela
deliberadamente pediu um valor bastante alto,
ele replicou dizendo não ter dinheiro. O visitante
partiu em um carro com placa do Arizona e,
meses mais tarde, a polícia ainda não o havia
rastreado.
Dizer que o visitante da senhorita B apresentava
um comportamento estranho e irracional é
atenuar o fato, da mesma maneira que o é com
relação ao homem no restaurante. Isso não quer
dizer, no entanto, que esses dois encontros foram
sem propósito. Em cada um, o visitante causou
um grau de confusão mental que forçou a
testemunha a repensar pontos de vista e crenças
fundamentais, em particular os mais
provincianos, sobre a vida e a realidade.
Psicólogos chamam isso de "técnica da confusão"
- uma forma de recomposição mental. Trata-se de
uma abordagem que abre as portas para novas
idéias e possibilidades e, se aplicada em escala
suficientemente larga, poderia, em teoria,
influenciar mudanças sociais.
No auge do interesse por óvnis e fenômenos
fortianos, meu amigo Raymond possivelmente
sofreu essa obscura e incomum técnica aplicada
contra si. O evento, que ocorreu em sua cidade
durante um encontro com os Homens de Preto,
mais tarde foi descrito num bilhete anexado a
uma carta datada de 16 de agosto de 1976:
"Essa tarde, a caminho para lhe enviar a carta,
passei pelo corredor de um pequeno prédio
comercial e lá, sentado num banco e vestindo
terno, havia um velho senhor. Assim que me
aproximei, ele perguntou em alto e bom som:
'Você está aí em cima agora?'
Como pode imaginar, fiquei estupefato, mas logo
percebi que não falava comigo (apesar de não
haver mais ninguém por perto). Exatamente
como se falasse ao telefone, continuou em tom
alto: 'Ah, você está aí em cima! Meu Deus!
Estarei aí em alguns minutos.'
O velho então se levantou e caminhou para fora
do prédio, rumo à rua.
Eu tinha de escolher entre segui-lo ou ir, em
direção oposta, ao correio. Desculpe-me dizer,
mas fui para o correio e enviei sua carta. Talvez
tenha feito a coisa certa: se tivesse seguido o
velho senhor, é provável que agora estivesse 'lá
em cima' sem saber como descer!".
Apesar do tom humorístico, a história de
Raymond se parece com outros relatos que
envolvem Homens de Preto em pelo menos um
ponto importante: o estranho parecia bêbado ou
desorientado (ou, nesse caso, simplesmente
senil), expressando aparente falta de senso e
falta de sincronia com o que se passa a sua volta.
Nem todos os casos que envolvem os Homens de
Preto são bizarros como esse. Conforme já
mencionado, às vezes o encontro ocorre com um
ou mais indivíduos que parecem bastante
normais, exceto pelo comportamento misterioso
e reticente. Comportam-se como agentes
secretos ou pessoas que desempenham esse
papel.
Em 1965, após um evento ufológico de nível
baixo, o fotógrafo PW foi abordado por dois
homens que viajavam em um Plymouth preto e
alegavam ser representantes de uma
organização que pesquisava óvnis. Interrogaram
sobre a localização de várias árvores altas
queimadas pelo objeto (descrito como um
clássico disco). Os homens disseram precisar de
amostras de folhas e cascas de árvores para
análise em laboratório. Quando PW apontou o
local, que era próximo, um dos homens retirou do
carro um par de sapatos com ferrões e subiu em
uma árvore. Enquanto isso acontecia, PW
questionou o segundo homem, mas não
conseguiu extrair nenhuma informação que
valesse a pena. Os dois homens se foram logo
após recolherem as amostras.
Em 23 de maio de 1964, no noroeste da
Inglaterra, próximo à divisa com a Escócia, Jim
Templeton, a esposa e duas filhas passavam a
tarde no pântano de Burgh, próximo a Solway
Firth (estuário do Solway). Templeton, de Carlisle
(Inglaterra), fazia o papel de um cinegrafista
amador ao fotografar a filha de cinco anos,
Elizabeth, que usava um vestido novo. Conforme
focava a câmera, pôde ver as torres de
refrigeração da usina de energia atômica
Chapelcross, do outro lado do estuário. Nada
mais aparecia no campo de visão da câmera, o
que ele julgou estranho, pois, em geral,
espalhavam-se ovelhas pastando pela paisagem.
Na ocasião, entretanto, as ovelhas estavam todas
juntas, como se estivessem assustadas.
Templeton levou o filme a uma loja para ser
revelado. Quando foi buscá-lo, a gerente do
estabelecimento comentou sobre a "adorável"
foto de Elizabeth, mas expressou curiosidade pelo
"cara grandalhão" ao fundo. Para sua grande
surpresa, Templeton encontrou uma segunda
imagem na foto: um homem que vestia um terno
prateado.
A foto do inglês foi publicada por todo o mundo e
examinada por especialistas que ficaram
desnorteados. A consequente cobertura da mídia
atraiu uma grande massa de investigadores de
óvnis, espiritualistas e curiosos. Templeton foi
acusado de aplicar um golpe, mas afirmou com
insistência que aquilo não fazia sentido.
Funcionário da brigada de fogo de Carlisle, um
dia recebeu, no quartel dos bombeiros, a visita de
dois sujeitos estranhos, altos, que vestiam terno
preto e chapéu de feltro. Os homens dirigiam um
jaguar preto e se identificaram como investigado-res do governo, solicitando a Templeton que os
acompanhasse ao pântano de Burgh. Templeton
descreveu a atitude dos dois homens como
"reservada e arrogante". Quando chegaram ao
pântano, um dos homens perguntou: "Foi aqui
que você viu o homem do espaço?".
Templeton respondeu - como fizera tantas vezes
antes - que nem ele nem os membros da família
haviam visto ninguém na hora; que estavam
sozinhos no pântano. Após ouvi-lo, os dois
homens entraram de volta no Jaguar e se foram,
deixando Templeton sozinho no pântano, a dez
quilômetros de Carlisle.
Há uma espécie de  post scriptumpara essa
história: algumas horas após Jim Templeton tirar
a foto no pântano, a contagem regressiva para o
lançamento de um foguete de teste em
Woomera, Austrália, foi cancelada. De acordo
com relatos da época, uma figura estranha e
vestida em terno prateado foi vista na área de
lançamento, mas jamais localizada. Quando
descrições da figura foram comparadas à imagem
na fotografia de Templeton, perceberam que as
duas eram praticamente idênticas.
Estritamente falando, o próximo relato não tem
ligação com os Homens de Preto, embora envolva
um homem misterioso e também a história de um
óvni que sofreu uma colisão. Compilado por Rick
R. Hilberg (Figura 3.2), o relato apareceu
originalmente no agora extintoUFO Journal.
Hilberg, que vive com a esposa e o filho em
Berea, Ohio (próximo a Cleveland), é ufólogo
experiente e uma autoridade em fenômenos
fortianos. Em 1981, recebeu um telefonema de
um homem que dizia querer relatar um óvni. John
- como o identificaremos aqui - falava de um
"disco diurno" que executava manobras aéreas
agudas.
"Ouvi o relato dele", conta Hilberg, "e informei
educadamente que tínhamos muitos casos
parecidos em nossos arquivos."

Figura 3.2: O jovem ufólogo Rick Hilberg (à
esquerda) com o falecido Donald E. Keyhoe em
Cleveland, 1964. Major aposentado da Marinha,
Keyhoe liderou o Comitê Nacional de
Investigações de Fenômenos Aéreos (National
Investigations Committee on Aerial Phenomena -Nicap) e foi autor de diversos livros de sucesso
sobre óvnis, entre eles, The Flying Saucers Are
Real (1950) eFlying Saucers from Outer Space
(1953). (Fotografia de Allan Manak, da coleção de
R. Hilberg)



John fez muitas perguntas e, em certo ponto da
conversa, expressou interesse em saber se os
investigadores na região de Cleveland conheciam
histórias sobre óvnis acidentados; e, caso
conhecessem, se depositavam alguma fé nelas.
Ele então relatou uma história sua, alegando que
nunca havia contado a ninguém, nem mesmo aos
membros da própria família, com medo de que o
julgassem mentiroso. O resumo a seguir é
referente à matéria doUFO Journal, com a
permissão de Rick Hilberg:
John estava em uma loja de selos no centro de
Cleveland (em agosto de 1952) quando iniciou
uma conversa com outro cliente. Ele disse que os
dois falaram sobre selos por um tempo e
pareciam gostar da companhia um do outro. John
descreveu o novo amigo como um homem baixo
e robusto, de aproximadamente 32 anos, pele
escura e cabelo curto, estilo militar. (Por
questões de conveniência, ele será chamado de
agora em diante de "Robert", embora o nome
verdadeiro - se de fato esse homem existiu - seja
desconhecido.) Durante várias semanas
seguintes [...] os dois se encontraram na casa de
John para falar sobre selos e às vezes jogar
algumas partidas de xadrez. John disse que ainda
que fosse um jogador considerável o novo amigo
sempre ganhava. Ele disse sentir (na hora) como
se Robert pudesse ler sua mente, já que sempre
parecia saber vários movimentos que John viria a
realizar. [...] Robert afirmava (ser) um engenheiro
químico que trabalhava para o estado de Ohio.
[...] Parecia ter bons conhecimentos de assuntos
técnicos e de repente começava a discorrer sobre
todos os tipos de informações detalhadas de um 
(tipo de) carro, ou alguma peça complicada de
um maquinário. [...] Parecia saber mais sobre
qualquer assunto técnico do que até mesmo um
engenheiro saberia. Usava sempre o idioma
perfeito dos livros didáticos, e, embora dissesse
ser de Ohio, apresentava um leve sotaque de al-gum lugar que John não conseguia identificar.
Após três semanas de amizade, Robert o
convidou para um jantar e uma partida de xadrez
em sua casa. [...] John relatou que, após o jantar,
Robert tirou uma fotografia da gaveta, passando-a para o amigo, e perguntou se já ouvira falar em
discos voadores. Ele respondeu que não conhecia
muito o assunto, mas que havia lido matérias
ocasionais no jornal. John disse que olhou para a
imagem e ficou impressionado.Aimagem na
fotografia parecia ser uma espécie de grande
máquina que havia colidido com a lateral de uma
colina. Seja lá o que fosse, estava bastante
danificada. [...] Parte da superfície estava em
pedaços e espalhada por todo o local do
acidente, além disso, apenas uma estrutura
bastante deformada, que fazia John se lembrar
da forma de um guarda-chuva, ainda existia. Ele
estava certo de que o objeto não era nenhum
tipo de aeronave conhecida, e afirmou que dois
corpos, similares a seres humanos horrivelmente
carbonizados em um grande incêndio, foram
encontrados no chão próximo à nave. Estimou (a
altura deles) em entre 1,20 e 1,50 metro, mas
admitiu ser apenas uma estimativa. John
perguntou a Robert o que (exatamente) a foto-grafia mostrava, mas não recebeu resposta, e a 
imagem voltou para dentro da gaveta antes de
os homens iniciarem a partida de xadrez.
Após uma semana sem receber notícias de
Robert, John decidiu ir até sua casa. [...] Quando
bateu à porta, [...] confrontou-se com uma
senhora de idade, que o olhou de forma suspeita.
Quando perguntou pelo amigo, ela lhe disse que
morava sozinha na casa, vivera ali toda a vida
adulta e nunca havia visto nem ouvido falar de
ninguém parecido com Robert na vizinhança. Ela
pediu que John se retirasse, ao pensar, é
evidentemente, que fosse louco ou quisesse lhe
fazer mal.
John afirma que nunca mais viu Robert, embora
tenha recebido um cartão de aniversário do
amigo alguns dias depois. Ele disse a Rick Hilberg
que ficara confuso com a chegada do cartão, pois
estava certo de que jamais havia mencionado a
data a Robert. Em uma nota pessoal, Hilberg
afirma ter conversado com John em três ou
quatro ocasiões subsequentes, sempre achando-o
sincero e confiável. "A história de John", disse
Rick, "é algo que sou incapaz de explicar."
O que pensar de tudo isso? Algumas experiências
relacionadas aos Homens de Preto, como o
encontro que PW teve com os sujeitos que
buscavam amostras de árvores, ou a experiência
de Jim Templeton com os homens do Jaguar
preto, podem muito bem ser ações secretas de
funcionários do governo. Com relação aos outros
episódios, em geral mais estranhos, se tomados
de modo individual, poderiam ser rejeitados,
justificados como armações, fantasias ou fruto de
uma imaginação exagerada (isso inclui minha
própria memória da noite nas montanhas). Esse
ceticismo se torna mais complicado, entretanto,
quando se reconhece que tantas histórias
parecidas tenham surgido de locais tão distantes
uns dos outros. Além do mais, em ao menos al-guns dos casos antes mencionados, componentes
religiosos ou ocultos - a associação aos "Homens
de Preto" - continuam evidentes.
Em janeiro de 1998, o investigador escocês Ron
Halliday reportou a experiência de uma
testemunha de óvni que, no dia do avistamento,
observou doze Homens de Preto entrarem na
casa de um vizinho, onde "se tornaram
invisíveis". A testemunha descreveu os trajes
usados pelos Homens de Preto como sendo
similares ao vestuário dos membros do clero.
Dois indivíduos posteriormente surgiram na casa
da testemunha para discutir a Bíblia e lhe dizer
que os doze homens eram um trabalho do
demônio. "Não era o óvni que preocupava o
casal", refletiu Halliday, "eram os Homens de
Preto".
CAPÍTULO4
A Invasão do Lago Boshkung
O caso teve início na noite de 23 de novembro de
1973.
Os corretores de imóveis canadenses Earl Pitts e
Jim Cooper dirigiam pela via 35, com destino à
sua casa, próxima ao lago Boshkung, na cidade
de Minden, em Ontário (Canadá). De repente,
uma "coisa estonteante", como Pitts descreveu
depois, brilhou no céu, de leste a oeste, e
desapareceu de seu campo de visão em
segundos. O objeto, que os homens estimaram
ter quase cinco metros de extensão, tinha a
frente larga e se estreitava gradualmente, com a
extremidade frontal brilhante e uma luz branca
na cauda.
O piloto particular Dale Parnell, de Stormy Lake,
Ontário, que voltava para casa com a esposa, viu,
também naquela noite, outro (ou talvez o
mesmo) objeto passar próximo à estrada
Buckhorn. Além deles, Pete Sawyer, de Hall's
Lake, Ontário, também avistou um objeto voador
estranho, parecido com um helicóptero sem
cauda.
"Ele desceu o canal próximo ao Shaws, seguindo
para o lago Boshkung", contou Sawyer.
A parte superior do objeto estava iluminada; a
parte inferior, semi-escura, e "isso foi tudo o que
vi dele". Sawyer acrescentou que o tal objeto
tinha quatro pernas ou trens de pouso
aparentemente levantados.
Três meses depois, objetos voadores estranhos
ainda passavam pelos arredores do lago
Boshkung. O sr. e a sra. Ashley Lunham, que
viviam em uma casa às margens do lago,
disseram ao repórter Peter Courtney, doMinden
Progress,que objetos aéreos estranhos podiam
ser vistos quase todas as noites desde meados de
novembro. Os óvnis não haviam tentado,
declaradamente, perturbar a população ou cau-sar alguma interferência em suas vidas, afirmou
a sra. Lunham. Ela se recordou, no entanto, de
um incidente perturbador.
Certa vez, em fevereiro de 1974, o casal havia
terminado o jantar quando viram um óvni mover-se sobre o lago e virar em direção à casa. Ao
completar aproximadamente metade do
percurso, o objeto emitiu um brilho de luz branca,
como se gerasse excesso de energia. A explosão
da energia durou apenas um ou dois segundos,
mas nesse pequeno intervalo o gelo presente na
janela da sala de jantar, da casa dos Lunham,
derretera! Quando a sra. Lunham dirigiu-se ao
local para secar a água, percebeu que estava tão
quente que "mal podia tocá-la". A temperatura
exterior, na época, era de 20°C abaixo de zero.
Os óvnis apresentaram-se no lago Boshkung em
cores e formas variadas. Alguns tinham forma de
charuto, ao passo que outros possuíam formato
de girino. Alguns piscavam luzes âmbar,
vermelha, azul e branca; outros tinham cor de
ferrugem ou preta, e, por vezes, um vermelho
fosco. Cada um deles, de acordo com relatos,
teria até nove "antenas" externas, embora
parecessem se comunicar não por rádio, mas por
um código através de luzes brilhantes, que
piscavam para frente e para trás.
De acordo com os Lunham, objetos voadores
apareciam sobre o lago quase todas as noites
durante o pôr do sol no inverno. Aproximavam-se
a princípio sozinhos ou em pares, e depois em
números maiores, até que a superfície congelada
do lago tornava-se um verdadeiro
estacionamento. Os objetos, então, estacionavam
na superfície, permaneciam imóveis sobre os fios
elétricos dos arredores (uma prática comum dos
óvnis), ou flutuavam sobre os buracos que
ficavam no gelo após a partida dos pescadores.
Os ocupantes dos óvnis, se é que existiam, nunca
foram vistos.
Após semanas observando aquela atividade
noturna, os Lunham decidiram telefonar para as
autoridades, em vão. Um policial da Província de
Ontário chegou ao local, verificou os "reflexos" do
objeto e foi embora. Após sua partida, os
"reflexos" se atiraram em direção ao céu e
fizeram listras sobre o lago, refletindo na
superfície congelada.
Os Lunham então tentaram se dirigir ao
Departamento Canadense de Defesa Nacional. Lá
obtiveram menos sucesso.
Na manhã de 26 de fevereiro de 1974, quatro
óvnis, de cores e formatos diferentes dos
anteriores, foram avistados a menos de doze
metros da casa dos Lunham. Cada um tinha
quatro asas e uma envergadura total de cerca de
seis metros. Apresentavam cor escura e eram
equipados com luzes azuis esbranquiçadas.
Conforme partiam abruptamente, saía um
nevoeiro de cada um.
Considerados como um todo, os objetos sobre o
lago Boshkung formavam um conglomerado
incomum. Não eram parecidos, de maneira
alguma, com aeronaves convencionais. O jeito de
voar era incomum: a decolagem era descrita
como um movimento de pancada forte, como se
fossem uma bola de borracha. Por vezes, quando
decolavam, emitiam um som audível, uma
espécie de "baque" fraco que sumia quando o
óvni estava em voo. Ao voar na horizontal,
moviam-se de modo inconstante e com grandes
variações de velocidade.
A sra. Lunham afirmou não acreditar que os
objetos fossem do espaço porque apareceram
quase todas as noites, durante meses. Além
disso, disse aos repórteres que os geradores de
energia dos óvnis não pareciam muito avançados
- sujeitos, é evidente, aos mesmos tipos de
problema enfrentados por motores terrestres: "Às
vezes, eles começam a falhar..."
Segundo a sra. Lunham, um óvni enfrentou
dificuldades ao dar partida na manhã de terça-feira, 26 de fevereiro.
No domingo, 10 de março de 1974, o jornalista
Peter Courtney avistou um disco voador sobre o
lago Boshkung. A visão - a primeira após uma
série de visitas - foi descrita em um artigo no
Minden Progressem 14 de março.
Nele, Courtney reconhece que uma de suas
tarefas era cobrir a atividade recorrente dos óvnis
no condado de Haliburton, e em particular na
região do lago Boshkung. Após quatro viagens,
havia coletado numerosos relatos, mas não tinha,
pessoalmente, observado nada fora do comum.
Então ocorreu a quinta visita. Vestindo um
macacão apropriado para a neve e equipado com
uma câmera 35 milímetros e um tripé para
fotografias noturnas, chegou à margem oeste do
lago. De acordo com o relato no jornal, eram
cerca de nove horas da noite. O tempo estava
ameno e o céu não tinha nuvens. O lago inteiro,
diz ele, estava "banhado na brilhante luz da lua".
Uma hora se passou e Courtney estava quase
certo de que aquela seria mais uma viagem sem
incidentes quando uma fraca luz vermelha
apareceu do outro lado do lago. Movendo-se
sobre a copa das árvores, a luz viajou em direção
ao norte de forma lenta e irregular antes de
traçar o caminho e voar para longe de seu campo
de visão. O repórter estava com a câmera pronta,
mas o brilho das luzes vermelhas mostrou-se
fraco demais para ser fotografado. Os
movimentos, ele escreveu, eram
"demasiadamente irregulares para se tratar de
uma aeronave convencional", e admitiu estar
bastante confuso para explicar o objeto. Concluiu
que ele "desafiava explicações racionais".
Enquanto Courtney assistia silenciosamente e se
confundia com a estranha luz voadora, outros
preparavam uma cilada. Naquela noite, mais de
cinquenta pessoas se reuniram em outro ponto
da margem do lago, determinadas a tomar uma
atitude - qualquer que fosse - com relação aos
intrometidos do ar. Por volta de dez da noite, no
horário do avistamento de Courtney, um pelotão
de seis pessoas em um veículo de neve foi em
direção ao gelo, disparando tiros de rifles de alta
potência contra os óvnis que se aproximavam. A
sra. Lunham contou aos repórteres que ouvia um
som metálico abafado e distante quando as balas
atingiam o exterior do objeto. Sua reação foi de
nervosismo e desconforto.
"Já havia passado por tudo que poderia
aguentar", ela explicou.
A sra. Lunham não era a única moradora irritada
com os acontecimentos anormais. A sra. William
Barnes, uma dona de casa que - junto com o
marido - tinha observado os óvnis nas
proximidades de sua casa em Lochlin, Ontário,
contou aos jornalistas que várias pessoas haviam
visto os objetos, mas ninguém sabia o que fazer a
respeito.
"Não podemos estar todos loucos", constatou.
Certa noite, no final de março de 1974, o sr. e a
sra. Barnes viram um óvni manobrar a cerca de
800 metros da casa. Como muitos dos objetos
que apareciam sobre o lago, esse ostentava luzes
vermelhas, brancas e azuis. Duas noites depois, o
mesmo óvni - ou um muito parecido - retornou ao
mesmo local, mas dessa vez acompanhado de
um segundo objeto. O casal Barnes e um vizinho,
o sr. Lester Hicks, relataram que os objetos
flutuaram por algum tempo e, então, um deles
voou com rapidez. O segundo óvni partiu de
forma mais lenta, em uma velocidade constante,
até que abrupta e surpreendentemente caiu no
chão, fora de vista.
Conforme os avistamentos de discos voadores
continuavam, os moradores da região
começaram a encontrar o que acreditavam ser
marcas de pouso. Às vezes, eram apenas
depressões no consistente gelo do lago. Outras,
pistas mais significativas, como uma estranha
marca no gelo descoberta pelos Lunham não
muito longe de casa. A marca irregular mostrada
aos jornalistas doLindsey Post, de Ontário,
descrita numa história publicada em 14 de março
de 1974.
De acordo com oPost,a marca tinha um formato
de V, na neve, combinada com duas marcas
similares a patas. Estava localizada em meio a
um bosque e claramente visível, apesar das
erosões causadas pelo sol quente de março. De
qualquer forma, a marca era somente um pouco
mais estranha em relação às outras marcas
presentes no local - em meio à região arborizada.
OPostobservou que, se o bosque tivesse
abrigado um objeto voador (e isso não era, de
forma alguma, factual), as naves seriam
pequenas o suficiente para penetrar através das
copas da floresta, ou teriam caído na terra de
algum lugar e manobrado para a localidade atrás
da casa dos Lunham.
A presença de óvnis no lago prosseguiu até por
volta de abril de 1974. O último avistamento de
importância ocorreu na metade do mês, quando a
sra. Wallace Brown, de Lochlin, olhou através da
janela da sacada e observou um objeto com luzes
azuis, verdes e amarelas se movendo de maneira
irregular pelo céu. Seu televisor não funcionou
enquanto o objeto permaneceu na região.
Vizinhos também declararam ter sofrido efeitos
eletromagnéticos enquanto o objeto voador
esteve nos arredores.
O que tudo isso significa é palpite de cada um. De
qualquer modo, como a sra. Lunham disse, é
provável que os objetos do lago Boshkung não
fossem naves espaciais. A longa presença e
atividade dos óvnis levantam muitas questões -perguntas que não conseguem satisfazer uma
explicação extraterrestre.
Se os objetos eram, de fato, espaçonaves, eram
sustentados por motores surpreendentemente
primitivos - motores nada melhores do que os de
máquinas terrestres, com dificuldades para dar
partida em manhãs frias de inverno. Além disso,
há a questão de objetos que caíam contra o chão
e fora da vista: desaparecendo chão adentro. Por
fim, há o grande número de objetos, que deve ser
considerado, além do fato de ninguém nunca ter
visto os ocupantes.
Misteriosos, peculiares e mesmo absurdos sem
fundamento, os óvnis do lago Boshkung - como
seus inúmeros pares observados ao redor do
mundo - parecem destinados a permanecer um
mistério ainda por muito tempo.
CAPÍTULO5
No Céu Escuro
A noite de 23 de outubro de 1975 foi fria e
tempestuosa, parecida com uma noite de
inverno. Na sala de estar de minha casa de
campo, a abertura da "lareira" - uma velha
fornalha a gás - expelia jatos de chama azul.
Através da sala, a televisão tagarelava em
volume baixo - quase imperceptível se
comparado ao som de minha máquina de
escrever manual. Eu completava uma história
para o jornal sobre um encontro de rotina na
câmara municipal - um dos vários que eu cobria
todos os meses para a publicação local. Enquanto
datilografava, o som e a imagem da televisão
foram momentaneamente distorcidos por uma
faixa de transmissão de um sujeito que passava
em seu veículo. Uma expressão de apenas uma
palavra, compreensível, escapou da mistura de
sinais. O termo era O-V-N-I. Óvni!
Um minuto depois o telefone tocou. Olhei para o
relógio, eram 21h35. O sujeito que ligava era o
repórter policial do turno da noite do  Lebanon
Daily News.Ele parecia animado, algo raro (afinal
de contas, tratava-se de um repórter policial de
longa data), e me disse que havia acabado de
receber uma ligação a respeito de um objeto
voador estranho sobre a cidade.
Ao dar mais detalhes, contou que a ligação era
proveniente de um expedidor da Defesa Civil,
fora de serviço. Segundo ele, os funcionários da
Defesa estavam sendo bombardeados com
perguntas sobre um objeto silencioso e similar a
um pequeno dirigível. A polícia também estava
em meio a uma enxurrada de ligações. Diante de
uma enorme quantidade de trabalho, o repórter
da noite seria incapaz de fazer a investigação e
decidiu me ligar. Agradeci e desliguei, pensando
sobre simultaneidade e uma matéria publicada
no jornal da tarde.
A matéria (que eu havia escrito) era uma
entrevista com Lucius Farish, um historiador de
óvnis do Arkansas e autor de diversos artigos
cuidadosamente pesquisados sobre a pouco
conhecida história do "dirigível-fantasma" de
1896 e 1897. O caso envolvia objetos com
formato de cigarro que foram observados com
intervalos de anos antes do desenvolvimento do
dirigível. Refletindo sobre a entrevista, indaguei-me se a publicação poderia estar ligada ao
evento ufológico imediato. Então deixei de lado a
imaginação e comecei a fazer ligações.
Uma hora mais tarde, havia compilado
informações suficientes para um pequeno artigo
que esperava ser útil para Rob McNamee, o
editor da cidade. Não imaginava que meu artigo
seria amplamente divulgado ou que serviria como
base para uma manchete de primeira página.
CAPÍTULO6
Área 51
Em 6 de março de 1990, o som de um trovão
ecoou, antes do alvorecer, sobre Los Angeles. A
uma altitude de sessenta mil pés, uma aeronave
negra lançava-se e rasgava o céu, acelerando
continuamente.
A aeronave, que decolara de uma base aérea no
deserto, às quatro e meia da madrugada,
retornava de um encontro com duas aeronaves-tanques KC-135 sobre o oceano. Após ser
reabastecido em vôo, o piloto virou para o leste e
acionou os pós-combustores. Uma chama verde
estranha saltou da turbina e a aeronave negra -número de registro 64-17972 - partiu depressa
para o último voo: um rasgo infernal através do
continente.
Eram nove horas da manhã, na Costa Leste,
quando o 17972 rompeu a barreira sobre Los
Angeles. Quarenta minutos depois - com uma
pele de titânio se expandindo com o calor da
passagem e um vermelho-cereja brilhante do
saindo do  cockpit  -, o 17972 rasgou uma barreira
de mais de 15 milhas acima de Kansas City. No
controle estava o tenente-coronel Raymond E.
Yeilding, 41 anos, piloto veterano da Força Aérea.
No assento do sistema de reconhecimento estava
o tenente-coronel Joseph T. Vida, de 47 anos.
Seis minutos após sobrevoar Kansas City, uma
faixa prateada, parecida com uma trilha de
condensação, fluiu das asas e, com as poderosas
turbinas Pratt & Whitney operando com
parâmetros normais, o 17972 rompeu a barreira
sobre St. Louis. Vinte e dois minutos depois, às
10h08, o SR-71 Blackbird lançou-se sobre a
barreira final, próximo a Salisbury, Maryland.
Logo abaixo, no solo, um estampido de trovão
saldava-os, aguardando no Aeroporto
Internacional de Dulles, em Washington.
Às 10h50 do horário padrão do Leste, após um
reabastecimento aéreo final, o 17972 pousou em
Dulles. O Blackbird havia estabelecido um novo
recorde de Los Angeles a Washington, bem como
um novo recorde de velocidade aérea
transcontinental. A aeronave estava agora
destinada à aposentadoria, que, neste caso, seria
a exposição pública permanente em Dulles, como
parte do acervo do Museu Aeroespacial do
Instituto Smithsonian; e ninguém - nem os
membros convidados da imprensa, nem o pessoal
de apoio, tampouco a banda da Força Aérea que
havia comparecido à cerimônia - parecia
particularmente feliz a respeito.
Quando os números finais foram confrontados,
demonstraram que a aeronave 64-17972 havia
quebrado o recorde existente de travessia do país
em mais de duas horas e meia - proeza
inacreditável, em particular, para uma máquina
projetada na década de 1950 e construída na
régua de cálculo! A aeronave negra havia
registrado sete "barreiras" de radar a uma
velocidade média de 3.399,77 quilômetros por
hora, cruzando 3.868 quilômetros em pouco
menos de 68 minutos!
Desenvolvido sob um programa secreto
conhecido como Sênior Crown, o Blackbird
(Figura 6.1) - também chamado de "Habu" (es-pécie de víbora arbórea nativa de Okinawa) -estava em operação no início de 1962. Em 1964,
a aeronave deixou de ser fabricada para a Força
Aérea, e sua existência - ainda que não estivesse
em plena capacidade - foi revelada em rede
nacional de televisão pelo presidente Lyndon B.
Johnson.
Os testes iniciais do SR-71 ocorreram em uma
base aérea secreta a 100 milhas a noroeste de
Las Vegas, dentro do complexo Nellis Range.
A base não possuía nome, ou nomes numerosos,
dependendo da fonte de informação, e até há
pouco sequer existia oficialmente. Para o público,
era mais conhecida como Área 51, ou Dreamland.
No início era chamada de Rancho, ou Faixa de
Watertown, construída em Groom Dry Lake Bed e
dirigida pela CIA. Em meados da década de 1950,
a base serviu como local operacional para o
venerável avião espião U-2. Em abril de 1962,
uma versão inicial do SR-71 decolou das
instalações de Groom. Conhecido como A-12, o
Blackbird inicial era uma aeronave monoposto
tripulada por pilotos civis contratados pela CIA.


Figura 6.1:Imagem computadorizada de um SR-71
Blackbird. O Blackbird foi desenvolvido num
programa ultra-secreto conhecido como Sênior
Crown e estava operacional no início de 1962. Os
testes do SR-71 ocorreram em uma base aérea
secreta em Nevada conhecida hoje em dia como
Área 51. (Imagem da Força Aérea dos Estados
Unidos)


Durante cerca de trinta anos, um esquadrão da
SR-71 operou de maneira global, monitorando
atividades militares estrangeiras antes de ser
retirado de serviço, oficialmente, em 1990. De
modo ostensivo, o esquadrão de Blackbird foi
para a reserva por motivos de orçamento e pelo
fato de satélites espiões fornecerem um serviço
de  look-down  semelhante (para não dizer
melhor). Em 1994, o Congresso ordenou à Força
Aérea que modernizasse e reativasse dois
Blackbirds; eles ficaram prontos para a missão
em 1º de janeiro de 1997. Os tripulantes eram do
Nono Esquadrão de Reconhecimento da Base
Aérea de Beale, próximo à Sacramento,
Califórnia, mas estavam estacionadas, de fato, na
Base Aérea de Edwards, no deserto de Mojave.
Os Blackbirds reativados voaram pouco menos de
um ano antes do programa ser encerrado
novamente, desta vez pelo veto presidencial em
14 de outubro de 1997.
No fim da década de 1990, apenas dois SR-71
permaneciam em serviço - ambos emprestados à
Nasa - no Centro de Pesquisa de Voo em Dryden,
em Rogers Dry Lake Bed, Califórnia, onde foram
utilizados como base de testes de alta altitude no
desenvolvimento de tecnologia para o X-33, a
geração seguinte de veículos espaciais
reutilizáveis. Em comparação, os 32 Blackbirds
haviam estado em operação durante a Guerra
Fria. Doze tinham sido perdidos em acidentes,
mas, de acordo com Paul Crickmore, autor
britânico de dois livros sobre o SR-71, nenhum
fora abatido por ação de inimigos.
A eficácia do SR-71 foi demonstrada logo no início
de sua carreira, quando voou impunemente sobre
regiões inimigas no Vietnã do Norte. Os norte-vietnamitas estavam equipados com mísseis
terra-ar (Surface-to-air Missiles - SAM) de
fabricação russa, mas os SAM's não possuíam
velocidade nem alcance para atingir o Blackbird.
Os membros da tripulação do Habu relataram que
os mísseis lançados pelos norte-vietnamitas
caíam em direção ao solo.
O SR-71 foi, então, altamente classificado
durante a guerra, de modo que, mesmo entre os
recrutas da Força Aérea, tornara-se uma lenda:
muitos falavam a seu respeito, mas poucos o
viram. Servi na Força Aérea durante a era do
Vietnã e vi um SR-71 apenas uma vez, durante
uma apresentação de aeronaves em homenagem
à aposentadoria de um general.
A apresentação aérea havia acabado, a formação
do desfile na linha de vôo já tinha se dispersado e
quem estava escalado voltara ao serviço. Eu
caminhava em direção à aeronave que me fora
designada quando alguém gritou. Virei-me e
avistei um membro de uma tripulação em um
uniforme verde, fatigado e apontando com
excitação na direção da torre de controle. Além
da torre, vindo baixo e rápido, estava um
Blackbird.
Como chefe da equipe de manutenção, estava
acostumado a ver todos os tipos de aeronaves -desde caças, bombardeiros e aeronaves de
treinamento a transportes de carga. Estava
presente (por puro acaso) quando um par de
Harriers britânicos - os fabulosos caças de
decolagem vertical - concluíram a primeira
travessia sem escalas do Atlântico e pousaram,
com suavidade, sobre a faixa de grama ao lado
de uma pista da Força Aérea. Entretanto, nada
disso se compara com a visão de um SR-71.
Conforme o Blackbird passava sobre nossa
cabeça, os mecânicos e o pessoal da linha de voo
espichavam o pescoço para olhá-lo sem piscar. A
aeronave era inconfundível, mesmo para aqueles
que a conheciam apenas de "ouvir falar"; ainda
assim, parecia que algo de outro mundo
sombreava o céu sobre nós. Metal negro e
aerodinâmico contra nada mais além do céu, a
aeronave parecia, sem tirar nem pôr, uma
espaçonave de ficção científica.
Quando a Força Aérea anunciou a aposentadoria
do SR-71 em 1990, muitos observadores
concluíram que os motivos declarados - restrição
orçamentária e tecnologia de satélite - eram um
ardil. Em vez disso, presumiu-se que uma nova
aeronave de reconhecimento de alta velocidade
houvesse sido desenvolvida para substituir o
velho Blackbird. Para um punhado de clamorosos
entusiastas de óvnis, o afastamento do SR-71
parecia validar um rumor muito antigo, de que
uma nova tecnologia tinha sido forjada dos restos
de uma espaçonave extraterrestre abatida.
Histórias à parte, houve motivos para crer que
uma nova aeronave operava no lugar do
Blackbird. Escritores sobre aviação apontavam
uma trilha de condensação de jato na forma de
uma corda de círculos misteriosa e o estrondo
sônico de assinatura única como provas de que
um revolucionário sistema de propulsão estava
sendo testado. Ainda concluíram que a nova
aeronave decolava da Área 51 - a instalação
secreta de Nevada, no Groom Dry Lake.
Em junho de 1997, a revistaPopular Mechanics
relatou - na cobertura de uma história curiosa e
surpreendente - que a Força Aérea havia
abandonado o teste ultra-secreto no Groom Dry
Lake. A história foi escrita pelo editor de ciência e
tecnologia Jim Wilson, o qual sugeriu que a
operação fora transferida para a instalação a
leste de Utah, conhecida como Complexo de
Lançamento de Linha de Mísseis de White Sands,
em Utah. Wilson concluiu que uma versão militar
do X-33 da Nasa - a geração seguinte de ônibus
espaciais - estaria em teste na instalação de
Utah. Ele chamou o local de Área 6413 em alusão
ao número de designação para o espaço aéreo
nesse local.
Para verificar a teoria de que a Força Aérea saíra
de Groom Lake, Wilson contou que havia alugado
um carro e se dirigido ao deserto para a parte
externa da Área 51. Não vira seguranças civis - os
chamados  cammo dudes  que patrulham o
perímetro em jipes Cherokee brancos, mas, em
vez disso, encontrara uma estrada malograda
que levava a uma cerca de segurança e um
portão de gado trancado. No flanco da cerca, o
portão apresentava uma sinalização corroída que
indicava a proibição de entrada. Ele disse que
gastou quinze minutos piscando os faróis do
carro e buzinando, mas ninguém veio investigar.
A história de Wilson levou-me a me perguntar
que parte do deserto ele havia percorrido.
Certamente não se aproximara de Groom Lake
pela estrada principal, porque não havia portão
ao longo desse acesso, apenas avisos de que
haveria risco de morte aos que estivessem
predispostos a ultrapassar. As sinalizações
encontradas por Wilson aparentemente não
diziam nada sobre morte, mas avisavam que
práticas de bombardeio estavam sendo
realizadas além do portão trancado. Wilson
pareceu levar em conta tudo isso ao dizer que se
aproximara da base por uma espécie de "porta
dos fundos", embora, para mim, parecesse óbvio
que ele não alcançou a base, e sim que chegou,
em vez disso, em um dos pontos de acesso do
estande de artilharia e bombardeio que circunda
os três lados da Área 51.
Tive essa impressão, pois, seis semanas antes,
havia estado exatamente do lado de fora do
perímetro da Área 51. E, ainda assim, não pude
concatenar o raciocínio de Wilson sobre o campo
de Utah e a possível relação com o programa X-33. Não compartilho de sua visão de que o Groom
Dry Lake tenha sido abandonado; de fato, à
época de minha visita, em abril de 1997, havia
total indicação de que a base mantinha-se em
funcionamento.
Minha viagem aos arredores da Área 51 foi
inesperada. Anthony Benson, à época editor da
Llewellyn Publications, havia de alguma maneira,
convencido uma produtora de televisão de Los
Angeles de que eu tinha um bom material para
uma série de reportagens sobre fenômenos
inexplicáveis. Benson arrumou uma passagem
aérea para Las Vegas, e também um carro
alugado, para nos levar à cidade de Rachel,
Nevada, não muito distante da Área 51. O plano
era encontrar a produtora de televisão e seu
operador de câmera, em Rachel.
Como sina do destino, quase à época em que
recebi minha passagem aérea, fiquei bastante
gripado. Estive acamado nos cinco dias
seguintes, sentindo-me pior do que em qualquer
outra época durante os dez anos anteriores. No
dia da partida, embarquei com um "olho
vermelho" de Harrisburg até Las Vegas, ainda
enfermo, embora inflexivelmente determinado a
fazer a jornada. O voo foi uma experiência
horrível e admirei-me com minha tenacidade (ou
estupidez) a bordo do avião. Na manhã seguinte,
a febre passou quando estava no quarto do hotel
e, depois, no dia seguinte, Anthony chegou. É
desnecessário dizer: não perdemos muito tempo
olhando a cidade; contudo, Anthony me deu uma
rápida lição de baralho durante a viagem de carro
até Vegas. Na manhã seguinte, carregamos o
carro com garrafas de água, vitamina C e
remédios homeopáticos, e dirigimo-nos a
noroeste, rumo ao alto deserto.
Localizado em Sand Spring Valley, ao longo da
rodovia estadual 375, a cidade de Rachel é
essencialmente um conjunto de trailers datados
do início da década de 1970, quando a Union
Carbide Company abriu uma mina perto da
montanha. Embora hoje a mina esteja fechada,
Rachel sobrevive graças aos turistas, atraídos
pela presença próxima a Groom Lake e pelos
relatos recorrentes da atividade de óvnis nas
cercanias do deserto. Em resposta a tudo isso, a
Assembleia do Estado de Nevada designou a
rodovia 375 como "Rodovia Extraterrestre". Os
visitantes de Rachel encontram uma combinação
de loja e posto de gasolina, bem como um hotel
que também inclui restaurante e bar. Esses dois
estabelecimentos fornecem a única fonte de
amenidades públicas, alimentos ou abrigo para
as milhas ao redor.
De propriedade de Pat e Joe Travis, o hotel já
possuiu diversos nomes no decorrer dos anos,
mas hoje é conhecido como "Little A'Le'Inn". Foi
lá, exatamente do lado de fora do hotel-restaurante, que Anthony e eu fomos saudados
por Lonnie Lardner, repórter e produtora da KTLA-TV em Los Angeles, e por Robert Varela, operador
de câmerafreelancede noticiários de TV. Dentro
do restaurante, Lonnie e Anthony começaram a
discutir os planos para a entrevista enquanto eu
me apresentava a Chuck Clark, cidadão de
Rachel que passou anos tentando avaliar a
atividade de óvnis na região. Astrônomo amador
e homem calmo e zeloso, Chuck parecia ter a
mente aberta para o fenômeno óvni e ser
especialmente despreocupado na apresentação
de uma teoria particular ou explicação. Estava
impressionado com seu nível intelectual, mas,
antes de podermos conversar mais, era o
momento de partir para a entrevista.
Com Lonnie e Robert em um veículo e Anthony e
eu seguindo-os no carro alugado, dirigimo-nos a
leste, na rodovia 375, refazendo o caminho por
cerca de 32 quilômetros antes de chegarmos à
intersecção marcada por uma grande caixa de
correio branca. Entrando em uma estrada de
terra, dirigimos cinco milhas ao sul, antes da
intersecção de outra estrada de terra que
percorre do oeste ao sudoeste. Tratava-se da
rodovia Groom Lake, e, à esquerda, à distância,
podíamos ver o acidentado estande de Groom
que esconde a Área 51, ao sul. Lá encontramos
pastagem de gado e vegetação escassa. A equipe
do noticiário de TV encostou e Anthony
estacionou o carro atrás do veículo deles.
Devido à presença do gado, Lonnie decidiu que
aquela era uma boa localização para a entrevista
sobre as mortes inexplicáveis de animais e suas
possíveis relações com a atividade de óvnis. Eu e
ela fomos logo andando de um lado a outro do
acostamento, agindo como se fosse corriqueiro
fazer aquilo. Em certo momento, durante a entre-vista, parei e tossi de modo espasmódico: o ar
seco do deserto, bem como o expectorante
homeopático que trouxera, haviam limpado meu
aparelho respiratório. Anthony veio em meu
auxílio com uma grande garrafa de água. A
entrevista foi mais curta, devido à minha doença,
e desconfiei de que minhas respostas estivessem
sendo inadequadas ou tolas. Como se para
confirmar minha suspeita, um dos bois mugiu
ruidosamente durante uma pergunta crucial e
acabamos todos dando boas risadas depois.
De volta aos veículos, dirigimos por outros
dezesseis ou dezenove quilômetros na rodovia
Groom Lake, até chegarmos à zona intermediária
que circunda a Área 51. Grandes sinalizações
metálicas avisavam-nos para que não
avançássemos ou encararíamos a possibilidade
de ser atingidos por um tiro. Meio minuto depois,
tínhamos companhia:  cammo dudesem um jipe
Cherokee branco. Os seguranças, uma dupla de
homens robustos, foram alertados sobre nossa
chegada por meio de sensores de movimento
plantados ao longo da rodovia de acesso.
Estacionaram o jipe no topo da colina, de maneira
conveniente, e ficaram nos vigiando.
Permanecemos em frente à sinalização de aviso
por mais de duas horas, enquanto Lonnie fazia as
perguntas e Robert gravava a reportagem. De
vez em quando, eu voltava a interromper a
gravação com minha tosse espasmódica e
descansava enquanto bebericava água para
lubrificar minha garganta. Próximo, sentado à
sombra de um dos carros, ou algumas vezes
passeando, inquieto, Anthony observava os
seguranças que nos vigiavam da colina. Não
invejei os seguranças na sua vigília. Estava com
calor, e eles em pé, a sol aberto, vestindo
toneladas de uniformes, estudando-nos com um
poderoso binóculo montado no topo de um tripé.
Tenho quase certeza de que ouviram com clareza
quando - utilizando o equipamento de áudio
direcional - mencionei isso aos demais.
A presença dos seguranças levou-me a uma
constatação pessoal: nossa presença e atividade
naquele local seriam documentadas pelo depar-tamento de defesa. Para cada um dos outros, um
memorando deveria seguir em um arquivo (ou
arquivos) novo, a menos que tenha havido algum
motivo prévio para o Tio Sam mantê-los sob
vigilância; nesse caso, o memorando iria em um
arquivo já existente. Na minha situação, o
memorando seguiria em um dossiê antigo - um
arquivo datado da época da minha permanência
na Força Aérea, atualizado com meu serviço
federal atual, em acordo com, segundo suspeito,
um registro de meus textos sobre óvnis e
fenômenos fortianos. Uma vez, considerei
requisitar uma solicitação da cópia do meu
arquivo sob auxílio da Lei de Liberdade de
Informação, mas eventualmente decidi que não
valeria o esforço. Já tinha uma boa ideia do
conteúdo do registro, e, se alguém houvesse tido
qualquer tipo de opinião sobre minhas atividades,
que assim fosse.
Conforme a entrevista progredia e a tarde se
alongava, meus braços, pescoço e rosto
(imprudentemente, não usava chapéu)
começaram a formigar sob os efeitos do sol e do
vento. O calor, combinado a uma dor de garganta
proveniente de acessos repetidos de tosse,
aumentou a dificuldade para formular respostas
consistentes às perguntas de Lonnie.
Nesse momento, a entrevista foi concluída, após
as 3 horas da tarde. No carro alugado, Anthony
preparou uma simples refeição, e nós quatro
comemos lanches de diversos tipos. Quando,
enfim, nos preparávamos para partir, Lonnie
acenou para os seguranças, que continuaram ob-servando. De modo surpreendente, eles
acenaram de volta.
- Talvez - ela disse - devêssemos tê-los convidado
para descer e comer algo.
Voltando um pouco pela Groom Lake, alcançamos
o entroncamento com a pastagem e entramos, na
direção norte, na estrada que levava à caixa de
correio, rumo à rodovia 375. Momentos depois,
Ro- bert estacionou o carro no acostamento e
saltou, carregando a pesada câmera de vídeo e
também acompanhado por Lonnie. Anthony es-tacionou o carro e nós os seguimos.
Arremessando a câmera para o ombro e
ajustando as lentes, Robert começou a filmagem
de Groom Range e da paisagem do deserto à
frente. Peguei-me desejoso de ter trazido uma de
minhas câmeras 35 milímetros: as montanhas de
Groom tinham uma beleza selvagem que teriam
funcionado muito bem em um enquadramento
em preto e branco.
Estudando a paisagem, observei uma nuvem de
poeira no caminho que havíamos percorrido.
Mostrei-a a Anthony e lhe sugeri que deviam ser
nossos amigos do jipe.
Distâncias são difíceis de julgar no deserto:
objetos que parecem razoavelmente próximos
podem, muitas vezes, estar a quilômetros de
distância. O veículo que gerava a nuvem de
poeira havia se aproximado cerca de meia milha
antes de termos percebido que se tratava de um
grande ônibus branco, de um tipo muito comum,
utilizado por militares. À medida que se
aproximava, Robert apontava a câmera de vídeo.
O ônibus passou ruidosamente, sem se desviar,
permanecendo em seu curso na rodovia Groom
Lake. Não possuía marcas externas e cada janela
estava pintada de preto. Conforme se afastava a
uma velocidade não inferior a sessenta milhas
por hora, percebi que o ônibus transportava
empregados da base.
Horas e um passe expresso (dado por um soldado
de Nevada que parecia estranhamente curioso
sobre nosso recente paradeiro) depois, Anthony e
eu voltamos a Las Vegas, e, por volta do meio-dia
do dia seguinte, aguardávamos o embarque do
vôo de volta à Pensilvânia. Sentado no terminal
do aeroporto, tive tempo para refletir sobre as
perguntas que Lonnie me fizera, bem como sobre
minhas respostas.
Uma pergunta em particular havia nos levado à
essência da entrevista: o que, de fato, eu achava
que estava ocorrendo dentro da Área 51? Minha
resposta havia sido deprimente; um comentário
sarcástico sobre a pesquisa aeroespacial
ultrassecreta. Uma boa repórter como Lonnie não
teria, é claro, deixado de fazê-la, e a pergunta
seguinte se referia à inevitável relação com
óvnis.
Se aceitamos a lenda, então aceitamos que há
muito tempo destroços de uma espaçonave
alienígena foram achados por militares e levados
a uma secreta instalação de teste muito distante.
Em versões recentes da lenda, a espaçonave
alienígena estava instalada em um hangar
fortemente protegido na Base Aérea de Wright-Patterson em Dayton, Ohio. Entretanto, o tempo
e uma nova história haviam colocado a nave em
um hangar fortemente protegido na Área 51. Em
outro caso, diz-se que a espaçonave está
passando por um processo chamado de
"engenharia reversa", que envolve pegar partes
do veículo e estudá-las com o propósito de
duplicar ou adotar sua tecnologia de modo
parcial. A engenharia reversa tem sido aplicada
com sucesso ao se capturar aeronaves
estrangeiras, tal como ocorreu com os caças MIG,
de alta performance, fabricados pelos russos;
mas, apesar de todos os rumores e absurdos a
serem descobertos em livros, televisão e na
internet, duvido que esse mesmo processo tenha
sido aplicado a um veículo espacial alienígena,
como eu disse a Lonnie.
Chame-me de ingênuo se quiser, mas a
existência da Área 51 não implica a presença de
espaçonaves capturadas ou tripulantes extra-terrestres mortos (ou vivos). A segurança em
Groom Lake é rigorosa e sofisticada, porém o
local é uma instalação de pesquisa ultrassecreta
e altamente importante para o departamento de
defesa e a multi-bilionária indústria aeroespacial.
Espera-se que a segurança de um local assim
seja mesmo rigorosamente incomum, embora
nenhuma segurança ou sigilo sejam sempre
absolutos.
Em maio de 1997, a revistaPopular Science
publicou uma matéria de capa que parecia
esclarecer pelo menos algumas das atividades
secretas na Área 51. O artigo - uma mistura
interessante de fontes relevantes e dados
históricos - abordava a pesquisa governamental
em invisibilidade de aeronaves (cobertura visual
e sem visibilidade de radar) e descrevia os
experimentos descobertos em uma premissa
muito simples: ajuste a cor externa e a
luminosidade de uma aeronave para combinar
com o céu e você verá um avião tornar-se
"invisível" contra ele. Essa ideia foi primeiro
comprovada durante a Segunda Guerra Mundial,
com aeronaves iluminadas por lâmpadas de
brilho selado, e de novo durante a Guerra do
Vietnã, ao se utilizar uma técnica semelhante.
Steve Douglass e Bill Sweetman, autores do
artigo daPopular Science,relataram que nos
mais recentes testes de painéis de polímeros
carregados eletricamente, as velhas lâmpadas de
brilho selado haviam sido substituídas. Quando o
nível de voltagem era alterado, os painéis
mudavam de cor para tons de azul, branco ou
cinza, fazendo com que a cor da aeronave
combinasse com o céu. Uma variação do
processo - testado em Groom Lake, de acordo
com os autores (que, como é compreensível, não
citaram a fonte) - produziu um efeito de "pele
tremeluzente" que, em teoria, poderia impedir os
mísseis em estado de arte da origem aos alvos.
A invisibilidade de aeronaves é, sem dúvida,
apenas um dos muitos projetos de pesquisas
aeronáuticos e aeroespaciais da Área 51. É pro-vável que outros incluiriam o teste de veículos de
combate aéreos não tripulados, controlados por
computador (autônomos), além de várias
sofisticadas aeronaves tripuladas - inclusive o
sucessor do SR-71.
Em 1993, a Testor Corporation de Rockford,
Illinois, principal fabricante de aeromodelos,
descobriu um novo modelo chamado "Aurora", o
famoso substituto do Blackbird. O projetista foi o
historiador da aviação, John Andrews, que no
início da carreira tinha surpreendido duas vezes o
departamento de defesa com sua capacidade de
revelar e duplicar projetos de aeronaves ultra-secretas. No fim da década de 1950, Andrews
criou um modelo acurado do avião espião U-2. Ele
o tirou de produção a pedido do departamento de
defesa, e o modelo foi revelado apenas após o U-2 pilotado por Gary Powers ter sido abatido sobre
a União Soviética, em 1960. Em 1986, aconteceu
o mesmo com uma versão do modelo do caça
Stealth (furtivo) F-117. No entanto, o
departamento de defesa respondeu com uma
negativa enfática sobre a existência de tal
aeronave.
Em 1993, o modelo do Aurora provocou outra
forte negativa. Com um projeto em dois estágios,
o conceito do Aurora era único: um modelo
triangular preto associado a uma ampla
fuselagem do estilo do SR-71. Em escala real,
Andrews estimou que a aeronave maior mediria
cerca de 48 metros de comprimento, e o veículo
triangular, aproximadamente 24 metros.
A aeronave maior, que a Testor Corporation
chamou de SR-75, poderia, em teoria, acelerar
três vezes e meio a velocidade do som enquanto
carregasse o veículo menor nas costas. A
aeronave menor, referida como XR-7, se
separaria da aeronave principal na atmosfera
superior e aceleraria sete vezes a velocidade do
som - mais de oito mil quilômetros por hora - com
empuxo da tecnologia de novos motores,
denominada "onda de detonação por pulso".
Analistas industriais acreditam que motores de
detonação por pulso são responsáveis pelas
estranhas trilhas de condensação em forma de
corda de círculos que apareceram, primeiro,
sobre o sul da Califórnia, em 1991, um ano após
o SR-71 ser desativado. As trilhas de
condensação são observadas desde então em
diversas localidades, inclusive na Pensilvânia,
onde vi uma em 1995.
O sol se punha e a trilha de vapor já se dissipava
à medida que eu me dirigia ao meu apartamento.
Observei a trilha apenas porque ela estava
diretamente no meu campo de visão, acima do
horizonte e iluminada pelo arrebol, conforme eu
subia a colina. Os anéis que circulavam a trilha
principal eram bem evidentes, e apenas depois
fiquei sabendo - por meio de fotos e reportagens
na TV - que não se tratava de uma aberração, e
sim de uma indicação do que parecia ser uma
nova tecnologia de motor de aeronaves.
A trilha de condensação em forma de uma corda
de círculos não é, entretanto, a única indicação
de uma aeronave de altíssima velocidade. Em
1991 e 1992, as estações sísmicas do U. S.
Geological Survey (USGS), na Costa Oeste,
registraram ondas de choque aéreas que se
propagavam internamente do oceano Pacífico,
três vezes acima da velocidade do som. Cada
estrondo ocorria na quinta-feira, às sete horas da
manhã, eliminando a possibilidade de que fosse
um fenômeno aleatório natural. Um pesquisador
da USGS chamado Jim Mori comparou a
assinatura dos estrondos com a dos do SR-71 e
do ônibus espacial, e descobriu que eram
completamente diferentes.
A existência de uma nova aeronave de altíssima
velocidade era ainda sugerida, no início da
década de 1990, por meio de uma deflagração de
reportagens de óvnis na forma de triângulos. Em
muitos casos, os objetos eram semelhantes aos
da descrição do Testor XR-7. Nos Estados Unidos,
analistas de aviação suspeitavam que o "Skunk
Works" da Lockheed, em Palmdale, Califórnia,
estivesse desenvolvendo um avião secreto.
Tratava-se do mesmo departamento que havia
criado tanto o SR-71 quanto o caça Stealth F-117.
A Lockheed não se comprometeu com nenhum
projeto e indicou que a Força Aérea fosse
questionada. A Força Aérea, por sua vez disse
que o avião não existia. Na Grã-Bretanha, peritos
aeronáuticos suspeitaram que a British
Aerospace em Warton, Lancashire, estivesse
trabalhando em uma aeronave triangular
conhecida como Halo (High Altitude, Low
Observable - Grandes Altitudes, não detectáveis).
A British Aerospace negou o fato, e o Ministério
da Defesa disse que o projeto Halo não existia.
O debate e as conjecturas continuam, bem como
os avistamentos de óvnis em formato triangular.
Entretanto, na maioria dos casos, os objetos
relatados não se comportam como aeronaves
convencionais, exceto no sentido de que
aparecem no céu. Elas se comportam como...
bem, como óvnis.
Testemunhas na cidade de Steelton, Pensilvânia,
enfrentavam um dilema em julho de 1994. Na
noite de terça-feira, 26 de julho, numerosos
moradores observaram um objeto no formato de
um triângulo escuro, que voava, em silêncio,
sobre eles. O objeto era iluminado por um padrão
de luzes na parte inferior e por duas lâmpadas
principais que brilhavam na parte posterior, ou
principal, do triângulo. Uma história sobre o
avistamento, publicada no dia seguinte no jornal
Harrisburg PatriotNews,especulava que o óvni
era um novo tipo de aeronave secreta. Se fosse
assim, era uma aeronave espantosamente lenta,
que viajava a 15 milhas por hora, ou
aproximadamente na metade da velocidade do
Wright Flyer original.
Durante a década de 1980, os óvnis noturnos
com movimento lento semelhante apareceram
várias vezes sobre o vale do rio Hudson em Nova
York. Muitos dos objetos apresentavam padrões
de luzes na forma de um bumerangue ou asa
voadora. Em 22 de novembro de 1989, a Força
Aérea revelou para o público o bombardeiro
Stealth B-2 - uma grande asa voadora. Os céticos,
e quem não estava familiarizado com a
complexidade do fenômeno, concluíram que os
misteriosos objetos em Nova York, e em outros
lugares, eram testes noturnos secretos do B-2.
Infelizmente, o B-2 não possui capacidade para
voar em velocidades muito lentas, nem em
silêncio; tampouco para pairar, como era o caso
de vários óvnis do vale Hudson. O B-2 é
"stealthy" (furtivo) apenas no sentido de que é
escuro na cor e virtualmente invisível ao radar
em determinada distância.
Não bastasse isso, a presença de movimento
lento de óvnis, com iluminação brilhante, sobre
áreas muito povoadas, não é consistente com
testes de aeronaves ultra-secretas. De fato,
sugere-se completamente o oposto: que alguém,
ou algo, queira ser visto! Há também outras dis-crepâncias, tais como a capacidade muitas vezes
relatada de óvnis desaparecerem ou piscarem, e,
quase no mesmo instante, reaparecerem em
algum outro lugar, ou de se afastarem com
rapidez, o que denota, claramente, uma
velocidade supersônica, e, ainda, de fazer
algumas dessas coisas sem desencadear um
estrondo sônico (o que significa que não
deslocam o ar). A tecnologia necessária para se
fazer uma coisa do gênero teria de ser baseada
em algo como mecânica quântica, e não física
clássica. E, tendo em vista nosso nível atual de
ciência, o fato nos coloca - no tocante a todos os
propósitos e fins - no reino da magia.
Há, entretanto, outra possibilidade.
Vamos presumir que os óvnis não sejam produtos
de algo parecido com tecnologia alienígena
mágica, e consideremos ainda que alguns deles
não sejam sequer objetos sólidos. Em vez disso,
devem ser um tipo de holografia avançada -imagens tridimensionais tão exatas que
pareceriam reais, ou, pelo menos, reais o
suficiente para enganar um observador surpreso.
A holografia comercial é ainda primitiva, pouco
mais que um brinquedo e com certeza algo
próximo do nível de tecnologia idealizada pela
ficção científica em filmes e na TV, em particular
emJornada nas Estrelas.Contudo, a existência de
projetores ou de emissores holográficos
sofisticados - empregados de locais ocultos no
solo ou de aeronaves convencionais - não pode
ser rejeitada, visto que, como a pesquisa e o
desenvolvimento militar, estaria bem à frente das
aplicações comerciais. É evidente que, se os
dispositivos holográficos avançados existirem e
forem criados para criar imagens de óvnis,
estaria implicada uma decepção deliberada,
levando-nos a regiões da especulação obscura.
Em 1975, enquanto comparecia à primeira
Conferência Internacional de Ufologia em Fort
Smith, Arkansas (Figura 6.2), encontrei-me com
um senhor chamado Jim Oberg. Eu estava
sentado em um restaurante lotado, no Trade
Winds Inn, o local da conferência. O local estava
literalmente apinhado de cientistas, engenheiros
e entusiastas da ufologia. Oberg aproximou-se e
se apresentou, perguntando se poderia sentar-se
à minha mesa.



Figura 6.2: Lobby do Trade Winds Inn, Fort Smith,
Arkansas, durante a primeira Conferência
Internacional de Ufologia em 1975. (Fotografia
do autor)


Após o almoço aprendi que, além do interesse
mútuo pelo fenômeno óvni, Oberg e eu
comparecemos à conferência, em essência, pelo
mesmo motivo: por causa de uma história
apresentada pela news stand magazine.Gostei
dele à medida que exibia certo humor e
brilhantismo. Também descobri que era cético
com relação a um dos mais populares pontos de
vista sobre óvnis, em especial a crença de que
fossem de origem extraterrestre.
Muitos anos se passaram desde o meu primeiro e
único encontro com Jim Oberg, e tenho
acompanhado a carreira dele com muito in-teresse. Ele continua escrevendo sobre temas
científicos e tornou-se bastante reconhecido
como perito, tanto no programa espacial norte-americano quanto no russo. Durante as missões
espaciais, Oberg é normalmente citado pela
imprensa e consultado pela mídia.
Em 1997, Oberg esboçou uma carta aberta ao dr.
Steven Greer, chefe do Centro para o Estudo de
Inteligência Extraterrestre (Center for Study of
Extraterrestrial Intelligence - CSETI). Naquela
época, Greer e o CSETI haviam organizado uma
demonstração pública em Washington, D.C., para
denegrir o sigilo governamental sobre óvnis, e
Oberg referia-se a esse assunto. Suas
observações escritas eram perspicazes,
importantes e significativas a respeito do assunto
abordado neste e nos outros capítulos. Cito, a
seguir, partes da carta, reimpressa daSaucer
Smearde Jim Moseley:
Admiroosesforços do CSETI [...] e apoio
plenamente a convocação para uma declaração
governamental de que toda a pressão legal
contra a divulgação seja anulada [...] Mas não me
limito apenas à divulgação legalizada dos
segredos governamentais sobreosóvnis reais.
Acredito que haja mais corpos valiosos dos
'segredos' que [nos] ajudarão a compreender
décadas de fenômenos óvnis que o mundo já
experimentou. Esses negócios com as atividades
governamentais, as quais, direta ou
indiretamente, conduzem à percepção pública de
queosóvnis devam ser reais quando não o são.
Algumas vezes, essas ações foram orquestradas
com cuidado antecipado; algumas vezes foram
[...] táticas de limitação de danos, improvisadas
ad hoc. Mas, levando em conta minha
experiência, parecem ter encenado um tremendo
e amplo papel não apreciado em inflamar e
incitar o interesse público em óvnis enquanto se
distrai a atenção pública das reais e altamente
sigilosas atividades governamentais. Refiro-me a
situações em que representantes
governamentais - dirigentes, oficiais militares
etc. - utilizam o óvni como uma camuflagem
conveniente para as atividades oficiais sigilosas
(tais como recuperação de aeronaves abatidas,
armas nucleares ou outros objetos); ou lançam
mão do uso artificial de histórias de óvnis (na
forma oral, escrita, fotografada etc.) como
'traços' no estudo da função da segurança de
salvaguardas e respostas psicológicas de
pessoal; ou utilizam o óvni como desculpa 
(intencional ou acidental) para dissimular
atividades diplomaticamente delicadas,
esquecidas, impróprias (tais como incidentes
aeronáuticos que envolvam riscos, acidentais ou
deliberados; ultrapassagens próximas ou
interceptações de aeronaves civis; incursões de
agentes em missões de Inteligência ao exterior,
em que o desvio da atenção local seja útil; ou
para ocultar do país de origem a posse de
hardware militar estrangeiro); para pregar peças
e dar trotes em alvos intencionais ou acidentais;
ou qualquer outra atividade que o governo, ou
qualquer parte dele, queira manter ocidta,
sabendo que, se envolverem óvnis, as opiniões
estariam consignadas à terra do 'faz-de-contas'
do mito e da insanidade, ainda mantendo o
mainstream da atenção da mídia em nível
mínimo. E tem funcionado!
Oberg concluiu a carta observando que qualquer
demanda formal para a liberação das
informações secretas sobre esses objetos deverá
também incluir uma demanda de imunidade que
seja concedida a toda e qualquer pessoa do
governo que esteja disposta a falar em público
sobre as práticas de desinformação sobre esse
assunto. Com imunidade garantida, Oberg diz
que seria capaz de liberar a própria lista de
indivíduos que lhe falaram em segredo, e "que
estavam envolvidos nas principais atividades
governamentais para um número bem conhecido
de casos de 'óvnis'". A lista, diz ele, "ajudaria a
compreender publicamente onde e como muitos
dos aspectos da mitologia sobre óvnis foram
originados".
Infelizmente, e apesar da proposta bem pensada
de Oberg, pode ser tarde para qualquer
divulgação governamental relacionada ao tópico
em questão, não importa quão profunda ou
convincente. Muitas pessoas já acreditam que
tais objetos sejam espaçonaves pilotadas por
extraterrestres, e que algumas poucas naves -abatidas ou inutilizadas - estão agora ocultas na
Área 51, junto com os corpos dos tripulantes.
Esse ponto de vista é tão dominante que, de fato,
nenhum valor de dado ou testemunho em
contrário está apto a alterá-lo em algum momen-to. Entretanto, o fato de que o fenômeno óvni
seja ainda um mistério sem solução está perdido
em uma mitologia que continua crescendo e
mudando, e que, no processo, muitas vezes
parece não muito mais que uma colossal fraude
cósmica.
CAPÍTULO7
Luas Escuras, Mundo Vermelho
Em algum lugar no espaço, presumidamente
próximo a Marte e possivelmente em sua órbita,
está uma nave robô de um bilhão de dólares fora
de atividade, aMars Observer.E em algum lugar
na superfície marciana, talvez próximo da calota
de gelo do pólo sul, está um robô também fora de
uso, oPolar Lander.
Lançada na Flórida em 25 de setembro de 1992,
aMars Observer passou quase um ano viajando
pelo espaço antes de chegar aos arredores de
Marte, em 21 de agosto de 1993. Equipada com
inúmeros sistemas de backup e à prova de falhas,
ela era o aparato mais sofisticado já enviado ao
Planeta Vermelho e a primeira sonda americana
direcionada a Marte em 17 anos. A nave deveria
entrar em órbita no dia 24 de agosto de 1993 e,
então, passar os próximos 75 dias manobrando
em uma órbita próxima à região polar, a 376
quilômetros de altitude.
Da órbita polar, aObserverestava programada
para ativar seus instrumentos e conduzir um
reconhecimento fotográfico de todo o planeta,
além disso, a nave deveria realizar leituras
extensivas da superfície e medições da atmosfera
rarefeita de Marte.


Figura 7.1: Impressão artística da nave robô Mars
Observer,que desapareceu em 24 de agosto de
1993, em meio a tentativas de entrar em órbita
no Planeta Vermelho (Ilustração da NASA).

Conforme aObserver  aproximava-se do Planeta
Vermelho, seu rádio foi desligado para que um
filamento do delicado tubo de transmissão fosse
protegido durante a pressurização dos tanques
de combustível. Quando chegou a hora de religar
o transmissor, tudo o que se ouvia era o silêncio.
Com o prazo para entrar em órbita esgotando- se,
os engenheiros da missão enviaram um sinal
para que aObserver ativasse seu transmissor de
backup. Não houve resposta e então, esperando
que a nave tivesse entrado em órbita, mas que
estivesse impossibilitada de receber comandos
(talvez por falha no sistema de rádio), eles
esperaram - sabendo que aObserverestava
programada para, após cinco dias sem receber
mensagens da Terra, enviar um sinal de rádio
para o controle da missão e perguntar
vigorosamente: "Por que você não está falando
comigo?" Novamente, havia somente silêncio
enquanto outra sonda sem tripulantes perdia-se
próximo a Marte.
Em março de 1989, aFobos 2,sonda russa
enviada a Marte, ficou misteriosamente
silenciosa; mas, diferentemente daMars
Observer,a Fobos 2enviou à Terra uma série de
informações e várias fotografias antes do
controle da missão em Kaliningrado perder
contato. Algumas dessas fotos revelaram objetos
Figura 7.1: Impressão artística da nave robôMars
Observer,que desapareceu em 24 de agosto de
1993, em meio a tentativas de entrar em órbita
no Planeta Vermelho (Ilustração da NASA).
enigmáticos e trouxeram à tona características
que continuam a confundir cientistas espaciais.
Na época, jornalistas dos Estados Unidos diziam,
em tom de brincadeira, que talvez a Estrela
Vermelha não fosse compatível com o Planeta
Vermelho. Os russos já haviam perdido aFobos
1,nave acompanhante daFobos 2,e
questionamentos surgiram sobre o nível de
competência desse último empreendimento.
De fato, a história da exploração sem tripulantes
a Marte tem sido, para os russos, um de seus
frequentes infortúnios. Já em 1963, a sonda
soviéticaMars 1parou de funcionar a uma
distância de 215 milhões de quilômetros do Sol.
Em 1965, a sonda soviética  Zound 2também
desligou, dessa vez a uma distância de
aproximadamente 205 milhões de quilômetros do
sol e, em ambos os casos, não se ouviu sinal de
nenhuma das naves. Outras sondas russas que se
seguiram também encontraram dificuldades ou
desapareceram.
Três perdas criaram um grande atraso para os
russos, todavia, também os Estados Unidos
passavam por esse problema, já que suas naves
também entravam em colapso no caminho até
Marte.
Em 1964, aMariner 3americana apresentou uma
falha logo após seu lançamento. No ano seguinte,
aMariner 4passou por problemas de controle
próximo à mesma área do espaço no qual
estiveram aMars 1e a  Zound 2.Felizmente,
nesse caso, o controle foi restabelecido, e aMa-riner 4tornou-se um sucesso - ainda que o
problema tenha ocorrido novamente quatro anos
depois, em julho de 1969. Dessa vez, foi com a
Mariner7, programada para voar a cerca de
3.200 quilômetros do Planeta Vermelho.
Engenheiros do Jet Propulsion Laboratory (JPL),
em Pasadena, Califórnia, perderam contato com a
nave de forma repentina. Cerca de sete horas
depois, a sonda ressurgiu, embora com a
capacidade de transmissão de dados reduzida e
com velocidade ligeiramente maior!
Na época do acontecimento, dois jornalistas da
revistaTime,  Don Neff e David Lee, davam
cobertura à missãoMariner 7.Em suas mentes
férteis, essa última ocorrência sugeriu a presença
de um "grande demônio galáctico" existente no
espaço próximo a Marte. O demônio, segundo
eles, teria comido as sondas enviadas
previamente pelos soviéticos, além daMariner7,
mas, por algum motivo, não gostaram do sabor e
a cuspiram novamente para o espaço.
Atualmente, o Grande Demônio Intergaláctico é
uma piada que se tornou algo como uma lenda
espacial.
Similar aos antigos marinheiros, que se
confrontavam com navios que desapareciam e
com oceanos inexplorados e escreviam em seus
mapas "Além desse lugar existem dragões", ou
aos pilotos de teste dos anos 1940, que falavam
de um "muro sônico no céu" que impedia os
aviões de viajarem mais rápido do que o som, os
exploradores do espaço (e aqueles que
registraram os fatos por eles causados) estão
fazendo com que novos mitos e novas lendas
surjam. Ninguém leva o demônio a sério, mas
tampouco pode-se deixar de lado o fato de que
algo estranho aconteceu próximo a Marte.
Na noite de 11 de agosto de 1877, o astrônomo
Asaph Hall posicionou-se à frente das lentes do
recém construído telescópio de 65 centímetros do
Observatório Naval dos Estados Unidos em
Washington, D.C., e apontou-o na direção de
Marte. Halls procurava por duas luas marcianas
que há muito tempo eram descritas em lendas.
Diferentemente das anteriores, naquela noite,
seus esforços foram recompensados quando ele
avistou um objeto fraco próximo de Marte.
Para o infortúnio de Hall, o tempo ficou carregado
e foi somente na noite de 16 de agosto de 1877
que ele pode localizar novamente o objeto, que
era, de fato, um satélite de marciano. Na noite
seguinte, 17 de agosto, Hall fez mais uma
descoberta: outro satélite, ainda mais próximo do
Planeta Vermelho. Ele batizou a lua mais externa
de Deimos e a mais interna de Phobos.
Em 1944, outro astrônomo do Observatório Naval
dos Estados Unidos, B. P. Sharpless, começou a
reunir todos os dados adicionais disponíveis sobre
as luas de Marte. Sua intenção era determinar, da
forma mais exata possível, as órbitas dos dois
satélites, no entanto, o que ele encontrou foi uma
surpresa.
Sharpless descobriu que a lua interna, Phobos,
parecia estar diminuindo sua órbita de forma
bastante gradual. Em linguagem astronômica,
isso chama-se "aceleração secular". Satélites
artificiais passam por aceleração secular -inicialmente, com queda lenta, mas
gradualmente ganhando velocidade - até
incendiarem-se na atmosfera terrestre.
Sharpless, que posteriormente revisou seus
cálculos, continuava convencido de que Phobos
estava em uma lenta órbita decadente. Apesar
disso, o assunto recebeu poucas considerações
sérias até ser deixado de lado, como muitos
outros boatos astronômicos.
Em julho de 1988, a ex-União Soviética lançou a
Fobos 1 e aFobos 2 do Cosmódromo de Baikonur.
As duas sondas foram as mais modernas
enviadas pela nação russa, custando
aproximadamente 480 milhões de dólares.
Inicialmente, tudo ocorreu bem durante a missão
de 200 dias, mas, durante uma conversa
agendada com aFobos 1,  em 2 de setembro de
1988, a nave não respondeu. Os russos disseram,
posteriormente, que o problema havia sido
causado por comandos errados transmitidos por
um operador de rádio e durante um mês eles
tentaram, sem êxito, restaurar comunicação.
Enquanto isso, a nave de backup,Fobos 2, seguia
em direção a Marte sem dificuldades. Em seu
caminho, o veículo-robô estudou a composição do
vento solar - as partículas carregadas expelidas
pelo Sol, que teóricos acreditam que possam ser
usadas para mover naves tripuladas, equipadas
com velas espelhadas. Também foram estudadas
as características das ondas de choque
interplanetárias e a localização das explosões de
raio gama. Chegando a Marte, aFobos 2  entrou
em órbita temporária e, se tudo tivesse ocorrido
conforme o planejado, ela teria posteriormente
mudado para uma órbita "observacional" para,
então, dar início aos estudos da lua Phobos, que
era o principal alvo da missão.
Phobos e Deimos têm interessado os russos
desde por volta de 1960. Naquele ano, o
astrofísico I. S. Shkovskii começou a revisar
descobertas feitas pelo astrônomo Sharpless. O
russo parecia confuso pelas descobertas
realizadas pelo americano. Ele não se opôs a
elas, mas na tentativa de compreender a órbita
decadente, eliminou uma causa após a outra,
rejeitando a influência dos campos gravitacionais
de Marte e do Sol na órbita da lua marciana. Ele
também calculou que, a dez milhas do outro lado,
Phobos aparentava ser pesada demais para ser
arrastada pela atmosfera rarefeita de Marte.
Além disso, o Planeta Vermelho não tem nenhum
campo magnético conhecido que pudesse
influenciar sua lua. Então, Shklovskii concluiu que
a única explicação seria que Phobos tem uma
densidade muito baixa; ou seja, ela não é tão
pesada quanto parece e, dessa forma, é
suscetível à força atmosférica.
Com a velocidade reduzida por essa força,
Shklovskii especulou que o satélite Phobos
arrastaria-se em direção a Marte o que indicaria o
início da aceleração secular. Quando o cientista
calculou o valor necessário, no entanto,
encontrou o impossível: para ser afetada pela
rarefeita atmosfera do Planeta Vermelho, Phobos
precisaria ter uma densidade abaixo de um
milésimo da densidade da água. Como não há
substância natural com uma densidade tão baixa,
ele concluiu que Phobos deveria ser oca e, talvez,
de forma artificial!
Em seu livro,The Cosmic Connection,o
astrônomo Carl Sagan fez as seguintes
observações:
Com uma densidade tão baixa, apenas uma
conclusão foi possível: Phobos deve ser oca. Um
grande objeto oco de 16 quilômetros de diâmetro
não poderia ter sido criado por processos
naturais. Shklovskii, portanto, concluiu que
Phobos teria sido criada por uma civilização
marciana adiantada. De fato, um satélite artificial
de 16 quilômetros de diâmetro requer uma
tecnologia muito mais adiantada do que a nossa.
Em 1971, a nave não-tripuladaMariner 9  atingiu
a órbita de Marte - infelizmente, chegando na
mesma hora em que a superfície do Planeta
Vermelho era coberta por uma forte tempestade
de poeira. Para Sagan, a tempestade era uma
benção, pois ele poderia convencer a NASA a
direcionar a plataforma de observação da câmera
da nave em direção às luas de Marte. Antes
disso, Sagan havia passado um ano fazendo
lobby para que os funcionários da administração
espacial permitissem que ele olhasse para as
duas luas. A NASA estava relutante em mudar o
perfil da missão daMariner,e o pedido de Sagan
jamais teria sido aceito se não fosse por uma
tempestade de poeira inesperada.
Na noite de 30 de novembro de 1971, Sagan e
um ex-aluno, dr. Joseph Veverka, foram capazes
de observar, pela primeira vez, fotografias de
Phobos tiradas bem de perto. Após a fotografia
ter passado por melhorias digitais, Sagan afirmou
que a lua "não se parecia tanto com um satélite
artificial, mas sim com uma batata doente". Ele
descreveu o satélite em órbita como tendo
aspecto de golpeada, com muitas crateras e
"provavelmente com bilhões de anos",
acrescentando que "não há qualquer sinal de
tecnologia nela".
Outras fotografias da lua revelaram
posteriormente algo incomum: um sistema de
ranhuras lineares na superfície, cada uma com
cerca de 530 quilômetros, de lado a lado, e
grosseiramente paralelas. Essas ranhuras, os
geólogos concluíram em 1978, provavelmente se-riam "manifestações superficiais de fraturas mais
profundas", embora sua verdadeira causa seja
ainda desconhecida.
Cinco anos após aMariner 9enviar as primeiras
fotografias reveladoras, a massa do satélite
Phobos foi medida pela primeira vez durante uma
série de vôos rápidos, realizados pela nave Viking
I.Com base nessas medições, a densidade foi
determinada como sendo bastante baixa, embora
não fosse tanto quanto a calculada por Shklovskii.
De qualquer forma, tal informação era
insuficiente para sustentar a teoria de que
Phobos fosse oco.  Viking Itambém observou que
o satélite e sua lua-irmã, Deimos, são, ambas, de
cor extremamente escura.
As informações sobre cor e densidade,
juntamente com outros dados transmitidos pela
sonda, em maio de 1977, fez com que cientistas
concluíssem que os satélites marcianos são feitos
de condritos carbonáceos ricos em água.
Encontrados apenas nos meteoritos mais
primitivos, os condritos carbonáceos são,
possivelmente, o que há de mais próximo da
poeira original, da qual as luas e os planetas se
formaram. Acredita-se que meteoros feitos desse
material originem-se do cinturão de asteróides
existente entre Marte e Júpiter. Se Phobos e
Deimos são constituídas de condritos
carbonáceos, então elas provavelmente
originaram-se no cinturão e foram posteriormente
"capturadas" por Marte.
Mais de dois mil asteróides, ou planetas menores,
foram identificados no espaço negro entre Marte
e Júpiter. Eles variam em tamanho - entre poucos
quilômetros e mais de 950 quilômetros de
diâmetro - e, certamente, ainda existem muitos
que não foram descobertos. Os asteróides
podem, um dia, ter feito parte de uma massa
única, um planeta maior, dessa forma, as luas de
Marte podem ser dois pedaços do que restou
dessa estrutura.
A crença de que um planeta entre Marte e Júpiter
tenha existido é antiga, embora haja uma visão
mais recente; uma teoria de que asteróides
sejam pedaços de um planeta que nunca se
formou. Embora ninguém efetivamente saiba
qual visão (se alguma delas) é correta, a teoria
do planeta destruído parece ser a mais popular.
Seus defensores sugerem que um planeta
orbitando entre Marte e Júpiter explodiu, ou foi
assolado por outro corpo maior (possivelmente
um cometa), enviando fragmentos diretamente
para o espaço existente ao redor. Há quanto
tempo isso pode ter ocorrido ainda não passa de
palpite - milhões ou bilhões de anos podem ter se
passado nesse ínterim. Dos muitos fragmentos,
alguns- uma boa parte, talvez - tiveram energia
cinética suficiente para iniciar um lento
movimento em direção ao Sol. No meio do
caminho, eles teriam encontrado Marte, e os dois
asteróides teriam sido capturados pelo campo
gravitacional e sido atraídos para sua órbita,
tornando-se as luas Phobos e Deimos. Há,
entretanto, outra possibilidade.
De acordo com o boletim da NASA, "Mars as
Viewed by Mariner 9", meteoritos e asteroides
são frequentemente de cor clara. As luas de
Marte são extremamente escuras e
evidentemente de outra composição - os
condritos carbonáceos que, em meteoritos dessa
composição, contém até 20% de água. Agora,
suponha por um momento que, tempos atrás,
Marte era inabitado. Uma inteligência maior no
planeta teria percebido os asteróides que
passavam e quase que certamente cobiçaram
seu valor. Para a população residente, os
asteróides teriam sido uma grandiosa dádiva -uma fonte de água e matéria-prima.
Um povo suficientemente adiantado teria sido
capaz de pastorear os asteróides até uma órbita
permanente e, então, dar início a extensivas
operações de perfuração e mineração para
extrair água e uma combinação de minerais. As
luas teriam sido perfuradas com túneis de
mineração, assim gerando a baixa densidade
revelada durante as verificações daMariner 9  e,
em parte, justificando Shklovskii. O fato de que
nossas sondas espaciais não tenham avistado
nenhuma evidência disso não elimina a
possibilidade. Se construções de túneis,
engenharia e mineração foram feitas nas rochas,
é preciso haver muitas evidências na superfície?
A idéia de que alguém possa estar minerando ou
escavando pequenos mundos em nosso sistema
solar não é nova. Durante anos, rumores
persistiram sobre a descoberta desse tipo de
atividade no próprio satélite da Terra.
Nos anos 1970, um escritor chamado George H.
Leonard compilou um livro ousadamente
denominadoSomebody Else is on the Moon.Leo-nard alegava que um estudo detalhado das
fotografias da NASA revelou a presença de
maquinário alienígena na superfície lunar.
Também foram reveladas, ele afirma, mudanças
propositais feitas na paisagem, e algumas
atividades suspeitas de mineração ou escavação.
Ele citou um informante anônimo: um engenheiro
com doutorado em física, ex-funcionário da NASA,
que sustenta suas alegações (talvez um pouco
convenientemente demais) ao explicar que ele e
outros colegas estavam bastante cientes de que
algo estranho ocorria na Lua. Leonard concluiu
que foi a suspeita, ou a descoberta dessa
presença alienígena, que deu início à corrida
espacial entre Estados Unidos e a ex-União
Soviética.
Alguns anos antes do lançamento do livro de
Leonard, em 1971, foi me dito que uma
ocorrência incomum durante uma das missões
lunares Apollo, envolvendo tripulantes, havia
acontecido. Na época, eu era sargento da Força
Aérea e o homem que contou a história era um
ex-astronauta que deve continuar anônimo. O
astronauta disse que, nessa missão em
particular, a nave principal entrou na órbita lunar
e o aterrizador separou-se e começou a descer.
Durante a descida, o aterrizador manteve
comunicação por rádio, normalmente, com o
veículo em comando na órbita. E foi aí que algo
estranho aconteceu.
O astronauta percebeu que barulhos bizarros,
como sirenes de alarme anti-fogo, cantorias e
uma conversa ininteligível surgiram na banda de
rádio restrita da NASA. Mais tarde, quando o
aterrizador estava retornando para o módulo de
comando, a interferência estranha cessou. De
qualquer forma, quando a tripulação da Apollo
entrou em contato por rádio com Houston e
perguntou se o Controle da Missão havia
monitorado a confusão estranha, a resposta foi,
com efeito: "Não, se você está recebendo sons
estranhos, eles são de natureza local".
Anos depois, descobri que os técnicos da NASA
acreditavam que alguns desses ruídos estranhos
eram interferências entre o módulo de comando
e os rádios VHF do aterrizador. A explicação, no
entanto, não considera a variedade e a falta de
lógica dos ruídos descritos pelo astronauta.
Durante os anos 1970, pude perceber um
fenômeno de ruídos idênticos. Enquanto, por
telefone, eu discutia com um editor a ideia para
um artigo, a ligação foi repentinamente
interrompida por uma barreira de som - uma
combinação de conversas altas com sinos to-cando, sirenes e muito mais. O barulho era
assustador e, por alguns instantes, fez com que a
comunicação se tornasse impossível. Ao cessar, o
editor agradeceu e desligou de forma abrupta.
Desde 1898, quando AGuerra dos Mundosde H.
G. Wells entrou na imaginação do cenário literário
inglês, histórias sobre Marte têm sido uma
constante da ficção científica. Os romances de
John Cárter, de Edgar Rice Burroughs,Red Planet,
de Robert Heinlein,The Martian Chronicles,  de
Ray Bradbury eMars,de Ben Bova, são apenas
alguns exemplos literários sobre nosso misterioso
vizinho espacial.
Um livro de ficção muito mais antigo -Viagens de
Gulliver, a lendária sátira de Jonathan Swift -apresenta uma surpreendente referência às luas
de Marte. Apesar de bastante breve, nada mais
do que meio parágrafo, é surpreendente que
aquele livro de Swift tenha sido publicado em
1726 - mais de 150 anos antes da descoberta das
duas luas pelo astrônomo Asaph Hall!
Na parte III de sua longa sátira, Swift coloca seu
herói, Gulliver, na ilha flutuante de Laputa, onde
astrônomos estão trabalhando duro para mapear
o firmamento. Sobre os astrônomos e sobre seu
trabalho, Gulliver afirma:
Eles catalogaram dez mil estrelas fixas [...] Da
mesma forma, eles descobriram duas estrelas
menores, ou "satélites", que giram ao redor de
Marte, das quais a mais interna está distante do
centro do planeta primário exatamente três
vezes seu diâmetro, e a mais externa, cinco. A
primeira completa uma volta em dez horas,
enquanto a segunda, em vinte uma horas e meia
[...]
A maior parte dos teóricos acredita que Swift
"tomou emprestadas" as informações sobre os
satélites de Marte dos cálculos realizados por
Johannes Kepler, o descobridor das leis de
movimento dos planetas, no século XVI, que
também recebe os créditos, com frequência, por
ter descoberto as luas de Marte. De qualquer
forma, Kepler meramente especulou que o
Planeta Vermelho teria duas luas, tendo como
base para isso a crença de que Vênus não teria
nenhum satélite natural e a Terra tinha uma,
então, Marte deveria ter duas. Havia uma idéia
de que cada planeta consecutivo no sistema solar
possuiria uma lua adicional. Essa crença ganhou
força quando as quatro maiores luas de Júpiter
foram descobertas. Mercúrio ainda era
desconhecido, e o (hipoteticamente) quinto
planeta de ruínas, no qual o cinturão dos
asteróides está localizado, teria três luas,
segundo esse sistema de raciocínio. Hoje
sabemos que essa "lei" planetária não faz
sentido, mas Kepler não poderia ter esse
conhecimento.
Isso, no entanto, cria um paradoxo: se Kepler não
tinha informações específicas relacionadas às
duas luas de Marte, como então Swift chegou aos
cálculos apresentados emViagens de Gulliver?
Para reafirmar, ele comentou sobre a lua interna
viajar ao redor do planeta em dez horas e a lua
externa em 21 horas e meia. O tempo de órbita
verdadeiro para cada lua é: Phobos, sete horas e
quarenta e nove minutos; Deimos, trinta horas e
dezoito minutos.
Em um artigo naPersuit,a publicação da
Sociedade de Investigação do Inexplicado, o ex-editor Robert J. Durant escreveu: "No quesito
exatidão, Swift deixa algo a desejar, mas seus
números são, de qualquer forma, bastante
aproximados. Qualquer um da mesma época na
história [daquela era da astronomia] dificilmente
conseguiria apontar falhas em Swift".
É possível que exista um registro antigo, em
algum lugar, documentando a órbita e a posição
de cada lua de Marte. Sobre tudo o que está fora
de nossos tempos, nosso conhecimento em
história é terrivelmente incompleto; o que
sabemos de nosso próprio passado distante são
hipóteses criadas a partir de uma estrutura de
crenças cuidadosamente cultivada. Podemos ter
subido e caído, repetidamente, com cada civili-zação redescobrindo o conhecimento do passado.
O sistema solar pode ter sido mapeado e
explorado, e até mesmo colonizado, em eras
anteriores. Evidências disso, se existirem,
provavelmente seriam encontradas em Marte, ou
mesmo em um de seus pequenos satélites.
Descobertas que alegam a existência de
civilizações antigas bastante avançadas nunca
foram vistas com muito entusiasmo pela co-munidade científica. A maior parte delas é
deixada de lado e convenientemente esquecida.
Um exemplo disso é o polêmico mapa de Piri Reis
(uma carta global detalhada, datada de tempos
antigos) descoberto durante a primeira metade
do século XX. Esse mapa e inúmeros artefatos
encontrados através dos anos fornecem fortes
evidências da existência de sociedades antigas
bastante adiantadas. Mas essas civilizações
teriam se originado na Terra, ou em algum outro
lugar? Os grandes "astronautas antigos" teriam
nos feito acreditar que a humanidade originou-se
em outro lugar da galáxia e teria se fixado aqui,
ou ao menos visitado a Terra uma vez -plantando as sementes da civilização. Isso é
possível, mas improvável. Se o  Homo sapiens
veio do espaço, deveria o mundo da origem estar
tão longe?
Considere: há cerca de 12 mil anos, Marte pode
ter estado em meio a um verão crescente; o
planeta pode ter estado muito mais quente do
que é hoje, com uma atmosfera mais densa,
capaz de sustentar a vida da ordem encontrada
na Terra atualmente. Isso não é uma especulação
vaga, mas uma idéia que tem sido considerada
por cientistas planetários e sustentada por
descobertas mais recentes. Em algum momento,
uma era do gelo teve início, acompanhada por
uma diminuição considerável da pressão da
superfície. A água em estado líquido começou a
tornar-se vapor e, finalmente, grande parte da at-mosfera de Marte ficou presa na calota polar
gelada.
O que pode ter causado essa mudança climática
é desconhecido, embora possa ter sido que o
movimento leve e processional dos planetas pelo
sistema solar finalmente levou Marte a um ponto
demasiadamente longe do Sol. Com essa
mudança, uma raça civilizada teria sido forçada a
tomar medidas drásticas para evitar o colapso ou
a aniquilação. Alguns podem ter escapado,
fugindo para um planeta mais aquecido e
selvagem - o terceiro mais próximo do Sol. Ao
fazer isso, eles teriam deixado seu planeta
morrendo, suas cidades se desmoronando - e na
superfície de duas luas escuras, talvez, algum
traço de sua última passagem.
Em 1989, a sondaFobos 2estava abertamente
destinada a buscar por quaisquer evidências de
algo estranho ou não-natural na lua interna de
Marte. Argumentos declarando o contrário são
enfraquecidos pelo reconhecimento de planos
incomuns que acompanharam o projeto e pela
predileção dos russos em pensar que Phobos era
oca.
Programada para passar cerca de dois meses
viajando nos arredores da lua marciana, a sonda
teria finalmente conduzido experimentos a uma
distância de apenas cinquenta metros da
superfície e ela também teria liberado dois
módulos na superfície. Tais módulos teriam sido
criados para estudar o conteúdo do solo, medir o
campo magnético de Phobos e transmitir visões
panorâmicas de sua superfície. Em seguida,
Fobos 2deveria retornar a Marte para dar início a
um longo estudo de sua órbita.
Mas é claro que nada disso aconteceu. Após
entrar em uma órbita temporária de Marte,Fobos
2transmitiu imagens da superfície do planeta,
além de uma boa quantidade de dados sobre seu
ambiente. Então, em 27 de março de 1989, no
cronograma, a ligação de rádio com Kaliningrado
foi desativada para tirar fotografias que posterior-mente auxiliariam planejadores de missões a
criar uma trajetória até o satélite marciano. Ao
final da sessão de fotos, a nave foi programada
para virar sua antena de alto ganho de volta à
Terra. Em vez disso, Kaliningrado recebeu apenas
um sinal breve e fraco, após o qualFobos 2ficou
silenciosa, aparentemente para sempre.
As fotos enviadas à Terra apenas aprofundaram o
mistério. Uma mostrava um sistema de linhas
retas na região que seria o equador do planeta,
parecendo ranhuras em terra seca. De qualquer
forma, como a câmera estava carregada com
filme infravermelho, os cientistas concluíram que
as linhas não eram uma característica geográfica,
mas sim uma vasta fonte de calor. Estimou-se
que cada linha teria entre três ou quatro
quilômetros de largura. Outra foto mostrava uma
sombra alongada, bastante regular em suas
feições, e também bastante grande. De qualquer
forma, o objeto lançando a sombra - algo
claramente enorme - não era visível na foto.
A última foto, mostrada na série original
Sightings da rede de televisão Fox, era uma visão
de algo no espaço. O objeto fotografado parecia
ser escuro, quase preto, com listras alongadas e,
desde então, tornou-se assunto de muito debate.
Para alguns, não passava de uma pequena falha
fotográfica; para outros, trata-se de uma sonda
alienígena; para outros ainda, é uma terceira lua
em miniatura (previamente desconhecida) em
órbita ao redor do Planeta Vermelho.
Fotografias tiradas em 1976 pelos dois satélites
Viking  mostraram muitas características
surpreendentes de Marte, incluindo uma su-gestão muito forte da existência de pirâmides.
Vistas de cima, elas são extremamente parecidas
com nossas pirâmides terrestres - um ápice com
quatro ou mais lados inclinados. A explicação
oficial dessas formações é que elas são picos de
montanhas esculpidos por fortes e anormais
correntes de ar. Outra característica estranha é
um vasto cinturão de dunas de areia circulando o
pólo norte do planeta, que, de acordo com
pesquisadores, pode ser o maior cinturão de
dunas do sistema solar.
Ainda mais intrigante é um enigma na
extremidade de uma das calotas polares geladas,
batizada por cientistas da NASA como "o
holofote". Trata-se de uma área formada por
"duas linhas retas divergentes" entre as quais a
superfície do planeta é completamente diferente
do terreno nos arredores. Até agora, ninguém
ofereceu uma declaração conclusiva sobre "o
holofote". De qualquer maneira, o homem que
era o líder da equipe de imagens das sondas
Viking,Michael H. Carr, da instituição de Pesquisa
Geológica dos Estados Unidos, fez um
pronunciamento na época da descoberta,
afirmando que "parece haver algum tipo de capa
translúcida sobre essa região..."
Trinta e um meses depois do desaparecimento da
Fobos 2,um estranho objeto se aproximou da
Terra, passando a aproximadamente 465
quilômetros de distância, tendo sido inicialmente
avistado com um pequeno telescópio no dia 6 de
novembro de 1991, em Kitt Peak, no estado do
Arizona. Acreditando tratar-se de um asteróide, a
observação revelou que ele tinha a tendência de
"cintilar" - isto é, ficar três vezes mais brilhante e
então escurecer novamente, a cada sete minutos
e meio, o que levou à especulação de o objeto ser
um satélite artificial, ou, ainda, uma nave de
algum tipo.
Conforme o objeto continuava a aproximar-se,
astrônomos do Observatório Europeu do Sul, em
La Silla, Chile, acompanhavam-no com a ajuda de
um telescópio de um metro e meio. Medições
precisas do cintilamento confirmaram que o
fenômeno era remanescente de pulsações de luz
observadas em satélites com rotação rápida e re-flexiva. Os astrônomos que rastrearam o objeto
eram Richard West, Olivier Hainaut e Alain
Smette.
O misterioso objeto aproximou-se ainda mais da
Terra em 5 de dezembro de 1991 e, depois disso,
começou a afastar-se. Seu diâmetro foi estimado
em cerca de dez metros e, até o final do mês, não
houve outros relatos de objetos.
Três dias depois de ser estabelecida a data para
a entrada daMars Observerem órbita, os
planejadores da missão no JPL concluíram, com
tristeza, que a sonda de um bilhão de dólares
havia desaparecido e estava, provavelmente,
perdida. As especulações tornaram-se
abundantes: a Observerestava em órbita como
planejado, mas era incapaz de contatar a Terra
por defeitos causados em um transistor no
relógio central da nave. A sonda falhou em
orbitar e continuou navegando em direção ao
espaço interplanetário, além disso, os tanques
propulsores de oxigênio/hidrazina romperam-se
durante a pressurização, destruindo a nave.
Levantada por observadores que não faziam
parte do projeto, a teoria da explosão foi
desaprovada pelos engenheiros do JPL. Durante
uma entrevista coletiva no laboratório, o diretor
do projeto, Glenn E. Cunningham, disse que a
hipótese de uma explosão causada pela
superpressurização estava completamente
descartada por causa dos vários sistemas de
backup. Fontes externas afirmaram que, apesar
de a sonda ser equipada com backup de
reguladores de pressão, eles não teriam
prevenido um problema causado por um abrupto
aumento da pressão.
Enquanto isso, grupos marginais começaram a
anunciar que a sonda ainda estava intacta e
fazendo transmissões dentro do programado.
Eles alegavam que os dados de transmissão
estavam sendo mantidos fora do alcance do
público porque revelavam uma presença
alienígena em Marte ou ao redor dele.
Seja qual for a verdade sobre o destino daMars
Observer,não há como negar que - tivesse ela
sobrevivido - a sonda teria sido capaz de localizar
e gravar evidências de vida inteligente, passada
ou presente, no Planeta Vermelho. Uma câmera a
bordo, concebida pelo geólogo Michael Malin, da
Arizona State University, teria permitido
estonteantes fotografias em close de indivíduos
marcianos. Tendo custado 13 milhões de dólares,
a câmera era de qualidade extrema, a ponto de
capturar imagens claras de objetos do tamanho
de automóveis na superfície, tais como os
aterrizadores dos  Viking  pousados lá desde 1976
e que a NASA pretendia fotografar.
Outras fotografias planejadas incluíam closes das
famosas "faces" de Marte, localizadas não muito
longe das pirâmides na região desértica do norte,
conhecida como Cydonia. Há muito observadas
pelos geólogos como nada mais do que uma
curiosidade da paisagem marciana, as imagens
originais da "face" carregam uma notável se-melhança com um rosto humano olhando para o
céu. Enfatizo essa afirmação porque, à parte da
opinião popular, a "face" foi fotografada não
apenas uma, mas duas vezes; as fotos foram
tiradas com uma diferença de 35 dias e com
diferentes ângulos do Sol - e uma foto reforça a
outra.
No início de setembro de 1993, apenas uma
semana após a perda daMars Observer,os
Estados Unidos e a Rússia anunciaram um acordo
de exploração espacial sem precedentes.
Assinado pelo vice-presidente Al Gore e pelo
primeiro ministro Victor Chernomyrdin, o acordo
encorajava a união de fundos técnicos e
financeiros no que diz respeito à exploração
espacial tripulada, além de incluir o
desenvolvimento e a construção da Estação
Espacial Internacional e futuras missões, também
tripuladas, à Lua, a Marte e a outros destinos.
Em agosto de 1996, três anos após a assinatura
do acordo, uma equipe de cientistas anunciou,
durante uma entrevista coletiva da NASA
cuidadosamente ensaiada, que havia encontrado
moléculas orgânicas - componentes de carbono
que são um tijolo essencial na construção da vida
- em um pequeno meteorito de Marte. A pedra,
do tamanho de uma batata, descoberta na
Antártica em 1984, também continha o que
pareciam ser microorganismos fossilizados. "A
explicação mais simples para isso é que eles são
o que sobrou da vida em Marte", explicou o chefe
da equipe de pesquisadores, dr. David McKay, do
Johnson Space Center, em Houston, Texas.
Então, três meses mais tarde, em 17 de
novembro de 1996, uma sonda russa não-tripulada lançada a Marte não obteve sucesso em
deixar a órbita da Terra e mergulhou no Oceano
Pacífico, próximo à Ilha de Páscoa. Reportou-se
que as causas da queda teriam sido a falha do
quarto estágio do impulsionador doRussian
Proton.
Menos de oito meses depois, em 4 de julho de
1997, uma sonda dos Estados Unidos,Pathfinder,
pousou na superfície marciana, tornando-se o
primeiro aparelho humano a pousar com sucesso
no Planeta Vermelho desde os dias daViking,
mais de duas décadas antes. Ao entrar na
atmosfera, sua descida foi amortecida a cerca de
15 metros da superfície por paraquedas e
retrofoguetes. Grandes balões - inflados com a
força de um detonador - envolveram aPathfinder
em um cogumelo de proteção. O paraquedas foi
então desatado e a sonda mergulhou através da
distância que ainda faltava para atingir a
superfície e saltou repetidamente - na altura de
aproximadamente dez andares a cada salto -antes de rolar até parar. Quando a poeira baixou,
a sonda abriu-se e lançou um pequenobuggy
movido a energia solar, conhecido como
Soujourner.
Por mais de oitenta dias - até 27 de setembro de
1997, data de sua última transmissão bem
sucedida - obuggyde seis rodasSoujourner
perambulou pelo solo ao redor daPathfinder,
batendo contra rochas e transmitindo
espetaculares fotografias de um terreno
alienígena. Enquanto isso, aPathfinderverificou
que Marte fora, uma vez, quente, molhado e bem
mais parecido com a Terra do que hoje.
Mesmo enquanto aPathfindere aSojourner
transmitiam aos cientistas na Terra informações
sobre o solo, composição mineral e condições
atmosféricas, uma segunda sonda americana
aproximou-se do Planeta Vermelho. Essa era
Mars Global Surveyor,que entrou na órbita do
planeta em meados de setembro de 1997 e
começou a mapear e fotografar sistematicamente
a superfície de Marte. Em abril de 1998, aGlobal
Surveyortransmitiu fotografias da Cydonia,
incluindo imagens da enigmática "face" - a
primeira em mais de vinte anos. Infelizmente, a
nova imagem era mais semelhante a uma marca
de pegada de sapatos do que a uma face e
parecia claramente de origem natural - um monte
isolado, numa região desgastada pela erosão ou
um planalto. Quando a fotografia foi liberada na
Internet, defensores da conspiração
imediatamente atacaram a NASA, insistindo que
a imagem fora forjada para esconder a verdade a
respeito da existência de vida inteligente em
Marte. Curiosamente, a NASA afirmou em relatos
posteriores que a fotografia havia, de fato, sido
filtrada antes de ser liberada, o que resultou em
uma imagem, de acordo com alguns astrônomos,
desprovida de detalhes tridimensionais
significativos.
De qualquer maneira, a controvérsia a respeito
da "face" ressalta o profundo mistério em torno
de Marte, incluindo o destino daMars Observere
de sondas anteriores enviadas ao planeta. Até
esta data, uma das melhores explicações da
NASA para as dificuldades experimentadas nas
missões anteriores é que as sondas encontraram
uma nuvem de minúsculas partículas ou poeira
espacial que, de alguma forma, afetaram a
delicada trajetória e o instrumentário das naves.
Infelizmente, a explicação parece imperfeita, da
mesma forma como a explicação apresentada
pela NASA para o desaparecimento de outra
sonda enviada a Marte, aClimate Orbiter.
Assim como aMars Observer,a sonda de 125
milhões de dólares Climate Orbiterdesapareceu
enquanto entrava em órbita. Em 23 de setembro
de 1999, a sonda girou com sucesso ao redor do
lado mais distante do Planeta Vermelho antes de
toda a comunicação ser perdida. Richard Cook,
gerente do projeto, disse que a entrada na órbita
parecia estar em uma menor altitude do que a
considerada segura: 60 quilômetros, o que
significa que aOrbiterprovavelmente atingiu a
atmosfera e quebrou-se. A altitude pretendida
era de 150 quilômetros, com uma margem de
segurança de 85 quilômetros.
Dias depois do desaparecimento daOrbiter,a
NASA anunciou que a sonda provavelmente foi
condenada por um erro humano - nesse caso, a
falha na conversão de unidades de medidas
inglesas para metros teria causado um pequeno,
mas terrível, erro de cálculo na aproximação da
órbita. A explicação parecia plausível, com
exceção de dois pontos: (1) a Orbiterhavia
atravessado todos os 670 milhões de quilômetros
a caminho de Marte sem qualquer indício de erro
e (2) as medidas métricas (chamadas newtons)
são o padrão de navegação aceito e reconhecido
em todos os tipos de missão, o que torna o erro
de conversão improvável. Se aClimate Orbiter
tivesse sobrevivido, ela teria sido capaz de tirar
fotografias coloridas de Marte dentro de um
campo de visão que incluía tanto infravermelho
quanto ultravioleta. Em contraposição, a já em
órbitaGlobal Surveyor,pode ver somente em
preto e branco.
Seja qual for a verdade sobre as várias sondas
perdidas ou em mau funcionamento, permanece
assegurado que emissários robóticos
continuaram a viajar para o Planeta Vermelho
para preparar o caminho para uma exploração
tripulada. Isso ocorrerá por variadas razões, mas,
predominantemente, por causa da esperança em
descobrir vida em Marte.
Em 3 de dezembro de 1999, aMars Polar Lander,
uma nave espacial de 165 milhões de dólares,
pousou no Planeta Vermelho levando duas micro-sondas. Concebida para realizar testes em busca
de água e procurar por evidências de vida numa
região próxima ao pólo sul marciano, o
aterrizador desceu silenciosamente após entrar
em órbita. Nem a nave, nem as micro-sondas -que deveriam ter aterrissado separadamente -deram notícias desde então.
CAPÍTULO8
Transmudantes no Céu
Em setembro de 1996, uma moradora da região
central da Escócia filmou algo notável: um óvni
mudando de forma. O incidente ocorreu em
Falkirk, a cerca de quarenta quilômetros a oeste
de Edimburgo, a capital. A testemunha, Margaret
Ross, disse aos investigadores que se levantara
ao raiar do dia (seis horas da manhã) em 27 de
setembro, uma sexta-feira, e avistara um brilho,
um objeto que pulsava diante da janela de seu
quarto. Como ela observou, o perímetro do objeto
"tornou-se pontiagudo".
Seis meses antes, um objeto semelhante
aparecera no céu de Falkirk, e a sra. Ross o havia
filmado antes que o perdesse de vista. A fita fora
examinada minuciosamente na Universidade de
Glasgow por um professor aposentado de física e
astronomia, que considerou o objeto inexplicável.
O objeto, contudo, não era tão brilhante quanto o
óvni observado em 27 de setembro, que se
mostrou bem melhor no vídeo.
A sra. Ross filmou o óvni durante
aproximadamente quarenta minutos, ele parecia
pulsar enquanto permanecia imóvel no céu.
Então, de maneira abrupta, o objeto transformou-se em um semicírculo e começou a girar antes de
retornar à forma original. Instantes depois, o
objeto sumiu, afastando-se com rapidez na
direção leste, rumo a Linlithgow, distante dez
quilômetros dali.
Contudo, a sra. Ross não sabia, naquela época,
que não era a única testemunha. A três
quilômetros do local, a filha, Aléxis, o genro,
George, e os dois filhos do casal também viram o
óvni mudando de forma. Quando Aléxis telefonou
para a mãe, por volta de sete horas da manhã,
ficou sabendo que a sra. Ross havia gravado um
vídeo do objeto.
O vídeo foi examinado por ufólogos, entre eles
Ron Halliday, da Universidade de Stirling, que
declarou que o vídeo era "uma das melhores
sequências [de óvni] que já vira". Filmes com
fenômenos ufológicos são muito raros e
costumam ser breves, observou Halliday, acres-centando que não havia "explicação óbvia" para
a imagem do óvni.
Kenny Higgins, ufólogo de longa data e
presidente do Centro de Pesquisa Escocês em
Objetos Voadores Não Identificados, concordou
com a opinião de Halliday sobre o vídeo. Higgins
declarou que o vídeo era "a melhor evidência de
óvnis na Escócia que já vira".
A capacidade de mudar de forma, ou de parecer
mudar de forma, é uma antiga - além de
incomum - parte da história dos óvnis. En-tretanto, nos últimos tempos, o fenômeno de
transmudação tem sido observado com mais
frequência. Considere os seguintes relatos.
Durante o verão de 1995, um grupo de
testemunhas próximo ao autódromo de Brighton,
em Sussex, Inglaterra, relatou ter visto uma trilha
branca no céu que se transformara em um objeto
triangular, que em seguida se dividira em duas
esferas. O avistamento ocorreu no momento em
que a região estava inundada com atividade de
óvnis.
Em maio de 1996, um objeto na forma de
bumerangue negro foi visto circundando a cidade
de Clayton, Inglaterra. Uma das testemunhas,
uma mulher não identificada, disse aos
investigadores que o objeto parecia ser sólido,
mas que também parecia ter mudado de forma à
medida que se movia. Momentos depois, o óvni
desapareceu entre as nuvens.
Em 22 de fevereiro de 1997, por volta das 19h45,
em Springfield, Oregon, um casal gravou um
vídeo entusiasmático de um óvni em formato
triangular, que se tornou cilíndrico antes de
afastar-se com rapidez na direção sudeste.
Em 19 de agosto de 1997, por volta das 22h38,
mãe e filho retornavam de carro para a casa, em
Ipswich, Inglaterra, quando observaram um disco
cinza sobre Bromeswell, próximo a Woodbridge.
Os dois tinham ido visitar amigos em Eyke e,
antes de sair, notaram que o televisor se
comportava de maneira curiosa: a imagem da TV
variava ocasionalmente de uma tela clara para
outra escura. A mulher, que estava dirigindo,
escolheu seguir o objeto na esperança de obter
uma visão melhor. O filho dela relatou depois que
o objeto mudara o formato de disco para um
triângulo de luzes. Os dois haviam perdido o
objeto de vista perto da delegacia de polícia do
condado de Suffolk.
Esses e outros relatos semelhantes sobre
mudança de forma são anômalos mesmo para
pesquisadores bem versados em assuntos bi-zarros. Eles trazem dificuldades à resposta de
questões óbvias: se os óvnis são algum tipo de
naves sólidas, como e (talvez o mais importante)
por que mudam de forma, e por que fazem isso
na presença de testemunhas? Os objetos podem
mudar de forma e separar-se em partes distintas
(como foi relatado no caso do autódromo de
Brighton), e ainda aderir às leis da mecânica
clássica? Ou (como mencionado em capítulo
anterior) são nada mais que hologramas?
Com tais questões em mente, vejamos mais
assuntos complicados.
Em setembro de 1995, um jornal de Wellington,
Inglaterra, publicou uma carta na qual descrevia
uma aeronave incomum vista em Marshbrook,
perto da igreja Stretton. O autor da carta,
identificado a partir de agora como WK, disse que
o incidente ocorreu em 1979 ou 1980, enquanto
ele e a esposa estavam fora, em um campo
aberto.
Na carta, WK contou que uma pequena aeronave
a jato passou sobre eles, voando de modo
normal, mas devagar. Então algo estranho
aconteceu. O avião parou no ar e tanto ele
quanto a esposa "ouviram o motor desligar". O
avião permaneceu imóvel por aproximadamente
um minuto antes do motor reiniciar e, então,
partiu.
Expressando espanto com o incidente, WK
observou que parar no meio do ar com o motor
desligado é, claro, impossível para qualquer jato
convencional. Como perito em reconhecimento
de aeronaves, disse que era incapaz de
identificar o avião, que descreveu ser semelhante
aoJet Provost, então em uso na Força Aérea Real
britânica, se bem que "visivelmente diferente em
tamanho e perfil, como, digamos,uma cópia feita
de um desenho"(grifo nosso). Ele disse que a
aeronave não era umHarrier- jato britânico de
decolagem vertical, em serviço desde o final da
década de 1960. De fato, contou que tinha uma
"dúvida persistente" sobre se era mesmo um
avião:
- Era - perguntou ele - um óvni?
Se, ao perguntar isso, WK quis dizer "o objeto era
uma espaçonave?", então a resposta é quase
com certeza: não, não era. Ao mesmo tempo,
contudo, a experiência dele possui precedentes.
Narrativas semelhantes de "aeronaves
fantasmas" têm sido documentadas desde, pelo
menos, a década de 1950; e, quando alguém
compara os relatos e reconhece o
comportamento não convencional e
extraordinário atribuído aos objetos, permanecem
poucas dúvidas de que os avistamentos sejam
parte de uma experiência com óvnis.
Considere os seguintes trechos, extraídos do
Relatório Especial n. 14 do Projeto Blue Book, da
Força Aérea dos Estados Unidos:
"Um estudante da aviação naval e a esposa, além
de outras pessoas, estavam em um cinemadrive-indas 21hl5 às 22h40, em 20 de abril de 1952,
durante o período no qual viram diversos grupos
de objetos sobrevoando o local. Havia de dois a
nove objetos em cada grupo, e cerca de vinte
grupos. Os grupos de objetos voavam em linha
reta, exceto por algumas mudanças na direção,
como ocorre com qualquer outra aeronave.
Tais objetos possuíam a forma de aeronaves
convencionais. A característica inexplicável [...]
era que cada um tinha um brilho vermelho ao
redor e o próprio [objeto] brilhava, embora fosse
uma noite sem nuvens.
O avistamento relatado acima foi um dos doze,
de um total de 434 "desconhecidos" identificados
no Relatório Especial 14 como desconhecidos
"significativos". Cada caso tinha de cumprir
determinados critérios que envolviam descrições
físicas, manobras aéreas e dados antecedentes
com o propósito de efetuar a triagem.
No início de 1971, moradores de Middletown,
Ohio, lidavam com uma outra versão do
fenômeno do avião fantasma. O incidente quase
não recebeu atenção da mídia, mas foi descrito
integralmente por B. Roman, redatora do extinto
Ohio UFO Repórter.Ela falou sobre o incidente da
seguinte maneira:
"Já passava das 23 horas da segunda-feira, no dia
18 de janeiro [de 1971], quando a rádio WPFB
começou a receber telefonemas sobre uma
grande aeronave que sobrevoava o
estacionamento de trailers nas redondezas de
Lesourdsville Lake, perto de Middletown, naroute
4. Uma senhora disse ter visto uma aeronave
circulando o local por mais de 45 minutos, que
tinha um motor barulhento e luzes piscando.
Outra pessoa que ligou contou que a aeronave
havia pousado, e uma patrulha rodoviária tinha
ido investigar; outra, ainda, ligou e falou que a
nave havia deixado a região com rapidez, mas
tinha retornado.
Durante esse período, diversos cidadãos locais,
operadores de rádio de ondas curtas, começaram
a relatar que haviam visto o avião. Um deles,
residente no estacionamento de trailers, contou
ter observado a aeronave por algum tempo.
Disse que ela voava constantemente em um
padrão circular sobre o estacionamento, a uma
altitude de 800 a mil pés.
Outro, um piloto, disse apenas ter ouvido no rádio
que a FAA [Federal Aviation Administration] tinha
enviado um avião para investigar, mas que
fracassara ao estabelecer contato. Pessoas que
ligaram para o aeroporto e a polícia foram
informadas de que [a aeronave] parecia ser
[pilotada por] um piloto que tinha problemas de
rádio. Um membro da patrulha da Defesa Civil
local me ligou [Roman] para dizer que havia
contatado a Base Aérea de Wright-Patterson em
Dayton, Ohio. E, segundo ele sabia, a FAA não
havia sido chamada.
Naquele momento diversos amigos chegaram e
dirigiram-se a Lesourdsville Lake. Conforme se
aproximavam, podiam ver a grande nave
circulando devagar, a cerca de 800 pés, como
fora relatado. Paramos e saímos do carro, mas
não ouvíamos nada. A nave tinha diversas luzes
vermelhas que piscavam e davam a aparência de
estar voando em um ângulo de 45 graus à todo
momento.
Então, uma nave menor, com um motor
barulhento, chegou. Parecia um feixe de luz
branca, brilhando às vezes e crescendo mais à
medida que se aproximava do primeiro avião.
Ambas continuaram voando em círculos por
algum tempo - até o momento que achamos que
colidiriam de frente. Depois, o avião com as luzes
vermelhas piscando virou de leste para nordeste;
o segundo, com a grande luz branca, seguiu
depois, e, então, eles foram na direção nor-nordeste. Conforme ele [o segundo objeto]
passava sobre nós, podíamos ver um raio
projetando-se à frente da luz.
A nave com as luzes vermelhas piscando
continuava, aparentemente, na direção nordeste.
Os rádio-operadores haviam dito que ela circu-lava a região e que tinha um um motor
barulhento, que fazia as coisas vibrarem
conforme sobrevoava em baixa altitude. [...]
Posteriormente [no dia seguinte, 19 de janeiro],
um morador de South Middletown disse que,
antes do surgimento do avião, ele tinha visto um
helicóptero sobrevoar o local e fazer um som
estranho como um 'zunido'?
Deve-se observar outro detalhe aqui. De acordo
com Roman, os membros da Patrulha Aérea Civil
identificaram o misterioso avião como um C-119
Flying Boxcar.
Era umFlying Boxcarque manobrava nos céus
escuros de Ohio durante janeiro de 1971? Se
fosse assim, a aeronave estava violando as
normas da aviação federal ao circular em baixa
altitude sobre as casas. E o que era o outro
objeto que tinha se aproximado e acompanhara
por um tempo a aeronave maior? Estaria ele, de
algum modo, relacionado ao relato do helicóptero
com "zunido"?
Durante as décadas de 1960 e 1970, John Keel
descobriu que a configuração do C-119 Boxcar
era muitas vezes observada em áreas de
ocorrência de óvnis. Em seu livro,Operação
Cavalo de Tróia,ele relatou que "por muito tempo
suspeitei que a Força Aérea enviasse aviões com
instrumentos especiais em áreas deflappara
fotografar e executar diversos testes. Mas,
eventualmente, diante da evidência
circunstancial, tinha de descartar essa teoria
plausível por uma não plausível, isto é, que a
aeronave quese pareciacom os C-119 estavam
sendo dispostas nos setores de flap,mas que isso
não estava sendo relatado à Força Aérea".
Nos últimos anos, houve poucos relatos sobre
estranhas aeronaves de carga militar nas áreas
de avistamentos, se bem que tais narrativas
continuam a ser ouvidas. O relato a seguir,
contado por Rick Hilberg, foi documentado,
originalmente, pelo repórter Paul Adams do
Faribault Daily News de Minnesota.
Em 2 de abril de 1991, o proprietário de um
cinema em Faribault observou um objeto
estranho no céu enquanto se dirigia ao trabalho.
O incidente ocorreu aproximadamente às sete
horas da noite. Ele descreveu o objeto como
branco e oblongo, e disse que estava suspenso
verticalmente no céu como um balão de ar
quente ou gás hélio. Depois, enquanto voltava
para casa, viu o objeto novamente, mas agora ele
parecia ser das cores vermelha e verde. Ao
chegar em casa, chamou a esposa, os filhos e os
vizinhos para vê-lo também.
Uma pequena multidão reuniu-se, mas duas
grandes aeronaves chegaram abruptamente e
desviaram a atenção de todos do óvni. Os aviões
voavam baixo e com velocidade reduzida - tão
baixo, de fato, que um dos moradores disse,
depois, que pensou que pousariam em sua casa.
Os aviões chegaram muito perto: fizeram uma
manobra "nariz à cauda", irresponsável e
perigosa; em particular quando se sobrevoa uma
área residencial.
Conforme a aeronave sobrevoava, alguém na
multidão acenou e um dos aviões virou
brevemente um dos holofotes. Em seguida, a
outra aeronave se aproximou e puderam ser
contados um total de 11 aviões, incluindo o
número de helicópteros. Após certo tempo, todas
as aeronaves partiram e o próprio óvni
desapareceu durante a confusão.
Um porta-voz da Guarda Nacional Aérea de
Minnesota disse aos repórteres que dois aviões
de transporte militar C-130 realizavam manobras
na região de Faribault naquela noite. Entretanto,
o porta-voz afirmou que nenhuma outra aeronave
militar estava na região, e falou que nenhum dos
tripulantes dos C-130 relatou ter visto quaisquer
objetos estranhos no céu. Não havia explicação
de por que os C-130 (se de fato era isso que eles
eram) voavam "nariz à cauda" acima da área
residencial.
Investigações no Serviço Meteorológico Nacional
excluíram a possibilidade de que o óvni fosse um
balão meteorológico, pois nenhum havia sido
liberado na região.
Durante a primavera de 1968, dois estudantes da
Universidade Estadual do Texas no Leste, Gary
Massey e Richard Shumer, dirigiam pela rodovia
estadual 11, oito quilômetros a leste de
Commerce, Texas. De repente, vindo da direção
oeste, viram um estranho objeto voador: um
avião "que lembrava um bombardeiro B-29", com
asas mais curtas e espessas do que as asas de
aeronaves comuns, mas sem  cockpit,cabine de
pilotos ou janelas, sem hélices nem turbinas
aparentes, ou trilha de condensação, e "nenhum
som", ainda que a nave tenha passado direta-mente sobre as testemunhas com altitude
relativamente baixa e velocidade lenta. A
estranha nave era de cor cinza ou marrom claro.
Tom Adams, anomalista, redigiu um relatório
sobre o avistamento no qual observou que,
embora a aeronave misteriosa estivesse
movendo-se na direção oeste na ocasião da
primeira observação, ela mudou de direção com
rapidez e começou a mover-se em sentido leste,
paralela ao carro. A aeronave, então, mudou de
direção mais uma vez, movendo-se para o sul e
em ângulos retos, segundo as testemunhas do
automóvel.
Nesse momento, o carro estava estacionado e os
dois homens estavam em pé no acostamento da
rodovia. Não viram marcas externas, insígnias ou
qualquer tipo de identificação, mesmo que o
avião sobrevoasse a cerca de 200 ou 300 pés.
Posteriormente, Massey comentaria que o objeto
se parecia com "uma maquete ou aeromodelo"
(grifo nosso).
Na madrugada de domingo, 12 de setembro de
1993, na cidade de Tavistock, Inglaterra, teve
início um tumulto no estacionamento externo do
Spring Hill Hostel and Flats. Localizada no
condado de Devon, Tavistock está a cerca de 80
quilômetros a oés-sudoeste da cidade portuária
de Exmouth, e ao sul do Parque Nacional de
Dartmoor. O estacionamento possui uma área de
aproximadamente 950 quilômetros quadrados e é
conhecido por seus riachos de truta, atoleiros de
turfa e ventos uivantes, que fazem recordar o
"pântano melancólico" descrito por Arthur Conan
Doyle emO cão dos Baskervilles.
Por volta das 24h35, pessoas no estacionamento
observaram um conjunto de luzes no céu
aproximando-se, vindo da rodovia Plymouth.
Conforme as luzes aproximavam-se, iluminavam
um objeto que, de acordo com uma das pessoas,
era tão largo quanto um "avião de tamanho
médio".
A testemunha contou que o objeto possuía uma
fuselagem gêmea como um catamarã, "duas
fileiras de janelas de cabina" e não tinha asas. Ele
estimou a altitude do objeto em cerca de mil e
quinhentos a dois mil pés, e disse que
permaneceu no campo de visão por aproxi-madamente um minuto, em silêncio absoluto. O
objeto seguiu para o norte, pela rua principal, em
direção ao Parque Nacional de Dartmoor e além
da cidade de Okehampton.
Apesar da aparência estranha do objeto, naquela
noite, nem todos estavam convencidos de que
tivessem visto algo além de um avião de projeto
exótico. Mas, de acordo com a testemunha antes
mencionada, qualquer um que estivesse no local
poderia atestar que o objeto não produzia som.
Pensando na possibilidade de que o óvni fosse
um avião, a testemunha disse que checou com a
British Airways e descobriu que não havia voos
comerciais àquela hora. Também ficou sabendo
que nenhum voo militar havia sido relatado na
região na manhã daquele domingo.
Em 28 de fevereiro de 1971, Michael Jaffe,
fundador de uma rede de rádio amadora sobre
óvnis como a Data-Net, passeava de motocicleta
pela rodovia Califórnia 17, na região sudoeste do
estado, ao sul da cidade de Hayward. Observador
cuidadoso e pioneiro na área de ufologia, Jaffe foi
testemunha de um evento intrigante, depois
relatado na publicaçãoFlying Saucer Review,
"Case Histories, Supplement n. 5".
Passeando de moto num tráfego moderadamente
pesado, Jaffe observou, acima de si, dois
planadores sendo rebocados. De maneira
inesperada, notou algo mais no céu: um bizarro
objeto incandescente perseguido por uma
aeronave biturbina "menor do que um C-25".
Devido ao tráfego pesado e ao vento, "fui capaz
de observar esta cena não mais do que quatro
segundos", explicou Jaffe. "O objeto parecia ser
duas esferas brilhantes, cada uma com cerca de
trinta centímetros de largura por trinta
centímetros de comprimento, mas com uma co-nexão confusa ou um tipo de 'ligação' entre elas,
e também pendendo atrás das esferas." Jaffe
disse que a esfera principal possuía uma cor
vermelho-brilhante, enquanto o globo rebocado
possuía uma cor azul-brilhante. Sua altitude era
de aproximadamente 92 metros.
Se a aeronave de perseguição estava, de algum
modo, diretamente associada ao óvni era
impossível dizer, uma vez que, de acordo com
Jaffe, o avião parecia bastante convencional. Não
obstante, o fato de que os dois objetos pareciam
estar escoltando um ao outro é, em si mesmo,
curioso. Por outro lado, relatos de aeronaves que
voam ao lado ou escoltando óvnis não são tão
difíceis de encontrar quanto possa parecer.
No domingo, 16 de março de 1997, uma
moradora de Blowing Rock, na Carolina do Norte,
telefonou ao jornal local para perguntar se
alguém havia relatado ter visto um disco voador
luminoso. Ela disse que havia observado um
objeto por volta de 11 horas da manhã enquanto
olhava para fora, através das portas de vidro da
sala de estar, voltadas para a Floresta Nacional
de Pisgah. Outras pessoas em diversas
localidades também disseram ter visto o óvni.
A testemunha contou que a coisa mais estranha
sobre o avistamento foi que o disco estava sendo
escoltado - a uma velocidade um tanto vagarosa -por três jatos, que se pareciam com aeronaves
militares! Ela disse que os jatos eram
ligeiramente menores do que o óvni, um
posicionado atrás dele e dois abaixo.
Em 11 de outubro de 1966, uma luz aérea
brilhante "tão grande quanto um carro" visitou o
Wanaque Reservoir em Nova Jersey. O objeto,
visto pelo sargento Ben Thompson, do
departamento de polícia de Pompton Lakes, fazia
manobras típicas de óvnis, inclusive giros em
ângulos retos a velocidades impossíveis. Depois
que o objeto havia partido, chegaram aviões e
helicópteros.
"Havia sete helicópteros e, eu diria, dez ou 12
jatos", explicou Thompson aos investigadores.
"Nunca havia visto sete helicópteros naquela re-gião em toda a minha vida; isso porque vivo aqui
há 40 anos".
Helicópteros sem marcas de registro têm sido
vistos em áreas de flapde óvnis e em locais de
mutilação de animais desde meados da década
de 1960. A presença de helicópteros em áreas de
mutilação tem levantado suspeitas de que o
governo ou os militares estejam envolvidos, de
alguma maneira, nas carnificinas. Sendo verdade
ou não, o problema permanece preocupante para
os fazendeiros, rancheiros e órgãos policiais em
todo os Estados Unidos, bem como em diversas
partes do mundo.
No inverno de 1977, na edição dePursuit,o
editor executivo R. Martin Wolf relatou a
associação aparente entre mortes inexplicáveis
de animais e os helicópteros misteriosos. As
observações de Wolf, parte de um artigo,
estavam baseadas em uma observação de
primeira mão do fenômeno de mortes
inexplicáveis de animais feita com o sócio, Steve
Mayne. Wolf escreveu:
"Muitos relatos de 'helicópteros negros' e 'óvnis'
são reportados pelas delegacias de polícia nos
condados onde as mutilações têm ocorrido [...].
Fotografamos um desses. Este é polêmico devido
a suas ações (estava se afastando quando o
fotografamos) e pelo fato de que, quando
questionada, nenhuma agência na região o
reclamou como propriedade sua, tampouco havia
registros de sua presença na área.
Um xerife no Colorado nos contou que certa tarde
[durante um período de mutilações seguidas em
seu condado] dirigia sobre o terreno enquanto o
assistente voava em um ultraleve sobre a área
onde as mutilações haviam ocorrido antes,
quando foram notificados pela Força Aérea de
que havia um helicóptero quinze metros abaixo
do ultraleve do assistente. Por duas horas, o
xerife e o assistente perseguiram o 'helicóptero'.
Ele permaneceu no radar - algumas vezes à
frente da aeronave; outras, atrás; de modo
ocasional, acima ou abaixo dela; mas nem o
assistente no ar nem o xerife no carro puderam
vê-lo.
Simplesmente não havia nada lá.
Ele não sumiu. O xerife e o assistente, com o
combustível em baixa e a frustração em alta,
desistiram e voltaram para casa após duas horas.
Onde se estabelece o limite; o que constitui a
realidade? Talvez  quando um helicóptero possa
não serum helicóptero.
Por volta da meia-noite do dia 21 de agosto de
1975, oficiais da polícia no condado de Kimball,
Nebraska, responderam à presença de uma
aeronave que voava a baixa altitude. O objeto,
detectado com rapidez pelo radar da Força Aérea
em Cheyenne, Wyoming, voava atravessando a
fronteira entre Wyoming e Nebraska a uma
altitude ridícula de cem a cento e cinquenta pés.
Por aproximadamente cinco horas, uma
perseguição contínua se seguiu, até que, por fim,
a aproximadamente dezesseis quilômetros de
Bushnell, Nebraska, as autoridades policiais
ficaram a cerca de oitocentos metros de distância
da misteriosa nave, que provou ser - o que mais
poderia ser? - um helicóptero. Nesse momento da
perseguição, o helicóptero pairou com rapidez
sobre um silo de míssil do Comando Aéreo
Estratégico localizado justamente ao sul de
Bushnell. Logo depois, desapareceu na direção
sul, rumo à fronteira do Colorado.
No fim de 1975, a histeria em relação aos
helicópteros atingiu altos índices no sudoeste, tal
como documentado na edição do  Denver Record
Stockman  de 13 de novembro de 1975. De
acordo com o escritor Pat Kalahar, de dois a sete
"helicópteros-fantasmas" foram relatados
naquela semana nos condados de Quay e Union
no Novo México, com mais de trinta relatos
adicionais durante o mês anterior. Naquela
época, houve numerosas mutilações de gado,
que acabaram envolvendo diversos congressistas
e a FAA, embora não tenha sido divulgada
nenhuma resposta.
Duas décadas mais tarde, os aviadores do
helicóptero-fantasma ainda estavam nele. Uma
história de março de 1996 no  Casper Star-Tribune,de Wyoming, informava que, por mais de
um ano, uma força desconhecida voava em
formações de helicópteros diversas noites por
semana perto de Casper Mountain. A FAA e a
Guarda Nacional estavam perplexas ao explicar a
atividade, observada todos os dias por ope-radores da torre de controle do Aeroporto
Internacional do Condado de Natrona. O jornal
mencionava um memorando da FAA que
declarava que os operadores da torre haviam
"observado, em diversas ocasiões, o que
pareciam ser aeronaves movendo-se devagar do
lado norte de Cásper Mountain", mais de catorze,
na época. De acordo com o memorando, achava-se que as aeronaves seriam helicópteros.
Observadores de solo, entretanto, relatavam a
observação de luzes estroboscópicas dos
helicópteros através de óculos de visão noturna,
e um homem chegou a afirmar ter descoberto um
helicóptero negro em pouso no topo da
montanha; ele disse ter arranhado a tinta dele
enquanto se esquivava de soldados trajados de
preto, e contou tê-la analisado, afirmando que a
tinta era de estilo militar, do tipo de revestimento
anti-radar.
Os helicópteros misteriosos eram numerosos
tanto nas Ilhas Britânicas quanto nos Estados
Unidos, durante o outono de 1998.
Na noite de quinta-feira, 8 de outubro de 1998,
foram relatados avistamentos de óvnis com
atividade de helicóptero nas proximidades de
Swansea, na costa sul do País de Gales. Entre as
testemunhas estava o pesquisador de óvnis Neil
Spring, que descreveu ter visto um objeto
iluminado na "forma de lápis" com duas luzes
"vermelho-vivo". Spring também relatou ter visto
três helicópteros, um dos quais perseguiu o óvni,
embora não tenha conseguido alcançá-lo. Mais
tarde, as manchetes dos jornais confirmaram que
helicópteros haviam pousado no Aeroporto de
Swansea na noite de 8 de outubro. Entretanto, o
pessoal do aeroporto banalizou os relatos,
dizendo que os objetos eram provavelmente
helicópterosSea King  da RAF (Royal Air Force)
realizando manobras noturnas.
Na semana seguinte, no Arkansas, os policiais
receberam diversas informações sobre
helicópteros sem registro nos condados de
Baxter, Boone e Newton. Um relato - feito por um
policial no condado de Baxter - descreveu dois
helicópteros verde-escuros voando abaixo de
quinhentos pés. O avistamento ocorreu às 21
horas do dia 14 de outubro. As investigações
efetuadas pelos membros da Polícia Estadual de
Arkansas e pela Guarda Nacional não
conseguiram determinar a origem das aeronaves.
Durante o inverno de 1975-1976, uma série de
bizarros eventos de helicópteros ocorreram na
Nova Inglaterra. Os detalhes foram passados pela
ufologista Betty Hill, e estão resumidos a seguir:
"Em meados de dezembro de 1975, uma
moradora de Rye Beach, New Hampshire,
acordou às quatro da manhã ao encontrar o
quarto da filha iluminado 'como se fosse dia
claro'. Enquanto, nervosa, ela acendia um
cigarro, de repente o quarto ficou escuro. De
acordo com Betty Hill, 'nas três semanas
seguintes, a mulher acordava entre três e quatro
da manhã com o som de helicópteros acima da
marisma em frente à casa dela'. Em 21 de
dezembro de 1975, um objeto voador não
identificado seguiu a mesma mulher-que voltava
para casa tarde da noite por uma distância de
quase 24 quilômetros. O objeto pairava próximo
enquanto ela corria do carro para a casa. Depois
disso, ele partiu. Durante a semana de 20 de
fevereiro de 1976, uma fazendeira informou
aumento na atividade de helicópteros nos
arredores de sua casa perto de Wells, Maine.
Naquele momento, ela observava 'dois
helicópteros lado a lado sobre a rodovia, à noite,
durante uma forte nevasca. Parecia que estavam
reabastecendo no ar e ela podia ver uma
conexão [ligação] entre eles'.Amulher também
contou que os helicópteros estavam em silêncio:
não fora capaz de ouvir nenhum som de motor.
Antes de prosseguir, devo ressaltar que seria
suicídio voar com helicópteros lado a lado
durante uma nevasca, como foi descrito. Mesmo
quando o tempo está melhor, os pilotos de
helicópteros são cuidadosos ao voar próximos um
do outro devido à turbulência das hélices. Além
disso, tenho ouvido que apenas alguns poucos
helicópteros recebem reabastecimento aéreo,
mas de aeronaves de asas fixas e, até onde sei,
de mais nenhum outro helicóptero.
Na noite de 8 de dezembro de 1975, Betty Hill
teve a própria experiência com um helicóptero-fantasma. Ela contou que, enquanto se dirigia
para casa, percebeu que estava sendo seguida
por "duas fileiras de luzes desconcertadas no
céu". O padrão consistia de "quatro luzes
vermelhas do lado direito e quatro luzes verdes
do lado esquerdo, que formavam um V". Ela
acrescentou: "Conforme peguei a rua de casa,
descobri que [o objeto iluminado] era um
helicóptero. Voava baixo sobre o meu carro e
minha garagem, e quase perdi a árvore do
quintal. Havia uma grande luz branca na parte
frontal da nave, mas nenhuma na parte de trás.
Ele desapareceu com rapidez de meu campo de
visão".
Na noite de 5 de outubro de 1973, uma mulher e
dois garotos confrontaram-se com o
desconhecido sobre Keats Island, próximo a
Vancouver, na Colúmbia Britânica. Estavam em
um observatório de óvnis (os avistamentos eram
numerosos naquela época) quando um objeto
que parecia e agia como um avião movido a
hélice sobrevoou o local. O avião manobrava
sobre o trio, depois virava e voltava à posição
inicial. Após voar apenas uma curta distância, a
aeronave parou de repente, pairou, e todos os
sons cessaram. Ao mesmo tempo, as luzes de
navegação sobre o avião pararam de piscar e
foram substituídas por uma faixa de seis luzes
horizontais. O objeto pairou por alguns minutos
antes de desaparecer do campo de visão.
Nessa mesma noite, na Ilha de Vancouver, a
cerca de oitenta quilômetros, os membros da
tribo indígena Quamichan estavam no acam-pamento de pesca ao lado do rio Cowichan
quando observaram algo bastante estranho no
céu, a apenas alguns metros de distância. "Ele
não produzia som e era algo que nunca tínhamos
visto antes", disse uma das testemunhas para o
Canadian UFO Report.
O objeto, um disco voador, tinha "três luzes
vermelhas que giravam na parte superior" e
"luzes que piscavam, indo na direção oposta à
parte central. Havia outra luz, vermelho-brilhante,
no topo da parte superior. Então, do fundo, um
raio branco brilhava como um holofote. O raio
movia-se sobre o rio como se [o óvni] procurasse
algo. Nessa hora, todos nós ficamos assustados".
O que aconteceu depois foi muito mais
assustador.
"Se contássemos às pessoas o que havia
acontecido, elas diriam que estávamos loucos",
confidenciou a testemunha. "Mas, de repente, ele
[o disco] parecia ter se transformado em um
avião! Fez um barulho igual ao de um avião e se
parecia com um, e todas as luzes se apagaram,
exceto uma pequena luz vermelha. A nave
passou direto por nós e desapareceu sobre as
árvores."
Há dois incidentes distintos na mesma noite, na
mesma região geográfica, um oposto ao outro,
mas cada um demonstrando claramente que os
óvnis e as aeronaves-fantasmas são - de modo
ocasional, se não sempre - uma única e mesma
nave.
O que, então, concluímos disso? Se os óvnis são,
de fato, espaçona- ves, como muitos acreditam,
justificamos o fenômeno de mudança de forma
com um tipo de tecnologia camaleônica - um
meio pelo qual a tripulação é capaz de alterar a
aparência externa da aeronave? Mas, se o
propósito é ocultar a espaçonave para evitar a
detecção, que finalidade cumpre utilizando-se
essa tecnologia na frente de testemunhas? Além
do que, relatos de mudança de forma, como
observado antes, parecem estar aumentando
numericamente. Peter Davenport, diretor do Cen-tro Nacional de Relatos sobre óvnis, em Seattle,
contou, em janeiro de 2001, que o fenômeno de
mudança de forma é "algo que não entendemos,
mas que nos é relatado com frequência".
Davenport disse ainda que o acréscimo no
número de relatos de mudança de forma pode
estar relacionado ao aumento da exposição na
mídia e da conscientização pública sobre o
assunto. Ele explicou que o aumento de
entrevistas radiofônicas e histórias nos jornais
têm tornado tanto ele, quanto o centro, mais
conhecidos, o que resulta em um correspondente
aumento na qualidade dos relatos.
Especulando sobre a causa possível do fenômeno
de mudança de forma, o diretor disse que um
observador pode estar enganado ao acreditar que
o óvni mude de forma caso o objeto mova-se ou
mude de posição com rapidez. Segundo ele, o
movimento poderia alterar a perspectiva da
testemunha, resultando na ilusão da mudança de
forma.
Para qualquer um que tivesse sido enganado por
um avião que parecia mudar de forma à medida
que virava ou manobrava em voo, e à luz da
crença difundida de que óvnis são uma
tecnologia alienígena, isto é, naves
interestelares, naves "transdimensionais", ou
semelhantes, a explicação de Davenport é
claramente plausível. Entretanto, a maior parte
da documentação de mudança de forma
apresentada aqui sugere que algo diferente
esteja operando, algo alienígena, embora não
extraterrestre.
Há um sem-fim de explicações alternativas que
poderiam ser examinadas mais de perto neste
momento, mas permito-me resumir um pouco
das mais relevantes teorias. Uma delas é que o
fenômeno ufológico representa uma forma de
consciência manifesta - uma inteligência à parte
da mente humana e do pensamento que coexiste
entre nós através das eras e comunica-se de
modo mítico, aparecendo diante de testemunhas
como deuses, fadas, criaturas de diversas formas
e formatos, e, é claro, como alienígenas
espaciais. Outra diz que os óvnis são uma espécie
de experiência visionária, mais parecida com o
sonho do que com a realidade, ainda que
suficientemente real para ser interpretada como
um evento concreto. A ideia aqui é de que tal
ocorrência seria moldada pelo ambiente
psicológico e social do observador, logo, esse
ponto de vista é citado como uma hipótese
"psicossocial"
4
. Uma terceira possibilidade é a
teoria "parafísica" - a crença de que a mente
subconsciente ajuda a moldar a realidade ao
introduzir uma anomalia tangível, contudo, de
curta duração (um óvni, ou alguma outra
aberração), no ambiente consciente. Esse ponto
de vista, após ter adotado e enfatizado um
componente psíquico aliado ao fenômeno óvni,
caiu em descrédito nos últimos tempos.
Quando se foca a natureza e a origem dos óvnis
há, entretanto, uma verdade inegável que se
encontra acima de todas as teorias. Essa verdade
- que independe do que desejamos acreditar - é
que estamos ainda apenas conjecturando. Não
sabemos de fato o que são os óvnis, de onde vêm
ou por que alguns parecem mudar de forma ou
fazer quaisquer das coisas incríveis que são
relatadas. E, por não sabermos, peneiramos os
escassos dados disponíveis; teorizamos e
conjecturamos, e, no processo, algumas vezes
ignoramos informações que são contra as idéias
que temos. Em resumo, saltamos para a fase das
4O problema com essa hipótese é a existência de fotos e filmes de óvnis aparentemente genuínos.
Pode um sonho ou uma visão ser fotografada?
conclusões, assumimos uma posição, desafiamos,
argumentamos, defendemos. E, em algum lugar
no meio de tudo isso, encontramos o que temos
considerado como circunstâncias e possibilidades
que seriam de outro modo completamente
estranhas ao nosso modo de pensar.
Isto é o que o fenômeno óvni nos traz: a menos
que sejamos obtusos ou estejamos bastante
amedrontados, ele nos força a pensar mais a
fundo, de modo mais significativo.
O dr. Leo Sprinkle, professor aposentado de
psicologia da Universidade de Wyoming, disse
certa vez que crê na atividade de óvnis como
"parte de um amplo programa educacional".
Floyd Murray, anomalista de longa data, tem dito
que os óvnis parecem ser "placas de sinalização
indicando-nos para onde seguir. [...] Alguma
coisa, em algum lugar, quer chamar nossa
atenção para o alto, ou para dentro; quer nos
iniciar no pensamento sobre nossas origens,
nosso universo [...]". Em um momento de
revelação pessoal, James Mose- ley declarou,
certa vez, que acredita que o fenômeno ufológico
está "inter-relacionado [aos] mistérios mais
fundamentais da vida humana: de onde viemos,
por que estamos aqui, para onde (se houver
algum lugar) iremos a seguir?" Outros que
estudam os mistérios que envolvem os óvnis têm
feito observações semelhantes.

Figura 8.1.: James W. Moseley dirigindo-se a
entusiastas na Conferência Nacional de
Ufologia em 1994, realizada naquele ano
em Cleveland. (Fotografia de Benita C.
Owens, da coleção de R. Hilberg.)

Acredito que este seja o último ponto da
experiência com óvnis. O mistério não é sobre a
vida extraterrestre ou visitantes interdimensio-nais (embora seja algo a respeito de que se
pensar). É a nosso respeito. Sempre foi a nosso
respeito! Somos estudantes na sala de aula
cósmica e estamos sendo implicados, enganados
e manipulados dentro de um conhecimento
maior. No fim, poderemos descobrir que nosso
mundo - nossa realidade - não é o que parece,
nada do que suspeitamos com base na
compreensão atual da ciência ou da natureza. Po-deremos descobrir que nosso universo, e tudo
que está contido nele, vai um pouco além da
reflexão de nossa própria e constante troca de
pensamentos, crenças e sonhos.

Epílogo
Um Encontro
Aufologia funciona como um ponto de encontro
para os participantes espalhados em uma
subcultura boêmia e clássica, além de ser um
veículo para a exploração do desconhecido.
Allen H. Greenfield
O sol do Arizona estava quente e a temperatura
estava acima de 37 graus, e eu prosperava na
ausência de umidade.
A pouco mais de um quilômetro e meio de
distância, as Montanhas da Superstição
elevavam-se ao final de uma estrada de terra
longa e estreita. Elas eram altas e angulares,
diferentemente das gastas e antigas
Apalacheanas da minha Pensilvânia natal. Eu
mudei de posição, arrumei o foco da minha
câmera e tirei várias fotografias. Então, virei-me
e caminhei de volta até onde havia estacionado
meu carro de aluguel.
Eu estava passando férias no Arizona. Também
estava lá para participar de uma reunião de
investigadores de óvnis e entusiastas, a 26th
Annual National UFO & New Age Conference.
Meu plano era chegar a Phoenix, o local da
convenção, dois dias antes. Eu passaria pelo
antigo caminho dos Apalches (U.S. 88) em um dia
e seguiria rumo ao sul até Nogales, México, no
dia seguinte. Um cancelamento de vôo me fez
chegar a Phoenix muito mais tarde do que eu
esperava, de modo que fui forçado a adiar minha
visita ao México. Passei, de fato, um dia inteiro
seguindo o caminho dos Apalaches - parando
com frequência para passear pelo deserto e
comendo um hambúrguer com cerveja na
pequena Tortilla Fiat (pop. 6). Ao final do dia, eu
estava de volta à Phoenix e, no dia seguinte, teve
início a conferência.
Minha recordação de tal evento, ocorrido em
setembro de 1989, está incluída aqui como um
relato pessoal das pessoas, do clima e de uma ou
outra experiência inusitada.
Na noite de quinta-feira, 14 de setembro, eu
estava jantando sozinho no restaurante do
Quality Inn West, onde ocorria a conferência.
Enquanto apreciava minha refeição, uma jovem
que trabalhava no loungeao lado ocasionalmente
passava pela sala de jantar a caminho da
cozinha. Cada vez que passava, a jovem abria a
pesada porta do loungee um ruído de conversas
podia ser ouvido. Ao terminar meu jantar,
perguntei para a garota - seu nome era Linda - se
o barulho estava sendo causado por pessoas
inscritas no evento. Ela disse que sim, e
acrescentou que seulounge"não costuma ser tão
barulhento".
Passando pela entrada principal, fui capaz de
examinar e estudar o público sem ser visto.
Sentado à mesa estava James Moseley, uma das
figuras chaves da ufologia e um homem que
podia ser facilmente descrito como padrinho
dessa área. Em 1967, na cidade de Nova York,
Moseley promoveu a primeira convenção em
grande escala sobre ovnis. O evento, ocorrido
durante o final de semana de 24 de junho (o
vigésimo aniversário da visão de Kenneth
Arnold), atraiu literalmente, milhares de pessoas
e estabeleceu um parâmetro único, de presenças
ou ousadia. Na época, Moseley publicava uma
revista sobre óvnis amplamente lida, aSaucer
News.Em certo ponto, ele abandonou o formato
da revista e ressuscitou a publicação como
Saucer Smear  - um dogmático e irreverente
folheto sobre óvnis.
Ao redor de Moseley, na mesa do lounge, havia
várias pessoas - algumas conhecidas, outras não.
Tim Beckley - coanfitrião do evento e editor de
livros sobreNew Agee óvnis - estava de pé,
movendo-se sem parar pela sala. Embora nunca
tivéssemos nos apresentado, eu o reconheci de
algumas fotos publicadas. Também estava
presente J. Antonio Huneeus, outro homem que
eu não conhecia. Antonio di- vide seu tempo
entre atividades de escrita na cidade de Nova
York e pesquisas sobre óvnis em sua terra natal,
o Chile.


Moseley e Allan J. Manak na Convenção Nacional
sobre óvnis de 1994. Manak era membro do
comitê permanente de organização da NUFOC,
da qual Moseley era presidente. (Fotografia de
Benita C. Owens, da coleção de R. Hilberg)

Sentado em frente à Moseley, estava um rosto
que não identifiquei imediatamente, embora
fosse familiar. Era Edward Biebel, que vivia em
Cleveland, mas na época estava morando em
Nogales, Arizona. Ed era um ufólogo de longa
data e um fotógrafo profissional. Outro também
presente à mesa era o coanfitrião Jim Speiser,
fundador e ex-diretor da ParaNet, um serviço de
informação tecnológica voltado ao público
interessado em óvnis.
Observando Moseley do outro lado da mesa, eu
me lembrei do primeiro contato que tive com ele,
há mais de uma década. Um ano antes, eu tinha
escrito para Jim à procura do pesquisador de
óvnis Floyd Murray. Em minha carta, pedi para
ser incluído no banco de dados daSaucer Smear.
Moseley prontamente respondeu - apelidando-me
de "Agente Laranja" em sua resposta. Era uma
brincadeira baseada na paranóia que sempre
havia obscurecido a área da ufologia; todos
suspeitam que todos sejam espiões do governo.
Eu trabalho para o governo, embora em uma
posição muito mais baixa e, obviamente, não
como um espião - mas Jim não pôde evitar a
brincadeira.
Eu virei-me em sua direção quando entrei no
lounge."Senhor", eu disse, olhando diretamente
para Moseley, "agente Laranja, trabalhando
conforme solicitado".
A conversa à mesa diminuiu consideravelmente.
Ali sentado, Moseley estava boquiaberto. Ele
encarou-me e então olhou para todos os
presentes. "Quem é esse cara?", finalmente
perguntou. Ninguém respondeu, "alguém sabe
quem é ele?"
Ninguém sabia. Eu havia mudado em 20 anos.
Então, finalmente, me identifiquei, mas Jim não
entendeu a referência ao Agente Laranja. Eu o
recordei sobre sua nota, mas ele não se lembrou.
Um momento depois, eu estava sentado junto ao
grupo, discutindo com Moseley e Biebel. O bom
humor era agradável e jovial. Observando
Beckley, percebi sua preocupação, sua
necessidade de fazer com que a conferência
fosse um sucesso. Speiser, por outro lado,
impressionou-me por sua atitude quieta e
relaxada - embora ele perdesse pouco do que
ocorria ao seu redor. Em certo momento, olhei
para cima enquanto o autor Brad Steiger entrava
nolounge,e, então, levantei-me e apresentei-me.
Outra pessoa - acho que Moseley - murmurou
"Broad Stagger" (Completamente Tonto),
relembrando um artigo publicado que satirizava o
homem.
Brad e eu nos correspondemos durante a década
de 1970, mas nunca havíamos nos conhecido. Ele
se lembrava de meu nome e aceitou um forte
aperto de mãos, que veio acompanhado de seu
sorriso simples, irradiando uma extraordinária
boa vontade.
A conversa seguiu até altas horas, quando Linda
finalmente colocou-nos pra fora do lounge.
Apesar da noite longa, eu estava de pé bem cedo
na manhã seguinte. Então exercitei-me, tomei
um banho e fui até um restaurante para tomar
café da manhã, onde tive a sorte de ficar em uma
mesa ao lado da que Ed Biebel estava sentado
com várias outras pessoas.
O assunto da conversa matinal girava em torno
de questões relacionadas a óvnis, embora nada
muito sério. De fato, a conversa da noite anterior
havia se tornado séria em apenas um momento:
quando Brad, Ed e eu tocamos em alguns
momentos nada prazerosos da área - eventos
que incluíam, para cada um de nós, telefonemas
ou interferências telefônicas estranhos e às vezes
assustadores, ou fenômenos como os problemas
em faróis de automóveis. Esses fenômenos são
parte intrínseca da experiência com óvnis. Eles
geram medo e paranóia e somente intensificam
qualquer envolvimento com o desconhecido.


Em Mysticon - uma convenção combinada de
ufologia e ficção científica em Cleveland,
1975. O autor é o segundo à direita da
fotografia. À sua direita, o ufólogo Robert
Easley e, à sua esquerda, o editor de
revistas Eugene Steinberg; ao lado do editor,
Rick Hilberg. (Fotografia de Allen Greenfield,
da coleção de R. Hilberg)

Mais tarde, naquela manhã, houve uma
entrevista coletiva para fornecer uma prévia do
que seriam os debates agendados. Infelizmente,
a maior parte dos palestrantes não sabia quando
parar. Em vez de estimular o apetite da mídia,
eles o mataram. O único cinegrafista presente
começou a arrumar suas coisas muito antes da
lista de palestrantes terminar.
Eugene Steinberg, um ocasional editor que
conheço há anos, fez sua primeira aparição do
final de semana, durante uma reunião de
imprensa. Ele foi uma figura central em meu
desenvolvimento como escritor. No início da
década de 1970, enquanto trabalhava como
apresentador de notícias em uma rádio,
Steinberg lançou uma revista chamadaCaveat
Emptor,concentrada em relatos de óvnis e de
fenômenos inexplicados. Floyd Murray e eu
tornamo-nos dois colaboradores regulares.
Ambos éramos novatos - aspirantes no mundo do
jornalismo. Eugene deu a cada um de nós uma
parte na publicação.
Nós tínhamos estado juntos em outra convenção,
catorze anos antes (em outubro de 1975), no
Trade Winds Inn, em Fort Smith, Arkansas. O
evento foi listado como a primeira Conferência
Internacional de Ufologia e atraiu uma grande
quantidade de participantes, incluindo um
considerável número de cientistas e engenheiros,
além de representantes de cada grupo de
pesquisa sobre ufologia. Deveria ser um
programa unido pela objetividade, mas a tensão
e o antagonismo eram evidentes o tempo todo -tanto que o físico Stanton Friedman, um
palestrante convidado e que bem conhecia as
polêmicas que permeiam os grupos de ufologia,
fez a seguinte declaração sobre as hostilidades
entre os grupos: "quero que a doença invada a
casa daqueles que vieram aqui para brigar".
De fato, aqueles que pagaram para ouvir sobre o
fenômeno dos óvnis acharam a atmosfera
repugnante. Allen Greenfield, de Atlanta, Geórgia,
um dos mais brilhantes pesquisadores da área,
resumiu a frustração que muitos sentiram pela
rivalidade mesquinha: "Estou recebendo
vibrações de descontentamento de todos os
lugares. Eles estão ficando cansados disso",
afirmou.
Como muitas das convenções sobre óvnis, a de
Fort Smith era mais uma reunião de velhos
amigos e inimigos do que uma plataforma para o
empreendimento científico. Ter obtido sucesso na
atração de vários cientistas foi um passo no
caminho certo, mas Eugene e eu estávamos lá
para aproveitar e registrar os processos para uma
futura publicação - e assim o fizemos, embora, às
vezes, nos perdêssemos em meio às brigas.
Eugene estava em férias com sua esposa e filho
nos arredores de Scottsdale, na época do
encontro de 1989, em Phoenix. Por isso, ele viu-se em meio a viagens, dividindo seu tempo entre
a família e a conferência. Posteriormente, ele
veio a perder alguns dos mais raros eventos, dos
quais nenhum estava agendado.
Por razões de fácil compreensão, uma grande
quantidade de conversa profissional (leia: fofoca)
ocorreu noloungedo Quality Inn. Na noite de
sexta-feira, quando entrei lá, encontrei o ufólogo
Rick Hilberg e sua esposa Carol sentados à mesa.
Eles estavam acompanhados por outra mulher,
que se identificou como Suzanne.


Olhe, no céu! Mysticon em 1976. Da esquerda:
Carol Hilberg, Eugene Steinberg, Robert
Easley e Rick Hilberg. (Fotografia de Allen
Greenfield, da coleção de Rick Hilberg).

Suzanne era um "contatante" - uma pessoa
diretamente ligadaàinteligência alienígena. Ao
menos foi como ela se descreveu. Durante um
período de várias horas, ela relatou uma série de
ocorrências incomuns - ou fora no normal - que
haviam ocorrido em sua infância. Não entrarei em
detalhes, mas é suficiente dizer que após uma
longa discussão, eu estava convencido de que
Suzanne dizia a verdade como ela a conhecia.
Também me convenci de que ela não era uma
"contatante" típica - não repassava,
simplesmente, mensagens telepáticas de "irmãos
do espaço". Em vez disso, suas experiências
eram muito mais abertas e envolventes, incluindo
fenômenos exteriores ao corpo, mediúnicos,
contatos com entidades não-corpóreas (energias)
e uma breve - e factual - morte clínica. Não
Olhe, no céu! Mysticon em 1976. Da esquerda:
Carol Hilberg, Eugene Steinberg, Robert
Easley e Rick Hilberg. (Fotografia de Allen
Greenfield, da coleção de Rick Hilberg).
duvido que Suzanne incorporou (ou recebeu) uma
força enorme. Durante o curso da conversa, ela
observou-me cuidadosamente e, por várias
vezes, deixou-me intimidado com comentários
diretos e profundos sobre minha vida e meu
passado.
Em certo ponto, ela disse "Você mantêm sua dor
próxima a você. Você não deixa que ela saia".
Nessa simples observação, instigada por nenhum
outro motivo no diálogo, ela tocou em toda a
agonia, auto-recriminação e dúvida que eu
carregava como resultado de um colapso
emocional ocorrido vários anos antes. Alguns
minutos depois, ela revelou seu aniversário - que
era na mesma data do meu: 12 de julho.
Isso não foi nada se comparado ao que viria a
ocorrer. Estávamos conversando, cercados pelo
barulho dolounge -risadas, debates em voz alta,
bolas de bilhar batendo-se e sendo encaçapados.
Sem avisar, Suzanne começou a emitir uma
espécie de canto ou mantra, que passava através
do barulho e pulsava em minha consciência.
Não sou um sujeito fácil para a hipnose.
Profissionais já comentaram sobre minha forte
resistência a esse estado, e meus esforços para
empregar métodos de autossugestão tiveram
sucesso limitado. Entretanto, em segundos eu
estava deslizando, preso ao ciclo de palavras que
ela posteriormente descreveu como uma
afirmação do "agora". Suzanne rompeu o contato
de forma abrupta. Eu me sentia atordoado, e pedi
explicações. Ela riu, oferecendo uma resposta
vaga e desviando o assunto. Então, ela fez isso
novamente e parecia que um martelo pesado
batia em minha alma.
Dizer que essa experiência intimida é atenuar o
assunto, ainda assim, eu gostei da companhia de
Suzanne. Quando oloungefechou naquela noite,
ela decidiu passar a noite por ali, em vez de
dirigir para casa. (Ela disse que não havia se
inscrito com antecedência para as palestras, mas
apareceu espontaneamente para tentar conhecer
outros "contatantes" ou médiuns.) Infelizmente, o
hotel já estava cheio, sem quartos disponíveis.
Havia um La Quinta Inn do outro lado da rodovia,
e eu sugeri que ela tentasse uma vaga lá,
acompanhando-a até o local. Enquanto ela fazia o
check-in,  uma pequena e estranha sincronia
surgiu.
Várias vezes durante a noite, Suzanne tinha
usado a expressão "I grok" - uma expressão
(grosseiramente equivalente a "Eu compreendo")
criada pelo falecido escritor de ficção científica
Robert Heinlein em seu romance  Stranger in a
Strange Lande eu me lembro de dizer a Suzanne
que não ouvia aquela expressão há anos. No
salão do La Quinta, observando a recepcionista
realizar ocheck-in, percebi que havia uma versão
antiga e desgastada de uma brochura aberta em
uma mesa: era uma cópia do livro de Heinlein
que ela estava lendo.
Após acompanhar Suzanne até seu quarto, voltei
para meu aposento e dormi instantaneamente.
No sábado, durante o café da manhã, me vi
sentado com um jovem rapaz que chamarei de
John. Ela havia viajado do Meio-Oeste para a
conferência esperando encontrar ajuda para os
problemas que tinha como "contatante".
Novamente, não entrarei em detalhes, embora
deva dizer que John tinha grandes problemas. Ele
parecia exausto, como se não dormisse direito há
uma semana.
Enquanto escutava seu relato, Eugene Steinberg
aproximou-se e, pouco tempo depois, também
Suzanne. Eu a apresentei para John, esperando
que ela pudesse ajudar o jovem a relaxar o
estado de sua mente. Ela escutou enquanto ele
contava sua história e então, quietamente,
mudou de assunto. Posteriormente, perguntei a
Suzanne porque ela não havia respondido a John.
Ela disse que sempre que ele tentasse dividir sua
experiência, ele acabaria focando-se novamente
em sua própria infelicidade e, dessa maneira,
aumentaria o problema. A única forma de
realmente ajudar, afirmou Suzanne, seria
direcionar a atenção do rapaz para algo mais
positivo e prazeroso. Soava plausível, e por isso
deixei o assunto de lado - embora ele continuasse
a me causar incômodo.
Quando entrei no avião a caminho da Pensilvânia,
no dia seguinte, eu finalmente compreendi por
que a resposta de Suzanne me incomodou. Eu
aprendi que se você pode oferecer bondade a
alguém, faça-o. Se você pode oferecer ajuda,
mesmo se da maneira mais simples, então o faça.
Ignorar ou deixar de responder às dores de
alguém é simplesmente dissociar-se do
problema. Suzanne não ignorou totalmente o
pedido de John por ajuda, mas seu esforço para
redirecionar seu foco certamente o deixou crente
de que ela o ignorou. Pensando sobre isso no
avião, cheguei à conclusão de que a forma com
que ela auxiliava o próximo não oferecia muita
ajuda, mas era apenas outra forma de evitar o
envolvimento.
Eu encontrei-me com Suzanne novamente na
tarde de sábado, após uma longa palestra. Do
lado de fora da sala de conferências, nós nos
encontramos com Brad Steiger. Tão logo os
apresentei, descobri que eles já se conheciam.
Suzanne explicou que, uma noite, estava
viajando, quando algo a guiou para uma casa
qualquer em Scottsdale. Ao tocar a campainha,
Brad atendeu. Sua reação verbal na situação, ela
disse, foi algo como: "Eu não sei quem vive aqui
ou por que estou aqui, mas acho que eu devia
estar aqui". Brad, que estava recepcionando
convidados, convidou-a para acompanhá-los.
Ele posteriormente admitiu que o encontro
ocorrera exatamente como Suzanne o descreveu.
Quando contei a ele sobre a força perturbadora
que ela demonstrara na noite anterior, ele franziu
a testa, pensativo, e acenou com a cabeça. "Sim,
há uma energia estranha que a envolve",
afirmou.
No mesmo dia, ainda mais tarde, eu estava
novamente nolounge, conversando com Jim
Vincent e Keith Michaels, editores da  Oddysey
(intencionalmente escrito dessa forma), um
boletim informativo sobre pesquisas ufológicas.
Os dois eram jovens e, acompanhados por Rick
Hilberg, abarcamos uma geração de estudos
sobre óvnis.
Eu estava bastante atento durante a conversa - e
acho que Rick também - de quanto tempo havia
se passado desde que ele e eu começamos a nos
envolver com a ufologia. Conversei sobre isso
com Eugene Steinberg, que disse: "Quando nos
envolvemos, aprendemos com pessoas como
Moseley, Gray Barker e [John] Keel. Eles eram
mais velhos e experientes. Agora nós estamos
entre os mais velhos. Talvez seja nossa vez de
ensinar".
Talvez não.
Minha própria visão dos mais jovens presentes na
conferência - os recém-chegados à área, como
Vincent e Michaels - é que eles eram brilhantes e
capazes. Se houvesse qualquer falta de sua
parte, seria a tendência de deixar de lado a maior
parte das visões da ufologia, exceto aquelas com
foco em hipóteses extraterrestres - a insistência
de que óvnis são naves alienígenas. Esse é um
dogma que se recusa a desaparecer, e quase
ninguém na comunidade de ufologia escapa de
sua influência. Infelizmente, esforços para provar
as hipóteses da existência de extraterrestres
parecem não chegar a lugar algum - não
passando de relatos de discos caídos e
alienígenas mortos.
Há, e sempre houve, razões para acreditar que o
fenômeno dos óvnis é a representação de algo
muito mais complexo do que naves e visitas de
extraterrestres. Isso leva a áreas que envolvem
religião, filosofia e metafísica - a combinação das
quais deixa uma longa e perturbada impressão
na mente humana.
Francamente, devo admitir que a hipótese da
existência de extraterrestres é uma alternativa
mais atraente (ou, ao menos, mais fácil de ser
compreendida). Além do mais, não estou dizendo
que o conceito de extraterrestre é
completamente errado - simplesmente estou di-zendo que ele representa, pelo menos para mim,
uma visão bastante limitada, baseada em muito
pouca informação.
Sábado foi uma noite de banquete, com Brad
Steiger e sua esposa Sherry servindo enquanto os
convidados falavam. Eu estava em uma mesa
com a família Hilberg, Ed Biebel e sua amiga
Mary, de Tucson, e várias outras pessoas.
Enquanto olhava em volta na assembleia, percebi
que Suzanne estava sentada com várias outras
mulheres que pareciam prestar muita atenção
nela. Ela deve terpercebido meu olhar, pois
olhou abruptamente para cima e sorriu. Quando a
refeição começou, a conversa em minha mesa
aumentou de forma agradável, alternando entre
Star Treke filosofia nativo-americana, passando
por visões de nosso problemático ambiente
planetário. Eu me surpreendi diversas vezes com
a profundidade da preocupação evidente sempre
que tocávamos em questões ambientais - mas
não devia: quaisquer que fossem suas diferenças
profissionais ou pessoais, os membros da
comunidade de pesquisas ufológicas são, todavia,
um grupo bastante sensível e engajado - muito
mais do que, acredito, jamais tenha sido
conhecido pela mídia popular, ou até mesmo pela
própria comunidade. Essa visão foi sustentada
pela mensagem que Sherry Steiger passou de
forma sutil; uma mensagem de esperança, amor,
consciência global e preocupações ambientais.
Após o banquete, dirigi-me até o lado de fora e
sentei-me na calçada em frente ao salão. O ar da
noite estava ameno e senti-me bastante relaxado
e em paz. Enquanto estava sentado, uma mulher
aproximou-se e perguntou se eu sabia do
paradeiro de Suzanne, afirmando que seu
carisma e energia a haviam cativado e que queria
urgentemente conversar novamente com ela.
Suzanne, no entanto, já havia ido embora,
desaparecido pela noite sem dar uma palavra a
suas novas colegas.
Por volta da 1 da manhã de domingo, Moseley e
Beckley reuniram-se em um grupo próximo à
piscina, para revisar ostensivamente a con-ferência, visando uma melhoria nos próximos
eventos. Nesse momento, percebi que algo
estava faltando, algo do qual senti falta por toda
a conferência: as disputas e as rixas que eu
sempre havia associado com esses encontros.
Era uma ausência bem vinda e reanimadora.
APÊNDICE
Avistamentos de Óvnis
Resumo 1947-1969
Em 17 de dezembro de 1969, a Secretaria da
Força Aérea americana anunciou o fim do Projeto
Blue Book, programa responsável por investigar
óvnis. Ostensivamente idealizado como um
esforço que se pretendia imparcial na avaliação
de fenômenos de óvnis, o Blue Book operava
antes como Projeto Grudge, nome retirado de
uma investigação anterior (também conhecida
como Sign) que atuou entre 1949 e 1950. O
"novo" Grudge foi lançado em 1951 e logo estava
sob a liderança do capitão Edward J. Ruppelt,
engenheiro aeronáutico, que, durante a Segunda
Guerra Mundial, fora piloto do bombardeiro B-29
e operador de radar. Não muito tempo depois, o
projeto passou a chamar-se Blue Book.
No decorrer dos anos, o Blue Book produziu
dados estatísticos que provaram estar entre os
melhores disponíveis sobre o assunto. Isso foi
realizado apesar das limitações financeiras e de
mão de obra, e das frequentes oposições
(internas e políticas) ao projeto.
Após o distanciamento de Ruppelt, em setembro
de 1953, a liderança do Blue Book foi passada ao
capitão Charles A. Hardin por cerca de dois anos
e, em seguida, ao capitão George Gregory, ao te-nente-coronel Robert Friend e ao capitão Hector
Quintanilla, por períodos variados. Quando o
projeto chegou ao fim, era dolorosamente
evidente que os relatos de óvnis mais
significativos não eram mais encaminhados ao
Blue Book (se de fato alguma vez o foram), e sim
despachados para alguma outra divisão do
departamento de defesa.
O que se segue é um resumo dos avistamentos
de óvnis compilados pelo Projeto Blue Book. O
resumo inclui todos os relatos recebidos pelo
projeto entre 1947 e 1969. Entre parênteses,
adicionei a porcentagem de avistamentos não
identificados por ano, os quais não foram
incluídos nos números originais.
Ao ler o resumo, note como o total de
avistamentos aumentou de maneira drástica
durante os anos de 1952, 1957, 1965, 1966 e
1967, e como a porcentagem de óvnis cresceu de
forma constante entre 1948 e 1952, atingindo um
pico de mais de 20% dos avistamentos relatados.
Em 1953 e 1954, o número daqueles não
identificados caiu para algo perto do que era
antes de 1952, e, depois, a porcentagem anual
diminuiu de modo drástico, atingindo menos de
1% dos avistamentos relatados durante os dois
últimos anos do Projeto Blue Book.
O declínio na porcentagem de avistamentos não
identificados a partir de 1955 pode ser atribuído
tanto ao aprimoramento das técnicas de
investigação quanto ao crescente conhecimento
de fenômenos ufológicos. É mais provável, no
entanto, que os números decrescentes sejam
atribuídos ao desejo dos administradores do
Projeto Blue Book de simplesmente preterir
relatos em face do acentuado ceticismo oficial e
também do fato de que - como mencionado - os
melhores relatos já tinham seguido para outro
destino.

Nenhum comentário: