quinta-feira, agosto 23, 2012

Erich von Daniken / VIAGEM A KIRIBATI


Viagema Kiribati

A venturasentre o céue a terra
CÍRCULO DO LIVRO S.A.
Caixa postal 7413
01051 São Paulo, Brasil
Edição integral
Título do original: "Reise nach Kiribati"
Copyright © 1981 by Econ V erlag GmbH, Düsseldorf e Viena
Tradução: A. J. Keller
Licença editorial para o Círculo do Livro por cortesia da Companhia Melhoramentos de São
Paulo, Indústria de Papel
V enda permitida apenas aos sócios do Círculo
Composto pela Linoart Ltda. Impresso eencadernado pelo Círculo do Livro S.A.

Sumário

Carta aos leitores
Viagema Kiribati
Por um motivo qualquer
Espírito — a causa primeira de toda a matéria
Caçando fraudes ehomenzinhos verdes
Na T erra Prometida?
Crepúsculo dos deuses
Fontes das ilustrações
Bibliografia

Carta aos leitores
É impossível soprar a poeira
sem que um bom número de pessoas
comece a tossir .
Príncipe Philip, duque de Edimburgo,
consorte da rainha Elizabeth II.
Prezada leitora, prezado leitor:
Um erudito — acho que foi o professor Alphons Silbermann —, ao
estudar nossos hábitos de leitura, constatou que uma "geração de leitores"
perdura quatro anos. Fazendo as contas, parece que ele tem razão. Do
primeiro ao sexto ano de vida, são livros ilustrados e resistentes que formam
a primeira geração de leitores. Depois vêm os maçantes livros escolares e os
contos de fada. Aos dez anos — hoje em dia! —, seguem-se as histórias em
quadrinhos, e para meninos e meninas mais desenvolvidos, romances
juvenis, relatos de viagens e de aventuras, bem como descrições do mundo
animal. A partir dos catorze anos mais ou menos, os jovens já incluem
romances de todo tipo em sua leitura e se interessam pelos primeiros livros
de divulgação. Aos dezoito anos, começam a aparecer as primeiras
preferências por temas específicos, que poderão prosseguir pela vida inteira
se não houver, novamente, uma mudança no ritmo das gerações de leitores,
em decorrência de opções profissionais, da vida particular , de passatempos
ou de acontecimentos especiais.
Considerando esse ritmo, passaram-se, desde a publicação de meu
primeiro livro, em 1967, três gerações e meia de leitores. Os que em 1967
tinham dezesseis anos hoje têm trinta. O prezado leitor talvez tenha se
encontrado comigo já naquele tempo, fazendo parte do grande círculo de
fiéis leitores que acorrem prontamente à livraria quando, mais ou menos a
cada dois anos, é editado um novo livro.
Mas há certamente muitos novos leitores que se juntam aos antigos
quando passo a comprovar, num novo livro, as minhas "velhas" teses, com
descobertas recentíssimas. É o destino de todas as hipóteses, por mais
científicas que sejam; elas precisam seguir seu processo normal de
desenvolvimento. Confesso que é neste ponto que começa o meu dilema
sempre renovado: para meus leitores habituais, não há dúvidas quanto às
minhas posições de partida. Mas que tipo de "ferramentas" deverei fornecer
a meus novos leitores para que, entre o céu e a terra, sintam chão firme sob
seus pés? Não quero enfastiar meus leitores antigos, mas também não posso
mandar os leitores novos para a mata sem lhes entregar ao menos uma
bússola.
Resta então, como alternativa viável, uma apresentação resumida das
proposições que sustento há catorze anos:
— Em tempos pré-históricos, a T erra foi visitada por seres
desconhecidos procedentes do espaço.
— Os extraterrestres criaram a inteligência humana por modificações
introduzidas na constituição hereditária dos ainda primitivos habitantes da
T erra. Os cientistas falariam em mutações, ou seja, alterações na estrutura
genética, provocadas artificialmente. No meuentender,não foi por acaso que
surgiu a inteligência humana, como se fosse o primeiro prêmio numa loteria
onde se joga a sorte entre bilhões de possibilidades. Antes deve ter havido
umaintervenção planejada de seres desconhecidos que vieramdo cosmo.
— Foi também a partir de visitas de estranhos à T erra que surgiram as
religiões mais antigas e se formaram mitos e lendas que carregam em seu
âmago a realidade dos acontecimentos de outrora.
Se essas hipóteses brevemente delineadas não fossem de alto poder
explosivo não teriam provocado uma discussão de alcance mundial. Estou
realmente solapando com denodo os alicerces do pensamento tradicional.
Munido de conhecimentos adquiridos nos anos 20, tornei-me arraiano dos
domínios dos arqueólogos, dos etnólogos, dos antropólogos, dos etimólogos,
dos especialistas em viagens espaciais... e, necessariamente, também dos
teólogos. É inevitável que eu pise no pé de muita gente durante minha
caminhada; é u madecorrência natural. Certamente houve casos raros emque
descobriramerros emcertos dados específicos— afinal,não sou acadêmico,
trabalho "apenas" como senso comum.Quando há erros comprovados, eu os
reconheço de bomgrado.
Mas deve haver algum fundamento em minhas hipóteses, e isso me
incentiva em meus esforços: em todas as línguas universais foram
publicados livros que me atacam. T oda uma falange de autores procura
projetar-se com base no meu êxito, recorrendo, em parte, a ataques de baixo
nível. Quem está prestes a se afogar costuma se bater assim,
desesperadamente, com os braços e as pernas. Sou tolerante, Não se publica
nenhum livro de importância a respeito de minha temática abrangente que
não me dedique comentários mais ou menos extensos; aumenta o número de
obras que abordam minhas teses com seriedade e, até, com simpatia. Entre
elas há as de reconhecidos cientistas.
A temática encontrou uma repercussão quase inaudita em nosso século.
O motivo não está só nos meus filmes Lembranças do futuro e Mensagem
dos deuses. Ao menos a inspiração para as superproduções americanas
Guerra nas estrelas e O império contra-ataca partiu de minhas idéias. Os
leitores assíduos de minhas obras reconhecem, na tela, muitas situações que
lhes são familiares.
Oconjunto pop Genghis Khan(RCA — PL25297) apresenta, na letrada
música The strangers, toda a nossa temática. Sua tradução é mais ou menos
esta:
"Há milhares de anos, uma armada de espaçonaves atravessou um mar
de estrelas. Estavamà procura de planetas que se prestassemà conservação e
evolução da vida. O descobrimento e a colonização do planeta T erra
serviram a essa finalidade. Só agora estamos começando a decifrar os
registros daquele acontecimento fantástico... O que quer que aconteça na
terra ou no céu, doravante vamos entender e compreender melhor..."
O autor, completamente "inocente" desse texto, se alegra com a
popularização de suastesesa pontodeencontraremacolhida até nas músicas
pop — a música do Genghis Khan está na parada de sucessos. Isso me deixa
confiante no interesse que, justamente, a geração jovem dedica a idéias com
futuro.
V amos ver, prezados leitores, o que disse o profeta Ezequiel, que viveu
por volta de 592 a.C:
"Filho do homem, habitas em meio a uma geração recalcitrante, que tem
olhos para ver enão enxerga, ouvidos para ouvir e não escuta".
Quanto amim,continuarei a soprar o pó, mesmoque umbomnúmero de
pessoas comece a tossir .
Convido os leitores antigos e os novos a me acompanhar em algumas
viagens. Descobrirão muitas novidades, e saberão das dificuldades
encontradas por um"pesquisador diletante" nas suas viagens pelo mundo.
Cordiais saudações,
Erich von Däniken
1
V iagema Kiribati
Surpresa eadmiração são o começo
da compreensão.
Ortega y Gasset
Um pastor me convida a um destino longínquo — Onde fica Kiribati? —
A noite em que vivemos à moda dos xeques — Greve numa ilha da paz —
T eorias sobr e a origem de Kiribati — T eeta, nosso anjo negro —
Descoberta de uma biblioteca precisa em Bairiki — Sobre Nareau e outros
seres extraterrestr es — O vôo paraAbaiang — O círculo mágico — Diante
de uma sepultura gigante em Arorae — Deuses criador es vindos da
escuridão negra — Como os gigantes se imortalizaram — Despedida dos
novos amigos e de mistérios imemoráveis
Sem esta carta que recebi da Cidade do Cabo, na África do Sul, eu não
teria chegado nunca a Kiribati:
"Prezado sr .von Däniken,
Como o senhor é umapessoa muito ocupada, vou entrar logo no assunto.
Resolvi escrever-lhe sobre as provas que existem a respeito dos deuses
que vieram do céu. Quando eu era missionário na área do Pacífico,
mostraram-me as sepulturas de dois gigantes que, segundo a tradição local,
vieram do céu. As sepulturas estão bem conservadas, medindo cada uma
cerca de cinco metros. Nos rochedos, existem também pegadas petrificadas
emgrande número, de modo que podemser fotografadas com facilidade.
Além disso, há uma 'bússola de pedra' e, finalmente, um lugar onde,
segundo a lenda, os deuses aterrissaram. Esse lugar é muito interessante,
uma vez que se trata de um círculo completamente destituído de vida
vegetal.
Caso essas informações sejam de seu interesse, terei muita honra em
comunicar-lhe outros detalhes. Se o senhor já tiver conhecimento desses
fatos de outra fonte, compreenderei perfeitamente que não procure meu
contato.
Com os melhores votos e sinceros agradecimentos pelas horas de
agradável leitura, subscrevo-me com estima e consideração.
Reverendo C. Scarborough."
Esta carta chegou às minhas mãos em fins de maio de 1978. Um pastor
protestante que se mostrava aberto às minhas idéias? Eu agradeci
imediatamente, pedindo que me mandasse as informações oferecidas. Ao
mesmo tempo, indaguei se existiam publicações ou mesmo fotografias sobre
os lugares misteriosos. Prometi-lhe, naturalmente, o reembolso de todas as
despesas. Passado ummês, recebi a resposta do reverendo Scarborough:
"Prezado sr .von Däniken,
Obrigado por sua carta. Permita-me um esclarecimento: não quero que
reembolse as minhas despesas, pois sinto-me feliz em poder ajudá-lo em
suas pesquisas.
Quanto à sua pergunta sobre publicações disponíveis, tenho a dizer que
não existe praticamente nada publicado sobre Kiribati. A respeito daqueles
pontos específicos que mencionei, não há nada consignado por escrito.
Infelizmente!
Imagino que o senhor receba informações de malucos do mundo inteiro.
Por isso, creio que seja importante que me apresente melhor ao senhor .
Hoje sou pastor da congregação em Sea Point, na África do Sul.
Anteriormente, eu vivia, com minha esposa e meus dois filhos, nas ilhas
Kiribati, enviado como missionário da London Missionary Society .
Passamos três anos e meio nessas ilhas, falando fluentemente o idioma dos
ilhéus. Naquele tempo, visitamos todas as dezesseis ilhas, passando, por
vezes, várias semanas e até meses naquelas ilhotas minúsculas. Falando a
língua deles, nós nos familiarizamos também com seu passado estranho e,
muitas vezes, inexplicável.
O que chamou minha atenção em primeiro lugar foi o fato de os ilhéus
usarem duas palavras distintas para 'ser humano'. Eles denominam a si
mesmos 'aomata', que significa 'gente', no plural. Uma pessoa com cor de
pele diferente de sua própria é chamada de 'te i-matang' (literalmente
'homem da terra dos deuses'), sobretudo quando se trata de uma pessoa alta.
À medida que chegamos a conhecer melhor os ilhéus, compreendemos que
essa diferença entre eles mesmos e os estranhos era feita emtodas as ilhas.
Se um dia o senhor vier a verificar pessoalmente minhas afirmações,
devo avisá-lo desde logo que os ilhéus podem vir a comportar-se de modo
arredio, se não forem tratados convenientemente. Eles são muito religiosos,
recebendo sua educação de missionários protestantes e católicos, entre os
quais há muitos autóctones. Se o estrangeiro não estiver disposto a se
entender comeles e não seguir suas recomendações, émelhor ficar emcasa.
Entre os ilhéus, não apareça muito ao lado de europeus ou de
funcionários do governo. Por outro lado, não pode dispensar a ajuda das
autoridades, que fornecem licença para visitar diversas ilhas. T enho certeza
de que o senhor é um experimentado mestre nesse tipo de diplomacia."
Na carta, havia indicações sobre o lugar em que podiam ser encontradas
as sepulturas dos gigantes e uma descrição das pedras de orientação
localizadas ao sul de uma das ilhas; essas pedras, segundo as observações
feitas pelo missionário, apresentavam linhas cinzeladas que apontavam para
alvos distantes. Digna de interesse me parecia também a observação de que
as pedras teriam sido trazidas de outra parte, uma vez que não existem
pedras desse tipo em todo o arquipélago. Quanto à "área de pouso" dos
deuses, o missivista comentou:
"T erei que apresentar-lhe duas alternativas, pois não me lembro em que
ilha se localiza o círculo. Ou fica na ilha T araua do Norte ou na ilha Abaiang.
As duas se situam tão próximas que é possível avistá-las uma da outra, a
olho nu.
Se não me engano, deve ser na ilha Abaiang. O lugar misterioso é
guardado pelo tahunia local — o feiticeiro ou bruxo. Os ilhéus conhecem o
lugar, e podem dizer-lhe de que lado é permitido aproximar-se. É um pedaço
de terra coberto de densa vegetação rasteira. Quando conseguem enganar os
sacerdotes, os ilhéus se esgueiram para lá sorrateiramente, a fim de
oferecerem sacrifício aos 'deuses' antigos.
Por isso, o senhor precisará da ajuda do tahunia; ele o levará pela mata,
comofezcomigo, até encontrar ocírculo. Lánãocresce absolutamente nada,
nenhum arbusto, nenhuma árvore; não há nada vivo no círculo. O feiticeiro
lhe dirá que todo ser vivo que pisar no círculo há de morrer em breve. Por
quê? Por causa de radioatividade? Nesse local, o senhor poderá fazer
também a observação interessante de que os troncos das árvores, que
inicialmente penetram no perímetro do círculo, fazem depois uma elegante
curva para sair dele. Não há vegetação no centro do círculo.
O resident commissioner*, por ocasião de sua visita àquele ponto, em
1965, achou que o lugar devia estar infestado de radioatividade. Mas como
explicar a presença de radioatividade nessa pequena ilha de coral? Quero
lembrar, porém, a tradição dos nativos, que vêem nesse lugar a área de
aterrissagem dos deuses."
* Representante do governo britânico. (N. do E.)
O desconhecido reverendo conseguiu despertar meu interesse. Eu estava
pronto para a largada: onde fica Kiribati?
Onde ficaKiribati?
Há quatro atlas nas prateleiras de minha biblioteca. Nenhum deles
registra Kiribati.Três enciclopédias célebres — o Brockhaus, o Larousse e a
Encyclopaedia Britannica — falam de mil e duzentas espécies de pulgas,
mas nenhuma delas menciona Kiribati. Livros especializados dos anos 70
ainda não mencionam essas ilhotas de Kiribati que flutuam em pleno oceano
Pacífico. Mas elas existem; eu estive lá e posso dizer que se trata de "pulgas"
interessantes na imensidão do mar .
Como meu piedoso informante vivera em Kiribati parte de sua vida,
tinha que ser possível encontrar essa ilha. Perguntei a meio mundo:
"Conhece Kiribati?" Mas todos me respondiam apenas com o mesmo olhar
interrogativo: "Kiribati?" Por fim, resolvi escrever novamente para a Cidade
do Cabo a fimde consultar o pastor viajado:
"Onde fica Kiribati? Como posso chegar lá? Há uma linha aérea que vá
até lá?
Onde a gente pode hospedar-se, num hotel? Ou há outras acomodações?
Qual a moeda corrente emKiribati?
Que tipo de presentes devemos levar para os sacerdotes, feiticeiros e
nativos?
Devemos estar preparados para enfrentar perigos específicos, como
cobras, escorpiões ou aranhas venenosas? O senhor ainda tem contato com
amigos ou conhecidos? Poderia fornecer-me alguns endereços que eu
pudesse procurar,recomendado pelo senhor?"
O reverendo Scarborough respondeu imediatamente, demonstrando bons
conhecimentos. A névoa que envolvia Kiribati se dissolvia: trata-se de um
grupo de dezesseis ilhas, que faziam parte da colônia real britânica das ilhas
Gilbert, até que estas, em 1977, conseguiram sua independência... trocando
também de nome. Com uma superfície de apenas novecentos e setenta e três
quilômetros quadrados, elas se situam no oceano Pacífico, abrigando uma
população de cerca de cinqüenta e dois mil micronésios.
A ilha principal, T araua, possui um porto e é sede administrativa,
dispondo de ligação aérea tanto com a república insular Nauru quanto com
Suva, capital das ilhas Fidji.
Como presentes, o reverendo recomendou que levasse modernos
canivetes de uso diverso para os nativos mais destacados, óculos de sol
baratos para os pescadores e aspirina para os sacerdotes e as senhoras da
ilha.
O sr . Scarborough informou, para me tranqüilizar, que lá não existem
nem cobras nem aranhas; existem escorpiões, mas suas picadas são
comparáveis às da vespa. No entanto, ele advertiu:
"O maior perigo vem do mar! Não tome banho de mar, mesmo que os
ilhéus o recomendem. Os tubarões constituem um perigo real para qualquer
nadador, além de outras formas de vida submarina. É um conselho que não
canso de repetir; Never bathe in the sea!*"
*Nunca tome banho de mar ." Em inglês no original. (N. do E.)
Se não fosse essa advertência para não entrar na água, acho que o
teríamos feito, comtoda acerteza.
Meu protetor desconhecido me transmitiu o convite para entrar em
contato com seus velhos amigos, os pastores Kamoriki e Eritaia; ele os
descreveu como senhores amáveis, que certamente me ajudariam, assim
comopoderia contar comaajuda docapitão Ward,do navio Moana-Roi, que
dispunhadeumconhecimento exato das ilhase estava fa miliarizado também
comas lendas locais ecomos lugares sagrados dos ilhéus.
TrêspassagensparaKiribati, ida e volta
Ao contrário do que andam falando de mim, não sou um homem rico,
que pode empreender uma viagem desse tipo sem pestanejar; por isso,
procuro reunir sempre vários objetivos numa certa região, para que as
despesas de viagem não ultrapassem, no cômputo final, as receitas. Muitas
vezes, acontece também que as informações se revelam erradas, pura
fantasia de uns "malucos", como dissera o reverendo. Neste caso, gasta-se
dinheiro e tempo inutilmente. Mas, em 1980, apresentava-se uma
combinação útil: no verão realizar-se-ia na Nova Zelândia o sétimo
congresso mundial da Ancient Astronaut Society . Esta AAS é uma
organizaçãointernacionaldeutilidade públicaque estudaa temática de meus
trabalhos. A Nova Zelândia! Era pelo menos a metade do caminho para
Kiribati.
Enviei uma carta para o pastor Komoriki, em T araua. No começo de
1980, recebi a resposta, escrita com mão trêmula, fazendo-me supor que o
pastor já estava com idade avançada. Soube então que o capitão Ward já
tinha se aposentado fazia alguns anos, tendo voltado para a Inglaterra. O
pastor e sua família, entretanto, ficariam muito contentes em receber amime
a meus amigos. Naturalmente, teríamos que nos hospedar na casa dele, Era
uma boa notícia. Depois das saudações cordiais, passei a decifrar um
pequeno adendo que fora escrito em letra miúda e garatujada: "O senhor já
tem um visto de entrada?"
Eu e meu secretárioWilli Dünnenberger telefonamos para tudo quanto é
lugar para descobrir onde se poderia obter o visto. T emos viajado, nos
últimos anos, para lugarejos que ficam no fim do mundo, mas sempre
encontramos, na capital federal, alguma missão diplomática ou embaixada
para colaborar na realização de nossos arrojados objetivos. Kiribati, porém,
não passa de uma mancha branca na paisagem diplomática dessa Suíça
cosmopolita. No Ministério do Exterior ouvimos um palpite de um dos
funcionários: "I^or que não dão uma ligadinha para os australianos ou para
os ingleses?" A embaixada da Austrália nos informou, então, que seu país
mantémrelações comerciais comaquelegrupo de ilhas, prestando-lhes ajuda
para seu desenvolvimento, masque não é de sua competência a concessão de
vistos. Em Londres, no Departamento de Assuntos do Pacífico, nos deram
uma informaçãomaisprecisa:ossuíços podem obtero vistode permanência
ao chegarem a T araua, contanto que assumam o compromisso de não ficar
por mais de três meses nas ilhas e que apresentem a passagem de volta, já
paga. Três meses! Afinal, não pretendíamos morar em Kiribati.
Preparamos nossa bagagem: quatro câmaras com os estojos para as
objetivas, filmes virgens, ditafone, um pequeno medidor de partículas, uma
farmácia portátil, canivetes, óculos de sol, aspirinas. Éramos parcimoniosos
na escolha dos itens, como de costume. Mas mesmo assim nossa bagagem
ficou enorme, capaz de vergar as pernas de dois carregadores. Quando já
estávamos meio desesperados, eis que apareceu nosso velho amigo Rico
Mercúrio, um desses raros moços que não reclamam do trabalho nem do
horário quando têmalgumobjetivo a alcançar . Aocupação de Rico é arranjar
diamantes e outras pedras ainda mais preciosas para uma famosa relojoaria
de Zurique, que os incrusta em finos relógios que os xeques — quem mais
poderia ser? — dão de presente às odaliscas de seu harém. Rico achava que,
tendo duas férias vencidas, uma escapulida até Kiribati lhe faria muito bem,
fosse lá onde fosse esse lugar . Procuramos confirmá-lo nesse propósito.
No dia 3 de julho de 1980, viajamos os três, carregados de bagagem,
num DC-10 da Swiss Air, vôo 176, para Cingapura, via Bombaim. Lá
mudamospara o vôo 28 da AirNew Zealand, com destino a Auckland, Entre
Zurique e Auckland medeiamvinte e cinco horas de vôo.
Essesvôos a longa distânciasão horríveis. Pri meiro, agente lê umapilha
de jornais que nos últimos dias não deu nem para olhar . Mais para vencer o
tédio do que para matar a fome, a gente se enche de comida. T enta-se dormir,
mas o ritmo normal do dia-a-dia já foi subvertido, e o sono não vem. Nem o
suspense do filme policial Morte no Nilo, baseado no livro de Agatha
Christie, que nos convidaram a assistir, conseguiu fazer com que o tempo
passasse mais depressa. Por falta de um ponto de referência, não se percebia
sequer a velocidade de oitocentos e cinqüenta quilômetros por hora,
desenvolvida pelo avião. Lá embaixo, só água, depois o deserto australiano
e, novamente, água, A tripulação já se revezara três vezes desde que
saíramosde Zurique, enquanto os passageiros continuavam"pendurados" em
suas poltronas, alimentando-se de tempos em tempos e ouvindo as
informações enviadas da carlinga. O tempo parecia estar parado. Por que os
reacionários têm que condenar o ultra-rápido Concorde? Por que não se
constrói, finalmente, o superavião americano SST , planejado há tanto tempo?
Ficamos imaginando o que se poderia oferecer aos passageiros.
V ideogames, por exemplo. Quem sabe um tipo de terapia ocupacional, com
bordado para as senhoras e colagem de papel para os cavalheiros! Que
produção não daria! Com os trabalhos realizados a bordo poderiam ser
reduzidos consideravelmente os preços das passagens aéreas que alcançaram
alturas astronômicas sob a ditadura da OPEP. Quem sabe! A onze mil metros
de altitude, pensamosaté emcassinos. Rien ne va plus. Realmente, depois de
umvôo tão longo, não dá para mais nada, nada mesmo.
Nova Zelândia
Eu gosto da Nova Zelândia. Ela me lembra a paisagem verdejante das
montanhas do Jura suíço, com seus pastos e suas aldeias reluzindo de
limpeza; existem montanhas e seus contra-fortes, granjas de laticínios, a
prática do alpinismo, funiculares para os esquiadores, lagos cristalinos nas
montanhas — tudo como em casa. Mas a Nova Zelândia tem algo mais que
nós não podemos oferecer: o mar! Quem quiser ter a Suíça cercada de mar,
precisa viajar para a Nova Zelândia. O ar é mais puro e mais aromático que
na Suíça — apesar dos quarenta milhões de ovelhas — por causa da brisa
constante que sopra do oceano Pacífico. Quarenta milhões de ovelhas contra
apenas quatro milhões de neozelandeses! Oxalá as ovelhas não assumam, um
dia, ogoverno, segundo olemarevolucionário de Arevoluçãodos bichos, de
George Orwell: "Quadrúpede bom, bípede ruim"!
Pelos nossos planos, devíamos seguir para a ilha de Nauru no dia 13 de
julho, pela Air Nauru. Mas não foi por causa do dia 13 que o vôo foi adiado
para o dia seguinte. Essa é a linha aérea mais estranha que já vi: não tem
horários fixos para seus vôos. Ficamos esperando. Estávamos cansados e, de
vez em quando, sentíamos fome, o que levou à decisão de comer no
restaurante do aeroporto uma especialidade horrível da cozinha
neozelandesa: sanduíches de espaguete — entre duas torradinhas amolecidas
movimentam-se vermes brancos cobertos por um molho doce e pegajoso de
tomate. Mesmo aquecidos, seu paladar não melhora. Enquanto esperávamos
o avião, engolíamos parcimoniosamente essa invenção horrível da cozinha
neozelandesa, que é ruim em toda parte. Durante as vinte e quatro horas de
espera, o alto-falante despejava sobre nós as melodias da opereta Cavalinho
branco, enquanto imaginávamos como a desembaraçada dona da hospedaria
que deu o nome à opereta mandaria para o inferno todos os cozinheiros da
região.
Umanoite emNauru
No vôo entre Auckland e Nauru havia três passageiros a bordo do
Boeing 737 da Air Nauru: Rico, Willi e eu, mais os nove tripulantes. A Air
Nauru dispõe de três jatos do tipo 727, com duas turbinas, e de dois jatos do
tipo 737, com três turbinas. Comenta-se que o presidente da República de
Nauru teria dito que a Air Nauru era necessária para atrair ao país contratos
de fosfato, xeques, engenheiros e assistência técnica; se houvesse alguns
passageiros com destino a Nauru, podiam embarcar também. Mas isso
parece ser raro, uma vez que essa ilha rica não conhece o turismo.
Nauru, com seus vinte e um quilômetros quadrados, não passa de uma
pequena ilhota, situada quase à altura do equador, a cento e sessenta e sete
graus a leste de Greenwich. Nauru é cercada por um ato! que desce quase
verticalmente para o mar aberto e é formado por corais ricos em fosfato.
Esse fosfato é a fortuna dessa ilha tropical. Seus seis mil habitantes vivem
direta ouindiretamente dofosfatoque elesdizem sero melhor eo maispuro
do mundo.
No porto, trabalhambarulhentas esteirasempoeiradas,que transportam o
fertilizante indispensável que, depois, é içado pelos guindastes e despejado
nos cargueiros a caminho da Austrália e da Nova Zelândia. Segundo o
relatório de 1979 da Nauru-Phosphat Corporation, há reservas para mais
catorze anos, mas só nesse ano venderam fosfato no valor de setenta e nove
milhões quatrocentose quarenta equatro mil equatrocentos esessentac três
dólares australianos. A continuar nesse ritmo de exploração, as reservas de
fosfato deverão estar esgotadas dentro de cinco anos, aproximadamente. Será
o fim da riqueza dessa ilha, pois a exportação de coco e legumes não dá
muito lucro.
Há poucos anos, o governo mandou construir o único hotel sofrível da
ilha, o Meneng, destinado aos pilotos da Air Nauru, aos engenheiros e
clientes da Phosphat Corporation, para oferecer a essas pessoas, acostumadas
a boas condiçõesde hospedagem,ao menosumlocal frescoondeficar .Logo
à entrada, sente-se o impacto do ar condicionado no rosto suado.

Nova Zelândia. Antes de seguir viagem para Nauru, tivemos que esperar durante um
longo dia neste belo país, uma vez que a Air Nauru não dá muita importância aos horários de
vôo.
No refeitório, as garçonetes se apresentamcomar sério e altivo, exibindo
o cardápio com uma oferta bastante modesta na capa: peixe assado com
batata-doce e milho cozido na manteiga. O verso do cardápio, no entanto,
revela ofertas sensacionais: três tipos de vinho australiano, dois
neozelandeses, e um Château Mouton Rothschild, safra 1970, ao preço de
trinta ecinco dólares australianos.
Consideramos essa oferta uma brincadeira ou um erro de impressão. A
safra de 1970 produzira esse vinho do século na região de Bordeaux. Na
Suíça, não se podia consegui-lo por menos de quatrocentos francos a garrafa;
em restaurantes de primeira classe teríamos que pagar o dobro. O Château
Mouton Rothschild c uma bebida para xeques, que pedem a Maomé que
desvie os olhos por um momento, enquanto transgridem sua lei contra o
consumo de álcool. Não é bebida para qualquer mortal. Foi Rico quem falou:
— Amigos, é a nossa última noite antes de chegar a Kiribati. Já que não
sabemos o que nos espera por lá, vou comprar umagarrafa.
A garçonete olhou com espanto o dedo indicador de Rico, que apontava
o vinho de luxo. O dedo de Rico quase furou o cardápio, enquanto seus
olhos atravessavam a moça, atônita. Esta se dirigiu finalmente ao balcão,
onde passou a cochichar com suas lindas colegas, que, por sua vez,
começaram a rir baixinho e a encarar-nos sem inibição. Rindo à socapa e
com um sorriso malévolo, o garçom pôs-se a tirar a rolha da garrafa.
Estávamos começando a sentir sérias dúvidas quanto ao seu conteúdo,
quando ele nos entregou o receptáculo precioso — o termo "garrafa" seria
indigno neste caso — com um legítimo Château Mouton Rothschild, safra
1970, numerado, com um desenho de Marc Chagall no rótulo. Os
Rothschilds sempre adornam seu mouton com desenhos de um pintor
célebre.
Cada vez que levávamos os copos à boca, havia cochichos e risinhos das
moças que nos observavam. Pedi uma segunda garrafa. O vinho era puro
néctar, uma bebida divina. Por trás das mulheres alegres de Nauru surgiu um
cozinheiro asiático, com o gorro alto a balançar na cabeça de tanto rir . As
moças guinchavam como se nós estivéssemos tomando óleo de rícino sem
saber, o que certamente nos haveria de proporcionar uma noite nada
agradável. Desconfiados, examinávamos as nossas roupas, para ver se havia
algo inconveniente ou ridículo. Mas estávamos vestidos corretamente, em
termos tropicais.
Entrou na sala o comandante que nos tinha trazido pela Air Nauru. Como
ele dominava a língua nativa, dirigimo-nos a ele para ver se ele podia
descobrir o motivo pelo qual estavam rindo de nós havia duas horas. Ele
confirmou comumsinal da cabeça e se dirigiu — compose de aviador — ao
círculo das alegres mocinhas, voltando em seguida à nossa mesa para
comunicar-nos o resultado de suas indagações:
— Meus senhores, elas estão rindo porque encontraram três gringos
amalucados, patetas a ponto de beberumvinhotãovelho, pagando aindapor
cima trinta e cinco dólares por ele. Over! Bye-bye!
Não nos envergonhamos de nossa maluquice. Willi encomendou uma
terceira garrafa, enquanto eu anotava na minha agencia os números dos
rótulos, na certeza de ter sido esse o meu primeiro e último encontro com
esse inesquecível Château Mouton Rothschild, safra 1970: 242/443, 242/444
e 242/445. Reclamamos com Rico que estava na hora de ir embora.
Impossibilitado de se comunicar por meio de palavras, ele tinha recorrido à
linguagem inequívoca dos olhares que andava trocando com uma bonita
garçonete — um tipo de esperanto que os homens e as mulheres do mundo
inteiro conseguemcompreender.
GreveemKiribati
No dia 15 de julho, às cinco e meia da manhã, o Boeing 727 da Air
Nauru deveria levantar vôo com destino a T araua, a principal ilha de
Kiribati. Mas a partida atrasou uma hora. Como viríamos a descobrir, não se
dava ali tanta importância ao tempo como no ritmo frenético do nosso
mundo.
Às sete horas, encontramo-nos no pequeno aeroporto de T araua, no meio
de pessoas pardas e negras que estavam começando sua jornada, alegres e
sem pressa. Nem ligavam para nós. Ninguém tentava arrancar-nos a mala
das mãos — como costuma acontecer em países sul-americanos e árabes —,
ninguémnospuxava, comumjorrodepalavras, até otáxi. Aosol matinaldo
equador, experimentamos uma certa sensação de inutilidade, ao lado de
nossa bagagem.
Procurandoa pessoa mais indicadapara uma informação, dirigi-me a um
jovem bronzeado que, pensativo, estava observando a movimentação
confusa. Comotodos os ilhéus, estava vestido apenascomum tepe, um pano
quadrangular de cores vivas que cingia seus quadris.
Quando o abordei, ele sorriu para mime disse comvoz gutural;
— Ko-na-mauri!'
A essa altura ainda não compreendia nada, nem podia adivinhar que já no
dia seguinte ko-na-mauri — um cumprimento do tipo "como vai?" — faria
parte de nosso próprio linguajar .
O ilhéu perguntou-me:
— Y ou speak English?*
*V ocê fala inglês?"Em inglês no original. (N. do E.)
Ajudados pelo inglês, herança da época colonial britânica, conseguimos
sair de nosso isolamento; mas, quando perguntei por um táxi, a resposta
veio, desconsolada:
— No taxi here!**
**“Não há táxis aqui."Em inglês no original. (N. do E.)
Perguntei por um hotel, O pastor Kamoriki não me tinha informado a
esse respeito. Com um jeito meio embaraçado, meio penalizado, o rapaz
confessou que não havia hotel, apenas uma hospedaria do governo. Dizendo
''W ait here!"***, ele se pôs a caminho, de pés descalços, aparentemente sem
sentir a dor da unha encravada no dedão do pé.
***”Espere aqui."Em inglês no original. (N. do E.)
O avião da Air Nauru tinha seguido sua viagem. As pessoas que tinham
ido receber seus parentes também já tinham ido embora. Outros, que
pareciam dispostos a passar o dia no aeroporto, concentraram em nós sua
curiosidade, oferecendo ajuda. Aguardamos a volta do rapaz, que finalmente
vinha se aproximando em cima de um pequeno caminhão caindo aos
pedaços. Dali, ele nos levou àhospedaria Otintai.
Na recepção, cochilava um homem que se revelou estranhamente
nervoso; o suorescorriadesua testa para os olhos, e ele o enxugavacom um
grande pano azul. Falando bem o inglês, ele nos explicou que o governo
decidiria somente à tarde se a hospedaria também poderia participar da
greve. Como não dispunha de auxiliares, não podia aceitar nenhum hóspede.
Com jeito procurei saber de que greve se tratava.
— O pessoal quer trabalhar mais — disse ele, cansado, recolhendo a
tempo um fio de suor que lhe descia às sobrancelhas.
— As pessoas querem trabalhar mais tempo? — perguntei, atônito,
lembrando-me das exigências que entre nós se faziam por semanas de trinta
ou trinta e cinco horas de trabalho, por férias de sete ou oito semanas, por
aposentadoria aos sessenta anos no máximo).
Perguntei mais uma vez.
— Trabalhar mais tempo?
O cavalheiro nervoso explicou que, em Kiribati, os assalariados se
aposentam aos cinqüenta anos de idade — com proventos reduzidos. O
objetivo dos grevistas era elevar a idade limite da aposentadoria para
cinqüenta e cinco anos no mínimo, pois, em decorrência da situação
econômica deplorável, não havia trabalho suplementar cm nenhuma outra
ilha, não havia indústria; apenas a copra, o artesanato e o fosfato da ilha
Banaba formavam a base frágil das exportações; o que havia em abundância
era amão-de-obra.
Depois dessa primeira impressão colhida na chegada, veio-me à mente a
idéia: por que os ilhéus querem trabalhar mais? O que precisam para viver é
fornecido pela natureza: peixes do mar, palmeiras para construir suas
choupanas num clima sempre quente, frutas nutritivas. Com a chegada de
repartições públicas e funcionários a essas ilhotas abençoadas começou
também a necessidade de exportar , nasceu a mentalidade do lucro e se
alastrou o bacilo da "doença inglesa" — a greve. Certamente, não é a
civilização que traz afelicidade.
Já foi muita amabilidade desse senhor, banhado em suor, ter-nos
permitido depositar a bagagem num cantinho atrás do balcão. T eria sido
embaraçoso bater à porta do pastor carregados de malas e sacolas.
O pastor Kamoriki está morto
A ilha T araua é um atol típico em forma de ferradura. Su-das
profundezas dos mares tropicais, ela se eleva apenas a poucos metros acima
do mar . Entre T arau do Norte e T arau do Sul, estende-se a laguna, com
canais naturais de comunicação como mar . Comoa água não pára de invadir
a terra, é necessário recorrer a barcos para se chegar à parte norte da ilha,
quase desabitada.

A natureza fornece aos ilhéus, com prodigalidade, tudo de que precisam para viver . Um
grande número de coqueiros proporciona o material necessário à construção das casas e
garante uma alimentação básica.
A parte sul, ao contrário, é densamente habitada. É para ela que o
pequeno caminhão nos leva, aos solavancos, ao longo da estreita faixa de
terra sobre os corais.
Sentados sobre a carga, conseguimos ver algumas poucas casas de pedra
— edifícios públicos, igrejas, o hospital, algumas casas de ilhéus mais
abastados. Para o tipo de construção tradicional, o material provinha das
palmeiras: choupanas no estilo do bangalô indiano, feitas do tronco e das
folhas das palmeiras. Freqüentemente, dispõem de apenas um cômodo. Os
mais remediados dão-se ao luxo de ter dois ou três cômodos. O "centro de
convivência" é formado pela sala, onde conversam, comem, cantam,
dormem e onde, também, certamente, é gerada a prole, pois não há outro
lugar .
O calor úmido tropical nos faz suar copiosamente, apesar da hora
matutina e da leve brisa causada pelo caminhão em movimento. Camisetas e
calças colam-se ao corpo. A fumaça que sobe dos fogões ao ar livre deixa um
leve aroma no ar salgado e abafado. Nosso veículo avança pelas curvas de
uma estrada estreita, por entre palmeiras, pés de fruta-pão e tugúrios. Os
ilhéus acenam para nós, enquanto as crianças correm ao lado do caminhão,
emalgazarra. T araua parece uma ilha pacífica, mashá greve.
À direita, vemos as águas tranqüilas da laguna, à esquerda ficam
pequenas vilas, atrás das quais as enormes vagas do Pacífico se quebram
desde temposimemoriaiscontra orecife. Aquinão há estaçõesdo ano.Osol
nasce diariamente à mesma nora e se põe também à mesma hora todos os
dias.
Ao aproximar-se de duas casinhas sem reboco, o motorista desengata a
marcha e o caminhão vai parando aos poucos. Nas janelas abertas balançam
cortinas cor-de-rosa que não tínhamos visto em outra parte, nem haveríamos
de ver novamente.
— Esta é acasa do pastor Kamoriki — disse o motorista.
Na janela havia três mulheres a observar-nos: uma idosa s duas jovens.
Ao olharmos em sua direção, deixaram imediatamente a janela. A casa não
tem portas, as entradas ficam abertas. Como as cortinas cor-de-rosa estavam
erguidas no centro, conseguimos ver o interior da casa: à direita, no maior
dos três cômodos, havia uma grande cama antiga coberta por um
mosquiteiro que já estivera emmelhores condições.
Os outros dois cômodos pareciam desprovidos de móveis. Nosso
motorista entrara na casa e estava falando com uma das jovens. Seu rosto
amigável se turvou. Lentamente, ele voltou para nós e, com embaraço, nos
transmitiu a notícia que ouvira naquele instante:
— Reverend Kamoriki is dead! *
*”O reverendo Kamoriki morreu”Em inglês no original. (N. do E.)
Foi como um choque. O pastor Kamoriki estava morto. V eio-me à
lembrança a caligrafia trêmula de sua carta amável, que era, certamente, a
letra de uma pessoa muito velha. O reverendo Scarborough tinha
mencionado também, em sua carta, o nome do colega Eritaia. Perguntei por
ele. O nosso guia informou que o pastor Eritaia morava na casa ao lado,
observando, porém, que se tratava de um senhor muito idoso, que já não
estaria em condições de receber visitas. Ele quis saber se os filhos de ambos
os pastores não nos poderiam ajudar, levando-nos até o quintal da casa
vizinha.
Numa esteira de fibra de coqueiro encontramos um homem de cerca de
trinta e cinco anos de idade, de cócoras, pardo e com o cabelo preto e
espesso, comuma todos os ilhéus. Percebendoa nossa aproximação, ergueu-se de sua meditação e nos disse com um sorriso esquivo:
— Ko-na-mauri! Eu respondi:
— Good morning, sir .*
*"Bom dia, senhor ."Em inglês no original. (N. do E.)
Bwere,o filhode Eritaia, entendiae falava bastante beminglês,de modo
que me foi possível falar-lhe da correspondência com o reverendo
Scarborough, da carta do pastor Kamoriki e de rainhas intenções. Expliquei-lhe, sobretudo, que me interessava pela mitologia dessas ilhas e que fizera
umalonga viagempara ver os lugares misteriosos.
Com uma serenidade altiva, Bwere encarou seus visitantes: Willi e Rico,
que tinham ficado timidamente um pouco atrás, suando calados, e eu, que
estava explicando com cortesia o meu objetivo.
Quando acabou de examinar-nos, perguntou:
— Por quanto tempo pretendemficar nas ilhas?
Semhesitar, respondi:
— Mais ou menos uma semana — pensando que poderíamosprolongar a
nossa estadia se fosse necessário.
Bwere voltou a sentar-se na esteira, mostrando um sorriso leve e altivo;
depois de fixar-nos novamente, ele começou a rir alto ebomsom:
— Uma semana! V ocê são loucos! De onde é que vocês vêm para
desprezar o tempo de tal maneira? Vêm para saber coisas importantes e não
dispõem de mais que uma semana! Para visitar nossas ilhas dispersas no
mar, vão precisar de meses.
Aborrecido, olhou para nós:
— Divirtam-se uns dias ao sol c depois voltem com mais tempo...
Enquanto durar agreve, não vão poder fazer nada mesmo, não há alojamento
no Hotel Otintai, nemmeios de transporte...
Fiquei com raiva de mim mesmo, da correria de nosso modo de vida, do
excessode compromissos assumidos,daspressões profissionais,familiares e
financeiras, que nos aprisionam como teias de aranha. Bwere tinha razão.
Masjáque estávamoslá, numaexpediçãoquenão era nenhumpasseiozinho,
nada nos impediria de encontrar os locais que buscávamos, de vê-los e
examiná-los, não obstante a greve e a falta de condições. O reverendo
Scarborough nos recomendara muita diplomacia no trato com os ilhéus.
Rapidamente, fiz umbalanço de tudo quanto tinha dito. T alvez Bwere Eritaia
não tivesse gostado da maneira direta com que eu respondera às suas
perguntas. Os mistérios das ilhas podiam estar protegidos por um tabu, e
como tal deveriam ser preservados dos olhares de estranhos. T entei a via
diplomática:
— O pouco que vimos até agora das ilhas maravilhosas nos deixou
muito impressionados. Seus conterrâneos são muito amáveis e prestativos.
Sentimos muito por não podermos ficar muito tempo aqui. Não queremos
incomodá-los. Já seria uma grande ajuda se nos pudessem indicar alguma
escola com biblioteca para nos instruirmos sobre a mitologia insular,
foiçaríamos muito agradecidos.
Bwere, que um pouco antes tinha se mostrado aborrecido, começou a
sorrir: disse-nos que ele era o responsável pela cultura do governo, de modo
que a biblioteca e os arquivos estavam sob sua responsabilidade. Estava
disposto a ajudar na pesquisa das tradições.
Assim, atingimos o primeiro e, quiçá, o mais fácil dos objetivos da
viagem. Lembrei-me de algumasilhotas doarquipélagomicronésio,aonorte
do equador; lá existem pistas naturais para o pouso de pequenos aviões.
Perguntei se havia pistas desse tipo também em Kiribati.

Passamospor aldeiasem cujas praiasse quebram, desde temposimemoriais,as ondasdo
Pacífico.

bonitas mulheres,sentadas à sombra das palmeiras,emfrente de seus casebres, preparam
peixe seco para as refeições
Com visível orgulho, Bwere nos asseverou que havia pistas naturais nas
ilhas maiores e que a AirTungaru, uma pequena companhia aérea, mantinha
vôos regulares entre as ilhas. Só que agora, durante a greve, os aviões
estavamparados. Em todocaso,recomendou-me que tentasse conversar com
o piloto-chefe para ver se este tinha coragem de furar a greve; não havia
muita esperança...
Uma bonita mulher rechonchuda veio da casa para depositar três cocos á
frente de Bwere. Ele os abriu com golpes certeiros de facão, entregando-nos
as metades com sua água refrescante. É assombroso quantos objetos se
podem fazer com as cascas do coco, depois de retirada a polpa branca, rica
em vitaminas: copos, vasos de plantas, luminárias com óleo no qual se
mergulham fibras ardentes e, até, para as meninas adolescentes, firmes
sutiãs.
Bate-papo comleite decoco
Com um gesto, Bwere nos convidou a sentarmo-nos nas esteiras. Deu-nos uma aula de história e geografia de sua terra. T anto ele quanto seus
conterrâneos eram micronésios, mas a língua era semelhante à melanésia. Já
no aeroporto e durante a viagem, tinha percebido que os kiribatis eram
micronésios. Conheço essa raça das Filipinas c da Indonésia: têm o rosto
achatado,o narizlargo,o corpo atarracadoe pigmentaçãoescura na pele.Sei
também que seu número diminui cada vez mais, de modo que existem
apenas uns cem mil micronésios, com formas de miscigenação com os
melanésios, nos arquipélagos ocidentais do oceano Pacífico, cuja língua é
falada nas ilhas ocidentais do Pacífico.
Segundo Bwere, há diversas teorias sobre a origem dos kiribatis. Uma
diz que os ancestrais vieram da Indonésia e se misturaram sob o equador
com uma primitiva raça escura. Outra afirma que vieram originalmente do
continente sul-americano. Uma terceira faz remontar a origem a seres
divinos, que, no passado, teriamvisitado as ilhas. Fiquei de orelhas empé.
Bwere nos ensinou que, para os kiribatis, a magia fazia parte da vicia.
Não obstante ser ele próprio filho de pastor e cristão praticante, seus olhos
começaram a revestir-se de um brilho enigmático, quase fanático; mas
Bwere não passou dessa observação um tanto vaga. Não indaguei mais a
fundo, para não pôr a perder a confiança que estava nascendo entre nós.
Aliás, antes da viagem eu já tinha lido tudo o que havia de informação a
respeito, onde não faltarammuitas referências à magia insulana.
No início do século, vivia na colônia o cidadão Arthur Grimble, como
ministro plenipotenciário da coroa britânica. Ele aprendera a língua dos
kiribatis, participava de seus costumes e de seu folclore a ponto de ser
recebido, como reconhecimento máximo, no clã do Sol, karongo, um tipo de
loja maçônica nativa. Li o livro do próprio Grimble¹ e o de sua filha,
Rosemary²; o livro de Grimble foi publicado postumamente por sua filha,
com as anotações dele próprio, editadas de modo científico. Quanto aos
rituais mágicos dos ilhéus — que nosso amigo Bwere não quis mencionar
—, ela diz:
"Há uma magia para proteger os cocos, outra para ajudar a roubar os
cocos do vizinho e mais um esconjuro para evitar o roubo; há uma fórmula
mágica para envenenar os alimentos do inimigo e outra que evita o
envenenamento. Existe a wawi, a magia mortal, e a bonobon, que neutraliza
a primeira".
Atualmente há seis igrejas que se esforçam por acabar com a índole
mágica dos ilhéus: católicos, protestantes, adventistas, mórmons, Church of
God e Bahaai competem para ensinar o caminho certo para a salvação da
alma, e para conseguir colaboradores e o pouco dinheiro dos kiribatis³. Eles
dominam a vida diária, destroem costumes e praxes observados durante
séculos, estimulam a procriação ilimitada para aumentar o número de suas
"ovelhas", rivalizam na construção do maior templo. Pelas insinuações
enigmáticas que fez, parece que nem Bwere aprovava toda essa evolução
comobenéfica para sua gente.

T eeta, nosso anjo negro, filho do pastor Kamoriki, era nossa boa estrela tanto nas estradas
quanto na selva.
Surge o inesperado salvador: T eeta
De repente plantou-se à nossa frente um gigante descalço, vestido com
um calção branco esfiapado. Sob sua camisa, onde estava escrito "T eeta",
pulsava um tórax volumoso e forte. Seus olhos escuros sorriam para nós
como os de uma criança quando, na primeira interrupção da conversa, ele
deu a mão a cada umde nós.
— Ko-na-mauri! IamT eeta, the son of Reverend Kamoriki*
*'Eu sou T eeta, o filho do reverendo Kamoriki." (N. do E.)
O inglês desse barítono, que saía do fundo da laringe, era difícil de
entender para quem não estava acostumado. Bwere, porém, traduziu: T eeta e
sua família estavam nos convidando para o jantar, e os Kamorikis se
sentiriamfelizes se pudéssemos ficar na casa deles.
Pesando bem as palavras, agradecemos pelo convite. Pedimos, no
entanto, que nos permitisse, primeiro, verificar se havia quartos para nós no
Hotel Otintai. Mencionei nossa bagagem que lá ficara e falei que não
queríamos abusar da hospitalidade oferecida. Com a recusa cautelosa,
gastamos dez vezes mais palavras do que T eeta comseu convite.
Bwere nos levou cm seu furgão T oyota até o Otintai. Depois de um
longo silêncio, ele se dispôs a ajudar-nos:
— V ocê precisam de liberdade de locomoção; vão necessitar de um
carro. T enho umamigo que aluga seu carro.
Sem esperar por nosso consentimento, parou em frente a uma choupana,
ao lado da qual estava estacionado umpequeno Datsun sob uma cobertura de
tolhas de palmeira. Os japoneses marcam presença também em Kiribati! Por
um punhado de dólares australianos, fomos em nosso "próprio" carro até o
hotel.
O gerente suado nos indicou os quartos 102 e 103 para aquela noite; no
dia seguinte, deliberariam sobre a possível desocupação do hotel por causa
da greve. Com os nervos à flor da pele, ele nos entregou as chaves, fazendo-nos subir, com a bagagem, ao primeiro andar . Abertas as portas, vimos logo
que era impossível viver naqueles quartos. Como bons suíços, começamos a
arrumá-los. Esvaziamos cestos de lixo malcheirosos, juntamoso conteúdo de
cinzeiros emborcados e com jornais dobrados limpamos o chão coberto de
cascas de nozes, pontas de cigarro e cuecas esfarrapadas, Recolhemos latas
vazias e com a ponta dos dedos transportamos lençóis imundos e toalhas
pardacentas do banheiro para o corredor a fim de serem retirados depois da
greve. Acima de nós zumbia o aparelho de ar condicionado, com sua
melodia monótona, soprando o ar fresco em nossa direção. Graças a ele,
nossos quartos se transformaram num oásis naquele calor úmido. Após essa
limpeza geral, saímos do hotel para nos dirigirmos à casa da família
Kamoriki. Estávamos curiosos. Chegaríamos ao nosso objetivo com
pequenos passos?
Jantar emcasa da viúva Kamoriki
T eeta e Bwere estavam vestidos a rigor para a noite: um tinha cingido os
quadris com um pano retangular de um vermelho vivo, ao passo que o outro
usava um pano azul-marinho. Antes de entrar na sala de estar tiramos os
sapatos e as meias, já que ali todos andavam descalços, até mesmo uma
velha senhora que nos saudou com um aperto de mão e uma mesura
reverente. Falando com voz melodiosa, ela nos cumprimentou com acenos
de cabeça, que retribuímos sorrindo igualmente, procurando intercalar
algumas palavras de saudação em inglês, sem muito sucesso. Bwere nos
confidenciou que se tratava da viúva do pastor Kamoriki, mãe de T eeta.
O filho bem-educado, baixando o tom de sua voz de barítono rouco na
presença da mãe, convidou-nos para nos sentarmos em três cadeiras
colocadas junto à parede da esquerda; era o lugar mais agradável da sala,
pois havia um ventilador para nos refrescar . Bwere e T eeta sentaram-se a
nosso lado, sobre as pernas cruzadas.
T eve início, então, uma pantomima de incrível comicidade. Estávamos
sentados mudose calados, comose estivéssemoschocando ovosdeavestruz,
O rostinho bochechudo da viúva alegre emanava cordialidade e satisfação.
Estaria ela sob a ação de alguma droga agradável? Matreira, ela piscava os
olhos para nós, acenava com familiaridade, delicadeza que retribuímos
acenando também. V ez por outra, não sei se voluntariamente ou não, uma
das pálpebras se fechava e abria rapidamente como a piscar . Para não deixar
de corresponder a uma eventual praxe local, eu também piscava alegremente
para ela. Marcel Marceau, o encantador mímico francês, deveria ter nos
assistido: ele teria conseguido o número mais atraente de seu repertório.
A apresentação alegre foi interrompida por quatro mocinhas charmosas.
Descalças, elas entraram aos pulinhos para estender nas esteiras um tapete
colorido de fibra de coqueiro. Elas também acenaram repetidas vezes com a
cabeça, sumindo depois por uns momentos, para reaparecer com travessas e
tigelas, que eram depositadas ao chão com pratos e taças, num jogo
quíntuplo.
Ansiamospelalautarefeiçãoque nos deixou com água naboca: legumes
verdes, amarelos e vermelhos, polpa de coco crua e cozida, batata-doce cor
de mel, peixe cozido e assado, pedacinhos de carne em molho de ervas,
frutas-pão grelhadas, arroz. Famintos como estávamos, quase fomos
indelicados. Só o ritual oficial nos impedia de avançar sobre a comida.
Três lindas meninas, de seis a sete anos de idade, vieram até nós sem
acanhamento para colocar cm nossas cabeças indignas coroas de flores
coloridas que recendiam a jasmim e orquídea. Antes que pudéssemos
agradecer, as pequenas fadas já tinham sumido. Nesse instante, a viúva
Kamoriki se levantou junto à parede oposta, em seu vestido vermelho
estampado com flores brancas, e começou um pequeno discurso, que nos foi
traduzido por Bwere e que, gravado em fita, nos acompanhou na volta para
casa.
Foram estas as palavras da viúva Kamoriki: "Meu finado marido, que
descansa lá fora no jardim, tinha lhes oferecido a nossa hospitalidade,
segundo nosso uso e costume. Ele me incumbiu de dar-lhes as boas-vindas,
segundo nosso uso e costume. As coroas emsuas cabeças exprimemamizade
e paz, segundo nosso uso e costume. Minhas filhas se sentem felizes de
poder cozinhar e lavar para os senhores; meus filhos se sentem honrados em
poderajudá-los,segundo nosso usoecostume.Nossacasa é suacasa,nossas
famílias estão à sua disposição, segundo nosso uso e costume".
A sra. Kamoriki voltou a sentar-se, sorrindo para nós. A hospitalidade
dessa gente bondosa nos comoveu. Reprimindo a fome canina que sentia,
levantei-me para exprimir a nossa gratidão e para assegurar que nós,
visitantes vindos de um país pequeno do outro lado do globo terrestre, nos
sentíamos felizes de poder aprender, durante os dias que passaríamos em
Kiribati, aquilo que até então não sabíamos. Apresentei minhas condolências
pelo falecimento do esposo e pai. Assegurei-lhes que nada faríamos que
pudesse desgostar o pastor de saudosa memória.
A velha senhora me acenou alegremente e com amabilidade, pedindo
com um gesto que nos aproximássemos das iguarias. Afastamos nossas
cadeiras para sentar-nos à maneira de T eeta e Bwere, ao longo do tapete.
Tigelas e travessas cheias começaram a circular, e nós nos servimos diversas
vezes, colocando quantidades apreciáveis em nossos pratos. Segundo o
costume europeu, ofereci os pratos primeiramente às senhoras que se
achavam agachadas a uma certa distância, junto à parede; mas elas reagiram
com feições sérias. V endo, porém, que estávamos gostando da comida,
voltaram a apresentar seu sorriso habitual. Comemos com satisfação. Era
uma excelente comida, principalmente em comparação com os horríveis
sanduíches de espaguete. Quando ficamos satisfeitos, as mulheres puxaramo
resto da comida para o seu lado e, por sua vez, começaram a comer. Se
soubéssemos desse costume, teríamos refreado um pouco nosso apetite para
que sobrasse um pouco mais.
Enquanto as mulheres comiam, discutimos com T eeta e Bwere as
iniciativas a tomar nos dias seguintes, fumando um cigarro. Bwere achava
que o círculo de pedras devia estar num lugar sagrado na ilha Abaiang. Ele
confirmava, portanto, as suposições do reverendo Scarborough, emsua carta.
T eeta tentaria, segundo as palavras de Bwere, alugar um barco com bastante
gasolina, para podermos chegar à ilha, que ficava a uns cinqüenta
quilômetros de distância.
T eeta perguntou se eu trazia fumopreto dos papuas comigo.
— Não, para quê? — perguntei. Ele explicou, então, que o lugar era
tabu. Devíamos fazer uma oferenda de fumo para obter as boas graças do
feiticeiro local. T eeta se negou terminantemente a conseguir o fumo para
mim: devia ser comprado por nós mesmos, para que conservasse sua força
sobre o feitiço.
Durante nossa conversa, mais de uma dúzia de moços e moças haviam
invadido o cômodo; falando baixo, vestidos apenas de tepes coloridos,
examinaram com curiosidade os estrangeiros coroados de flores. Nunca vi
gente mais bonita! Animados, esquecemos os círculos misteriosos, as pedras
de orientação e os mitos — a natureza viva e livre estava atraindo nossa
atenção. O grupo passou a formar uma fila, dando-nos oportunidade para
admirar os jovens ilhéus, com seus movimentos graciosos, sua graça
corporal sensual. Pareciam criaturas de um paraíso supostamente perdido.
Comecei a compreender os gigantes da Bíblia e os "filhos de Deus" que não
resistiram ao encanto das filhas dos homens. O cômodo vibrava com o
erotismo presente nos corpos escuros, no sorriso que fazia brilhar seus
dentes alvos, na segurança desinibida de seu comportamento. Eles tinham
consciência de sua beleza, de seu encanto? Apreciavam eles a nossa
admiração atenta?
Eles começaram então a cantar , baixinho no início, aumentando depois,
até formar um coro a várias vozes. Dois rapazes acompanhavam o canto ao
violão, enquanto um terceiro tamborilava o ritmo num tronco oco de árvore,
Havia muitas vogais nessa canção melodiosa. T erminada a terceira música,
cantoras e cantores sentaram-se no chão. Umamenininha avançou de joelhos
até nós e transmitiu o convite, em inglês:
— It's your turn! *
"Éa vez de vocês."Em inglês no original. (N. do E.)
Era para nós cantarmos. Depois de uma rápida consulta, concluímos que
o nosso trio tinha de ser reduzido a um dueto, tendo em vista a confissão de
Rico de que, já na escola, seus grasnidos destoantes obrigavam-no a ficar de
boca fechada.
Nossos anfitriões e o coro olhavam-nos com interesse. Willi e eu
entoamos com destemor: Muss i denn zum Städtele 'naus, não de modo tão
encantador quanto Elvis Presley , mas, de qualquer forma, conseguimos que
os nossos ouvintes pedissem bis. Menos mal! Willi e eu escolhemos a
canção: Sah ein Knab' ein Roeslein stehn. Foi um sucesso total. Provocamos
verdadeiras ovações; o pessoal aplaudia, ria e pulava — um bando de
crianças felizes no paraíso.
Os jovens ilhéus continuaram sua variada programação até parar
abruptamente, depois de diversas canções, para se assentarem de novo e
mandarem mais umavez a menina ao nosso encontro:
— It's your turn.
Como nosso repertório já estava quase esgotado e não poderíamos
enfrentar um revezamento sem fim, procurei desesperadamente um desfecho
grandioso. Tive umaidéia. De joelhos, aproximei-medos cantores e pedi que
Bwere lhes explicasse que iríamos cantar todos juntos uma canção popular
muito difundida na Europa: Frère Jacques, uma melodia simples e bela.
Primeiro, cantei de boca fechada, depois, mais alto, pronunciando o texto
com nitidez. Passado um quarto de hora, os kiribatis, em virtude de seus
dotes musicais, já estavam cantando com perfeição Frère Jacques.

Os nativos moram em choupanas abertas em todos os lados. Durante o dia inteiro, podem-se
observar mulheres, crianças e vizinhas a conversar .
Graças a essa festiva reunião, o jantar na casa da sra. Kamoriki, fim de
nosso primeiro dia em T araua, tornou-se a chave de ouro para os nossos
empreendimentos seguintes. A notícia se espalhou rapidamente. Ao passar
pela rua, recebíamos acenos de todos os lados. Quando nos aproximávamos
da grande maneba, o centro comunitário de cada aldeia, davam-nos as mãos,
puxando-nos para debaixo da cobertura pardacenta, aberta em todos os
lados; eraumsinal deamizadeespecial.Éo local dasreuniões, ondeosmais
velhos têm a palavra, enquanto os moços só podem falar quando
perguntados. As mulheres não podem manifestar-se. Elas são encarregadas
da criação dos filhos e da ordem dos casebres familiares. A julgar pelos
cumprimentos alegres que trocavam conosco, não lhes faltava nada. Ao
passar pelas choupanas completamente abertas, podíamos vê-las a conversar
animadamente com as filhas e as vizinhas. Freqüentemente, estavam
cantando. Nesses dias, ouvíamos até a melodia de Frère Jacques.
Umachado na bibliotecada aldeia Bairiki
No dia seguinte, quando estávamos tomando o café da manhã em sua
casa, T eeta nos avisou que o mar estava muito agitado para pequenas
embarcações. Para um barco maior, porém, não havia gasolina suficiente por
causa da greve.
Estávamos comendo frutas-pão. Cada árvore dá, anualmente, cerca de
cem frutas do tamanho e forma de uma bola de rúgbi. Em Kiribati, elas são
do tipo que permite seu total aproveitamento, inclusive da casca verde.
Quandoamassadas, tem o gostodeum mingausaboroso.Cortadasem fatias,
como o abacaxi, e torradas sobre pedras aquecidas, elas se parecem com
biscoitosfibrosos, cujo sabor superaemmuitoo donossoPão,quasesempre
produzido em escala industrial.
Eram gostosas, mas eu não conseguia saboreá-las, pensando nessa greve
insensata que ameaçava o êxito de nosso empreendimento. Perdi todo o
apetite. T omando um gole de leite de coco fresquinho, observei:
— Como Bwere nos disse ontem, existe uma pequena companhia de
aviação, Não seria possível ir de avião até Abaiang?
T eeta me fixou com os olhos escuros, para responder em seu barítono
agradável:
— OK. Let's try it!
'Certo. V amos tentar ." Em inglês no original.(N. do E.)
T eeta, o anjo negro de nossa permanência em Kiribati, nos acompanhou
ao aeroporto, para apresentar-nos a Gil Butler , o chefe dos pilotos da Air
Tungaru. Encontramos um aviador mal-humorado que vociferava contra a
greve, perguntando-nos sarcasticamente se nós, suíços, não trazíamos
conosco alguma poção mágica contra a aberração dos ilhéus desnorteados.
V oar a Abaiang? Não era possível por causa da greve. Mas, no dia seguinte,
um colega teria que levar uma comissão governamental para Abaiang. Se
houvesse lugares disponíveis, poderíamos embarcar e voltar à noite. Eis as
vantagens de um best seller: como Gil Butler tinha lido minhas Lembranças
do futuro, ele nos convidou imediatamente para um jantar em sua casa, na
noite seguinte. De bom grado, aceitei o convite, vendo alguma chance de
poder chegar, com a ajuda dele, a uma ou outra ilha, sem greve ou apesar da
greve.
Sentíamos queT eeta estava meio sem jeito devido à greve, fazendo tudo
para distrair-nos e conservar nosso bom humor. Assim, ele nos levou a uma
choupana, onde, piscando, nos mostrou um feixe de bastilhas de fumo preto
e pegajoso, do tamanho de um punho, que exalava um cheiro repugnante de
alcaçuz misturado compontas molhadas de cigarro e — por que não dizê-lo?
— de chulé. Esse tipo de fumo é importado de Papua-Nova Guiné. Comprei
um punhado, convencido de que seu mau cheiro expulsaria até os piores
espíritos, quando nos aproximássemos de um lugar sagrado.
Feita a compra, T eeta nos levou à aldeia Bairiki, deixando-nos na
biblioteca local, admiravelmente bem sorrida. Ela dispõe de literatura da
área do Pacífico. Ainda bem que lá não havia greve. Funcionários gentis nos
forneceram os livros solicitados. Meu interesse se concentrou sobretudo
numa obra redigida por vinte e cinco autores nativos
4
que registra a criação
do mundoedoskiribatis.Sentadosobumventilador barulhento querevolvia
o ar abafado da sala, enriqueci consideravelmente meus conhecimentos de
mitos pré-históricos.
No início, há muito, muito tempo, existiu o deus Nareau, o criador .
Ninguém sabe dizer de onde ele veio, nem quem eram seus pais, porque ele,
Nareau, "veio voando sozinho e dormindo pelo universo". No sono, escutou
chamarem três vezes seu nome, e quem o chamava era um "ninguém".
Nareau acordou e olhou ao redor . Só havia o vazio, mas, olhando para baixo,
descobriu um objeto grande: era te-bomatemaki, "a terra e o céu" juntos.
Movido pela curiosidade, Nareau desceu e pisou com cuidado em te-bomatemaki. Lá não havia seres vivos, não havia homens, só ele, o criador .
Por quatro vezes ele percorreu o mundo que descobrira, de norte a sul e de
leste a oeste, mas ele estava só. Por fim, Nareau cavou um buraco em te-bomatemaki, encheu-o de água e areia e misturou os dois para formar a
rocha. A rocha ele mandou que gerasse, juntamente com o vazio, Nareau
tekikiteia. Nasceu assim, por ordem de Nareau, o criador , Nareau tekikiteia,
"Nareau, o sábio".
Nareau, o criador, começou a reinar sobre te-bomatemaki, enquanto
Nareau, o sábio, ficou na terra. Como podiam falar um com o outro,
resolveram separar o céu da terra. Com muito esforço conseguiram realizar
seu plano. Em seguida, Nareau, o sábio, criou os primeiros seres racionais, a
quemdeu nomes como estes:
UKA: que significa "força concentrada para mover o ar".
NABAWE: "força concentrada da idade".
KARITORO: "força concentrada da energia".
KANAWEAWE: "força concentrada da dimensão (distância)".
NGKOANGKOA: "força concentrada do tempo".
AURIARIA: "força concentrada da luz".
NEI TEWENEI: "cometa".
Este é o mito mais difundido de Nareau, o criador, contado com
pequenas variações. Arthur Grimble¹ acrescentou um complemento
importante:
"Depois de realizado o trabalho, Nareau, o criador, disse: 'Basta. Está
feito! V ou embora para não mais voltar'. E ele foi, e nenhum ser humano
sabe onde ele está".
Nessa tradição brilham pedras de mosaico que se encaixam
maravilhosamente no panorama da teoria dos deuses astronautas.
O deus criador Nareau estava dormindo, voando sozinho pelo universo,
quando alguém,que era umninguém,o chamou pelo nome, acordando-o. Na
perspectiva atual, pode-se imaginar perfeitamente uma espaçonave, com um
piloto que fora levado a um estado de sono profundo com a finalidade de
manter a atividade das células acima de um certo limiar, para permitir a
reativação do organismo num momento determinado. O sono profundo, com
variações físico-químicas, está sendo discutido na medicina espacial há
algum tempo. Com esse recurso, pretende-se manter os astronautas vivos,
ainda que adormecidos durante longas distâncias e grandes espaços de
tempo, até a hora H. Registrando pelo radar a proximidade de um sistema
solar , o computador da nave interrompe o sono profundo. “Quando soou seu
nome, Nareau acordou."
O piloto, acordado para a vida, continua vendo, à sua volta, a escuridão
do espaço, mas embaixo, debaixo de si, ele descobre um planeta — a saber,
lá embaixo de onde se faz sentir a gravidade de um sistema solar . "Nareau
olhou para baixo eviu um grande objeto."
Novamente em poder de suas forças, o piloto resolve pousar no terceiro
planeta, o ideal, do sistema solar . "Nareau se mexeu. Ele queria saber que
objeto era aquele. . . Ele desceu e pisou nele com cuidado." Do alto, o
astronauta pode enxergar o planeta inteiro, reconhecendo nele as condições
necessárias à vida; mas ele não vê nenhuma forma de vida. Por isso, resolve
disseminar germes de vida. "Não havia naquele tempo nem espíritos nem
gente, só existia o poderoso Nareau. Quatro vezes ele percorreu a T erra...
constatando que não havia nenhum tipo de vida."
O mito não explica como Nareau fez surgir a vida. Pode ser que esses
processos tenham sido complicados demais para encontrar guarida e
compreensão nos mitos populares. Nareau poderia ter lançado da
espaçonave, por exemplo, alguns espécimes de algas azuis, poderia ter
espalhado bactérias, ou até, o que parece pouco provável, ter disseminado
sementes de certas plantas resistentes e primitivas. "Nareau fez um buraco
no chão, encheu-o de areia e água e misturou-as para formar uma rocha. . . e
ordenou que gerasse, juntamente com o vazio, a T erra (Nareau tekikiteia).
Assim surgiu Nareau, o sábio."
A denominação "o sábio" talvez signifique, originalmente, "espírito" ou
"animado". Onde reinava antes o vazio estéril, brota então a vida. A partir
desse primórdio, assistimos à atuação de dois elementos criadores —
Nareau, o criador de todo ser, e Nareau, o sábio, que dá início à evolução na
T erra. "Nareau, o criador, estava por cima de te-bomatemaki, enquanto
Nareau, o sábio, ficou dentro da T erra."
É deveras estupendo o fato de encontrarmos, num relato sobre a criação,
conceitos como esses: força concentrada da energia, força concentrada da
dimensão, força concentrada do tempo ou força concentrada da luz.
A minha fantasia não consegue imaginar o que os primeiros kiribatis
pensaram sobre esses termos. Em sua ignorância, eles transmitiam os
indícios das potencialidades de um ser criador inimaginável. Com a ciência
de hoje não é difícil reconhecer na força concentrada da energia a origem
da força concentrada da luz. Hoje, conhecemos as pesquisas do professor
Eugen Sänger (1905-1964) a respeito da propulsão a fótons para
espaçonaves, que daria às naves condições de aceleração a velocidades
incríveis quando estivessem fora da atração da gravidade do sistema solar .
Sabemos que qualquer aceleração está ligada à "força concentrada da
dimensão". A aceleração implica superação e transposição de distâncias
imensas, um processo ligado às leis do tempo ("força concentrada do
tempo") e da idade ("força concentrada da idade"). A defasagem (dilatação)
do tempo constitui uma lei física * empiricamente comprovada.
* Provas de Däniken. Edições Melhoramentos, 1977.
A complementação de Arthur Grimble¹, acrescida ao que anotei na
biblioteca sufocante de Bairiki, temmuita importância:
"T erminado o trabalho, ele disse: 'Basta.Está feito! V ouemborapara não
voltar mais'. E ele foi embora para nunca mais voltar, e nenhum ser humano
sabe onde ele está."
Numaviageminterestelar a velocidades extremas, torna-se perfeitamente
admissível um desaparecimento definitivo. Ressoa ainda em meus ouvidos a
canção fantástica do conjunto Genghis Khan**:
** Júpiter Records número 101777.
"Nos livros dos antigos, porém, está escrito
que nós já não existiremos
quando os estranhos vierem pela segunda vez.
Ficou apenas seu rastro na T erra.
Aágua e a areia cobriram quase tudo,
de modo que ninguémmais sabe
qual a mensagemque traziamos estranhos.
Foram chamados de deuses,
pois outro nome não havia para os estranhos".
Não sei quem inspirou aos autores a composição desse texto. Aos
amigos que me perguntam se fui eu quem o compôs, posso jurar: não fui!
Sempre o mesmoestribilho!
Em todos os mitos sobre a criação surgem as mesmas perguntas: como
os nossos antepassados sabiam que a vida na T erra é de origem
extraterrestre, tendo sido trazida para cá por acaso ou segundo um plano
preestabelecido? Não havia testemunhas, nem no ato de criação narrado
pelos kiribatis —-Nareau voou dormindo até o nosso sistema solar e fez
surgir a vida — nem em outros relatos. A quem poderia Nareau ter falado de
sua história e de sua missão? Seria tudo isso apenas fruto da imaginação dos
narradores, semqualquer fundamento real?
Segundo aBíblia,Deus criouo céu ea terra,quandoa T erra estavaainda
"disforme e vazia", havendo "trevas sobre a face do abismo". No ato da
criação bíblica também não estava presente nenhum repórter . Como nenhum
ato de criação dispunha de testemunhas oculares ou cronistas, havendo no
entanto em todo o mundo mitos da criação centralizados em um grande
acontecimento, poder-se-ia apresentar uma resposta lógica a todas as
perguntas:passadosmilhões deanosapós a criação, o deuscriador voltouao
lugar dos acontecimentos a fim de relatar às criaturas humanas os fatos de
outrora, ou seja, de sua própria origem.
Já estou vendo o rosto azedo dos etnólogos — como se tivessem que
morder um limão — ao ouvir a minha explicação tão óbvia para o
surgimento dos mitos misteriosos. Eles afirmam que se devem levar em
consideração todas as vinculações, combinando as muitas possibilidades a
fim de estabelecer, em primeiro lugar, as interpretações mais simples. Mas
depois de uma galopada aos pulinhos, a interpretação estritamente científica
vai dar na névoa de um incenso psicológico que faz lacrimejar os olhos. O
que poderia restar abaixo da linha, se acimadela só existemzeros?
Há diversas versões dos mitos, e isso é natural, pois eram transmitidos
em cadeias intermináveis, de tribo para tribo, de família para família;
algumas vezes fizeram-se acréscimos, outras vezes, houve omissões.
Qualquer entendido em criminalística sabe das diferenças que ocorrem nos
depoimentos de testemunhas sobre um mesmo acontecimento. O núcleo
essencial dos fatos só édescoberto por meio de comparações subjetivas.
Em Kiribati encontrei também a tradição do nenê T e-rikiato, que fora
roubado e levado à senhora do céu Nei T etange-niba. A mulher voou com a
criança para longe, educando-o como um semideus. Na parte ocidental da
ilha chamada Os Pássaros de Biiri, o jovem, já crescido, falou assim à
senhora do céu:"V eja,essespássarossão maravilhosos,poistêmaaparência
de homens!" A mãe de criação recorreu a uma mágica para reforçar os braços
eo corpo dojovem T e-rikiato; este sentou-se entãonas costas deumpássaro
e agarrou-se a ele firmemente. V oando em espiral, o pássaro subiu ao céu e
chegou à "terra dos celestes". Parando em frente à casa da celícola Nei-Mango-Arei, esta lhe perguntou: "De onde vem você? Que tipo de ser é
você? Nenhum ser humano pode me visitar , pois sou diferente dos homens".
Apesar da diversidade manifesta, geraram quatro filhos. Chamaram o
primeiro de Niraki-ni-Karawa, que significa "circulador celestial". A lenda
menciona explicitamente que T e-rikiato voltou à T erra depois de ter gerado
os filhos, fixando-se, primeiramente, emSamoa ².
Essa história lembra o vôo ao céu de Etana da Babilônia*, que se alçou
da terra montado nas costas de uma águia e descreveu o planeta lá do alto;
mas lembra, também, a lenda japonesa da criancinha da ilha ** que fora
levada às regiões celestes por uma fada, para voltar mais tarde. Parece um
tema básico que ecoa numgrande número de lendas populares.
*Semeadura e cosmo. Edições Melhoramentos, 1972.
**Provas de Däniken. Edições Melhoramentos, 1977.
Na tarde daquele dia "teórico" na biblioteca de Bairiki, pensei nos
vestígios quentes desses mitos segredeiros que o reverendo Scarborough
tinha me indicado. Existiram eles de fato? Esperei ansioso pelo dia seguinte.
Encantamentodesencantado
As seis da manhã, T eeta, nosso anjo negro, nos levou ao aeroporto —
uma designação enganosa quando se tem em mente os aeroportos de nossas
civilizações. Um bimotor nos transportou balançando por sobre o mar ainda
revolto à ilha de Abaiang, coberta com a vaporação de um calor abafado
mesmo às primeiras horas do dia. Num casebre de bambu, que servia de
terminal aeroportuário, T eeta falou gesticulando com alguns homens,
apontando a todo momento para nosso lado, até que dois deles se puseram a
caminho, para voltar logo depois num caminhão T oyota, que parou à nossa
frente para apanhar nossa bagagem. T eeta partiu então conosco, dirigindo
numaestrada de terra cheia de buracos, sempoupar o veículo.
Abaiang é um atol estreito, de trinta e dois quilômetros de comprimento,
plano como uma tábua, quase totalmente coberto de altos coqueiros e pés de
fruta-pão, carregados de pesadas frutas. Para atravessar dois terços da ilha,
gastamos duas horas de viagem.
— T eeta, você sabe onde fica o círculo tabu? — perguntei quando
paramos na aldeia de Tuarabu. Ele fez que sim, admitindo porém que ele
próprio não conhecia o lugar, pois era criança ainda quando seu pai ali
estivera como pastor; mas sua mãe, nossa alegre anfitriã, linha lhe dito a
quem devia procurar para que nos levasse ao objetivo. Pois então!Teeta nos
deixou, célere como uma gazela.
Visitamos o povoado de quatrocentos e cinqüenta e uma almas. (3s
casebres são feitos de materiais fornecidos pelos coqueiros, alguns
construídos sobre blocos de coral, o que favorece a ventilação do solo e
mantém afastada a bicharada rastejante e os caranguejos, além de impedir o
apodrecimento precoce das estacas de palmeira fincadas na terra alagadiça.
Alguns meninos treparam nas palmeiras que, a trinta metros de altura,
formavam um teto comsuas longas folhas, Eles jogaram os cocos, que foram
quebrados com habilidade pelos homens abaixo, para oferecer-nos a água
num gesto de boas vindas. A água de coco é melhor para saciar a sede neste
calor do que uma caixa de Coca-Cola. Elaéformada de quarentaecincopor
cento de água, sendo o resto composto de preciosas proteínas, gordura,
carboidratos e minerais, ofereci dos gratuitamente pela natureza, em
abundância.
T eeta reapareceu acompanhado de estranhas figuras. A seu lado,
arrastava os pés uma mulher velha e magra, envolta numa capa preta que
descia até o calcanhar, com um véu na cabeça, de aspecto lúgubre. Seu
companheiro eraumancião enrugado,que traziano braço esquerdoumbebe
choramingando e puxava com a mão direita um menino que ainda não
atingira a idade escolar . Exceto o bebê chorão, todos se mantinham
silenciosos. O bebê, decerto, estava com fome, mas o seio da velha já não
parecia ser umafonte que pudesse satisfazer seu apetite.
Continuando a lenta viagem aos solavancos, todos espremidos na
apertada carroçaria do pequeno T oyota como sardinhas em lata, chegou a
hora de T eeta perder seu ar alegre.
— Entregue dez bastilhas defumo paraa mulheremaisumacaixinhade
fósforos — segredou-me ele em seu barítono seco. A pítia em seu manto
negro confirmou suas palavras com um sinal de cabeça, enquanto o velho
descerrou a boca pondo à mostra seus dentes, que não passavam de tocos
pardacentos. Para mim era um consolo pensar que, mesmo em Kiribati, a
idade cobrava seu tributo, constatando que nemtodos os ilhéus erambonitos.
Ao chegar à extremidade sul da ilha, o caminhão freou bruscamente. O
lugarejo chamava-se T ebanga. Houve uma transformação em nossos
acompanhantes, e até mesmo nos jovens que tinham corrido ao lado do
caminhão durante o trajeto. Seus risos cessaram. Em seus olhos estampou-se
o temor. Até a fisionomia de T eeta, que era um rapaz sempre alegre, tomou
umaexpressão séria.
Eu quis saber:
— O que está acontecendo aqui?
Com a cabeça, T eeta indicou a verdejante vegetação tropical à nossa
frente, semdizernada. Apítia,emsuacapa, encaminhou-se altivamente para
a mata, através de uma estreita trilha. Mantendo uma distância conveniente,
seguimo-la numa procissão silenciosa. Além do nenê, começaram a
choramingar tambémo velho e o garoto: estavam ficando commedo.
A velha parou, detendo-nos com um sinal da mão. Saindo da mata, ela
avançou para a clareira, e a cortina de arbustos tropicais a escondeu de
nossos olhos.Com ofumo malcheiroso nasmãos,elacaminhouparao ritual
solene. Os acontecimentos que se desenrolavam tinham como fundo um
concertoderuídos em quesobressaíamos arrulhos eoschilreios deexóticos
pássaros, o estrondo do mar quebrando na costa e os estalos de nossas mãos
abatendo em nossos corpos os mosquitos que zuniam em volta, os quais, ao
que parece, preferiam o doce e inebriante sangue dos estrangeiros. Uma boa
oportunidade para variar!
Semse dignar alançar-nos um olhar, a velha voltou de rosto impassível e
passou por nós. T eeta, já sem medo do feitiço, depois da oferenda do fumo,
foi me empurrando com cuidado:
— Go on!
Aclareiraestava localizadanummatagal.Percebi logo quenaquele lugar
não podia crescer nada — mesmo sem feitiço —, pois estava calçado de
cascalhos de coral muito juntos um ao outro. Seixos arredondados maiores
demarcavam um retângulo com um monólito da altura de um homem no
centro; era uma rocha de coral semelhante a uma esteia funerária.
Contornando a pedra, achei a confirmação de minha suposição.Vi o nome e
o dia de falecimento de alguém gravados na pedra. Debaixo de uma concha
do tamanhode umatartaruga estavamardendo as bastilhas de fumo.Nós três
ficamos a sós. Os ilhéus ficaram nos observando entre curiosos e medrosos,
a uma devida distância.
O que vimos ali não tinha nada a ver com aquele lugar sagrado e
misterioso mencionado pelo reverendo Scarborough. Lembramo-nos da
recomendação de tratar os ilhéus sempre com deferência, reprimimos nossa
enorme decepção e, depois de tirar umas fotos, voltamos a juntar-nos ao
grupodenativosque esperavam. Avelhacom atributos mágicos, sentindo-se
realizada pelo efeito da oferenda de fumo, encarou-nos pela primeira vez
com altivez. O velho e o nenê continuavam choramingando, o que devia ser
um hábito. Até o próprio T eeta, bastante esclarecido, examinou-nos com
atenção: não havia nenhuma modificação nos amigos? Estavam deixando a
sepultura incólumes? Mas não estávamos sentindo nada, a não ser um
bocado de raiva.
Só depois que oToyota começou a se afastar daquele lugar soturno para
os ilhéus, suas mentes voltaram a se desanuviar . T eeta fez circular uma
garrafa plástica que continha um líquido leitoso e morno. Como não se deve
recusar tais ofertas, venci o nojo, tomando um grande gole, atentamente
observado por todos. Devo ter feito uma careta grotesca, que T eeta
interpretou à sua maneira como expressão de prazer, de modo que sorriu,
satisfeito, passando a servir-se ele mesmoedepois ameus amigos.

Um aparelho de pequeno porte nos levou, aos solavancos, até Abaiang daxando o iriar
agitado lá embaixo. Depois da aterrissagem, fomos recebidos com cocos por esse t,po
singular , o único cabeludo que encontramos
Afora a velha feiticeira, o velho e o nenê, todos bebiam com satisfação
aquela preciosidade, tornando-se cada vez mais animados e grogues.
— O que estamos bebendo, T eeta?
— T oddy-sour — respondeu ele comnaturalidade, comose se tratasse de
whisky-sour .
— O que vem a ser toddy-sour?
T eeta fez o motorista parar e indicou com a ponta azulada de seu dedo
pardo a copa de um coqueiro. Havia frascos de diversos tamanhos
pendurados sob as folhas, para recolher a seiva adocicada da planta. Três
dias depois de extraída a seiva começa a fermentar, e se transforma num
mosto espumante — uma bebida perigosamente deliciosa que deixa os
ilhéus, de resto abstêmios, fora de órbita durante horas. Até o álcool é
fornecido pelos coqueiros!
O toddy-sour teve seu efeito sedativo sobre mim; fiquei mais tranqüilo
Quando voltamos ao lugar de partida, emAuarabu, os velhos continuavam
conversando em grupos, como havia acontecido pela manhã. Com um resto
de fingida corte-a européia pedi a T eeta que procurasse saber para onde nos
tinham levado, por engano. Depois de consultar seus conterrâneos nosso
anjo negro confessou que tínhamos ido ver o túmulo de um poderoso
guerreiro, cujo espírito continuava velando ate então sobre sua família.
Respondi que tinha toda a estima possível pelo bravo guerreiro, mas que
nosso objetivo era um círculo de pedra sem esteia, um largo árido que até as
palmeiras evitavam.

A área do tabuencontra-senumretângulodesprovido de vegetaçãotropical. Está calçado
com cascalho de coral. Os ilhéus estão convencidos de que qualquer ser vivo que ouse
penetrar no retângulo há de morrer em breve.
Se fosse possível ouvir o ruído dos pensamentos das pessoas, creio que
nas cabeças dos velhos eles produziriam o rumor de mós de pedra. Podia-se
ler em seus rostos absorto: Que estavam refletindo intensamente. Nos olhos
de um dos anciãos começou a brilhar uma luz. Sim, ele sabia de um tal
círculo em T araua do Norte, onde morava desde tempos imemoriais um
"espíritopoderoso"' queviera docéue que nãopermitiaque operturbassem;
até os pássaros que sobrevoavam o lugar de seu "reino" caíam mortos ao
chão. A meus ouvidos essas palavras soavam como música — seria esse o
objetivo que visávamos?
Apesar da greve e da pouca gasolina, rumo ao objetivo
esperado
Antes de surgir do mar o quarto dia de nossa vida insulana, fomos à casa
do chefe dos pilotos, Gil Butler, que nos havia feito um convite para visitá-lo. Explicamos detalhadamente nosso objetivo. Gil nem fazia idéia dos
carninhos que deveríamosseguir , explicandoquea ilha T amana, mencionada
pelo reverendo Scarborough, ficava a quinhentos e quarenta e quatro
quilômetros de distância por via aérea, ao passo que, de barco, chegava-se
facilmente a T araua do Norte. Já no dia seguinte ele poderia levar-nos a
T amana, por duzentos e vinte e cinco dólares australianos. Resolvi aceitar a
proposta.
A pista natural de T amananão parecia muito boavista doalto,e, defato,
não era nada agradável. As pistas preparadas nessas ilhas, na rota da Air
Tunguru, não passam de estreitas faixas abertas no meio dos palmeirais,
precariamente capinadas e limpas de pedregulho. Os ilhéus deveriam mantê-las em condições de uso, espantando os cachorros vadios e os porcos
fuçadores. Eles dizem:
— Eng, eng! Sim, sim!
Mas em pouco tempo o capim volta a cobrir a pista, as chuvas tropicais
desenterram outras pedras e os animais pastam e fuçam novamente. Cada
pouso,cadadecolagemexigemverdadeiras façanhasdos pilotos.Desviando-se de animais e de pedras, nosso avião acabou de rodar os ijltimos metros,
até parar .
T eeta dirigiu-se a uma choupana em que três aeroviários estavam se
espreguiçando. Nosso anjo negro, já consciente dos nossos objetivos, tentou
dar as devidas explicações a seus conterrâneos, estimulando sua fantasia e
memória por meio de gestos e uma torrente de palavras. Finalmente, ele se
aproximou comos guardadores da pista:
— Lá do outro lado há túmulos de seres gigantes!
— Comcerteza? — perguntei. T eeta voltou a inquirir seus irmãos tribais.
Eles confirmaram a informação, indicando o outro lado da pista, onde
ficava um palmeiral. Carregados de aparelhos pesados, começamos a
marcha. High noon* O sol estava a pino e queimava nossos corpos sem
piedade. O suor escorria para dentro dos sapatos. Em nossa condição de
caras-pálidas não podíamos nem pensar em tirar a camisa; em pouco tempo,
seríamos transformados numa grande bolha de queimaduras. Miríades de
mosquitos sequiosos nos picavam, mesmo através do tecido. As correias das
câmaras deixavamnossos ombros em carne viva.
*"Meio-dia." Em inglês no original. (N. do E.)
À frente surgiram túmulos cobertos de pedras de coral de cor castanha.
— É esse o nosso destino? — perguntei. A sede e a decepção fizeram a
língua colar no céu da boca.
— T iaki, tiaki! Não, não, venham, vamos mais adiante! — responderam
os homens, abrindo caminho nas brenhas, contornando palmeiras, passando
por cima de montes de pedras e de túmulos, até parar finalmente com os
rostos brilhantes;
— É aqui!
Trocamos olhares vazios e desapontados, que fizeram T eetaentender que
novamente havia falhado. Embaraçado, ele nos virou as costas, passando os
dedos emsua cabeleira espessa de dar inveja.
Como encontrar uma saída? O pessoal mostrava boa vontade e se
esforçava. A falha devia ser nossa,
— T eeta — comecei a falar com ar indulgente —, diga aos homens que
estou muito grato por nos terem trazido até aqui. Estamos surpresos com o
grande número de túmulos tão antigos, mas os túmulos que estamos
procurando realmente são muito grandes, muito maiores que esses. Eram
feitos para gigantes que tinham duas ou três vezes o meu e o seu tamanho.
Esses túmulos devem estar isolados em alguma parte, não no meio de um
cemitério como este, pois os homens gigantes não admitiam nem a vida nem
a morte perto de si.
Nosso intérprete incansável juntou-se ao grupo dos homens, que
pareciam bem-dispostos, apesar do sol intenso e do ar abafado. Teeta voltou
a explicar-lhes com visível insistência o que os homens brancos pretendiam
ver . Um deles entrou na conversa assegurando que no fim da ilha havia
túmulos maiores, maiores do que o maior daqueles ali.
— Há outros túmulos por perto? — indaguei.
— Eng, eng! Sim, sim!— eles confirmaramcomentusiasmo.Desconfiei
queseríamos levadosnovamenteao lugarerrado.Por isso, pedi lápisepapel
a Willi e, sentando-me num dos túmulos, comecei a interrogar um por um,
comaajuda de T eeta:
— Otúmulo de que vocêsestãofalandoé maior do quequalquerum dos
túmulos daqui?
— Eng, eng!
Puxei um dos rapazes para perto de mim e pedi que desenhasse o
túmulo. Ele fez um desenho de traços simples.
— Agora, desenhe os túmulos que ficamem volta do túmulo grande.
O rapaz desenhou todo um cemitério. Não era o lugar que estávamos
procurando. Parecia que a cortesia impedia os kiribatis de responderem
negativamente a um estranho quando não podiam corresponder a seus
desejos. Tirei uma história de minha imaginação:
— Escutem. Há muito tempo, existiram duas grandes pessoas que eram
muito mais altas que T eeta. Elas vieram de um país distante, talvez até do
céu. Elaseramtão fortesquepodiamlançar peloar ascanoas de vocêscomo
se fossem cascas de coco. O pessoal das ilhas os embriagou para matá-los;
depois, jogaram-nos numa vala profunda para que nunca mais pudessem
causar prejuízos. V ocês sabem onde ficamas sepulturas deles?
Escutaram a tradução com atenção. Após longa pausa de silêncio
pensativo, um dos homens se adiantou do grupo:
— Há uma sepultura dos gigantes na extremidade sul da vizinha ilha
Arorae.
— Existem por lá também grandes pedras a indicar ilhas que ficam lá
longe, no mar?
O homem afirmou que sim. Ele mesmo tinha visto essas pedras quando
esteve em Arorae comseu pai.
Do ponto em que estávamos não dava para avistar a tal ilha. Trata-se da
ilha que fica mais ao sul entre as dezesseis ilhas Kiribati, a oitenta
quilômetros de distância. Devíamos arriscar um vôo até lá, baseados apenas
naquelas informações incertas? Por causa da greve, Butler tinha conseguido
apenas uma quantidade mínima de gasolina, mas como ele também já estava
contaminado pelo vírus da curiosidade, não hesitou em levar-nos à outra
ilha. Meia hora depois, o avião já balançava pela pista, aos pulinhos. Eram
duas horas da tarde, o sol equatorial continuava a queimar como ao meio-dia.
Em Arorae, também havia três nativos a cochilar à sombra de uma
marquise feita de folhas de palmeira. Havia, igualmente, animais na pista.
Mas os aeroviários dispunham de bicicletas. T eeta procurou obter as
habituais informações. Foi-nos indicado umancião que conhecia a ilha como
nenhumoutro. Pegamos duas bicicletas enferrujadas dos aviadores.
O ancião, muito animado e lisonjeado pela oportunidade de poder dar
informações, explicou-nos em sua linguagem cheia de imagens e de gestos
onde ficavam os túmulos dos gigantes e as pedras de navegação.
Esperançoso, eu pensava com meus botões: como a ilha tem o comprimento
de apenas quatro quilômetros e meio, e poucas centenas de metros de
largura, umapessoa que chegoua envelheceraquideveconhecê-lade cabo a
rabo.
Quando pedi que T eeta arranjasse mais bicicletas, a notícia espalhou-se
como um incêndio: voltamos ao aeroporto rodeados de mais catorze
ciclistas. Entreguei algumas moedas aos proprietários das bicicletas que
pedimos emprestadas. Assim podíamos iniciar nossa expedição de quatro
quilômetros sobre rodas, uma distância que, em condições mais civilizadas,
não Significaria nada. Em Arorae, uma incursão pela ilha apresenta as
maiores dificuldades. E preciso atravessar regiões cobertas de lama e areia
fina, campos eriçados de espinhos e de uma vegetação tropical rasteira,
sempre como acompanhamento dos inevitáveis mosquitos.
O ancião não prometera demais.
No cabo situado no extremo norte da ilha de Arorae, logo atrás da
mancha, a casa de reunião, estendia-se um retângulo largo, cercado de
pedras planas, cuidadosamente sobrepostas. A cerca de pedras elevava-se a
um metro do chão. Não havia túmulos nem esteias. A uns cinco passos do
pretenso túmulo de gigantes abria-se um buraco quadrado que refletia, a
pouca profundidade, a luz solar da água freática. O reverendo Scarborough
se referira a dois túmulos gigantes. Onde estava o outro?
T eeta, perguntando a esse respeito, descobriu que a segunda sepultura
fora demolida anos antes, quando precisavam de espaço para construir a
maneba. Osilhéus nãotiveramreceio defazer isso, umavez quenão sobrara
nada dc feitiço dos espíritos e dos corpos dos gigantes. Não me admirei que
os espíritos tivessem se evaporado e seus ossos, dissolvido na água freática
saturada de sal, fossem eles gigantes terrestres ou extraterrestres sepultados
ali.
Lá estávamos em frente a um túmulo de cinco metros e meio por dois e
noventa. Cavar sob as pedras? Nem pensar' O que poderíamos achar? Além
do mais, Butler deveria voltar antes do entardecer . Levamos a impressão
consoladora e positiva de que ali existia uma antiga sepultura mitológica.
V oltan do a lembrar-me do reverendo Scarborough, surgiu-me a pergunta:
onde estariam as pedras de navegação? Informaram-nos que ficavam na
outra ponta da ilha, umbomtrecho a percorrer atrás da pista.
Não fossea greveonipresente, teríamos agido com mais calma, voltando
outro dia. Mas, em vista das circunstâncias, tínhamos que aproveitar a
chance daquela que talvez fosse nossa única estadia naquele lugar .
Retornamos. Porém, para além da pista primária, da qual partíramos naquela
tarde, não havia mais condições de prosseguir de bicicleta. Mortos de sede,
enfrentamos as torturas da marcha pelas dunas. Algumas vezes, surpreendi-me com alucinações semelhantes àquelas descritas por viajantes do deserto
que tinham estado prestes a morrer de sede. As batidas do coração latejavam
nas fontes, reboando pela cabeça. A dez minutos de nosso destino, lutei
contra a fraqueza interior que me dizia: desista! Aos tropeços, segui os
passos de T eeta, sem olhar para Willi e Rico, que eu tinha arrastado para
aquela aventura; ouvindo seus arquejos atrás de mim, podia imaginar seus
olhares repreensivos. Em minha imaginação, passou um filme cheio de
figuras mitológicas. De repente, meus sentidos despertaram — ou seria
apenas uma miragem aquilo que eu estava vendo numa proximidade
tentadora?
Não! Afastados da preamar, monólitosanunciavamoobjetivoalcançado;
um estava caído ao chão, outro, de pé. T odas as agruras foram esquecidas
naquele momento.
Grandes blocos de pedra elevavam-se do chão, corroídos pelo vento e
pelas intempéries. Outrora talhados em forma retangular, apresentavam-se
agora como vítimas do tempo, todos eles cercados por um retângulo de
pedras pequenas. Seria apenas um conjunto de sepulturas iguais a outras que
já tinha visto emoutras partes do mundo?
Com os sentidos novamente alerta, observei que os monólitos eretos, da
altura de uma pessoa, indicavamdiversas direções, edescobri que no topo de
cada pedra havia sulcos bem retos de um centímetro de largura, que
apontavampara objetivos distantes.
Consultamos a bússola e os mapas.
Uma das linhas indicava precisamente a ilha Niutao, distante mil e
oitocentos quilômetros em linha reta, e que faz parte das ilhas Ellice, um
grupo de nove atóis. Um outro sulco apontava na direção sudeste, para
Samoa, distante mil e novecentos quilômetros em linha reta, a leste das ilhas
Fidji. Uma terceira linha mostrava as ilhas Tuamotu, no sul do oceano
Pacífico, a quatro mil e setecentos quilômetros de distância em linha reta e,
finalmente, as ilhas do Havaí. Mentalmente, enviamos outro agradecimento
ao reverendo Scarborough, na Cidade do Cabo.
Duas das pedras de navegação eram de granito, inexistente na ilha de
Arorae, outras três apresentavam características de origem vulcânica; as
outras eramde material dos recifes de coral.
Como acontece sempre que enfrento problemas de navegação pré-histórica, comecei também em Arorae a combinar reflexões e idéias que me
vinham à mente. Não há dúvidas quanto à capacidade antiga dos ilhéus de
resolver problemas simples de navegação, com a ajuda das estrelas e o
conhecimento das correntes marítimas. Mas isso não explica o grande
mistério que cerca os primeiros navegadores que alcançaram seus destinos
sem saber sequer da existência deles. Quando se faziam ao mar, a partir de
suas ilhas pátrias, eles não sabiam onde iriam aportar, nem quanto tempo
duraria a viagem. Quando o destino era qualquer ponto alhures, não podiam
valer-se da experiência da ida para a viagem de volta, já que as estrelas
mudam de posição e as correntes e os ventos não mantêm sempre o mesmo
curso. Supõe-se, atualmente, que o céu estrelado as correntes marítimas e a
direção do vento tenham servido de orientação aos primeiros navegadores,
presumindo que eles dispunham de conhecimentos sofisticados de
astronomia e dos movimentos dos mares e do ar . T ais conhecimentos,
entretanto, ultrapassariam o estágio de desenvolvimento que se costuma
atribuir , atualmente, aos nossos remotos ancestrais.

Para ganhar espaço suficiente para a construção dessa maneba, a casa de reuniões de
Arorae, fora destruído o segundo túmulo dos gigantes.

Despedida do aeroporto de Arorae
Lembrei-me de uma conversa que tivera pouco antes no museu de
Wellington,na NovaZelândia,como etnólogodr . Robin Watt.Mencionando
esse tipo de problemas de navegação,W att achava que não havia mistério
nenhum: os maoris, por exemplo, um povo polinésio da Nova Zelândia,
sabiam da existência de arquipélagos na direção nordeste, como as atuais
Fidji e Samoa; bastava que os maoris mantivessem seus barcos na direção
nordeste, para chegar à terra firme naquele emaranhado de ilhas; depois de
alcançada qualquer uma dessas ilhas, dai em diante os aborígines podiam
orientá-los.
Assim, de imediato, parece uma boa solução à dificuldade. Mas, depois,
começam a surgir as dúvidas. A orientação inicial, que teria sido "navegar
em direção nordeste", pressupunha já o conhecimento de que havia ilhas no
meio do mar, naquela direção. Se os barcos, as canoas e até os veleiros se
dirigissem a esmo em qualquer direção, poderia acontecer de passarem por
entre as malhas daquelas ilhas, sem jamais conseguir alcançar nenhuma
delas. Seria uma viagem para qualquer lugar, sem retorno. Naturalmente, o
marinheiro experiente conhece recursos de orientação, mesmo que não haja
terra à vista: detritos levados pelas ondas, troncos de árvores, cadáveres de
animais.Masessesindíciossãoinconstantes e depoucavalia ànoite ounum
mar agitado.
Ouvindo e examinando essas explicações, concluo que os navegadores
pré-históricos, antes de partir , sabiam muito bem qual era seu destino, a
pontode levarasprovisões necessárias. T eriamelesagidoemdecorrência de
conhecimentos acumulados durante séculos, ou teriam sido instruídos por
"deuses" mitológicos?
Quem trouxe as pedras para cá? Quem as colocou na posição certa?
Quem sabia em que direção havia ilhas "invisíveis"? A única certeza nesse
turbilhão de perguntas são as pedras de orientação fustigadas pelo sol, à
nossa frente... e as mitologias da área do Pacífico, todas elas ricas em seres
voadores ou "deuses".
Um dos mitos centrais é o do pássaro Rupe, atribuído aos maoris, mas
que aparece em numerosas variações tambémemoutros povos.
De acordo com uma versão, Hina, irmã de Rupe, casou-se com Tinirau e
foi por ele levadaaumailha distante,ondeeleaengravidou edepois isolou-a numa casa cercada por um "escudo de proteção", que não lhe permitia
deixar a casa, nem que os estranhos se aproximassem dela. Chegada a hora
do parto, não havia ninguém para socorrê-la. Completamente aflita, ela
gritou:
— Rupe! Rupe! V enha me ajudar!

Sob esse monte de pedras estariam os restos mortais de um gigante mitológico. Ao fundo,
companheiros de nossa expedição pelo mato. O senhor de camisa branca é Gil Butler, nosso
gentil piloto.

Uma alucinação? Próximo à praia encontramos um campo commonólitos.
Pouco depois ouviu-se um ruído acima da casa, e o pássaro Rupe
respondeu à sua irmã:
— Hina, estou aqui!.,
O pássaro Rupe só conseguiu chegar à irmã depois de abrir um buraco
no escudo protetor . Após o parto difícil, Hina pediu ao irmão que a levasse
de volta à sua terra mas isso depois de expulsar de lá Tinirau e seus patrícios
Ela mesma voaria por último. Rupe explicou que precisava levantar vôo três
vezes, para poder transportar a todos Os ilhéus se acomodaram sobre ele,
que os levou para longe, lançando-os na água, empleno mar .
Depois dos três vôos, o pássaro voou para buscar Hina e a criancinha.
V oando alto, Hina descobriu lá embaixo cadáveres e roupas de patrícios de
seu marido a balançar sobre as ondas. Ela quis saber por que Rupe tinha
matado aquelas pessoas. Rupe respondeu:
— Eles a maltrataram quando você vivia na terra deles. Trancaram-na e
não a ajudaram na hora do parto. Por isso me enfureci e joguei todos ao
mar
5
.
Que avião de transporte mais estranho esse Rupe!
Quanto a Kiribati, a lenda de T e bongi-ro — "a negra escuridão" — diz
que os celícolas pousaram antes que existissem os seres humanos. Antes de
retornar, deixaram em cada uma das grandes ilhas um ancestral.

Pedras de orientação, partidas em fragmentos pela ação do tempo, erguem-se em
diagonal dentro de uma área delimitada por pedras menores.
O interessante dessa lenda são os nomes dos ancestrais: Baimatoa,
Matinaba, Matiriki e outros mais, todos correspondentes a nomes de estrelas
e de constelações celestes. Seria essa uma das pistas que poderiam levar aos
peritos que erigiram as pedras de navegação?
O antigo templo de T e-Mahara, na ilha de Raivavae, na Polinésia
Francesa, é considerado ainda hoje como lugar de pouso do deus mitológico
Maui, quando este voltou de uma viagem espacial
6
. A informação dos
habitantes primitivos de Atu Ona, uma das ilhas Marquesas, tem conteúdo
semelhante. Lá existe um morro, chamado Kei Ani, que era considerado
como templo, apesar de não haver nenhum vestígio de construção artificial.
Os primitivos polinésios deram a esse morro o nome de Mouna tuatini-etua
— "o morro dos muitos deuses" — ou Mouna tautini-etua, o que significa
literalmente "morro emque os deuses pousaram"
7
.
Não me dá muito prazer comprovar minhas hipóteses com tantos mitos e
lendas do oceano Pacífico. É tão fácil que a idéia chega a se impor por si
mesma. Assim, vou tirar mais uns trunfos de meubaralho:
Nas ilhas da Sociedade, no oceano Pacífico, conta-se o seguinte a
respeito do deus criador T a'aroa:
"T a'aroa estava sentado emsua concha, na escuridão perene.
Aconcha assemelhava-se a umovo que vagueava pelo espaço infinito.
Não existiam nem o céu, nem a terra, nem o mar, nem a lua, nem o sol,
nemas estrelas.
Tudo estava completamente escuro, uma escuridão densa se alastrava*".
No século passado, venerandos sacerdotes fizeram aos etnólogos o
seguinte relato sobre o deus primevo Jo:
"Jo movimentava-se no infinito do universo. O universo estava escuro,
não havia água emlugar algum.
Nenhum sinal de aurora havia, nem claridade, nem luz
8
".
Alenda mais antiga das ilhas Samoa nos diz, a respeito do deus T agaloa:
"O deus T agaloa pairava no vazio, ele que tudo criou, ele só. Antes dele
não havia céu, nem terra, ele estava completamente só, dormindo na
imensidão do espaço. Naqueletempo, não havia nemomar,nem a terra.Seu
nomeera T agaloa-fa'atutupu-nu'u, que significa 'causa do crescimento"
9
.
No Havaí existe o deus trinitário Ku-kau-akahi, presumivelmente
influenciado por missionários cristãos; é umacontração dos deuses Ku, Kane
e Lono. Kane é o criador que fez o homem "à sua semelhança"
9
. Kane,
naturalmente, veio da escuridão do cosmo. As orações dirigidas a ele
enaltecem sua origem e o mundo das estrelas:
"Os astros caminham,
os astros intocáveis,
os astros de Kane se movem,
inumeráveis são esses astros.
Os astros grandes e os astros pequenos,
os astros vermelhos de Kane.
Ó universo infinito!
Alua grande de Kane,
o grande sol de Kane,
ele se movem na imensidão
do universo".

Pedras do tamanho de um homem apontam, como bússolas, para ilhas longínquas.
Algumas jazem no chão, aos pedaços, carcomidas pelas intempéries.
Interrogados sobre suas tradições, os kiribatis, maoris ou outros ilhéus
revelamtotalignorância: nada mais sabemde seus antigosdeuses. Amissões
soterraram, nas ilhas do Pacífico, as culturas antigas, enxertando novas e
proibindo a transmissão oral de memórias "pagas". O que podemos encontrar
ainda são as anotações dos etnólogos que por volta de 1900 registraram
pacientemente o que se lhes contava. O etnólogo Robert Aitken
5
nos
descreve muito bem esse verdadeiro suplício de Sísifo:
"Era deprimente ter que constatar que a maioria das pessoas admitiam
não saber nada a respeito das lendas pré-cristãs. T odos, por assimdizer,eram
capazes de recitar salmos ou longos trechos da Bíblia, mas eram poucos os
que gostavam ou queriam me contar aquilo que deve ter sido do
conhecimento popular antes que a Bíblia fosse introduzida".
Assim desaparecem conhecimentos antigos importantes, triturados na
engrenagem do tempo. É um absurdo que as bombas das loucas guerras
contemporâneas transformem cidades e monumentos em cinzas e entulho.
Mas é um sinal de demência total que fatos importantes do passado de todos
nós sejam simplesmente apagados por mãos bentas que carregam o ramo da
paz. Não posso prová-lo, mas tenho certeza de que as antigas tradições
revelariamtambémnotícias a respeito daspedras deorientação de Arorae,se
tais tradições não tivessem sido"exterminadas". Eagoratemosdiante de nós
cinco pedras erguidas que apontam, por meio de sulcos, para alvos distantes,
enquanto oito monólitos jazem por terra, Jamais descobriremos a técnica
com que os nativos da ilha conseguiram apontar locais por eles
desconhecidos na vasta amplidão daquele mar .
O jovem governo de Kiribati nada faz para conservar as pedras. Apenas
uns poucos anciãos sabem ainda de sua existência, e estes não vivem
eternamente.
Ummistério continua mistério
Ao anoitecer, voltamos aT araua. No "aeroporto" estavam à nossa espera
o padre Hegglin, um conterrâneo suíço, e a dra. Rosina Hässig, que
trabalhava no hospital de T araua a serviço da Organização Mundial da
Saúde. O chá tradicional da época colonial britânica que nos foi servido pela
dra. Hässig refrescou agradavelmente as nossas gargantas ressequidas,
reanimando nossos espíritos. Claro que passei logo a lhe fazer perguntas
acerca do que sabia sobre o legendário círculo mágico, que deveria existir
em T araua do Norte.
— Nunca ouvi falar disso — respondeu ela; mas depois de refletir um
pouco, acrescentou: — Se há alguém que saiba dessas coisas é o nosso
médico-chefe. Ele énatural daqui, cresceu em T araua do Norte e estudou nos
Estados Unidos, voltando depois àsua terra natal.
Sem cerimônias, como é costume nessas terras, ela nos levou ao hospital
para encontrar o médico-chefe. Para não ocupar indevidamente o tempo
dele, dirigi-lhe logo uma pergunta direta.
Ele nos examinou com um olhar benevolente, próprio de médicos-chefes, para diagnosticar o caso:
— Por que querem encontrar o círculo?
— De sua pergunta podemos tirar a conclusão de que esse círculo
mágico existe realmente?
— Sim, o círculo existe. Desde gerações imemoriais pesa sobre ele um
tabu, levando meus patrícios a julgá-lo mortífero para qualquer ser vivo que
nele ouse ingressar . Não se iludam, não é um círculo muito grande; é de
dimensões relativamente pequenas, tendo no centro um retângulo calçado de
pedregulhos. Se quiserem aceitar meu conselho, tratem de não pisar no
retângulo.
Agora já não se tratava de diagnóstico: era como que uma indicação
terapêutica recomendada por um médico experiente que sabia como usar seu
bisturi.
— O senhor é supersticioso? — perguntei, sorrindo.
O médico riu. Não, ele não acreditava em feitiçaria nem em espíritos;
afinal, tudo devia ter a sua explicação científica, mas, até achá-la, não era
recomendável menosprezar as observações registradas por seus patrícios
durante longo tempo, em relação a esse círculo mágico, pois eles haviam
notado que animais que tinham passado pelo círculo acabaram definhando
emconseqüência de doenças misteriosas.
— Tratar-se-ia, por acaso, de radioatividade? — perguntei.
Ele achava que não, uma vez que a radioatividade artificial só passou a
existir após a descoberta de Marie Curie, em 1903, ao passo que aqueles
fenômenos estranhos já eram observados desde tempos imemoriais. O
médico não tinha nenhuma explicação, mas confirmou a existência do
círculo mágico conhecido pelo reverendo Scarborough.
Apesar de os serviços não funcionarem por causa da greve,
continuávamos morando no Hotel Otintai. Não fomos incomodados, e isso
nos convinha, pois assim era mais fácil atingir nossos objetivos, o que seria
difícil se tivéssemos aceitado os reiterados convites de T eeta para nos
mudarmos para a casa de seus pais.
De manhã cedo, às sete horas, nosso anjo negro veio nos buscar . Apesar
da greve, conseguira arranjar um barco e três galões de gasolina, de modo
que podíamos singrar tranqüilamente as águas rumo a T araua do Norte.
Depois de termos viajado uma hora e meia pela laguna, chegamos a uma
ilhota do tamanho de um campo de futebol. T eeta pediu-nos cinco bastilhas
de fumo e fósforo; eu as tinha sempre comigo, a ponto de quase nem
agüentar mais meu próprio cheiro. De início, esperava que o mau cheiro das
bastilhas espantasse os mosquitos, mas estes parecem gostar do cheiro das
oferendas pagas. T eeta lançou esses objetos na água com a mão direita, por
sobre o ombro esquerdo.
— Por que você fez isso? — perguntei. Ele afirmou que nesse lugar
tínhamos que fazer uma oferenda ao espírito do mar para assegurar o nosso
retorno. A fé cristã do filho do pastor não era nem muito arraigada nem
convincente. Comotodos, ele preferia continuar , por motivos de segurança, a
conviver com os espíritos — quando o pastor não estava por perto.
Estávamos a meio caminho quando ele pagou esse tributo ao espírito do mar .
Havia miríades de caranguejos a correr pela praia, em T araua do Norte.
Já'prevenidospor T eeta, consideramosa sua gentil informação, nosentido de
perguntar aos habitantes da ilha pela localização de nosso destino, como
simples ato de cortesia insular . Ficamos à espera. Durante três horas, ficamos
esperando ao sol. Não fosse a recomendação insistente do revê rendo
Scarborough para que não tomássemos banho de mar, certamente teríamos
procurado nos refrescar mergulhando com satisfação na água cristalina.
Alguns ilhéus vieram até nós, com um sorriso amigável nos lábios,
oferecendo-nos gentilmente água de coco.
Foi novamente um furgão T oyota que trouxe T eeta de volta. V eio outra
vez acompanhado de um ancião, que nos mostrou o caminho para o círculo
mágico — uma clareira no matagal tropical, fechada em forma de retângulo
por uma cerca de pedras. Na ponta, fora da área assim delimitada, divisamos
uma grande concha; graças a Deus, não era uma esteia. Fora esse o nosso
primeiro pensamento; depois ficamos num silêncio meditativo.
Nós três começamos a trocar olhares hesitantes. Os comentários sobre a
magia perigosa nos tinham contagiado, tinham-nos tornado meio covardes;
diante dos olhares entre medrosos e curiosos dos ilhéus, no entanto,
devíamos comprovar a nossa coragem. O olhar benévolo de T eeta parecia
pedir-nos numa expressão muda: "Amigos, deixem disso! Não provoquem
os espíritos".
Procuramos orientar-nos. Diante de nós, estendia-se um círculo de
catorze metros de diâmetro, em cujo centro se encontrava um retângulo
delimitado por pequenas pedras, que tinha cinco metros e dez de
comprimento; esse quadrilátero era a única coisa estranha que havia ali:
dentro dele não crescia nada, nem uma plantinha sequer — apesar da
vegetação exuberante que o circundava. Se bem que o retângulo fosse
calçado de cascalho, havia, no entanto, espaço suficiente para que pudesse
crescer alguma erva. No ar de estufa dos trópicos, o roçado aberto num dia
estará coberto pela vegetação no dia seguinte. Realmente, nem mesmo as
palmeiras se inclinavam para dentro da área do tabu. Mas isso poderia ser
simplesmente mera coincidência.
Apesar da advertência do médico de que não esperássemos ver nada de
extraordinário, ficamos decepcionados, Para fazer alguma coisa, passamos
nosso contador Geiger pelo retângulo. Seu ponteiro não se mexia. Quando
Willi arriscou no quadrilátero, foi retido energicamente pela mão de T eeta;
era curioso: afinal, não houvera sequer necessidade de apaziguar algum
espírito maléfico com aquele fumo horrível. Como os olhares ansiosos dos
espectadores seguem, nas quadras de Wimbledon, as jogadas emocionantes
de uma grande decisão de tênis, assim nos fixavamos olhares dos nativos.
Percorremos a área próxima ao círculo mágico, sem achar nada que
merecesse atenção — só havia a mata com sua vegetação abundante. Era
mesmo curioso que essa vegetação se detivesse assim, de repente, diante do
círculo. Existiria algum clã que cuidasse do local, por tradição ou para
ludibriar os outros? Mas por que uma família haveria de dar-se a essa
trabalheira só para se divertir? Naquelas paragens, as pessoas não se
movimentavam nem se mexiam mais do que o estritamente necessário à
própria sobrevivência, por força das condições climáticas reinantes.
Fui ao encontro do ancião para perguntar-lhe se havia algum sacerdote
ou sábio que nos pudesse falar do passado da ilha.
— Eng, eng! — confirmou o velho, levando-nos a um casebre diante do
qual estava sentado um homem gordo, como um Buda. De acordo com a
recomendação recebida, puxei de nossas reservas algumas bastilhas de fumo
e alguns fósforos para que o buda acendesse a oferenda de fumo;
acompanhando os outros, ajoelhamos emtorno dele.
Num inglês gutural que doía aos ouvidos, o buda nos contou que o
círculo que tínhamos visto era habitado pelo espírito mais antigo e mais
poderoso, que não admitia vida alguma perto de si, a ponto de matar até os
pássaros que o sobrevoavam. Havia outras áreas desse tipo na ilha, mas
aquela que tínhamos visto era a área do mais poderoso, de um powerful
spirit*. T odos os que tinham menosprezado as advertências de seu poder,
aventurando-separadentro doquadrilátero, tinham pagocomaprópria vida,
empouco tempo. Eu quis saber dele:
*Espírito poderoso."Em inglês no original. (N do E.)
— Comoacontece isso?
Mas o buda respondeu com astúcia:
— Não o sabemos, ninguémo sabe; o espírito mata com seu poder .
Durante anos andei visitando lugares sagrados de todas as religiões, onde
se realizam milagres. Esses milagres acontecem em Lourdes, em Fátima, no
mosteirode SãoJoãoRotonda,em Guadalupe,emIborra,em todas as partes
do globo terrestre. Deve haver uma causa para as curas milagrosas atestadas
pelos médicos. Predomina a opinião de que a fé, a vontade intensa de ser
curado, provoca o milagre. Existe realmente uma fé positiva que gera
milagres, e só os ateus a podem desprezar como simples superstição. Nesse
momento, eumecolocavaa perguntaseumestímulopsicológicosemelhante
não poderia provocar também efeitos negativos; aquelas pessoas levianas
que ultrapassavam a zona do tabu sofreriam a doença e a morte por estarem
compenetradas, no fundo, dos efeitos perigosos dos círculos mágicos,
ligadas que estão, ainda, à crença em espíritos c deuses. T alvez seja essa a
explicação dos fatos que os ilhéus contam desde tempos imemoriais, e em
que continuama acreditai ainda hoje.
Compartilho a opinião do médico-chefe de que aconteci mentos mágico-misteriosos encontrarão, mais dia menos dia, sua explicação científico-lógica; mas duvido que o raciocínio puramente acadêmico chegue a
esclarecê-lo. A pesquisa que pretende tudo medir, contar e pesar exclui
categoricamente tudo aquilo que é imensurável e imponderável. Existem,
porém, forças que não podem ser alcançadas nem com os instrumentos
científicos mais sofisticados.
Os mais remotos ancestrais dos kiribatis transmitiram — e os
descendentes vivos o confirmam — que o círculo mágico dentro do
quadrilátero demarcado causa a morte. Não consegui descobrir nada de
extraordinário, mas nem por isso tenho a arrogância de afirmar que os ilhéus
são vítimas simplórias de sua crença nos espíritos. Enquanto não pudermos
medir, pesar e contar aquilo que é fora do comum, este será rotulado de
milagre e superstição. Registremos, então, os círculos de pedra de Arorae
como milagres, até que surja uma explicação convincente, mantendo a
reserva cética de Michael Faraday (1791-1867) assim formulada: "Não há
nada maravilhoso demais que não possa ser verdadeiro".
T eeta fez o que eu, como estrangeiro, não me teria atrevido a fazer:
interrompeu a fala infindável do buda loquaz, insistindo na partida. T eeta
queria fazer a viagem de volta pela laguna antes que anoitecesse, para poder
contornar, com o olhar experimentado de prático, os recifes de coral
cortantes que já levaram muitos barcos a soçobrar . Além do mais, há os
tubarões e os polvos, que a essas horas da noite andam à procura de seu
jantar .
De bomgrado seguimosas recomendações de nosso anjo negro, pois não
estávamos interessados em assistir a uma luta entre polvos e nativos: um
homem nada, qual isca viva, em direção dos tentáculos do polvo; no exato
momento em que o polvo começa a envolver a vítima com seus tentáculos
— que são órgãos sensoriais para prender o alimento —, um companheiro
pula na água para matar o polvo com uma mordida entre os olhos dele¹. Não
tivemos oportunidade de assistir a nenhuma dessas lutas bárbaras; dizem,
porém, que elas se realizam, ainda hoje, nas ilhas ao sul de Kiribati, como
competição esportiva. Graças a Deus, não fomos tampouco testemunhas de
uma caça aos tubarões, que são atraídos com iscas de carne, para que os
mergulhadores, munidos de facas afiadas, possam lhes cortar a barriga. Os
ilhéus procuram os órgãos genitais dos tubarões para aumentar sua própria
virilidade. O método de matar peixes menores continua o mesmo de
antigamente: o pescador leva rapidamente o peixe à boca e decepa sua
cabeça com os dentes
10
. Comenta-se que alguns nativos falam ciciando
atualmente porque algum peixe que pescaram foi mais rápido na mordida.
A maré arrastou nosso barco para mais de um quilômetro de distância da
praia. Dez ilhéus entraram na água para vir em nossa ajuda. O sol estava
sumindo qual bola de fogo purpúrea, atrás do horizonte. Com o auxílio dos
ilhéus, conseguimos, empurrando e puxando, levar a embarcação para águas
mais profundas. Em torno de nossos pés e da barriga da perna pululavam
caranguejos; uma sensação nada agradável. No escuro brilhavam as luzes de
Bairiki, refletidas pelas águas da entrada do porto de T araua do Sul. Nas
praias ardiam fogueiras. Nas choupanas tremulavam lamparinas em cascas
de coco. Os namorados se encontravam nos palmeirais. O vento difundia
uma canção irreal por sobre todo aquele paraíso insular . Era noite em
Kiribati.
Balançoda visita a Kiribati
Minha curiosidade ainda não estava completamente saciada; ficara ainda
um ponto em aberto. Dei a carta do reverendo Scarborough a T eeta para que
ele lesse;
"Mencionei as pegadas de gigantes, que seriam vestígios dos deuses que
outrora teriam passado pelas ilhas. Trata-se de impressões perfeitas em
rochas que podem ser encontradas em quase todas as ilhas. O senhor achará
algumas dessas pegadas logo à saída do povoado de Antebuka, no lado da
ilha voltado para o mar; mas há exemplos melhores em outras ilhas.
Andando uns duzentos e setenta e cinco metros de Antebuka em direção ao
próximo grupo de casebres, encontrará as impressões na rocha plana, a uns
quarenta e cinco metros da linha do mar . O senhor poderá pensar que os
próprios ilhéus podem ter talhado as pegadas na pedra; mas, por favor,
pergunte-se a si mesmo: para quê? Com que finalidade? Qual poderia ter
sido o motivo para os ilhéus cinzelarem esse tipo de moldes de pés nas
rochas de dezesseis ilhas espalhadas pelo mar? Considere que, antigamente,
haviapoucas ferramentas disponíveise estas eram feitasde materialbastante
frágil. Creio que essa suposição é absurda. Examine as lendas locais que
afirmamtratar-se de pegadas de deuses que vieram do céu".
O fato de não termos visto até então as pegadas mencionadas pelo
reverendo Scarborough não queria dizer nada, pois não tínhamos perguntado
por elas. Mas ficamos admirados quando T eeta nos olhou sem compreender
de que se tratava, Nosso amigo, porém, já estava possuído da mesma
ansiedade curiosa que nós. Munidos de indicações tão precisas, pusemo-nos,
os quatro, a caminho para procurar as pegadas.
A área delimitada pelas informações da carta era um lugar especialmente
horrível. Pelas descrições feitas até esse ponto, poder-se-ia ter a impressão
de que T araua é um paraíso de beleza perfeita e repleto de cheiros
agradáveis. Mas não podia faltar também o outro lado da moeda..Esse
trecho, a quarenta e cinco metros do mar, era uma única grande cloaca.
Os ilhéus não têm banheiro nos casebres ou ao lado deles. Desde tempos
imemoriais, eles fazemsuas necessidades em certas partes da praia.
Para não serem molestados por polvos e outros espécimes da fauna
marinha enquanto fazem suas necessidades, colocam dentro da água
choupanas sobre palafitas, às quais eles chegam equilibrando-se sobre dois
troncos de palmeiras. Na maré alta, os bêbados de toddy-sour correm o
perigo de cair na água; na maré baixa, podem espatifar-se nas pedras lá
embaixo. Esses banheiros, em forma de choupana, servem até de centros de
comunicação nas ilhas: os kiribatis podem ficar sentados durante horas em
suas traves, conversando e trocando novidades — uma verdadeira
comunidade unida pelo mesmo objetivo. Aqui são todos iguais mesmo, nas
pretensões, nos desejos, na finalidade.
O costume antigo de ir à praia para lançar os detritos humano, ao mar
teve continuidade lógica com a chegada das bênçãos da civilização em
Kiribati: latas de conservas, garrafas de Coca-Cola, embalagens plásticas e
ferramentas fora de uso não decompõem como os dejetos naturais, nem são
levadas pela maré para o grande monturo que é o mar; todos os objeto desse
tipo se consomemaos poucos na praia — se é que se cor; somem.
Era essa, portanto, a paisagem do local das pegadas dos gigantes,
apontado com precisão pelo reverendo Scarborough. Pelas experiências
anteriores, tínhamos que tomar a sério também essa indicação. T alvez
tenhamos feito nossas observações com muita superficialidade, já que não
dispúnhamos de máscaras contra gases e talvez estivéssemos
demasiadamente preocupados com a notícia de que era iminente a
interrupção do transporte aéreo, por causa da greve. O certo é que deixamos
a praia perto do povoado de Antebuka sem termos encontrado as pegadas
dos gigantes.
Logo após o almoço, T eeta reapareceu com um sorriso nos lábios; tinha
aproveitado a hora do descanso para fazer levantamentos. Ele nos disse que
deveríamos ir ao povoado de Banreaba, onde havia as pegadas que
estávamos procurando, no terreno de uma parente. O logradouro se chamava
T e Aba-n-Anti— "Lugar dosEspíritos" —, mastinha também onomede T e
Kananrabo — "Lugar Sagrado".
Essa informação nos levou, realmente, a pegadas de diversos tamanhos.
Haviaumpé dedimensõesincríveis, cuja impressãomediaummetro etrinta
c sete centímetros do calcanhar à ponta dos dedos, com um metro e catorze
centímetros de largura, calcado na rocha plana como lembrete de tempos
pré-históricos. Um pé esquerdo mostrava doze dedos e, do meio do relevo,
uma palmeira galgava o céu. Estranho. Em torno do pai gigantesco, com seu
pé enorme,parecia havertodoumclãagregado depésde tamanhomenor, de
tamanho comum e até de tamanho infantil. A maior parte das impressões
revelava seis dedos em cada pé, talhados no chão com no mínimo um
centímetro de profundidade.
Na biblioteca achei o opúsculo The footprints of T arawa¹¹, editado pela
Polynesian Society ,comnotas interessantes sobre o pé do gigante: segundo a
lenda, a pegada provinha do gigante T abuariki, que teria sido tão alto que
podia colher os cocos das palmeiras sem precisar esticar-se. Ele tem seu
lugar na lenda T e-Bongi-Ro — "a negra escuridão". De acordo com essa
lenda, ele fazia parte da segunda tripulação de celícolas que aterrissaram
primeiro na ilha de Banaba. E a palmeira, de onde provinha? Nos anos 40
deste século, houve um missionário que plantou a palmeira para que
cobrisse, literalmente, as lendas pagas sobre o gigante T abuariki — um
método suave de cristianização botânica.
Nesse opúsculo cuidadosamente documentado, mencionam-se diversos
lugares em que são encontradas as pegadas dos gigantes. Eu tinha muita
vontade de vê-las, mas sem barco c sem avião, esses locais são inatingíveis.
Até mesmo objetivos relativamente próximos tornaram-se distantes como a
lua, devido a greve. Assim, tivemos que contentar-nos com as pegadas
achadas em Banreaba.

Na periferia da aldeia de Banreaba, encontramos pegadas de tempos primevos — umas
gigantescas, outras de tamanho normal. A maior parte apresenta seis dedos em cada pé.

Kiribati é habitada pelo menos há três mil anos, de acordo com os dados
mais recentes da pesquisa. Três mil anos c muito tempo, quando não existe
tradição escrita. Por isso, foi bom que os "deuses" confiassem seus vestígios
de modo indelével à rocha, que poderá testemunhar sua existência até os
tempos mais distantes.
Surge, naturalmente, a pergunta sobre o que poderia ter ocasionado esse
tipo de pegada na pedra. Emprimeiro lugar, imagina-se que elas tenhamsido
cinzeladas. Os exemplares que vimos na ilha, e que fotografamos, não
davam essa impressão: as curvaturas dos calcanhares e dos dedos têm um
aspecto muito natural. Não se pode admitir a possibilidade do afundamento
dos pés na pedra, como decorrência do peso do corpo. Quantas toneladas
deveria, neste caso, sustentar a sola dos pés! Mais fácil seria pensar na idéia
igualmente absurda de tratar-se pelos pés imortalizados do trem de pouso de
uma nave de ligação. Mais razoável parece ser a suposição que faz remontar
as impressões ao tempo cm que a rocha era ainda maleável e quente — ou
em que, pelo menos, não existia na forma em que existe atualmente. Os pés
descalços poderiam ter pisado numa camada de fina cinza vulcânica, que
poderia ter se transformado, sob as influências atmosféricas, em. tufo,
conservando assim as pegadas. Pegadas de pés em terreno argiloso também
podem ressecar nos contornos, para depois ficarem petrificadas no decorrer
de séculos. Não sei como poderá surgir uma explicação cientificamente
convincente para essas pegadas de gigantes que existem em muitos pontos
da T erra, anão ser que se admita a visita de seres extraterrestres.
Despedidade Kiribati
Soubemos por meio de Gil Butler que na manhã seguinte partiria um
avião da Air Nauru com destino a Nauru, talvez o último por algum tempo,
já que a greve atrapalhava cada vez mais os vôos programados. Bem que
teríamos gostado de acrescentar mais alguns dias àquela semana
emocionante; já influenciados pela mentalidade generosa dos ilhéus em
relação ao tempo, quase resolvemos ficar mais um pouco. Mas, na véspera
do vôo, despertou em nós novamente o senso ocidental dos prazos. Tristes,
sentamo-nos para jantar como se fosse a última refeição de condenados. Em
pensamento, avaliávamos o proveito auferido por essa longa viagem.
Tínhamos visto uma das sepulturas de gigantes que o reverendo
Scarborough nos tinha anunciado, com um círculo mágico. Sabíamos, agora,
que estes testemunhos de um passado distante existiam realmente,
permanecendo um tabu mesmo para os ilhéus de hoje, que se confessam
todos, sem exceção, adeptos das religiões importadas. Não conseguimos
descobrir a causa do medo que o círculo mágico lhes inspirava. Havia
também as pedras de navegação, cujos alvos pudemos verificar por meio do
mapa e da bússola. Até quando testemunharão, mudas, os conhecimentos da
navegação primeva? Expostas às intempéries, seu mistério petrificado
acabará um dia desfeito no pó. Existem, igualmente, as pegadas gigantes. O
reverendo Scarborough, que passara três anos e meio nessas ilhas, tinha nos
indicado fatos reais.
Provas de primeiro naipe, para confirmar a existência de seres
extraterrestres no passado, são as lendas de transmissão oral: Nareau, que
voou dormindo pelo universo até ser despertado por um chamado; o pássaro
Rupe,queapareceucommuitoruídopara evacuar os habitantes deuma ilha;
nomes de seres adorados que vieram do espaço, nomes que são sinônimos
dos deuses primitivos.
Na hora da despedida, apareceu também Bwere, trazendo saudações da
mãe alegre e gentil de T eeta; ele sorriu comcomplacência:
— Em poucos dias, vocês chegaram a ver lugares misteriosos de nossas
ilhas que eu mesmo nunca tinha visto em toda a minha vida de trinta e cinco
anos. Conseguiram bastante, mas eu não os invejo, não gostaria de ser
europeu. Quando é que vocês têm paz, quando é que têm tempo de olhar
para si mesmos? De onde tiram toda essa energia para uma vida tão agitada?
V ocês alcançamrealmente seus objetivos, mas não têmtempo para viver!
A beira da pista de rolamento, dominado pelo ruído dos motores, não
tinha condições de explicar a Bwere o que me estimula e impele e de onde
eu tiro minha energia. E um peso que não me deixa nem durante o sono, a
vontade de descobrir os vestígios deixados pelos "deuses", seja lá onde for
que eles se encontrem.
T eeta, nosso anjo negro, mantinha-se um pouco afastado. Seus olhos
escuros me fixaramcomamizade, quando me perguntou:
— Eles voltarão, os antigos deuses?
— V oltarão, sim, T eeta, com toda a certeza!
Abaixo de nós, no oceano, flutuava T araua como paraíso perdido.
2
Por um motivoqualquer
Que época triste, em que é mais fácil destruir um átomo do que um
preconceito.
Albert Einstein (1879-1955)
Stonehenge e Rollright no posto de teste — Maravilhas do período
neolítico — Pedras enormes apresentam uma astronomia perfeita —
Problemas de transporte há cinco mil anos — Os r esultados de computador
— De onde os homens da Idade da Pedra tiraram seus conhecimentos? —
O mago Merlin e a Távola Redonda do r ei Artur — Perguntas a
testemunhas mudas — As pedras e sua vida interior — O que Moisés r elata
sobre o sonho de Jacó — Os profetas e suas pedras sagradas -— Enigma
sem solução.
As hanging stones, as "pedras suspensas" de Stonehenge, no condado de
Salisbury , na Inglaterra, dividem as múltiplas opiniões a respeito de sua
origeme de seu significado. Pensei que já se tivesse escrito quase tudo a esse
respeito, mas as pesquisas científicas dos últimos anos sobre Stonehenge e
outros estranhos monumentos de pedra fazem que essas enormes pedras
mortas provoquem um renovado interesse. Parece que elas mesmas voltam
de quando em vez para pedir a palavra. Como há tantas novidades
fascinantes, sinto-me desafiado pelas pedras, de modo que não consigo
arquivá-las.
T odo turista que visita a Inglaterra deveria almejar um encontro com
essas testemunhas de tempos pré-históricos. Não precisa procurar muito.
Espalhados pela Irlanda, Escócia e Inglaterra, existem mais de novecentos
círculos de pedra dignos de menção. Essa viagem ao passado constitui um
puro prazer através de boas estradas — contanto que se disponha de tempo
para adaptação ao tráfego pela mãoesquerda. Longos trechos dessas estradas
cortamamplas paisagens de parques.
Mas o passeio se transforma em aventura ao penetrar-se no mundo
estranho dos grandes blocos de pedra, os megálitos, que nos estimulam a
remontar ao tempo do surgimento das construções misteriosas. Em pouco
tempo, fica-se perdido num labirinto de interrogações: o que esses colossos
de pedra têm a dizer? Poderiamter algumaimportância para nós?
Apresento-lhes a seguir um catálogo, uma pequena seleção de locais que
vale apena visitar:
ESCÓCIA
— Os círculos de pedras de Brodgar e Stenness encontram-se na
principal das ilhas Órcades, uns dezesseis quilômetros a oeste da cidade de
Kirkwall.
— Os círculos de pedras de Garynahine, Cnoc Fillibhir e Callanish ficam
na ilha Lewis, nas Hébridas exteriores, a noroeste da costa escocesa, uns
vinte e dois quilômetros aoeste de Stornoway .
— Os círculos de pedras de Cullerlie e Sunhoney encontram-se vinte e
um quilômetros a oeste deAberdeen, na estrada B/9119, artéria secundária
da A/944, que leva de Aberdeen a Alford.
— O círculo de pedras de Old Keig fica somente a cinco quilômetros de
Alford.
— Os círculos de pedras de Balquhain e Lonhead of Daviot ficamvinte e
seis quilômetros a noroeste, cinco quilômetros depois do povoado de
Inverurie — à direita e à esquerda da A/96.
— O círculo de pedras de T emple Wood fica mil e seiscentos metros ao
sul de Kilmartin, numapequena artéria que sai da A/816.
IRLANDA
— O círculo de pedras de New Grange fica quarenta e dois quilômetros
ao nortede Dublin,cinco quilô metros alestede Slane,à beira daestradaque
vai a Drogheda.
— O círculo de pedras de Lios encontra-se dezenove quilômetros ao sul
de Limerick, cinco quilômetros ao norte do povoado de Bruff.
INGLATERRA
— O círculo de pedras de Swinside fica oito quilômetros ao norte de
Millom, na costa noroeste.
— O círculo de pedras de Carles-Castlerigg encontra-se mil e seiscentos
metros ao sudoeste de Penzance, no sudoeste da Inglaterra.
— O círculo de pedras de Stanton Drew fica onze quilômetros ao sul de
Bristol.
— Os grandes círculos de pedras de A vebury ficam dez quilômetros a
oeste de Marlborough — dentro do povoado de A vebury .
— O círculo de pedras de Rollright encontra-se ao norte de Oxford, uns
três quilômetros a noroeste do povoado de Chipping Norton.
— O círculo de pedras de Stonehenge, muito comentado e descrito, fica
ao norte de Salisbury , três quilômetros a oeste de Amesbury , logo após a
bifurcação da A/303 e da A/344, mantendo-se sempre na bem-sinalizada
A/344.
São esses os quinze monumentos megalíticos mais conhecidos. As
minhas considerações sobre Rollright e Stonehenge valem para os outros
novecentos locais, pois em Rollright e em Stonehenge foram feitas as
fascinantes descobertas cujas conclusões se aplicam também aos outros
centros megalíticos.
A névoa e as sombras de um passado de cinco mil anos cobrem
Stonehenge. Pelo menosquantoà datação,há umconsenso geraldosperitos:
a primeira fase da construção deve ter começado após 2800 a.C, no
Neolítico, o terceiro período da história da humanidade, que começa no
sexto milênio antes de Cristo. Nessa época, ainda não se erguera a grande
pirâmide de Quéops, no Egito, nem a esfinge se elevava em Gizé.
Coisas geniaisdo Neolítico
Segundo a assim chamada doutrina aceita, deve ter havido algum
arquiteto que começou sua obra naquela época. Pode-se presumir que ele
não tenha iniciado seu trabalho sem que a obra lhe fosse encomendada, pois
a construção era gigantesca demais. Quem deu, então, as ordens para a
construção: sacerdotes neolíticos ou algum mandatário poderoso? Não é
possível sabê-lo, umavez que, naquela época, ainda não havia escrita — fato
que deve ter atrapalhado muito o planejamento. O arquiteto genial que, num
dia qualquer, deu início à obra podia valer-se, certamente — a julgar pelos
fatos petrificados —, de dados tirados da observação secular do sol, da lua e
das estrelas. Muitas gerações devem ter marcado no chão as luzes e as
sombras do nascer e do pôr-do-sol, estudando as fases da lua e os
acontecimentos do firmamento. Nunca saberemos qual foi a maneira de
transmitir esses dados astronômicos, pois a escrita, como já tivemos
oportunidade de mencionar, não existia naquela época. Sabemos apenas que
o arquiteto da horaH deStonehenge devia terà sua disposiçãoesseconjunto
de dados seguros. Além disso, é certo que grande quantidade de dados
precisos foi acumulada em longas observações, sem o auxílio de qualquer
recurso técnico. Ao menos, é o que se afirma.
Baseado nesses conhecimentos tradicionais, de posse da encomenda de
um monumento de dimensões ilimitadas, o arquiteto começou a examinar os
utensílios de seu pessoal — instrumentos de trabalho feitos de pederneiras,
ossos e madeira —, chegando à conclusão de que sua tarefa de construir um
templo para a observação do céu viria a ser uma obra que levaria milênios
para ser concluída. Confiou, portanto, no trabalho de gerações futuras, que
continuariam o projeto iniciado com imponência, já que a precisão visada
não admitia coisas malfeitas. É admirável essa perspicácia neolítica, essa
confiança no futuro! Na primeira etapa da construção, ergueram uma cerca
circular , comuma entradaformada por dois grandesblocosdepedra e com a
assim chamada pedra de calcanhar — heelstone — fora do círculo. Depois,
colocaram dentro do círculo de pedras um outro círculo, com cinqüenta e
seis buracos, nos quais parecem ter fincado varas para apontar certas linhas
visadas. Esse círculo interno devia possibilitar a previsão exata do
movimento dos astros, como, por exemplo, o pôr-do-sol no solstício de
inverno ou o nascer da lua no solstício de verão.
Para que se pudesse atuar com segurança entre os pontos
matematicamente estabelecidos, a direção da construção procurou o Instituto
Internacional de Pesos e Medidas, para obter dele o "côvado megalítico" de
82,9 centímetros de comprimento, que se tornou a medida padronizada por
milênios.
O primeiro arquiteto não era apenas um matemático c astrônomo genial,
mas também um grande vidente: planejou a utilização de enormes pedras de
quatro toneladas e meia! Essas "pedras azuis" — assim chamadas por sua
coloraçãoprincipalmente emtempodechuva— foramtransportadasde uma
distância de quatrocentos quilômetros, setecentos anos depois do início da
construção. Um feito considerável: elas já estavam previstas no plano
original da obra.
Estudando pela primeira vez a fundo essas construções estranhas,
pergunto-me, ao fazer minhas anotações: como os primeiros construtores de
Stonehenge tiveram acesso aos conhecimentos acumulados do passado, se
não havia escrita, de acordo com a opinião unânime dos arqueólogos? Fico
pensando corno foi possível, no modelo primitivo de Stonehenge, a
aplicação do teorema de Pitágoras, que viveu por volta de 570 a.C, portanto,
dois mil anos depois do início da obra. Não consigo compreender. O que
surgiu primeiro: o ovo ou a galinha?
Corno começou e o quese sabe
O rei Jaime I (1603-1625) não se contentou em andar tropeçando nas
pedras espalhadas de Stonehenge: ele quis saber também o que era aquilo
que ele vira lá no planalto, perto de Salisbury . Como os reis podiam ainda
agir sem tutela parlamentar, Jaime incumbiu imediatamente seu arquiteto
real e cenógrafo da moda, Inigo Jones (1573-1652), da missão de investigar
a fundo o mistério.
Os círculos de pedras de A vebury .

O especialista Jones ficou impressionado pelas construções imemoriais.
Pelos registros feitos por ele, havia uns trinta blocos de cerca de vinte e
cinco toneladas cada um, com uma altura de quatro metros e trinta
centímetros, formando uni círculo, embora alguns tivessem tombado. Nas
pedras ele pôde observar a entalhadura de malhetes que tinham seu
correspondente em outras pedras. Jones fez um esboço do círculo de
monólitos, com cinco trílitos de arenito silicioso de cor pardo-amarelada e
comamonumental pedra tosca de calcanhar que fica fora do anel.
E o que foi que Inigo Jones relatou ao rei? Que se tratava das ruínas de
umtemplo romano.
Passados alguns anos após essa pesquisa, um trílito despencou — duas
pedras em posição vertical, com uma pedra transversal no topo — sobre a
assimchamada pedra de ara.

Os trílitos de Stonehenge.
Em 3 de janeiro de 1779, "foi ao chão outro dos portais de pedra"¹. O
tempo ia destruindo aos poucos os monumentos de Stonehenge.
Parece que os reis mostravam mais interesse por nosso passado
misterioso do que os poderosos de nossa época, que nem conseguem dar
conta do presente, quanto menos do futuro. O rei da Inglaterra, Carlos II
(1660-1685), mandou para Stonehenge John Aubrey , um perito em
arqueologia que, trinta anos antes, tinha estudado os círculos de pedra de
A vebury . Em 1678, Aubrey descobriu os cinqüenta e seis buracos que
passaramaser chamados de "buracos de Aubrey".
O que Aubrey disse em seu relatório ao rei? — A idéia do templo
romano era tolice; tratava-se, realmente, de um antigo centro religioso dos
druidas.
Dos druidas (em irlandês: "muito sábios")?
Aubrey explicou que esses sacerdotes dos celtas dispunham de
conhecimentos secretos e que eles estavam muito à frente de seus
contemporâneos em matéria de astronomia, podendo ser considerados, sem
favor algum, como construtores dos monumentos em questão. Não houve
objeções. Desde então, começou-se a considerar Stonehenge como templo
druídico. Ainda hoje os membros da Ordem dos Druidas reúnem-se no
solstício de verão, em Stonehenge, para celebrar com cânticos o sol, que
nasce precisamente por sobre a pedra de calcanhar, olhando-se do centro da
pedra de ara para o levante.
Passados quase duzentos anos, em 1901, Sir Joseph Norman Lockyer
(1836-1920) foi quem, como astrônomo, primeiro se dedicou a fundo aos
estudos dosfenômenosde Stonehenge comotestemunhos dapré-história. Ao
lado de Lockyer, havia um grande especialista nesta matéria: o diretor do
observatório solar de South Kensington, um dos pioneiros da astrofísica,
descobridor do hélio, elemento até então desconhecido na T erra.
Os estudos astronômicos de Lockyer fizeram que ele datasse a
construção de 1860 a.C. — admitindo uma margem de erro de mais ou
menos dois séculos. Mais duzentos, menos duzentos anos, não importa: essa
data ia bem além da era céltica. Os celtas só apareceram comprovadamente
no século VI a.C. Desfez-se, portanto, a lenda do templo druídico.
As investigações sobre Stonehenge se multiplicaram em nosso século.
Foram encontrados machados de pederneira e martelos de arenito,
suscitando-se discussões sobre a origem de tais objetos. Num raio de trinta
quilômetros, não faltavam pedreiras de arenito, mas não havia nenhum veio
de pederneira por ali. No entanto, os objetos de pederneira encontravam-se
amplamente espalhados por Stonehenge.
Por ordemdo Serviço Real de Agrimensura, em 1923. um certo dr . Thom
começou a pesquisar a origem desse tipo de pedra. Ele achou um pequeno
veio de pederneira nas montanhas de Prescelly , no condado de
Pembrokeshire, no sul do País de Gales. Mas sua descoberta apresentava um
problema: a distância que medeia entre as montanhas de Prescelly e
Stonehenge éde trezentos e oitenta e cinco quilômetros.
Quem quiser aceitar Prescelly como lugar de origem das pedras terá de
explicar como foram transportadas até Stonehenge, há cinco mil anos. Num
conchavo cordial e pacífico, os arqueólogos chegaram a um acordo do tipo
daquele que se oferece sempre como última saída: os blocos monumentais
teriam sido puxados sobre trenós, das montanhas de Prescelly até o rio, e
depois embarcados em navios com o auxílio de balsas. T erminada a viagem
por mar, sugere o professor Atkinson, do Departamento de Arqueologia da
Universidade de Cardiff, de vem ter transladado as pederneiras para barcos,
"formados por diversas pirogas justapostas que, numa plataforma comum,
agüentaram o carregamento das rochas"²
Em1954 fizeramumteste: três barcaças de pontão amarradas, comvigas
na superfície, formavam a plataforma em que se prenderam blocos de
pederneira de tamanho e peso similares aos de Stonehenge. Quatro jovens
empurraram a carga rio acima e outros catorze puxaram os blocos num trenó
sobre rolos toscos até o alto da vertente.
O mistério estava desvendado. Estava mesmo?
Admitindo que os homens da Idade da Pedra usassem recursos de que
não podiam dispor, está tudo resolvido. No entanto, até mesmo a segunda
fase da construção, por volta de 2 100 a.C, ainda fazia parte do período
Neolítico. Como se pode pressupor, levianamente ou por engano, que havia
ferramentas e oficinas especializadas, como estaleiros que construíssem
modelos específicos para a finalidade desejada? Cordoarias que preparassem
cabos para cargas pesadas? Guindastes, por mais simples que fossem, para o
carregamento... e, finalmente, uma organização de transportes com toda uma
equipe de chefes, carregadores e balseiros experimentados? São muitos
pressupostos para preencher as condições necessárias!
Se alguém objetar que os ilhéus já tinham saído, em 2 100 a.C, do
Neolítico, será necessário esclarecer o seguinte: tem-se como certo que as
"pedras azuis" já estavam lá antes de começar a segunda fase da construção;
portanto, antes que se levantasse a cerca de arenito. Só resta a conclusão de
que os homens do Neolítico dispunham de mais capacidade técnica do que a
pesquisa lhes concede.
Essa contradição escapou ao professor Atkinson, que confessa: "Nunca
saberemos precisamente como as pedras foram transportadas"² Eis a palavra
sincera de um acadêmico. Obrigado!
Computadores controlamosdados da Idade daPedra
A revista científica Nature publicou, em 26 de outubro de 1°63, uma
contribuição do astrônomo Gerald Hawkins, do Smithsonian Astrophysical
Observatory ,de Massachusetts.
Hawkins afirmou que Stonehenge tinha sido, com certeza, um
observatório astronômico — vinte e quatro construções de orientação e
pontos de visão revelariam sua natureza astronômica. Em seu livro
Stonehenge decoded³ Hawkins apresentou as provas dessa afirmação.
Hawkins queria saber se os cinqüenta e seis buracos de Aubrey estavam
ligados entre si por linhas retas e se essa vinculação existia também em
relação àpedradecalcanhar,às pedrasazuis eaostrílitos. Ele fez oque hoje
em dia se costuma fazer quando se tem um leque de soluções possíveis:
colocounocomputadorsete milcentoequarentalinhas de ligaçãopossíveis,
fazendo que ele calculasseafreqüênciadasconexõesde determinadas linhas
com o movimento dos astros, para verificar se essa freqüência era maior do
que um simples acaso poderia explicar .
Os resultados foram surpreendentes! Stonehenge se revelou um
verdadeiro observatório astronômico, capaz de predeterminar uma série de
dados astronômicos. Os astrônomos da Idade da Pedra sabiam, por exemplo,
que a Lua oscila em precisamente 18,61 anos entre seu ponto mais
setentrional e o mais meridional; olhando do centro do círculo, eles podiam
observar o nascer do Sol por sobre a pedra de calcanhar, no solstício de
verão; eles podiam precisar antecipadamente os eclipses do Sol e da Lua,
bem como o nascer do Sol no solstício de inverno e o nascer da Lua nos
solstícios de inverno e verão.
Naturalmente, afirmações revolucionárias desse tipo não podiam ficar
semcontestação. Afinal, ondeiríamos parar? O professor Atkinson,o "papa"
dos arqueólogos deStonehenge,zombou, narevista Antiquity
4
do"luar sobre
Stonehenge". Sua visão do mundo estava se desfazendo empedaços. Comoc
que esses seres da Idade da Pedra podiam ou ousavam fixar em "seu"
Stonehenge conhecimentos tão precisos e complicados? Hawkins e Atkinson
subiram ao ringue, mas, no final, não houve vencedor nem vencido:
sondaram as chances um do outro e entraram num acordo. Mesmo após a
intervenção de Sir Fred Hoyle, comseu estilo elegante, nas Especulações em
torno de Stonehenge
5
, e após umas correções nos resultados do computador,
restou a constatação: Stonehenge tinha sido um observatório neolítico que
fornecia excelentes dados astronômicos
O professor inglês Alexander Thom recorreu também aos serviços deum
computador para investigar centenas de monumentos de pedras da França e
Inglaterra. Ele forneceu ao cérebro eletrônico, rápido e objetivo, as medidas
de círculos e os traçados marcados por megálitos, para saber de eventuais
pontos de referência do céu estrelado.
Os resultados não admitem mais nenhuma dúvida: mais de seiscentos
monumentos pesquisados dispõem claramente de coordenadas astronômicas.
As pedras estavam começando a falar , revelando que seus antigos
construtores nãomiravamapenas o sole a lua, comotambémobservavam as
trajetórias de muitos astros fixos, como as estrelas Capela, Castor , Pólux,
V ega, Antares, Altair,Deneb
6
.
Foi também o professor Thom quem descobriu a medida-padrão usada
pelos construtores de todos esses monumentos. Thom a chamou de "côvado
megalítico", equivalente a 82,9 cm, A partir desses dados, Felix R. Paturi
concluiu o seguinte
7
:
"A concordância quase incrível das medidas na Escócia, no País de
Gales, na Prússia Ocidental e na Bretanha, e as pequenos diferenças de
milímetros apenas levam a uma conclusão muito interessante; deve ter
existido em algum ponto da Europa, há uns quatro mil anos, uma espécie de
instituto central de pesos e medidas, que fornecia varas de medida para as
diversas partes do continente. Se as várias comunidades tivessem recebido a
medida dos povoados vizinhos e não da própria central, haveria certamente
divergências maiores de comprimento."
O geólogo e mineralogista Vladimir Ivanovich A vinski, da União
Soviética, tem a oferecer dados fantásticos. Entrevistado pela agência TASS
8
revelou que sua equipe tinha reconhecido, na forma geométrica dos cinco
trílitos, das trinta pedrasdo círculo edoscinqüenta e seis bura cosde Aubrey ,
em Stonehenge, um pentagrama que indica o tamanho dos cinco planetas
mais próximos da T erra. A vinski afirma que a relação dos tamanhos de
Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno não difere em mais de um por
cento dos dados de que dispomos hoje em dia. Então? Surge naturalmente a
pergunta: como os homens da Idade da Pedra foram capazes de realizar esse
tipo de cálculo semos telescópios de precisão que utilizamos hoje?
A vançandoemterreno desconhecido
A astronomia é um dos ramos mais antigos da ciência, enquanto a
arqueoastronomia constitui um de seus ramos mais recentes, com poucos
anos de existência. É uma ciência interdisciplinar: ela combina as técnicas e
a experiência da arqueologia moderna com a segurança dos números da
astronomia prática. Umas poucas dúzias de pesquisadores se, dedicam a ela,
desenvolvendo-a desde os fundamentos
9
, mas entre eles já há renomados
especialistas, como os astrônomos Gerald Hawkins, Alexander Thom,
Anthony A veni, o físico John A. Eddy e o pioneiro Edwin C. Krupp, diretor
do Observatório Griffith, de Los Angeles.
Eu gosto desse novo ramo da ciência. Ele me parece ser uma prova de
que os autores que, como eu, preparam a T erra para a realidade fantástica
não podem estar tão enganados em suas teses. Afinal, aquilo que fora
tachadode ilusórioe dearrojadoconseguiu reunirarqueólogose astrônomos
emtorno de umamesa.
A minha satisfação com a arqueoastronomia não se abala nem com a
aparente hostilidade que seus representantes nos devotam. Sou bastante
sensato para compreender a necessidade que eles sentem de se distanciar de
um Immanuel V elikovsky ou de um Däniken, para não perder a boa
reputação no meio dos semideuses e infalíveis acadêmicos para os quais
autores como eu não passam de especuladores fantasistas. No entanto, os
próprios arqueoastrônomos precisam delimitar seu terreno por meio de
especulações e hipóteses — como nós também —, e precisam procurar as
provas para suas suposições — o que nós próprios fazemos.
Quando se ousa apresentar alguma novidade ao grande público, não se
deve ter melindres; há que aceitar os ataques, mesmo que doam e
machuquem. T odos os ataques, porém, deveriam partir de objetivos corretos.
A jovem ciência em questão não parece disposta a aceitar essa premissa.
Edwin C. Krupp, por exemplo, faz um jogo de cartas marcadas. Ele afirma
que estou falsificando minhas informações. Assim, diz o sr . Krupp que eu
afirmei que extraterrestres construíram pistas no planalto de Nasça. Apesar
de Krupp recorrer a citações, não é possível que ele tenha lido os meus
livros... ou é ele quem está falsificando. Meus leitores sabem muito bem que
eu nunca apresentei tal explicação; a minha proposta situava-se num sentido
muitomaislógico. Certamente,ojogo sujonãoéumaboaapresentaçãopara
uma jovem ciência. Não me parecem ser as maneiras finas da academia.V ai
ter que aprender ainda o que seja honestidade; mas, afinal, é uma ciência tão
nova ainda!...
É uma tarefa interessante descobrir no material arqueológico que tenha
um presumível nexo com a astronomia a maneira como os nossos ancestrais
conseguiram acumular conhecimentos tão assombrosos. Para alcançar esse
objetivo, umaciência jovem deveria revelar certa dosedecoragem.Ela pode
avançar sem o uso de antolhos, deixando de lado o lastro tradicional que
imobiliza as cátedras. Ela poderia e deveria aceitar em suas investigações
também idéias independentes. Por isso, olho com surpresa a programação da
arqueoastronomia, onde não se inclui a possibilidade da visita de seres
extraterrestres. Seria uma simples questão de prudência que se considerasse
também essa possibilidade, ao lado de outras, para que, um dia, os fatos não
venham a apanhá-los de surpresa. Edwin C. Krupp possivelmente deixaria,
então, de escrever frases tão desencontradas como esta: "Revela-se, no
projetoprimitivo, um conhecimentoastronômicosurpreendente" ''. Ele mexe
e remexe nos mistérios de Stonehenge, mas não consegue passar de uma
atitude de pasmo.
Por ummotivoqualquer
O professor Alexander Thom e seu filho do mesmo nome, ambos
grandes conhecedores de Stonehenge, são bem mais sinceros quando
admitem: "É difícil imaginar como os construtores do templo megalítico
puderam projetar e executar seus monumentos sem recursos astronômicos;
mas eles o conseguiram com precisão... Os construtores megalíticos fizeram
experimentos de geometria e estabeleceram regras. Não sabemos que
relações havia entre estas idéias e suas outras instituições, mas, por qualquer
motivo, atribuíram aos princípios matemáticos que tinham descoberto tanta
importância que resolveram confiá-los à pedra".
É esse o ponto crucial. A meu ver, Stonehenge representa um exemplo
verdadeiramente clássico da necessidade de se ponderar a possibilidade da
visita de seres extraterrestres.
Onde estão eles, os predecessores das construções de Stonehenge c de
Rollright? Hoje, deduz-se tudo da teoria da evolução, que ocupa um lugar
quase inviolável. Portanto, deve ter havido antecessores dos construtores
megalíticos que tenham juntado — na seqüência das gerações — pedacinho
por pedacinho de saber, aumentando os conhecimentos e passando-os
adiante. Onde estão eles, esses macacos a subir a escada rumo à sabedoria?
Eles não existiram. Os arquitetos do megalítico partiram do nada, e em
pouco tempo conseguiram dispor de todos os conhecimentos matemáticos e
astronômicos necessários; eles dispunham até de uma medida-padrão. Desde
o início, eles tinham excelentes conhecimentos dos materiais, sem nunca
terem freqüentado qualquer curso de aperfeiçoamento; assim, eles eram
capazes de trazer, com muitas dificuldades, um certo tipo de pedra que só
existia numa região distante. T eriam essas pedras certas características
visadas?
Explicações desse tipo se parecem mais com o início de uma história da
carochinha!
Leio então que, por volta de 2800 a.C, a parte setentrional da Europa
10
era mais seca e mais quente do que hoje, que grandes áreas da Inglaterra
estavam cobertas de matas espessas, onde pastavam rebanhos de gado, e era
traça a densidade populacional, responsável pela riqueza considerável dos
criadores.
Essa pequena tabuada econômica e comercial não confere Supõe-se uma
densidade populacional de duas pessoas por quilômetro quadrado, em 2500
a.C, não se registrando a existência de aldeias ou cidades. Quem poderia
consumir , então, toda essa carne produzida, se não havia compradores no
mercado?
V amos com calma! O conto de fada econômico tem até a sua piada: a
riqueza teria proporcionado aos criadores de gado muitas horas de lazer,
utilizadas para gerar idéias criativas para a luta de sobrevivência. "Portanto,
podemos julgar esses criadores capazes de criar a idéia de Stonehenge,
mesmoque sua vida tenha transcorrido de modo uniforme e primitivo."
A ociosidade como mãe da sabedoria! Realmente, chegar à conclusão de
que a cultura do dolce far niente dos pecuaristas se tenha manifestado em
grandes feitos da memória, não em produtos materiais, é demais! Eis o
coelho saltando da cartola — precisamos da memória para salvar o
espetáculo! Naturalmente, que outra saída haveria, já que os homens da
Idade da Pedra não sabiam nem ler nem escrever? Como por encanto.
Stonehenge se torna — mágicos de todo o mundo, uni-vos! — O produto de
umanova cultura, a assimchamada "cultura imemorial". Caramba!
Os criadores de gado e os agricultores aravam suas terra com pedras
pontiagudas ou chifres de veados, enquanto eram governados, eles e seus
clãs, por reis que, sozinhos ou assistidos por sacerdotes hábeis, controlavam
suas vidas. Até que, um belo dia, mandaram suspender o trabalho tão
rendoso para cobrir as ilhas britânicas de círculos de pedra do tipo
Stonehenge.
Por quê? Por um motivo qualquer . Uma das razões aduzidas mais tolas é
a que diz que os sacerdotes teriam exigido a construção para poderem,
finalmente, prever as estações, calcular as marés altas e de sizígia e
prognosticar os eclipses do Sol e da Lua, Portanto, os sacerdotes queriamum
calendário. Como não havia escrita, tinham que levantar pedras gigantescas
para revelar aquilo que todo mundo estava observando continuamente: a
arremetida diária da preamar, as marés de sizígia que se repetiam num ritmo
constante, de duas em duas semanas, o nascer do Sol no dia de solstício de
inverno e de verão. Os homens da Idade da Pedra, mais próximos da
natureza do que nós, hoje, podiam observar todos esses fenômenos a partir
de suas choupanas ou de suas cavernas. Era necessário construir
monumentos gigantescos que levariam séculos para ficar prontos, só para
determinar aquilo que se repetia continuamente? Umabsurdo completo.
Aconceituada revista americana Science
11
publicou em1979 umtrabalho
sobre um calendário simples e antigo, inventado pelos índios do Chaco
Canyon, no Novo México:
Os índios perceberam que o raio do sol, ao atravessar uma fresta da
rocha, descrevia sempre a mesma curva, no decorrer de um ano. Eles
passaram a marcar essa curva, assinalando o lugar em que o raio chegava ao
ponto máximo com uma espiral. O dia em que o raio de luz gastava
precisamente dezoito minutos para percorrer a espiral era o dia do solstício
de verão. Numa fenda próxima, um segundo raio recortava uma espiral
menor, de treze centímetros. Era o dia em que começava a primavera ou o
outono. Quando as duas faixas de luz tocavam a grande espiral à esquerda e
à direita, era o solstício de inverno. Tão simples são as coisas!
Esse artigo da Science mostra que nem sociedades simples precisam de
construções monumentais para marcar seu calendário. Além do mais, não se
pode afirmar que os arquitetos de Stonehenge tenham sido primitivos — seu
legado prova que não eram. Eles não teriam movimentado pedras e mais
pedras durante vários séculos, só para presentear os sacerdotes com um
calendário descomunal. Mesmo os homens da Idade da Pedra tinham o uso
da razão!
Não era um motivo qualquer que, em todas as épocas, fazia com que os
homens se lançassem a empreendimentos extraordinários, imponentes: a
motivação importante que os movia era a religião. A pergunta que se coloca
é, portanto, a de saber quais eram os deuses em cuja homenagem se
ergueram construções gigantescas no Neolítico. Deve-se investigar , também,
se havia certos lugares predestinados para esse fim e, finalmente, qual teria
sido o motivo de terem recorrido a pesadas pedras em vez de utilizar a
madeira, mais leve. Por que deram preferência a certos tipos de pedra — no
caso de Stonehenge, ao dolerito e riólito?
Há um produto secundário da ciência que parece indicar uma pista
promissora.
Descobertas na TávolaRedonda
Tradições antigas falam do mago e profeta Merlim. Dizem que, ferido
numa batalha, em 573 d.C, ele se teria refugiado nas florestas do norte da
Escócia, onde passou meio século entre os animais selvagens. Nesse tempo
de forçada convivência com a natureza, ele teria adquirido o dom da
clarividência
12
.
Esse mesmo mago Merlim aparece como conselheiro do lendário rei
Artur , que surge nos registros a partir do século VI Não se têm dados
concretos sobre ele. Mas a lenda do rei Artur ganhou vida própria criando-lhe uma fama literária — desde seu nascimento, como protegido de Merlim,
atéchegarà TávolaRedonda, onde Merlim tinha seulugar como conselheiro
real. Acortedorei Artur é celebrada comomodelodotempocavaleiresco —
desde o Parzival, de Wolfram von Eschenbach (por volta de 1170), até o
musical Camelot, com o desempenho brilhante de Richard Burton, na
Broadway .
Acortedorei Artur, com suasgentisdamase seusnobres cavaleiros,ter-se-ia instalado no castelo de Camelot, no condado de Monmouth, tendo
como ponto de reunião uma mesa r edonda, por recomendação do mesmo
sábio Merlim: nela havia lugar para doze cavaleiros ambiciosos, sem haver
necessidade de se definir a precedência entre eles. Portanto, a mesa redonda
foiinventadaparaosheróis cavaleirescos.Desde então,ela passou a salvaro
cerimonial de muitas reuniões diplomáticas embaraçosas; à mesa, qualquer
potentado pode considerar-se detentor do lugar de destaque.
Se Merlim aparecesse apenas na mesa do rei Artur, não haveria nenhum
interesse por ele no contexto de Stonehenge. Mas esse mago polivalente tem
seu lugar, também, na obra do monge Geoffrey de Monmouth: Historia
Regni Britanniae. Não se trata propriamente de um livro de história, é uma
narrativa historiada, no estilo épico de Homero e Virgílio
13
.
O monge Geoffrey faz que Merlim entre em cena como mago e
mordomo da corte do usurpador britânico V ortigern. Durante uma reunião,
esse rei mandou assassinar perfidamente quatrocentos e sessenta nobres.
Depois de ter sido ele mesmo degolado, seu herdeiro legal, o rei Aurélio
Ambrósio, quis erguer um monumento às quatrocentas e sessenta vítimas.
Foi quando o mago Merlim lhe deu o seguinte conselho:
"Se V ossa Majestade está disposto a adornar as sepulturas desses varões
com uma obra que dure para sempre, envie mensageiros à 'dança dos
gigantes' em Killaraus, montanha da Irlanda. Lá existem construções de
pedra que ninguém do nosso tempo consegue levantar, a não ser que sua
inteligência seja tanta que saiba empregar a astúcia. Essas pedras são
grandes e não há outras de maior poder . Se elas forem colocadas em círculo
neste lugar,assim como estãoagora, permanecerão paraa eternidade... Essas
pedras guardam umsegredo:elassão munidas depoder curativopara muitos
males. Em tempos antigos os gigantes as trouxeram da África distante para
erguê-las na Irlanda, o país emque habitavamnaquela época"
14
.
O rei seguiu os conselhos de Merlim, mandando todo um exército à
Irlanda; mas eles tiveram que render-se diante das gigantescas pedras. Só o
mago Merlim conseguiu — segundo a narração do monge Geoffrey —
transportar as pedras para Stonehenge, recorrendo a uma fórmula mágica.
Seja qual for a parcela de verdade ou de imaginação dessa lenda, o certo
é que Merlimnão podeter dadoseuconselho noséculo VI d.C:a construção
de Stonehenge começara, comprovadamente, dois mil anos antes. A
verdadeira essência da lenda deve remontar a umaépoca anterior .
Esse fato não é raro. Desde que passei a estudar lendas, mitos e antigos
contos populares, constatei com freqüência que a verdadeira substância
dessas tradições é revestida de adornos e acréscimos fantasiosos pelos
narradores posteriores. A essência é a história vivida e sofrida. Gerações
posteriores já não sabiam compreendê-la, uma vez que não a presenciaram,
acrescentando novos elementos e esquecendo-se de outros. Mas, como a
essência da história era tão assombrosa, conseguiu sobreviver sob diversas
formas.
O conteúdo essencial da lenda de Merlim demonstra que certas pedras,
colocadas em determinados lugares, possuíam Urna força inexplicável.
Nesse contexto,a própria távolaredondado reipassaa adquirirmaisque um
sentido de simples etiqueta de cortesania: num "círculo", a comunicação se
torna mais fácil.
Perguntas emvoz alta a testemunhas mudas
O que as pedras megalíticas têmde especial?
Tratar-se-ia apenas de matéria morta?
T ornar-se-iam"sensíveis", colocadas cmcerto círculo?
Será que as pedras podem"ouvir" ou até "responder"?
Se fosse possível responder afirmativamente a apenas uma dessas
perguntas, como é que os homens do Neolítico podiam suspeitar do
fenômeno dos círculos de pedra?

Adistância de apenas meio dia de viagemde Londres, encontram-se essas pedras antigas,
nos arredores de Rollright.

O grupo dos "cavaleiros sussurrantes" já não poderá sair do lugar: está cercado.
Perguntas curiosas ocorreram também ao químico britânico dr . G. V .
Robins, especialista em análise de pedras. Na revista Alpha
15
. Robins
apresentou os primeiros resultados de suas pesquisas sobre Rollright.
Às pedras de Rollright se chega facilmente, a partir de Londres, num
passeio de meio dia. Na zona oeste da cidade, pega-se a rodovia M/40 em
direção a Oxford, contornando porém a velha cidade universitária, para
entrar ao norte na A/34, até Chipping Norton. Dali em diante, prossegue-se
pela M/44: depois de quatro quilômetros, encontram-se os monumentos de
pedra à direita e à esquerda da estrada que leva a Adlestrop, num terreno
particular . Suaproprietáriapermite a entradadosvisitantes de todas as partes
do mundo. Nessa altura, o hodômetro do carro deverá estar assinalando a
distância percorrida de oitenta quilômetros.
A construção de Rollright é tripartida. Ela é formada por um perfeito
círculo de pedras, com um diâmetro de trinta e um metros e sessenta
centímetros, chamado "the kings's men". A uns setenta metros do círculo
encontra-se um menir vertical, castigado pelo tempo — um produto típico do
Neolítico.É chamado "thekingstone". Apesar dasintempéries queo atacam
há milênios, ele continua de pé, com dois metros de altura e um metro e
quarenta e quatro de largura. A leste do círculo de pedras existe um grupo de
menires parcialmente caídos, chamados "the whispering knights", os
cavaleiros sussurrantes.
O que diz a lenda a respeito do objetivo de nossa viagem?
Há uma lenda que sugere que as pedras de Rollright representam um rei
e seus soldados transformados em pedras por encantamento, e que existem
túmulos em que o rei e seus companheiros estariam dormindo, à espera do
dia emque retornariamàvida.
Outra lenda diz que "os cavaleiros sussurrantes" se levantam nas noites
de Ano-Novo para marchar até o regato que passa ao sopé do outeiro, onde
bebem água. Há uma lenda que conta que, em outros tempos, tentaram levar
uma das grandes pedras, durante a noite, para servir como pilar na
construçãodeuma ponte.Foram necessários muitoshomens, comaajudade
vários cavalos, paratransportá-la, mas, acadamanhã,a pedraeraencontrada
novamente na grama. Como não conseguiram fixá-la, no lugar previsto,
apesar de diversas tentativas, desistiram de seu aproveitamento. Para
estranheza de todos, foram necessários apenas dois cavalos e quatro homens
para transportá-la de volta a seu lugar original
16
.
Mesmo em nossos dias circulam relatos misteriosos. Há pessoas que
dizem ter sentido tonturas ao tocar nas pedras. Rabdomantes falam de
alucinações em estado acordado de que são acometidos a certas horas do dia
dentro do círculo de pedras. Dizem que pessoas sensíveis sofreram até
choques.
Não faltavam, portanto, fatos misteriosos para provocar a atividade de
umpesquisador comoo dr . G. V . Robins.
Pedras comuma vida interior muito complicada
O dr. Robins e sua equipe partiramda suposição de que a maior parte das
pedras são silicatos — do latim silex, "pedra dura" — que participam, como
elemento mais importante, com mais ou menos noventa e cinco por cento da
constituição das rochas da crosta terrestre. Suas estruturas apresentam uma
rede tridimensional de cadeias de átomos de silício e oxigênio, entremeados
por íons de nátrio, potássio e alumínio. Os analistas falam em "estruturas
físicas falhas" das pedras, já que as relações geométricas entre seus diversos
átomos nunca são iguais: uma partícula de pedra, observada ao microscópio
eletrônico, dá a impressão de uma retícula cristalina e atômica irregular,
cheia de lacunas. Para usar uma imagem; as lacunas da retícula se parecem
com um filtro grosso. Nessas lacunas, o filtro aprisiona outros átomos, íons,
moléculas simples... e elétrons.

A king stone chega, ainda hoje, a uma altura de dois metros e sessenta. Solitária, ela fica
a uns setenta metros de distância do círculo.
A semelhança dos homens, dos animais, das plantas e de todo tipo de
matéria orgânica, a pedra também dispõe de uma pequena quantidade de
radioatividade que vem da atmosfera, uma quantidade constante de isótopos
de carbono radioativos. Na pedra, essa radioatividade se encontra em
contínua decomposição, provocando a modificação incessante das retículas
atômicas; assim, surgem lacunas que são imediatamente preenchidas por
íons eelétrons.Oselétrons retidos sãoliberados quandoa pedraé submetida
à ação da energia, como nos casos de radiação ou de altas temperaturas.
Esse modelo básico que mostra elétrons retidos em pedras e outros
materiais semelhantes levou à descoberta de um novo processo de
determinação da idade: a análise de termoluminescência. O material a ser
analisado é aquecido até que os elétrons sejam liberados, reduzindo sua
energia a um nível inferior; o excedente energético é liberado em forma de
luz visível, Essa quantidade de luz pode ser medida por meio de uma foto-multiplicadora, tecnicamente muito complicada
17
,que permite, por sua vez, a
constatação da idade de umcaco de cerâmica cozida há centenas de anos.
Esse processo pode ser aplicado a qualquer tipo de pedra. As pedras X
ou Y ou Z são aquecidas de forma a que haja a liberação dos elétrons, com a
conseqüente liberação de luz. A quantidade de luz liberada é diretamente
proporcional à irradiação radioativa e, com isso, à idade da pedra, uma vez
que conhecemos os prazos de desintegração dos raios radioativos.
Portanto,o processodetermoluminescência reduz os elétrons liberados a
novos níveis de energia. Quando se pretende medir, porém, o nível original
dos elétrons, faz-se uso da chamada "ressonância magnética dos elétrons":
por meio de microondas provoca-se uma transferência entre dois estados de
energia; a pedra fica exposta a um campo magnético, de modo que se possa
obter uma radiação eletromagnética verificável, que varia de acordo com a
quantidade de elétrons, permitindo assimque se determine a idade da pedra.
A T erra possui um campo magnético natural desde que começou a
existir . Filões de minérios metálicos podem criar campos magnéticos
complementares. Como as pedras ficam expostas a essas pequenas forças
durante milênios, há nelas um movimento incessante de quantidades
mínimas de elétrons — aprisionados em retículas e passíveis de serem
liberados por exposição a uma radiação contínua.
Atentativa do dr . Robins
O dr . Robins deu o passo decisivo, combase nesses conhecimentos.
A transformação de energia eletromagnética em ondas sonoras é um
conhecido efeito físico. Robins procurou, portanto, ondas de ultra-som nas
pedras de Rollright. Em 1978-79, ele mandou fazer medições na área, em
diferentes horas do dia e da noite, utilizando um simples detector portátil de
ultra-som; um cabeçote blindado evita a interferência de eventuais
microondas. Aescala do detector era ajustada a valores de 1 a 10.
Em primeiro lugar, Robins procurou determinar o nível básico das
freqüências de ultra-som na região de Rollright, esses valores básicos
variavamentre O e 1.
O químico Robins bem sabia que as pedras costumam emitir uma
radiação um pouco mais intensa ao romper do sol do que durante o resto do
dia:durante aalvorada, háuma predominânciadeemissõesde ondas longas,
ativando mais os elétrons nas pedras.
Aí surgiu a primeira surpresa.
As pedras de Rollright não começavam a irradiar de um modo lento c
contínuo ao nascer do sol: já meia hora antes deste momento, registrava-se
uma pulsação inesperada junto ao menir king stone e ao grupo dos
"cavaleiros sussurrantes", enquanto nada acontecia na área do círculo de
pedras. O efeito pulsante da pedra e do grupo alcançou, na escala, o valor
enigmático de 7 pontos; ao mesmo tempo a radiação ultra-sônica no âmbito
do círculo caía para um nível inferior ao normal, Duas ou três horas após o
nascer do sol, as pulsações cessavam repentinamente. Mas, enquanto o valor
medido junto da king stone decrescia, subia o verificado dentro de círculo.
Na primavera de 1979, houve umaumento contínuo da atividade ultra-sônica
dentro do círculo de pedras, constituindo um campo magnético entre a king
stone e os "cavaleiros sussurrantes", que pulsava em sincronia com o ultra-som.
Seguiu-se a segunda surpresa.
Durante a realização das medições, um dos companheiros de Robins
entrou no círculo: no mesmo instante cessaram as pulsações. Eis as
observações do dr . Robins a esse respeito:
"T odas as vezes que estivemos lá na hora da alvorada pudemos constatar
fortes pulsações ao redor do menir, bem como na estrada c no campo que
ficam entre o menir e o círculo, mas essas pulsações cessavam
imediatamente quando alguém adentrava o círculo de pedras. Essa mudança
abrupta entre pulsações intensas e outras muito fracas, abaixo do nível
normal, se repetia durante todo o tempo da observação, tendo sido
constatada por umbomnúmero de observadores"
15
.
No relatório final de suas pesquisas, confirma Robins a hipótese de se
tratar , no caso dos círculos de pedra, de "centros de ativação energética",
podendo-se supor que os homens do Neolítico que construíram Rollright
faziamuso consciente do efeito energético.

Rollright: testemunhas de pedra de tempos idos.

Essa constatação étremenda. Ela abre novas dimensões verificáveis à luz
da teoria evolucionista. Segundo o esquema da teoria evolucionista, só pode
haver, em qualquer campo,uma evolução gradativa, constituídade pequenos
passos, de modo que qualquer progresso só pode resultar de uma seqüência
de etapas percorridas durante milhares de gerações. De acordo com esse
esquema, nada pode surgir de repente.
Se os homens do neolítico — segundo o pensamento desse antiquado
esquema — conseguiram erigir as construções de Rollright, de Stonehenge e
de outraspartesdo mundo,estando ein estágio poucoadiantadoda evolução,
deve ter havido, antes deles, gente de uma inteligência mais reduzida ainda.
É assim que reza o credo da doutrina evolucionista. Portanto, não havia
ninguém no mundo que pudesse passar para os construtores manuais
instrumentos de medição e tabelas, ou que os colocasse em condições de
conceber sistemas de pulsações, comprovados pelos recursos da física e da
química modernas, inserindo-os propositadamente nas pedras. Ninguém
determinou aos homens do Neolítico as pedras que, em determinado lugar e
disposição, desencadeariam aquele efeito energético. Mas como podiam
utilizar o efeito sem conhecê-lo? O fato de suas pedras estabelecerem
também relações com as estrelas não resolve o problema, apenas o torna
ainda mais espantoso, sobretudo levando-se em consideração que essas
construções estão disseminadas pelo mundo inteiro.
Como a participação de seres extraterrestres não é tida em conta,
segundo mc asseguram em toda parte, deve ter irrompido no cérebro
monstruoso e doentio de algum ditador neolítico a decisão de obrigar seus
patrícios a prepararem amplos parques de diversões salpicados de enormes
pedras. E como nenhum déspota fica sem imitadores, deve ter havido outros
dementes a obrigar seus povos a façanhas semelhantes, sob a ameaça
constante do chicote. Querem me fazer crer que foi dessa maneira que
surgiram durante muitos séculos os círculos de pedras na Inglaterra, na
Escócia, na Irlanda e, mais tarde, também no continente europeu. Supondo
ter sido esse seu modo de aparecimento e desenvolvimento — o que seria
um absurdo —, certamente ficaria limitado o fenômeno dos círculos de
pedras a um espaço geográfico relativamente restrito, não passando de um
fenômeno europeu. Mas a realidade não é essa Os círculos de pedras devem
ter sido, naquele tempo, uma moda internacional; eles existem na índia, na
África, na Austrália, no Japão e no Pacífico. Eis os endereços dos principais
círculos de pedras megalíticas
18
:
— O círculo de pedras de Brahmagiri fica ao sul dos rios Narmada e
Godavari, na índia meridional.
— O círculo de pedras de Sillustani se encontra às margens do lago
Titicaca, no Peru.
— O círculo de pedras de Msoura, no norte do Marrocos.
— O círculo de pedras de Nioro du Rip fica na província de Casamance,
no Senegal, ao sui do rio Senegal.
— O círculo de pedras bíblico fica nos limites orientais de Jericó. Ele é
mencionado na própria Bíblia: o profeta Josuel teria levantado nesse lugar
doze pedras em memória à travessia do rio Jordão; as pedras simbolizariam
as doze tribos de Israel.
— O círculo de pedras de Ain es Zerka na Jordânia oriental.
— Os círculos de pedras de Ajun uns Rass ficam no planalto semi-árido
de Nedjd, na Arábia Saudita.
— A posição geográfica do círculo de pedras australiano, ao sul do
deserto de Emu, é esta: 28°58' de latitude sul e132°00' de longitude leste.
—Naprincipal ilhado Japão e nailha deHokkaido, perto de Nonakado,
há diversos círculos e rodas de pedras pré-históricos.
— A altura do mar o professor Marcel Homet descobriu o círculo de
pedras de Quebrada, em Queneto, na fronteira entre o Peru e o Equador
19
.
— Há um círculo de pedras na ilha Naue que faz parte do grupo de ilhas
de T ongareya. A literatura menciona expressamente que no caso desse
círculo não se trata nem de um túmulo, nem de um lugar sagrado tribal do
tipo Marae
20
.
— Os círculos de pedras de Portela de Mogos e de Boa Fé ficam
dezesseis quilômetros a oeste de Évora, emPortugal
18
.
Por algum motivo, os homens do Neolítico fizeram da construção de
círculos de pedras um culto universal. Por algum motivo — acho essa
expressão muito nebulosa, muito ampla e imprecisa. Gostaria de conhecer o
motivo que levou as tribos pré-incaicas do Peru a fazerem o mesmo que os
aborígines da Austrália, os negros do Senegal, os indianos, os japoneses, os
ilhéus do Pacífico, separados do mundo e longe de qualquer tipo de
civilização ou cultura. Reconheço que nem todos os círculos têm sua origem
na mesma época, mas seus construtores eram sempre sujeitos simples, sem a
mínima idéia de técnicas radiológicas.
O sonho petrificadode Jacó
Dizem que as pedras sempre tiveram um caráter sagrado para o ser
humano. Certamente. Certas pedras eram reverenciadas, e são veneradas
ainda hoje: pedras de túmulo, pedras comemorativas. Jacó, um dos três
patriarcas do povo de Israel, ergueu uma pedra comemorativa, segundo o
relato de Moisés, até para relembrar os acontecimentos de um sonho seu:
"Jacó partiu de Beersheba, pondo-se a caminho de Harã. Tendo chegado
ao lugar (sagrado, de Betel), ali passou a noite, pois já era sol posto. T omou
umadas pedras do lugar, colocou-asob sua cabeça e deitou-se para dormir".
Gênese 28, 10-11
Não é necessária nenhuma interpretação forçada, está escrito assim
mesmo: Jacó chegou a um lugar sagrado e colocou debaixo de sua cabeça
uma das pedras, provavelmente tombada. Tratava-se, portanto, de uma pedra
especial, de um lugar sagrado, onde Jacó dormiu e sonhou:
"E sonhou que uma escada era colocada na T erra, cujo topo atingiu o
céu; por ela subiam e desciam os anjos de Deus. E eis que o Senhor surgiu
emsua frente e lhe disse:... a tua descendência será (numerosa) como o pó da
terra; estender-te-ás para o oriente e para o ocidente, para o norte e para o
sul. Em teu nome e em nome de tua descendência serão abençoadas todas as
tribos da T erra".
Gênese 28, 12-14
Dois versículos adiante, está escrito:
"Não te desampararei até cumprir o que te prometi".
O que o Senhor tinha anunciado e prometido? Com toda a clareza, isto:
os descendentes de Jacó disseminar-se-iam pelaTerra inteira e o Senhor não
abandonaria Jacó.Mesmo queJacódispusessede um máximo de capacidade
reprodutiva, não teria condições de espalhar filhos, filhas e netos por todos
os continentes, a não ser que o Senhor o ajudasse ativamente, pois sua
promessa não se referia a um futuro incerto: não deixaria Jacó sem que
estivesse cumprida a missão. Jacó começa a inquietar-se. Ele não percebe
que, "neste lugar", ele pode falar com o Senhor:
"V erdadeiramente, o Senhor está neste lugar e eu não o sabia. E com
medo ele falou: quão temível é este lugar! Não é outra coisa senão a casa de
Deus, a porta do céu. Na madrugada seguinte, porém, Jacó tomou a pedra
que lhe tinha servido de travesseiro e a erigiu em coluna, e derramou óleo
sobre ela".
Gênese 28, 16-18
Eis os fatos:
— Durante sua caminhada, Jacó chega a um lugar onde há pedras
sagradas.
— Jacó pega uma das pedras e dorme sobre ela, sem saber da magia de
seu "travesseiro".
— Jacó vive um sonho de imagens nítidas: há anjos subindo e descendo
pela escada celeste.
— O Senhor faz-lhe uma promessa inaudita.
Tudo isso teria sido apenas um sonho ou um pedaço de realidade
vivencial?
Se tivesse sido apenas um sonho, a promessa do Senhor não teria
sentido. Os sonhos não acarretam nenhum compromisso, eles não têm
substância.
E se não foi umsonho? Se a pedra em que descansou tiver provocado em
seu cérebro uma imagem de escada celeste? T eria o calor de seu corpo
desencadeado pulsações na pedra?
Nos lugares sagrados, cada pedra era certamente uma pedra especial,
com sua história peculiar . A pedra tinha a capacidade de reforçar as ondas
cerebrais? Será que Jacó era um meio especialmente apropriado? Existiria
algum ser privilegiado capaz de se comunicar, através da pedra, com o
cérebro humano? Haveria certas pedras com função de "emissoras" e
homens receptivos que funcionariam como "antena" ao entrar em contato
comoutros cérebros humanos?
Parecem perguntas meramente especulativas. Mas ainda haveremos de
provar que elas são mais que meras divagações.
Não eramnecessariamente os homensque tinhama idéia de erigir pedras
comemorativas. Muitas vezes era Deus (ou deuses) que os inspirava. A
própriaBíbliao relata assim.NoLivrode Josué,o Senhor recomenda quese
coloquem num determinado lugar doze pedras comemorativas:
"Fizeram, pois, os israelitas como Josué lhes ordenara: levantaram doze
pedras do meio do Jordão, como o Senhor havia dito a Josué, segundo o
número das tribos de Israel, e levaram-nas consigo até o acampamento,
depositando-as ali. Josué levantou as doze pedras no meio do Jordão, no
lugar em que os sacerdotes que carregaram a Arca da Aliança tinham posto
seus pés. E lá ficaramaté o dia de hoje".
Josué 4, 8-9
Essas pedras não têm apenas uma função comemorativa. Parece que lhes
era confiada a missão de transmitir uma historia através dos tempos:
"E Josué anotou tudo isso no livro da Lei do Senhor, c tomou uma pedra
muito grande e colocou-a debaixo dum carvalho, que estava no santuário do
Senhor; e disse a todo o povo: Esta pedra servir-vos-á de testemunho, pois
ouviu todas as palavras que o Senhor vos disse, para que não aconteça que
depois o queirais negar e mentir ao Senhor vosso Deus".
Josué 24, 26-27
A pedra "ouviu as palavras"? Josué a considera, por assim dizer, como
testemunha auricular . Mas qual seria a serventia de uma pedra como
testemunha muda? Sabia Josué de sua capacidade especial de retransmitir
algum dia aquilo que tinha ouvido?Via Josué na pedra a aptidão para servir
de memória para informações? Ainda haveremos de descobrir se estamos,
nesse assunto, na pista de algo semelhante a um gravador .
Do poder categórico das pedrassagradas
Na Ásia Menor, a deusa Cibele, a "grande mãe", transmitia profecias aos
gregos mediante uma "pedra sagrada''. Esse objeto cobiçado foi levado, em
250 a.C, para Roma. No litoral sírio, sua colega Laodicéia transmitia suas
mensagens utilizando mesmo recurso
21
. Em Delfos profetizava a pítia por
sobre a pedra ônfalo, que tinha a forma de meio ovo, chamada "umbigo do
mundo"; ela ficava no meio do templo, proporcionando manchetes
(desculpem!) para os assuntos do dia, tanto do passado quanto do futuro,
descobertas por meio da pedra.
Mohammed Ibn al-Chatib, de Kufa, fala em seu Livro dos ídolos de
pedras sagradas da antiga Arábia, pedras milagrosas cujo exemplar mais
célebre está colocado no canto sudeste da caaba, a uma altura de um metro e
meio. Essa pedra é o centro místico religioso do mundo islâmico, venerada
num recinto vazio e sem janelas. O próprio Maomé quis que a caaba fosse o
centro de sua religião, constituindo a "pedra negra" (em árabe: hadjar al-aswad) o objeto do pensamento de todos os muçulmanos.Em todo o mundo,
inclinam-se, diariamente, seiscentos e cinqüenta milhões de muçulmanos em
direção a essa pedra para rezar . Seus pensamentos levam esperanças e
desejos, por sobre mares e montanhas, à "pedra negra", esperando também,
algumtipode retribuição. Aomenosumavez navida, todo muçulmanodeve
fazer sua peregrinação a Meca para tocar na pedra, do contrário não poderá
chegar à felicidade eterna. Pois, com cada toque, os fiéis são "registrados"
pela pedra. Não é de admirar, portanto, que milhões de muçulmanos toquem
e beijem a "pedra negra" engastada em prata, hoje como há mais de mil e
duzentos anos.
O que realmente há com a "pedra negra"? O que tem ela? Qual seu
poder, sua eficácia? Qual sua peculiaridade reconhecida pelo profeta? Como
a lenda dizquea "pedranegra"caiu do céu, concluiu-se, imediatamente, que
deveser ummeteorito,um corporochoso ou ferrosodeorigem extraterrestre
que resistiu àpenetração na atmosfera.
Trata-se de uma suposição completamente desprovida de fundamento,
pois não existem análises químicas da "pedra negra". Os maometanos não
permitemnemsequer a entrada de infiéis na caaba, e muitomenosdeixariam
que se examinasse seu santuário. T alvez seja mesmo apenas um meteorito
comum;mas comoexplicar, então, sua força de atração intensa e ininterrupta
desde o tempo de Maomé (570-632)? T odo dia e em toda parte há meteoros
dos mais diversos tamanhos caindo na nossa velhaT erra, também nos países
árabes, sem que se ouça falar da santificação de um deles. T alvez se trate de
uma pedra toda especial que não caiu do céu, mas veio do céu. Essa
diferença não é pequena, mas enorme.
Fazer mistério onde não há mistérios
Em seu álbum fotográfico dos círculos de pedra pré-históricos da
Inglaterra e da Irlanda
22
, Burl Aubrey me dedica sua gentileza nestes termos:
"V ou Daeniken approach of making mysteries out of non-mysteries" — "a
maneira de V on Däniken de abordar os fatos, fazendo mistério onde não há
mistérios". Arthur C. Clarke, conhecido autor de ficção científica, disse
numa revista" esta frase generalizante: "O mundo está cheio de mistérios
reais. Eu fico irritado com esses idiotas que procuram fazer mistério de
coisas que sabemos explicar perfeitamente".
E essa a maneira prosaica de despachar com arrogância e leviandade os
que não rezam a mesma cartilha. Se nós, os fantasistas da realidade, somos
tão medíocres, por que nos dão atenção? Certamente, porque as nossas
perguntas insistentes incomodam; porque não estamos dispostos a engolir
certas explicações costumeiras; porque não respeitamos o tabu que cerca
algumas doutrinas extremamente duvidosas; porque fazemos perguntas.
Fico me divertindo ao ler uma coluna de jornal intitulada "Ciência de
cem anos atrás", pensando vez por outra com um ar de superioridade: meu
Deus, era essa a sabedoria científica daquele tempo? Mas, depois, faço um
esforço para me corrigir: naquele tempo eram essas as últimas descobertas,
de acordo com o grau de conhecimento disponível. O tempo se encarregou
decorrigir os erros, colocando novos conhecimentos, mais corretos,no lugar
dos antigos, para que uns anos mais tarde fossem novamente revistos e
aperfeiçoados. Não há nada de anormal nesse processo.
Meus críticos são admiráveis em sua excelência: eles são detentores de
conhecimentos definitivos a respeito de tudo o que há de essencial no
conhecimento deste mundo. É invejável sua soberba elitista, sua coragem
simplória. Eu me coloco ao lado daqueles curiosos que têm o pensamento
voltado para a frente, que não se atemorizam com a idéia de poder provar
amanha, quem sabe, aquilo que hoje parece impensável. "Não podemos
desprezar o carro, só porque o profeta Maomé andava num camelo", disse
Datuk Husein Onn, o primeiro-ministro da Maláisia.
Em muitos livros eruditos considera-se simplesmente resolvido o
problema da construção e do transporte das pedras dos monumentos
megalíticos. Os problemas ligados ao transporte e ã construção podem ter
sido resolvidos de muitas maneiras. Mas o que me intriga nas explicações
apresentadas é o fato de partirem sempre das possibilidades que nós ho]e
conseguimos imaginar, como se fosse possível transportar-se em fantasia
(naturalmente, na fantasia científica) aos tempos pré-históricos. Mas não há
ninguém que tenha estado lá. A solução apresentada nunca passa de uma
entre muitas possíveis. Aqueles que dão a impressão de terem estado lá não
param de exibir sempre os mesmos ingredientes: trenós, cabos, rolos e
planos inclinados aterrados com areia e barro. Uma vez que nossas idéias de
possíveis meiosdetransporte estãopresas aesses recursos, por forçade uma
doutrinação contínua, fica-se com a impressão de que qualquer dúvida a
respeito deva ser um sacrilégio, um ato de impiedade. T enho em grande
estima nossos cientistas, mas não posso crer neles. Como eles são homens,
podem errar , assim como você, como eu, como todos nós. Apesar de
ocuparem, algumas vezes, tronos de grandeza, não é por isso que hão de se
transformar em deuses.
Só para chocar coloco esta pergunta: qual seria a nossa reação se nos
dissessem que os homens, há milhares de anos, tinham sido capazes de
liquidificar as pedras e de solidificá-las novamente, na construção — como
fazemos hoje com o concreto que é levado ao canteiro de obras por meio de
enormes caminhões-betoneiras? Perdoem-me, excelências oniscientes, é só
umapergunta!
E leviandade de minha parte escrever uma coisa dessas, pois já estou
vendo a minha pergunta, tora do contexto original, citada por meus
opositores destemidos. Por isso: não estou afirmando que os construtores do
megalítico tenhamfeito isso.
Seja então que as pedras que pesavam toneladas tenham sido puxadas,
centímetro por centímetro, por centenas de quilômetros, amarradas a cordas
que eram atadas ao pescoço nu dos homens neolíticos. Se é a fé que salva,
então o Além deve estar repleto de bons arqueólogos. Não creio que nós nos
encontremos por lá, porque eu tenho muitas dúvidas a respeito de suas
hipóteses freqüentemente utópicas.
Desde os tempos mais remotos, as pedras sagradas eram ligadas aos
"deuses" ou, ou mínimo, tinham alguma conexão com o firmamento, uma
vez que se orientavam — como os círculos de pedras — pelas estrelas. T eria
havido uma observação constante do céu porque os "deuses" prometeram
voltar? Com relação ao culto religioso, este seria um bom motivo para
justificar o enorme esforço empregado nessas construções. No entanto, falta
uma explicação plausível para os conhecimentos astronômicos evidenciados,
para aescolha dos locais adequados e dos materiais especiais. Ou não?
O culto religioso não explica tampouco a narrativa mosaica — apesar do
papel que o "Senhor" nele desempenha. Ele não explica o motivo do
procedimento de Jacó quando este levanta seu travesseiro de pedra, após
usá-lo, e derrama óleo sobre ele. Por que ungir a pedra? Era a realização de
um rito sagrado reservado aos sacerdotes. Qual era a intenção de Jacó,
sabendoque oóleoiriaevaporar-se,queimandoao calordo sol?Era esseseu
agradecimento à pedra que lhe tinha "falado"? Jacó estava certamente em
estado de transe quando levantou a cabeça da pedra.T eria sido esse também
oestado dapítiaquando meditavaporsobrea pedraônfalo? Provinhamsuas
profeciasdesse "umbigo"pétreo domundo?Escritosantigosnos contamque
apítiaentravaemseuestadomísticode vaticinadoraem virtudedosvapores
queemanavam deumafendadarochae que ela aspirava. Apesarde intensas
investigações realizadas dentro e ao redor do templo de Delfos, não se
descobriu nenhuma fenda que exalasse vapores. Havia alguma forma de
comunicação entre a pítia e a pedra ônfalo? Era ela sua médium, pela qual
respondia comfrases ambíguas às perguntas que lhe dirigiam?
Eu ando à procura de provas que confirmem a influência de seres
extraterrestres sobre os homens do Neolítico. Em consonância com a
maneira tradicional de ver as coisas, não haveria nenhuma prova nesse
sentido nas construções megalíticas. Basta ler um único livro sobre
Stonehenge, para ficar sabendo ingenuamente que não há necessidade de
recorrer a seres extraterrestres para solucionar o enigma. Já se sabe tudo.
Lançando mão de pesquisas modernas e utilizando os quadrados ocupa dos
para solucionar os mistérios do Neolítico, ganha-se uma excelente posição
de saída para os incômodos extraterrestres, bem-vindos em situações tão
intrincadas.
Existem inúmeras lendas* que falam da promessa dos "deuses" de
retornar em tempos vindouros, depois de terminada sua estadia na T erra. A
expectativa esperançosa desse regresso não se apagou entre os homens. Até
agora não se tentou des cobrir nas construções megalíticas uma chave
matemática que desvendasse o prazo para o retorno dos "deuses". Mais de
seis centos dos monumentos pesquisados pelo professor Thom orientam-se
por regras astronômicas. Por enquanto, só os "deuses" sabem o porquê.
* O profeta do passado. Edições Melhoramentos, 1980
Não deveria restar nenhuma dúvida quanto à aptidão das rochas duras
para serem depósitos de informações dos extraterrestres. Elas existem cm
abundância, resistindo ao tempo durante milênios, permitindo a construção
de monumentosque se impõemequechamama atençãoatravésdos tempos.
Eis, portanto, a minha hipótese:
Há milhares de anos, os "deuses" explicam aos habitantes da T erra como
deveriam construir os círculos de pedras, qual o material apropriado para
essa finalidade, em que seqüência e em que lugar as pedras deveriam ser
colocadas, para que as mensagens guardadas pudessem futuramente ser
decodificadas.
Os "deuses", que nos criaram segundo a sua imagem, presumiam traços
de sua inteligência entre os descendentes da nova raça geneticamente
engendrada por eles. Mas eles se enganaram.
Se o dr . Vladimir A vinski está com. a razão ao afirmar que os
monumentos de Stonehenge permitem a determinação do tamanho dos cinco
planetas mais próximos da T erra, então deve ter havido uma ajudazinha da
parte dos extraterrestres. Se os homens do Neolítico levantaram edificações
importantes no cruzamento de correntes elétricas no interior da T erra, como
afirmam Louis Charpentier
24
e Robert Wernick
25
então deve ter havido uma
participação dos extraterrestres, pois essas correntes só se tornaram
acessíveis à medição através de aparelhos físicos modernos. Se é verdade
que sacerdotes instruídos ou médiuns inteligentes eram capazes de
comunicar-se com pedras pulsantes, então deve ter havido alguma
intervenção de extraterrestres.
Por um motivo qualquer .
Por que motivo?
3
Espírito — a causaprimeira de todaa matéria
"A pergunta 'por quê?' é uma pergunta mal colocada. Melhor seria
perguntar: 'Por que não?' "
George Bernard Shaw
A criação é infinita, no espaço e no tempo — A ciência precisa ser
desmitologizada — Piolhos pequenos têm sempre piolhos ainda menores —
Reviravoltadopensamento — A experiênciacomoelétron — Quemcriou o
criador? — Um monstro chamado "buraco negro" — Quando morre uma
estrela — T oda matéria esteve ao menos uma vez no interior de alguma
estrela — Einstein está vivo! — O que é tabu — Mistérios de lugares
sagrados da Polinésia — Descoberta da ciência: esculturas em pedra são
magnéticas — Inovas pesquisas acerca do magnetismo do ser humano — A
maneira de extraterrestres influenciarem nosso planeta.
NoIllinois Institute of T echnology ,emChicago,umestudantemedirigiu
esta pergunta durante a discussão:
— O senhor crê realmente emsua teoria?
— Como estou convencido desta idéia, não posso crer nela. "Crer" é um
direito autônomo das religiões, é a confiança sentimental em alguma
autoridade, emalguma doutrina. Neste sentido, "crer" significa pensar que os
mistérios da natureza simplesmente devem ser aquilo que são. Eu preciso
comprovar cada passo com dados reais, porque não sou líder de nenhuma
seita, nem fundador de nenhuma religião.
Sou um pesquisador incansável, mas o tempo, o desenvolvimento e as
novas descobertas colaboram comigo. Aquilo que, há doze anos, quando
comecei a escrever, não passava de hipóteses ousadas, de temeridade de
equilibrista sem rede, já pode ser apresentado hoje com muita convicção,
com base em descobertas científicas lentas c persistentes. Esse trabalho nem
sempre é um passeio entre flores. Há oportunidades em que é necessário
executar cansativas excursões de alpinismo. Uma vez no cume, tem-se uma
visão mais clara, enxergando nas planícies da teoria as trilhas seguras da
caminhada. Ninguémprecisa "crer" quea coragemarrojada ficasemprêmio.
V amos partir novamente! Infelizmente, não posso indicar nenhuma
caminhada mais suave.
Levaremos como provisões os pronunciamentos de seis destacados
cientistas, para alimentar-nos espiritualmente com seu saboroso conteúdo
durante a escalada.
I
O geneticista molecular e prêmio Nobel, professor Werner Arber,diz
1
:
"As descobertas dagenéticamolecularnos demonstram...que acriaçãoé
infinita no espaço e no tempo... A criação continua ativa aqui e agora, em
toda parte e sempre mais, a saber, na escolha livre dos detalhes da execução
de processos específicos da vida".
II
Eis as palavras do professor Joachim Illies, do Instituto Max Planck de
Limnologia
2
:
"Somos todos fanáticos defensores da objetividade. Fazemos de conta
que a 'prova objetiva' é o último dos enunciados possíveis, e o máximo valor
que se possa atingir, vivendo na ilusão de que estamos num mundo
objetivamente comprovado que chamamos orgulhosamente de 'ciência
moderna'. Faz-se necessária uma desmitologização radical, para que não
percamos o acesso a nós mesmos e à verdade que se acha por trás de toda a
ciência".
III
O professor Max Thürkauf, físico da Universidade de Basiléia, afirma
3
"No fundo, as ciências procuram reduzir tudo a processos físico-químicos. Os fenômenos paranormais, porém, se relacionam com aquilo que
chamamos vida ou mundo de espírito e estão acima dos processos físicos e
químicos".
IV
O bioquímico, professor Erwin Chargaff
4
, escreve:
"Uma avalancha pertinaz de informações penetra por todas as frestas da
consciência; o ruído vazio de uma máquina sem carga abafa todo e qualquer
pensamento... Claro, há sempre algo mais a fazer: sabe-se que piolhos
pequenos têm sempre piolhos ainda menores. Mas, até que ponto podemos
decompor os átomos e seus núcleos? T enho a leve impressão de que, com a
abolição do prêmio Nobel de física, não apareceria mais nenhuma partícula
elementar".
V
Em seu livro O espírito da matéria, afirma o físico teórico Jean E.
Charon
5
:
"Raramenteoscientistasse dispõemasededicar a questões'metafísicas',
pela simples razão de não lhes ser permitida essa preocupação pelos
guardiães da ciência oficial: nada mudou, a abordagem de questões
metafísicas é consideradaumaatitude não-científica.Eu, pessoalmente,acho
esse comportamento escandaloso".
VI
E finalmente as palavras do professor A. E. Wilder-Smith, convidado
para lecionar em diversas universidades renomadas emtodo o mundo
6
;
"A ciência investiga apenas aqueles objetos que, dentro de nossas
dimensões materiais, são úteis à pesquisa. Se vier ai guém com a proposição
de que Deus, que é um Logos ou pensamento de caráter pessoal, deve estar
na base da codificação da vida, os cientistas, como de costume, afastarão de
imediato e decididamente essa hipótese, por estar além de suas
possibilidades de investigação... Mas, que diríamos de um astrônomo que
não quisesse explicar as trajetórias dos corpos celestes por meio das leis da
gravitação, só porque a idéia de tal força contraria seus princípios
filosóficos? A essência dessa força não poderia ser reproduzida em
laboratório, nem pesquisada. Seria possível estudar os efeitos dessa força,
mas não a sua própria essência. Por isso, o tema da gravitação seria, cm sua
totalidade, cientificamente insustentável".
Umareviravolta?Umareviravolta!
Entremos na sala escura de um oftalmologista para fazer uma
experiência: análise de um olho humano como microscópio eletrônico.
Atravessando a córnea, a íris e a retina, vamos divisar, além do
cristalino, suspenso entrefibrasfiníssimas, umnervo ópticoque, milharesde
vezes aumentado, mais se parece a uma árvore com suas múltiplas
ramificações.É ummundo fascinante quesenos depara. Ao longo dasfibras
nervosas aparecem pequenos cristais semelhantes a blocos de rocha no meio
de uma paisagem irreal. Nosso microscópio se aproxima de cadeias
moleculares, formadas por centenas de átomos acoplados. Ao examinar de
perto um dos átomos, aumenta de repente a claridade ao máximo: vemos um
mundo em movimento constante. Aí está o núcleo em torno do qual giram,
em altíssimas velocidades, partículas ainda menores — os prótons, nêutrons
e elétrons. Entre o núcleo e as partículas revela-se umuniverso parecido com
aquele formado pelo Sol e pelas trajetórias dos planetas.
V amos fixar um elétron. Se pudéssemos acoplá-lo a um medidor e se
reduzíssemos sua velocidade em câmara lenta, constataríamos que esse
elétron aumenta e se contrai um número de vezes por segundo igual a 10
23

ele está pulsando. 10
23
significa o número 10 acrescido de 23 zeros! Esse
mundo em movimento constante, perpassado de radiações difusas, é a
dimensão misteriosa de toda a matéria.
Essa experiência, que teve por objeto o olho, poderia ter, também, por
objeto um pedacinho da pele do corpo, uma lasca de madeira ou de pedra.
Realmente, apenas o começo da viagem seria diferente, mas, chegados ao
destino, encontraríamos sempre o átomo e suas partículas subatômicas. No
final das contas, tudo se reduz a energia, radiação e movimento — em pleno
acordo com os postulados de Einstein, publicados há setenta e cinco anos.
Essa realidade imutável e eterna leva muitos cientistas ao desespero, ao
passo que outros se tornammais humildes.
Numa obsessão desenfreada e útil, fomos decompondo quase tudo em
suas partes constitutivas; as moléculas viraram grupamentos de átomos;
passamos a estudar seu comportamento e o das partículas subatômicas em
gigantescos aceleradores, capazes de desintegrar átomos e liberar radiações.
No fim, porém, continuamos frente ao mesmo resultado: atrás da menor
unidade revela-se uma ordem nova, uma nova lei que parece determinada
por instruções desconhecidas por nós, provenientes de uma autoridade que
todos os filósofos costumam chamar de "espírito".
O matemático e físico francês Jean E. Charon conseguiu provar que a
matéria e oespírito estão ligadosentresi de modoinseparável. Charonfalaa
linguagem exata da matemática
7
. Os colegas que ainda não tenham
assimilado seus trabalhos, num modo de pensar totalmente novo, não
poderão deixar de tomar conhecimento deles; já não há como desconhecê-los. Como o caminho de Charon leva, também, de volta à pré-história, que
aponta para os "deuses", terei muito prazer em retomá-lo. As provas de
Charon significam uma reviravolta.
Aquestãodos elétrons
A matéria é massa, é substância de tudo o que vive e existe. A matéria
pode ser reduzida a átomos e partículas elementares, seja qual for sua
consistência. São verdades sabidas de longa data. E de onde vem essa
matéria? Comoela surge? Como surgiu?Como tudo começou? Sãoquestões
excitantes.
No começo havia o nada, o vazio sem-fim — a "radiação negra", como
dizem osfísicos,Essa radiação seencontrava desdeoinício,porassim dizer,
em estado de espera. Pode-se perguntar o que havia antes desse estado; mas
não há resposta, a não ser que ela nos seja outorgada numa outra dimensão,
após a morte. Essa solução, porém, necessita do recurso àfé.
Como fomos treinados a pensar em quatro dimensões limitativas —
comprimento, largura, altura, tempo —, não conseguimos imaginar um
tempo infinito. Ao colocar um criador antes de qualquer começo, impõe-se,
imediatamente, a velha pergunta, sempre atual: e quem criou o criador? O
perpetuum mobile físico, provavelmente, nunca existiu; a pergunta pela
pergunta é um perpetuum mobile filosófico.
A matemática e a física são os contrapontos da filosofia. Cálculos físicos
e observações comprovam que, a partir da radiação negra — do nada,
portanto —, surgiu um primeiro par de partículas materiais: um elétron* e
umpósitron**.
*Partícula fundamental cuja carga elétrica é negativa. Possui propriedades físicas que
determinam uma reação recíproca com o campo magnético do lugar em que se encontra.
**Partícula fundamental de massa ecarga iguais ao elétron, mas de sinal contrário.
Dotadas de cargas negativa e positiva, respectivamente, essas partículas,
praticamente, não precisaram de energia para, juntas, formarem um par: a
primeira matéria.
O primeiro elétron pulsava (e continua pulsando) no ritmo inimaginável
de 10
23
contrações e expansões por segundo. Esse movimento causou
temperaturas extremamente altas, de várias centenas de milhões de graus,
dentro do elétron. A radiação eletromagnética decorrente é chamada
novamente pelos físicos de radiação negra.
Com base numa ação física recíproca, o pósitron é capaz de se acoplar à
partícula fundamental do nêutron, formando juntamente com ele um próton,
que é um dos elementos constitutivos do núcleo atômico. A seguir, o elétron
se une a esse próton para formar um átomo de hidrogênio. Setenta e cinco
por cento da matéria do universo é constituída de hidrogênio. Como não
pode haver hidrogênio sem elétron, segue-se, logicamente, que o elétron
existiu antes do hidrogênio. O slogan superficialquediz que"noinício erao
hidrogênio" não é correto; no início era o elétron, que estava presente na
formação do primeiro par de partículas, mantendo seu papel exclusivo dentro
de toda matéria e até do espírito.
Jean E. Charon comprovou matematicamente que o elétron possui
propriedadessemelhantesàsde umburaco negro. V amosinvestigar, poisnão
queremos perder de vista esses elétrons.
O que vema ser um buraco negro?
Precisamos retroceder . Desde o começo do mundo, desde a grande
explosão, havia gases, hidrogênio c poeira cósmica espalhados pelo
universo. As partículas foram se juntando, girando numa espécie de nuvem,
até formarem uma esfera, em virtude da rotação contínua. Essa esfera atraiu
cada vez mais matéria. A densidade crescente provocava o atrito entre as
partículas, gerando calor; tanto calor que se produziu uma estrela abrasada. A
jovem estrela continuava a se adensar a ponto de brilhar , finalmente, como
um sol. Núcleos atômicos mais leves se fundiram para formar outros mais
pesados. No calor dessa caldeira, o hidrogênio se transformou em hélio, e
este, em carbono, oxigênio e nitrogênio, formando elementos cada vez mais
pesados, até chegar ao ferro.
Durante esse processo de fundição, havia uma produção e uma liberação
ininterrupta de energia — um processo que se realiza no Sol, há bilhões de
anos. Ele despeja, segundo o astrofísico americano John T aylor**, "quatro
milhões de toneladas por segundo de sua própria massa, dez mil vezes a
quantidade de água que passa, na mesma fração de tempo, sob a Ponte de
Waterloo, no rio Tâmisa".
É difícil sustentar um consumo tão elevado de forças durante bilhões de
anos, mesmoemsetratandodo Sol:quando oselementos mais levestiverem
sido consumidos,terminaráa fusão nuclear (a formação denúcleos atômicos
pesados a partir dos mais leves), já que não haverá mais nada a fundir . O
astro incha, explode e torna-se uma nova estrela, enorme, uma supernova.
Durantea explosão, a luminosidadeaumenta cem milhõesdevezes. Amassa
estelar é lançada ao cosmo, até que, na última fase de sua extinção, a maior
parte volta a cair dentro da própria estrela, comprimindo-se e diminuindo-a.
Por causa de seu tamanho reduzido, passa então a ser incluída no grupo das
"anãs brancas". Apesar de anãs, essas estrelas continuam demonstrando sua
força: em virtude de seu grande peso, aumenta a velocidade de rotação em
torno do próprio eixo. Apesar de terem guardado sua massa original nas
turbulências, seu diâmetro reduz-se a poucos quilômetros. A anã branca
torna-se "pulsar", designação originada dos breves sinais (pulsações) que se
acredita proviremdaestrela anã,de acordo como númerode giros. Aquinão
importa discutir se ela emite realmente esses sinais a cada giro. O fato é que
ela gira e, girando, perde energia, o que leva a uma contínua redução dos
giros em torno do próprio eixo. O pião começa a parar .
Num colapso total, a estrela chega a seu fim. A pressão interna já não é
capaz de resistir à força gravitacional do espaço. Ela desmorona sobre si
mesma, e nenhum raio voltará a testemunhar sua existência anterior . O que
resta é aquilo que os astrônomos chamam de "buraco negro". O astrofísico
Reinhard Breuer
9
o define da seguinte maneira:
"Um buraco negro é uma estrela que, em virtude de sua contração, se
tornou extremamente pesada, a ponto de nenhuma partícula conseguir deixar
sua superfície, nem mesmo a luz. A contração de uma estrela, que leva ao
nascimento de um buraco negro, acontece de modo fulminante — em
frações de segundo — por meio do chamado 'colapso gravitacional' ".
Devemos ao astrônomo Karl Schwarzschild (1873-1916) a possibilidade
de determinar antecipadamente o surgimento inevitável de um buraco negro.
Como diretor do observatório astrofísico de Potsdam, ele conseguiu realizar
descobertas decisivas em relação ao movimento das estrelas fixas. O valor
mínimo que uma estrela precisa atingir, antes que o espaço ao redor se feche
sobre ela, é chamado de "raio de Schwarzschild". Desse modo
Schwarzschild comprovou aquilo que Einstein tinha descoberto com seus
cálculos e que os astrônomos e astrofísicos passaram, desde então, a
observar inúmeras vezes.
Comparável a uma bolha na água, o buraco negro forma um espaço
dentro do espaço. O que entrar nesse espaço do buraco negro nunca mais
sairá dele. O monstro medonho não deixa escapar nem quanta de luz, de
modo que se torna invisível. Sua presença se constata pela curvatura de
nosso espaço, que forma uma espécie de funil em direção ao espaço do
buraco negro. Nesse mundo estranho, as leis da física diferem por completo
das de nosso ambiente:
— Em comparação com o decorrer do tempo em nosso universo, o
tempo no buraco negro corre emsentido inverso.
— Nas dimensões do buraco negro, o espaço adquire caráter temporal e
o tempo, caráter espacial.
— No universo em que vivemos, todos os processos se desenrolam com
entropia crescente. Porentropia entendemosamedida daquela parte do calor
que, durante a transferência da energia, já não fica disponível para realizar
trabalho mecânico. De acordo com a segunda lei da termodinâmica, a
"ordem" dentro de um sistema isolado alcança sempre um estado de
equilíbrio de desordem total, chamado de "entropia máxima". Em palavras
simples: jogando um balde de água quente dentro de uma banheira de água
fria, haverá uma mistura de ambas. Essa mistura échamada de "desordem".
— No espaço do buraco negro tudo acontece ao contrário; os processos
se realizam comentropia decrescente. Aumenta a "ordem".
— No buraco negro, o tempo decorre ciclicamente, o que significa que
os estágios passados voltam a repetir-se continuamente: toda informação
volta a seu princípio. Como nada consegue escapar dessa caixa-forte, não há
mais perda de informação: a ordem é atemporal. Nesse ciclo, crescem a
informação e a ordem — de modo semelhante à experiência humana, que se
enriquece dia a dia pelo aumento de informação.
No papel de destaque: o elétron
Já nos idos de 1963-64, o prêmio Nobel Richard Phillips Feynman,
professordo Califórnia T echnologyInstitute, emPasadena, conseguiuprovar
que o espaço dentro de um elétron não é vazio, registrando-se nele a ação de
neutrinos e de radiação negra.
Jean E. Charon logrou a comprovação complementar de que o elétron se
comporta como um buraco negro, deformando o espaço circundante do
mesmo modo: o espaço se curva e se fecha em torno do minúsculo elétron,
assim como a água envolve a bolha. O elétron possui todas as características
do buraco negro, com mais uma possibilidade: de dentro de seu espaço
fechado, ele consegue entrar emcontato comoutros elétrons.
Opor-se-ia essa afirmação à minha comparação com uma caixa-forte
bemcerrada?
Dois elétrons que se movem rapidamente, um em direção ao outro,
acabam por repelir-se mutuamente. T odo elétron obedece a uma força que o
mantémafastado do outro; essa força é chamada de "ação á distância".
Fótons negros, que são quanta de luz sem massa, de comprimento de
onda muito curto, trocam sua velocidade com os fótons negros de outros
elétrons. O que fascina e importa nesse contexto é o fato de os processos no
elétron se realizarem com entropia decrescente, portanto, acompanhados de
umaordemcrescente. Se os elétrons permutamentre si os fótons negros — o
que é um fato comprovado —, então aumenta continuamente o estado de
informação do elétron. A conseqüência é fantástica. Como o elétron está
presente desde a criação do mundo e como não "esquece" nada, há um
contínuo aumento de suas informações, sejam quais forem os estágios
percorridos.
O elétron sempre foi uma partícula estável. Considerado como portador
de memória, ele assistiu a tudo, desde o início mais remoto. Perpassou o
universo, entrou em toda a matéria, é parte constitutiva de todos os seres
vivos, de todas as plantas, pedras, sóis... e de todos os cérebros. Sua ordem
aumentava, e ele reunia mais e mais informações que podia trocar com as
partículas de sua espécie.
No contexto de sua descrição dos buracos negros
10
, eis o que escreve
Rudolf Kippenhahn (1926), professor de astronomia e astrofísica em
Goettingen:
"Mesmo a matéria que compõe os nossos corpos deve ter fervido ao
menos uma vez no interior de alguma estrela".
Essa afirmação precisa ser recebida e compreendida em todo o seu
alcance: a matéria do elétron é imortal. Como ele nada esquece, como
participou e participa de fatos passados e presentes, tornam-se imortais, ao
mesmo tempo, seu saber e sua experiência. O elétron conserva todas as
mensagens de alegria e sofrimento experimentados. Ele esteve e está em
tudona T erra,em cadapedra, emcada planta...e tudoetodos sãoportadores
de informação. Os corpos morrem e decompõem-se, mas o elétron continua
vivo, passando adiante, numa série sem começo e sem fim, os
conhecimentos e as informações do passado para o futuro.
Jean E. Charon constata
5
:
"Isso significa que toda matéria que tenha participado de uma estrutura
viva ou pensante, possuindo, durante a existência relativamente curta dessa
estrutura, as qualidades de saber dela, não pode voltar simplesmente, após a
morte daestrutura,a seu psiquismo originale difuso. A informaçãoeo saber
adquiridos não podem mais perder-se; nenhum poder deste mundo é capaz
de reduzir a 'consciência' das partículas elementares, após a morte de uma
estrutura de organização complexa".
Caemosvéus
Por trás de muitos problemas paranormais, parapsicológicos c
metafísicos, que ficaram até hoje sem solução, transparece agora, como por
encanto, um sistema cósmico mais amplo. A série de quadrinhos "Amar é...
", reproduzida diariamente em milhões de jornais, pode ser reduzida ao
contato dos elétrons entre dois parceiros. Como tudo fica simples!
Albert Einstein determinou que seu corpo fosse cremado e seu cérebro,
colocado à disposição dos pesquisadores. Em 1978, foi divulgada pela
imprensa a notícia vergonhosa de que seu legado à ciência fora encontrado
num vidro de conserva, mergulhado em aldeído fórmico, dentro de uma
caixa de papelão, no escritório de um laboratório de testes biológicos, em
Wichita, no Kansas, Estados Unidos. Lendo naquela ocasião a notícia
estarrecedora, pensei logo na chance que a humanidade tinha deixado
escapar, depois que as células tinham perecido. Mas agora sabemos que os
elétrons desse supercérebro continuam existindo; eles circulam pelo
universo, estacionam em plantas e pedras e penetram em algum cérebro,
onde fazem ressurgir seu saber acumulado. Elétrons, cujo saber Einstein
aumentara, ressurgem estimulando num novo cérebro idéias que seu dono
não adquiriu por experiência própria.
A lembrança repentina de algum ato ocorre a muita gente. Em nossa
mente, surgeespontaneamenteumquadroou uma situação quepensamoster
vivido, apesar da advertência de nossa memória de que nunca estivemos
naquele lugar e de que não participamos daquele acontecimento. Depois de
descoberta a imortalidade dos conhecimentos dos elétrons, pode-se
considerar desvendado também esse mistério: os elétrons de pessoas
falecidas há muito tempo aninham-se em nosso cérebro, projetando as
imagens de antigas lembranças.
O irreal torna-se fato concreto. O obscuro, o misterioso e o inexplicável
tornam-se compreensíveis. No elétron, o tempo passa em sentido contrário,
como nos buracos negros; por isso ele é capaz de anunciar , também, fatos
futuros: a clarividência, a premonição e aprofecia se tornam explicáveis.
T odos os europeus leram certamente o nome do vidente Gérard Croiset,
falecido há pouco. Investigadores de polícia de diversos países recorriam às
suas intuições quando era necessário descobrir as pistas de uma criança
seqüestrada ou o cadáver de um assassinado. A freqüência de acertos de
Croiset superava a lei das probabilidades. Ele era médium de algo que ele
mesmo não conseguia explicar, ficando sem saber o que se passava em seu
cérebro nesses momentos. Comooutros médiuns destacados, ele se mantinha
sempre humilde, atribuindo sua capacidade a uma força que lhe vinha de
Deus. O poder dos elétrons torna o fenômeno compreensível: uma criança
seqüestrada pensa e emite para o meio ambiente elétrons carregados de
memória. Essas minúsculas partículas oniscientes estão em toda parte,
desconhecendo qualquer obstáculo, qualquer parede que se interponha à sua
frente. Caso o cérebro de um médium consiga interceptar um desses elétrons
emitidos, deixando-o penetrar em sua consciência, achará a pista como se
fosse um "sonâmbulo", enquanto os outros procuram em vão. Ele saberá
dizer , também, se a vítima ainda vive ou se está morta. Como acontecia com
Croiset, outros tambémconseguirão achar umcadáver oculto.
Pode ser que o cérebro necessite de uma certa aptidão para encontrar
acesso às informações dos elétrons. Mas eu desconfio que essa aptidão e essa
capacidade estejam latentes emqualquer um de nós.
Aquilo que ontem não passava de utopia e ficção científica começa a ser
decifrado com a descoberta da potencialidade informativa do elétron. E
agora se coloca a pergunta: e nós, quem somos nós? Para dizê-lo com toda a
rudeza: somos, assim como toda a matéria, veículos e alojamento dos
elétrons, com a função de colher informações e experiências e de armazená-las neles, que duram para sempre e que as passam adiante, de eternidade em
eternidade!
Em meados dos anos.50, uma outra descoberta, igualmente
desconcertante, chocou o mundo. Francis C. Crick conseguiu decifrar, em
colaboração comJ. D. Watson, os mistérios da hereditariedade.
Qualquer célula do corpo contém em si o código genético, o esboço para
a constituição do corpo todo. Essa maravilha da natureza hoje já faz parte
dos conhecimentos gerais, na imagem representativa da hélice dupla do ADN,
mesmo que os biólogos ainda desconheçam a causa que determina a
molécula de ADN a passar adiante as informações sobre a constituição de
um corpo, assim como também não conhecemos as leis que fazem que o
óvulo feminino abrigue apenas um determinado gameta masculino entre os
duzentos ou trezentos milhões que penetram no órgão reprodutor feminino.
A causa que atua nesse caso é o espírito que está atrás da matéria, é a
consciência do elétron: quando os gametas masculino e feminino se
aproximam, realiza-se em fração desegundoumatroca deinformaçõesentre
os prótons negros de seus elétrons. Procura-se o portador mais indicado para
a evolução.
Utopia? Não,atualmente. Wernhervon Braunexprimiu-senestes termos:
"Nada parece, na seqüência dos fatos, tão simples quanto uma utopia
realizada".
Deusnão joga dados
"A substância do mundo é a substância do espírito", escreveu o
astrônomo e físico inglês Arthur Eddington (1882-1944), pioneiro da
pesquisa sobre a estrutura interna dos astros.
Distingue-se entre matéria viva e matéria morta. Essa dicotomia não
corresponde na realidade à matéria: esteja viva ou morta, ela se compõe de
átomos, prótons e elétrons.
Lembremos agora as pesquisas feitas pelo dr . Robins nos círculos de
pedras de Rollright: as pedras pulsavam; surgiam campos magnéticos — eis
o mundo dos elétronsI Quando alguém adentrava o círculo, registrava-se a
interrupção das pulsações. Haveria, a partir desse momento, uma
comunicação dos elétrons com a pessoa? Não seria possível, de acordo com
as pesquisas mais recentes, que um médium, sensibilizado para receber as
mensagens dos elétrons, conseguisse "falar" com as pedras? As pedras
vibram, libertando elétrons e transmitindo informações. Elas atingem os
homens como atingem toda a natureza e o universo inteiro.
Em quase todas as ilhas da Melanésia e da Polinésia existem
antiqüíssimos santuários de pedra. Eles são chamados de marae. A
arquitetura dos maraes não é uniforme. Ora se trata de um grande retângulo
formado por enormes monólitos, como é o caso na ilha Raiatea, ora de um
templo cm forma de terraço, como em Arahurahu, no T aiti, ora de uma
disposição ordenada de monólitos, como na ilha Tubuai, no sul do oceano
Pacífico. Antesda chegada docristianismo, os maraes eram "lugares oficiais
do encontro entre os polinésios e as realidades do outro mundo"
11
.
Desconhecemos os ritos celebrados nos maraes. Os ilhéus, no entanto,
contavam aos primeiros europeus que lá chegaram que os maraes eram
muito tapu, lugaresmuitosagrados. T apu significa "omuitomarcado"— em
oposição ao comum. Nosso termo "tabu" é derivado da língua dos
polinésios.
Oque era"tabu"nos maraes, o queera "muitomarcado"? T eriamsidoas
pedras ao redor das quais os ilhéus se reuniam? Vislumbrariam eles o
espírito atrás da matéria que lhes falava através das pedras?
Havia um outro termo sagrado para os ilhéus dos mares do sul: mana —
em alemão, "wirksam"*. Segundo a informação da enciclopédia Brockhaus,
trata-se de uma palavra usada para designar uma força ou uma influência não
em sentido tísico, mas em algum sentido sobrenatural. Mana age nos seres
humanos e na natureza orgânica, sendo transmitido, via de regra, por
hereditariedade, de acordo com a enciclopédia citada. Mana pode estar
concentrado no homem, como, por exemple no rei sagrado, ou nos objetos.
Mana é também a força que provoca pavor e respeito.
*Em português, "eficaz". (N. do T .)
Um marae não era apenas tabu, ele possuía também muito mana. Eis o
relato de Wilhelm Ziehr
12
'':
"Mana pode ocorrer, também, em certos lugares, como desfiladeiros que
inspiram terror, locais escuros na praia ou na floresta. Um mana impessoal
desse tipo se concretiza, então, em forma de espíritos ou demônios que
rodeiam esses lugares sagrados. Por meio de cerimônias secretas é possível,
por exemplo, a gente se tornar invisível e inviolável em virtude do mana de
uma certa caverna numa rocha de coral que tica nas Novas Hébridas (Port
Olry). Uma rocha saliente congrega tanto mana que qualquer um que se
coloque sob ela pode mudar de sexo. Pedras de formaestranha são colocadas
emlocais especiais de culto, pois elas também abrigamforças misteriosas".
Quando morria alguma pessoa respeitada — um sacerdote sábio, um
cacique admirado, um herói valente —, ela continuava, mesmo na morte,
com um mana misterioso; seus ossos eram mais respeitados que os de
mortais comuns; suas sepulturas se distinguiam das outras por um tabu
especial, porque eles eram possuidores de mais mana.
Ummundoestranho efantasmagórico, cujo cultosópodiaserregistrado,
até agora, como mistério exótico, passa a encontrar uma explicação
plausível. O mana que distinguia o sacerdote sábio, o cacique admirado c o
herói valente, consistia em elétrons imorredouros. Um sacerdote tem mais
mana que os outros, "irradiando" por isso mais sabedoria e conhecimento. O
que parecia simples superstição revela-se como pressentido conhecimento
das forças atuantes que se encontram escondidas na matéria. Não se perde
muito do mana dos falecidos, uma vez que os elétrons continuam sua ação
namatériado corpo.Nãoserialícitoperguntarseé esse omotivode nós nos
sentirmos de modo diferente num cemitério e num teatro ou alhures? Se é
por isso que nos assaltam lembranças do passado e pensamentos sobre o
futuro quando estamos em necrotérios? Se nesses instantes ocorre uma troca
mais intensa de elétrons?
T eriam os assim chamados primitivos um contato mais íntimo com a
natureza, percebendo as vibrações dos céleres elétrons? Saberiameles "falar"
comas plantas, com os animais e com objetos (fetiches!)?
Uma lenda da Polinésia
13
conta que o deus Maui veio das ilhasTuamotu
para Raivavae a fim de erigir um grande marae.
T erminada a tarefa, Maui levou uma das pedras para Tubuai, onde
construiu outro marae, para nele inserir a pedra trazida da outra ilha. Esse
deusdevia estarpossuído de uma verdadeiramania de construção, pois, logo
depois de acabado o marae de Tubuai, pegou outra pedra para edificar em
Rurutu, depois em Rimatara, depois em Rarotonga (ilhas Cook), e assim por
diante. Para toda parte ele levava uma das pedras do marae que acabara de
construir . Seria uma lenda absurda? Hoje sabemos que o deus Maui fez
aquilo: com cada pedra ele implantou o mana dentro da nova construção.
Maui certamente escolhia pedras bem determinadas para essa finalidade.
Pois então vejamos: pedra não é igual a pedra. O basalto tem estrutura
atômica diferente da andesita, o granito a tem diferente das rochas de coral.
É verdade que, no fundo, tudo se iguala no mundo dos átomos, da radiação
difusa e do elétron; mas há diferenças nas retículas atômicas em estado
rudimentar— falamos delas quando nos referimos a Stonehenge. Certos
tipos de pedras trocam seus elétrons mais rapidamente quando se realiza a
adução de pequenas quantidades de energia, enquanto outros só conseguem
soltar seus elétrons com muita dificuldade.
Os homens "primitivos" sabiam disso? T eria sido esse o motivo para
nossos remotos ancestrais reunirem uma seleção de determinadas pedras em
certos lugares de culto? T erá sido esse o motivo de em Stonehenge serem
colocadas precisamente as pederneiras que eram trazidas a duras penas de
quatrocentos quilômetros de distância? Uma publicação do dr . Hans
Biedermann
14
reforça essa hipótese:
"Os arqueólogos que estudam os vestígios das épocas pré-históricas da
Guatemalaconhecemdiversas esculturas depedra,representandocabeçasou
figuras sentadas de homens extremamente gordos. Essas estátuas,
conhecidas entre os arqueólogos como fat boys(Garotos gordos), destacam-se por uma característica até agora ainda não devidamente apreciada,
descoberta pelo geógrafo Vincent H. Malmstrom (Darthmouth College,
Hanôver NH, EUA):certas partesdocorpo são magnéticas. Por volta do ano
2000 a.C, deviam ter existido pedreiros ou artistas plásticos familiarizados
com o fenômeno do magnetismo, uma vez que escolhiam como matéria-prima de suas obras blocos de basalto providos de um magnetismo natural,
em parte fortemente con> provável. No caso das cabeças de pedra, que
lembram até certo ponto as esculturas um pouco mais recentes dos olmecas,
no golfo do México, verificou-se que as zonas de concentração do
magnetismo natural se situam na região temporal, enquanto nas figuras dos
gordos sentados ou agachados estas zonas se concentram na região do
umbigo".
"That's it", disse o lorde, e passou a beber seu uísque. É isso aí, digo eu.
No magnetismo há campos eletrostáticos a se influenciarem mutuamente;
realiza-se uma troca de elétrons. Pesquisadores atuais constataram, com o
auxílio de medidores modernos, o efeito real dessas pedras imemoriais. Mas
gostaria que eles, que pretendem saber tudo, me explicassem com que
aparelhos os cientistas conseguiram determinar, há quatro mil anos, qual era
o ponto magnético de uma rocha!
A investigação do senso magnético no homem vivo está apenas
começando
15
.
Emjunho de 1979, emBernard Castle, umlugarejo do condado inglês de
Durham, foram colocados num ônibus trinta e um meninos e meninas, de
olhos vendados; era um dia encoberto, que não permitia nenhuma orientação
pelo sol. Levaram as crianças a um lugar desconhecido. Na cabeça de
algumas crianças foram afixadas barras magnéticas, e na das outras, apenas
barras simuladas do mesmo peso e aparência. Ainda com os olhos vendados,
as crianças, ao chegarem ao lugar escolhido, deviam indicar a direção em
que achavam que se situava o ponto de partida. O objetivo da experiência era
descobrir se a capacidade de orientação do ser humano sofre alguma
influência de campos magnéticos.
O resultado foi surpreendente e despertou muita atenção na Inglaterra
quando da publicação do relatório no New Scientist, em outubro de 1980.
Das crianças que participaram do teste, apenas as que tinham levado barras
simuladas na cabeça souberam indicar corretamente o ponto de partida, mas
as que tinham levado ímãs ficaramdesnorteadas.
Robert R. Baker, da Universidade de Manchester, graças aos resultados
de outras experiências, acabouporse convencer inteiramente dequeosseres
humanos "dispõem realmente de sensibilidade magnética, que pode até ser
perturbada por outras fontes de magnetismo".
Apesar de praticamente não haver dúvida quanto à percepção magnética
em diversos seres vivos —- abelhas, pombos, aves de arribação, golfinhos,
etc. —, seus mecanismos biofísicos permaneciam um enigma para a ciência.
Pesquisadores da Princeton University , Nova Jersey , conseguiram
comprovar, no ano passado, a existência de material magnético permanente
empartes autopsiadas da cabeça e do pescoço de pombos.
Não ficou claro — segundo os pesquisadores da revista Science — se as
estruturas magnéticas dos seres vivos servem como detectores do campo
magnético da T erra nem se sua percepção é levada até os órgãos sensoriais.
"Já existem pelo menos seis laboratórios em todo o mundo que se dedicam à
investigação do magnetismo humano": é assim que termina esse relatório
atualizado.
O círculo se fecha
Quando as descobertas decisivas de Jean E. Charon forem integradas
nessas investigações,háde fechar-se o círculo:camposmagnéticossão áreas
de atuação dos elétrons. O espírito primevo, o espírito de Deus, sabia disso.
Ele fez que todas as suas criaturas e toda a matéria fossem capazes de
receber a força que emana dos elétrons. Nada daquilo que aconteceu nos
bilhões de anos desde a criação do mundo ficou relegado ao acaso pelo
espírito que está atrás da matéria — a criação do mundo não foi um"jogo"!
Albert Einstein dizia que "Deus não joga dados".
Meus críticos apreciam criticar minha teoria dos deuses astronautas com
a alegaçãomortífera de queaspróprias distâncias quenosseparam de outros
planetas carregados de vida tornam impossível uma participação de
extraterrestres na origem da vida em nosso planeta. Eles afirmam que as
naves espaciais jamais alcançariam urna aceleração que os aproximasse da
velocidade da luz, aúnica possibilidade de transportar a vida!
Sem repetir aqui o que já escrevi em relação a essa posição no meu livro
Provas, basta dizer que, segundo os conhecimentos mais recentes, um vôo
espacial — imaginável! — de um ser tecnicamente superior a nós já nem
seria necessário para introduzir o saber e a experiência dos extraterrestres em
nosso planeta, fazendo deles agentes da "criação" terrestre. O átomo como
veículo de elétrons carregados de todo o conhecimento já existia antes da
criação da T erra. O cérebro de nossos ancestrais poderia tambémter recebido
suas informações sobre a origem do universo por intermédio de elétrons.
T alvez tenham sido os elétrons os mensageiros que anunciaram a existência
de sistemas solares longínquos e de seres estranhos.
"A pergunta 'por quê?' é uma pergunta mal colocada. Melhor seria
perguntar: 'Por que não?' ", escreveu Bernard Shaw .
A resposta soberana veio de Max Planck (1858-1947), que, com sua
fórmula de radiação, inscreveu na bíblia da física a lei da radiação negra do
calor . Em 1918, ele obteve o prêmio Nobel de física por sua teoria quântica.
No crepúsculo de sua vida, Max Planck confessou:
"Como físico, isto é, como pessoa que serviu durante toda a vida à
ciência mais objetiva, a saber, à investigação da matéria, considero-me livre
da suspeita de ser um fantasista. Digo-lhes, portanto, o seguinte, depois de
todas as pesquisas que fiz em relação ao átomo: não há matéria em si! T oda
matéria provém e é constituída de uma força que põe as partículas atômicas
em vibração e as mantém unidas no minúsculo sistema solar que é o átomo.
Mas, como em todo o universo não existe nenhuma força inteligente nem
eterna em si, mister se faz que suponhamos por trás dessa força a presença
de um espírito inteligente consciente. Esse espírito é a causa primeira de toda
a matéria".
O elétron.
4
Caçando fraudes e homenzinhosverdes
"O homem não deveria nunca envergonhar-se de r econhecer um erro.
Afinal, é uma evidência de sua evolução, pelo fato de saber hoje mais do
que sabia ontem."
Jonathan Swift (1667-1745)
Em 18 de dezembro de 1935, explodiu uma espaçonave extraterrestre?
— O que os russos descobriram e o que os americanos dizem — Cientistas
de r enome respondem a minhas cartas — Nada está clar o! — Dúvidas,
permitidas e necessárias — foram "bombas" que trouxeram a vida do
cosmo? — Despedida dos "homenzinhos verdes" — O "mistério dos
diamantes" dos incas, uma grande burla — Ninguém sabe de nada — Como
secaram as fontes in loco — De volta de uma trilha errada, agora, mais
prudente.
O jornalista Henry Gris, que domina perfeitamente a língua russa,
entrevistou o matemático e astrofísico soviético Scrguei Petrovitch Bojitch.
No começo de 1979, a UPI transmitiu essa entrevista sensacional para todo o
mundo, através de seus teletipos. Durante uma estada na África do Sul,
cheguei a tomar conhecimento dela pela edição de 20 de agosto de 1979, do
diário Kand Daily Mail
1
. Fiquei boquiaberto ao ler a notícia: "Na minha
opinião, não há dúvidas de que uma espaçonave extraterrestre está girando
em torno da T erra, túmulo de um mundo distante, com uma tripulação morta
a bordo".
Seráqueoprofessor Bojitch estava ficando maluco? Aovoltarparacasa,
recebi da agência de recortes de jornais a mesma entrevista publicada pelo
National Enquirer
2
. Escrevi, então, para amigos que trabalham na redação
em Latana, Flórida, pedindo uma cópia da gravação da entrevista. Recebi
prontamente uma cópia na tradução inglesa
3
. Passo a citar trechos dessa
entrevista:
Gris: Professor Bojitch,seus colegas semostrammuito contentescom os
resultados de suas pesquisas. Poderia comunicar algum desses resultados a
nós, do Ocidente? Bojitch: Disponho de dados astronômicos definitivos a
respeito de diversas descobertas interessantes. Gris: O senhor está
convencido da exatidão desses dados? Bojitch: Sim, estamos convencidos:
uma espaçonave extraterrestre destruída, proveniente de um outro sistema
solar , está girando emtorno da T erra,desde que sofreu avarias. Elaexplodiu.
Dois fragmentos maiores e oito pedaços menores giram em torno da T erra.
Nossos cientistas observaram, durante anos, por meio de telescópios, os dois
fragmentos maiores. Supomos que vocês, no Ocidente, tenham feito o
mesmo. Acho que se deveria preparar uma missão russo-americana para
trazer à T erra aquilo que sobrou da espaçonave e de seus tripulantes, É
possível fazê-lo, e deveria ser feito antes que os destroços caiam na T erra,
desfazendo-se na atmosfera. Gris: O senhor falou "tripulantes"?
Bojitch: Sim! Acredito que ainda poderia haver estranhos de outro
sistema solar nos dois fragmentos maiores da espaçonave destruída. Quem
sabe como são eles? Provavelmente, estavam tentando observar nosso
planeta, antes que ocorresse um grave acidente a bordo, provocando a
explosão danave. Assimcomomuitosde nossos pesquisadores, elestambém
morreram pela ciência. Pensando em nossa ciência, imagine o quanto não
poderíamos aprender com eles! Nossa tecnologia poderia dar um salto de
dezenas de anos.
Gris: Está seriamente convencido daquilo que está afirmando? Bojitch:
Bem, desde o início estávamos convencidos de que os objetos não podiam
ser fragmentos de espaçonaves terrestres, uma vez que, antes de outubro de
1957, não havia ainda satélites girando em torno de nosso planeta. Mas os
fragmentos estão lá há mais tempo. Depois nos convencemos de que não
podia tratar-se de fragmentos de um meteorito explodido, pois a velocidade
dos dois fragmentos maiores é tão grande que teriam caído fatalmente na
atmosfera terrestre, desintegrando-se, ou acabariam se projetando no fundo
do espaço cósmico. Finalmente, os meteoritos não costumam explodir, a não
ser que entremna atmosfera.
Gris: Não haveria nenhuma outra explicação plausível? Bojitch:
Nenhuma que eu conheça. Examinamos tudo repetidas vezes. Por isso
mesmodemora-se tanto a chegar a uma conclusão definitiva.
Gris: Quando o senhor viu pela primeira vez os dois fragmentos?
Bojitch: Após observar no telescópio de nosso observatório um
fragmento, fiz apenas um registro em nosso diário; depois esquecemos o
assunto, pois há freqüentemente corpos extraterrestres a vaguear pelo
sistema solar; é só pensar nas estrelas cadentes. Alguns meses depois,
descobri o segundo fragmento, sem encontrar uma explicação para ele. Que
seria aquilo? Por que o objeto girava em órbita em vez de ir em frente? Não
esqueça: naquele tempo ainda não havia no espaço lixo produzido pelo
homem. Mais tarde, deu-se um leve desvio de nossos próprios satélites
devido aos dois objetos estranhos. Foi aí que começamos a fazer nossos
cálculos no computador . Encontramos mais oito fragmentos menores não
observáveis opticamente. O computador calculou as trajetórias dos dez
fragmentos retrocedendo no tempo e chegou à conclusão surpreendente de
quetodoseles estavam aindaunidosem18 de dezembrode1955.Nesse dia,
portanto, deve ter havido uma explosão na órbita terrestre; os fragmentos
eram partes de um objeto maior. Passei a discutir o fenômeno com meus
colegas. Durante anos, mantivemos silêncio a esse respeito; queríamos ter
certeza de nossa descoberta, pois afinal somos cientistas. Fizemos cálculos e
mais cálculos, mas agora já não há dúvida; trata-se realmente de pedaços de
umaespaçonave extraterrestre.
Henry Gris pediu a outros peritos russos que manifestassem sua opinião
a respeito das afirmações do professor Bojitch. O dr Vladimir
Gueorgueievitch Ajala, comandante do primeiro submarino russo a cruzar o
pólo norte e autor de diversos livros científicos, comentou;
“É bem possível que os mortos ainda estejam a bordo da espaçonave
estranha.Dispomosdosconhecimentos técnicos necessários; basta, portanto,
que os russos e os americanos se juntem para trazer partes da espaçonave à
T erra. Deveriam agir o quanto antes. Se continuarmos hesitando, é bem
possível que em breve seja tarde demais, pois os fragmentos vão cair na
T erra e desintegrar-se. Na minha opinião, não há nenhuma dúvida de que se
trata realmente de fragmentos de uma espaçonave extraterrestre. Não
devemos confundir esses fragmentos com meteoritos; meteoritos não têm
órbita terrestre!"
O geofísico Aleksei V assilievitch Zolotov — conhecido pelas
investigações emtorno do meteorito de Tunguska, que explodiu às sete horas
e dezessete minutos, em 30 de junho de 1908, na taiga siberiana —
confirma:
"Não resta dúvida: trata-se dos destroços de uma nave espacial
extraterrestre. Estudamos o caso durante muito tempo; agora já não
deveríamos perder mais tempo."
V amos perder, por descuido, a primeira prova autêntica de tecnologia
extraterrestre?
Estarão os russos no caminho certo com sua dedicação? Estarão com a
razão?
Os corpos que eles estão observando no céu, há tanto tempo, seriam
realmente fragmentos de umaespaçonave extraterrestre?
Por que os americanos não tomam nenhuma iniciativa para esclarecer o
fenômeno?
Se essa história, a mais fantástica de nosso século, tem algum
fundamento, por que a imprensa não volta continuamente a destacá-la em
suas manchetes?
Não valeria a pena convocar uma "reunião da cúpula científica" para
essa pesquisa, justificando essa denominação tão pretensiosa e abusiva?
Eu quis saber a fundo o que havia de verdadeiro nessa "notícia
sensacional". Eis a história:
Comouma espaçonaveextraterrestre sedesfaz emnada
Em outubro de 1969, a revista americana Icarus, especializada em
astronomia, publicou um relato de nove imagens sob o título: "Satélites
terrestres — Provas diretas e indiretas”
4
. O artigo estava assinado pelo
astrônomo John P . Bagby , colaborador do centro de pesquisas da Hughes
Aircraft Company , em Culver City ,na Califórnia.
Durante anos, Bagby observou o espaço em torno da T erra. Era uma
tarefa importante, pois, desde o início dos anos 60, os russos e os americanos
começaram a colocar em órbita um número cada vez maior de satélites. As
trajetórias dessescorposcelestes artificiaisnãopodemsofrerdesvios desuas
órbitas previamente estabelecidas, sob pena de provocar uma colisão de
satélites "frouxos". Isso vale também quanto aos satélites geoestacionários
que transmitem, por exemplo, programas de televisão e ligações telefônicas
ao redor da T erra. Vistos da T erra, eles parecem estar parados num certo
ponto do firmamento, mas, na realidade, também se movem. Apesar dos
cálculos precisos das órbitas e da não ocorrência de problemas técnicos,
havia alguns satélites que não se mantinham nas trajetórias previstas. Algum
fator estranho os desviava e alterava sua órbita, levando alguns à
desintegração prematura ao entrar em contato com a atmosfera terrestre.
Russos e americanos começaram a vasculhar, com o auxílio de seus radares
de alta precisão, ponto por ponto do espaço acima de nós: onde estava a
causa das modificações orbitais?
Mesmo antes do lançamento do primeiro Sputnik, em 4 de outubro de
1957, sabia-se da existência de "microluas" naturais que giram em torno da
T erra. Tinham sido registrados dez desses satélites naturais: oito corpos
pequenos e dois maiores. John P . Bagby focalizou essas microluas,
publicando os dados orbitais reunidos durante longo tempo. Depois colocou
esses dados num computador, para verificar se os satélites naturais podiam
ser responsabilizados pelos desvios orbitais dos satélites artificiais. Bagby
— ou melhor, seu computador — constatou um fato surpreendente; uma vez
conhecida a órbita de um corpo celeste e consideradas as demais influências
físicas — como o vento solar, a gravidade da T erra, a força centrífuga —,
podem ser calculados os desvios futuros na trajetória de um satélite. (Por
meio de cálculos semelhantes, foi possível prever, em 1979, onde e quando
cairiam os destroços do Skylab.)
Bagby examinou todas as possibilidades. A fim de evitar a colisão de
satélites artificiais, ele fez que o computador não calculasse apenas os dados
futuros, masretrocedesse emseuscálculos. Ele queriasaberdeonde vinham
essas microluas naturais. E mais: por quanto tempo ainda continuariam a
girar emtorno da T erra.
O cálculo retrocessivo das órbitas deu este resultado: todos os dez corpos
estavam unidos num mesmo ponto em 18 de dezembro de 1955. Não havia
nenhuma dúvida: no dia 18 de dezembro de 1955 acontecera uma explosão
numa órbita terrestre. Mas Bagby dizia, em seu relatório na Icarus, que se
tratava de fragmentos naturais; ele não fez nenhuma menção a uma nave
espacial extraterrestre. Essa idéia ocorreu primeiro aos russos. Por quê?
Os russos não perdemnenhumapublicação interessante do Ocidente, que
muitas vezes coloca seus conhecimentos à disposição do público de um
modo bastante leviano. O professor Bojitch afirma ter observado as
trajetórias dos dois fragmentos maiores, mas, na realidade, foi John B.
Bagby o primeiro a escrever sobre o fenômeno. T anto no Oriente quanto no
Ocidente, não há dúvidas quanto à existência dos fragmentos — a discussão
gira apenas em torno de sua natureza.
As grandes potências gostam de enganar-se mutuamente, mas existem
fatos que não se conseguem ocultar , mesmo que se trate de explosões
atômicas no fundo da T erra. Muito mais difícil teria sido esconder a
colocação em órbita de algum artefato técnico. Fica excluída, portanto,
qualquer possibilidade de se tratar, no caso dos dez pedaços enigmáticos, de
peças artificiais. O primeiro lançamento de um satélite de origem terrestre
aconteceu em 4 de outubro de 1957 — dois anos após a explosão do objeto
desconhecido. Depois da publicação dos dados de Bagby , os russos também
começaram a fazer seus cálculos, chegando a estabelecer a mesma data para
a explosão: 18 de dezembro de 1955.
O que os levou à idéia inicialmente estranha de que os objetos cósmicos
pudessem ser pedaços de uma nave espacial extraterrestre?
Muito vivos, os russos foram adiante em suas investigações: eles
queriam saber qual tinha sido a órbita do objeto completo antes de 18 de
dezembro de 1955. Para ter a resposta, era necessário, antes, conhecer o
tamanho dos fragmentos, para poder tirar, a partir deles, conclusões quanto
ao tamanho do objeto completo. Medições de radar e de raios laser
informaram que os dois fragmentos maiores deviam ter uns vinte e sete
metros de diâmetro; os oito pedaços menores foram avaliados apenas por
ilação. Com base nesses resultados, concluiu-se que o objeto devia ter, antes
do dia 18 de dezembro de 1955, umdiâmetro entre setenta e oitenta metros.
Os russos continuaram investigando; se o objeto fosse constituído de
ferro de meteoro, devia ter um peso diferente daquele que teria uma esfera
oca. Segundo essas pesquisas importantes, o corpo explodido devia ter sido
oco.
Quem estavacom a razão:osrussosouosamericanos? Tratava-sedeum
objeto artificial ou natural?
Fui perguntar aos cientistas — e eles responderam
Escrevi a diversos cientistas ocidentais, apresentando-lhes as minhas
perguntas detalhadas.
OprofessorHarryO. Ruppe,quefoidurante muitos anos a "mãodireita"
de Wernher von Braun e ocupa hoje a cadeira de técnica espacial, da
Universidade de Munique, me deu aseguinte resposta
5
:
"Conheço o artigo publicado na Icarus que o senhor menciona. O cálculo
retrocedente deórbitasé sempre meioduvidoso; por isso,deve-se considerar
a 'unidade do objeto' com certas restrições. Afirmações quanto ao tamanho
do 'objeto original' não passam de palpites. Naturalmente, um tal objeto
poderia ser, em teoria, de origem extraterrestre; no entanto, sempre que
possível, as pessoas procuram contentar-se com uma explicação menos
'exótica' ".
Em termos semelhantes, mas de um modo mais exaustivo, respondeu o
engenheiro da NASA, Jesco Puttkamer
6
;
"Até hoje, não há nenhuma prova da existência de satélites naturais em
torno da T erra,a nãoser aLua,Os dadospublicadosporBagby , noartigoda
Icarus que o senhor menciona,passaramaser objeto desériasdúvidas, tanto
que o dr . John O'Keefe, do NASA-Goddard Space Flight Center, um dos
peritos mais destacados nesse campo, tem tachado os dados de Bagby como
wrong (errados),semexceção.Eleafirmater conversadodiversasvezescom
Bagby , chegando a convencê-lo de que as interferências orbitais,
supostamente provocadas pelos satélites hipotéticos em satélites artificiais,
não correspondem à realidade. Desde aquele tempo, foram feitas diversas
buscas intensivas a procura de outros satélites, sempre sem qualquer
resultado. É claro que registramos meticulosamente todos os satélites
artificiais — que já são mais de quatro mile quinhentos —, dos quais muitos
são 'desconhecidos', mas não de origem extraterrestre (fragmentos, URSS,
etc).
Quanto à sua pergunta sobre por que esses objetos devam ser de origem
natural, basta dizer que é essa, logicamente, a idéia mais óbvia. Salve-se que
o sistema solar está repleto deles: portanto, não parece ser improvável que a
T erra também tenha os seus. Espaçonaves extraterrestres existem, até o
momento, apenas em nossa fantasia, não tendo nenhum sentido para o
cientista e carecendo de todo e qualquer fundamento o ato de declarar esses
produtos da fantasia como reais, porquanto existem, em seu lugar,
explicações mais simples, justificadas, comuns e lógicas.
Em resumo, a bolha da 'nave espacial extraterrestre' se desfaz como por
encanto, não deixando realmente nada de sobra. Mas esse fato não impedirá
que muita gente de boa fé, comotambémos mentirosos profissionais, voltem
sempre a apresentar novas provas que, na realidade, nem existem."
O professor Frank Drake é o mais conhecido radioastrônomo do mundo.
Ele é o diretor do National Astronomy and Ionosphere Center , da Cornell
University , em Ithaka, Nova Y ork, que dispõe de um dos maiores
radiotelescópios do mundo, construído em Arecibo, Porto Rico. O professor
Drake medeu a resposta abaixo
7
:
"Caso os objetos se tenham originado realmente de um corpo étnico, não
estamos em condições de dizer, atualmente, qual a procedência desse corpo.
Para tanto, precisaríamos de um exame direto. Seja como for, o mais
razoávelpareceser, obviamente,uma suposta origemnatural,deacordo com
os conhecimentos disponíveis hoje em dia a respeito de tais objetos. Uma
importância especial deve ser atribuída ao fato de o eixo estimativo das
órbitas desses objetos se localizar justamente dentro da linha de Roche*.
Resulta daí a idéia bem provável da desintegração de um objeto natural em
virtude das forças de gravidade, ao ultrapassar a linha de Roche.
Pressupondo que o objeto grande tenha se partido de modo suave e não em
conseqüência de uma explosão, teríamos uma congruência entre essa
suposição e o fato de os objetos se apresentarem em órbitas muito
semelhantes. Estaríamos, assim, em harmonia com a idéia de uma
desintegração provocada pela força da maré.
Na "linha de Roche" verifica-se a atuação tanto da gravidade da T erra quanto da
gravidade da Lua.
Não tenho informações sobre o tamanho de cada um dos objetos, nem
sobre seu atual paradeiro, Não tenho conhecimento, tampouco, de planos
para uma investigação mais direta desses objetos. Espero que essas minhas
informações lhe sejam úteis."
Tudo claro, então? Nada estáclaro!
Com essas três respostas concisas e seguras parece estar tudo
esclarecido. Mas, será mesmoassim?
Um princípio científico estabelecido é o de que, para encontrar
alternativas de solução para questões abertas e surpreendentes, devem-se
empregar, primeiro, os conhecimentos mais próximos guardados — por
assim dizer — na geladeira; as explicações ''exóticas" (Ruppe) ficam para
depois. As cartas Citadas partem desse princípio. Sem a observância desse
princípio básico da lógica científica, correr-se-ia o perigo de dispersar , sem
critério, as forcas e os meios disponíveis para a pesquisa. Poderiam vir a ser
abordados problemas que, no final das contas, apenas levariam ao
desperdício de tempo e dinheiro. Nada mais que despesas!
Parece-me, no entanto, que grassa um vacilo despercebido nesse
procedimento comum. A "idéia logicamente mais óbvia" (Puttkamer) estará
necessariamente "de acordo com os conhecimentos disponíveis hoje em dia"
(Drake). Se "até hoje não há nenhuma prova" (Puttkamer), então trata-se de
uma clara negativa à fantasia construtiva — que, afinal, teve um papel
importante, inicialmente, na fundação da NASA, com seus planos audaciosos
— e às especulações que deveriam ser consideradas. Wernher von Braun
mostrou-se atento a essa problemática, quando me deu a oportunidade de
uma entrevista. A resposta mais óbvia virá sempre de um ponto de vista
atual. Para pôr em dúvida esse princípio de cunho extremamente
conservador, permito-me citar o cientista e diplomata americano James
Briant Conant,que escreveu estas palavrasem seulivro Modern scienceand
modern man (1952):
"A história da ciência demonstra, indubitavelmente, que progressos
revolucionários e significativos não provêm do empírico e sim, de novas
teorias".
Muitos exemplos comprovam como é possível ser vítima de erros,
quando se tomam em consideração apenas as soluções "mais óbvias":
Há quarenta anos adoeceu um prospector, isto é, um indivíduo que
vasculha o chão à procura de reservas de minério de ferro, de cobre e outros
metais. Ele se queixava de ataques de tontura, seus olhos doíam, sua pele
ressecara e, com freqüência crescente, sofria crises de um cansaço
extenuante. T endo sempre soluções evidentes em suas maletas, os médicos
diagnosticaram, primeiro, um resfriado, depois acharam que devia ser uma
gripe, depois anemia e, finalmente, falaram de um vírus desconhecido. O
prospector era medicado de acordo com esses diagnósticos, até que
sobreveio a morte de maneira bastante dolorosa.
E o que eles não viram ao emitir tantas respostas "óbvias"?
Sem sabê-lo, o prospector tinha trabalhado durante um período longo
numa região em que havia um veio de urânio sob a terra. O urânio natural
emite radiações, e a natureza que abriga em seu seio o elemento radiativo
não o protege com muralhas de concreto e câmaras de água. Como as
soluções óbvias não permitissem que se chegasse àquela possibilidade
decisiva — numa profissão desse tipo! — foi aplicada ao paciente uma
terapêutica errada: em vez de ministrarem preparados que diminuíssem os
efeitos da radiação, receitaram poções contra gripe e remédios à base de
hemoglobina, contra aanemia. Fez-se o que era mais óbvio.
Outro caso:
Há mais de vinte e cinco anos, milhares de pessoas afirmam ter visto
OVNIS. Esses objetos não se coadunam com o saber "racional" da ciência,
em seu atual estágio de conhecimento; portanto: não existem. O argumento
mais à mão para acabar com o problema é fornecido pela psicologia: essas
pessoas sãoloucas,sofremde alucinação, percebendoobjetos nãoexistentes.
Eu não sou entusiasta dos OVNIS, mas acho que esse método "óbvio" apenas
empurra o problema para escanteio, sem dar-lhe, realmente, uma solução.
Outro caso ainda:
Há muitas tradições que nos falam, em termos gerais e em detalhes, de
"deuses" que teriam invadido o nosso planeta, vindos lá do céu. Antigos
cronistas relatam seus nomes e suas funções, constatam suas realizações e
descrevem com precisão sua chegada e seu retorno. Mas, como os "nossos
conhecimentos atuais" não permitem "nenhuma prova" de sua existência
r eal, procura-se, novamente, a resposta mais "próxima" no campo da fé e da
religião ou em interpretações pseudopsicológicas. Não há de ser assim,
porém, que nos daremos por satisfeitos com um feijão e arroz qualquer da
cozinha experimental tradicional.
Se as constantes admoestações de nada adiantaram, deveria, ao menos,
chamar a atenção o fato de tantas descobertas fundamentais e pioneiras
terem sido realizadas por leigos que não se preocuparam com "o estágio
atual do saber", avançando com sucesso em campos 'exóticos para os quais
não se atentaram. Esses intrusos não se satisfazem com a solução mais
"óbvia": ingenuamente fazem suas perguntas depois da resposta mais
"óbvia" — perguntas utópicas além do estágio "atual do conhecimento".
Durante muitas noites discuti essa problemática com cientistas amigos
meus. Eles responderam: o que podemos fazer? Correr atrás de toda e
qualquer fantasmagoria? Em pouco tempo, nossos recursos financeiros, que
vêm das universidades e do governo, seriam cortados. Considerando esse
raciocínio na base de valores prováveis, parece-me que a ciência se coloca
numdilemafatal entre "respostas mais óbvias" e acertos casuais empíricos.
T enho fantasia, mas não sou fantasista. (Compreendo o di lema, não sou
a favor de caminhadas indiscriminadas atrás de qualquer tipo de
excentricidade. Medeia, no entanto, um campo imenso — para usar as
palavras de Theodor Fontane — entre "respostas óbvias" e respostas
especulativamente possíveis. Antes de seguir as pegadas de uma resposta
possível, deve-se examinar seriamente o grau de probabilidade de eu
encontraruma solução.Esse tipo de procedimento nãocusta dinheiro, requer
apenas o uso da cabeça. É necessário que se procure saber com toda a
isenção searesposta possível temalguma chancerealem relaçãoà "resposta
mais óbvia".
Adúvida não éapenaspermitida, ela énecessária
Em nosso caso concreto, temos diante de nós duas declarações opostas,
A resposta, mais óbvia, no Ocidente, é esta: trata-se de satélites naturais que
estão girando em torno da Terra como dez fragmentos não identificados. Os
russos afirmam: "Pesquisamos e voltamos a pesquisar, fizemos cálculos e
mais cálculos... trata-se de fragmentos de uma nave espacial extra-terrestre".
Não cabe a mim apreciar a qualidade das declarações de cada um dos
lados, mas minha consciência me diz que os estimados cientistas de ambas
aspartesdeveriamsentar-sejuntosàmesa. Sou contra o desperdíciode uma,
chance inédita. Sou a favor da sugestão russa, que propõe um exame
meticuloso de, ao menos,um dos objetos,antesqueelese percaparasempre
na atmosfera terrestre. Bilhões de dólares foram gastos para trazer algumas
amostras de pedras da Lua, e, no entanto, ninguém mais fala nelas. Mas, ao
alcance de nossa mão, giram dez pedaços não identificados entre quatro mil
e quinhentos satélites artificiais registrados, sem que ninguém ligue para
eles... no Ocidente! Só porque uma "resposta óbvia" já os colocou de lado.
T ambém simpatizo mais com a idéia de que se trata, no caso dos dez
fragmentos, de objetos de origem natural, mas devem ser provenientes de
algum lugar . Certamente não partiram da T erra. O bloco completo que, de
acordo com a opinião maravilhosamente unânime tanto do Ocidente quanto
do Oriente, se partiu no dia 18 de dezembro de 1955, devia ter atrás de si
uma longa viagem. Sua simples existência já deveria estimular novamente a
pergunta sobre uma vida fora dos limites da T erra. Não poderiam ser também
esses minicorpos os portadores de formas estranhas elongínquas de vida?
Em novembro de 1980, realizou-se na Universidade de Maryland, nos
Estados Unidos, um encontro de respeitáveis estudiosos para examinar a
questão do surgimento da vida na T erra a partir de uma "fecundação"
procedente do universo
8
. Quando, em 1973, propus humildemente uma
discussão sobre essa possibilidade, choveram toneladas de escárnio sobre a
minha cabeça; agora há cientistas falando sobre esse tema. Sinto-me feliz!
Falta ainda a prova definitiva da existência de vida extraterrestre. O fato
de a questão da existênciade formasdevida cósmica ter-se transformadoem
ponto sério de pesquisa se deve, em grande parte, de acordo com o professor
Hans Elsaesser, "à opinião de muitos cientistas que consideram a suposição
de sermos os únicos seres inteligentes no cosmoumcaso de megalomania".
As especulações sobre vida extraterrestre não são tão novas assim. O
físico e fisiólogo Hermann Eudwig Ferdinand von Helmholtz (1821-1894)
escreveu:
"Quem sabe se os meteoritos e os cometas que viajam pelo universo não
levam o germe da vida para todas as partes onde os mundos estão
desenvolvidos a tal ponto que seres vivos tenham uma chance de
sobreviver?"
Sherwood Chang, do instituto de pesquisa da NASA de Ames, na
Califórnia, descreveu, durante o simpósio de Maryland, em 1980, a
possibilidade de um desenrolar dos fatos nestes termos: a T erra era inóspita
como outros corpos celestes analisados recentemente pelas sondas espaciais
— nua como a Lua, dura de gelo como Júpiter , poeirenta e cheia de crateras
como Marte, sem atmosfera. Cometas e asteróides, porém, foram caindo na
T erra como"bombas", trazendo comsua matéria rica emcarbono a base para
qualquer tipo de vida. Sherwood Chang está convencido de que a vida
primitiva se desenvolveu a partir desses primeiros elementos biológicos.
Quanto a objeção de que a radiação cósmica e o calor elevadíssimo teriam
destruído as moléculas, pode-se citar a opinião de Don E. Brownlee, da
Universidade de Washington, que sustenta a possibilidade de terem as
partículas ricas em carbono sobrevivido à longa viagem. Por meio de sua
radiação característica, conseguiu Brownlee detectar pelo menos cinqüenta
compostosquímicosque poderiamterservidode base para a orige mdavida,
compostos estes que fazemparte dos meteoritos eda cauda dos cometas.
A mesma tese é defendida por Y eheskel Wolman, da Universidade
Hebraica, de Jerusalém
9
'. Durante umcongresso, realizado no verão de 1980,
mais de cem cientistas discutiram a questão "Será que Adão veio do
espaço?" Estando de acordo quanto ao desenvolvimento das formas de vida
primitivas para as superiores, houve, no entanto, muitos debates quanto ao
passo que separa o mundo mineral, abiótico, das primeiras formas de vida
primitiva.
Eis as palavras do professor Wolman:
"Sabemos, por análises químicas, que os elementos básicos da vida são
formados por composições químicas com moléculas gigantes. Cada uma
dessas moléculas é formada por várias centenas de milhares e até milhões de
átomos. Chamamos essas substâncias químicas de polímeros. Quando
soubermos como c quando surgiram os primeiros polímeros, estaremos mais
perto do início da vida... Desconfiamos que as substâncias básicas de que a
natureza se utilizou para criar os primeiros polímeros tenham vindo do
universo, não da superfície terrestre".
No decorrer das discussões, registrou-se a seguinte intervenção do
professor Emanuel Gilav, do Instituto Weizmann de Ciências, de Rehovot:
"Nossa pesquisa começou como qualquer outra, motivada pela
curiosidade. Logo que soubermos como se originaram as primeiras células
vivas, teremos, também, mais facilidade para combater o câncer . Pois o
câncer não éoutra coisa senão a multiplicação doentia de células".
No segundo capítulo do Gênese está escrito: "E o Senhor Deus fez o
homem do pó da terra". Ficou comprovado que os polímeros se formam
mais facilmente de substâncias orgânicas comuns quando caem em terra
argilosa.
Tudobem. Descobrimosaexistênciadeelementosnecessáriosà vida, no
universo, mas isso não nos obriga a acreditar na existência da vida fora da
T erra. E, no entanto, na vizinhança da T erra giram uns corpos sem que a
gente se dê ao menos ao trabalho de verificar se corpos extraterrestres —
esqueçamos os pedaços de umanave extraterrestre de que falamos russos —
contêm algum tipo de microrganismo que poderia, ao menos, confirmar de
modo irrefutável aexistência de vida no universo.
Será que os nossos esforçados cientistas não sabem dessa chance que
está ao alcance de suas mãos, para transformar as hipóteses em fatos? Não
faltam recursos técnicos para investigar os dez fragmentos ominosos. E por
que não se passa à ação? Quer se trate de fragmentos de origem natural quer
de origem artificial, que importância tem isso em comparação com
problemas incomparavelmente maiores? E se os fragmentos de existência
comprovada pudessem esclarecer a origem das primeiras células, haveria
uma possibilidade de vencer o câncer . V amos esquecer a suposição utópica
de que se trata de pedaços de uma nave espacial extraterrestre destroçada.
Melhor é pormo-nos a caminho para procurar as origens da vida. Esse
objetivo vale qualquer esforço. Nesse sentido, as pesquisas já realizadas
tanto no Oriente quanto no Ocidente têm um grande valor . Falta apenas
apontar para um objetivo diferente, novo. Que dificuldade haveria nisso? Se
a ONU não fosse apenas aquela associação impotente que se esgota em
votações, bem que poderia conclamar a todos para essa grande façanha em
conjunto: procurem os vestígios da primeira vida no espaço... e poderemos
vencer o câncer .
Despedidados homenzinhosverdes?
Sabemos comquededicação a ciênciaprocuradescobrir a maneira como
a vida chegou ao nosso planeta.
Quando surgiu a idéia de que poderíamos não ser os únicos seres vivos
inteligentes no universo, começaram as especulações jocosas e zombeteiras:
qual seria o aspecto desse pessoal de outras estrelas? Na esperança de poder
acabar com a suposição de vida extraterrestre por meio de chistes,
apareceram nas manchetes os "homenzinhos verdes". Mas esse tipo de
"humor" não pegou, porque aumentava dia a dia o número de pesquisadores
que aderiam à idéia de que a nossa civilização é apenas uma entre milhões
ou até bilhões de outras civilizações.
As declarações mais pessimistas, hoje, são, a meu ver, justamente as
daqueles que, ainda há pouco, queriam alcançar literalmente as estrelas,
como o astrofísico soviético Iosif Samuilovitch Schklovskij. Em seu
instituto, em Moscou, que fica na Universitetskiprospekt 13, ele afirmou na
minha frente que havia presumivelmente planetas com vida inteligente num
raio de cem anos-luz; ele me falou, também, de uma estação espacial de
comando cibernético capaz de resistir sem danos a uma viagem de mil anos.
Hoje, o mesmo Schklovskij considera a T erra como "exceção rara no
universo", passando a presumir uma distância de dez mil anos-luz até a
civilização mais próxima.
Essa declaração do russo
10
, considerando a T erra como "exceção rara no
universo", não é nada nova. Ela é tão bolorenta quanto a tese de Jacques
Monod, divulgada em1974 em seu livro Acaso e necessidade, de que nós, os
habitantes da T erra, seríamos — em virtude de um acaso — os únicos seres
providos de inteligência em todo o universo. V ou apresentar algumas
considerações que, ao que parece, não foram abordadas na discussão pública
que se seguiu:
— Os cientistas não precisam provar que a vida deve ter começado de
alguma maneira, em algum lugar e em algum momento. Nós mesmos somos
prova disso: nós existimos!
— T oda a vida obedece à mesma lei de multiplicação e de expansão.
T odos os dias vemos essa realidade acontecer em torno de nós — desde
quando e por que? — e até contribuímos com satisfação para esse processo,
Portanto, o fato de a vida ter que terminar para poder recomeçar é outra
realidade primária que não precisa de mais provas.
— A vida irracional nas formas mais primitivas da vida só tem
capacidade de se expandir em seu próprio planeta, a não ser que um
acontecimento físico (como terremotos, irrupções de vulcões, destruição de
planetas pelo impacto de um meteoro) provoque o lançamento de esporos e
germes de formas irracionais de vida para dentro do espaço cósmico.
— Avida inteligente tema tendência de expandir-se. Umavezcriadasas
condições técnicas prévias, ela tende a deixar para trás seu planeta original
para procurar objetivos longínquos.
A nossa própria exploração incipiente da Lua, de Marte, de Júpiter e de
Vênus é umaprova dessa tendência.
— Avidainteligentenão precisa se espalhar,necessariamente, atravésde
espaçonaves tripuladas. Seres extraterrestres dotados de inteligência podem
mandar, por exemplo, bombas carregadas com vida, em cápsulas leves,
lançadas para tora de seu sistema solar por meio de foguetes. Nessas
cápsulas pode haver microrganismos de células contendo o código genético
da própria espécie. Utilizando-se desse método, os habitantes de outros
planetas poderiam vir a fecundar um número infinito de sistemas solares,
como foi admitido no simpósio de Maryland, em 1980. Em planetas
propícios à vida, os microrganismos garantemumadifusão rápida e global.
— Muitas cápsulas não chegarão nunca a um objetivo, vagando de
eternidade em eternidade pelo espaço ou desintegrando-se em algum sol.
Essa possibilidade de disseminação da vida já poderia ser até realidade para
nós mesmos. Quando o leitor tiver em mãos este livro, a sonda de Júpiter
lançada em março de 1972 já terá passado por Saturno, deixando atrás de si
o nosso sistema solar . Se essa sonda tivesse levado um pequeno recipiente
cheio de bolinhas microscópicas, que poderiam ter sido espalhadas por meio
de sinais de rádio, haveria uma possibilidade de serem levadas as nossas
"mensagens de vida", genes e microrganismos, em todas as direções do
universo, atingindo, eventualmente, algum planeta apto a receber a vida, que
poderia evoluir, por milhares de anos, "segundo a nossa imagem e
semelhança",
— De acordo com esse esquema, a vida pode desenvolver-se, segundo o
modelo preestabelecido, em diversos sistemas solares. Essa evolução em
outros planetas foge à nossa inclinação de abarcar tudo pelas ciências e pela
estatística.
— Por isso, não há resposta para a pergunta: "Qual é a probabilidade de
surgir vida em outros planetas?" A vida disseminada por nós (ou por outras
inteligências), uma vez presente no universo, segue evoluindo de acordo
com sua própria lei intrínseca. A vida se multiplica e cresce como uma bola
de neve. Infinitamente, sem parar .
Levando emconsideração todos os critérios possíveis, podemos escolher ,
a meu ver, entre três hipóteses;
Primeira:avidaéinfinitamente complicada.Foium golpede sorte único
— um acaso? — que fez que existíssemos (Monod).
Segunda: a vida pode ter surgido em tempos diversos, lugares diferentes
e sob formas as mais variadas. Essa possibilidade é tão remota que poderia
acontecer somente a cada dez mil anos-luz (Schklovskij).
T erceira; a vida se desenvolveu uma única vez, num lugar qualquer, num
momento qualquer, difundindo-se por adição e multiplicação. Essa suposição
ressalva o princípio da evolução, que afirma a semelhança de todas as
formas desenvolvidas inteligentes (Däniken).
A primeira e a segunda hipóteses não podem ser comprovadas,
atualmente: não há dúvidas quanto à nossa própria existência, mas não
sabemos, com certeza, se existem outros seres inteligentes. A terceira
alternativa pode ser provada: nós existimos, e todo ser vivo inteligente
procura difundir-see multiplicar-se.Nós— comoaliás a próprianatureza—
procedemos de acordo comessa lei.
Semos homenzinhos verdes!

O fosfato, a única riqueza da ilha, é explorado irracionalmente. No porto de Nauru, faz-se
o embarque em grandes cargueiros, que levam o fertilizante para a Austrália e a Nova
Zelândia. Até quando?

Desde tempos imemoriais, os nativos fazem suas necessidades na praia de T araua, em
palafitas construídas dentro do mar, Para chegar lá, é preciso atravessar troncos de palmeiras
pouco firmes.

3 Praia de Taraua — uma das dezessete ilhas paradisíacas do oceano Pacífico. Mas
mesmo neste paraíso há greves.

4 As choupanas das pequenas aldeias são totalmente construídas de material fornecido
pelas palmeiras. Abertas para todos os lados, têm, em sua maior parte, apenas um cômodo —
lugar de reunião de toda a família.

5 Em qualquer parte para onde fôssemos, em nosso furgão Datsun, sempre éramos
acompanhados pelos pequenos ilhéus alegres, rápidos e prestativos — na medida em que
conseguíamos comunicar-nos com eles.

6 T eeta, nosso anjo negro, abre com seu facão um coco, cuja água é ótima para matar a
sede e cuja polpa aplaca a fome; um alimento, portanto, saudável e completo ao mesmo
tempo.
7 A viúva do pastor Kamoriki nos convidou para a ceia, repleta de especialidades
saborosas da ilha e animada por uma noite divertida.

8 Como os edifícios públicos, a casa dos Kamorikis é uma das poucas construídas em
alvenaria em toda a ilha. Uma casa pequena, mas cheia de hospitalidade

9 A maneba, a casa de reunião, é o centro de toda a aldeia. Só os velhos têm o direito de
falar;os maisjovens sóabrem abocaquando sãoperguntados,e asmulheres nemtêm acesso
a ela; elas conversam em suas choupanas.

10 O "aeroporto" de Abaiang não passa de uma clareira aberta na selva, como todos os
aeroportos dessas ilhas. Os animais pastam na pista de aterrissagem, cheia de irregularidades,
enquanto guardas sonolentos a "vigiam"

11 Duas das várias pedras de orientação da ilha Arorae. Firmemente fincadas no chão,
elas apontamdesde tempos imemoriais para ilhas situadas em mares longínquos.

12 O local do tabu na ilha T araua do Norte é demarcado por um retângulo de pequenas
pedras. Não há vegetação em seu âmbito. Até as palmeiras afastam dele suas copas.

13 Aimagem conhecida de Stonehenge, com seus trílitos monumentais.

14 Foi em Rollright que começaram as pesquisas que haviam de levar a descobertas
totalmente novas. De ambos os lados da estrada, prolongam-se essas linhas formadas por
pedras que "falam".

15 Mesmo carcomidas pelas intempéries de milênios, as pedras de Rollright têm coisas
fantásticas a revelar .

16 O marae de Arahuaharu, no T aiti, é formado por terraços de pequenas pedras
sobrepostas. O marae continua sendo, mesmo nos dias de hoje, um lugar sagrado para os
polinésios.

17 Para o marae de Raiatea, na Polinésia Francesa, também foi levado um monólito
cheio de mana, pelo deus Maui.

18 Duas vezes por semana um aparelho da Aero Peru aterrissa, entre nuvens de poeira, no
primitivo aeroporto de Huánuco, a mil e oitocentos metros de altitude. Para os turistas,nãohá
muitos atrativos, exceto o panorama maravilhoso de suas montanhas.

19 Kotosh, local de achados arqueológicos pré-incaicos, situado perto de Huánuco, virou
prado verdejante, onde brincam pequenos índios, vigiados por mães zelosas.

20No valedo Indo, apreferênciaé dada sempreaos camelos, cachorros e, naturalmente,
às vacas sagradas. Infelizmente, esses animais não conhecem regras de trânsito.

21 Os paquistaneses pintam seus caminhões e ônibus de todas as cores e matizes para
encantar seu São Cristóvão, padroeiro dos motoristas. Como os passageiros chegam vivos a
seu destino nesses ônibus superlotados, parece que esses veículos coloridos cumprem, apesar
de tudo, sua função.

22 A dois mil cento e oitenta metros de altitude, passa-se pelo túnel de Baniha. Do outro
lado surge, como por encanto, o vale de Caxemira, com seu panorama fantástico.

23V ez por outra, passamos por pequenas aldeias tipicamente tibetanas. Suas ruas são de
aspecto agradável e limpo, como as pessoas amáveis que as habitam

24 Na periferia de Srinagar correm regatos que servem, ainda hoje, de esgoto a céu
aberto. Seu aspecto é bonito para os olhos, mas seu cheiro é desagradável.

25 Nos canais de Srinagar ancoram centenas de barcos. Devido ao grande número de
canais, Srinagar é chamada a "V eneza do Oriente".

26 A igreja, em que se diz que estão os restos mortais de Jesus, chama-se Rauzabal
Khanyar . È um lugar de peregrinação para cristãos, muçulmanos e hindus

27 Através de uma pequena porta aberta na grade, desci para a cripta, que não costuma
ser aberta.
28 Sob essa pedra estaria depositado, segundo a tradição, o sarcófago que abriga o corpo
de Jesus de Nazaré

29 As ruínas de Parahaspur dão a impressão de uma destruição que veio do ar.

30 Aqui, como na América do Sul, parece que não houve problemas com o tamanho e o
peso dos colossos de pedra, nem no transporte nem na fase de lavra.

31 O céu abriu suas comportas. A estrada que leva a El Baul ficou inundada em pouco
tempo, tornando-se um caudaloso rio.

32 O "monumento El Baul número 27"

33 Em Puma-Punku encontra-se esse monólito que aparece na literatura com o nome de
"escrivaninha".

34 Os construtores pré-históricos de Puma-Punku certamente deviam ter conhecimento
do compasso como instrumento técnico.

35 Vindo de longe, chega ao vale de Pisco, no Peru, essa misteriosa faixa perfurada por
milhares de buracos. Não há explicação para ela.

Umesqueletoextraterrestre?
Oque durante milêniosficouescondido sob aterraprecisaesperar o"dia
D" do encontro comigo. Mas não será esquecido, pois meu arquivo é
marcado em diversas cores para lembrar-me. Lá estava aguardando a sua
oportunidade, também,essa notícia, na seção IMPROVÁVEL: umareportagemde
1975, de cunho bastante sensacionalista:

O padre Gustavo Le Paige, que teria achado esqueletos de mortos de outras estrelas.
"Em sepulturas pré-históricas: mortos de outras estrelas O padre belga
Gustavo Le Paige está convencido do sepultamento na T erra de seres vivos
parecidos com os homens, que vieram de outros planetas há milênios. O
padre Le Paige trabalha como missionário no Chile. Há mais de vinte anos
ele realiza trabalhos de pesquisa arqueológica. Esse missionário, que tem
setenta e dois anos, localizou cinco mil quatrocentas e vinte e quatro
sepulturas humanas, das quais diversas teriam, segundo suas informações,
mais de cem mil anos. A um repórter chileno, o padre Le Paige, fez,
recentemente, as seguintes revelações: 'Creio terem sido enterrados nessas
sepulturas, também, seres extraterrestres. Algumas das múmias encontradas
por mim denotam formas de rosto desconhecidas aqui na T erra'
11
".
No extremo nortedo Chile,o padreencontrou uma esculturade madeira,
dentro de uma sepultura antiqüíssima. A peça c|uc cobre a cabeça é muito
semelhante a um capacete de astronauta colocado sobre umtronco cilíndrico.
De acordo com a opinião do santo homem, a oferenda funerária é de
origemextraterrestre:
"Ninguém acreditaria em mim, se falasse de todos os outros objetos que
encontrei nesses túmulos".
Para ser sincero: eu tambémnão acreditei. Mas, comoé do meucostume,
peguei o telefone e liguei para a redação do jornal, em Hamburgo. Eles não
dispunham de outras informações além daquelas que constavam do artigo;
havia apenas um telex procedente do Chile que tinha servido de fundamento
para a notícia publicada. Fim de linha! Quando pedi informações a dois
jornalistas meus conhecidos que trabalham em Santiago, a resposta foi
igualmente negativa: ninguém sabia do padre. O artigo do jornal acabou no
arquivo sob o título IMPROVÁVEL.
Ele continuaria lá, se a revista mexicana V istazo
12
não tivesse publicado
fotos de um esqueleto que estaria em poder do professor Ramón de Aguilar ,
do Panamá. Emtodo caso, havia chegado a um nome!
Precisamente no Natal de 1979, a conhecida revista brasileira Gente
13
voltou a apresentar o esqueleto extraterrestre, atribuindo-o novamente ao
professor Aguilar . O rosto simpático de um homem na flor da idade, de
aspecto inteligente, não parecia ser o de um charlatão. E ele não é charlatão
mesmo, posso afirmá-lo agora, depois de conhecê-lo pessoalmente.
Com algum atraso, chegou às minhas mãos uma reportagem da revista
espanhola Mundo Desconocido
14
que trazia outras notícias do padre e de seu
esqueleto.
O arquivo IMPROVÁVEL estava me dando sinais de incentivo.
Há anos que privo da amizade do redator-chefe de Mundo Desconocido,
Andreas Faber-Kaiser . Solicitei sua colaboração. Ele nada sabia arespeito do
padre, mas conseguiu arranjar-me o endereço do professor Aguilar . Do
Méxicoe doBrasil não tinharecebido resposta ameu pedido deinformação,
masoprofessor merespondeuimediatamente: elese colocava inteiramentea
meu dispor para mostrar-me o esqueleto, e eu poderia fotografá-lo de todos
os ângulos.
Mas quem é e onde se encontra o padre Le Paige, o descobridor da
mensagempré-histórica?
A embaixada suíça, toda voltada para os assuntos do aquém, respondeu-me, no dia 4 de março de 1980, emcarta do conselheiro V . Vuffray
15
:
"Prezado sr .von Däniken,
Confirmando orecebimento de suamissiva dodia23 defevereiro,posso
comunicar-lhe que o padre belga Gustavo Le Paige, conhecido pessoalmente
pelo missivista, vive atualmente no Colégio San Ignacio, Calle Alonso
Ovalle, 1480, em Santiago. Em vista da grave doença que o acometeu nos
últimos meses, quando teve de se submeter a um demorado tratamento
médico, é muito provável que não mais possa voltar a San Pedro de
Atacama.
Neste povoado, que fica na região norte, ao sopé dos Andes, bem
próximo ao deserto de salitre, o mencionado padre construiu um museu que
abriga toda a riqueza de esqueletos e de inúmeros objetos encontrados e
desenterrados por ele naquela região.
Faço votos para que o senhor tenha oportunidade de entrar em contato
com o padre Le Paige, e ficaria contente em recebê-lo quando de sua visita
ao Chile."
Ah, se todas as mensagens fossem tão boas! No mesmo dia, despachei
todos os meus livros em tradução espanhola ao conselheiro da embaixada,
solicitando que fossem entregues ao padre enfermo, juntamente com os
melhores votos de pronto restabelecimento e como anúncio de minha visita.
A essa encomenda respondeu, em 7 de maio de 1980, nosso embaixador,
o sr . Casanova
16
:
"Quando quis mandar entregar seus livros em espanhol ao padre, que
também conheço pessoalmente, recebi a notícia de que ele estava em estado
de comahavia já algumas semanas".
No meu plano de viagem para a América do Sul, que previa um grande
número de contatos, estava reservada a segunda semana de agosto para um
encontro com o padre Le Paige. No dia 6 de junho recebi, por via aérea, em
carta expressa, a seguinte notícia desoladora
17
:
"Prezado sr .von Däniken,
Agradeço sua missiva do dia 27 de maio, na qual confirmasua chegada a
Santiago para o dia 8 de agosto.
Infelizmente, tenho de comunicar-lhe que o padre Le Paige faleceu no
dia 19 de maio. O museu arqueológico fundado por ele está subordinado à
Universidade do Norte, Casilla 1280, Antofagasta.
Envio-lhe três artigos de jornal sobre o padre Le Paige, anexos.
Atenciosamente,
M. Casanova
Embaixador da Suíça."
Desta vez, as informações haviam ficado por muito tempo no arquivo do
IMPROVÁVEL. OS artigos sobre o falecido padre davam testemunho do carinho
que os índios lhe dedicavam e acentuavam a confiança que se podia
depositar nas palavras desse homem de Deus. O segredo de suas descobertas,
porém, e a história incrível do esqueleto extraterrestre o acompanharam para
a eternidade.
Com todo o fervor eu desejava que a benevolência dos deuses velasse,
então, pela saúde do professor Aguilar .
Frente afrente como professor Aguilar
Em fins de agosto, fui recebido pelo professor Aguilar em sua biblioteca
bem sortida, rodeado por sua família. Em poucos instantes, percebi que ele,
através de meus livros, sabia tudo a meu respeito, enquanto eu nada sabia
sobre ele. Esse senhor agradável, de barba cheia, cuja bonomia afastava
imediatamente qualquer tipo de acanhamento, sorriu-me compreensivo,
enquanto tirava da gaveta de sua escrivaninha um curriculum vitae de cinco
páginas, que me entregou. O professor Aguilar tinha feito o doutoramento
em medicina, em 1953, em Sevilha; em 1960, formou-se em psiquiatria, em
Madri. Como médico-chefe, recebeu diversos títulos honoríficos de doutor .
Estava eu em boas mãos, portanto, aguardando ansiosamente o momento em
que mefosse mostrado o primeiro esqueleto extraterrestre.

O professor Ramón de Aguilar , médico-chefe no Panamá.
Mas o professor não tinha pressa; mandou servir champanha para
brindarmos um ao outro, à sua senhora e às suas duas filhas. Falamos sobre o
calor úmido do Panamá, das férias escolares dos filhos e da situação política
internacional deplorável. Aí não agüentei mais: interrompendo essa conversa
fiada, fui tirando revistas e jornais de minha maleta, para perguntar
diretamente, ferindo as regras da boa educação:
— E o esqueleto, onde se encontra?
O professor sorriu e explicou, refreando a minha impaciência, que eu
teria de ouvir,primeiro, a história de sua descoberta, uma história que mefez
duvidar , por momentos, da sanidade mental daquele homem douto.
Trêshomens de preto e o pequenoesqueleto
1972. Foi encontrado, nas proximidades de Eréndira, na baía da
Califórnia, do lado mexicano da fronteira, um esqueleto muito semelhante
àquele que se acha em poder do professor, como ele me explicou. Esse
esqueleto de 1972, exposto no famoso Museu Antropológico da Cidade do
México, foi examinado por antropólogos de renome e classificado como de
origem"não terrestre".
Depois aconteceu um fato curioso: o esqueleto sumiu sem deixar
vestígio, e os mesmos cientistas que pouco tempo antes tinham declarado o
objeto como de origem "não terrestre" começaram a mudar de opinião,
negando suas afirmações anteriores. O professor deixou escapar um sorriso,
comose quisesse dizer que não estranhava emnada essa atitude de "firmeza"
de seus colegas.
Pouco depois desse acontecimento, apareceu um trabalhador rural na
casa de Ramón de Aguilar, trazendo um "esqueleto" que tinha achado na
praia de San Carlos, na costa panamenha do Pacífico. O professor percebeu,
imediatamente, as semelhanças que havia com o achado do México, que ele
conhecia de muitas fotos. Começou, então, a corrida dos repórteres que,
como lembra agora o professor com reprovação, lhe faziam mil perguntas
para, depois, torcer o sentido de suas palavras, como ele podia constatar no
dia seguinte nos jornais.
Compreendi muito bem essa indignação, pois eu mesmocaí muitas vezes
nessas armadilhas. Eu achava um tanto enfadonha essa história toda, porém
continuava escutando pacientemente, sem interromper, para ver o quanto
antes o esqueleto. Mas, de repente, a narração adquiriu um colorido mais
excitante.
Acontecera numa tarde, havia cerca de três anos. Três indivíduos, em
trajes pretos, puseram-se a tocar a campainha da casa. A secretária que abriu
a porta foi afastada sem explicação, e os três avançaram para o escritório do
professor . Seus colaboradores começaram a sentir medo, e o próprio Aguilar
tambémficou meio assustado.
Esses três homens de preto
18
fizeram surgir em minha memória, por uns
breves momentos, aquelas figuras estranhas, denominadas MIBS (Men in
black), que aparecem de vez em quando, não se sabe de onde, no cenário
internacional da literatura especulativa. Seu aparecimento se liga a
assassinatos misteriosos, sendo considerados como "viajantes do tempo" que
surgem derepentepara cumprir suamissãoterrível e sumir ,em seguida,sem
deixar vestígios.
Apesar de estes três homens de preto combinarem perfeitamente com a
história do professor, parecia que o cientista, com toda a sua experiência,
nunca tinha ouvido nenhumareferência a respeito desses obscuros MIBS, e, no
entanto, três sujeitos com roupas iguais tinham estado em seu escritório, e
com toda a certeza tinham sido observados por diversas testemunhas. O fato
curioso não durou mais que meia hora. Depois, os homens de preto se
retiraram do mesmo modo como tinham chegado, sem dizer uma só palavra,
comoque engolidos pela terra.
Eu perguntei:
— O que queriam ou procuravamesses homens?
— Não sei — disse Aguilar . — Eles não exigiram nada, permanecendo
mudos; foi simplesmente estranho e misterioso.
— Eles levaram o esqueleto? Estavam à procura dele? O professor
sorriu:
— Não. Eu também pensei, primeiramente, que fosse esse o objetivo
deles, pois lembrava-medaqueles fatos não esclarecidos que tinhamocorrido
no México. Mas não foi isso. Nem tocaramno esqueleto.
— Ele continua, então, em seu poder?
— Logo mais vou mostrá-lo.
Senti como que um peso de dimensões ciclópicas deixar meu peito.
Afinal decontas,não étododiaqueaparece achance deseverumesqueleto
extraterrestre! O professor Aguilar colocou um estojo de vidro sintético
sobre a mesa. Tinha quinze centímetros de comprimento e dez de largura.
Tirou a tampa.
Fiquei com os olhos esbugalhados. Diante de mim vi um pedaço de pele
desbotada, com grandes poros; tinha uns oito centímetros de comprimento.
Pensei que fosse um esqueleto de rato, revestido de pele. Com certa
repugnância, tomei-o em minhas mãos para olhá-lo de todos os lados. Tinha
poucos gramas de peso. Poderia ser despachado num envelope normal, sem
exceder o peso de uma carta.
Na frente, "sobre o peito", notei dois buracos dispostos numa mesma
linha, que devem ter servido para fixar o objeto. Pequenos tocos mutilados
pareciam os braços de umfeto; tinhamsido costurados, visivelmente, na pele
esbranquiçada. Digna de menção me parecia apenas a forma de duas
saliências que se encontravam nas costas, à altura das omoplatas, parecidas
comdentes de Drácula ou commamilos deslocados.
Eu não parava de dirigir decepcionados olhares interrogativos ao
professor, que parecia observar com satisfação o nojo que esses restos
miseráveis de um pequeno mamífero qualquer mecausavam.
— Ê esse o esqueleto que inspirou as manchetes? — perguntei com voz
rouca. Senti que estava numa pista que não levava a nada.
— É esse, sim— confirmou o professor .
— Por que acha que ele é de origemextraterrestre?
— De origem extraterrestre? — Ramón de Aguilar balançou
negativamente a cabeça. — Eu não acho que seja de origem extraterrestre,
eu nunca disse isso!
Quem foi, então, que deu o alarma falso para tantos jornais? O professor
começou a rir , e riram, também, sua mulher e suas filhas. Surgiu um ar de
descontração geral, que varreu minha decepção. O professor me asseverou
que ele jamais declarara ou sugerira que esse "esqueleto" fosse de origem
extraterrestre. Na verdade, ele achava que o achado constituía uma
curiosidade, sem que lhe desse, no entanto, alguma conotação de cunho
fantástico. Foram certos jornalistas que, exagerando no tempero,
transformaram essa pele branca de oito centímetros de comprimento em
notícia sensacionalista rentável, oferecendo-a como prato do dia às redações
de jornaisdetodososcontinentes. Precisa-se manterobom humordepoisde
cair num conto desse tipo.
Pós-escrito:
1. O "esqueleto extraterrestre" do professor Aguilar revelou-se um
grande embuste jornalístico.
2. Ao fotografar objetos que não permitem uma avaliação correta de seu
tamanhoreal —comono caso das pegadas gigantes —, prefiro colocara seu
lado uma régua. Se tivesse sido registrado, juntamente com o "esqueleto
extraterrestre", seu tamanho de apenas oito centímetros, certamente não teria
sido possível enganar os redatores dos jornais.
3. Duvido que os restos extraterrestres do padre Le Paige apareçam
novamente emalgum lugar .
Diamantesincaicos dequalidade duvidosa
Em5 de julho de 1980, reparei nesta manchete de três colunas: "Os incas
conheciamo segredo dos diamantes?"
19
Os incas são velhos conhecidos nossos, que não param de nos
surpreender . Por que não haveriam eles de conhecer também, além de outras
técnicas inexplicáveis, a da fabricação artificial de diamantes? Li com
assombro:

Ao alto: o "esqueleto" não passava de um pedaço de pele alvacenta e porosa. No centro:
na parte anterior, "no peito", reparei em dois buracos pelos quais o objeto devia ter sido
fixado. Embaixo: dignas de nota eram as extremidades estranhas sobre os ombros. Isso não
passava de um grande embuste.
"No templo dos incas em Cuca, situado nas montanhas inacessíveis ao
norte de Huánuco, no Peru, que tem pelo menos quinhentos anos de idade,
um grupo de montanhistas, chefiado pelo etnólogo sul-africano dr . Maath,
descobriu achados surpreendentes num local de sacrifícios dedicado ao deus
do sol desse legendário povo aborígine da América do Sul. O dr . Maath,
especializado na cultura incaica, foi o segundo a alcançar, depois do
espanhol Lepico, que chegou às ruínas do templo de Cuca em 1935, os
'blocos sagrados', como são chamados por um correspondente do La
Crônica, de Lima. Ao lado do grande mistério que continua cercando o
modo como os incas conseguiram, outrora, nessas montanhas inóspitas,
transportar blocos imensos, de um tipo de rocha que não era daquele local,
dos vales à altitude de quase cinco mil metros, para construir um templo ao
sol, que era adorado por eles, está o mistério igualmente incrível dos
diamantes — que alguns especialistas chamam de 'pedras sintéticas' —
encontrados sob as cinzas de um lugar sagrado".
Segundo o relato, havia taças de sacrifício adornadas por valiosos
diamantes, pedrasbrutas submetidasa um processode polimentoeque,hoje
em dia, têm um valor inestimável. A novidade residia no fato de estarem
essas ricas taças fixadas em pés igualmente revestidos de diamantes. Das
duas peças descobertas, o dr . Maath retirou sete pedras, para que fossem
examinadas em Lima. Não me causa estranheza ler na reportagem que o
químico e especialista em diamantes, Collins, ao saber da notícia, tenha se
apressado empartir dos Estados Unidos para encontrar a expedição ainda em
Huánuco. Dizem que Collinscontoumaistarde queseachavana situação de
umalquimista, prestes a fazer a maior descoberta de sua vida.
"Nunca tinha visto diamantes iguais àqueles", confessou Collins.
"Nunca, em todos os anos de minha longa atividade, fiquei tão indeciso.
Acho que se trata de se midiamantes, não de diamantes sintéticos, se bemque
poderiam sê-lo. Dizer, no entanto, que os incas conheciam o segredo da
produção de diamantes sintéticos genuínos seria uma afirmação por demais
incrível. De qualquer forma, são realmente puros diamantes de carbono. Há,
porém, indícios que se opõem à origem natural dessas pedras."
O sr . Collins não quis dar maiores esclarecimentos em Lima; porém,
eram esperados outros especialistas que queriam examinar os achados
preciosos com suas lentes especiais. O relato terminava em tom de otimismo
especulativo:
"T alvez seja possível decifrar os hieróglifos que também foram
localizados sobre o túmulo do 'cacique da pedra solar', lançando assim
alguma luz sobre o mistério. Cuzca, o soberano da décima primeira dinastia,
era considerado venerador dos diamantes, que ele tinha em conta de dádivas
sagradas do deus Sol".
Um relato rico em detalhes, com nomes, lugares e fatos? A confusão
entre "sintético" e "genuíno" devia ser obra do repórter . Os diamantes são ou
"sintéticos" ou "genuínos". O que realmente me deixou intrigado foi o fato
de nunca ter ouvido falar nesse templo incaico de Cuca, pois me considero
bastante bem informado sobre o Peru; pensei tratar-se de uma lamentável
lacuna em meus conhecimentos. Que chamassem o regente da décima
primeira dinastia de Cuzca, passava por erro de revisão: a décima primeira
dinastia, que durou de 1493 a 1525, tinha à sua frente HuaynaCápac.
Mas essas restrições tinham pouco peso em relação ao conteúdo
excitante da notícia: diamantes, talvez de produção sintética? Nada mau!
Liguei para Rico Mercúrio, o amigo fiel da viagem a Kiribati, para que
deixasse por uns instantes os afazeres de classificação e polimento de
diamantes.
— Oquevocê medizdosdiamantessintéticos? Elesexistem?Como são
fabricados equal o seu preço? — indaguei. Ele me explicou:
Antoine Laurent de Lavoisier (1743-1794), membro da Academia de
Ciências, iniciador da moderna química, provou, em 1776, que os diamantes
eram formados por carbono, sendo idênticos àgrafita.
Conhecendo esses fatos, os pesquisadores, no final do século XIX e na
primeira metade do século XX, se sentiram estimulados a tentar produzir ,
com paciência e muitas despesas, diamantes sintéticos, mas sem sucesso.
Somente em 1954, criou-se, com o assim chamado aparelho de Belt, a
condição técnica indispensável à síntese de diamantes, sob alta pressão e
elevadas temperaturas.
Oprocessoéeste: numaprensaéembutidauma proveta queésubmetida
a uma pressão de trinta e cinco mil atmosferas, a uma temperatura de mil e
seiscentos graus centígrados. Nessas condições extremas, a grafita se
transforma em diamante, sob a ação de um catalisador de níquel ou do
elemento químico tântalo, ummetal caríssimo.
Segundo as explicações de Rico, trata-se de um processo muito
complicado e dispendioso, sem que os diamantes fabricados por esse
processo possamconcorrer comos diamantes genuínos.
Era isso o que eu queria saber: a fabricação de diamantes sintéticos
requer conhecimentos técnicos que os incas não possuíam. Se os achados do
templo de Cuca eram mesmo pedras dessa natureza, tínhamos que admitir
que os incas dispunham de uma tecnologia avançadíssima e moderna... Ou
deveríamos supor que se tratava de presentes deixados por representantes de
umaoutra civilização e de umatécnica superior .
O artigo que chamou a minha atenção citava o jornal La Crônica.
Mandei imediatamente uma carta expressa, via aérea, à redação desse jornal,
prometendo umaboa recompensa pelos esforços dispensados ao atendimento
de meu pedido: a remessa da reportagem original. Apesar do envelope
sobrescritado e com os selos para a resposta, não chegou nenhuma
informação de Lima. Procurei também dados sobre o especialista Collis
junto ao Gemological Institute de Santa Monica, perto de Los Angeles, que
desenvolve métodos específicos para a distinção de pedras naturais das
sintéticas e das imitações. Ninguémrespondeu.
Pode meinformaronde ficaCuca?
Emminha maislongaestadano Peru, duranteo verãode 1980, dispusde
alguns dias livres para descansar um pouco.
Certa manhã, dirigi-me, num táxi obsoleto de Lima, ao edifício do
Crônica, umjornaldaimprensamarrom,comelevadastiragens, segundo me
explicaram. A cética atenção do redator-chefe se transformou logo em
prestativa cortesia quando lhe entreguei, em lugar de flores, a tradução
espanhola de meu livro Provas, com dedicatória. Falei-lhe do relato sobre os
diamantes encontrados em Cuca, que tinha lido num jornal alemão, o qual
diziater recebido essas informações deumrepórterdo Crônica. O chefenão
fazia a menor idéia. Chamando diversos colaboradores à sua sala, consultou
a todos, sem nenhum resultado. Ninguém sabia nada sobre Cuca e, menos
ainda, sobre diamantes sintéticos no alto da cordilheira.
— Mas não é possível! — observei. — Mentiras desse tamanho a gente
costuma inventar no dia 1.° de abril, não em pleno verão!
Falando através da nuvem de fumaça de seu charuto, o redator-chefe
colocou umcolaborador da redação à minha disposição:
— Nos últimos anos, desde que assumi a chefia deste jornal, não
publicamos essa notícia. Mas pode vasculhar o arquivo à vontade.
Ao entrar numalonga sala estreita, no edifício vizinho, comsuas estantes
abarrotadas de gavetas, caixas e pastas, começou a dissipar-se a minha
esperança de achar alguma coisa no meio daquela clássica desordem sul-americana. Mas as três respeitáveis arquivistas me fizeram mudar de idéia.
Quase nos moldes do meu próprio arquivo, havia uma dupla ordem: uma
cronológica c outra por verbetes. Ali figuravam todos os jornais de Lima e
não apenas o Crônica, tudo arquivado na devida ordem.
A minha frente surgiu um monte de artigos registrados sob o item
"Arqueologia". Com a colaboração das senhoras e do estagiário esperto, não
havia notícia que nos pudesse escapar . Mas nada apareceu sobre Cuca.
Afinal, essa tal de Cuca existiria mesmo?, comecei a pensar comigo. Na
enciclopédia peruana não constava esse nome, o que não queria dizer muita
coisa, levando-se emconta os milhares de localidades incaicas.
De volta ao hotel, liguei para todos os arqueólogos e etnó-logüs que
conhecia no Peru, entre eles alguns que haviam dedicado, praticamente, toda
a sua vida ao estudo dos incas. Ninguém sabia da existência do templo
incaico nas montanhas de Huánuco, mas quase todos eles me animavam:
havia tantas ruínas de templos dos incas no Peru que a literatura só as
registrava quando apresentavamalguma particularidade espetacular .
Como experiente escoteiro desde a infância, procurei nos mapas
detalhados da região. Segundo a notícia daquele jornal alemão, o templo de
Cuca situava-se a cinco mil metros de altitude, na eterna neve. Muito bem!
Huánuco fica a três mil metros de altitude, tendo a noroeste a cordilheira
Branca, incluindo o pico de Huascarán, com seus seis mil setecentos e
sessenta e oito metros de altura. A uma distância de aproximadamente cem
quilômetrosem linha reta,emtorno de Huánuco,haviaváriospicos decinco
mil metros de altura, nos quais poderia localizar-se o templo de Cuca. Mas
tudo era muito duvidoso.
A Aero Peru tem dois vôos semanais para essa cidade de cinqüenta mil
habitantes. O guia turístico'", que outras vezes recomenda todo e qualquer
monte de pedra para uma visitação, advertia neste caso específico: "Não há
atrativos turísticos especiais para o estrangeiro nessa capital de província,
situada no curso superior do rio Huallaga, que se destaca por seu clima
agradável". Era, na realidade, uma descrição otimista: Huánuco é umacidade
triste; mesmo assim fiquei três dias no Hotel Turistas. Sob esta denominação,
há hotéis estaduais em todas as cidades maiores como Ica, Nazca eCuzco.
Perto do hotel existe um museu, instalado numa casa antiga, propriedade
de um homenzinho magro e nervoso, com barba de bode. As salas do museu
estavam abarrotadas de quinquilharias — animais empalhados, entre eles
uma ovelha de seis pernas, figurinhas arqueológicas sem valor, crânios, etc.
O velhinho, que tinha reunido suas quinquilharias viajando pelo país, nunca
tinha ouvido falar em Cuca.
O jornal de Huánuco sai de acordo com a conveniência, até mesmo
semanalmente, se for necessário. O redator e sua esposa dispunham de
tempo suficiente para refletir a fundo sobre o meu problema. De Cuca, de
um templo e de um achado de diamantes não tinham ouvido falar;
arqueólogos não havia por ali, e fazia muito tempo que ninguém mais se
preocupava com escavações.
Caramba, estaria eu perdendo meu latim commentiras jornalísticas?
À tardinha, sentado num banco verde da praça, estava olhando absorto o
movimento intenso diante de mim. Alunos de todas as séries caminhavam
para casa, contentes, cadernos e pastas debaixo do braço. T odos trajavam
seus uniformes: as moças de blusas brancas e casacos cinza, os rapazes de
calças cinza-escuras e camisas brancas. Três meninas, de uns doze anos de
idade, pararamà minha frente. Curiosas, elas se dirigiram a mim:
— De onde você vem?
Começamos a conversar . Outros alunos se juntaram, todos de saudáveis
rostos morenos e de cabelos pretos como graxa. Respondi às suas perguntas.
Eles me pediram para cantar o hino nacional da Suíça. Prometi fazê-lo se
eles, antes, cantassem uma canção popular de sua terra. A música que eles
entoaram era uma melodia que nós também conhecemos, acompanhada de
uma flauta de Pã: El condor pasa. A cantoria acabou chamando mais
curiosos, sobretudo quando entoei sozinho nosso hino nacional. Por uns
momentos, achei que poderia ter sido um bom missionário. No meio do
vozerio geral, lancei de repente esta pergunta:
— Algum de vocês conhece o templo dos incas de Cuca? Ele deve ficar
por aqui, nas montanhas desta região...
As crianças me olharam, irresolutas, e começaram a cochichar entre si:
nada sabiam de Cuca.
Pedi que perguntassem a seus pais e professores. Eu ficaria esperando
poreles no dia seguinte,à mesmahora,nomesmolugar . Quemme indicasse
onde ficava Cucareceberiadezdólaresamericanos comorecompensa.Nessa
noite, a palavra de ordem em muitos lares de Huánuco era o nome Cuca.
Para dar ao dia seguinte ares de trabalho, fiz uma viagem às ruínas de
Kotosh, que ficamna periferia de Huánuco. Euconhecia Kotosh da literatura
especializada, onde é apresentado como povoado pré-incaico, de cujos
construtores não se sabe absolutamente nada. As poucas ruínas no alto de um
pequeno morro não apresentavam muita novidade. Os construtores pré-incaicos não sabiam manejar monólitos rasgando rochedos: ainda não tinham
despertado para a era da técnica. Nesse dia, fui o único visitante. Prevenidos
pelo guia turístico, os outros nem vêm a Huánuco e, portanto, também não
vêem Kotosh. E fazem bem!
No encontro comas crianças, à tardinha, não surgiramnovas pistas. Nem
seus pais nem seus professores jamais tinham ouvido falar em Cuca. Havia
sugestões para visitar outros templos dos incas, mas eu estava procurando
Cuca, somente.
Conclusão: o relato sensacional daquele jornal alemão sério não tinha
nenhum fundamento. Se o artigo tivesse sido publicado num 1.º de abril, eu
até que acharia alguma graça — como aquela reportagem da revista Sterne
und W eltraum (Astros e Cosmo), em seu número de abril de 1980"', que se
apresentava com roupagem científica, sob o título "Arqueologia em torno de
La Silla", pretensamente transcrita de fontes húngaras. Ilustrado por três
fotos academicamente estéreis, esse artigo remetia seus leitores a um monte
de dois mil e quatrocentos metros de altura, situado à beira do deserto de
Atacama, ao norte de Santiago do Chile. Lá existiriam povoados indígenas
dos tempos pré-colombianos. Gravuras rupestres mostravam uma esfera
dentro de umanel, à maneira de Júpiter . O texto dizia literalmente:
"Se for confirmado que essas gravuras têm mais que alguns decênios ou
talvez sejam até mais velhas do que a civilização técnica da Europa, será
necessário submeter a uma reavaliação os escritos de Erich von Däniken,
que fez seus levantamentos tambémna América do Sul".
A fonte citada rezava: "D. Niken et al., V er . Arch. Ung. 11,222 (197e)".
Se interpretei bem essa abreviação, só poderia significar: Däniken e a
embustice (V erarschung) generalizada.
Se um dia eu aparecer em La Silla, será certamente para observar,
através dos telescópios que lá se encontram, que os embusteiros abundam
emnúmero maior do que as bolhas de sabão no espaço!
Em1.° de abril, as piadas são permitidas. Mas, nos outros dias do ano, os
leitores não deveriam ser enganados com reportagens aparentemente sérias
que não passam de invenções sensacionalistas. Pesquisei três casos
concretos, como amostras sem valor . Fui atrás de intrujões, mas voltei mais
prudente.
5
Na T erraPrometida?
"Afé não é o começo, ê o fim de todo
conhecimento."
Johann Wolfgang von Goethe
Muitos objetivos atraentes: Mohenjo-Daro, no Paquistão; as cavernas
de Kermanchah, no Irã; Ardachir Khurreh, a cidade dos sassânidas; o
túmulo de Jesus, em Srinagar — Uma odisséia de carro — A utilidade das
vacas sagradas — Srinagar , a V eneza asiática — Salomão, o r ei voador
entre Jerusalém e Caxemira — Jesus morreu mesmo na cruz, no Gólgota?
— A igreja em que dizem jazer os restos mortais de Jesus — T extos em
sânscrito descrevem o encontro com Jesus — Houve uma explosão atômica
em Parhaspur , há mais de quatro mil anos? — Relatos em sânscrito sobr e
aparelhos voadores — Medo em Calcutá — O presente fantástico de um
estudante indiano — A violência natural das águas — V iolência política:
r evolução!
Eu conhecia a índia e o Paquistão de umas visitas curtas, muito curtas
até. Pelos livros, eu sabia da existência da cidade pré-histórica de Mohenjo-Daro, no Paquistão, dos templos e das pirâmides destruídas no planalto
indiano.Mas nuncaestivelá o temposuficientepara viajarpelo interior . Nas
minhas estadas anteriores, passei apenas por aquelas cidades que a gente
alcança facilmente de avião.Talvez nunca tivesse me aparecido essa chance
de viajar pelo "interior", não fossem algumas coincidências oportunas:
primeiro, soube de um suposto túmulo de Jesus na índia. Certamente, uma
notícia sensacional! Depois, recebi uma carta de meu editor de Calcutá, Ajit
Dutt, reclamandodos contínuos adiamentos de minha visita, prometida havia
muito tempo; queria, também, que levasse, caso decidisse finalmente viajar,
uma máquina de escrever portátil para ele, pois não era fácil conseguir uma
por lá.
Por diversas vezes em minha vida, foram o acaso e a sorte que me
ajudaram a tomar decisões do tipo daquelas que a gente não deve ou não
pode influenciar . Acartade meueditor indianoestavaaguardandoainda uma
resposta, quando me chegou uma missiva de T eerã. Um velho conhecido, o
dr . Kamil Botocha, como qual mecorrespondo há muitos anos, comunicava-me que estavavoltando deumaviagempelodeserto, ondevisitara,na região
oeste da Pérsia, a cidade de Kermanchah. Lá, ele tinha visto, segundo seu
relato, centenas de desenhos rupestres que lhe fizeram lembrar minha
interpretação de seres voadores semelhantes a astronautas, que lera em meus
livros*-. As cavernas eram conhecidas somente pelos habitantes da região,
podendo transformar-se numa mina inexplorada para a arqueologia. O dr .
Botocha recomendou-me empreender uma viagem num veículo forte, a
menos que estivesse disposto a aventurar-me numa longa viagem no lombo
de camelos.
*Meu mundo em imagens.
Estudei o caso. As ruínas de Mohenjo-Daro ficam no Paquistão, e as
cavernas recomendadas com entusiasmo pelo dr . Botocha se localizam na
parte oeste do Ira, a cento e cinqüenta quilômetros em linha reta da fronteira
com o Iraque. No globo terrestre, tudo parece ficar pertinho, mas, na
realidade, os dois objetivos distamentre si dois mile quinhentos quilômetros
em linha reta. Debruçado sobre os mapas, descobri que havia uma série de
pontos de interesse arqueológico precisamente nessa linha entre o Paquistão
e a fronteira iraquiana, pontos esses que cativaram a minha atenção durante
muito tempo. Comecei a anotar:
— No vale de Coghum, na região sul do Irã, localiza-se T epe Y ahya. Esta
cidade teria sido o centro do império elamita, de grande importância no
terceiro milênio antes de Cristo. Em T epe Y ahya foram encontradas as mais
antigas tábuas de escrita, anteriores às dos sumérios. Um grupo de
arqueólogos americano-iraniano constatou, em 1971, que esse lugar já fora
um centro de comércio por volta de 4000 a.C, pelo fato de as tabuinhas
escritas se revelarem como recibos que registravam a entrada e a saída de
mercadorias. Encontravam-se, também, nesse monte de ruínas, algumas
centenas de sinetes e fragmentos de cerâmica, onde aparecem misteriosos
sinais e desenhos. Não havia dúvida: T epe Y ahyamerecia uma visita.
— Pouco mais de cem quilômetros ao sul da atual cidade de Xiraz, na
planície de Riruzabad, encontra-se a antiga cidade dos sassânidas,
Ardachir Khurreh. Eu conhecia descrições da cidade redonda, como que
traçada em círculo de dois mil cento e sessenta metros de diâmetro.
Ardachir Papacan, o construtor dessa cidade, ordenara que ela fosse
dividida, por ruas em forma de cruz, em quatro grandes setores, para que
se parecesse com uma representação do universo. No centro da cidade,
erguia-se uma torre de trinta metros de altura, sem portas nem escadas.
Os arqueólogos continuam procurando uma explicação para a possível
finalidade dessa estranha construção. Há muito tempo fiquei fascinado
por esse fenômeno circular, sobretudo por saber que os partas, os
predecessores dos sassânidas, conheciam e usavam a eletricidade. Já falei
em outra oportunidade de uma bateria elétrica dos partas que se encontra
no museu de Bagdá.*
Lembranças do futuro, 1968.
— OtúmulodeJesusemCaxemira,as ruínasdeMohenjo-Daro,a antiga
cidade de T epe Y ahya, Ardachir Khurreh dos sassânidas, as cavernas de
Kermachahestavamnumalinha quepodiaserpercorrida emumasó viagem.
O projeto já estava traçado. Mas comochegar lá?
Complicadospreparativosde viagem
Para prevenir-me contra todo tipo de surpresa, tive que reunir
incomparavelmente mais bagagem do que costumava levar em expedições
semelhantes. As estradas da índia e do Paquistão são tão ruins quanto
aquelas encontradas nos países em desenvolvimento das Américas do Sul e
Central, com exceção de algumas agradáveis interrupções nas grandes
cidades. Fora das metrópoles — esses gigantescos formigueiros de pedra,
com seus milhões de habitantes —, de nada adiantam os frágeis carros de
luxo. Um automóvel robusto é indispensável, um daquele tipo que não se
consegue de aluguel,
Se fosse no meu próprio carro, partindo da Suíça, não conseguiria ir e
voltar nem em quatro meses. Incluindo as paradas em cada local e possíveis
distúrbios políticos, devia contar com meio ano de viagem, pelo menos. Mas
eu não linha tanto tempo disponível em minha agenda. De que maneira
poderia reduzir a duração da viagem a um espaço de tempo viável? Depois
de muitas contas e reflexões ofereceu-se-me apenas esta saída: comprar um
Range Rover da British Leyland, para mandá-lo antes, de navio ou de avião,
ao destino previsto. De lá poderia voltar à Suíça sobre quatro rodas sólidas,
seguindo alinha das metas visadas.
A compra de um Range Rover ficou resolvida com um simples
telefonema. Duas semanas mais tarde, ele já estava à minha porta, exibindo
todo o seu tamanho e imponência. Esse tipo de carro é mais rápido que um
jipe; dispõe também de tração nas quatro rodas, de diferencial e de molinete
diferencial. Com sua ampla carroceria, ele oferece muito espaço e conforto.
Retirei-me para o meu eremitério, para estudar as instruções técnicas.
Descobri logo alguns pontos fracos que poderiam vir a atrapalhar uma
viagem nas montanhas ou no deserto. O que fazer, por exemplo, se falhar a
bomba de gasolina? Num país de três milhões quarenta e seis mil
quilômetros quadrados e mais de quinhentos milhões de habitantes, onde
encontrar, numa emergência, uma bomba de reposição? As baterias seriam
suficientes? Os mancais não necessitariam de proteção especial contra a
areia do deserto? E se tiver de trocar a bobina de ignição, a correia ou a
mangueira? Um bom gênio me inspirou para que levasse tudo em dobro,
apesar da caçoada dos amigos. Mandei instalar também um guincho, para
que pudesse puxar o dispendioso veículo de eventuais atoleiros. Não sei o
que teria sido de nós, mais tarde, sem esse dispositivo. T alvez eu tivesse
desaparecido de vez, sem deixar vestígio, para satisfação de meus críticos.

No aeroporto de Orly , perto de Paris, despedimo-nos de nosso Range Rover. Até logo
mais, na Ásia!
Neste século de turismo em grande escala, qualquer um sabe que a gente
precisa de um passaporte para viagens ao exterior . Menos sabido é que um
veículo também necessita de um passaporte internacional — o carnet de
passages. Depositando uma soma considerável como caução, recebe-se esse
carnê; a caução tem por finalidade evitar que o veículo seja vendido durante
a viagem. Obedecendo ao acordo internacional de 8 de junho de 1961, a
Câmara de Comércio do país de origem deve fornecer o "carne para
importação temporária de equipamento profissional". Só mais tarde viria a
descobrir que esse acordo internacional não vale nem o papel em que está
impresso.
Antes de ser embarcado com destino a Karachi, num avião da Air
France, no Aeroporto de Orly , perto de Paris, tivemos que esvaziar o tanque
de gasolina de nosso Range Rover, reduzir à metade o ar dos pneus e
desligar as baterias. Pedi ao chefe de carga que providenciasse junto à
agência da Air France em Karachi para que o Range Rover fosse guardado,
depois de sua chegada, num lugar à sombra, a fim de que os remédios de
nossa farmácia de emergência, aprovisionada de acordo com as
recomendações de diversos médicos, não sofressem danos em conseqüência
do calor tímido local.
Acondicionado dentro de um container , vimos nosso automóvel,
carregado até o teto, descer das alturas estonteantes ao bojo do avião.
Até breve, na Ásia!
Quero reaver meu carro!
16 de janeiro. Umpouco antes da meia-noite, aterrissamos numDCIO da
Lufthansa em Karachi... numa verdadeira estufa sufocante.
Formamos fila diante de meia centena de funcionários alfandegários
vestidos de branco. Que demora para receber o carimbo no passaporte! Já
eram quase três horas quando chegamos ao hotel. Pela manhã cedo fomos
procurar nosso Range Rover .
17 de janeiro. A Air France nos mandou o sr . Lakmiehr, um paquistanês
esbelto, para que nos ajudasse na alfândega. Por quê? Tínhamos nosso
carnet depassages! Ele perguntou, imediatamente,peloformulário A. Como
não tinha nada disso, nemsabia o que era, mostrei-lhe o meucarne.
Com um olhar cansado, o sr . Lakmiehr observou que esse carne não
tinha nenhum valor; aliás, já deveríamos ter "declarado" o veículo à noite,
quando de nossa chegada.Expliquei-lhe que ocarro nãotinha vindo conosco
— isto é, com meu secretário Willi Dünnenberger e comigo —, mas no dia
anterior , como carga aérea. O paquistanês achou desagradável o fato de não
termos tomado a providência prevista. Ele nos acompanhou à alfândega do
aeroporto. Em meu nome, redigiu uma carta nestes termos,
aproximadamente;
"Ilustríssimo e digníssimo senhor inspetor de alfândega: Eu, Erich von
Däniken, cidadão suíço, portador do passaporte XY , desembarquei aqui na
noite passada, esquecendo-me de declarar meu carro logo na chegada.
Lamentando muito por essa falta, recorro à sua benevolência imensurável
pedindo digne-se perdoar meu erro entregando-me um formulário A".
Passadas três horas, recebi o formulário A. Preenchi-o em trinta
segundos. O sr . Lakmiehr nos levou a um escritório onde, depois de alguma
esperana fila,carimbaramo ditoformulário A. O nosso paquistanês acenou-nos para que o seguíssemos ao próximo escritório. Lá confirmaram o
primeiro carimbo com um segundo. Esses "escritórios" não passavam de
depósitos com ventiladores cansados girando no teto. A única cadeira estava
sempre ocupada pelo funcionário da sala. Havia gatos correndo atrás de
ratos, e até de ratazanas.
Levantando no ar o formulário A, como se fosse um troféu, o sr .
Lakmiehr atravessou uma rua sem fim para alcançar um edifício na outra
ponta do aeroporto. Por que não vamos de táxi? Nosso auxiliar indicou, sem
palavras, a casa que brilhava lá longe no sol escaldante. Eu estava chateado e
nãoprocuravaesconder meu aborrecimento.Osujeitoatrásdo balcãosorriu.
Pediu mil desculpas, mandou trazer uma cadeira, examinou meu passaporte,
pediu que eu assinasse um papel e me entregou a chave do carro. Graças a
Deus! Feliz, pensei que estivesse tudo resolvido.
Mas o sr . Lakmiehr iniciou outra caminhada.
— Para quê? Para onde? — indaguei.
A resposta veio educada, como que untada de azeite: o carro continuava
na áreada alfândega;precisávamos,agora,de umagenteaduaneiro paratirá-lo de lá. Encontramo-lo no outro lado do aeroporto. Seu rosto moreno nos
sorriu quando ele nos assegurou que iria cuidar do assunto. Só que para
aquele dia já era muito tarde. V oltamos os vinte e cinco quilômetros até o
hotel. Estávamos praguejando.
18 de janeiro. As nove em ponto chegamos ao aeroporto. O sr . Lakmiehr
sacudiu um maço de formulários, que disse ter preenchido durante a metade
da noite.
— Onde está meu carro? — perguntei, para colocar um ponto final aos
auto-elogios. Ele pediu que o seguíssemos a um, enorme depósito. De longe
divisei a interminável fila. De cara amarrada, passei pela fila para dirigir-me
ao primeiro funcionário do balcão:
— Desculpe, vim de muito longe e preciso continuar minha viagem.
T odas as formalidades estão cumpridas, aqui está o formulário A, aqui o
carnê...
O homem de branco me encarou, sorrindo:
— Não despachamos carnês no aeroporto; só nas repartições
alfandegárias das rodovias ou do porto. Afinal, os carros não costumam
chegar de avião!
Se não estivesse já transpirando por todos os poros, como se fosse um
chuveiro, o suor iria escorrer nesse momento.
O sr . Lakmiehr, entre calado e irritado, Willi e eu andamos pela cidade
de Karachi durante uma hora c meia, de carro, para chegar ao porto. Lá,
entramos na alfândega, um pavilhão imenso, onde se instalara um único
escritório, com cem funcionários em cem escrivaninhas. No reto havia ao
todo quarenta e um ventiladores lentos e inúteis: tive a pachorra de contá-los.
Aqui, nunca tinham ouvido falar em carnet de passages, de validade
internacional! Como um desesperado gritei a plenos pulmões, superando o
vozerio geral:
— T emalguémaqui para cuidar do carnet de passages?
O efeito foi incrível. Tudo ficou em silêncio. Todos pararam seu serviço
e meolharam, estarrecidos. Bem no fundo, levanta-se umcareca, de óculos.
— É o senhor quem resolve? — gritei para ele.
Ele parecia invadido por um medo terrível. Então, mudei de tom:
conversei amavelmente com ele, pedindo que voltasse a sentar-se, e
expliquei com brandura que havia dois dias que andava atrás de meu carro e
que não pretendia continuar nessas andanças. (3 careca me garantiu:
— Dentro de duas horas, o veículo estará no hotel.
Basta chegar ao homem certo. Passando três outros formulários ao sr .
Lakmiehr, deu-lhe ordens para inspecionar o veículo no hangar e voltar em
seguida, para que o carro pudesse ser liberado.
O sr . Lakmiehr nos assegurou que agora só faltava um único funcionário
para inspecionar o carro, depois poderíamos voltar ao porto. Atravessando
novamente a cidade, regressamos ao mesmo depósito. Fui contente à mesa
do careca:
— Pronto! Aqui está o formulário A e há mais três formulários. Ponha aí
seu carimbo!
O que aconteceu então nunca tinha visto em minha vida: a careca do
homem se franziu. Não, afirmou ele, medroso, o carimbo não era de sua
competência, só o inspetor poderia executar esse ato. Lancei um olhar cheio
de raiva para o sr . Lakmiehr .
— Onde está o carro? — perguntou o inspetor aduaneiro, no pavilhão 4.
— Numhangar — respondi.
Então, não era de sua competência, foi a informação do inspetor . O
hangar era subordinado a uma polícia própria. Mas a polícia do hangar nem
queria saber: o colega tinha dado uma informação errada, a responsabilidade
pelo carro era do pessoal de desembaraço de cargas, no pavilhão 7. Lá seria
fácil conseguir a liberação, de modo que logo receberia meucarro.
Pavilhão 7. Inspetores a conversar . Aproximei-me de um dos grupos e
comecei a falar:
— Meus senhores, aprecio muito sua hospitalidade, mas o que está
acontecendo aqui ultrapassa de longe a resistência de meus nervos. Algum
dos senhores já ouviu falar em carnet de passages?
T odos deram de ombros. Brandindo aquele monte de formulários, pedi
que colocassem o último carimbo: o decisivo. Um homem de branco nos
acompanhou ao hangar .
Eis o meu Range Rover! Num estrado, a uns dois metros de altura,
amarrado ainda com as cordas azuis! O inspetor sacudiu a cabeça:
— O carro precisa descer . Como vou inspecioná-lo?
— Tudo o que o senhor precisa saber consta neste carne.
— Pode provar que os dados do carne correspondem aos daquele
veículo?
Subi no estrado, segurando o carne na mão esquerda. Longe de seus
olhares, gritei para ele todos os dados do carne, dando sempre um tempo,
para fingir que estava lendo os números das peças do carro. Por fim,
relanceou um olhar para o veículo e colocou seu rabisco nos formulários.
Tudo pronto!
Perguntei ao guarda do hangar quem se encarregaria do trabalho.
Mandaram-me a uma casinha em que dormia um sujeito. Acordando-o com
cuidado, expliquei que teria de voltar ao porto para pegar o "passe livre", e
que ele, nesse tempo, poderia tirar o veículo do estrado. Dar-lhe-ia, depois,
umaboa gratificação.
Outra vez atravessamos Karachi. Dirigi-me à alfândega e procurei o
careca:
— Pronto! Aqui estão todos os formulários. Tudo carimbado; não falta
mais nada!
Com um sorriso, ele me ofereceu uma cadeira. Pediu-me que aguardasse
uns minutinhos... Ora, que importavamnessa altura três minutinhos! Mas, no
fim, demorou duas horas. Eram quase dezenove horas quando recebi o carne
carimbado.
O sr . Lakmiehr falou-me baixinho que não adiantaria voltar ao aeroporto
àquela hora. Foi sua única manifestação durante todo esse dia de caça aos
carimbos.
19 de janeiro. As oito da manhã, o sr . Lakmiehr nos comunicou,
eufórico: agora só faltava o gate-pass.
— O que éisso? — perguntei.
Já estava desconfiado de novos obstáculos. O sr . Lakmiehr explicou que
o hangar ficava separado da rua por barreiras vigiadas por soldados. Para
sair, era necessário um gate-pass. Até a tarde' não tínhamos encontrado
ninguém disposto a fornecer-nos esse maldito passe do portão. Eu estava
simplesmente disposto a ir ao hangar para pegar meu carro e atravessar a
barreira a toda a velocidade. O sr . Lakmiehr, conhecendo já o meu gênio,
procurou convencer-me a não fazer essa loucura, pois os guardas certamente
atirariam em mim e ele teria aborrecimentos com a Air France, que o tinha
mandado para nos ajudar . Fui até o hangar .
O Range Rover continuava em seu estrado. Solicitei a ajuda de uns
operários, prometendo bom pagamento. Depois de uma reunião bastante
demorada, três elementos começaram a soltar, sem pressa, as amarras do
veículo. Às dezessete horas, o carro estava finalmente no chão. Foi nesse
momento que caíram as vendas de meus olhos: o tanque de gasolina estava
vazio, as baterias, desligadas, os pneus, esvaziados pela metade — nós
mesmos tínhamos preparado esse desastre emOrly!
Pedi a um chofer de praça que fosse comprar um galão de gasolina,
enquanto eu mesmo tirei as ferramentas para ligar as baterias aos seus
devidos contatos, Willi encheu os pneus. Às dezenove horas o chofer de táxi
voltou. Os trabalhos no aeroporto já tinham cessado. Nesse dia, nada mais
havia afazer .
20 de janeiro. Às oito horas, estávamos no aeroporto. Perguntei ao sr .
Lakmiehr;
Está com o gate-pass?
Ele respondeu com voz rouca que não, pois somente o diretor do
aeroporto poderia fornecê-lo, mas não seria encontrado no fim de semana.
Que fimde semana? Já estávamos no sábado?
— Onde mora o diretor?
Esta pergunta deixou o paquistanês perplexo. O diretor era um homem
importante. Eu devia esperar até segunda-feira. Em troca de maços de
dinheiro consegui descobrir o endereço do todo-poderoso. Depois de uma
viagem de trinta quilômetros, de táxi, paramos em frente a uma residência
cercada por um parque maravilhoso, Um ser feminino, de rosto coberto por
umvéu, avisou que o diretor não se encontrava em casa.
— Tudo bem respondi, — V ou aguardá-lo aqui no parque.
Depois de algum tempo, apareceu um moço disposto a pôr fim ao meu
estado de sítio. Entreguei-lhe três livros meus em tradução inglesa, pedindo
que seu patrão me concedesse uma rápida entrevista de dois minutos.
Deixaram-me entrar, e pude contar as peripécias de quatro dias de luta para
conseguir reaver meu carro. Pedi uma assinatura do diretor no gate-pass,
para que pudesse, finalmente, recuperar minha propriedade, minha liberdade
e dispor de meu tempo precioso, O diretor pegou o papel rabiscou com uma
esferográfica verde algumas palavras indecifráveis e devolveu-o sem dizer
nada. T alvez ele não fale mesmo nos fins de semana.
O sr , Lakmiehr olhou para os grafemas oficiais como se fossem os sinais
de algummilagre.
Pronto! Pulamos para dentro do carro e nos apressamos a sair daquele
inferno de formulários. Chegamos à barreira. O soldado queria saber o que
carregávamos no veículo. Com uma expressão que parecia revelar minha
preocupação com seu futuro, recomendei ao guarda que não causasse
dificuldade, uma vez que o veículo tinha sido liberado pela mais alta
autoridade. O soldado voltou cabisbaixo à guarita, para levantar a barreira,
automaticamente.
Estávamos livres, depois de quatro dias e meio em que percorremos
vinte e três escritórios, recolhendo vinte e três assinaturas e andando
trezentos quilômetros de táxi.
V iagemparaSrinagar
Como primeira meta, visamos Labore, no Paquistão, uma cidade de um
milhão e trezentos mil habitantes, importante centro industrial e cultural,
comsua célebre universidade de Pendjab.
Até Haiderabad, que se situa no baixo Indo, o mapa promete uma
rodovia de cento e cinqüenta quilômetros, que os paquistaneses descrevem
entusiasticamente como super-highway . Para sair de Karachi, fomos
dirigindo atrás de um chofer de praça que nos guiou através de ruas
confusas, com seus bazares cheios de gente e bugigangas, e através de
favelas, até alcançar a decantada rodovia, que não passa de uma simples
estrada asfaltada, Apesar das janelas abertas, o termômetro no interior do
carro registra quarenta e um graus,
Na altura de Haiderabad, a largura do rio Indo é de um quilômetro. Suas
águas escuras e espumantes atravessam o país de norte a sul. Sem essas
águas, o Paquistão não poderia sobreviver .
Mesmo muito depois do meio-dia, o calor s(í tende a aumentar . A cada
quarenta quilômetros passamos p(M- pequenos povoados, onde se vendem,
em barracões, bebidas engarrafadas — Coca-Cola, naturalmente, como em
qualquer outra parte do mundo. Cada um de nós tomou catorze garrafinhas
nessa tarde, mas mesmo assim nossas línguas continuavam grudadas no céu
da boca.
No Paquistão, há tantosônibusquantos carrosFiat naItália,Pintados em
cores berrantes, que lembram árvores de Natal com todos os seus
penduricalhos, eles ficam entulhados de gente, como se todos os habitantes
do vale do Indo estivessem viajando. Rebanhos de cabras e caravanas de
camelos fazem parte do trânsito, ao lado de carroças puxadas por bois e
búfalos. Às margens da estrada, prepara-se a comida, reza-se e dorme-se.
Muitos viajantes carregam sua cama consigo: uma armação de madeira, com
cordas atravessadas em forma de cruz. É um utensílio prático que garante
ventilação de todos os lados, o que não deixa de ser proveitoso para esses
andarilhos.
Os ônibus são movidos a óleo diesel; dos escapamentos saem rolos de
fumaça preta que levariam os ecologistas ocidentais à organização de
marchasdeprotesto.Mas o clima do paísnãofavorece atividades dessetipo.
É mais fácil fazer barulho quando se pode ir de carro próprio, assegurando-se uma volta tranqüila para casa, depois do grande esforço. O protesto não
dispensa um certo conforto. Lênin já recomendava em seu tempo que se
fornecesse uma boa refeição quente aos participantes de manifestações, pois
é difícil fazer protestos contra a fome quando o estômago está vazio.
Quase não há carros particulares. Nos mil e trezentos quilômetros até
Labore, contamos quatro. Assim se explica que todos os postos estejam
preparados para encher os tanques de óleo diesel, mesmo que nas placas
vistosas anunciem gasolina. É necessário tomar muito cuidado para que não
se abasteça o carro comalguma mistura "intragável" para o motor .
Mesmo durante o dia, o motorista precisa guiar com extremo cuidado;
mas o trânsito noturno é o pior que já experimentei em minha vida. Os
ônibus andamno meioda estrada,comosfaróis altos acesos.Camelos, bois,
búfalos e cabras não dispõem de caminhos laterais iluminados, e andam pela
escuridão sem se importar com as leis de trânsito. Grupos de pessoas se
deitam para dormir quase em cima da pista. Quando avistados à luz dos
faróis, só restam ao motorista duas alternativas: ou frear de repente ou jogar
o carro pasto adentro.
Às três da madrugada, chegamos a Multán, cidade de trezentos e
cinqüenta mil habitantes às margens do Chinab, um dos cinco grandes rios
da índia peninsular , com suas nascentes no Himalaia. Seu nome não me
ocorreu, por estranho que pareça, em nenhuma palavra cruzada, ate hoje.
Não conseguimos conciliar o sono no hotel, por causa do ar úmido e
estagnado. O ventilador estava tão exausto quanto nós mesmos.
Paraque servemasvacassagradas
Quanto à direção a tomar, orientamo-nos pela bússola e por nosso faro,
uma vez que as placas de sinalização exibem, geralmente, a escrita nastaliq,
uma variante persa da escrita árabe, Não conseguimos pedir informações,
pois os paquistaneses falam ou um de seus trinta e dois dialetos ou, na
melhor das hipóteses, a língua oficial urdu, que também não sabíamos. Um
pequeno consolo: a partir de Labore, cidade fronteiriça com a índia,
pudemos recorrer novamente à língua inglesa.
Eram quase nove horas quando passamos por um portão de ferro com os
dizeres "Frontier of Kachmir"; mais quinhentos metros e surge outro portal
de ferro, bemmaior, enfeitado comas cores indianas: "W elcome to índia".
Os duzentos e cinqüenta quilômetros de estrada indiana, de Wagah a
Jammu, tinham apenas essa grande diferença em relação às rodovias de luxo
do Paquistão: aos animais do trânsito juntavam-se, agora, grandes
quantidades de vacas. Na índia, as vacas têmsempre preferência: elas podem
fazer o que quiserem. Se estiverem com vontade, podem deitar-se em
manadas inteiras na pista. Aos poucos surge um sentimento de ódio contra
esses animais tão amáveis.
Conversando com os habitantes dessa terra, descobre-se uma porção de
fatos que modificam opiniões preconcebidas. Quando eu disse que as vacas
sagradas deviam ser abatidas, explicaram-me que essas pobres e magras
criaturas continuam desempenhando uma função vital e insubstituível na
vida do povo. Não é possível, pensei, lembrando-medas belas vacas nédias a
pastar de úbere pando nos Alpes suíços. Meio litro de leite por dia é o que
produzem essas vacas magras que perambulam pelas estradas da índia; mas
num país emque afome persegueosseres humanos comosombra,esseleite
não deixa de ser parte importante da alimentação. Por outro lado, observei
também que os hindus recolhem com cuidado o esterco das vacas,
ressequido pelo sol. Mas não podia imaginar que o esterco de vaca
fornecesse mais material de combustão do que todo o carvão extraído das
minas carboníferas da Alemanha Ocidental. O terceiro motivo da
manutenção das vacas nas ruas e estradas da índia meconvenceu ainda mais:
elas comem no meio do lixo tudo o que seja de alguma forma digerível,
exercendo assim, ao mesmo tempo, as funções de coleta de lixo e de
vigilância sanitária. Mas por que as vacas são sagradas? Porque o hinduísmo
proíbeseveramente que semateumavaca, eostrezentosmilhões depessoas
que, na índia, fazem parte desta religião, cuidam zelosamente para que essa
lei seja observada.
Srinagar!
A partir de Jammu, vêem-se ao longe os picos do Himalaia. Jammu tem
mais de três milhões e meio de habitantes. É a capital da índia ocidental,
durante o inverno; no verão, a capital é Srinagar . Quem passou alguma vez
por Jammu em agosto compreende bem o motivo dessa mudança da
administração: mesmonessa época doano,o caloraí é abrasadore ansiámos
por chegar a Srinagar (Caxemira), região que os guias turísticos chamam de
"Suíça da Ásia"".
O percurso de Jammu a Srinagar deve ser de uns trezentos quilômetros.
Anoite pode-se respirar ar fresco a mil setecentos e sessenta c oito metros de
altitude! Mas a expectativa vai enfraquecendo a cada quilômetro: nunca vi
tantos rebanhos em marcha. Nem as tropas do exercito conseguiriam
espantar ou tirar tamanha multidão de vacas do caminho. Quem sabe elas
não seriam capazes até de frustrar uma guerra! Aí, sim, mereceriam o nome
de "sagradas".
Passando por pequenos povoados nas montanhas que apresentavam
características tibetanas, alcançamos, após inúmeras curvas, a altitude de
quase dois mil metros. C) ar sufocante do vale do Indo sumiu como por
encanto. O ar aromático da serra levantou nosso animo. Estávamos nos
contrafortes do Himalaia.
Srinagar!
Sem exagero, essa cidade pode ser chamada realmente de 'A V eneza
asiática", tantos são os canais que a cortam. Neles navegam inúmeras
embarcações, gôndolas e barcos de moradia, sobretudo no lago Bal, que
limita a cidade a leste. Srinagar fica a trinta e quatro graus de latitude,
portanto, na mesma altura de Gibraltar ou de Damasco. No verão, a
temperatura media é de trinta graus; no inverno, de apenas três a quatro
graus.
Srinagarfica na embocadura dolago Wular, no vale de Caxemira.Écom
muita razão que o vale é apelidado de "céu na terra". Aqui, antigos príncipes
mandaram construir parque-de beleza extraordinária, amplos e floridos,
sobretudoos jardins de Shalimar, enaltecidospelos poetas, ondeaspequenas
pontes de madeira atravessamregatos silenciosos.
T odos esses atrativos, no entanto, não passam de aparência. O paraíso
das férias está passando mal. A tradição asiática de Caxemira não consegue
adaptar-se aos tempos modernos: as ruas de Srinagar, com seu meio milhão
de habitantes, afundam na mesma sujeira que entope os vales lá embaixo.
Falta ahigienemaisrudimentar, Aágua potávelé filtrada,masnãoperdesua
cor lamacenta. Um nojo!
Como em outros lugares, a gente percebe também aqui quantas remessas
preciosas de ajuda ao desenvolvimento se perdem na irracionalidade. Os
remédios estragam por falta de geladeiras. Quando há refrigeradores, não
funcionam na maior parte dos casos. Cercados pela imundície desde a
infância, os habitantes se tornam imunes às bactérias e aos diversos tipos de
vírus que infestam o ambiente, mas, para os estranhos, eles constituem um
perigo. Umperigo mortal!Se quiseremrealmente abrir essa belíssima região
ao turismo internacional para atrair divisas, precisam antes modificar uma
porção de coisas.
A população é laboriosa. Nos campos férteis e em muitas pequenas
oficinas, há crianças que trabalham desde os seis anos de idade. Lembra a
Idade Média! Num posto de gasolina fui atendido por Mahmud, menino
simpático de doze anos de idade. Com exatidão, ele executou todos os
serviços de um posto. Como não precisasse de mais nada além da gasolina,
perguntou-me se queria que me arranjasse uma garota.

"Não quer mesmo uma garota?", perguntou Mahmud. com, seus doze anos de idade.
— Por que você não vai à escola? — indaguei.
— Não tenho pais — respondeu —, e todos precisamos viver de alguma
maneira. Não quer mesmoumagarota?
O pequeno alcoviteiro ficou decepcionado com a recusa de um
estrangeiro rico — todos os estrangeiros são considerados ricos — em
aceitar sua oferta.
Comparações
A semelhança antropológica entre os caxemirenses e os israelenses é
surpreendente. Ambos têm a mesma estatura, os mesmos olhos amendoados
e o nariz semelhante. Lá também costuma-se praticar a circuncisão dos
meninos. Os mortos são enterrados em sentido leste-oeste, como
antigamente emIsrael.

À maneira dos judeus do V elho T estamento c dos israelenses de hoje, os homens de
Caxemira usam kipa.
Na parte posterior da cabeça, os homens de Caxemira usam seu kipa,
barrete semelhante ao usado pelos israelenses.
Enquanto viajávamos pelos vales sem neve de Caxemira, tínhamos a
todo momento a sensação de atravessar paisagens bíblicas do V elho
T estamento. A própria língua caxemirense tem muito em comum com o
antigo aramaico, que é o ramo mais velho do semítico ocidental, a língua
falada por Jesus e seus discípulos. V ou apresentar uns exemplos:
HEBRAICO(ARAMAICO) CAXEMIRENSE SIGNIFICADO
akh akh sozinho
ajal ajal morte
awa awan cego
ahad ahad um
hamah humaham barulho
loal lol amor
qatal qatal assassino
qabar qabar túmulo
O que dizemaslendasde Caxemira
Os israelenses e os caxemirenses têm muitas coisas em comum, para se
poder reduzir tudo a um simples acaso. Uma lenda profundamente arraigada
no povo de Caxemira afirma ter sido o vale de Caxemira a T erra Prometida
de Moisés, para os filhos de Israel; além do mais, seriam os caxemirenses de
hoje descendentes diretos de uma tribo israelita. É incrível o c^ue as
tradições populares contam: os caxemirenses contestam que o êxodo tenha
se realizado durante quarenta anos numa caminhada através dos desertos do
Sinai, partindo, segundo o relato bíblico, do Egito e terminando, finalmente,
na Palestina. Segundo eles, o êxodo teve início no Egito, prosseguindo
através de países como a Síria, a Pérsia, o Afeganistão c o atual Paquistão,
até o planalto de Caxemira.
Essa hipótese precisa ser considerada seriamente, pois, olhando o mapa,
teria mais sentido do que imaginar umacaminhada confusa e sem meta dessa
massa humana pelos desertos do Oriente Próximo. Sob a luz das tradições
caxemirenses, ganham novo sentido um bom número de lutas c batalhas
travadas pelos israelitas ao longo dessa caminhada de quarenta anos. Numa
marcha em círculo pelo deserto do Sinai, não haveria justificativa para todas
essas lutas. Não havia povos inimigos por lá. Na longa marcha em direção a
Caxemira, no entanto, os israelitas teriam que combater, certamente, contra
alguns adversários. Os países por onde haveriam de passar tinham à sua
frente reis que se opunham ao transito de povos nômades, que traziam
consigotodos osseusfamiliares eseuspertences, acompanhados decarroças
e gado, pois essa região sempre foi pobre e sem grandes recursos naturais.
Segundo a lenda caxemirense, Moisés morreu no planalto de Caxemira.
E suas tradições afirmam que os Profetas ali viveram e que Salomão ergueu
seutrono naquela terra, Eparaconfirmaressa lenda,uma dasmontanhas das
redondezas de Srinagar chama-se, ainda hoje,Takht-i-Suleiman, trono de Sa
lomão. E a trinta quilômetros a sudoeste de Srinagar,situa-se o monte Booth,
com o túmulo de Moisés; qualquer caxemirense sabe disso. Na Palestina,
não se tem conhecimento de um túmulo de Moisés! A própria Bíblia registra
esse fato;
"E o Senhor falou a Moisés: É essa a terra que prometi a Abraão, Isaac e
Jacóquando lhesdisse: 'Quero dá-l aa teusdescendentes. Deixeique avisses
com teus próprios olhos, mas tu mesmo não hás de chegar até lá'. E Moisés,
o servo do Senhor, faleceu aí mesmo, na T erra de Moab, em frente de Bet-Peor,eninguém sabe até hoje onde ficasua sepultura"(Deuteronômio 34, 4-6).
Comoseria se
V amos supor que Moisés não tenha levado os israelitas à Palestina e,
sim, ao planalto de Caxemira. A tradição bíblica afirma que Moisés agia
segundo o mando do "Senhor", aquele mesmo Senhor que aniquilara todos
os egípcios em perseguição, que precedia os israelitas em forma de uma
nuvem branca, que brilhava para eles durante a noite numa luz avermelhada.
Durante sua longa caminhada, o Senhor abastecia os israelitas com o maná
celestial, para que não sucumbissem no deserto mulheres, homens e crianças.
Muitos são os desertos que medeiam entre o Egito e Caxemira. Poderia
haver algum interesse da parte do Senhor em dirigir os israelitas em direção
a Caxemira?
Arebelião relatada por Enoc
Lembrei-me daquela rebelião de que fala o profeta Enoc, antes do
dilúvio, num levante de duzentos "anjos" contra seu "Senhor". No sexto
capítulo de seu livro apócrifo (que quer dizer "escrito oculto", em grego),
relata o profeta Enoc o seguinte:
"Depois de se terem multiplicado os filhos dos homens, nasceram-lhes,
naqueles dias, filhas bonitas e formosas. Mas, quando os anjos, os filhos do
céu, viram as filhas dos homens, sentiram-se atraídos por elas, a ponto de
falarem entre si: V amos escolher mulheres para nós entre as filhas dos
homens, para que nos gerem filhos. Semjasa, porém, seu chefe, lhes falou:
T emo que vocês não queiram, de fato, pôr esse plano em prática, de modo
que eu sozinho tenha que expiar o grande pecado. Mas todos lhe
responderam nestes termos: V amos todos fazer um juramento que nos
obrigue mutuamente, por meio de imprecações, a não desistir do plano,
levando a cabo a obra intencionada. E todos juntos fizeram o juramento,
obrigando-se, inclusive, por imprecações. Eram duzentos os que, nos dias de
Jared, desceram sobre o monte Hermon. Chamaram o monte de Hermon
porque tinham feito nele seu juramento, obrigando-se mutuamente por meio
de imprecações. São estes os nomes de seus líderes: Semjasa, seu chefe,
Uraquib, Arameel, Aquibeel, T amiel, Ramuel, Danei, Ezequeel, Saraqunjal,
Asael, Armers, Batraal, Anani, Zaquebe, Sansaveel, Sartael, Turel, Jomjael,
Arasjal... Esses e todos os outros pegaram mulheres, escolhendo cada qual
umaparasi,ecomeçarama procurá-las tornando-seimpuros no contato com
elas. Ensinaram-lhes poções mágicas, conjuros e como cortar raízes,
revelando-lhes os segredos das plantas medicinais"¹.
No decorrer de seu relato sobre a conspiração, Enoc enumera até as
funções que cada um dos anjos estranhos tinha que desempenhar . A
conjuração é descrita com precisão. Não se faz necessário recorrer a minha
fantasia para reconhecer nesses duzentos anjos algo bem diferente de
"anjos". Nenhuma das características descritas por Enoc combina com
aquelas qualidades que se costumam atribuir aos anjos benevolentes e
prestativos da Bíblia. Os anjos bíblicos não procriavam, nem seduziam as
filhas da terra, nem se juntavam para preparar uma conspiração. Os anjos de
Enoc eram rebeldes contra o Senhor . Uma tripulação considerável de
duzentos homens se rebelando contra seu comandante, segundo Enoc. Este
acabou sumindo no espaço com sua nave, abandonando os rebeldes na terra.
De que recursos podiam dispor os rebeldes, de que maneira conseguiam
sobreviver? Em seu poder tinham ainda algumas ferramentas e aparelhos
técnicos, talvez até um veículo, algo semelhante a um helicóptero, mas nada
lhes restava para vencer os espaços interestelares. De essencial, ficou-lhes,
porém, o saber . Algum motivo grave os rebeldes devem ter encontrado para
seu levante. T alvez estivessem cansados da longa viagem pelo espaço.
T alvez o comandante os tenha tratado com muito rigor . T alvez lhes
aborrecesse o trabalho monótono a bordo. Mas tudo isso não passa de
suposições especulativas. De qualquer maneira, agora eles se encontravam
num planeta habitado por seres humanos semelhantes a eles. Os rebeldes
resolveram colocar os humanos a seu serviço, como servos e escravos, que
lhes possibilitassem uma vida sossegada.
Os rebeldes não permaneceram juntos por muito tempo. Separaram-se
em grupos, dividindo entre si os utensílios restantes, e resolveram manter
contato por rádio, para se informarem mutuamente sobre os respectivos
empreendimentos. Depois, seguiram nas mais diversas direções. Um grupo
atravessou o oceano para chegar à América do Sul, outro à América do
Norte, um terceiro se dirigiu ao Pacífico e um quarto à Ásia. A divisão do
mundo não lhes causou problemas. Eles se comportaram à maneira dos
amotinados do navios inglês Bounty, cuja tripulação, em 1787, apoderou-se
do navio quando estavam navegando nos mares do Pacífico sul; seus
membros agiram cada qual por própria conta, aspirando todos a um reino
próprio. Alguns chegaram a realizar seu sonho, outros foram trucidados
pelos nativos.
Um dos grupos descritos por Enoc deve ter sobrevoado o planalto de
Caxemira. Atraídos pela beleza indescritível dessa paisagem, devem ter
experimentado sua excepcional situação climática. Ali era bom viver! Mas,
há três mil anos, ou quando quer que isso tenha acontecido — não confio
muito nessas datas bíblicas —, não existiam ainda seres humanos no vale de
Caxemira, não havia quem os pudesse servir .
Esses senhores, acostumados à vida fidalga, não podiam conceber a
possibilidade abstrusa de terem que viver sem lacaios. A criação de vassalos
a partir de um único par de seres humanos lhes devia parecer
demasiadamente demorada. Por isso, resolveram conduzir uma tribo inteira
do Egito ao vale de Caxemira. Seria essa a terra em que corriam leite e mel.
Dito e feito! Os revoltosos levaramos israelitas do Egito ao planalto indiano.
De noite, orientavam seus pupilos por meio de colunas de fumaça e de fogo.
Semesses sinais, teria sido i mpossível alcançar a meta. Marchar pelo deserto
é pior do que errar por um labirinto. Os "deuses" precisavam ajudar . Sempre
que necessário, intervinham nas batalhas, para que seus futuros vassalos
chegassemsãos e salvos à meta preestabelecida.
São essas as idéias que me vieram durante a longa viagem, Mas pensei
tambémno seguinte:
Para chegar a Caxemira, é necessário atravessar as montanhas de Pir
Panjal. O ponto mais baixo em que podem ser ultrapassadas fica a dois mil
quinhentos c dez metros de altura. A passagem se realiza, hoje, pelo túnel de
Banibal, a dois mil cento e oitenta metros. Essa barreira deve ter impedido,
há milênios, que o vale de Caxemira fosse habitado.
Seguindo o fio anterior de meus pensamentos, estariam os israelitas,
agora, em sua própria terra, podendo cultivá-la para si e para seu "Senhor".
Naquele tempo, assim como hoje, eram e são os israelitas ou israelenses um
povo laborioso, obediente e inteligente. Certamente foi por esse motivo que
os revoltosos chamaram essa tribo supercivilizada para seu país. Com sua
colaboração, ergueram, em pouco tempo, palácios, templos e jardins. O vale
de Caxemira se tornou uma T erra Prometida, um
paraíso.
Essas especulações, confessadamente audaciosas, têm um senão.
Segundo os exegetas da Bíblia, foi em Jerusalém que o rei Salomão (cerca
de 965-926 a.C.) mandou construir um templo. Não teria pertencido esse rei
Salomão, assim como seu predccessor Davi, ao grupo conduzido ao vale de
Caxemira? Ou ficava ele ora no vale ora na Palestina? Ninguém pode estar,
ao mesmo tempo, em dois lugares. Mas Salomão podia!
Salomão— o rei voador
O Kebra Neguest constitui a tradição mais antiga da Etiópia. Nos
capítulos 30, 52, 58, 59 e 94 há uma descrição detalhada de uma "carruagem
celeste" que o rei Salomão teria herdado de seus ancestrais e que ele teria
usado amiúde "*.
* Em O profeta do passado, Edições Melhoramentos, 1980, há um relato pormenorizado
dessa história da carruagem celeste.
"O rei e todos os que estavam às suas ordens voavamnaquela carruagem,
livres de doenças e agruras, de fome e de sede, sem esforço e sem cansaço,
atravessando em um único dia unia distância correspondente a três meses de
viagem"².
Entre Jerusalém e Srinagar medeiam pouco menos que quatro mil
quilômetros, em linha reta. A pé, seria impossível vencer essa distância em
apenas três meses. A uma marcha de vinte quilômetros diários, far-se-iam,
num mês, seiscentos quilômetros e, em três meses, mil e oitocentos
quilômetros — deixando de considerar o fato de ser o percurso por via
terrestre incomparavemente maior do que uma linha reta entre os deus
pontos. Mas é precisamente essa a distância que o rei Salomão teria vencido
em sua carruagem voadora num único dia — de acordo com o relato do
Kebra Neguest.
Se o rei voador voasse realmente apenas durante doze das vinte e quatro
horas do dia, andaria num veículo à velocidade de cento e cinqüenta
quilômetros por hora. Supondo, porém, uma permanência real no ar de
apenas oito horas, seu veículo voaria à velocidade média de duzentos e vinte
e cinco quilômetros horários — o que não chega, certamente, a constituir a
velocidade de um avião a jato, mas é suficientemente rápido para fazer
diversas vezes por mêsaviagem entre Jerusaléme Srinagar .
Caso o rei Salomão tivesse feito alguma escala mais ou menos a meio
caminho entre Caxemira e Israel, deveria existir alguma notícia sobre essa
escala no atual Irã. V eículos celestes não eram coisa tão comum naquele
tempo, de modo que sua partida e aterrissagem deviam despertar a atenção
dos habitantes da região.
Realmente, naregiãonoroestedoIrãexiste,adois mileduzentosmetros
de altitude, o pico T akht-i-Suleiman (Trono de Salomão), com o mesmo
nome daquele que fica perto de Srinagar . Nesse Trono de Salomão, no Irã,
havia antigamente um templo sassânida dedicado ao fogo. Nele se
veneravam o fogo e a água. Fogo e água? Esses dois elementos não
combinam. Quando se encontram, forma-se o vapor . Tratar-se-ia de um
avião movido a vapor? Existia o conhecimento da máquina a vapor e de sua
técnica, inventada primitivamente pelo pesquisador francês Denis Papin
(1647-1712)? A veneração da água e do fogo teria sido motivada por essa
máquina maravilhosa?
Curiosamente, chama-se o monte vizinho de Zendan-i-Suleiman, o que
significa "Prisão de Salomão". T eria o piloto errado o alvo, precisando fazer
umaaterrissagem de emergência?
Abstraindo de tudo, que não passa de fantasia arriscada, permanece, no
entanto, o fato de existirem duas montanhas de Salomão, uma no Irã e outra
perto de Srinagar . Em ambas foram construídos templos dedicados a
Salomão. A construção iraniana já não existe, mas o templo de Srinagar
continua de pé — apesar das modificações que sofreu no decorrer do tempo.
Há nesta minha conjetura, também, uma explicação para o fato de ter
Salomão contratado no Líbano arquitetos e empreiteiros para a construção
do templo em Jerusalém: é que seus próprios especialistas estavam
trabalhando no planalto de Caxemira.
Hipóteses e algunsfatos
É claro que essas hipóteses, surpreendentes para alguns leitores, têm a
ver com os seres extraterrestres de que costumo falar . Mas não fica claro o
que elas poderiam ter em comum com Jesus, que viveu mil anos depois.
Antes de estar de posse de fatos concretos, teci minhas próprias
considerações.
A seita dos essênios, adeptos da lei mosaica, que viviam na região do
marMorto,sabia daexistência depelo menos umatribo deIsraelnadistante
Caxemira
3
. Ela tinha conhecimento dos antigos escritos do tempo de
Salomão c de suas ligações com a Ásia. Pode ser, até, que ainda existisse
algum contato, no tempo de Jesus, entre os essênios e a tribo de seus
patrícios emigrados para a Caxemira. Eis as minhas hipóteses, que
confirmamcomoe por que Jesus teria chegado a Caxemira:
— Jesus foi crucificado numa sexta-feira, mais ou menos ao meio-dia. A
meia-noite de sexta-feira começa o sábado, o sétimo dia da semana, dia de
descanso, de santificação e de renovação espiritual. Os opressores romanos
tinham senso político suficiente para respeitar essa lei religiosa. Por isso,
nenhumexecutado deviapermanecer nacruz duranteo sábado.Contrariando
a opinião geralmente difundida, ficou constatado pelos historiadores que o
suplício da cruz não levava necessariamente a um desenlace fatal,
equivalendo assim a pena capital. Havia organismos saudáveis e resistentes
que conseguiam sobreviver a esse martírio, sustentados por uma férrea
determinação da vontade.
— A Bíblia diz que um legionário romano abriu o flanco de Jesus com
uma lança, constatando que da ferida saíam sangue e água. Portanto, Jesus
não estava morto. A José e a Nicodemo foi permitido que retirassem, na
presença de algumas mulheres, entre elas a mãe de Jesus, o corpo do mestre
da cruz. Esses homens não tinham nenhum motivo para comunicar aos
soldados romanos que o Senhor continuava vivo. Cobrindo seu corpo
maltratado com panos, levaram-no para cuidar das feridas com pomadas e
ervas, em algum lugar escondido, talvez até no mosteiro dos essênios, que
dispunham de excelentes conhecedores da medicina em seu meio. Só assim
torna-se compreensível a pergunta dos dois jovens dirigida às mulheres,
juntoà sepultura: "Por queestais procurando entre os mortosaquelequeestá
vivo?" O evangelista João nada fala de uma ascensão ao céu, e os relatos de
Mateus, Marcos e Lucas são contraditórios. O que a Bíblia afirma com
certeza é que Jesus apareceu, depois da crucifixão, a seus discípulos,
permitindo até ao incrédulo T ome que tocasse suas feridas nas mãos e nos
pés.
— Os romanos souberam que Jesus continuava vivo e começaram a
procurá-lo. Como pessoa conhecida por todo mundo, ele já não podia
aparecer em público, o que não era fácil, visto que os romanos ocupavam
todos os territórios situados em torno de Israel: o Egito, ao sul; o Líbano e a
Turquia, ao norte; e a Europa, a oeste. Só restava uma direção em que podia
fugir: o leste. T eriam sido novamente os essênios, com sua quinta-coluna,
que prepararam a ação, aconselhando a fuga em direção a Caxemira,
sabendo que lá Jesus poderia encontrar patrícios seus?
— Os romanos encarregaramSaulo da tarefa de perseguir Jesus, sabendo
do ódio que este oficial formado nutria contra os cristãos. Saulo, muito
esperto, compreendeu logo que Jesus só tinha uma opção para fugir da
perseguição: retirar-se para o leste, passando por Damasco. Perto de
Damasco, Saulo preparou uma cilada para Jesus: "Saulo, Saulo, por que me
persegues?" (Atos 9,4). Na conversa entre ambos, parece que Jesus
conseguiu convencer o romano de que sua pessoa já não constituía perigo
algum, de modo que não haveria necessidade de prendê-lo.
— Apartirdessemomento, Saulo passou a chamar-sePaulo, tornando-se
missionário entre os pagãos; foi ele, portanto, o primeiro não-judeu
convertido ao cristianismo pelo próprio Jesus. Paulo começou, então, a
divulgar adoutrinade Jesus,quedizia serem todos oshomens iguaisperante
Deus. Como essa afirmação podia ser mal interpretada, tratava-se de um
programa político de enorme poder explosivo. As viagens missionárias de
Paulo eram acompanhadas por revoltas de escravos — o que levou os
primeiros imperadores da era cristã a perseguir cruelmente a jovem
comunidade cristã. O romano Saulo/ Paulo foi, finalmente, crucificado de
cabeça para baixo — um castigo merecido, aos olhos dos romanos — pela
traição praticada.
— T eria a mãe de Jesus, Maria, sucumbido às dificuldades da viagem?
Seráqueelamorreumesmo poucosquilômetros a oeste da atual Rawalpindi,
no Paquistão? De fato, existe lá, ainda hoje, uma capela chamada Mai Mari
("último descanso da Mãe Maria").
— De acordo com a opinião dos indianos, Jesus avançou em direção a
Caxemira, escapando assim da perseguição romana. Certamente foi recebido
de braços abertos pela comunidade que vivia segundo a austera lei dos
essênios no exílio, casando-se, em seguida, para morrer em idade avançada,
estimado tanto pelos homens do povo quanto por reis poderosos.
Essas idéias, formuladas a partir de leituras e indícios, e entremeadas de
muitos pontos de interrogação, me inquietavam e me impeliam a seguir seus
rastros.
T eoria
Noterraçodo Hotel Oberoi,umantigo palácio demarajá,estava àminha
espera o professor dr . F . M. Hassnain, com o qual tinha trocado diversas
cartas anunciando minha visita. Como funcionário do governo, ficam sob
sua responsabilidade os arquivos do país, onde não se guardam apenas as
atas do Estado atual, como também documentos do passado. Eu esperava
que ele trouxesse mais clareza a minhas especulações ousadas. Estava
sentado ao lado dele, sob o guarda-sol. Ao redor estava tudo calmo. À nossa
frenteestendia-seoparque paradisíaco,comaluz do solreluzindo naságuas
de Srinagar, constituindo um ambiente favorável a uma conversa amena. Só
no decorrer dos dias seguintes me dei conta da grande estima em que é tido
na cidade esse cientista de fronte alta e calva. O acaso tinha me guiado ao
homem certo, uma pessoa muito bem-informada.
Quando lhe falei da presumível estada de Jesus emCaxemira, insinuando
que a meranotícia da existênciadasepultura deJesus não era suficiente para
convencer ninguém, o professor Hassnain sentiu minha atitude de ceticismo
comoverdadeira ofensa.
— A série de provas está completa. Qualquer tribunal do mundo as
aceitaria semreparos!
— Desculpe, professor,estou ansioso por ouvir ...
— Suponho que o senhor tenha observado, durante sua viagempor nosso
país, as grandes semelhantes que existem entre os habitantes de Caxemira e
o povo da Palestina histórica. Mas as semelhanças não param na aparência
física, na língua e nos rituais religiosos; elas estão presentes, também, na
arquitetura dos templos antigos.T odos, sem exceção, parecem miniaturas do
templo deJerusalém.O senhor viu omonte chamado Trono deSalomão e os
Jardins de Salomão, a menos de quinze quilômetros daqui. Em Caxemira,
encontram-se os montes mencionados no quinto livro de Moisés, que
ninguém jamais conseguiu localizar na Palestina. E mais, meu senhor, nós
temos em nosso meio o túmulo de Moisés. Pode acreditar em mim: quando
Jesus dirigiu seus passos para esta terra, não visava uma meta indefinida, ele
estava à procura da terra de seus pais.
— Comosabia Jesus desta terra?
O professor Hassnain olhou para mim, enquanto tomava um gole de chá
gelado com limão.
— Há diversas possibilidades. T alvez tivesse descoberto alguma coisa
nos escritos antigos guardados no mosteiro dos essênios. Na ausência de
documentos escritos, poder-se-ia recorrer à tradição oral, numa época em
que o êxodo era um fato ainda relativamente recente. Existia, também, uma
possibilidade subestimada hoje em dia: como sabe, existe uma lacuna imensa
nas biografias de Jesus, escritas por cristólogos ocidentais, que se estende
dos doze aos trinta anos de idade. Não seria possível perguntar se Jesus teria
estado em nosso país quando jovem?
Uma vez que o professor gostava de precisão, intercalei esta pergunta:
— Entre Jerusalém e Srinagar medeia uma distância enorme de quatro
mil quilômetros em linha reta. Como podia Jesus percorrer essa distância
toda?
O professor começou a sorrir e respondeu-me, depois de acender um de
seus cigarros superlongos:
— Meu caro, pense nos colonos canadenses de nosso século! Sem
estrada de ferro, sem avião e sem carro, eles conseguiram vencer os sete mil
quilômetros que separam a costa leste da costa oeste. A pé, acompanhados
por suas famílias e com seus utensílios, utilizando carroças de lona muito
primitivas. Perfazendo quinze quilômetros por dia, pode-se chegar da
Palestina a Caxemira em um ano. Afinal, nos tempos bíblicos, as pessoas
estavammais acostumadas acaminhar apé do que nós, hoje...
Esse professor sabe argumentar, pensei. Mas mesmoassim, insisti:
— Existe alguma coisa concreta que se possa tocar, medir, fotografar?
Esta pergunta mexeu com os brios do professor Hassnain, que se
empertigou na poltrona:
—Aqui temos o túmulo de Jesus, documentado durante mais de mil e
novecentos anos. A inscrição diz: "Aqui jaz o célebre profeta Y uz-Asaf,
chamado Y usu, profeta dos filhos de Israel". Os nomes Y uz-Asaf e Y usu são
idênticos ao nomede Jesus; é assimque se escreve seu nomepor aqui.
... e pratica
No dia seguinte, o professor Hassnain nos levou a uma ruela sombria.
Seu nome traduzia-se por "Um profeta virá". Nossa meta era uma edificação
chamada Rauzabal Khanyar, um misto de igreja e mesquita. Sem a
companhia do professor Hassnain não nos teriam deixado entrar . T odos o
conhecem e estimam; quemestiverem suacompanhia desfrutaosfavoresde
sua autoridade.
Imitando os outros, tiramos os sapatos e acompanhamos o guarda do
sepulcro e seus familiares em suas orações. Admito que estava bastante
nervoso. Era uma idéia arrasadora pensar que podia estar perto dos restos
mortais do verdadeiro Jesus.
Aárea estava bastante escura. Sobre vigas, descansava uma cruz cheia de
velas acesas. No centro, erguia-se um escrínio cercado de painéis entalhados
e protegido por finas grades de madeira. Dentro do escrínio, ainda
fumegavam brasas numa bandeja. Nas pedras do chão, descobri pegadas
numlugar em que éproibido pisar .
— Que vema ser isso? — perguntei.
— São as pegadas de Jesus — disse o guarda do túmulo e, sussurrando
orações, baixou a cabeça e juntou as mãos sobre o peito, à maneira dos
peregrinos emlugares sagrados do cristianismo.
— Posso tocar a pedra? — perguntei. Sem interromper suas orações, o
guarda me acenou positivamente, com uma mansidão monacal. T omando
medida com a palma da mão, concluí que o tamanho das pegadas deveria
corresponder ao número45 de umpar de sapatos. Dentro das pegadas, sente-se alguns abaulamentos e irregularidades ásperas. Provenientes de chagas?
Aqui dizemque sim.

Rauzabal Khanyar, lugar de peregrinação, fica numa ruela escura.
Perguntei baixinho ao professor Hassnain se era permitido entrar no
santuário. Meu pedido teria recebido uma resposta negativa, se não entrasse,
nesse exato momento, o dr . Aziz Kachmiri, autor do livro Jesus em
Caxemira, com o qual tinha marcado encontro ali. Ele se pronunciou a favor
do meu pedido.
O escrínio foi aberto e eu fiz uma breve oração, para satisfação de todos
os presentes que estavam me observando. Preparei minha máquina
fotográfica e avancei para o interior do santuário, atravessando uma portinha
com grades. Ao recordar, hoje, os fatos, não posso negar que me achava
estranhamente irritado. Na oportunidade, tive que concentrar toda a minha
atenção nas complicações causadas pela estreiteza do espaço em que tentava
tirar as fotos. O flash iluminava tudo como um raio. Seria uma ação
sacrílega? Lembrei-me do Jesus que conhecia de meu tempo de escola. Ele
tinha muita compreensão para todo tipo de comportamento humano e
entenderia, também, minha curiosidade. Tirei a bússola do bolso da camisa:
a pedra da sepultura estava orientada em sentido oeste-leste.
Tirei diversas fotos, com diferentes objetivas, procurando ocupar-me
para não demonstrar minha decepção. Como podia um mausoléu, com uma
sepulturacobertapor umapedra, dar provas de seu conteúdo? Será que todas
as afirmações a seu respeito não passariam de quimeras? Seria necessário
levantar a laje, para abrir o verdadeiro túmulo. Se fossem descobertos,
realmente, ossos com sinais de chagas nas mãos e nos pés, haveria uma
prova concreta. Os próprios objetos deixados na sepultura poderiam ser
portadores de informações. Seria até admissível que tivessem colocado ao
lado de uma figura da celebridade de Jesus um rolo contendo os dados de
sua vida, para acompanhá-lo no descanso eterno. Umpedacinho que fosse de
um osso já seria suficiente para descobrir com exatidão o tempo de sua
morte.
— Senhor professor , por que não se fazem pesquisas no túmulo, para
confirmar comfatos as suposições existentes?
Hassnain me explicou que ele tentava conseguir isso, havia muitos anos.
Mas as autoridades temiam ofender os sentimentos religiosos de cristãos,
muçulmanos e hindus. E, piscando, acrescentou:
— Escreva a esse respeito. Seus livros são lidos e discutidos em toda
parte. Pode ser que isso ajude. Seria um grande sucesso, se os cientistas de
todo o mundo conseguissem convencer as autoridades indianas a proceder à
abertura do túmulo.
— Com um aparelho de raios X já poderiam ser obtidos alguns dados
importantes — observei. — Assim, nem seria necessário tocar nos ossos, na
múmia ou no que quer que esteja lá escondido.
— Quemsabe — retrucou Hassnain resignadamente.
Na volta ao hotel, procurei com cuidado explicar ao professor que esse
túmulo não convenceria ninguém de que Jesus esteve em Caxemira, aí
envelheceu e estava sepultado emSrinagar .
Observando o movimento intenso nas ruas, Hassnain disse:
— Isso eu admito. Mas não se esqueça dos documentos que existem.
— Que documentos?
— Amanhã lhe mostrarei, no monte Trono de Salomão, duas inscrições.
Uma diz: "Neste templo pregava o profeta Y usu". A data registrada indica,
transposta para o calendário gregoriano, o ano 54 d.C. A outra inscrição diz:
"Ele é Jesus, o profeta dos filhos de Israel".
— Não poderia significar que, em 54, um discípulo de Jesus tivesse
chegado a Caxemira, motivando essas inscrições? Não era necessária a
presença de Jesus.
— Procure-me amanhã na biblioteca. V ou mostrar-lhe o livro em
sânscrito Bhavishya Maha Purana. Foi redigido no ano 115 d.C. Nas páginas
465 e 466, nos versículos 17 a 32, há a descrição de um encontro do então
regente de Caxemira com Jesus. Já estou tão acostumado com as perguntas
de visitantes ocidentais a respeito desse texto, que ando sempre com uma
cópia no bolso. Posso ler o texto em voz alta, se quiser gravá-lo...
Claro que queria. Em meu arquivo de áudio tenho essa fita gravada em
inglês. Eis a tradução do texto que o professor Hassnain leu para mim:
"Durante a regência deRaya Shalevahin— oque corresponde aoano78
d.C. —, este mandou que o carregassem pelos morros refrescantes de
Caxemira. Foi quando o rei descobriu, sentada na grama e vestida de linho
branco, uma pessoa feliz, rodeada de vários ouvintes, Shalevahin dirigiu-se
ao estranho para saber quem era. O homem de túnica branca respondeu com
sua voz tranqüila e feliz: — Nasci de uma donzela. Sou o pregador da
religião Mlachha, dos princípios verdadeiros.
O rei continuou perguntando:
— Que religião éessa? O
estranho respondeu:
— Omaharay (grande regente), estava eu caminhando e pregando na
terra de Mlachha (geograficamente falando: a Palestina), ensinando a
verdade, contra a destruição das tradições. Quando lá apareci, me chamaram
de 'Masih' (Messias). Eles não gostaramde meus ensinamentos, rejeitando as
tradições e condenando-me. Sofri muito emsuas mãos.
Como o rei quisesse saber mais sobre a religião desconhecida, explicou-se o homemde linho branco nestes termos:
— Areligiãosechamaamor,verdadee purezadecoração,é por isso que
mechamamde Masih."
Que texto excitante!
Depois de nos desperdirmos em frente ao Obero, fiquei sentado durante
uma hora, à luz de uma lanterna, no terraço, observando o cair da noite.
Como numa imensa tela de cinemascope descortinava à minha frente o rio
Jhelum, que atravessa a cidade de Srinagar, os templos da era hindu, os
palácios e as mesquitas dos séculos XIV e XV . Depois desse dia
movimentado,voltei a encontrar a calmainterior, refletindosobre tudooque
ouvira. De novo escutei a gravação da fita.
De acordo com essa tradição sanscrítica do ano 115 d.C, Jesus-Masih
responde assimao rei:
"Nasci de uma donzela. Ensinei a verdade, contra a destruição das
tradições... r ejeitando as tradições, eles me condenaram..."
Os evangelistas também nos contam que Jesus nasceu de uma donzela,
umavirgem. Desde que foram encontrados, em1947, Os manuscritos do mar
Morto, nas cavernas de Qumran
4
, sabemos que Jesus pregava os
ensinamentos originais da tradição, Neles há relatos importantes sobre os
temposem quecomeçou aera atual, com onascimento de Jesus.Em66 d.C,
os monges cssênios esconderam seus manuscritos mais importantes em
jarros de cerâmica, guardando-os nas cavernas acima de Qumran.
Descobertos por acaso, teve início um verdadeiro filme policial nas cavernas
do mar Morto
5
. Alguns desses manuscritos deram a volta a meio mundo, por
caminhos escusos, sendo examinados pormenorizadamente em mosteiros e
universidades. Até o dinheiro desempenhou um papel importante nessa
descoberta sensacional... Finalmente, esses documentos únicos, que
mudaram a visão do mundo dos teólogos, chegaram às mãos dos
competentes professores André Dupont-Sommer e Millar Burrows.
Essa descoberta veio comprovar definitivamente que Jesus tirou a maior
parte de sua doutrina, aquilo que há nela de substancial, dos essênios, como,
porexemplo,o núcleode sua doutrinaresumida noSermãodaMontanha,ou
a luta entre os "filhos da luz" e os "filhos das trevas".
Fílon de Alexandria, que viveu no começo de nossa era cristã, de 25 a.C.
a 50d.C, já mencionara os essêniosemseuescrito Quodomnisprohuslihert
sit
6
:
"A Síria palestinense, habitada por uma parte considerável do numeroso
povo judeu, mostrou-se muito fértil pela geração de gente virtuosa. Alguns
entre eles, em número de mais de quatro mil, são chamados de essênios;
parece-me que essa denominação tema ver ... com a palavra 'santidade'; trata-se, realmente, de pessoas que se dedicamespecialmente aoculto divino. Eles
não juntam nem prata nem ouro e não adquirem grandes latifúndios...
cuidam apenas das necessidades de cada dia... e rejeitam tudo o que possa
despertar sentimentos de avareza... Entre eles não há escravos, antes são
todos livres, e ajudam-se mutuamente... Há milhares de exemplos que
demonstram seu amor a Deus,.."
O historiador c general judeu Flávio Josefo (37-97 d.C.) escreveu o
seguinte textosobreos essênios,emsua Históriada guerra judaica'', do ano
77 d.C:
"Há entre os judeus três tipos de escolas filosóficas; uma é formada pelos
fariseus, a outra pelos saduceus e a terceira, que se rege por prescrições
especialmente rigorosas, é a dos essênios. Eles menosprezam o casamento,
mas aceitam em seu meio crianças estranhas de pouca idade e dóceis para a
aprendizagem. Elas são tratadas como membros do grupo, a quem ensinam
seus costumes... T anto pela vestimenta que usam quanto pela aparência
geral, eles se assemelham a meninos... Antes de começar a refeição, o
sacerdote profere uma oração. ,. e depois da refeição ele volta a rezar ... De
preferência, eles se dedicam ao estudo de antigos manuscritos. , , Com sua
força de vontade, superam as dores físicas... pois, mesmo sabendo que o
corpo entra em decomposição após a morte, crêem, no entanto, firmemente
na sobrevivência da alma..."
Esse psicograma de uma comunidade condiz perfeitatnente com a
personalidade do solitário Jesus. T eria sido ele entregue à educação dos
essênios, desde que nasceu de uma donzela? T eriam eles inoculado em seu
espírito, num mosteiro da região de Qumran, a lei mosaica — só existe um
único Deus! —, de modo que o homem Jesus desprezasse mais tarde o
politeísmo romano, tornando-se um rebelde? Foi entre os essênios que ele
aprendeu a suportar os suplícios e os martírios da cruz, pela força de seu
espírito? Seria um simples acaso que os antigos escritos em sânscrito nos
dêem testemunho daquelas palavras trocadas entre o Masih-Messias e o rei,
em que aquele assevera ter nascido de uma donzela e ter pregado a verdade
contra a destruição das tradições... bem na linha de pensamentos dos
essênios?
Diante de meus olhos se desenhava a pista que levava de Srinagar até a
épocade Jesus, hádoismilanos,e maisadiante até a época dos deusese dos
revoltosos. Convencido de que o sepulcro de Jesus poderia, realmente,
encontrar-se em Srinagar, sei também que os teólogos ocidentais costumam
descartar as lendas orientais com um sorriso de superioridade. Por que eles
não unem suas forças para esclarecer a lenda indiana sobre Jesus? Seria
pedir algo inconveniente? Uma heresia? Seria uma blasfêmia? Ou não é
permitido examinar o túmulo de Jesus em Caxemira porque tal túmulo
simplesmente não existe, em virtude da ascensão de Jesus ao céu?

Nocentro deParhaspur ,encontram-se osrestos da pirâmideque lembraas pirâmidesdos
maias na selva da América Central. T eriamsido os mesmos construtores?
A questão deveria ser esclarecida, por ser, a bem da verdade, a mais
importante do cristianismo. Mesmo que no santuário de Rauzabal Khanyar
se encontrassem, de fato, os restos mortais de Jesus, nem por isso esse fato
modificaria coisa alguma em seus ensinamentos sublimes. Não há motivo
para um pessimismo crasso como o de São Paulo, quando escreve na
Primeira Carta aos Coríntios, capítulo 15, versículos 16 e 17:
"Se os mortos, porém, não ressuscitam, tampouco Cristo foi ressuscitado.
Mas, se Cristo não foi ressuscitado, então vossa fé é vã".
Umaexplosãoatômicahá quatro milanos?
O professor Hassnain nos mostrou as ruínas dos templos de Parhaspur;
elas formam,numraio de vários quilômetros, uma área totalmente destruída.
Ainda são bem reconhecíveis os terraços em forma de degraus que
constituíam a antiga construção. Eles me lembraram, imediatamente, os
métodos de esquadrejamento e construção dos templos incaicos da América
do Sul, como, por exemplo, os de Cuzco, no Peru, com seus blocos
encaixados e sobrepostos. Como lá, pedras enormes foram recortadas das
rochas, aparentemente sem maior esforço. Como lá, parece que não existiam
problemas de transporte, e, como lá, tem-se aimpressão contundente deuma
grande destruição por explosão e não de um simples efeito natural dos
milênios que se passaram. V endo essa desolação, semelhante às que as
imagens da televisão infelizmente nos apresentam todos os dias, focalizando
as áreas de conflito arrasadas pelos bombardeios, torna-se inconcebível que
essas ruínas, como as de Hiroxima, tenham outra origem que não seja uma
explosão. Olhando ao redor, a partir do centro, constata-se que os milhares
de blocos de pedra se situam a uma distância mais ou menos igual do ponto
central.
Como estou muito familiarizado com lendas que falam de "deuses" e de
suasarmasterríveis,nãovejonenhumabsurdonessa idéiade umadestruição
vinda do alto.
Aparelhos que voam, em manuscritos sanscríticos da
índia antiga
Sob esse título, ouvimos uma conferência brilhante do professor Dileep
Kumar Kanjilal, durante o Sexto Congresso Mundial da Ancient Astronaut
Society , realizado em Munique em 1979
8
Como professor do Calcutta
Sanskrit College, Kanjilal é um dos maiores especialistas emsânscrito.
As explanações de Kanjilal, que passo a citar com a gentil permissão de
seu autor , corroboraram a minha hipótese segundo a qual os "revoltosos",
descritos por Enoc, continuaram dispondo de engenhos técnicos e de
aparelhos simples para voar, mesmo depois da partida da nave mãe. Os
"anjos rebeldes", esses "seres que vieram do céu", se misturaram com as
filhas dos homens, procriando filhos. Esses "filhos de deuses", que viviam
na T erra, certamente já não dispunham do saber original dos facciosos que
faziam parte da primeira tripulação espacial, criados em algum planeta
longínquo. Os engenhos técnicos dos extraterrestres estragaram-se e
enferrujaram, perdendo-se nos primeiros séculos após a aterrissagem. Os
filhos dos revoltosos e seus netos cresceram na T erra, sem que ninguém
dispusesse de conhecimentos para possíveis consertos dos aparelhos. Graças
à herança tecnológica dos antepassados, porém, eles estavam em condições
de construir aparelhos simples para voar, o que os tornou infinitamente
superiores aseus contemporâneos.
Eu gostaria de ouvir outras explicações para os fatos transmitidos pelos
textos em sânscrito. Não se trata de obscuros manuscritos secretos. Os
documentos citados pelo professor Kanjilal podem ser encontrados em
qualquer biblioteca bem sortida de textos sanscríticos, legíveis para todos
que entendem sânscrito. As revelações desse especialista em sânscrito
representam tanto "perigo" para a ciência tradicional que esta, sem meios
para defender seus velhos pontos de vista, só pode fingir-se de surda ou,
então, ridicularizá-las. Ela não possui argumentos reais contra esses
documentos.
Passo a citar , portanto, literalmente, trechos da conferência do professor
Kanjilal:
"Não faltam motivos para apresentar a chegada dos deuses
extraterrestres,seurelacionamento conjugaicommulheres da T erraea prole
resultante dessas uniões comoinvençãodostextosvédicos(que é aliteratura
religiosa mais antiga dos indianos arianos) c do Mahabharata (epopéia
nacional dos hindus).
...Se estudarmos, no entanto, a história da veneração das imagens na
índia, encontraremos duas obras importantes, o Causitaqui e o Satapata
Bramana (de cerca de 500 a.C),quenosfalam daapariçãodos deuses. T anto
os textos quanto as imagens comprovam, nitidamente, que os deuses eram,
originalmente, seres corporais. Surge, porém, a questão inevitável: como
esses deuses conseguiramatravessar a atmosfera para chegar à T erra?
O Y ajurveda fala com toda a clareza de uma máquina voadora usada
pelos Asvins (gêmeos divinos). Apalavra vimatia outra coisa não é senão um
sinônimo de 'máquina voadora'. Ela aparece tanto no Y ajurveda quanto no
Ramayana, no Mahabharata. no Bagavata Purana e na literatura clássica
dos hindus. O termo 'yantra' significa, em tradução exata, 'aparelho
mecânico', e é muito usado na literatura emsânscrito''.
Pelo menos vinte trechos do Rigveda (mil e vinte e oito hinos aos
deuses) falam exclusivamente do veículo voador dos Asvins. Ele é descrito
comoumveículo de três andares, triangular e provido de três rodas, e em seu
interior cabiam,emmédia, três pessoas. Segundo as tradições, o aparelho era
feito de metal:ouro, pratae ferro, e dispunha ta mbém,deduasasas. Foicom
esse veículo que os Asvins salvaram o rei Bujyn, que havia sofrido um
naufrágio.
Qualquer entendido em sânscrito conhece o Vaimanica Sastra, coleção
de textos que, em sua parte essencial, é atribuída ao sábio Bharadvajy , que
viveu por volta do século IV a.C. Esses escritos do Vaunanica Sastra foram
redescobertos na Índia, em 1875. Seus textos tratam do tamanho e das
principais partes dos diversos aparelhos voadores. Eles explicam como
funciona sua direção, quais os detalhes a seremobservados durante os vôos a
longa distância, como era possível proteger os aparelhos contra tempestades
e raios, qual o procedimento numa aterrissagem de emergência e, até, como
se podiam comutar os dispositivos de propulsão para o uso da energia solar ,
economizando assim o combustível. O sábio Bha rahvajy cita nada menos
que setenta autoridades e dez especin listas em aeronáutica na índia pré-histórica.

Em cima; as ruínas de Parhaspur cobrem uma área demasiadamente grande para um
templo. Tradições de origem hindu falam em destruição que veio do alto.
Embaixo: são dezoito mil quilômetros eiu linha reta que separam Caxemira da Bolívia e,
no entanto, essa laje está lavrada do mesmo modo que as que encontrei em Puma-Punku.
Adescrição dosaparelhos comoaencontramosem textosdaíndiaantiga
é surpreendentemente precisa. A grande dificuldade com que nos
defrontamos hoje reside sobretudo no fato de serem mencionados diversos
metais e ligas de metal que não sabemos traduzir . Não conseguimos
descobrir o que os antigos queriam dizer . Segundo o
Samaranganasutradhara, foram construídas, originariamente, cinco
máquinas voadoras para os deuses Brama, Vixnu, Y ama, Kuvera e Indra.
Mais tarde, foram acrescentadas outras. Conforme as descrições, há quatro
tipos básicos dessas vimanas voadoras: rukma, sundara, tripura e sakuna.
As rukma tinham forma cônica c um brilho dourado; as sundara, ao
contrário, possuíam forma de foguete e um brilho de prata; as tripura eram
de três andares, e as sakuna se pareciam com pássaros. Desses quatro
modelos básicos derivavam cento e treze diferentes subtipos, que
apresentavam, parcialmente, diferenças muito pequenas.
No V aimanica Sastra encontra-se a descrição da localização e do
funcionamento dos coletores de energia solar . Fala-se de oito canos feitos de
um tipo de vidro que absorve os raios solares. Há toda uma seleção de
detalhes que não conseguimos entender totalmente. No
Amaranganasutradhara há comentários até a respeito da propulsão, do
controle e do combustível da máquina voadora. Está escrito que foram
usados mercúrio e rasa. Infelizmente continuamos desconhecendo o
significado do termo 'rasa'."
Combinando os dados do relatório de Enoc com as tradições da índia
antiga, chega-se a uma explicação óbvia de mistérios que continuam a
desafiar-nos. Pode ser que as ruínas de Parhaspur , onde me encontrava,
sejamas lembranças de umabatalha aérea "divina".
As provasse multiplicam
Em 1979, foi publicado na Itália o livro de um inglês nascido na índia,
David W . Davenport: 2000 a.C. Destruzione atômica (Destruição atômica,
no ano 2000 a.C.
9
).
Davenport fala de provas que mostram que um dos lugares mais antigos
da civilização humana — Mohenjo-Daro, uma das metas de minha viagem
— foi destruído por uma explosão atômica. Mohenjo-Daro fica a uma
distância de trezentos e cinqüenta quilômetros ao norte de Karachi, no
Paquistão, a oeste de Sukkur, no rio Indo, Davenport demonstra que o campo
coberto de ruínas, que os arqueólogos chamam de "campo da mortc", não
surgiu em conseqüência de uma lenta desintegração.
Mohenjo-Daro, com mais de quatro mil anos de existência, situava-se
originalmente emduas ilhasdo rioIndo.Numraiodeumquilômetro e meio,
registra Davenport três diferente graus de destruição que se seguem um ao
outro, a partir do centro. O calor imenso, liberado pela destruição em seu
centro, fez que os fragmentos de cerâmica derretessem, formando milhares
de pedaços de tamanhos diversos, denominados pelos arqueólogos "pedras
pesadas". A hipótese de uma erupção vulcânica é logo descartada, uma vez
que não há vestígios de lava ou de cinzas de origem vulcânica em Mohenjo-Daro ou nas redondezas. Davenport presume um calor intenso e passageiro
de cerca de dois mil graus, o suficiente para derreter os recipientes de
cerâmica.
Nos arredoresde Mohenjo-Daroforamencontrados, segundoDavenport,
esqueletos humanos, prostrados no chão, muitas vezes de mãos dadas, como
se os vivos tivessem sido surpreendidos, repentinamente, por uma catástrofe
inesperada.
A arqueologia continua trabalhando em Mohenjo-Daro de acordo com
seus métodos tradicionais, apesar de haver condições para um trabalho
interdisciplinar; é seu direito. Afinal de contas, ela os aplicou até hoje com
muito sucesso. Enquanto se excluir , porém, de antemão a possibilidade de
serem máquinas voadoras e uma explosão nuclear as causas daquelas ruínas,
nunca se chegará a montar equipes de pesquisa que incluam também físicos,
químicos, especialistas em metais, etc. Como esse tipo de cortina de ferro é
tantas vezes utilizado em lugares decisivos para a história da humanidade,
não consigo desfazer-me da desconfiança de que descobertas surpreendentes
que poderiam abalar o pensamento estabelecido não podem nem devem ser
efetuadas. Uma explosão nuclear, acontecida há quatro mil anos, não
perturbaria o esquema tradicional? Depois de ter tomado conhecimento do
relatório de Davenport, fiquei ainda mais curioso, pois o que foi descoberto
até agora não meparece ser mais do que metade de toda a verdade.
Oh, Calcutá!
Antes de prosseguir viagem para o vale do Indo, precisava fazer a visita
prometida a meu editor Ajit Dutt, emCalcutá.
Ele me aguardava com toda a sua família no aeroporto. A expressão de
satisfação por receber a máquina de escrever portátil transparecia em seu
rosto ao transmitir-me a notícia de que a minha chegada era esperada dois
dias antes, e que milhares de pessoas que tinham vindo para assistir à
conferência haviam sido dispensadas. Tive a impressão de que Dutt estava
operando com "tiragens" humanas de número editorial-mente elevado.

Em muitos lugares de Caxemira vêem-se blocos de pedra de lavra misteriosa, como em
Sacsayhuaman, acima de Cuzco. Não há quem consiga explicar essa coincidência ocorrida há
milhares de anos.
Comotinhavontade deolhar essa cidade, amaiordaíndia,comseustrês
milhões e quinhentos mil habitantes, concentrados em apenas quatrocentos e
vinte e um quilômetros quadrados! Mas não consegui dar um passo sequer
fora do hotel. Os jornalistas se revezavam diante de minha porta. Os
repórteres das rádios me assediavam com seus microfones. Recusei uma
visita à televisão quando soube que funcionavam apenas dois mil aparelhos
na cidade. Por aqui, a era da televisão está apenas começando.
O segundo dia foi igual ao primeiro. Minhas palavras do dia anterior
reapareceram, como pude verificar, nas primeiras páginas dos jornais, ao
lado de notícias atuais de cunho político e fotos de Indira Gandhi. O que
estariam escrevendo sobre mim? Não conheço o bengalês, mas, de qualquer
maneira, parece que minhas idéias encontram chão fértil na índia.
Ao meio-dia apareceu uma comissão de "recepção para EvD", formada
por dois arqueólogos, um diretor de museu e vários professores assistentes
da universidade.
De acordo com o costume indiano que eu já tinha assimilado, juntei as
mãos sobre o peito e fiz uma inclinação. Vieram para me avisar que estava
tudo preparado.
As experiências daquela noite em Calcutá superaram com sua
turbulência tudo o que eu pudesse imaginar no pior dos pesadelos. Ao nos
aproximarmos do museu, no carro da comissão de recepção, lá pelas seis da
tarde, vi grandes aglomerados humanos empurrados por policiais para
formarem filas. Seria para mim a manifestação? A polícia abriu caminho
para o pátio interno. Protegido por um cordão de isolamento, fui levado para
a sala. Era um recinto amplo, com escadarias, galerias e largas sacadas nas
janelas. T odo o espaço disponível estava ocupado. O ar estava parado,
quente e úmido. Diante de umatela havia quatro cadeiras enormes. Puseram-me numa delas. Uma antropóloga, um arqueólogo e o diretor do museu
teceram tantos elogios a meu respeito em seus discursos de abertura, que
fiquei até sem jeito. Com o relógio de pulso colocado à minha esquerda
sobre a tribuna, fiquei durante vários minutos impossibilitado de começar a
falar, por causa das aclamações incessantes. No meio da multidão
encontrava-se Willi, vestindo uma camisa de um vermelho berrante, alvo
fácil de ser localizado quando se tratava de colocar novos slides no projetor,
em sincronia com minha palestra. Percebi logo que nessa noite só poderia
apresentar uma versão resumida de minha exposição. Assim mesmo,
falharam três vezes minhas cordas vocais. Nunca tinha me acontecido isso;
devia ser conseqüência do ar carregado. No final formou-se um grande
tumulto. Milhares de pessoas se acotovelaramemminha direção.
Até aquele momento, jamais tinha experimentado o que era ter medo de
gente. Encostaram-me contra a parede; queriam autógrafos, mas as minhas
mãos estavam presas. A alguma distância notei queWilli tentava aproximar-se. Em vão! A pressão da massa humana me fez cair no chão. Reunindo as
últimas forças que me restavam, consegui esquivar-me para um canto, onde
senti a proteção das duas paredes. De repente vi os cassetetes da polícia
acima das cabeças. Baixavam com toda a força, mas a multidão exaltada
nem ligava. Foi desagradável ter que assistir a essas cenas. Não existiria
alguma janela por onde pudesse bater em retirada? T odas tinham grades.
Finalmente, a polícia abriu a cacetadas um estreito corredor até o carro.
Sentamo-nos esgotados, banhados de suor, amassados, e, todavia, um pouco
felizes.
Durante todo o dia seguinte não consegui vencer uma certa angústia
diante da expectativa do que poderia acontecer à noite, durante minha
palestra na universidade. Com seus duzentos e quarenta mil estudantes,
Calcutá abriga a universidade mais antiga da Ásia. A visaram-me que a
conferênciase realizariano auditório de física nuclear,o maior docampus,e
que o público seria composto, emsua maior parte, por acadêmicos.
Mas o ambiente não era nada acadêmico. Primeiro, não consegui sair do
carro, que, num abrir e fechar de olhos, foi cercado por estudantes.
Novamente, a polícia teve que abrir caminho, de modo bastante rude. Os
estudantes não se incomodavam. Em coro, eles gritavam: Long live
Däniken! Onde já se viu isso?
O gigantesco auditório encontrava-se superlotado. Falei durante duas
horas. O silêncio era absoluto. Não é possível descrever a manifestação de
aprovação que se seguiu ao final da conferência.
Na roda dos diretores de faculdade, senti-me carregado por uma onda de
simpatia. Havia professores dispostos a ajudar-me com seus conhecimentos
especializados. Pesquisadores de sânscrito afirmaram que poderiam
fornecer-megrandequantidadede material. Eles cu mpriramsuapalavra. Um
dos sanscritologistas me asseverou que as teorias defendidas em meus livros
fazem parte das realidades presentes na imaginação do povo hindu, de modo
que meus escritos vão ao encontro daquilo que, de fato, pensa o homem da
rua.
Um estudante acanhado, magro e alto, entregou-me um livro de capa
cor-de-rosa, dizendo:
— É para o senhor!
Li rapidamente o título: W ymaanikashaastra Aeronautics, de Maharshi
Bharadwaaja
10
. Polidamente perguntei pelo conteúdo do livro. O estudante,
vestido comumapobre camiseta branca, falou comumsorriso:
— É umacoleção de textos antiqüíssimos, que deverão interessá-lo.
Depois sumiu na multidão.
Ao chegar ao hotel, examinei o gentil presente mais de perto; já estava
começando a temer que tivesse que voltar aos bancos da escola para
aprender sânscrito, quando descobri que, a partir da metade do livro, havia
uma tradução em inglês dos mesmos textos. Acabou-se meu descanso
noturno.
Em dez subdivisões, havia um tratado sobre temas fantasticamente
atuais, com treinamento dos pilotos, rotas aéreas, detalhes da máquina
voadora, e falava-se até da roupa do piloto e dos passageiros, bem como da
alimentação recomendável para vôos longos. Não faltavam pormenores
técnicos: os metais utilizados, metais capazes de absorver o calor até seu
ponto de fusão, apropulsão e os diversos tipos de máquinas para voar .
Se não tivesse presente a todo momento o fato de tratar-se de textos
sanscríticos milenares, poderia considerar o livro como um manual de
instrução para futuros pilotos.
Para os pilotos existe uma lista de checagem de trinta e dois ítens que o
comandante da nave precisa conhecer antes de poder manobrar a máquina.
Há explicações de como o piloto pode andar em ziguezague, olhar para todos
os lados e ouvir ruídos longínquos. Não faltam também instruções de
combate para as naves: como é possível reconhecer a tempo as manobras do
inimigo, descobrir a direção dos ataques e evitá-los.
Quanto às informações a respeito dos metais utilizados, há três tipos
mencionados, chamados de somola, soundaalika e mourthwika. Quando
combinados nas quantidades certas, surgem dezesseis outros metais, que
absorvem o calor e que têm nomes como ushmambhara, ushnapaa,
raajaanilatrit, etc, que não consigo compreender. Provavelmente, nem os
próprios tradutores conseguiram identificá-los, do contrário teriam se valido
dos conceitos eminglês, na tradução.
Há também explicações sobre a limpeza dos metais, os ácidos a serem
utilizados, e sua devida composição — ácido cítrico e ácido málico —, os
tipos de óleo recomendados para serem aplicados e emque temperatura.
São descritos sete tipos de motores, com suas respectivas funções
específicas, comprovadas em determinadas alturas. No catálogo não faltam
tampouco indicações quanto ao tamanho dos aparelhos, que podem ter
diversos andares, nem se omitem recomendações de uso para finalidades
diversas.
Para aqueles que duvidam da existência de aparelhos em condições de
vôo nos tempos pré-históricos, só resta optar entre duas possibilidades: ou o
autor sanscrítico Maharshi Bharadwaaja era o maior adivinho de todos os
tempos... ou era mesmo técnico em aviação, conhecendo a fundo as
máquinas que via emação.
Esses textos que chegaram às minhas mãos por acaso, pela colaboração
daquele estudante, deviam constituir leitura obrigatória para os engenheiros
e construtores de aparelhos aéreos e espaciais. Quem sabe poderiam
descobrir nas traduções sanscríticas soluções para aqueles projetos em que
estão trabalhando com muitas dificuldades. T alvez chegassem assim a
resultados rápidos e satisfatórios. Já não existem mais direitos reservados
sobre essas técnicas milenares. Mas, antes disso, nossos homens sabidos
precisam chegar a entender que os textos antigos devem ser aceitos como
são de fato: descrições de realidades de outrora.
Quando tomei o avião que me levaria de volta a Srinagar , tinha visto de
Calcutá apenas meu quarto de hotel, o museu, a universidade e as ruas
repletas de gente. Meu editor , Ajit Dutt, no entanto, mostrou-se muito
contente.
Ameta: Mohenjo-Daro
Por força de nossas experiências anteriores, partimos de Srinagar às
quatro horas da manhã: a essa hora, os grupos de caminhantes ainda estão
parados à beira da estrada. Percorremos uns cem quilômetros antes que os
nativos e andarilhos acordassem do repouso da noite — assim como as
vacas, os camelos, os cachorros e as cabras — e os ônibus e caminhões
começassem a correr desenfreadamente, como tanques de guerra. Depois do
despertar geral, conseguimos vencer apenas quarenta quilômetros por hora,
de modo que levamos oito horas para percorrer trezentos e cinqüenta
quilômetros até Jammu.
Jammu, a capital do Estado Jammu-Caxemira, foi outrora residência de
inverno dos marajás do norte da índia. Hoje, são os funcionários de Srinagar
que passamemseu climaagradável — a quatrocentos e três metros acimado
nível do mar — os dias de inverno. É difícil captar as características
específicas das cidades indianas: todas transbordam de gente, todas vivem
asfixiadas pelo trânsito desordenado e pela sujeira onipresente; todas são
dominadas por vacas magras.
No trecho plano da rodovia que leva a Amritsar, pretendíamos recuperar
o tempo perdido, para visitar em Amritsar o célebre "templo de ouro",
santuário máximo dos sikhs, seita religiosa com oito milhões de adeptos.
Fundada por gurus,no século XVI, situa-se aHo"lagodaimortalidade",que
é a tradução literal de Amritsar . Como é possível que uma cidade exprima
em seu nome a pretensão da imortalidade? Ali deve ter acontecido algo
misterioso, pois, sobaabóbada revestida de ourodeum edifício,encontra-se
o "trono da imortalidade". Hoje, são os líderes dos sikhs que têm, sob a
cúpula, a sua residência.
Nosso resistente Range Rover provou então que ele mesmo não era
imortal: esvaziou-se o pneu esquerdo traseiro. High noon. A estrada ardia.
Nãohavia sombra, océuestava semnuvens.De baixo domonteda bagagem
tiramos o estepe para trocá-lo às pressas, à beira da estrada. Mas, quando
baixei o macaco, o carro arreou.
Tínhamosesquecido de encher oestepe,depois detê-loesvaziado parao
transporteaéreo. Abombaqueacionamoscomospés,arfando csuando, não
conseguiu encher o pneu. Estava com defeito. Com a velocidade de uma
tartaruga, rodamos até o posto mais próximo.
— Do you have air? * — perguntei.
*V ocês têm ar?"Em inglês no original (N. do E.)
Mas o inglês é falado somente pelas classes superiores. É nessas horas
que a gente se vale de uma linguagem de sinais pantomímicos, como os
primeiros seres humanos. Imitando os gestos de bombeamento, enchi as
bochechas e expeli o ar pelos lábios em forma de bico. Mas o frentista me
explicou, com outros sinais não menos ct)micos, que não havia ar nesse
posto. O ar não faz parte, em geral, dos serviços prestados por um posto
indiano. Cozidos pelo sol, fomos devagar até Labore, Estava entardecendo.
Numa oficina, um menino de nove anos de idade encheu o estepe c
consertou empoucos momentos a câmara avariada.
No mapa, a estrada para Sikkur , que passa por Multán, era marcada por
uma linha vermelha, a partir de Labore. Esperávamos enfrentar, portanto,
uma rodovia asfaltada. De Labore até Multán, a linha vermelha cumpriu o
que prometia. Mas, depois, a estrada ficou horrível. Recorri a um guarda
para informar-mesobre o caminho mais curto a Sikkur .
Os asiáticos são muito atenciosos. Quando não sabem como esconder
atrás de palavras educadas uma notícia desagradável, desce sobre sua
fisionomia umacortina de tristeza. Oque o guarda tinha a dizer correspondia
às feições tristes de seu rosto: a apenas trinta e dois quilômetros de Multán,
passa, num lugarejo chamado Muzaffagarh, o rio Lido. Contrariando as
previsões para essa estação do ano, o céu não parava de despejar água, com
o tempo completamente descontrolado. Enquanto estávamos tomando banho
de sol em Srinagar, caíam, mais abaixo, chuvas torrenciais. Mais para o sul,
do outro lado do Indo, Mohenjo-Daro já estava isolada de nos. Após
consultar-secom osnativos, o guardanos aconselhou emseu inglês passável
a tentar atravessar, mais ao sul, o dique de Alipur .
As águas sãomais rápidasdo que nós
As forças da natureza precisam ser aceitas com humildade, pois não
adianta enfurecer-se contra elas. Não havia outra alternativa: devíamosviajar
em sentido contrário à meta pretendida, em direção a Alipur . O dique já
estava coberto pela enxurrada, e as pontes do outro braço do rio Indo
estavam inundadas pela torrente. Recomendaram-nos, então, que
procurássemos o dique de Dera Ismail Khan, que, situado trezentos e vinte
quilômetrosao norte, continuava transitável.Eraumdesvioimenso, masnão
tínhamos alternativa.
O hodômetro já tinha ultrapassado, havia muito, os trezentos e vinte
quilômetros previstos. A estrada ia se estreitando, para terminar, finalmente,
num caminho de terra lamacenta. Não víamos nem sinal do dique. Numa
aldeia sem nome soubemos que a barragem de Dera Ismail Khan também já
tinha sido tomada pelas águas. Se nos apressássemos poderíamos chegar a
tempo para atravessar ainda o dique de T aunsa, que ficava cento e quarenta
quilômetros ao sul, no caminho de volta. As últimas notícias o davam como
intato e transitável. A barragem de T aunsa é uma construção enorme, e
dispõe de pistas de concreto que se prestam até à passagem de tanques de
guerra. Mas esqueceram as vias de acesso.
Eram seis da tarde. Já estávamos rodando havia dezesseis horas, na
esperança de que, afinal, chegaríamos rapidamente a Sikkur . Mas, como
disse o sábio Shakespeare, a esperança muitas vezes se parece com um
perdigueiro sem rasto. E tem razão. Depois de passar por outro
congestionamento formado por caminhões e ônibus, paramos com nosso
Range Rover diante de um rio. A rua submersa terminava alhures na lama.
Paraque, afinal, dispúnhamosdeum carro tãoversátil,munido detraçãonas
quatro rodas e de guincho? Queria fazer a prova da técnica.
Com suas botas que iam até os joelhos, Willi desceu do carro e foi
avançando com cuidado, como um marinheiro no convés de um navio a
balançar, precedendo o carro, à luz dos faróis, naquela sopa barrenta c
borbulhante. Por suas pernas compridas pude avaliar a altura da água. Como
diferencial engatado e em marcha reduzida segui atrás dele, lentamente,
sentindo sob as rodas a lama escorregadia. Não posso parar!, pensei. Em
alguns minutos, que mais pareciam horas, consegui levar o carro para o
outro lado do rio. Heureca! Achara a outra margem salvadora! Que foi
mesmo que Arquimedes saudou com essa exclamação? Creio que foi a
descobertadaleidos pesosespecíficos. Emmeu lugar, eleteria gritadoduas,
três vezes heureca.
Apesar da noite escura, queríamos prosseguir viagem. Na primeira
encruzilhada, pararam nosso carro para nos avisar que todas as estradas em
direção aSikkur haviamsido interditadas, pois as pontes estavamsubmersas.
Com essa informação,abandonou-nos todae qualquer energia,docorpo e da
mente. Estávamos acabados. íamos bem devagar em direção ao lugarejo
chamado Dera Ghazi Khan. Ao redor de pequenas fogueiras, à beira da
estrada, havia comerciantes que ofereciam frutas e legumes, à luz de
lamparinas. Contrariando todo procedimento de quem pretende vender
alguma coisa, eles nos olharam de modo estranho, quase com inimizade,
contrariados.
Um jovem de aparência pouco recomendável indicou-nos, com seu
inglês limitadíssimo, o Shezan Hotel como o melhor do lugar . O Shezan era
sujo,cheiodepulgasepercevejos;tinha um bar repelentee um pátiointerno
com uma fonte que não via água havia uma eternidade. Um paquistanês que
falava fluentemente inglês e ficava meio afastado dos outros nos
recomendou em voz baixa que tomássemos cuidado, pois muitos viajantes já
tinham sido roubados ali, sem que as autoridades pudessem fazer nada, pois
as pessoas eram solidárias como uma Máfia. Pedi licença para deixar o
Range Rover estacionado no pátio interno. Mesmo com as roupas sujas,
caímos comopedras nas camas emporcalhadas.
Despertamos de um sono intranqüilo. Do pátio ouvia-se o tilintar de
correntes; uma voz gritava. À luz ofuscante da lâmpada de carbureto,
pudemos observar quatro sujeitos que inspecionavam nosso veículo —
certamente não movidos pela curiosidade pela técnica ocidental.
Descemos ao pátio e, postando-nos diante da parede com mais coragem
do que possuíamos de fato, encaramos com ar desafiante os vultos noturnos.
O farolete dentro do bolso de minha jaqueta dava a impressão de um
revólver prestes a ser disparado. A meu lado estava Willi, de braços
cruzados. Na minha mão direita brilhava uma lata de spray , com gás
lacrimogêneo, que tínhamos levado num rasgo de premonição. Da escuridão
começaram a destacar-se outras figuras que ainda não tínhamos visto.
Conversaram insistentemente com os quatro, lançando, de vez em quando,
olhares furtivos em direção ao objeto que se encontrava em meu bolso e à
lata de spray . Bateram em retirada. E nós partimos imediatamente, pois
desconfiávamos que fossemprocurar reforço. Foi umanoite muito curta.
Não era de admirar que a estrada para Sikkur ficasse intransitável. As
estradas eram de construção primitiva. Os carros de boi puxam pedras que
são trituradas pelos paquistaneses. Esse cascalho é depois despejado
simplesmente sobre o solo. O asfalto, que é aplicado em fina camada,
evidentemente não consegue impedir que o rio Indo leve tudo, a cada ano
que passa. Um verdadeira ajuda ao desenvolvimento consistiria, nesse caso,
num curso sobre métodos de construção rodoviária; modernas máquinas de
construção só tirariamo trabalho dessa gente pobre.
São Cristóvão, o padroeiro dos motoristas, não nos dera, definitivamente,
a sua bênção: o segundo problema de pneu nos atingiu como um golpe do
destino no meio da água. A água barrenta do rio Indo chegava até os eixos.
Como São Cristóvão costuma dar, no máximo, sua bênção, sem ajudar
mesmo, tivemos que nos meter nas águas lamacentas, munidos do macaco.
Por que não havia um botão no carro que colocasse em funcionamento uma
bomba hidráulica? Em qualquer avião existem colchões infláveis que se
enchem automaticamente com o acionamento de uma válvula. E já
repararam que os macacos não levantam o carro até altura suficiente? Os
construtores de carros não podem pensar que os pneus só precisam ser
trocados em chão sólido. Como seus veículos só andam em pistas de prova,
nem fazem idéia dos muitos tipos de terreno em que um pneu pode furar . Se
eu fosse técnico, saberia com certeza qual a invenção — depois do zíper —
que garantiria um lucro de milhões: ummacaco a toda prova.

Quando chegamos finalmente a Sikkur, após uma longa viagem de
muitos desencontros, soubemos por um oficial do exército paquistanês que
era impossível seguir viagem para o sul: toda a região estava inundada, e
levaria semanas até que as águas baixassem c as estradas fossem reparadas.
Mohen-jo-Daro, o "lugar da morte", não queria saber de nós. Deixamos,
então, esse lugar sinistro e inatingível à margemde nossa rota.
Entre as metas pretendidas havia ainda as escavações de T epe Y ahya, a
cidade circular dos sassanidas, Ardachir Khurrech, e as cavernas de
Kermanchah. Adiante, então, para a Pérsia...
O oficial que eu tinha abordado para saber se a estrada de Sukkur a
Quetta era transitável, e se era possível seguir na direção da Pérsia, olhou-me
comar de desconfiança:
— Aonde o senhor quer ir?
— Para a Pérsia.
— O senhor não lê jornais?
Na verdade, lembrei-me então, não tivera mais nenhum jornal nas mãos,
desde que chegamos a Karachi. A nossa programação não nos deixava livre
nemuma hora, nemumminuto.
— Não ouviu os noticiários?
O oficial não entendia a situação dos estrangeiros naquele país: como
poderíamos ouvir notícias numa língua que não compreendíamos ?
Amaneira concisa de um comando militar, o oficial nos informou:
—Todas as estradas para a Pérsia estão fechadas. Há revolução no país.
Por gentileza, venhamcomigo!
Entramos atrás dele num simples escritório à beira da estrada. Como
tinha servido, antigamente, sob o regime inglês, continuava com o hábito de
ler o T ime. De uma prateleira, tirou um monte de jornais velhos:
— V ejamaqui! Informem-se.
DEMONSTRAÇÕES CONTRA O XÁ EM XIRAZ
CONFLITOS GRA VES APÓS A SAÍDADO XÁ
O AIA TOLÁ KHOMEINI ANUNCIA A SUA VOL T A
TROP AS OCUP AM O AEROPORTO DE TEERÃ
MILIT ARES A TIRAM EM MARCHA DE PROTESTO
RECEPÇÃO TRIUNF ALP ARA KHOMEINI EM TEERÃ
GUERRACIVIL NO IRÃ ----- A CAPIT AL EM PODER
DOS REVOLUCIONÁRIOS
A T AQUE Ã EMBAIXADA AMERICANA
REVOLUÇÃO NO IRÃ ---- TODAS AS
FRONTEIRAS FECHADAS
Estas as manchetes do Time. O conteúdo do último número correspondia
àquilo que o oficial nos tinha comunicado; era do dia 20 de fevereiro.
Depoisdas forçasdanatureza, agora aforça maior dapolítica! Tínhamos
que entregar os pontos. O jeito era voltar ao porto de Karachi, que já
conhecíamos bem. Já imaginava o careca à nossa espera, com um sorriso
satisfeito nos lábios. Estava sorrindo de nossa desgraça, assim meparecia.
— Sabe o que nos falta? — perguntou Willi, depois de horas de um
silêncio opressivo.
Fiquei pensando. Depois respondi:
— Falta-nos sorte.
— Não, faltam-nos os quatro dias perdidos na chegada a Karachi e os
três dias que andamos errando na chuva.
De fato, com uma semana a mais teríamos chegado à Pérsia, mas
teríamos viajado ao encontro da revolução que — segundo as notícias do
jornal — se manifestava emhostilidades contra os estrangeiros.
— Não — respondi. — Até que tivemos foi muita sorte!
Mas umdia voltaremos!
Graças à dupla força maior, estávamos finalmente sem pressa, de modo
que pudemos colocar nosso Range Rover no porto de Karachi, a bordo de
umnavio.
Com a ajuda do careca, nosso velho conhecido, conseguimos realizar o
embarque sem dificuldade e a um preço módico. Em fins de abril,
recebemos, já na Suíça, a carta com o aviso: podíamos retirar o valente
veículo na alfândega, em V eneza.
6
Crepúsculo dosdeuses
"Não permitam que as doutrinas vigentes entorpeçam seus cérebros!'
Alexander Fleming (1881-1955), aseus estudantes
O começo emChicago,com duasfotos antigas — Aajudado brigadeiro
Chioino — Uma volta pela Guatemala — Dilúvio a caminho de El Baúl —
Diante do "monumento número 27"
— O pensamento voltado para Monte Albán (México) e Copán
(Honduras) — "El astronauta!" — Engano em Lima, Peru — Escala em La
Paz — O objetivo: Puma-Punkú — Edificações pré-históricas — A longa
noite dos deuses — Disputas em torno de Sacsayhuamán — Depois de
Humay, no vale de Pisco — Crânios deformados no museu de Ica — Nas
pegadas do mistério dos Andes.
É uma coisa horrível! Durante as viagens, há sempre pessoas gentis e
amáveis que entram em contato comigo, para indicar pistas preciosas —
como neste caso, ao menos —, deixando freqüentemente em minhas mãos
seu cartão de visita. Mas, ao chegar a casa, já não me lembro, muitas vezes,
de que se tratava, quando procuro pôr em ordem as lembranças de uma
viagem. Fico muito chateado com fatos como esse, pois sou um homem
correto, que gosta de retribuir as gentilezas recebidas com umas linhas de
agradecimento.
Dessa vezesperoqueaquelesenhor demaisoumenoscinqüentaanos de
idade, que vestia um terno de gabardina azul, pelo qual fui abordado em
Chicago, chegue a ler este livro para saber que lhe devo muito pela pista
importante que me indicou.
Na recepção do hotel em que se realizou, em 1978, o 5.° Congresso da
Ancient Astronaut Society*-, o mencionado senhor me abordou para
entregar-me duas fotos aéreas, tiradas de uma edição da National
Geographic Magazine dos anos 30. Essa revista é o órgão mensal das
pesquisas da National Geographic Society , de Washington, D.C,
*A Ancient Astronaut Society é uma associação de utilidade pública que. estuda a
temática abordada por mim.O endereço da seção de Líingua alemã é AAS, CH-4532
Feldbrunnen.
A foto, tirada com grande-angular , mostrava uma paisagem acidentada,
de aspecto quase primitivo, perpassada de sulcos. Parecia tratar-se de um
promontório, pois a superfície mostrava as cicatrizes deixadas por riachos
repletos de casca-lhos que pareciam descer das montanhas. Não era difícil
constatar que se tratava de uma zona quente, uma vez que não se via
nenhuma vegetação, nem árvores, nem arbustos, Lembrei-me imediatamente
das regiões que precedem os Andes, a cordilheira sul-americana situada no
oeste da América do Sul cque se estende até a T erra do Fogo.
—Osenhorconhece isso?— perguntou-meaquelapessoa,enquantome
observava com atenção.
— Não, nunca vi! — respondi.
— O que acha desse rastro? — Com o dedo indicador, ele me mostrou
uma faixa escura que atravessava as elevações e os vales. Claro que eu
estava vendo as sombras tracejadas que se destacavam sobre o fundo
infindável da foto, passando sobre morros c abismos, bem diferenciadas das
encostas naturais dos vales,
Meu interlocutor de Chicago reservara uma surpresa para mim: ele
colocou em minhas mãos uma segunda foto ampliada; era a mesma faixa,
mas composta por centenas de buraquinhos reproduzidos de modo regular e
ordenado na superfície, como se tivessem sido criados por um funil de
enfeitar bolos. Orietando-me pela largura costumeira dos fios d'água que
descem das montanhas, calculei que a faixa distoante devia ter uma largura
aproximada de quinze metros. As fotos aéreas começaram a despertar minha
curiosidade.
— O que éisso? — perguntei àquele senhor bem-vestido.
— Foram deuses que andaram por lá com seu veículo — respondeu com
um tom de certeza absoluta. — Repare só, deve ter sido um veículo
fantástico. Por acaso conhece algum meio de transporte que deixe esse tipo
de rastro nas rochas ou que ande nessas alturas? V eja como a pista sobe as
montanhas e vence os despenhadeiros. Não se trata de um produto de nossa
época...
— O senhor sabe onde é isso?
Infelizmente não poderia dizê-lo com exatidão, lamentou-se aquele
senhor . O certo é que se tratava de uma série de fotos do Peru, mas o texto
que acompanhava as fotos não indicava o nome do local. Ele me deixou as
duas fotos e sumiu com um "God bless you" no meio da multidão que
transforma arecepção de qualquerhotel americanonumagrandeestação. Ao
voltar para casa, vasculhei quase uma centena de livros sobre o Peru,
inicialmente quase certo de que localizaria as fotos sensacionais. Mas não o
consegui.
Encontrei muitas vistas aéreas e frontais do célebre muro dos incas, que
vai desde o litoral de Paramonga até as alturas das montanhas peruanas,
numa extensão de sessenta quilômetros, ladeado, à esquerda e à direita, por
catorze fortificações. Entre a faixa escura e o muro incaico havia em comum
apenas o aspecto aéreo que os assemelhava a animais primitivos a rastejar
sobre morros e vales.

Essa foto foi publicada nos anos 30, na renomada National Geographic Magazine.
O que eu estava procurando não era esse muro dos incas. Mas o que
poderia representar essa faixa escura? Seriam filas de sepulturas arcaicas?
Ou seria o resultado de um capricho da natureza, que queria adornar as
irregularidades do chão com esse desenho singular? Tratar-se-ia de um
complicado dique de proteção, com obstáculos para tropeçar? Seriam restos
de plantações antiqüíssimas? As perguntas me roubavam a paz. Eu tinha que
ir até lá. Mas, onde?
Afinal, o Peru, com um milhão duzentos e oitenta e cinco mil duzentos e
dezesseis quilômetros quadrados, não é nada pequeno, de modo que se torna
difícil acharumpontorelativamente diminutonumaregião bastante inóspita.
De meu refúgio suíço voaram as cartas para amigos peruanos. Em cada
envelope havia cópias das duas fotos, acompanhadas de um pedido
solicitando informações sobre sua localização. Durante semanas, só
voltavam respostas deprimentes; eu já nem queria abrir as cartas. Quando
estava a ponto de me conformar, meu secretário colocou uma carta
alvissareira — já aberta — na minha mesa.
Era a resposta cio brigadeiro Ornar Chioini Carranza. Sabia que esse
amigo era um excelente aviador , que gozava de boa fama também como
arqueólogo amador . De uns anos para cá, estava cuidando da criação de um
museu de aeronáutica na capital, Lima, por ordem do Ministério da
Aeronáutica. O brigadeiro fizera circular minhas fotos entre seus colegas e
entre alguns arqueólogos peruanos. E agora vinha sua resposta: um
arqueólogo seuamigoconheciaalocalização da faixa perfurada—ficavaao
norte do Peru, nos promontórios dos Andes, a noroeste da cidade de Trujillo,
o centro dos monumentos de antigas culturas índias; esperava que eu fosse
até lá, pois ele prepararia de bom grado uma viagem àquela região, contanto
que oavisassecoma devidaantecedência de meudia dechegada aLima.Na
minha proposta, sugeri o dia 15 de agosto de 1980 para o início da
expedição.
Umavezque estaria"nasredondezas",pretendia fazerantes uma visita a
uma pequena localidade guatemalteca, chamada El Baúl, que me tinha sido
recomendada pelo meu amigo, dr . Gene Phillips. Existem por lá algumas
estátuasdedeuses, muito interessantes,masqueainda nãotinhamrecebido a
devida atenção. Para um avião a jato, éumpulo da Guatemala até Lima.
Ao planejar essa viagem, sentado à minha escrivaninha com os horários
dos vôos na mão, não imaginava as peripécias que me aguardavam na busca
daquela faixa escura.

Não achei, em nenhuma obra sobre o Peru, qualquer menção à estranha faixa perfurada.
As fitas perfuradas de nossos dias têm umaspecto semelhante. O que é isso? Quem o fez?
Avolta pela Guatemala
A fim de evitar experiências negativas vividas em outras oportunidades,
pretendia alugar, no aeroporto da Cidade de Guatemala, um veículo tipo
caminhonete. Só não consigo entender o motivo pelo qual as empresas de
locaçãode automóveistêm apenascarros deluxoparaalugar, veículos feitos
para andar no asfalto. Nos países das Américas Central e do Sul, precisa-se
de veículos do tipo Rural para locomoção em todos os terrenos, mas não se
consegue esse tipo de carro numa locadora. A bonita guatemalteca que me
atendeu no balcão perguntou pela localização de El Baúl. Como estava bem
preparado, respondi:
— Nas proximidades de Liquín, na região de San José, costa do Pacífico.
A atraente senhora mostrou as duas fileiras de dentes próprios para um
comercial de creme dental:
— Então não precisa de uma Rural, As estradas encontram-se em ótimo
estado.
Se essa observação tivesse sido feita por um homem de dentes
amarelecidos, certamente não teria acreditaria nele. Mas, como partira de
uma boca encantadora, aceitei sem mais um automóvel grande, marca
Dodge, pelo aluguel de vinte c oito quetzales por dia, mais onze centavos por
quilômetro rodado. O quetzal é a moeda guatemalteca, cotada ao valor de
umdólar americano.
Dos limites da cidade partia uma rodovia de quatro pistas que descia
serpeando para a região mais baixa, em direção a Escuintla. Os dentes
bonitos pareciam ter deixado passar somente a pura verdade. No começo
aquela pareceu uma divertida viagem turística, mas, depois de uns vinte
quilômetros, perto de Escuintla, acabou a alegria. Dos dois lados da pista
estendia-se a floresta tropical úmida. Os ônibus e os caminhões formavam
umafila, soltando nuvens de fumaça malcheirosa. Nãodava nempara pensar
em ultrapassagem, pois,atéondea vistaalcançava, sóhavia uma fila imensa
de monstros fedorentos que desciam, com a lentidão de tartarugas, pelas
curvas abaixo. A partir de Escuintla, um lugarejo miserável, só guardei a
lembrança dos buracos na pista: parecia uma pista de teste de resistência!
Até que ponto agüentariam os eixos e as molas em condições tão extremas?
Então compreendi que não deveria ter caído no engodo daquele sorriso
desafiador que meimpingiu o Dodge.
Chegamos a uma bifurcação da estrada. A pista principal continuava em
direção aoeste, até a fronteira mexicana, enquanto eu devia seguir pela CA9,
para San José. Como o asfalto era apenas parcial, meu Dodge entrava em
valetas do tamanho de uma banheira, passava aos solavancos por pedras que
ficavam por demais juntas, de modo que impossibilitavam qual-quer desvio.
A direita, acompanhava-me um córrego de uns dois metros de largura, que,
emdias dechuvagrossa, certamente deviainundar aestrada. Mas nãoestava
chovendo, ao menos naquele dia.
O hodômetro registrava quarenta e nove quilômetros percorridos entre
Escuintla e San José, num tempo recorde de três horas. Ai daquele sorriso!
Com o corpo dolorido, sentindo ainda a diferença fatigante de cinco
horas em relação ao horário europeu, dirigi-me à estância de férias chamada
Liquín, que fica a uns dez quilômetros de San José. Lá queria dormir e
descansar, antes de seguir viagem. Assim, estaria bem disposto para
enfrentar o último trecho do caminho até El Baúl. Ao adormecer, o sorriso
daquela senhora do aeroporto continuava meperseguindo.
Durante a noite, muitas coisas podem acontecer, coisas boas e ruins. Na
manhã seguinte, quando abri as cortinas das janelas do hotel, defrontei-me
com um céu carregado de nuvens pesadas. Que bom!, pensei, assim o sol
não transformará meu Dodge num forno escaldante. Esse tipo de nuvem é
comum em florestas úmidas. Nem sempre trazem chuvas. Num carro rápido
e ágil, pode-se até fugir delas.
Justamente quando tinha alcançado a estrada, abriram-se as comportas
do céu como se tivesse chegado o dilúvio, disposto a ganhar precisamente
nesse dia o direito de entrar para o livro de recordes de Guiness. Não que
tenha sido uma estréia para mim: eu já tinha presenciado as mais pesadas
chuvas tropicais; mas o que aconteceu nesse dia 12 de agosto ultrapassou
todas as minhas experiências anteriores.
O córrego que havia me acompanhado no dia anterior borbulhava agora
do lado esquerdo, já que tive de voltar um trecho do caminho. A volumando-se de minuto a minuto mais ameaçadoramente, chegou, finalmente, o
momento em que ele começou a cobrir a estrada, carregando em suas águas
pedras, árvores e pequenos animais. Só um suicida ou um novato teria
insistido emprosseguir viagem.Parei o veículo e busquei a corda de reboque
no porta-malas, já então com a água alcançando meus joelhos. Amarrei a
corda no tronco de um mogno imponente.
No desconforto dessas atividades na água lamacenta, apareceu-me na
superfície turva a visão premonitória do sorriso daquela guatemalteca
sedutora. Ah, se tivesse agora uma Rural! A distância entre seus eixos e o
solo é maior, permitindo que a água passe livremente entre as rodas, e o
motor fica melhor protegido contra a água e a poeira. As águas turvas
espumavam contra a frente do Dodge como se fosse a proa de um barco.
Num número de equilibrismo, digno de um espetáculo circense, tirei os
sapatos e os jeans e passei a amontoar a bagagem sobre o encosto das
poltronas e no reduzido espaço para bagagem sob o vidro traseiro, uma vez
que a corrente já penetrava, furiosa, no interior do veículo.
Levo sempre comigo um cobertor de isolamento da NASA — um presente
que recebi em Houston — para emergências de qualquer natureza. Usei-o
nesse dia para envolver o motor do melhor modo possível. A situação não
era nada cômoda nesse riacho que estava se comportando como um rio
caudaloso.
Em suas águas, ele trouxe uma barbamarilla venenosa, uma cobra
dessas regiões. Não nutro nenhuma simpatia por ela, apesar de diversos
encontros anteriores em que ela se mostrou inofensiva. O Dodge dava
arrancos na corda como se fosse um jumento teimoso, disposto a galopar
para aperdição.
Sentado na capota, fiquei pensando por que me metia sempre nesse tipo
de aventuras. Meus pensamentos voaram para o lar idílico, lá na Suíça,
levando lembranças para minha mulher e minha filha. E continuei
esperando.
Passadas duas horas, o dilúvio terminou instantaneamente, como
começara. Certamente foram os anjos que fizeram uma limpeza geral nas
piscinas celestes, voltando agora a ligar o sol. Por sobre a mata subiam
nuvens de vapor, assemelhando-a a uma lavanderia dos tempos antigos. Os
pássaros chilreavam e guinchavam, como se fossem eles que tivessem
fechado as comportas do céu.
Um cowboy em uniforme cheio de enfeites de prata, com um sombreiro
preto na cabeça, apareceu como que recém-saído de uma fita de cinema.
Passando pelo veículo ancorado à árvore, ele não deixou de fazer uma
observação consoladora, avisando que a ribanceira do córrego tinha cedido
em muitos lugares, causando sérios prejuízos à estrada. T odo cuidado seria
pouco ao prosseguir viagem. Eu estava imaginando isso mesmo e podia
dispensar perfeitamente esse tipo de informação proferida do alto de um
cavalo.
Passaram-se mais três horas até que o volume de água baixasse. Mas a
estrada continuava coberta por águas escuras, que encobriam, também,
perigos latentes. Tirei o cobertor do motor e consegui, com muita sorte e
depois de várias tentativas frustradas, colocá-lo em funcionamento.
Pretendia conservar essa sorte deslocando-me rapidamente através das águas
espumantes, pois o motor continuava recebendo novas cargas de água por
baixo. Mas não tive sucesso em minha intenção de fugir rapidamente desse
inferno, onde todos os mosquitos pareciam ter escolhido, por decisão
unânime, meu corpo como repasto. Vitimado pela enchente, consegui,
finalmente, tirar meu veículo da lama, empurrando e puxando, ajudado por
camponeses prestativos. Trinta eoito quilômetros depois de San José, o nível
da estrada começou a elevar-se, mantendo-se acima do leito do córrego
arrogante. Assim, os deuses tinham colocado em meu caminho rumo a El
Baúl uma dura prova, sabendo muito bem que a atração reservada para mim
merecia todos os sacrifícios.

EmEl Baúl, encontra-se, num alpendre, o "monumento número 27".
El Baúlsugere comparações
El Baúl, um modesto lugarejo, situado a poucos quilômetros de Santa
Lucía Cotzumalguapa, oferece como único atrativo um abrigo de tábuas,
exposto aos ventos e às intempéries, ao lado de uma usina de açúcar . As
esculturas de pedra, objetivo de minha viagem, foram encontradas no
decorrerdas últimas décadas, poracaso,durante trabalhosderoçadanamata
virgem... depois, foramguardadas nesse alpendre

A figura de dois metros e cinqüenta e quatro centímetros de altura firma as mãos na
cintura, usando uma espécie de luva de boxe e segurando nas mãos algo parecido com bolas
de tênis.
Apeça maisvaliosada coleção foraclassificadapelos arqueólogoscomo
"monumento de El Baúl número 27". Assim, recebera, pelo menos, um
número de catalogação. V ejamos, então, quais os objetos que estão se
estragando nesse lugar, com o decorrer do tempo.
O "monumento número 27" é uma estela de dois metros e cinqüenta e
quatro centímetros de altura e um metro e quarenta e sete de largura. O
relevo é dominado por uma figura petulante, com as mãos na cintura; ela me
parece bastante convencida. Nas mãos, usa um tipo de luva de boxe,
segurando esferas do tamanho de uma bola de tênis. O mesmo ar moderno
transmitido pela atitude geral da figura repete-se no revestimento dos pés:
botas que vão até os joelhos e bombachas. Um cinto largo separa a calça da
vestimenta superior, colante. Até aí, a figura podia estar vestida à moda de
sua época, mesmo que pareça um tanto estranha. Desconcertante é o
capacete que cobre a cabeça. Semelhante a um moderno escafandro, ele
termina à maneira de um pulôver de gola alta, com as extremidades
avolumadas nas costas. Na parte traseira do capacete, há um tubo que se
estende paradentrode umrecipienteparecido comum botijão. Naaltura dos
olhos há uma espécie de visor, protegido por um tipo de vidro transparente;
atrás dele vêem-se umolho, a sobrancelha eo começo do nariz.
O objeto ganha um ar estranho, pois o prolongamento do nariz, na parte
externa do capacete, recebeu do escultor a forma de uma boca de animal,
talvez um jaguar . Da boca, com seus dentes ameaçadores, sai, como que
expelido com violência, o sopro do portador do capacete. Pode-se observar,
também, a existência de duas fitas colocadas no pescoço, a uma das quais se
encontra presa uma pequena caixinha quadrada, enquanto a outra termina
numobjeto redondo, que poderia ser um amuleto.
Esse ser, de capacete na cabeça, deve ter sido alguém muito importante,
pois a seus pés encontramos outra figura, agachada e subserviente. Essa
pequena figura também usa luvas de boxe, e segura uma pequena bola de
tênis nas mãos, oferecendo-a ao ser poderoso. Para co mpletar, encontra-se na
margem inferior da estela um retângulo largo, com seis anõezinhos
indefiníveis.
De acordo com a opinião dos arqueólogos, tratar-se-ia de uma cena que
representa o jogo tradicional dos maias, um jogo perigoso e mortal. O
vencedor estaria usando a máscara de um macaco, de um jaguar ou, mais
provavelmente, de um opossum, razão pela qual o "tubo" que vai do
capacete ao botijão não seria senão a cauda do pequeno marsupial, enquanto
o "ar" que sai da boca da figura simbolizaria a água, pois o opossum vive na
água '.
Qualéa interpretação que exige mais fantasia doobservador:aquela que
descobre na estela um opossum estilizado ou aquela que identifica detalhes
de uma técnica claramente reconhecível? É necessária muita cegueira, fruto
de estudos preconceituosos, para "acreditar" que um opossum, macaco ou
jaguar enfie a cauda, por sobre os ombros, em algum recipiente colocado em
suas costas.
Infelizmente não épossível localizar o "inventor" corajoso
que declarou ser a estilização doarexpirado osímboloda água.Deve ter
sido um sujeito esforçado, esse interpretador, visto que suas concepções
mirabolantes conseguiram entrar , aclamadas, nos manuais de estudo, e tudo
o que neles consegue firmar-se passa a ser considerado como tabu doutrinal.
Nenhuma palavra sobre o botijão e seu significado! Seria um acessório
animalesco? A fé na ciência não precisa de explicações. T em-se que
acreditar, e pronto!
A referência ao jogo de bola dos maias constituiria uma pista viável de
explicação, se não houvesse, além das bolas, outros requisitos perfeitamente
dispensáveis no jogo ou, até, capazes de atrapalhar . Nem é de se supor que
os maias tenham jogado bola com calças, botas e vestes colantes.
Eu, de minha parte, continuo seguindo o conselho de Sir Alexandre
Fleming, não permitindo que as doutrinas vigentes levem meu cérebro ao
embotamento. Eis aminha interpretação:
Dois seres extraterrestres, "deuses", lutaram entre si, e o vencido oferece
ao vencedor suas armas, pedindo clemência. Ou: apenas a figura maior
representa uma divindade; a seus pés está ajoelhado um príncipe ou
sacerdote que solicita favores ao poderoso estranho. O vencedor é a figura
dominante, usando roupas diferentes das dos seres da T erra; sua vestimenta
hermeticamente fechada o protege contra as bactérias e os vírus próprios do
planetadesconhecido. Os seres da T erranãotinham necessidadede usaressa
proteção, pois eram imunes aos esquizomicetos e micróbios patogênicos de
seu ambiente. Assim se explicatambém ocircuito fechado paraa respiração:
o ser estranho aspira o ar filtrado, por meio do tubo, para dentro do capacete.
Os índios da região de El Baúl veneram ainda hoje essa estela como
imagem de um grande deus estranho. Há poucos anos ainda, acendiam velas
aos pés da escultura. Os índios da Guatemala são maias, descendentes,
portanto, daquele povo que, outrora, construiu templos e pirâmides
grandiosos. De acordo com as antigas crenças dos maias, havia forças na
matéria, como nessa estela de El Baúl, que dispunham de mana.
O que atrapalha é a boca de animal do lado externo do capacete. Meus
críticos vão me censurar com a observação retumbante de que seres
extraterrestres não têm bocas de animais, nem preparam esculturas de pedra
para depositá-las na T erra.
V olto a repetir que não se trata do trabalho artesanal de algum ser
extraterrestre. O escultor que fixou na pedra um "deus" com capacete,
macacão e apetrechos técnicos não sabia o que estava representando. Ele viu
essa figura estranha, uma aparição vinda do espaço, e sentiu-se
impressionado por ela; desconhecendo completamente os detalhes técnicos,
ele passou a retratá-la de acordo com a percepção que tinha daquela figura.
Estou certo de que todos os escultores antigos procederam dessa maneira: o
avião virou pássaro, a pá carregadora sobre esteiras rolantes virou algum ser
fantástico dos pri meirostempos, aarmade raio laser setornourelâmpagona
mão de um deus, o capacete tomou a forma de uma máscara aparentemente
absurda.
Pensamentosvoltados para outraspartes
Na parede do templo, no alto de Monte Albán, no México, aparece um
ser com cabeça de elefante sobre um corpo humano; vestido de calças largas
e com sapatos nos pés, ele está mexendo num aparelho. Suponho que jamais
um ser humano tenha andado por aí com cabeça de elefante e, menos ainda,
rodeado de uma auréola. Monte Albán, capital e centro de culto dos
zapotecas, possui ruínas que datam dos anos 600 a 100 a.C. Como saberiam
os zapotecas, nessa época, da existência de elefantes? Segundo a sagrada
ciência, esses animais viviam somente na África e na Ásia. Se alguém
afirmar — afinal, não há asneira que não encontre seu defensor — que
elefantes ou mamutes atravessaram o estreito de Bering para entrar, há uns
doze milou quinzemil anos,na América,então será necessáriosincronizar a
idade de Monte Albán com esse período de doze mil anos. Não é possível
casar o ano 100 a.C. com a presença de elefantes! Mas vamos com calma:
não havia elefantes! No entanto, não se pode negar que existem retratos de
elefantes nas paredes de Monte Albán, de modo que os escultores devem ter
representado algumacoisa que eles não conheciam.

Na parede de um templo, em Monte Albán, México, saúda-nos uma cabeça de elefante
sobre um corpo humano.

No Museu Antropológico da Cidade do México, encontra-se essa figura ajoelhada, com
seu crânio largo e achatado. Seria um elefante? Que ridículo!
Juro que até já li uma explicação no sentido de terem as representações
de elefantes chegado ao outro lado do oceano através de uma frota de navios,
enviada pelo faraó egípcio Ramsés III (1195-1164 a.C). Caramba! Elefantes
de Ramsés no México, isso é dose! Há também arqueólogos que não vêem
nessas figuras mexicanas munidas de trombas a representação de elefantes:
para eles, trata-se de pássaros desaparecidos². Pássaros com trombas... Não
deixa de ser uma explicação! Acho, no entanto, que o pessoal deveria
comprar uns óculos!
Desconfio que esses seres dotados de trombas não sejam elefantes nem
pássaros. No Museu Antropológico da Cidade do México encontrei, um dia,
uma figura maciça, ajoelhada, com um crânio achatado e grandes olhos bem
afastados entre si. Do centro do crânio nasce uma tromba que termina numa
saliência sobre opeito.Paradefinir esse monstro comoelefante, énecessário
admitir sua importação de algum lugar extra terrestre.
Em Tikal, na Guatemala, assenta entre as pirâmides, no meio da relva,
um bloco de pedra todo carcomido pelos séculos. Os contornos precisos de
outrora foramse apagando pela exposiçãoà intempérie. Mas umolharatento
não deixará de reconhecer as formas de uma figura, também ela carregando
uma caixa nas costas ou sobre o peito. Ainda é possível identificar uma roda
dentada da qual sai uma tromba — provavelmente uma mangueira — que
leva àparte superior do torso. Não é estranho?
Dizem que os maias não tinham conhecimento da roda. Essa suposição
não comprovada resulta da constatação de não haver representações de
carros nos templos e nas estelas dos maias. Se esse método foi transferido
para outras tradições, sobrará como existente apenas aquilo que tiver sido
representado. Convenhamos que esse seria um procedimento muito
simplista, quelevaria a compreender mal e a subestimaroutrospovos,outras
culturas e outras civilizações. Contrariando doutas opiniões, ouso apresentar
um palpite que explica a ausência de representações pictóricas de carros e
carruagens pela proibição de fixar sua imagem na escultura.
Meu esforçado amigo, dr . Gene Phillips, conseguiu tirar fotos de duas
rodas dentadasperfeitas, gravadasempedra, nas ruínasdos maias emCopán
(Honduras). Do cubo da roda partem raios, a espaços regulares, para
alcançar a cambota, cujo lado externo se apresenta cheio de dentes largos.
Como essa descoberta realmente sensacional jamais será reconhecida
como roda dentada, fico esperando com satisfação a noite em que algum
professor muito competente nos brinde, pelo dócil aparelho de televisão,
com a explicação de que se trata da dentadura do deus das chuvas, dos
dentes agudos do padroeiro dos plantadores de milho ou de um feixe de
cadarços do sumo sacerdote. Como diz Alfred Polgar: "As fronteiras da
arrogância eda ignorância se confundem".

Em Tikal (Guatemala), há entre pirâmides uma figura de pedra. Apesar dos efeitos
acentuados da decomposição, identificam-se, em seu centro, os contornos de uma roda
dentada, com uma derivação em forma de mangueira. A própria pedra é prova de sua
antigüidade.

Em cima: nas ruínas de origem maia, em Copán, encontram-se essas esculturas providas
de duas rodas dentadas perfeitas. Do meio partem os raios em direção à cambota, que
apresenta do lado de fora os dentes de uma roda dentada

Outra vez em Copán! O peitilho que encobre o busto era passado sobre a cabeça. Os
dedos manipulavamalgum aparelho.
As ruínas restauradas de Copán constituem um achado para qualquer
pessoa que ande pelo mundo de olhos abertos. O dr . Gene Phillips,
arqueólogo amadorqueexerce aadvocaciaemChicago, temumolhar atento
por força de sua profissão. Entre os restos de um muro do templo, ele
divisou — e a máquina fotográfica documentou — dois bustos que, em
virtude de sua difícil classificação, não tinham encontrado guarida sob o teto
protetor de um museu. Os bustos, sem a parte inferior do corpo, portam um
peitilho que deve ter sido colocado sobre os ombros, passando a cabeça pela
abertura, no centro. No peitilho está pendurado um objeto retangular de
cinqüenta centímetros de comprimento e vinte de largura. Parece tratar-se,
novamente, dos contornos de uma caixa. Com os braços dobrados e as mãos
cerradasquase emforma de punho,afigura manipulaalavancas,naaltura da
caixa, que o péssimo estado de conservação da figura não deixa mais
entrever .
Não há como negar a presença de representações de dispositivos
técnicos, freqüentemente observadas ecomprovadas. Continua emaberto,no
entanto, aquestão sobre o tipo de técnicas utilizadas nessas pedras.
A uns cem metros desses bustos, encontra-se no pequeno museu,
rodeado pelas ruínas de Copán, um torso de pedra, com a cabeça em bom
estado de conservação. Não é tão bonito como a Vênus de Milo, mas, como
ela, tem os braços decepa-dos. Numa espécie de suspensório está fixado um
objeto parecido com uma sanfona. Em seu centro aparece um olho saliente,
no qual se cruzam duas traves. A arqueologia maia afirma tratar,se de glifos
de algumaescrita.Masnãoconseguiu decifrá-losainda.Coma mesmarazão
pode-se ver nesse objeto uma lâmpada para transmitir sinais luminosos,
semelhante àquela usada nos navios para a comunicação em código Morsc.
Poderse-ia tratar, igualmente, de um pequeno motor. O físico austríaco
Friedrich Egger construiu, de fato, a partir desse "glifo", um pequeno motor
de embolo rotativo, bem prático, que ganhou ate uma patente, É realmente
necessário que a gente não se deixe cegar pelas doutrinas oficiais.
"El astronauta!"
Dirigi-meàs crianças índiasquehaviamuitotinhamformadoumarodaà
minhavolta, admirando as minhas máquinas fotográficas e observando o que
eu estava fazendo durante tanto tempo diante daquela estela misteriosa.
Perguntei:
— O que representa isso aqui? — Indiquei o capacete e o recipiente.

Essa figura se encontra no pequeno museu de Copán. Ela segura entre as mãos um
engenho estranho, semelhante a uma sanfona, provavelmente algum produto da técnica de
outrora.
— El astronauta! — respondeu o mais velho dentre os observadores
atentos, como se isso fosse para ele uma explicação muito natural. Sorri.
— E por que o astronauta está usando essas luvas de boxe e as bolas nas
mãos?
— O senhor não vê que se trata de umdeus?
O menino me olhou surpreso, enquanto seus olhos escuros se
obscureceram ainda mais.
— É um deus, e um deus é sempre um mistério! Ele tinha razão, é
realmente ummistério.
Queria muito que essas crianças conservassem sua maneira cândida de
ver as coisas, mesmo que os serviços ocidentais para o desenvolvimento
defendam a opinião errônea de que os índios seriam mais felizes estudando
em universidades estrangeiras ou nas faculdades de seu próprio país. Eles
perdem sua identidade pelo desenraizamento de sua cultura. Pode ser que
cheguem à revolta, mas a felicidade de uma existência simples se perde para
sempre.
Engano emLima
Como estava combinado, aguardei no dia 15 de agosto, nahora marcada,
o brigadeiro Omar Chioni, no hall de entrada do Sheraton de Lima.
Pontualmente, como convém a um oficial, ele passou, às doze horas, pela
porta giratória. Não tinha mudado muito desde que o conhecera, havia
alguns anos: um senhor fino de uns sessenta anos de idade, alto, com alguns
cabelos brancos e bigode bem-cuidado; sob as cerradas sobrancelhas
escuras, formavam-se as rugas de um sorriso simpático em torno dos olhos.
Trajando um terno de alpaca cinza-escuro, camisa branca e gravata azul-escura, ele mais se parecia com um bancário da Wall Street ou da City de
Londres do que com um genuíno oficial da força aérea.
Os cumprimentos foram efusivos, com o obrigatório tapinha nas costas,
segundo o costume sul-americano, c com um abraço; mas, graças a Deus,
sem aquela troca de beijos repelente que faz parte do ritual dos potentados
do Kremlin.
Sentando-nos a uma mesinha de mármore, pedimos a bebida costumeira
do lugar; pisco-sour . Pisco é uma aguardente produzida sobretudo na região
da cidadezinha de Pisco, na cosia do Pacífico. Acrescenta-se limão, açúcar e
um pouco de clara de ovo, batendo-se tudo num copo. Esse líquido, de uma
tonalidade verde-leitosa, com sabor levemente azedo, transforma-se, com
umas gotas de angustura amarga, numa bebida seca de grande aceitação.
— Está tudo preparado — disse-me o brigadeiro, depois de termos
trocado as costumeiras informações de ordempessoal.
— Amanhã cedo uma Rural estará à sua disposição e, se tudo correr
bem, poderá estar de volta dentro de quatro dias. Meu amigo Federico
Falconi, um arqueólogo experiente, vai acompanhá-lo. Ele conhece muito
bem la muralla...
— La muralla?
Pressenti que estava havendo um engano; havia uma pequena grande
diferença.
— Mas é claro. Não é la muralla que você quer ver?
Como estava acostumado a enfrentar esse tipo de dificuldade, não me
deixei abalarpelo engano:quantasvezesjá tive de explicarrepetidamenteos
detalhes de meu objetivo, depois de haver planejado tudo com cuidado antes
de chegar a um país estrangeiro? T anto o brigadeiro quanto o arqueólogo
supunham que o meu interesse fosse visitar a grande muralha peruana,
conhecida de todos. Nesses momentos costumo recorrer a uma espécie de
auto-sugestão: "Mantenha-se calmo, Erich!" Da prática bolsa de viagem da
Swissair tirei as duas fotos da National Geographic, chamando a atenção de
meuinterlocutor para aquela faixa que passava por cima de vales e montes.
— Amigo, é isso o que eu queria ver . Amuralha já conheço.
Durante uns instantes, o brigadeiro brincou com seu bigode enquanto
mordia os lábios, meio desconcertado. Depois pediu desculpas pelo engano
e, levantando-se, foi até a cabina telefônica, próxima à recepção. Pouco
depois, voltou com essa notícia: já suspendera o compromisso com o
arqueólogo e a Rural. T entara entrar em contato com o arquiteto Carlos
Milla, mas a senhora dele avisara apenas que não havia como comunicar-se
com ele, naquele fim de semana. Só poderíamos entrar em contato na
segunda-feira. Suas informações eram consoladoras: Milla conhecia tudo o
que era raridade arqueológica no Peru, pois tinha contato não só com os
arqueólogos oficiais mas também com aqueles não-oficiais, que roubavam
os túmulos ou receptavam os furtos. Se havia alguém capaz de prestar as
informações procuradas, era Carlos Milla. Que Deus o proteja!
Eu não tinha nenhuma vontade de ficar esperando em Lima. Já conhecia
a cidade, com seus importantes museus, de visitas anteriores. Estive na
catedral com seus trezentos e cinqüenta anos de existência, que abriga
estelas talhadas em madeira, consideradas as mais belas da América Latina.
Francisco Pizarro, o conquistador espanhol do Peru, lançou sua pedra
fundamental, mas sua consagração só se deu em1624. Muitos terremotos e o
gosto de reconstrução de cada época transformaram a catedral num
verdadeiro almanaque de história da arte, em que podem ser encontrados
elementos góticos, barrocos e neoclássicos.
Eu já tinha admirado as mansões luxuosas da época colonial, com seus
amplos pátios internos e seus tesouros artísticos, talhados em madeiras da
selva ou fundidos em ferro, martelados e lavrados a cinzel.
No centro da cidade, conheço a Plaza de Armas, onde Pizarro, em 1535,
riscou no chão o plano piloto da cidade, coma ponta da espada.
Não, essa cidade movimentada, com seu milhão e meio de habitantes, só
me deixaria nervoso se tivesse de ficar esperando lá. O brigadeiro Chioni
compreendeu minha situação e se ofereceu para me levar de carro num
passeio pelas paisagens mais lindas de sua terra.
— V ou dar um pulinho a La Paz! — falei de repente.
— La Paz você conhece tão bem quanto Lima. Que pretende fazer por
lá?
— Quero visitar as ruínas de Puma-Punku — expliquei. Pela expressão
de seu rosto pude observar que Puma-Punku não significava nada para ele.
— Pois não — respondeu apenas. — E quando a gente volta a se
encontrar?
— Dentro de uma semana. No dia 22, na mesma hora, no mesmo lugar .
De acordo?
O brigadeiro me brindava com o resto de seu pisco-sour:
— OK, Erich!
Umameta compensadora: Puma-Punku
Na manhã seguinte, parti às sete e meia num aparelho da Lloyd
Boliviana. Chegamos às dez e meia a La Paz.
Novamente procurei conseguir um veículo apropriado para enfrentar
estradas de terra. Mas também lá as locadoras dispõem apenas de pequenos
carros europeus ou daquelas "banheiras" americanas que gastam uma nota
em gasolina. T odos estão amassados, mil vezes consertados,
recondicionados, nada mais que ferro velho.
Na Bolívia, um carro em bom estado é como um tesouro raro, tão difícil
de se conseguir como uma casa própria. Ao passar por algum automóvel
lustroso e silencioso em La Paz — com seus quatrocentos mil habitantes é,
de longe, amaior cidade do país —, pode ficar certo de que se trata de algum
diplomata sediado na capital.
Fiquei com um V olkswagen 1969, com duzentos e sessenta e quatro mil
quilômetrosrodados e que, por suavez,também jádeviatersofridoalgumas
reformas. Já estava familiarizado com aquela estrada retilínea que corta,
quatro mil metros acima do nível do mar, o planalto desarborizado. Em
termos suíços, só há um morro a ser superado; os bolivianos falam em
"desfiladeiro". No trecho mais acidentado da subida, o motor começou a
falhar . No ar rarefeito c pobre em oxigênio, os êmbolos começaram a
fraquejar nos mancais, de modo que a força das explosões já não passava
todapara o eixo de acionamento,Umvelho truque de comprovadaeficiência
resolveu o problema: dei uma volta de cento e oitenta graus c engatei a
marcha à ré. Dessa maneira, o bravo V olkswagen conseguiu superar os cerca
de cem metros de diferença de altitude, mas era uma viagem infernal,
sempre encostado no abismo pelos ônibus que vinham em disparada,
envoltos em nuvens de poeira. De ambos os lados da pista havia matilhas de
cães sem dono, fruto de diversas raças, que mais pareciam lobos. Os nativos
os chamam de los perdidos, Magricelas e sarnentos, são um choque para a
vista de qualquer pessoa que goste de animais. Os perdidos se juntam para
caçar; uivam de um modo horripilante e se tornam perigosos até para o
homem,durante a noite.
Pobres como os cachorros são também os índios do planalto. Em longas
caminhadas, vão tocando umas poucas cabras ou ovelhas para seus magros
pastos.V ejo-os sentados à beira da estrada, de olhar vidrado. Como nas ruas
de La Paz e nos ônibus superlotados, ficam mastigando as folhas de coca,
que têm sua origem na cordilheira dos Andes; esses arbustos, com suas
folhas tenras c flores amarelo-alvacentas reunidas em cimeiras, crescem em
grandes plantações. A cocaína e o principal alcalóide das folhas de coca, que
tem um gosto amargo, e que narcotiza por algum tempo os nervos da língua.
Os primeiros viajantes que passaram pelos Andes contavam que o consumo
de coca emprestava força aos nativos. Na realidade, a medicina constatou
que o consumo habitual de quantidades maiores de cocaína por ingestão,
mastigação ou introdução no nariz, leva, através do sistema nervoso central,
inicialmente a uma sensação de bem-estar , causando, porém, aos poucos,
perturbação mental. Como esse narcótico pode ser encontrado em qualquer
quantidade em todas as feiras e mercados, a preços ínfimos, faz com que os
índiosagüentemsua grandepobreza. Quandosequerfalar comalgum índio,
este tem que fazer, primeiro, um esforço para voltar à realidade e poder
responder .
Passadas duas horas e meia, alcancei o lugarejo chamado Tiahuanaco,
com suas ruínas tão discutidas, que já foram objeto de tantos comentários —
também de minha parte. A esquerda da estrada principal, há um estreito
caminho que leva a sudeste, cruzando com a estrada de ferro, agora
desativada e coberta de vegetação, que vai de La Paz ao lago Titicaca.
Distingue-se a elevação de um morro coberto de capim, cercado por telas de
arame. Naliteraturaespecializada, essa colina échamada"pirâmide",se bem
que seja difícil observar nela qualquer forma piramidal.
Ao sopé do morro jaz um monólito como que lançado para longe pelo
braço forte de um gigante. Quando o escritor suíço Johann Jakob von
T schudi viu essa pedra, em 1869, fez o seguinte comentário
3
;
"A caminho de Puma-Punkú encontramos nos campos um estranho
monólito de um metro e cinqüenta e cinco centímetros de altura e um metro
e sessenta e dois de espessura na base e quarenta e cinco no topo. Ele contém
duas fileiras de prateleiras.
As prateleiras inferiores são laterais e alongadas; no meio há duas
menores, superpostas, em forma de quadrado. Na fileira superior, há quatro
outras em forma de quadrado, separadas das inferiores por um friso simples.
O monólito é conhecido por el escritório, a escrivaninha".

Num morro, perto de Tiahuanaco, encontra-se esse relevo, cercado por grades. Na
literatura arqueológica, ele é chamado de "escrivaninha". Uma pedra de 155 X 162 X 52
centímetros me parece uma escrivaninha assaz estranha.
O batismo desse blocodeandesita,trabalhado com esmero,deve ter sido
efetuado por um erudito qualquer que se sentira transportado à escrivaninha
de sua casa, com suas prateleiras e gavetas. Até hoje não se encontrou
nenhuma sugestão a respeito da finalidade a que se destinava esse objeto de
execução artística. Certamente não se tratava de umaescrivaninha.
Não há qualquer dúvida quanto ao fato de o trabalho ter sido realizado de
acordo com um plano preestabelecido: retângulos precisos de diversos
tamanhos, cercados de molduras retangulares que terminam em ponta, com
frisos de traçado exato e graduação perfeita. Certamente, existia uma peça
correspondente, em que se encaixava perfeitamente, com precisão
milimétrica, semarestas nemfolgas. Umtrabalho desses não é realizado sem
planejamento. Mas para planejar é necessário que se tomem medidas, que se
faça uso de uma escrita.

Retângulos precisos, bordas e frisos exatos levam a crer que se tratava de uma prensa de
estampagem que tinha seu complemento de encaixe.
O enigmados Aneles
Acima do morro surge à vista o enigma dos Andes: Puma-Punkú - um
artefato de pedra de uma força, variedade e precisão incríveis. Aquilo que la
se encontra nunca foi compreendido, nem devidamente apreciado em
nenhuma obra moderna que eu conheça. No álbum mais recente sobre a
América Latina
4
,liquida-se Puma-Pinkú com estas poucas linhas;
"Na parte sudoeste de Tiahuanaco, encontra-se a grande pirâmide,
chamada Puma-Punkú. Sua plataforma superior é formada por duas áreas
planas dediferentes alturas, àsquais sechegapormeiode diversoslances de
escadaria. Numa das plataformas, parece ter-se erguido um templo, cuja
entrada era formada por três portões no estilo da Porta do Sol".
Que pobreza! É como se a Orquestra Filarmônica de Berlim tocasse
apenas os primeiros dezesseis acordes da Heróica, em lugar da obra
completa. Dediquemos, então, a essa obra de Puma-Punkú toda a nossa
atenção!
As primeiras notícias do monumento chegaram ao V elho Mundo pelos
descendentes dos conquistadores espanhóis. Em meados do século XVI,
Pedro de Cieça chamou Puma-Punkú de imenso canteiro de obras, com
"pilares gigantescos e um terraço imenso. Ninguém jamais vira esse lugar
sinistro em outro estado, a não ser coberto de ruínas"
5
O patrício dele, Antônio de Castro y dei Castillo, bispo de La Paz em
1651, descreveu o lugar nestes termos
6
:
"Antigamente, supunha-se que as ruínas fossem obra e arte dos incas,
como fortificação de guerra; agora, porém, reconhece-se que se trata de uma
construção antediluviana... Se se tratasse de uma construção incaica numa
planície sem águas, e tão funda, nem os espanhóis teriam sido capazes de
erguer uma edificação de tanta beleza. O que mais admiração me causa são
esses blocos que se encaixamcom tanta precisão... "
Na primeira metade do século XIX foi a vez de o paleontólogo francês
Alcide Dessalines d'Orbign y (1802-1857) fazer sua viagem pela América
latina. Emrelação a Puma-Punkú
7
, elefalade portões monumentaiserguidos
sobrelajes de pedras horizontais.Para umadas plataformasininterruptas, ele
dá o comprimento de quarenta metros. Hoje, já não se encontram lajes desse
tamanho: quebraram-se, foram demolidas ou carcomidas pelo tempo. Mas,
mesmo assim, o que sobrou, força monumental tão grande que a gente fica
até com medo.
Mesmo eu, que sou velho colecionador de construções pré-históricas,
perdi a fala em Puma-Punkú, diante de um panorama tão grandioso te
tempos idos. Num caos perturbador que ainda permite entrever a ordem de
outrora, jazem imensos blocos de granito, andesita e diorito, uma rocha
verde-cinza de enorme dureza e resistência. É admirável a precisão com que
esses monólitos foram trabalhados, esmiralados e polidos, como se fossem
produto de moderníssimas máquinas, fresadoras de aço e brocas. Ranhuras
exatas de seis milímetros de largura e doze de fundo atravessam monólitos
de diorito de cinco metros de extensão — retos como um traçado de régua.
Os colossos eram juntados com suas peças correspondentes por meio de
encaixes. Grampos de metal uniam as pedras gigantescas para formar uma
construçãoqueultrapassatoda a imaginaçãocriativaquequeirareconstruí-la
sob o mesmomodelo.

Puma-Punkú... o verdadeiro mistério dos Andes! Logo, à primeira vista, tem-se uma
impressão do tamanho extraordinário e da precisão com que foramlavradas essas pedras.
Aobra básicasobre Puma-Punkú
Max Uhle (1856-1944), arqueólogo de Dresden, é considerado o "pai da
arqueologia peruana" e, até mesmo, cognominado o "segundo descobridor
do Peru"
8
No MuseuReal de Zoologia, Antropologia e Etnologia, elechegou
a travar conhecimento com o explorador Alphons Stuebel (1835-1904),
geólogo que já tinha publicado uma obra em três volumes sobre as
escavações arqueológicas no Peru. Depois de anos de pesquisa em conjunto,
UhleeStuebel lançaram a obra básica: As ruínas de Tiahuanaco noplanalto
do V erti antigo. Ela tem cinqüenta e oito centímetros de altura, trinta e oito
de largura, pesa dez quilos e contém desenhos de detalhes que até hoje não
foram superados em exatidão, com indicações de precisão milimétrica sobre
Puma-Punkú. Os esquemas que acompanham meu texto tão tirados dessa
obra, publicada em 1892, em Leipzig.

Em 1651, o bispo de La Paz escreveu que devia tratar-se de uma construção concluída
antes do dilúvio. Quem não concordaria com Sua Excelência?
Os dois especialistas ficaram fascinados por Puma-Punkú. Diante desse
fenômeno misterioso, resolveram levar para casa as medidas exatas e os
esboços das construções. É possível que tenham procedido dessa maneira
não apenas pelo zelo científico, como também pela preocupação de não
encontrarem quem acreditasse em seus relatórios sobre o mistério dos
Andes: as impressões que os assaltaram nesse lugar eram por demais
abaladoras. Eis as anotações de Stuebel:
"A parte mais estranha das ruínas de Puma-Punkú é formada pelas
'plataformas' que ainda se encontram em seus lugares e pelos blocos
espalhadosentreelas, emparte inteiros, em partequebrados. Aformadestes,
seu tamanho e sua lavra são os mais variados. Há pedras em forma de
lajotas, pedras de superfície plana recortadas de lava; outras apresentam
pequenos entalhes como se fossem de um portal. Há pedras com cavidades
em forma de gamelas, pedras com ornamentos em forma de cruz, com
pequenos nichos ou frisos grossos ou bem finos e um sem-número de outras
formas. O estado atual das ruínas apresenta — com exceção das três grandes
plataformas que seguem linhas retas — grandes irregularidades. As três
assim chamadas plataformas principais se dispõem na direção norte-sul,
cobrindo uma área de quarenta e três metros de comprimento e cerca de sete
metros de largura
9
".
Max Uhle teve que presenciar um exercício de tiro ao alvo realizado por
uma unidade do exército boliviano, com os fuzis apontados para as estátuas.
Se os construtores de Puma-Punkú não tivessem planejado suas edificações
para a eternidade, nada mais restaria delas senão um monte de cascalho, ou
nem isso. Puma-Punkú significa "Portal do Leão". Já não sobra nada de um
portal. Nãoéde admirar,poisosespanhóis, e depois deles os índios,fizeram
do monumento uma pedreira, levando embora o que era possível carregar .
Mas, mesmo que os espanhóis, os índios e o exército boliviano se tivessem
unido para um assalto em comum, não teriam conseguido remover aquelas
plataformas gigantescas e bemlavradas. Hoje seria possível fazê-lo?
E verdade que conseguimos cortar em pedaços Abu Simbel, em 1964,
juntando depois, de novo, os elementos previamente numerados, como num
quebra-cabeça, sessenta metros acima do lugar original. Esse poder
concentrado datécnicaocidental jamais foi utilizadoem Puma Punkú. Ainda
não se tem idéia da profundidade em que estão enterrados os blocos de
andesita e diorito e as respectivas lajes. Máquinas escavadoras não
conseguiram até hoje — graças a Deus! — levantar os blocos maiores. Se
fosse possível transportá-los, seriam certamente dinamitados e levados como
material de construção barato e durável para erguer escritórios luxuosos ou
supermercados. Na melhor das hipóteses, seriam recolocados em forma de
muros, por arqueólogos subservientes, justamente lá onde não c seu lugar .
Mesmo assim, a área dá a impressão, segundo o relato de Siegfried Huber
10
,
de um canteiro de obras estranhamente movimentado:
"A região dá a impressão de um canteiro, deixado há pouco pelos
mestres e ajudantes que foram tomar um lanche, para em seguida voltar com
seus martelos e cinzéis e dar continuidade ao trabalho. Há uma quantidade
imensa de material magistralmente lavrado, como lajotas, blocos, mós,
frisos, bancos de pedra e portais, que parecem esperar apenas pelo próximo
transporte".
Quando se observa o que está fixado no chão de Puma-Punkú, todo o
processo de carregamento e transporte se destaca como um grande enigma.
Alcide d'Orbigny escreveu, ainda, que vira as três plataformas separadas
atuais como uma plataforma única de quarenta metros de comprimento. Um
bloco de pedra, com quarenta metros de comprimento e sete de largura,
enterrado a uma profundidade desconhecida, devia ter aproximadamente o
volume de um prédio de onze andares. O bloco original devia ter dimensões
bem mais volumosas, uma vez que precisava, ainda, ser lavrado e
trabalhado. Quem aplaina, deixa lascas. E, no entanto, não há restos de lavra
emPuma-Punkú.
Resumindo: os gigantes de pedra, com seu peso de milhares de
toneladas, devem ter sido levados para o planalto desarborizado pela força
dos músculos humanos, uma vez que naquela época ainda não havia
reboques e guindastes. Aqueles que costumam afirmar displicentemente que
tudo pode ser realizado, de alguma forma, devem ter presente que mil
toneladas correspondem a um milhão de quilos, e que em Puma-Punkú
muitos milhares de toneladas foram movimentados. Seria possível colocar
sob esses colossos de pedra também as célebres toras de madeira? Só
pessoas que têm coragem de falar sobre cores, sendo cegas, podem arriscar
um palpite desses. Qualquer tronco de madeira teria sido esmagado! Se
tivessem reunido brigadas inteiras para realizar o transporte para aquelas
alturas, como resistiriam às águas de uma única grande chuva tropical, em
que as pedras afundariam como passas numa massa de bolo? Claro, de
algum modo o transporte foi executado, senão não existiriam as plataformas
e os monólitos lá em Puma-Punkú. Ou deixamos o enigma sem explicação
convincente!
Misteriosa comoo transporte é a precisão desses maravilhosos trabalhos!

O arqueólogo D'Orbigny rcgistrou, na primeira metade do século XIX, um comprimento
total de quarenta, metros nessas plataformas. Hoje, elas estão destroçadas.

mas, ainda assim, continua enigmática a imponência da pedras e a maravilhosa arte dos
canteiros, mesmo numa foto de 1980.
Exemplo 1
T emos diante de nós um bloco retangular de 2,78 metros de
comprimento, 1,57 delargurae umaalturamédiade 88centímetros. Obloco
possui seis faces principais: a superior , a inferior e os quatro lados. As seis
faces são subdivididas, por sua vez, em áreas maiores ou menores, das quais
cada uma está em nível diferente. Isso significa: na face lateral B ficam as
áreas de 1 a 7, cada uma delas 1 centímetro acima ou abaixo de suas
vizinhas. As áreas 6 e 7 são separadas por uma borda de uns 5 centímetros
que, depois, se estreita num remate de 4 centímetros de espessura. A borda
fina entre as faces C e D parece uma régua de apenas 2 centímetros de
largura. O bloco tem o feitio de uma cunha: atrás (no esboço em cima), ele é
mais espesso que na frente.
Hoje, um trabalho que exige tanta precisão seria realizado — se fosse
possível encontrar um escultor que aceitasse executar uma tal encomenda —
com um emprego de fresas e brocas de altíssima rotação, refrigeradas a ar,
água ou gelo artificial. As fresas e brocas seriam conduzidas por moldes de
aço. E haveria mais uma dificuldade especial: o trabalho é feito em diorito,
umapedraquetemadurezadogranito.Pergunta-se:quetipodeferramentas
foram usadas pelos escultores emPuma-Punkú?

Não há melhor documentação sobre Puma-Punkú do que a obra de Uhle e Stuebel Essa
representação, relativa ao exemplo 1, demonstra que construção formidável se erguia nesse
lugar!
Exemplo 2
O bloco éde lava andesítica, tem1 metro de altura e 1 de largura, emsua
parte mais volumosa. Marquei as principais áreas visíveis comas letras A, B,
C,eD. Entre as áreasBeCforam esculpidos doisnichos, um sobre ooutro,
cujo fundo apresenta a gravação de pequenos retângulos, de 8 milí metros de
profundidade, entalhados com a maior precisão. Os pequenos entalhes
lembram as peças de engate de uma carabina que encaixa em sua parelha
correspondente.
Tudo isso é mais fácil de explicar do que de fazer . Além de acertar as
ranhuras, era necessário colocar um mecanismo para engatar as peças
complementares, sem que as beiradas de pedra lascassem no ato de abrir ou
fechar . Cilindros de madeira ou uma alavanca, de qualquer material que
fossem, não eram suficientes para fazer engatar blocos que pesavam
toneladas, comose fechahoje a portadeum cofre-forte. Esse processo devia
se realizar com os blocos, suspensos no ar e não depois de colocados no
chão. T endo em vista as diferenças de altura de cada um dos planos, com
retângulos, quadrados, frisos e peito-ris, não bastava descer os blocos por
meio de cordas, até encaixá-los na outra peça já fixada no chão. Eram
necessários também movimentos rotativos, para que blocos desse tamanho
pudessem ser introduzidos nos vãos disponíveis. Os elementos pré-fabricados de concreto são hoje menos complicados e, em comparação com
a arte aplicada em Puma-Punkú, também mais primitivos. Mas trata-se,
realmente, de umaobra de artesanato?...

Este desenho arquitetônico mostra as subdivisões de um bloco de lava de andesita.
Exemplo 3
Um bloco de diorito, de 1,10 metro de altura, destaca-se do chão
amarelado, com sua aparência relativamente intacta, apesar dos milênios de
chuvas e ventos. A 8,5 centímetros da área polida, atravessa a face anterior
um sulco de 3 milímetros de largura e 2,5 milímetros de profundidade, de
cima a baixo. Nesta ranhura foram perfurados pequenos buracos de 1,5
milímetro, a uma distância de 4 centímetros um do outro; parece o trabalho
de uma broca de diamante. Ferramentas de pedra ou de madeira, ou brocas
feitas dos mais duros ossos de animal, nunca teriam possibilitado tamanha
precisão.

Os pequenos entalhes na parte posterior da pedra lembram modernas fechaduras do tipo
carabina.

Exemplo 4
Num bloco de andesita de 7,81 por 5,07 metros foi recortado um grande
retângulo de 2,5 milímetros de profundidade. Não se trabalhava com
remendos. Nada de consertos com argamassa ou cimento. Trata-se de uma
peça de mestre, digna de ser exposta e admirada. Essa cavidade revela
tambémreentrâncias que serviamde reforço para manter as lajes bem juntas.
Exemplo 5
Os construtores de Puma-Punkú não apenas sabiam usar com maestria o
ângulo reto; além da régua, conheciam também o compasso. Eu mesmo vi e
fotografei aberturas circulares, recortadas na rocha, de 36 centímetros de
diâmetro.
Balanço provisório
ConsideroPuma-Punkú umaprova afavor deminhasteses principaisem
relação às construções pré-históricas.
Não pode ser obra dos aimarás, tribo pré-incaica que dizem ter vivido
nesse altiplano, pois:
— as técnicas empregadas ultrapassam de longe todas as capacidades e
conhecimentos atribuídos a povos pré-incaicos;
Na página anterior, em cima: pouco afetado pelos milênios que se
passaram, esse bloco de diorito, de 1,10 metro de altura, ergue-se no chão
amarelo-escuro. Sua face anterior é marcada por um sulco milimétrico, com
pequenos furos a uma distância de 4 centímetros um do outro. Embaixo:
neste bloco de andesita foi gravado um retângulo de 2,5 centímetros de
profundidade, com entalhes para abrigar uma peça complementar .
Na página seguinte: os arqueólogos afirmam que os blocos eram unidos
por grampos de cobre. Mas o cobre é um metal muito mole para prender
esses colossos de pedra.

— a obra foi feita segundo um plano preestabelecido. O plano piloto se
baseou emmedições de cunho geométrico;
— a execução dos detalhes comprova a existência e o domínio de uma
técnica avançada;
— quanto à locomoção dessas imensas pedras, é de se supor que os
construtores tenhamtido conhecimentode seu peso específico, de sua dureza
e da fragilidade do material, para levá-los em consideração nos cálculos
realizados;
— um planejamento dessa envergadura pressupõe o conhecimento da
escrita. Havia uma variedade tão grande de posições a serem consideradas,
calculadas e determinadas, que nem a mais sofisticada "cultura da memória"
(Stonehenge!) poderia ter dado conta do recado;
— está fora de consideração qualquer possibilidade de ter havido
interferência de algum arquiteto genial, daqueles que só aparecem a cada
milênio. Como havia tantos canteiros de obra com seus respectivos
transportes, instruções de trabalho, coordenação de turmas, etc, nem um
gênio teria sido capaz de supervisionar tudo. Além do mais, não teria sido
possível concluir asobras notempo correspondentea uma vida humanaou a
algumas gerações, tomando como medida a capacidade humana de
realização.
Conclusão:
Como houve, obviamente, um planejamento, deve-se atribuir aos
construtores o conhecimento de uma escrita. No entanto, segundo um
consenso raro entre arqueólogos e etnólogos, os aimarás não tinham
conhecimento de uma escrita. Portanto, eles não podem ser os construtores
de Puma-Punkú.
Não há plano de construção sem projetos de detalhes! T ambém estes
foram utilizados em Puma-Punkú. Os arqueólogos falam de "grampos de
cobre" para manter os blocos juntos, por meio de "engates de carabina". O
cobre é um metal mole que possui apenas o grau de dureza 3 (segundo
Mohs), quandooferrotem4,5.O cobrenão teriasido capazde prender lajes
de várias toneladas de peso. Johann Jakob T schudi
4
já se admirava:
"O que causa espanto ainda maior que o transporte dessas pedras
gigantescas éa execuçãotécnicados trabalhosde canteiro,considerandoque
os artesãos incaicos não possuíam 'ferramentas' de ferro e que as ligas de
cobre e estanho conhecidas por eles eram muito moles para trabalhar o
granito. Continua um enigma saber como eles conseguiram realizar essa
façanha; a hipótese mais provável é aquela que supõe terem eles
aperfeiçoado o polimento final das pedras lixando-as com pó de pedra ou
plantas que continham sílica."
O espanto demonstrado por T schudi revela que já no século passado se
procurou desesperadamente uma solução razoável para o mistério de Puma-Punkú. O pó de pedra e as plantas que contém sílica podem ser úteis para
executar o polimento final de uma superfície, mas não explicam a gravação
de ranhuras milimétricas, curtas e extensas, nem os quadrados com ângulos
retos que se encontram na rocha dura.
Sabemos hoje que o granito que se encontra em Puma-Punkú foi extraído
de Cerro de Scapia,perto deZepita,no Peru,portantoa sessenta quilômetros
do monumento. Acham que essa distância não significa nada? Não é nada
quando se trata deumaestradaplana,bemconservada;mas,no caso,trata-se
de um trajeto que passa por morros e rios.
Afórmula é simples:
Planejamento + aritmética + geometria + transporte + ferramentas
resistentes = uma técnica ao menos comparável à nossa, ou até superior a
ela.
Alonga noite dosdeuses
Há tradições indígenas que dizem que Puma-Punkú "foi construída pelos
deuses numa única noite"", sem que os homens tivessem participado da
ação.Osprópriosdeusesteriam destruído sua obra erguendo-aaosares,para
virá-la e deixá-la cair emseguida.
Ainda hoje tem-se a impressão de que houve realmente uma prova de
força dessa natureza. Não poderíamos levar a sério uma simples tradição
mitológica? Ou perderíamos a credibilidade se admitíssemos que numa
paisagem grandiosa, a quatro mil metros de altitude, no ar rarefeito, foi
realizada uma façanha que não conseguimos explicar?
"O que vem a ser o homem? Certamente não aquilo que ele acha que é
— o ponto culminante da criação", escreveu o poeta Wilhelm Raabe (1831-1910).
Durante três dias andei pelo campo coberto de ruínas, medindo certos
blocos, gravando lembretes em minha secretária eletrônica, tirando fotos.
Duas vezes por dia, às onze e às catorze horas, chegava um,ônibus da Crillon
T ours, trazendo meia centena de turistas munidos de máquinas fotográficas.
Havia muitos americanos entre eles; alguns cochichavam ao reconhecer-me
e pediam que me deixasse fotografar em sua companhia, ou solicitavam-me
autógrafos. No último dia, quando o ônibus das duas horas estava
despejando sua carga na igreja de Tiahuanaco, apareceram dois índios,
vestidos de ponchos verde-escuros e com suas carapuças de lã, os chullos,
enterradas na cabeça.
— Pare com suas medições! — ordenou um dos índios.
— Por quê, meus senhores? — procurei saber .
— É proibido a estranhos fazer escavações, sem uma licença por escrito
da Universidade de La Paz.
Compreendi seu zelo. Refletindo uns instantes, estava prestes a explicar
aos índios que a Universidad Boliviana Gral José Ballivian, Trinidad, tinha
me outorgado, em 12 de fevereiro de 1975, o título de doutor honorário.
Naquela oportunidade, fiquei meio desconfiado quando recebi a homenagem
em forma de um diploma. Esses títulos honoríficos são, muitas vezes,
concedidos em decorrência de alguma doação; mas eu não tinha mandado
nem um franguinho para a universidade. Só depois de ver confirmada a
homenagem pelo Ministério da Educação da Bolívia, pelo Ministério do
Exterior e pela embaixada alemã, agradeci a honra concedida. Pela primeira
vez poderia ter tirado alguma vantagem de meu título, mas não o fiz. Gostei
do cuidado dos índios. A que ponto chegaríamos se qualquer turista ou
arqueólogo amador pudesse levar alguma lembrança em sua bagagem? Por
isso retruquei:
— V ocês têm toda a razão, mas eu não estou escavando. Deixo tudo
como está. Só quero registrar algumas medidas, ou não é permitido fazer
isso?
— Não, sr .von Däniken! T emos ordens para interromper suas atividades.
Como me chamavam pelo nome? Quem sabia de mim naquela paisagem
inóspita? Não tinha dado nenhuma entrevista aos jornais. Quem sabia de
minha presença? Confiscaram minha fita métrica, mas deixaram que
continuasse fotografando sem me perder de vista, no entanto. Alguém não
devia estar gostando que minhaatenção se tivesse voltado para Puma-Punkú.
Ou estavam temendo que minha reportagem trouxesse novas levas de
turistas — comofora constatado em Tiahuanaco.

Como os artesãos índios não dispunham de pesadas ferramentas de ferro, não é de
admirar a incredulidade do explorador T schudi em relação ao transporte e à lavra desses
colossos.

Puma-Punkú, em 1980. T em-se a impressão de uma grande confusão originada por um
terremoto ou uma explosão. Não faltamaspectos fotogênicos para as câmaras dos turistas.
O que osturistas não vêememSacsayhuamán
À noite, no bar do Sheraton de La Paz, no vigésimo quinto andar, estava
conversando com um jovem casal de Munique e tomando um drinque. Ela
está estudando etnologia, ele é advogado formado. Tinham vindo de
hidroplanodoPerucruzandoolago Titicaca; ambos haviam lido meus livros
e s^ mostravam decepcionados com aquilo que tinham visto nesse dia.
Estavam até duvidando de minhas descrições. A estudante me censurava:
— Vimos acima de Cuzco as ruínas de Sacsayhuamán mas não
conseguimos descobrir absolutamente nada que lembrasse seres
extraterrestres, comoo senhor escreveu.
E o jurista acrescentou secamente:
— O guia turístico nos explicou como foram lavradas as pedras. Ainda
hoje é possível observar os canteiros fazendo trabalhos desse tipo nas ruas de
Cuzco.

Um índio me avisou: T em que parar logo com suas medições. Por quê?
— Era a mesma história de sempre, o mesmo refrão Nem a equipe que
rodou meu filme Lembranças do futuro conseguira descobrir, em
Sacsayhuamán, aquelas ruínas que eu estava descrevendo. Quando vejo a
Hsta decruzeirosmarítimos fascinantesquesão oferecidoshojecomdestino
à América do Sul, desconfio que entre os participantes dessas viagens
turísticas haja um bom número de pessoas que leram meus livros e que
experimentam a mesma sensação de decepção que esse casal de Munique.
T endo em vista essa "onda" de cruzeiros marítimos para a América do Sul,
passo a dar, a seguir, um roteiro que leva às minhas ruínas:
"Minhas senhoras e meus senhores: visitem as ruínas de Sacsayhuamán
de manhã — não precisa ser de madrugada! —, utilizando um carro de
aluguel. Façam o motorista subir a velha estrada para Pisac, até um pouco
antes dagrandecurva para aesquerda,maisou menosumquilômetro emeio
morro acima. Paguem logo ao chofer do táxi, mesmo que este insista,
gesticulando, em esperar, pois ele vai tentar convencê-los da vantagem de
ficar ali aguardando sua volta. Mas isso iria custar-lhes muito dinheiro, sem
trazer nenhuma vantagem.
Olhem agora para baixo, em direção à fortificação incaica. Subam
naquela pequena elevação que fica logo ao lado da estrada, à direita; ela tem
uns duzentos metros de altura e é composta de rochedos abruptos. Assim,
vão entrar num labirinto de rochas que não merecemser chamadas de 'ruínas'
na acepção usual da palavra. Espalhados por lá vão encontrar um monte de
pedras e blocos de todos os tamanhos, restos irreconhecíveis de alguma
construção histórica. Em pouco tempo vão se convencer de que nesse lugar
deve ter existido, antes de sua total destruição, uma edificação construída
comos recursos técnicos mais sofisticados.

Acima do forte de Sacsayhuamán, situa-se um labirinto de rochas que não merece a
designação de "ruínas", na acepção costumeira da palavra
Passando por sobre fendas e grutas, alcançarão o alto das plataformas.
De repente, estarão se defrontando com inesperados blocos gigantescos,
perfeitamente lavrados. Senhoras e senhores, examinem bem e toquem
nesses paredões de concreto polido, cujo escoramento parece ter sido
retirado ontem. Mas não se enganem! Não se trata de concreto, é granito
mesmo.
Caso tenham perdido o hábito de se admirar, nesse lugar vão readquirir ,
sem esforço, essa qualidade importante. Como que sacudidas por uma força
inaudita, encontramos grutas viradas de cabeça para baixo e entradas de
túneis com seu traçado deslocado e entrecortado. Não há nada — podem
reparar bem! — que apresente sinais de junção com argamassa ou qualquer
outrotipo deaglutinante. Tudo éinteiriço— nemsinal degramposde metal,
como aqueles verificados em Puma-Punkú. Não, nessa elevação, acima da
atração turística doforte deSacsayhuamán, tudo éfeito comoque deuma só
peça. As arestas são trabalhadas em ângulos retos. Atrás de cada colosso
aguardamnovas surpresas.

À esquerda da estrada, podem ser observadas formações estranhas nas rochas. Tudo está
cheio de surpresas para quem anda de olhos abertos.
Se já tiveram oportunidade de acompanhar o passeio turístico à
fortificação dos incas, vão perceber que a verdadeira sensação de Cuzco, o
mistério pré-histórico real, esconde-se atrás e acima das encostas de
Sacsayhuamán. Dificilmente alguém chega até elas para reparar em suas
particularidades.
Mantenham os olhos abertos! Essas massas petrificadas são apenas um
pedacinho do mosaico inexplicável deste quebra-cabeça. Procurem observar
também as formações rochosas menores e maiores nos paredões que ficam à
esquerda da estrada. Podem andar sem preocupação: ninguém os perturbará
nessa área, ninguém os deterá. Atravessem os prados com seus altos e
baixos, os campos ressequidos. Ultrapassem as cercas dos pastos. Até hoje,
nenhum camponês indígena me incomodou.Todos são muito educados e, se
houver necessidade, poderão recorrer a uns soles para facilitar .
Depois de um passeio de algumas horas pelo passado, perceberão que
quase todos os rochedos mostram sinais de lavra. Nenhum missionário
arqueológicoconseguiráconvencê-losdeque aorigemde todasessas arestas
retangulares das superfícies polidas com esmero, dos assentos gigantescos,
das vitrinas de pedra, dos degraus que levam do teto ao chão se deva ao
encanto da natureza pura e simples. Ofato de estaremde cabeça para baixo é
umaprova contundentedeum cataclismoque,nopassado,deve ter sacudido
toda essa construção, virando-a em torno de seu eixo. Se voltássemos a
colocar tudo em sua posição original, surgiriam escadarias maravilhosas que
nos levariam a andares superiores e mais além

Arestas em ângulo reto, entradas em forma de caverna, cunhas de pedra — tudo parece
modelado em cera.
V amos dar uma olhadanos bastidoresda fortificaçãodos incas. Virem as
costas àquele muro tantas vezes fotografado: à mesma altura encontrarão
monólitos trabalhados para uma finalidade desconhecida. Pela sua aparência
atual, não há como descobrir qual tenha sido sua destinação. Não
encontrarão absolutamente nada que caiba no esquema tradicional: não há
nenhuma ordem,nãohámurosde pedrassobrepostas,não há amontoadosde
monólitos. As superfícies lisas da rocha se inclinam uma para a outra, com
arestas bemtrabalhadas que terminam em degraus invertidos no alto do teto.
Depois de terem visto tudo isso e depois de terem olhado, novamente, as
fotos e as descrições de meus livros, em casa, ficarão muito satisfeitos por
não terem seguido simplesmente a trilha desgastada do turista."
Quero acrescentar agora, neste contexto, um comentário que não
encontrarão nem mesmodepois da volta, ao folhear novamente meus livros:
Na literatura especializada, afirma-se que o Lacco, uma rocha chamada
também de Quenco Grande, com seus nichos, cômodos e entradas
subterrâneas, eram outrora um lugar sagrado; nos nichos se localizariam os
assentos dos mortos e tudo faria parte do reino mágico dos seres que vivem
debaixo da terra. Supõe-se, com toda a candura, c^ue a ordem (desordem!)
visível hoje em dia teria sido concebida dessa maneira pelos próprios
construtores.
Garcilaso de la V ega¹¹ registrou já em 1720 que aquela rocha chamada
Chingana Grande (grande labirinto) teria sido puxada por vinte mil peões,
na direção de Sacsayhuamán, quando desabou, soterrando debaixo de sua
massa três mil homens. Os arqueólogos¹² encaram essa realidade de um
modo diferente: "Essarocha nuncafoi destinada aSacsayhuamán.Nunca foi
transportada. Sempre esteve onde se encontra hoje".
É uma declaração de insanidade mental para os construtores essa
afirmação de terem lavrado degraus, na rocha dura, que nunca deveriam ser
usados. Segundo essa interpretação curiosa, abriram nichos em superfícies
inclinadas, onde nem ao menos se poderia colocar um ramalhete de flores
em homenagem aos mortos, quanto menos uma estatueta para a sua
veneração nesse lugar sagrado. A duras penas escavaram essas depressões e
superfícies planas que não serviriam para nada.
Para aqueles leitores que perderam a viagem de navio para a América do
Sul e quenão puderam,portanto,comprovarasminhasdescrições, apresento
três fotos que foram tiradas no verão de 1980, a algumas centenas de metros
da fortificação dos incas. Para os outros que tenham a oportunidade de
visitar Sacsayhuamán, volto a desempenhar o papel de cicerone:

Escadarias conduzem do teto ao chão. É uma prova de que, um dia, tudo aqui foi virado
de cabeça para baixo.

As paredes se inclinam uma contra a outra. Frisos perfeitos acompanhamas cornijas.
"Minhas senhoras e meus senhores, coloquem-se, por gentileza, em
frente do muro da fortificação, na terça parte à direita, e olhem em direção
ao forte. Logo atrás de vocês, existem umas aberturas no chão — podem
entrar semmedo, não há perigo. V er-se-ão transportados para umamisteriosa
paisagemsubterrânea formada porrochas. T erão diante desimonumentos de
pedra de superfície lisa, com três metros e meio de altura e um friso
proeminente. Dobrando a esquina, verão várias faixas largas e graduadas,
recortadas da rocha com perfeição. A rocha se inclina levemente para a
frente,chegandoa tocar,emalguns pontos,nasparedes próximas.Por favor:
examinem com cuidado, para ver que não se trata de uma construção
construída de diversos elementos; tudo é rocha inteiriça e compacta. A rocha
natural, não lavrada, começa somente acima das superfícies lavradas. Uma
obranessa posição emque pode servista agoranunca teveserventiaalguma.
Mas permaneçam mais um pouco nessa câmara misteriosa. Aposto que não
vão demorar a descobrir que as pedras lavradas devem ter estado, outrora,
em lugares mais altos da montanha; algum acontecimento natural, como um
terremoto ou algum fenômeno provocado intencionalmente, talvez uma
explosão, deve ter levado esses blocos à sua posição atual".
Assim chegamos à mesma conclusão a que nos levara Puma-Punkú: a
técnica empregada lá no alto, acima da fortificação incaica, tinha um caráter
mais gigantesco, amplo, perfeito e adiantado do que o muro ciclópico
levantado pelos incas em Sacsayhuamán. Como o muro dos incas já existia
quando os espanhóis conquistaram essa terra, e como nada mais foi
acrescentado desde então, essas esculturas de que estou falando devem ter
mais antigas do que o forte incaico. Como lá, em Puma-Punkú, deve ter
havido um planejamento e, portanto, também uma escrita. A construção
monumental era maior que tudo aquilo que os incas e seus ancestrais eram
capazes de criar .
Seria uma obra dos mesmos construtores que ergueram Puma-Punku?
Nem é necessário mencionar que a mitologia nos conta que teriam sido os
próprios deuses que causaram a destruição de sua obra, ao verificar a
ingratidão dos homens criados por eles.
Uma intercalação divertida.
Depoisdeouvir essas explicações,ocasaldeMuniqueprometeu voltara
Cuzco, para uma nova verificação. Quando redigia este capítulo, chegou um
cartão-postal com este texto; "Isso nunca foi obra de simples índios! Por que
ninguém fala dessas coisas?" Seguia-se a saudação e um agradecimento no
cartão.
Eu falo dessas coisas! E volto sempre a falar . Como aqui. E recomendo
que se verifique o que estou afirmando.
Alcancei o destino
A reunião com o brigadeiro Chioini e o arquiteto Carlos Milla, em Lima,
começou no dia 22 de agosto, na sexta feira combinada, com uma exigência
desagradável. Milla revelou-se um senhor educado que só falava quando
interpelado; tinha mãos calosas que me faziam crer que ele mesmo sabia pôr
mãos à obra quando necessário.
Semrodeios, entrei na conversa:
— O senhor já sabe o que estou procurando. Por favor, mostre-me no
mapa onde posso encontrar minha faixa perfurada.
Carlos Milla se agitou ao ouvir minha pergunta tão direta.
— Sim, senhor, sei exatamente onde fica. Posso marcar o ponto num
mapa detalhado do Peru...
— Por favor, então, faça-o! — tentei incentivá-lo.
O arquiteto fechou os olhos, para voltar a abri-los com um pedido de
socorro em direção do brigadeiro, que estava tamborilando nervosamente
com os dedos na mesa de mármore. Com o embaraço de um gentleman, ele
falou em inglês:
— I believe he wants money!*
*Acho que que está querendo dinheiro."Em inglês no original. (N. do E.)
A expedição não iria fracassar por esse motivo. Há muito tempo estou
acostumado a pagar por informações. Da maneira mais discreta possível —
não me sinto bem nesses momentos — empurrei uma nota verde de
cinqüenta dólares para as proximidades de seu copo de pisco sour:
— Aí está. Onde fica o lugar?
Carlos Milla fez que não via a nota. Ele queria mais. Dizendo que ele
mesmo tivera despesas para obter a informação, colocava-se ao mesmo
tempo à disposição para acompanhar-nos, o que significaria, por seu turno,
ter que deixar de lado o trabalho por uns dias.
— Quanto é? — perguntei.
—Seiscentosdólares por trêsdias,mais duzentose vinteecincodólares
pela Rural que coloco àdisposição.
Era uma exigência nada discreta, essa apresentada pelo arquiteto. Não
gosto que meexplorem. Ademais, estava desconfiando de outros pagamentos
extras que esse tipo muito vivo poderia vir a exigir durante a viagem.
Retruquei que, umavez confirmada a existência da faixa perfurada, devia ser
possível achá-la, mesmosem a ajuda de Carlos Milla.
— Não precisa acompanhar-nos. V ou pagar-lhe duzentos dólares.
Olhei para ele esperando uma resposta. Ao mesmo tempo comecei a
guardar os papeis que estavam sobre a mesa. Era para ele sentir que tinha
feito minha última proposta. O brigadeiro Chioni não parava de falar com
seu conhecido, Para ele a situação era tão penosa quanto para mim. Carlos
Milla fechou novamente os olhos — um bom truque para deixar os outros
em suspense — e abriu-os com a convicção de quem sabe que duzentos
dólares na mão valem mais que nada. Com a voz dolente explicou, então:
— Afaixaperfurada atravessa as montanhase os vales por uma extensão
muito maior do que aquela revelada nas velhas fotos da National
Geographic. O lugar mais indicado para o senhor fica dois quilômetros
adiantede umalocalidadechamadaHumay ,no vale de Pisco.Pode viajar até
a Hacienda Montesierpe. Atrás da fazenda se estende uma faixa de terra
cultivada de uns trezentos metros de largura. Logo acima, nos morros
escalvados, encontrará sua faixa perfurada

Essas três fotos foram tiradas no mesmo conjunto de rochas, a uns cem metros de
distância das atrações turísticas. As fotos são de 1980. Aqui se readquire a capacidade de
admirar e de sentir os mistérios dos tempos primevos da T erra.
Era uma boa informação, contanto que fosse verdadeira. No mapa
rodoviário, o vale de Pisco era desenhado num ângulo reto em relação à
Rodovia Panamericana, uma das estradas fantásticas do nosso globo. Paguei
os duzentos dólares, prometendo que o procuraria para fechar outros
negócios, caso precisasse procurar outros lugares misteriosos no Peru. Para
quem possa estar interessado nas informações desse homem versado, eis o
endereço: arquiteto Carlos Milla, A venida Salaverry , 674, Lima.
Logo depois dessa conversa, entrei em contato, por telefone, com o
professor dr . Janvier Cabrera, em Ica, que fica a apenas setenta quilômetros
de Pisco. Era um conhecido meu que talvez tivesse informações mais
precisas a respeito da Hacienda Montesierpe, ou até sentisse vontade de me
acompanhar. Cabrera, um antropólogo pouco ortodoxo, mostrou-se logo
disposto a fazer parte da expedição.
Encontrar-nos-íamos no dia seguinte, às dezessete horas, no museu de
Ica.
Levei quatro horas completas, num Datsun alugado, para chegar até Ica.
Fora de Lima, a Rodovia Panamericana parece, durante uns quarenta
quilômetros, uma verdadeira auto-pista. Mas, depois, ela se torna mais
estreita, para formar uma fita a acompanhar a linha da praia, percorrendo, na
maior parte do trajeto, uma paisagem desértica. Em outras regiões dessa
latitude, encontrar-se-ia nessa faixa litorânea, que acompanha o oceano
Pacífico até Pisco, uma vegetação abundante e rica, mas ali é diferente: as
águas frias da corrente de Humboldt resfriam a tal ponto a atmosfera
aquecida pelo sol, que é bom prevenir-se contra a neblina, nas horas da
manhã e do entardecer . Mas, como a neblina volta a secar em camadas
superiores mais quentes, ali quase não ocorrem precipitações. Não é de
admirar, portanto, que a gente veja em grande parte da rodovia apenas
paisagens inóspitas: dunas, cascalho, troncos de plantas desenraizadas,
ressequidas no chão do deserto e que os nativos usam para compor enormes
letras nas encostas dos morros, comose fossem frases de propaganda.
Os quadros mudam abruptamente: aparecem vales exuberantes, cobertos
de plantações de algodão, e pomares ou canaviais de ambos os lados da
pista. À beira da estrada, os índios vendem frutas, legumes e, naturalmente,
pisco, a aguardente preferida, além de vinho, em garrafas bojudas. Mal a
vista se acostuma com esses oásis cheios de beleza, registra-se outro corte
abrupto no filme da paisagem: continua a tristeza exasperante do deserto,
num caleidoscópio composto pelo mar, neblina, céu azul, deserto
despovoado e faixas de terra fértil.
Com excesso de velocidade, passam os ônibus que levam turistas para
Nazca, presenteando-os certamente com um resfriado — uma vez que
ninguém consegue escapar da corrente de ar condicionado. Seria muito
melhor suar umpouco; mas todo mundo faz questão desse maldito conforto.
No museu de Ica, encaram-se crânios estranhamente
deformados
Estou aguardando o professor Cabrera.
Das vitrinas do museu, encaram-me os crânios de mortos que foram
achados em túmulos ao redor de Ica. São crânios deformados. A deformação
começa na altura das têmporas, abaulando-se como um abdômen de uma
vespa, acima da testa. A parte posterior do crânio apresenta, freqüentemente,
umvolume três vezes maior que o de umcrânio normal.
Nos livros eruditos encontra-se a seguinte explicação para essas
monstruosidades:

No museu de Ica, fotografei esses crânios deformados. O que têm eles a nos dizer?

Os sacerdotes incas teriam escolhido meninos de tenra idade para
colocar suas cabeças ainda não endurecidas entre tábuas acolchoadas.
Depois, teriampuxado cordas através de charneiras, estreitando lentamente o
espaço entre as tábuas, Algumas crianças devem ter sobrevivido a essa
tortura, com sofrimentos indizíveis, caso contrário não existiriam esses
crânios deformados de homens adultos.
Aoveressas cabeçasmonstruosas quelembravampassagensdo romance
Frankenstein, de Mary Shelley (1797-1851), senti o desafio de um
questionamento.
Qual teria sido o motivo desses rituais dolorosos? Como se chegou à
idéia perversa de deformar os crânios de crianças? Crânios desse tipo não
constituem exclusividade peruana nem sul-americana; eles podem ser
encontrados também entre os maias, na América Central, no noroeste dos
Estados Unidos, entre os ''índios de cabeça chata", como também no antigo
Egito¹³. Parece que todos esses povos imitaramou copiaram alguma coisa.
Estaria certa a versão que diz — afinal, ninguém estava presente — que
os deformados eram escolhidos para serem sacerdotes ou até sumos
sacerdotes? Por que teria sido assim? Era necessário deformar as crianças
para que se parecessem, quando adultos, com eventuais deuses antigos?
T eria havido, em alguma época, um encontro com seres impressionantes e
mais inteligentes, aos quais eles procuravam depois assemelhar-se, pelo
menos externamente? T eriam os sacerdotes recorrido a esse truque bárbaro
para aparentar um poder que tinha sido atribuído aos seres desaparecidos?
Pretendiam os sacerdotes diferenciar-se pelos crânios hipertrofiados do povo
comum,apresentando uma marca dediferenciação superior?Épossível, pois
afirma-se que as deformações eram realizadas às escondidas.
Se esses testemunhos selvagens de um passado brutal se referissem
apenasa um único povo,poder-se-iaencontraralgumamotivaçãoespecífica,
de cunho religioso. Mas essa prática foi realizada em regiões muito distantes
umas das outras,atéem continentes diversos. Adeformaçãoseriauma forma
de imitar a cabeça de seres que foram vistos quando andavam entre os
homens? Seriam os crânios deformados um meio para salvar ao menos parte
da auréola dos senhores poderosos, assegurando pelo menos sua aparência
para o futuro? Se apenas uma dessas perguntas recebesse uma resposta
afirmativa, poderíamos ver nesses crânios indicações significativas a respeito
da aparência externa dos extraterrestres que, há muito, muito tempo,
agraciaramnossos ancestrais com sua presença.
Andando na faixa perfurada
O professor Cabrera pôs fim às minhas meditações, com sua maneira
bem latina de cumprimentar as pessoas. T omamos juntos um pisco sour ,
enquanto eu lhe mostrava as fotos que me tinham levado a procurar aquela
faixa cheia de buraquinhos que atravessa seu país. Ele não a conhecia e
começou até a duvidar de sua existência quando lhe afirmei que essa faixa
passava a menos de cem quilômetros de Ica, por sobre montes e vales.
— No vale de Pisco? Euo conheço muito bem.Diversas vezes sobrevoei
esse local e conheço também a Hacienda Montesierpe. Mas confesso que
nunca vi nada parecido com essa faixa estranha.
Mesmo no dia seguinte, quando já estávamos a caminho de Pisco,
seguindo pela Rodovia Panamericana, ele continuava bastante cético. Cada
vez que passo por Pisco, começo a sentir náuseas. É uma cidade
malcheirosa; não conheço outro lugar que exale esse tipo de cheiro forte. No
porto, há uma frota bastante grande de barcos pesqueiros. As fábricas
construídas logo ao lado não produzem nenhum tipo de essência de rosas:
seu produto é farinha de peixe. O "aroma" de Pisco se assemelha ao de óleo
de fígado de bacalhau, lembrando-me os dias de minha infância, quando
minhamãevinha comumacolherona na mãopara meencher desse óleo. Era
por causa das vitaminas de que as crianças necessitam para crescer . Hoje, as
crianças têm mais facilidades: elas podem chupar tabletes saborosos que
contêm as vitaminas necessárias. As galinhas recebem quantidades enormes
de farinhadepeixe, a tal pontoqueosabordopeixe passaatépara osovose
para a própria carne de frango. Assim como há lugares, neste mundo tão
humano, em que a idéia de galinhas criadas em campos de concentração me
tira a vontade de comer franguinhos, de que eu gostava tanto em outros
tempos, em Pisco é o sabor do peixe que me dá nojo de carne de frango.
Era um dia todo azul, embandeirado com as flâmulas da esperança do
sucesso. Quatro quilômetros ao norte de Pisco, há uma estrada de
pedregulhos que leva ao vale de Pisco, onde se situa Humay . Depois, ela
sobe para o alto dos Andes, passando por Castrovirreyna e Huancavelica.
Nos lugares em que existem adutoras para irrigação dos campos, crescem
pomares e hortas. A alternância sucessiva de desertos e terras cultivadas é
irritante. Colinas de pedras e de areia beiram a estrada muito estreita e cheia
de curvas.
Após rodarmos trinta e um quilômetros, passamos pela cidadezinha de
Humay . Mais cinco minutos, e chegamos à Hacienda Montesierpe. Paramos
no pátio interno, que, certamente, já deve ter visto dias melhores: junto das
paredes da casa-grande, foram construídas pequenas senzalas, o teto da
igreja desmoronou, as cabeças das estatuetas jazem na lama, as pinturas das
paredes da casa-grande e da igreja estão se deteriorando. Desde que
começouaprimeirareformaagrária,nos temposdo regimemilitarsocialista,
com a expulsão dos proprietários, está decaindo tudo o que merecia ser
conservado. Só se conserta o mais urgente. Os índios passam tão mal quanto
antesda revolução.Um regime injusto foi derrubadoparaser substituídopor
outro da mesmaqualidade, mas o homem do povo continua sendo avítima.
Crianças morenas, queimadas de sol, se aglomeraram ao nosso redor,
fixando-nos com seus olhos grandes. Estavam vestidas com roupas ou muito
apertadas ou muito largas, esfarrapadas, miseráveis em sua imundície. A
revolução tinha prometido um novo paraíso, ali também. Mas nada mudou.
Foi apenas mais um revezamento no poder .
O professor Cabrera entrou na casa, seguido por mim. Ele mostrou fotos
a uma senhora corpulenta que estava fiando lã de carneiro numa roda. A seu
lado amontoavam-se dúzias de laranjas, e sobre sua cabeça, nos fios
esticados, estavam secando camisas coloridas e esburacadas.
Os dois entretiveram longa conversa, que não consegui entender com
meus parcos conhecimentos de espanhol. V oltando para junto de mim, o
professor me disse que ela nunca vira nada semelhante. Lembrei-me,
naquele instante, do arquiteto Carlos Milla comsua afirmação de que acharia
meu objetivo uns trezentos metros além dessa fazenda. Se fosse assim, essa
senhora certamente teria conhecimento da faixa, pois não dava a impressão
de ter deixado jamais aquele lugar .
No pátio, ouvimos a chegada de um velho trator . Cabrera foi logo ao
encontro dosdois homensrecém-chegados para pedirinformações.Espereià
distância, observando pela expressão dos rostos qual seria o conteúdo das
palavras trocadas e dos pensamentos. Finalmente um dos tratoristas fez um
sinal positivo com a cabeça: devia saber de alguma coisa. Com um
movimento lento do braço, passou a apontar as montanhas que se erguiam
atrás da fazenda. Nem esperei pelas notícias de Cabrera, comecei logo a
colocar minhas câmaras nas costas.

Ao norte de Pisco, há uma estrada de pedregulhosque leva primeiro para o vale de Pisco,
para depois subir as encostas dos Andes.
A terra cultivada atrás da fazenda tem uma extensão de apenas duzentos
e cinqüenta metros. Um atrás do outro, subimos por uma trilha estreita no
primeiro morro. Paramos para examinar a paisagem ao redor; nem sinal de
nossa faixa perfurada. Ofegando, continuamos nossa caminhada. O sol nos
castigava. O ar estava abafado.
Sentamos um pouco para descansar . A luz estava muito forte, pois o sol
estava a pino e não havia sombra. Atualmente, estou com problemas de
vista; os olhos começam a doer e não suportam muita claridade. As vezes,
penso que pode ser conseqüência daquele esforço para descobrir contornos
àquela luz brilhante, à procura de algum pequeno indício que fosse. Meus
olhos doíam naquele momento do mesmo modo que estão doendo agora,
enquanto escrevo à luz clara de minha mesa de trabalho. Às vezes, as linhas
começam a tremer como as encostas daquele morro, como as orlas do
deserto.
Estaria sendo enganado por meus olhos? No ar trêmulo delineava-se, do
outro lado do vale, uma faixa escura que seguia o traçado das colinas. Sem
nada dizer, abri a teleobjetiva para verificar minha descoberta. A lente
confirmou o que tinha visto a olho nu: do mormaço surgia, no horizonte,
uma faixa que se aproximava por sobre morros e vales, vindo a morrer,
finalmente, nos campos plantados do vale de Pisco. Mentalmente
acompanhei o traçado mais além. Seu prolongamento devia passar perto de
nós. Passei a teleobjetiva para Cabrera, indicando-lhe o ponto em que devia
começar a procurar . E ele confirmou a minha observação, não havia engano
possível.

No ar reluzente, desenhavam-se faixas escuras. A faixa vinha se aproximando sobre
morros e vales.
Tínhamos que subir mais, para ter uma visão melhor. Respirávamos com
dificuldade. Fomos subindo em direção ao espigão. De ambos os lados, só
havia vales esturricados, pedregulho, o ar quente a tremular sobre a terra e,
infindavelmente, aquelas pedras que refletiam a luz ofuscante.
Tropeçávamos. E foi tropeçando que caí no primeiro buraco da faixa
escura...
Logo percebi que devia ser o que estávamos procurando.
O professor Cabrera começou a coçar a cabeça, e, olhando para o chão,
concluiu:
— Erich, chegamos.

Quando cheguei à primeira cova, sabia que tínhamos alcançado nosso objetivo.
O buraco à minha frente tinha um metro de diâmetro e o mesmo de
profundidade. Logo a seu lado havia outro, e mais outro, e outro, uma
verdadeira faixa perfurada que ia se desenrolando nas lonjuras. Elevando os
olhos, podia seguir o traçado dos buracos até sumirem no horizonte, atrás
dos morros.
Quinhentos metros acima da fazenda, estávamos junto das primeiras
covas. T odas as covas estavam vazias. Não havia nada nelas, a não ser uns
detritos esmigalhados. Elas estavam simplesmente lá — bem de acordo com
aquela primeira impressão que tivera ao ver as velhas fotos — como que
marcadas no terreno por um gigantesco rolo de massa provido de saliências
regulares. Seguimos pelos buracos para o alto do morro, cansados da guerra,
mas interiormente cheios de felicidade por termos alcançado nosso objetivo.
A cada passo monte acima, notávamos como as covas se modificavam.
Os buracos enfileirados eram cercados, com freqüência crescente, por
pedras. Às vezes viam-se pequenas muretas levantadas em torno das covas.
Quando alcançamos o topo, só restavam buracos cercados por muretas. Em
fila infinda, os buracos pareciam a pele de um réptil que se prolongava pela
encosta de um desfiladeiro. A impressão que se tinha era a de que os
combatentes índios pioneiros se tinham entrincheirado ali, numa faixa de
vinte e quatro metros de largura. Em cada buraco cabia umcombatente.
Não seria mesmo um sistema de fortificação? Foi a primeira pergunta
que surgiu. T eria sido um exército imenso, com o flanco largo e aberto,
passando por altos e baixos. Não se trataria, certamente, de uma estratégia
inteligente: com os soldados enterrados no chão, não podiam enfrentar o
agressor, já que os buracos lhes tolhiam a liberdade de ação. O próprio
traçado da faixa perfurada se opõe a essa interpretação. Se essa faixa de
buracos se estendesse somente pelos topos e cumeadas das colinas e dos
montes, até que teria algum sentido: como os agressores tivessem que se
expor para conquistar os cumes, teria sido mais fácil defender-se — se é que
havia algo a defender por ali — com a visão aberta para as encostas. Os
grandes sistemas de fortificação, como o muro dos incas no Peru e a célebre
muralha chinesa, dominam o alto das montanhas. É lógico. T ambém os
cavaleiros da Idade Média construíram seus castelos no topo das montanhas,
de onde era fácil divisar os inimigos nas baixadas. Nada disso tinha sentido
ali, uma vez que a faixa esburacada passa freqüentemente, em curvas
elegantes, pelos vales e desfiladeiros. Se essas covas tivessem servido de
defesa individual, teria ocorrido diversas vezes o efeito contrário: os
defensores teriam ficado abaixo dos exércitos atacantes.
Qual, então, a finalidade daquelas centenas de milhares de buracos?
Aquela terra nunca foi fácil de cavar, como um chão argiloso. Sempre foi
umaterra dura, secae cheia de pedras.Mas,para que,então, umtrabalho tão
árduo?
Sentamos nos buracos, para olhar as baixadas, para seguir o traçado da
faixa até que a distância a engolisse em meio ao calor forte e ardente.
Tratar-se-ia de um cemitério? Seria o único no mundo a ficar com as
sepulturas abertas, ao longo de muitos quilômetros. Sepulturas, no entanto,
distinguem-sesempre porindícios que revelam sua finalidade:estelas, restos
de esqueletos alvacentos, oferendas para os mortos. Ali não havia nada disso.
Os buracos poderiam ser a delimitação de um território soberano?
Mesmo admitindo um raciocínio bastante primitivo, seria um esforço
descomunal recorrer a buracos para esse fim.

Nossa vista seguia a faixa até o infinito do horizonte. Sem limites, ela
sumia comoque engolida pela névoa seca.
Pedras enfileiradas teriam sido suficientes. A demarcação não teria
parado nem diante dos desfiladeiros que desciam aos vales? Provavelmente,
nem um monarca ditatorial, disposto a sacrificar seus súditos num trabalho
tão insano, ter-se-ia negado a aceitar o traçado dos rios como demarcação de
seu território. E, no entanto, a faixa esburacada corre, às vezes, ao longo
desses rios, em linha reta e em curva — uma infra-estrutura sem par .
Certamente não éa demarcação de uma fronteira. Mas o que é, então?
T eria sido uma linha de sinalização? Quem consegue imaginar que, em
noites escuras, no aniversário do rei ou de algum sacerdote, cem mil índios
ficariam sentados nesses buracos para acender, a um comando tonitruante,
suas tochas? Uma iluminação formada por uma fila de luzes comparável ao
esplendor pomposo das ruas de Las V egas? Mas, mesmo para esse fim, não
havia necessidade alguma de cavar tantos buracos, bastava que os índios
formassem uma grande fila.
Tratar-se-ia, então — como no planalto de Nazca, cento e oitenta
quilômetros ao sul —, de uma sinalização para os deuses? A faixa teria sua
posição orientada pela astronomia? Não há pesquisas a respeito, até hoje. As
velhas fotos aéreas da National Geographic foram esquecidas, ninguém
conhece a faixa perfurada, nenhuma obra a menciona. Não sei se essas fotos
ficaram guardadas em algum arquivo, até que um dia algum jovem
arqueólogo desprevenido se anime a partir para desvendar esse mistério dos
Andes, que por ora não passa de um número no catálogo do arquivo, Eu não
disponho dos recursos necessários para financiar uma pesquisa dessa
envergadura. Mas, ao menos, preparei o caminho para esse desconhecido.
Ele já não precisará procurar o objetivo em algum lugar qualquer, pois
poderá seguir a trajetória que acabo de descrever .
Um pouco antes de deixar Ica, o professor Cabrera conseguiu descobrir
que os nativos chamam a faixa, há séculos, de avenida misteriosa de las
picaduras de viruelas, ou seja, avenida misteriosa das marcas de varíola.
Realmente,essa estradaémisteriosa. Como eumesmonão sei oqueseja
aquilo que, lá no Peru, se destaca, noalto dos montese na baixadados vales,
como marca do passado, solicito que me encaminhem suas sugestões para
indicar uma possível solução. Examinarei com atenção qualquer hipótese
que chegue às minhas mãos: CH-4532 Feldbrunnen SO, Basel-strasse 10.
Crepúsculo dos deuses?
Fontes dasilustrações:
Fotos de Erich von Däniken:
Enrico Mercúrio:
Willi Dünnenberger:
professor Aguilar:
dr . Gene Phillips, Ancient Astronaut Society:
W . Siebenhaar:
Andreas Faber-Kaiser:
Bibliografia
I V iagema Kiribati
1 Grimble, Arthur: Apattern of islands, Londres, 1970.
2 Grimble, Rosemary: Migrations, myth and magic from the
Gilhert Islands, Londres-Boston, 1972.
3 T entoa T ewareka: This is Kiribati — CurriculumDevelopment
Unit Offset, T araua, 1979.
4 Kiribati — Aspects of history — Ministry of Education,
Training and Culture, T araua, 1979.
5 Aitken, Robert T .: Ethnology of Tubuai — Bishop Museum,
boletim número 70, Honolulu, 1930.
6 Buck, Peter H.: V ikings of the Pacific, Chicago, 1972.
7 Handy Craighill, E. S.: The native cultur e in the Marquesas,
Bernice P . Bishop Museum, boletimnúmero 9, Honolulu, 1923.
8 Handy Craighill, E. S.: Polynesian r eligion, Bernice P .
Bishop Museum, boletimnúmero 34, Honolulu, 1927.
9 Andersen, Johannes C: Myths &legends of the Polynesians,
V ermont-Tóquio, 1969.
10 Bild der Völker , vol. I: Die Bewohner der Gilbert-und Ellice-Inseln,
ed. por dr . John Clammer, Wiesbaden, s.d.
11 Turbott, LG.: "The footprints of T arawa", Journal of the
Polynesian Society , extrato do vol. 58, número 4, dezembro de 1949,
Wellington, Nova Zelândia.
2 Por ummotivoqualquer
1 Geoffrey ,B.: Faustkeil und Bronzeschtvert. Hamburgo, 1957.
2 Atkinson, R. J. C: W as ist Stonehenge? — Editado pelo
Departamento de Meio Ambiente, Crown, ©1980.
3 Hawkins, Gerald S.: Stonehenge decoded, Nova Y ork, 1965.
4 Atkinson, R. J. C: "Moonshine on Stonehenge", Antiquity ,
vol. XL, 1966.
5 Hayle, Fred: "Speculations on Stonehenge", Antiquity , vol,
XL, 1966.
Hoylen, Fred; From Stonehenge to modem cosmology ,
San Francisco, 1972.
6 Thom, Alexander: Megalithic sites in Britain, Londres,
1967. Thom, Alexander: "Megalithic astronomy", The Journal of
Navigation, vol. 30, número 1, 1977.
7 Paturi, Felix R.; Zeugen der V orzeit, Düsseldorf, 1976.
8 Grimm,Rudolf: "Gcheimnisvolles Stonehenge", Prager
V olkszeitung, 11 de abril de 1980.
"Im Süden Englands steht ein 'Computer' der Steinzeit",
W eser-Kurier , 4 de outubro de 1979.
9 Krupp, Edwin C: Astronomen, Priester , Pyramiden, Munique, 1980.
10 Strempel, Fritz; "Das steinerne Rätsel von Stonehenge",
PM-Magazin, fevereiro de 1980.
11 Sofaer / Zinser /Sinclair: "A unique solar marking cons-truct", Science, 10 de outubro de 1979, vol. 206.
12 Myles-Chadwick: Die Kelten, Zurique, 1966.
13 Eliot, Alexander et al.: Mythen der W elt, Zurique, 1978.
14 De Camp: Geheimnisvolle Stätten der Geschichte, Düsseldorf, 1966.
15 Robins, G. V .: "The dragon stirs, Alpha, julho/agosto de
1979, Londres.
16 Grinsell, L. V .: The rollright stones and their folklore,
Guernsey C. L, 1977.
17 Achäometrie — "Physiker schreiben die Geschichte neu",
Bild der Wtssenschaft, julho de 1978.
18 T opper,Uwe: Das Erbe der Giganten, Olten, 1977.
19 Homet, Marcel F .: Nabel der W elt — Wiege der Mensch-heit, Freiburg, 1976.
20 Buck, P . H.; The Rangi Hiroa, Ethnologyof T ongareva,
Honolulu, 1932, Bernice P . Bishop Museum, boletimnúmero 92.
21 Warwick-Trump; Lexikon der Archäologie, vols. 1 e 2,
Hamburgo, 1975.
22 Aubrey , Burl: Rings of stone, Londres, 1979.
23 "Our world of mysteries", Radio Times Londres, agosto de 1980.
24 Charpentier, Louis: Das Geheimnis der Basken, Olten, 1977.
25 Wernick, Robert: Steinerne Zeugen früber Kulturen Hamburgo, 1977,
Geral:
Lübbes Enzyklopädie derArchäologie, ed. por Daniel-Rehork, Bergisch-Gladbach, 1980.
Zanot, Mario: Die W elt ging dreimal unter , Viena, 1976
V on Cles-Reden, Sybille: Die Spur der Zyklopen Colônia, 1960.
Bruce, Cathie: The pulse of the universo, Wellinton 1977.
Bord, V olin e Janet: Mysterious Britain. Londres, 1974.
Riesenfeld, A.: The megalithic culture of Melanesia Leiden, 1950.
3 Espírito — a causa primeirade toda a matéria
1 Arber, Werner: "Wie die Schöpfung hier und jetzt weiter-wirkt", Basler Zeitung, 21 de junho de 1980,
2 Illies, Joachim: "König Wissenschaft, der neue Tyrann",
Diewelt, 18 de junho de 1980.
3 Thürkauf, Max: "Der Primat des Geistes", Esotera, feve-reiro de 1980.
4 Chargaff, Erwin: "Der T eufel steigt von der Wand", Der
S pie gel, 39/1980,
5 Charon, Jean E.: Der Geist der Materie. Viena-LIamburgo, 1979.
6 Wilder-Smith, E. A.: Grundlage zu einer neuen Biologie,
Stuttgart, 1974.
7 Charon, Jean E.: Théorie de la relativité complexe, Paris, 1977.
8 T aylor, John: Die Schwarzen Sonnen. Berna-Munique, 1974.
9 Breur, Reinhard: "Schwarzes Loch imZentrumder Milch-strassc", Bild der Wissenschaft, novembro de 1977.
10 Kippcnhahn, Rudolf: 100 Milhar den Sonnen, Munique, 1980.
11 Garanger, T ose: Sacred stones &rites of ancient T ahiti, Paris, 1979.
12 Zier, Wilhelm: Hölle im Paradies. Düsseldorf, 1980.
13 Aitken, Robert T .: Ethnology of Tuhuai, Bishop Museum,
Boletimnúmero 70, Honolulu, 1930.
14 Biedermann, Hans: "Magnetische 'Dickäuche' in Guatemala",
Universum, 3/1980, Viena.
15 Eckert, Michael: "Magnetsinn des Menschen?" Süddeutsche Zeitung,
23 de outubro de 1980.
Geral:
Ford, Arthur: Bericht vom Leben nach dem T ode, Berna, 1973.
Dethlefsen, Thorwald: Das Leben nach dem T ode, Munique, 1974.
Bernstein, Morey: Protokoll einer W iedergeburt, Berna, 1973.
4 Caçandofraudese homenzinhosverdes
1 Gris, Henr y:"Is there a dead ship from outer space?",
Rand Daily Mail, África Sudoeste, 20 de agosto de 1979,
2 Scientists discover damaged alien spacecraft is in orbit
around earth", National Enquirer , Lantana, Flórida, agosto de 1979.
3 Transcrição das entrevistas gravadas emcassette: de Henry
Gris como professor Bojitch e outros, arquivo de Erich von Däniken.
4 Bagby , John P .: "T errestrial satellites: Somedirect and in-direct evidence, Icarus, 10/1969.
5 Carta do professor HarryO. Ruppe para Erich von Däni-ken, 10 de janeiro de 1980.
6 Carta do engenheiro Jesco von Puttkamer, NASA, para Erich
von Däniken, 28 de janeiro de 1980.
7 Carta do professor Frank D. Drake, diretor do National
Astronomy and Ionosphere Center, Arecibo, para Erich von Däniken, 12
de janeiro de 1980.
8 Wil, Wolfgang: "Brachten 'Bomben' aus dem Weltall das
Leben auf die Erde?" Die W elt, 11 de novembro de 1980.
9 Lahav , Ephraim: "Kam Adam aus dem Weltall?" Die W elt,
25 de junho de 1980.
10 "Kalte Dusche für die grünen Mannchen", W eltwoche-Magazin, Zurique, 1980.
11 Abarzue / Posselt; "In Gräbern aus uralter Zeit: T ote von
anderen Sternen", Bild, 29 de abril de 1975.
12 Chávez, Mauro: "Seres do otro mundo en manta?", V istazo, México,
13 "Umpsiquiatra no terreiro". Gente, 24 de dezembro de 1979.
14 "El esqueleto de Panamá", Mundo Desconocido, maio de 1979.
15 Carta da embaixada suíça para Erich von Däniken, 4 de
março de 1980.
16 Carta da embaixada suíça para Erich von Däniken, 7 de
maio de 1980.
17 Carta da embaixada suíça para Erich von Däniken, 6 de
junho de 1980.
18 Krassa, Peter: Phantome des Schreckens — Die Herren in
Schwarz manipulieren die W elt, Viena, 1980.
19 "Kannten die Inkas das Diamanten-Geheiminis?" Bremer
Nachrichten, 5 de junho de 1980.
20 Möller , Gerd e Elfride: Peru, Pforzheim, 1980.
21 "Archäologic um La Silla", Sterne und W eltraum, 1980/4.
5 Na T erra Prometida?
1 Kautzsch, Emil: Die Aprokryphen und Pseudepigraphen
des Alten T estaments, vol. II, Livro de Enoc, Tübingen, 1900.
2 Kebra Negest, vol. 23, 1.ª parte, "Die Herrlichkeit der
Könige, Abhandlungen der Philosophisch-Philologischen Klasse der
Königlich". Academia Bávara de Ciências.
3 Stoll, Heinrich A.: Die Höhle am T oten Meer , Flanau-so-bre-o-Meno, 1962.
4 Dupont-Sommer, André: Die Essenischen Schriften vom
T oten Meer , Paris, 1959.
5 Burrows, Millar: Mehr Klarheit über die Schriftrollen, Mu-nique, 1959.
6 Philo Judaeus Alexandrinus: Die W erke Philos... Tradu-ção alemã de Leopold Cohn, Breslau, 1909.
7 Flavii Josephi: Altertümer wie auch der Krieg der Juden
mitden Römern... Joh.BaptistaOtt, Zurique,1735,PhiHebraei,Historio
de bello Judaico.
8 Novas provas da pré-astronáutica — Os discursos do Con-gresso da Ancient Astronaut Society ,Munique, 1979, Rastatt, 1979.
9 Davenport, David W .: 2000 a.C. Distruzione atomica, Mi-lão, 1979.
10 Maharshi Bharadwaaja: V ymaanika-Shaastra Aeronautics. Traduzido
parao inglês,revisado,impresso epublicado por G. R. Josyer,Misore,índia,
1979.
Geral:
Faber-Kaiser, Andreas: Jesus died in Kashmir — Jesus, Moses and the
ten lost tribes of Israel, Londres, 1977.
6 Crepúsculodos deuses
1 Greene, Merle: Maya sculpture, Berkeley , 1972.
2 V on Wuthenau, Alexander: Unexpected faces in ancient America.
3 T schudi, V on Johann Jakob: Reisen durch Südamerika,
Leipzig, 1869.
4 Alcino, José: Die Kunst des cdten Amerika, Friburgo, 1979.
5 Cieca de León, Pedro: La crônica dei Peru, Antuérpia, 1554.
6 De Castro/Del Castillo: T eatro eclesiástico de las iglesias
de Peru y Nueva España, Madri, 1651.
7 D'Orbigny , Alcide: V oyage dans l'Amérique Méridionale, Paris, 1844.
8 Stingl, Miloslaw; Die Inkas, Düsseldorf, 1978.
9 Stübel, A, e Uhle, M.: Die Kuinenstätte von T iahuanaco im
Hochland des alten Peru, Leipzig, 1892.
10 Huber, Siegfried: Im Reich der Inka, Olten, 1976.
11 De la V ega, Garcilaso: Primera parte de los comentários
r eales, Madri, 1723, e Historia general dei Perú, segunda parte, Madri,
1722.
12 Ubbelohde-Döring, Heinrich: Kulturen Alt-Perus, Tübingen, 1966.
13 Dingwal, E. J.: Artificial cranial deformation, Londres,
1931.
Geral:
Möller,Gerd e Elfriede: Goldstadt-Reiseführer Peru,Pforzheim, 1976.
T iahuanaco oder die Schweigenden Steine, extraído de; "Die letzten
Geheimnisse unserer Welt", Das Beste.
Helfritz,Hans: Südamerika: Präkolumbianische Hoch-kultur en, Colônia,
s.d.
Kennedy-Skipton, R.; Bild der Völker , vol. 5, Südamerika, Wiesbaden,
s.d.
Kubler, George: The art and architecture of ancient America,
Harmondsworth, 1962,
O AUTOR E SUAOBRA
Que segredos espantosos nos reservam as dezesseis ilhas de Kiribati, na
Oceânia? Qual a origem do círculo árido que há numa dessas ilhas e que traz a
morte para os que nele penetram? O que significam os megálitos de Stonehenge?
Quais as revelações trazidas pelas pesquisas acerca do magnetismo do ser
humano? Houve mesmo uma explosão atômica há mais de quatr o mil anos? Como
interpretar os manuscritos da índia antiga que se referem a aparelhos voadores?
Quemteria construído os monumentos de Puma-Punku, no planalto boliviano?
Respondendo a essas e outras questões, contando suas descobertas e
decepções,Erich von Dänikenesclarece, em "V iagema Kiribati", uma série defatos
que ainda não tinham encontrado uma explicação convincente. E todas as suas
descobertas concorrem para sustentar sua teoria básica de que em tempos pré-históricos a T erra foi visitada por seres que vieram de outros planetas; que os
extraterrestres criaram a inteligência humana por modificações introduzidas na
constituição hereditária dos primitivos habitantes da T erra e que as religiões mais
antigas, comseus mitos e lendas, contém alusões a essesfatos.
A tarefa escolar de traduzir a Bíblia do original em aramaico para o alemão
despertou no jovem Erich von Däniken uma curiosidade que, poucos anos depois,
se transformou no tema central de um dos escritores mais polêmicos do mundo
contemporâneo. O estudante ficou intrigado com a palavra "elohim", que em
aramaico quer dizer "deuses", no plural, mas em todas as traduções aparece no
singular quando se refere a Deus. As explicações dadas por seus professores não o
convenceram, e o rapaz passou a se inter essar profundamente pelo que as mais
remotas civilizações diziam a respeito dos deuses e do surgimento da inteligência
humana.
Erich von Däniken tinha então dezessete anos (ele nasceu em Zofingen, Suíça,
em 14 de abril de 1935), e quando lançou seu polêmico livr o, "Eram os deuses
astr onautas?", em 1968, o mundo todo reagiu ao impacto com curiosidade e
indignação. Com isso, Däniken se transformou no maior achado editorial de um
gênero ainda pouco explorado: os onze títulos que escreveu já venderam mais de
cinqüenta milhões de exemplares, tendo sido traduzidos para trinta e oito idiomas.
Além disso o autor ostenta o título de o mais lido na Alemanha Ocidental depois da
I GuerraMundial, sendo um dos autores mais lidos do mundo.
A herança profissional de Däniken, filho de uma família dedicada ao ramo da
hotelaria, facilitou-lhe a tarefa de transformar-se no escritor que decidiu ser . Em
1964, dirigia um hotelnuma estação de esqui suíça que só funcionavano inverno. O
resto do ano era empregado por ele em viagens de pesquisa e coleta de material
para a documentaçãode suas obras.
Desde o tempo de estudante, o autor defende a tese de que a T erra foi visitada
por seres extraterrestres, fato que a mitologia e as religiões registram, e isso o
obrigou — apesar de ter recebido rígida formação católica — a questionar várias
passagens da Bíblia.
Uma delas éa de queas Tábuas da Lei foramentreguesa Moisés por Deus,que
lhe apareceu precedido por raios e tr ovões. Däniken acha que Deus não precisaria
se valer de tanto barulho para ser visto por olhos humanos. Eque os raios etr ovões
só poderiam ter sido provocados por uma nave espacial, do que concluiu que as
tábuas com os dez mandamentos da lei de Deus foram entregues a Moisés por um
ser espacial. Outra afirmação que gerou acirradas polêmicas — inclusive da
Igr eja, queo acusa deateu — éa de queJesus não éfilho de Deus.Dänikenexplica
que Deus, um ser onipotente, não mandaria seu filho para ser sacrificado por
humanos.Acredita que Jesus existiu, que foi um grande líder político, mas daí a ser
apresentado como filho de Deus há uma grande distância. Däniken nega contestar
a Bíblia; afirma tão-somente que quer vê-la atualizada, e que essa atualização
supõe sempre a menção a seres de outros planetas em várias passagens do livr o
sagrado.
Apesar de gastar quase toda a fortuna que ganha com direitos autorais e
conferências nas viagensde pesquisa {jádeu dezenasde voltas ao mundo à procura
de locais e fatos que confirmem suas teses), Däniken nunca estudou arqueologia e
se orgulha disso: "Se o tivesse feito, teria ficado parado no tempo, vendo tudo com
os mesmos olhos que os cientistas. T enho muitos amigos arqueólogos e conheço
todas as versões das descobertas arqueológicas feitas no mundo. Sei que algumas
não têm nenhumsentido".
Prefere dar o nome de astr oarqueologia aos seus estudos e sente-se satisfeito
em saber que hoje alguns dos mais respeitáveis nomes da comunidade científica
internacional já estão pensandoduas vezesantesde chamá-lo de impostor .
Especializado em estudar contatos com extraterrestres naAntigüidade, tema de
todos os seus livr os, Däniken está convencido da existência de OVNIs apesar de
nunca ter visto nenhum, pois acredita em algumas pessoas que afirmam tê-los visto,
entre as quais o ex-pr esidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter , e sua mulher ,
Rosalynn.
"Eram os deuses astronautas?" (publicado pelo Círculo), "De volta às
estrelas", "Aparições","Ouro dosdeuses","A prova", "Deuses,espaçonaves
e T erra", "Estratégia dos deuses" e o "Dia em que os deuses chegaram"
(também publicado pelo Círculo) são alguns de seus milionários títulos,
esgotados logo após o lançamento e incontáveis vezes reeditados.


FIM.....

Nenhum comentário: