quinta-feira, dezembro 06, 2007

O Sábio do Tibete

Agora vou falar um pouco sobre um livro de 1986 de Lobsang Rampa muito bom e contem informações valiosas para se falar na ufolôgia e é uma conspiração muito boa. em algumas partes do livro os leitores vão notar que o que está cendo dito é impossivel mas mesmo assim faça um esforço pois vale a pena ler e conferir. eu li do inicio ao final e ainda dei minha conclusão de algumas partes no final. recomendo a leitura deste livro achei ótimo.





BOA LEITURA A TODOS.




Lobsang Rampa

O Sábio do Tibete












Tradução de

Francisco Manoel da Rocha Filho
2a EDIÇÃO

Editora Record

Título original inglês
TIBETAN SAGE
1980
Copyright (C) by T. Lobsang Rampa
Direitos de pblicação exclusiva em língua portuguesa em todo o mundo
adquiridos pela
DISTRBUIDORA RECORD DE SERVIÇOS DE IMPRENSA S. A
Rua Argentina 171 - 20921 - Rio de Janeiro, RJ
que se reserva a propriedade literária desta tradução
Impresso no Brasil


PREFÁCIO

Quando, há poucos anos atrás, escrevi em A Terceira
Visão que eu tinha voado em papagaios, as pessoas não me
levaram a sério e zombaram. A impressão era a de que eu
cometera um grande crime ao dizer isso. Mas agora -- bem,
agora é só olhar para cima e podemos ver pessoas voando
em papagaios. Alguns destes erguem-se a boa altura sobre as
águas rebocados por um barco veloz. Outros ainda são pilo-
tados por um só homem, que se coloca sobre a borda de um
penhasco ou outra elevação de terreno, e a seguir salta e se
põe realmente a voar num papagaio. Ninguém diz agora que
Lobsang Rampa tinha razão, mas certamente não ligaram
quando eu escrevi acerca de voar num papagaio.
Há um bom número de coisas que eram tidas como
"ficção científica" há poucos anos atrás, mas agora... bem,
agora são quase ocorrências diárias. Nós podemos contar
com um satélite espacial, e em Londres podemos captar os
programas de televisão produzidos nos Estados Unidos ou
no Japão. Eu predisse isso.
Também podemos ver, agora, um homem, ou melhor,
homens, caminhando na superfície lunar. Todos os meus li-
vros são verdadeiros, e aos poucos a verdade que encerram
tem sido provada.
Este livro não é uma novela. E não é ficção científica.
Representa a verdade absolutamente pura e simples do que

5

me aconteceu, e de novo reitero não haver nenhum exagero
por parte do autor nesta obra.
Digo que este livro é verídico, mas vocês podem, se
assim desejarem, toma-lo como ficção científica ou algo nes-
se género. Bem, tudo ótimo, vocês têm toda a liberdade de
se divertirem e classificá-lo de ficção científica, e talvez an-
tes que tenham realmente terminado de ler este livro algum
fato venha a ocorrer que irá provar a veracidade de meus es-
critos. Mas eu lhes direi agora que não responderei a quais-
quer perguntas acerca deste livro. Tenho recebido uma cor-
respondência muito volumosa acerca dos outros livros, e
meus correspondentes nem sequer anexam os selos para a
resposta e, com as tarifas postais altas como estão atualmen-
te, algumas vezes é mais oneroso responder à carta de um
leitor do que o que lhe custa para adquirir o livro.
Bem, aqui está o livro. Espero que gostem dele. Espe-
ro que o achem verossímil. Se não o considerarem como
tal, é possível que não tenham ainda alcançado o estágio ne-
cessário de evolução.

6

CAPITULO l

- LOBSANG! LOBSANG! - Eu parecia emergir das
profundezas de um sono provocado pela exaustão. Aquele
dia tinha sido terrível, mas agora - bem, eu estava sendo cha-
mado. De novo a voz irrompeu: - Lobsang! - Mas de recen-
te senti uma agitação a meu redor, abri meus olhos e pensei
que a montanha ia desabar sobre mim. Alguém estendeu a
mão e com um arrancão me removeu de meu recanto de re-
pouso e me trouxe rapidamente para o outro lado, bem a
tempo, realmente, porque uma rocha maciça, com as bordas
afiladas, já deslizava atrás de mim e já rasgara minha túnica.
Rapidamente me pus de pé e meio zonzo acompanhei quem
me salvara até um pequeno ressalto ao fim do qual havia um
eremitério bem pequeno.
À nossa volta pedras e neve vinham descendo da mon-
tanha. Subitamente, vimos a figura inclinada do velho ermi-
tão movendo-se em nossa direção tão depressa quanto podia.
Mas não pôde alcançar-nos, pois uma gigantesca massa de ro-
chas rolou do alto da montanha e levou de roldão o eremi-
tério e o ermitão, e a rocha saliente em que o refúgio estava
instalado. A rocha tinha cerca de sessenta metros de exten-
são, e foi varrida como uma folha o é durante uma ventania.
Meu guia, o Lama Mingyar Dondup, estava me segu-
rando firmemente pêlos ombros. Em nossa volta havia a es-
curidão, nem um cintilar de estrela, nem o brilho leve de uma
vela tremeluzindo nas casas de Lhasa. Tudo estava escuro.
7
Repentinamente formou-se uma verdadeira barragem
de pedras imensas, areia, neve e gelo. O ressalto sobre o qual
estávamos tão precariamente postados inclinava-se na dire-
ção da montanha, e nos sentimos deslizar, deslizar, com a
impressão de um escorregar sem fim, e finalmente viemos a
nos chocar com terreno sólido. Penso que por instantes tudo
se apagou à minha volta, porque então subitamente recupe-
rei os sentidos de novo, passando a refletir sobre as circuns-
tâncias que tinham motivado nossa ida àquele eremitério
tão distante.
Nós tínhamos estado no Potala entretendo-nos com
um telescópio que fora presenteado ao Dalai Lama como
uma amostra das boas intenções de um cavalheiro inglês. De
repente, vi flâmulas de alerta tremulando no flanco da mon-
tanha, bem no alto. Pareciam estar ondulando para signifi-
car uma espécie de código. Rapidamente passei o telescópio
a meu guia e apontei para as flâmulas ondulantes.
Ele ficou parado, o telescópio enfocando a parede
rochosa da parte mais alta do Potala. Permaneceu por algum
tempo olhando fixamente, e então me disse:
- O ermitão está necessitando de ajuda, ele está doen-
te. Vamos informar ao prior e dizer-lhe que estamos pron-
tos para ir lá. -- Bruscamente ele fechou o telescópio e o
passou para mim, dizendo que eu o colocasse de volta do
depósito das dádivas especiais recebidas pelo Dalai Lama.
Eu me apressei a obedecer, carregando o instrumen-
to, tomando cuidado para não tropeçar e deixar cair aque-
le telescópio, o primeiro que eu já tinha visto até então. E
a seguir, saí e enchi minha sacola com cevada, verificando
se minha isca de fazer lume estava em forma, e então fiquei
a andar de um lado para outro à espera do Lama Mingyar
Dondup..
Logo ele aparecia trazendo duas trouxas, uma delas
grande e pesada sobre seus ombros e outra menor, que co-
locou sobre meus próprios ombros.

8

- Nós iremos a cavalo até o sopé da montanha, e en-
tão teremos de fazer os cavalos voltarem para casa e subir...
subir. Será realmente uma penosa escalada, mas já a tenho
feito antes.
Montamos a cavalo e seguimos a passo até onde o Anel
Exterior de estradas contorna Lhasa. Logo alcançamos o cru-
zamento e, como sempre fazia, deitei um olhar de relance
na direção da casa onde tinha nascido. Mas não havia tempo
para pensar nisso agora, nós estávamos numa missão de so-
corro.
Os cavalos começaram a dar sinais de cansaço, a ofe-
gar e bufar. A subida era algo além das suas forças, suas pa-
tas resvalavam nas pedras. Por fim, após soltar um suspiro, o
Lama Mingyar Dondup disse:
- Bem, Lobsang, os cavalos ficam por aqui. De agora
em diante dependeremos de nossos pés fatigados.
Desmontamos e o lama deu umas palmadinhas nas
ancas dos dois animais e os concitou a voltarem dali. Eles
giraram e se puseram a trotar ao longo do caminho de volta,
com ânimo renovado diante da perspectiva de irem para ca-
sa ao invés de terem que empreender a escalada.
Ajeitamos nossas trouxas e checamos nossos pesados
bastões, pois qualquer rachadura ou outra falha que se apre-
sentasse poderia ser-nos fatal; e também verificamos as ou-
tras coisas que estávamos carregando. Tínhamos nossa pe-
derneira e nossa isca de fazer lume, nossos suprimentos de
boca, e assim, depois de examiná-los, sem um único olhar
para trás, iniciamos a escalada, a difícil escalada daquela ín-
greme montanha rochosa. Esta parecia ser feita de vidro, de
tão dura e tão escorregadia. Aferrávamos mãos e pés em
qualquer pequena fenda e, aos poucos, esfolando nossas ca-
nelas e arranhando nossas mãos, abrimos caminho até um
ressalto. Ali paramos por uns momentos a fim de recuperar
o fôlego e nossas forças. Um veio d'água escorria de uma
fenda na rocha e assim pudemos matar a sede, e a seguir
fizemos uma frugal tsampa. Não foi muito saborosa, pois

9

teve que ser preparada com água muito fria, e ali não havia
espaço para fazer fogo. Mas após essa tsampa e uns goles
d'água nos sentimos revigorados e conversamos sobre qual
o caminho melhor para continuar a escalada. A superfície
do terreno era lisa, e parecia impossível que alguém jamais
pudesse subir até aquela fachada rochosa, mas procedemos
como outros já tinham feito antes de nós. Aos poucos fo-
mos avançando, centímetro por centímetro acima, e gra-
dualmente a pequenina mancha que nos era visível tornou-
se cada vez maior até que pudemos ver rochas separadas que
formavam o eremitério.
O eremitério estava empoleirado sobre a extremidade
de um contraforte rochoso que se projetava de um dos la-
dos da montanha. Subimos esse contraforte encimando-nos,
e depois, com imenso esforço, alcançamos o lado do espo-
rão rochoso onde sentamos por alguns momentos, respiran-
do com dificuldade porque estávamos agora bem alto, aci-
ma da planície de Lhasa, e o ar ali era rarefeito e intensa-
mente frio. Por fim, nos sentimos capazes de nos erguer de
novo, e empreendemos nossa caminhada, muito mais facil-
mente dessa vez, até alcançarmos a entrada do eremitério.

O velho ermitão apareceu à porta. Olhei para o interior e
me senti muito espantado com seu reduzido tamanho. Ali,
realmente, não havia espaço para três pessoas e assim me
conformei em permanecer do lado de fora. O Lama Min-
gyar Dondup me deu sua aprovação, e me afastei assim
que a porta se fechou atrás dele.
A natureza tem que ser atendida todas as vezes em
que se toma necessário, e algumas ela pode ser muito pre-
mente, assim andei em volta à procura de "instalações sa-
nitárias". E exatamente na borda daquele ressalto rochoso
havia uma rocha achatada projetando-se mesmo mais adian-
te. Havia uma cova bem conveniente ali que, como pude
ver, fora feita por mãos humanas ou alargada pelo homem.
Assim que me agachei sobre aquele buraco pude encontrar
uma solução para algo que até ali estivera me intrigando:

10

em nosso caminho de ascensão tínhamos passado por mon-
tículos realmente singulares e que pareciam fragmentos
amarelados de gelo, alguns deles se assemelhando a bastone-
tes de gelo amarelados. Agora me conscientizava de que
aqueles montículos muito curiosos eram a evidência de que
homens tinham vivido no eremitério por algum tempo, e eu,
exultante, acrescentei minha própria contribuição...
Satisfeita minha necessidade, vagueei por ali e achei a
rocha excessivamente resvaladiça. Mas segui ao longo do ca-
minho e fui ter ao que era evidentemente uma rocha móvel.
Tinha o formato de uma lousa, e me perguntei sem qual-
quer legítimo interesse por que estaria aquela rocha naquela
posição especial. Curioso como sou, examinei a rocha com
uma atenção maior do que a habitual, e descobri que meu
interesse crescera porque era claro que aquilo era obra hu-
mana, e no entanto como poderia ter sido provocada por
mãos humanas? A rocha estava numa posição bastante es-
tranha. Dei apenas um irrefletido pontapé na rocha, esque-
cendo-me de que estava descalço. Assim, esfreguei meu pés
feridos por alguns instantes e depois me afastei da tal rocha

para examinar o lado oposto, aquele que eu e o lama tínha-
mos escalado.
Era absolutamente espantoso e quase inacreditável
pensar que tínhamos subido até aquela fachada perpendicu-
lar. Esta se parecia com uma lâmina de rocha polida quando
olhei para baixo, e me senti francamente nauseado ante a
perspectiva de empreender a descida.
Abaixei-me para procurar às apalpadelas minha peder-
neira e a isca de fazer lume e me movi às sacudidelas para
me conscientizar plenamente da minha presente situação.
Estava ali, em alguma parte do interior da montanha, sem
roupas, sem a vital cevada e minha tigela, além da pedernei-
ra. Devo ter murmurado alguma exclamação como a de um
não-budista porque ouvi um sussurro:
-- Lobsang, Lobsang, você está bem?

11

Ah! Meu guia, o Lama Mingyar Dondup, estava ali co-
migo. Imediatamente eu me tranquilizei, e retruquei:
- Sim, eu estou aqui, penso que tonteei e caí, e perdi
minha túnica e todos os meus pertences, e não tenho a mí-
nima ideia de onde estamos ou de como iremos sair daqui.
- Vi que o lama estava caído, praticamente sob uma gran-
de pedra. - Precisamos de alguma luz para ver o que pode
ser feito acerca de suas pernas, mestre.
- Eu conheço esta passagem muito bem - ele disse.
- O velho ermitão era o guardião de grandes segredos do
passado e do futuro. Aqui está a história do mundo desde
seus primórdios até seu término. - Fez uma curta pausa e
então disse: - Se você tatear a parede à sua esquerda e se-
guir adiante encontrará uma saliência na rocha. Então, se
empurrar com força essa aresta a rocha deslizará para trás e
lhe dará acesso a um grande recanto onde encontrará rou-
pas de sobra e um bom estoque de cevada. A primeira coi-
sã que tem a fazer é abrir o armário de parede e procurar
pederneira e isca de fazer lume, e velas. Você as encontrará
na terceira gaveta da parte inferior. Se tivermos lume pode-
remos saber como ajudar um ao outro.
Com muito cuidado, contornei o ponto onde se acha-

vá caído o lama e então toquei a parede à esquerda da pas-
sagem. Parecia ser uma tarefa vã, a parede era excessivamen-
te lisa, tão polida como se tivesse sido trabalhada por mãos
humanas.
Mas quando eu estava prestes a desistir, meus dedos
tocaram uma aresta rochosa. Na realidade, eu bati com os
nós dos dedos naquela saliência, ralando-os. Mas empurrei
e empurrei, conforme me dissera o lama, até pensar que
seria incapaz de alcançar o que estaria no armário. Com um
esforço maior, a rocha finalmente deslizou para um lado
com um ruído assustador. Sim, ali estava à vista o armário
de parede, e eu pude perceber as gavetas. Concentrei-me
primeiro na terceira na parte de baixo. Ali estavam lampari-
nas de óleo, e localizei também a pederneira e a isca de fa-
12

zer lume. Este estava bem seco e imediatamente fez fogo.
Acendi o pavio de uma vela antes que a isca se extinguisse,
pois já estava quase me queimando os dedos.
-- Duas velas, Lobsang, uma para você e a outra para
mim. Há um grande sortimento delas aí, e suprimentos que
durarão, se necessário for, para uma semana.
O lama mergulhou em silêncio, e eu olhei em volta pa-
ra ver o que havia no armário que nós poderíamos usar, e en-
tão vi uma haste metálica, de ferro a meu ver, e verifiquei
que mal podia erguê-la. Mas me pareceu que com uma haste
daquelas seria possível remover a grande pedra errática que
caíra sobre as pernas do lama. Assim, voltei com a vela e
disse ao lama o que eu pretendia fazer. Então, retomei para
apanhar a barra metálica. Parecia ser o único meio de livrar
meu guia e amigo da pressão exercida sobre ele por aquela
pedra.
Acercando-me da grande pedra enfiei por baixo da
mesma a ponta da barra metálica e, com o esforço combinado
de mãos e joelhos, tentei ver como poderia usá-la como ala-
vanca. Havia um grande número de pedras em volta, mas eu
duvidava de minhas próprias forças. Afinal, mal conseguira
erguer aquela barra simples, mas eventualmente me ocorreu

outro recurso: se eu desse ao lama uma outra barra ele po-
deria talvez empurrar uma pedra sob a rocha maior se eu
conseguisse alçá-la um pouquinho. Ele concordou comigo,
dizendo que aquilo seria possível, e disse:
-- É a única coisa que podemos fazer, Lobsang, por-
que se eu não puder me livrar desta grande pedra meus os-
sos aqui ficarão para sempre; assim, vamos concentrar-nos
nessa tentativa.
Encontrei uma pedra quadrada, conveniente para o
caso, de uma espessura de quatro mãos juntas. Eu a colo-
quei no chão contra a pedra maior e então dei uma vara de
madeira para o lama fazer a sua parte na tarefa. Decidimos
que caso eu pudesse erguer a grande pedra o lama seria ca-
paz de empurrar a outra pedra quadrada por baixo e isso
nos daria uma folga suficiente para livrar-lhe as pernas.

13

Eu pousei o olhar atentamente na grande pedra onde
ela se achava no solo para ver se havia algum ponto onde
poderia inserir com segurança a barra metálica. Por fim en-
contrei tal lugar, e empurrei a ponta da barra o máximo que
pude sob a rocha. Era uma coisa simples agora procurar e
achar uma outra pedra que eu pudesse colocar sob a barra,
próximo de sua ponta.
-- Pronto -- gritei quase ensurdecido com o eco então
produzido, e forcei a barra para baixo com todas as minhas
forças e todo o meu peso.
Mas não, ela não se moveu, eu não era forte o bastan-
te; assim, descansei por um instante e a seguir olhei em vol-
ta em busca da pedra mais pesada que pudesse levantar. Quan-
do a encontrei, tratei de erguê-la e a levei até à barra de fer-
ro. Ali eu a equilibrei sobre a ponta da barra e coloquei to-
do o meu peso sobre a outra extremidade da barra, seguran-
do esta ao mesmo tempo para impedi-la de sair do lugar. Pa-
rã minha satisfação houve um leve ruído e um pequeno es-
tremecimento, e então, lentamente, a barra moveu-se, bai-
xando ao nível do solo. O Lama Mingyar Dondup exclamou:
-- Está tudo bem, Lobsang, eu retirei o bloco de pe-

debaixo e você pode largar a barra agora, já podemos li-
vrar minhas pernas.
Senti-me muito contente, e me movi para trás para o
outro lado da grande pedra errática. Sim, as pernas do lama
estavam livres agora, mas se achavam em carne viva e sangra-
vam. E tememos que estivessem fraturadas. Muito devagar,
com extremo cuidado, tentamos mover suas pernas, e o lama
pôde movê-las assim que eu me abaixei e, de gatinhas, sob a
grande pedra ligeiramente erguida, consegui alcançar os pés
do meu guia. Então ele sugeriu que poderia erguer-se sozi-
nho com a ajuda dos cotovelos, e tentar mover-se para trás
enquanto eu ativava a circulação das solas de seus pés. Deva-
gar, bem devagar, toquei seus pés e ficou evidenciado que,
conquanto as lacerações da pele fossem profundas, não ha-
via ossos quebrados.

14

O lama desistiu de tentar arrastar-se sozinho para fo-
ra daquela pedra enorme. Era algo muito difícil, e eu tive
que puxar com todas as minhas forças agarrando-lhe os pés
e dobrando suas pernas um pouco para evitar um afloramen-
to de pedra sob a rocha. Esse afloramento, supus, fora a úni-
ca coisa que evitara que as pernas do lama tivessem sido li-
teralmente esfaceladas, e agora estava nos causando um pro-
blema. Mas por fim, com um longo suspiro de alívio, as per-
nas do lama ficaram inteiramente livres e eu engatinhei so-
bre a rocha para ajudá-lo a sentar-se num ressalto rochoso.
Duas pequenas velas não ajudavam muito, portanto
eu voltei até onde estava o tal armário de parede e recolhi
mais meia dúzia, usando uma espécie de cesta para carregar
mais coisas.
Acendemos então todas as velas e examinei as pernas
do lama cuidadosamente; estavam praticamente retalhadas.
Dos tornozelos aos joelhos estavam muito raladas, e dos joe-
lhos até os pés a carne fora muito afetada, pois tinha sofri-
do cortes profundos.
O lama me disse para voltar e apanhar alguns pedaços

de pano que estavam numa caixa, e me pediu também para
trazer um pote com uma pasta especial. Ele a descreveu com
exatidâo, e eu logo estava de volta com o pote, os panos, e
mais umas poucas coisas. O Lama Mingyar Dondup ficou
muito satisfeito ao ver que eu trouxera também um líquido
desinfetante. Lavei então suas pernas dos quadris até os pés,
e depois, por sugestão dele, tratei de recolocar no lugar de-
vido as tiras de carne retalhadas, cobrindo os ossos das per-
nas. Estes se entremostravam muito nitidamente, assim eu
os recobri com as camadas de pele esfolada e então "colei"
a carne na posição devida usando o unguento que tinha tra-
zido. Após cerca de meia hora o unguento se achava quase
seco e as pernas do lama pareciam estar moldadas.
Rasguei alguns dos panos em tiras e enrolei estas em
tomo das pernas de meu guia para ajudar a manter o "em-
plastro" no lugar. Então levei todas as coisas que usara de

15

volta ao armário de parede, com exceção apenas das velas,
oito ao todo. Acendemos seis e guardamos as demais no in-
terior de nossas túnicas.
Apanhei do chão nossos dois cajados de madeira e os
dei ao lama, que os aceitou gratificado. Então, eu disse:
-- Vou me mover até o outro lado da rocha e assim se-
rei capaz de ver como faremos para poder retirar o senhor
daqui.
O lama sorriu e disse:
-- Eu conheço tudo sobre este lugar, Lobsang, isto
tem estado como está aqui há um milhão de anos, e foi
construído por pessoas que originariamente povoaram este
nosso país. Contanto que nenhuma rocha haja deslizado e
bloqueado o caminho, nós estaremos em bastante segurança
por uma semana ou duas.
Ele fez um gesto na direção do exterior e disse
-- Acho improvável que possamos conseguir sair por
aquele caminho, e se não pudermos escapar através de um
dos orifícios vulcânicos, aí então, dentro de mil anos mais

ou menos, alguns exploradores irão encontrar dois interes-
santes esqueletos sobre os quais terão o que conjeturar.
Eu me movi adiante passando pelo enorme lado do
túnel e o trecho onde se achava a rocha errática, e a passa-
gem deixada ali era tão estreita que me perguntei como o
lama poderia mover-se por ali. Ainda assim, conjeturei, on-
de há a força da vontade há um caminho, e cheguei à con-
clusão de que se eu me agachasse na parte baixa do ressalto
o lama poderia encarapitar-se sobre meus ombros. Assim
numa posição mais alta, suas pernas e quadris poderiam pas-
sar pela protuberância maior do penedo errático. Quando
sugeri esse recurso, ele se mostrou relutante, muito relutan-
te, dizendo que seria pesado demais para mim, mas após
umas poucas e penosas tentativas, o lama chegou à conclu-
são de que não havia realmente nenhum outro recurso se-
não aquele. Assim, eu empilhei algumas pedras sobre a ro-
cha para achar uma posição melhor para me agachar. E en-
16

tão, quando me pus de cócoras, disse ao lama que estava
pronto. Com muita rapidez, ele pousou um dos pés no meu
quadril direito e o outro em meu ombro esquerdo. E num
movimento muito rápido passou por sobre a rocha e se achou
no trecho desimpedido, do outro lado. Eu me aprumei e vi
que o lama estava transpirando muito devido à dor e ao re-
ceio de que pudesse me ter ferido.
Sentamos por alguns instantes para recuperar nosso
fôlego e nossas energias. Não podíamos fazer uma refeição,
pois tínhamos perdido nossas gamelas e também nossa ceva-
da, mas me lembrei de ter visto tais coisas naquele armário
de pedra. E uma vez mais retornei ao paredão rochoso e re-
busquei até encontrar, entre as tigelas de madeira, uma me-
lhor que reservei para o lama e uma outra para mim. Então
limpei as duas, esfregando-as com areia fina que havia em
abundância naquele túnel.
Deixei numa prateleira, lado a lado, as duas tigelas, e
a seguir depositei nas mesmas uma quantidade adequada de
cevada que retirei do que estava guardado no armário. De-
pois disso restava simplesmente a tarefa de acender uma pe-
quena fogueira - no armário embutido encontrara a peder-
neira e a isca necessárias, e lenha também - e aí então, com
uma porção de manteiga, que eu retirara do armário de pedra,
fizemos a mistura glutinosa que chamamos de tsampa. Sem
dizer uma palavra nos sentamos e fizemos aquela frugal re-
feição. Logo depois nos sentíamos muito melhor e aptos a
caminhar.
Verifiquei nossos suprimentos, agora renovados graças
ao armário do depósito, e, além disso, dispúnhamos agora
de uma tigela cada um, pederneira e isca, de fazer lume, e
duas sacolas cheias de cevada. E isso era realmente tudo que
possuíamos no mundo, exceto os dois sólidos cajados de
madeira.
Uma vez mais nos pusemos a caminhar, com o corpo
moído e machucado, e após o que pareceu uma eternidade
chegamos até uma grande pedra exatamente colocada de la-

17

do a lado da passagem, no final do túnel, como eu supus.
Mas o lama disse:
-- Não, não, este não é o fim, empurre a parte inferior
daquela grande laje e ela se inclinará; então, se nos abaixar-
mos, poderemos passar.
Eu pressionei a laje como me fora dito, e com um ter-
rível estalido a lousa moveu-se, ficando numa posição hori-
zontal, na qual permaneceu. Eu a mantive segura por via das
dúvidas enquanto o lama passava por baixo, agachado, com
esforço. Eu o segui e então empurrei de novo a lousa para
baixo recolocando-a na posição correia.
A densa escuridão não era em nada atenuada pelas
duas pequenas velas que segurávamos. Aí o Lama Mingyar
Dondup disse:
-- Apague sua vela, Lobsang, e eu farei o mesmo com
a minha, então nós veremos a luz do dia.
Ver a luz do dia! Pensei que a experiência por ele vivi-
da e a dor que devia estar sentindo deviam ter-lhe produzi-
do alucinações dos sentidos, contudo soprei minha vela e
por instantes pude sentir o cheiro ativo do pavio saturado
de manteiga rançosa.
-- Agora aguardaremos alguns instantes apenas e en-
tão teremos toda a luz que desejamos -- disse o lama.
Fiquei ali parado me sentindo como um completo
idiota, em meio ao que era agora a mais perfeita escuridão,
sem o menor sinal de claridade vinda de qualquer parte. Eu
poderia tê-la chamado de "escuridão sonante", porque tudo
ali parecia soar de modo profundo, pesado, mas isso foi apa-
gado de minha mente assim que vi o que parecia ser um nas-
cer de sol. Acima de um lado do que era aparentemente um
aposento uma bola brilhante apareceu. Era vermelha e pare-
cia metal em brasa. Rapidamente a cor vermelha tornou-se
amarela, a seguir esbranquiçou-se e por fim mesclou-se ao
azul de um dia claro. Logo tudo ficou à vista na mais com-
pleta realidade. Fiquei ali parado, de boca aberta, maravi-
lhado com o que eu via. Aquele quarto, ou fosse o que fosse,

18

ocupava um espaço maior do que o ocupado pelo Potala, es-
te poderia caber dentro daquele recinto. A luz era brilhante,
e eu me achava quase hipnotizado pelas decorações das pa-
redes e pelas estranhas coisas que enchiam o solo sem dar
espaço a quem por ali caminhasse.
- Um lugar surpreendente, hem, Lobsang? Isto foi
feito há um número de anos maior do que a mente do Ho-
mem pode abarcar. Era usado como a sede principal de uma
raça especial que podia viajar pelo espaço e empreender quase
tudo mais. Milhões de anos se foram mas isto ainda funcio-
na, tudo permanece intacto. Alguns de nós ficamos conheci-
dos como os Guardiães do Templo Interior; e este é o Tem-
plo Interior.
Eu me adiantei para examinar a parede mais próxima,
e ela me pareceu estar recoberta com inscrições de alguma
espécie, inscrições que, instintivamente, percebi que não ha-
viam sido feitas por nenhuma raça terrestre. O lama captou
por telepatia meus pensamentos e disse:

-- Sim, isto foi construído pela Raça de Jardineiros
que trouxeram seres humanos e animais para este mundo. --
Parou de falar e apontou para uma caixa disposta na parede
a pouca distância de nós. Aí disse: -- Pode ir até aquele mó-
vel e me trazer duas varas com outra menor ligando-as na
extremidade superior?
Obedientemente, me acerquei do armário que ele me
indicara. A porta abriu facilmente e fiquei inteiramente fas-
cinado pelo que estava contido ali. Parecia estar cheio de
coisas para uso médico. A um canto havia várias das forque-
tas mencionadas pelo lama. Apanhei duas, e vi que pode-
riam suportar bem o peso de um homem, como muletas,
conquanto eu não as conhecesse por esse nome então. Le-
vei as duas varas resistentes para o lama e este imediatamen-
te colocou as duas forquetas sob suas axilas, nelas se apoian-
do. E a meio caminho entre a ponta superior e a inferior das
varas havia uma espécie de suporte para se apor as mãos. O
Lama Mingyar Dondup segurou as hastes de suporte e disse:

19

- Como vê, Lobsang, estas coisas ajudam os aleijados
a caminhar. Agora eu posso ir até aquele armário e aplicar
uma pomada apropriada em minhas pernas. E então serei
capaz de me locomover como de costume enquanto as feri-
das cicatrizam e a pele volta a recobrir naturalmente os ossos.
Ele se movimentou, e, curioso como sou por natureza,
, caminhei a seu lado. Aí o ouvi dizer:
- Apanhe nossos bordões e os coloque neste canto
para que possamos tê-los à mão quando precisarmos deles.
Ele se voltou e continuou a remexer no interior do ar-
mário. Eu me afastei também, e fui recolher nossos cajados,
deixando-os então apoiados a um canto perto do armário.
- Lobsang, Lobsang, acha que pode carregar nossas
mochilas e aquela haste de aço? Sim, ela não é de ferro, co-
mo você pensou, mas de algo muito mais duro e forte, cha-
mado aço.
Voltei-me de novo e me aproximei daquela laje móvel
que nos facultara a entrada. Pressionei-a, empurrando a par-

te superior, e ela girou até ficar na posição horizontal e imó-
vel. Não me custou nenhum esforço passar agachado sob a
lousa mantida na posição horizontal. Aquela luz era uma
bênção, uma verdadeira bênção porque abria uma esteira
luminosa até aquele túnel que eu já conhecia. E pude ver
então o caminho que percorrera junto àquele lado do túnel
e também a grande pedra errática que nos tinha causado
tantos problemas. Nossas trouxas com todas as nossas redu-
zidas posses estavam no lado oposto, assim, com dificuldade,
consegui contornar a grande pedra e alcancei as sacolas. Elas
pareciam surpreendentemente pesadas, e creditei isso ao es-
tado de enfraquecimento em que estava por falta de alimen-
tacão adequada. Primeiramente, coloquei às costas as duas
sacolas, levando-as até o interior do corredor, onde as dei-
xei, voltando então para recolher a barra de aço. Mal podia
erguê-la, o esforço me fez gemer e resmungar como um ho-
mem idoso, assim deixei uma das pontas da barra tocar o
chão e segurei a outra extremidade com ambas as mãos.

21


encantei com seu sabor. Era realmente um sabor muito agra-
dável, e senti que as forças me voltavam e que meu mau hu-
mor sombrio se dissipava. Depois de esvaziar minha tigela,
o lama disse:
- Já comeu o suficiente, Lobsang? Pode comer tanto
quanto desejar, há muitos suprimentos aqui, o bastante, de
fato, para alimentar uma pequena lamaseria (convento de
lamas). Eu lhe falarei sobre isso em outra ocasião, mas ago-
ra, não gostaria de comer mais um pouco?
-Oh, sim, obrigado! Certamente gostaria de comer
mais um pouco, isto tem um gosto bem agradável. Até hoje
nunca tinha provado nada assim.
O lama conteve o riso assim que se voltou para encher
de novo minha tigela, e aí então realmente deu curso livre
ao riso.
-Veja, Lobsang, olhe bem para esta garrafa. É do
melhor conhaque, reservado especialmente para fins medicinais.
Penso que podemos encarar nosso encarceramento aqui

como uma justificativa para usar um pouco deste conhaque
a fim de dar sabor à tsampa.
Peguei a tigela que ele estendera para mim e apreciei
devidamente o cheiro que dela se desprendia, mas ao mes-
mo tempo experimentei certa dúvida porque sempre me ha-
viam ensinado que aqueles licores embriagadores eram obra
dos demónios, e agora eu estava sendo estimulado a prová-
lo. Não importa, pensei então, seu uso quando alguém não
se sente bem-disposto.
Eu me pus a comer e logo depois me senti muito con-
fuso. Bem, como sabem, nós só usávamos nossos dedos pa-
ra comer, não dispondo de nada parecido com uma faca,
garfo ou colher, nem mesmo pauzinhos usados pêlos chine-
neses, e após as refeições costumávamos lavar nossas mãos
com areia fina que removia a gordura das tsampas com ma-
ravilhosa eficiência, mas que às vezes esfolava nossa pele se
fizéssemos tal limpeza com muito vigor.
Esvaziei a tigela de tsampa, usando não os dedos, ape-

22

nas, mas também a palma da minha mão direita, e então de
repente - sem qualquer aviso - caí para trás. Prefiro dizer
que pegara no sono de repente devido a um cansaço exces-
sivo, mas o lama disse que eu estava muito embriagado quan-
do mais tarde» contou rindo o que se passara ao abade Bê-
bado ou não, eu dormi bastante, e quando acordei aquela ?
maravilhosa luz dourada ainda banhava o aposento. Esgazeei
o olhar para. .. bem, suponho que fosse o teto, mas este es-
tava tão alto que eu não podia dizer ao certo onde se acha-
va. Aquele era realmente um imenso quarto, como se a mon-
tanha inteira fosse oca.
- É a luz do sol, Lobsang, a luz do sol, e ela irá atuar
vinte e quatro horas por dia. A luz que produz é absoluta-
mente desprovida de calor, a temperatura é precisamente a
mesma do ar que nos rodeia. Não acha que é melhor contar-
mos com uma luz como esta em vez de velas fumarentas?
Olhei em volta de novo e simplesmente não consegui
entender como ali podia haver luz solar se nós estávamos
num recinto interno rochoso, e expressei minha incompre-

Iensao ao lama que disse:
Sim esta é a maravilha das maravilhas, sempre sou-
be disso, mas ninguém sabe como ela opera. Luz fria é uma
invenção miraculosa, e isso foi inventado ou descoberto há
um milhão de anos mais ou menos. Eles desenvolveram um
método de armazenar a luz solar, e de torná-la operante mes-
mo nas noites mais escuras. Não há nada assim na cidade
nem no templo porque nós simplesmente não sabemos co-
obtê-la. Este é o único lugar que eu conheço onde há es-
se tipo de iluminação.
- Um milhão de anos ou mais, diz o senhor. Isso qua-
se ultrapassa os limites da minha compreensão. Penso que
-isso é como um algarismo, um um ou um dois ou um três,
ou alguma coisa assim, seguido por um certo número de ze-
os, seis a meu ver, mas isso é somente uma conjetura e, se-
;já como for, trata-se de uma quantidade numérica tão vasta
que eu não posso apreendê-la. Não tem signifícado algum para

23

mim. Dez anos, vinte, isto sim, posso contar, mais além...
não.
O lama permaneceu silencioso e eu então disse:
-- Como foi feito este aposento?
E deslizei ao acaso meus dedos sobre alguma das ins-
crições feitas na parede. Saltei para trás assustado assim que
um certo clique foi emitido e uma parte da parede deslizou
para trás.
-- Lobsang! Lobsang! Você acaba de fazer uma desco-
berta. Nenhum de nós que já esteve aqui antes sabia que ha-
via um outro aposento anexo a este.
Cautelosamente espiamos pela abertura, e assim que
nossas cabeças passaram sob o umbral a luz avançou, e eu
notei que logo que deixávamos o primeiro grande quarto a
luz dali se esvaía com a nossa ausência.
Olhamos em derredor quase temerosos de nos mover-
mos, porque desconhecíamos que perigos haveria ali ou em
que armadilhas poderíamos cair, mas eventualmente nos ar-
mamos de coragem e caminhamos até uma grande "coisa"

situada no centro do aposento. Era uma espantosa estrutu-
ra. Certa vez tinha sido brilhante, mas agora apresentava bri-
lho embaçado, duro, acinzentado. Tinha a altura aproxima-
da de cinco homens altos, e se parecia de algum modo com
dois pratos, um em cima do outro. Caminhamos em volta e
a um lado mais distante vimos uma escada de metal cinza
estendida desde a entrada daquele engenho até o solo. Eu
me precipitei para ela, esquecido de que como um jovem
iniciante nas Ordens Sagradas deveria demonstrar mais com-
postura. Mas avancei e apressadamente subi a escada sem
me preocupar em verificar se a mesma estava fixada com se-
gurança. Estava. Uma vez mais, assim que minha cabeça blo-
queou o vão da porta, as luzes se produziram dentro daque-
le engenho. O Lama Mingyar Dondup, para não ficar para
trás, subiu até o interior da máquina e disse:
-- Ah, Lobsang, isto é uma das carruagens aladas dos
deuses. Você já as tem visto passar, não é assim?

24

- oh» sim, senhor. Pensei que nelas iam os deuses atra-
vessando nossa terra para ver se tudo estava em ordem, mas,
é claro, nunca tinha visto um desses veículos tão de perto
como agora.

25

CAPITULO 2

Olhamos à nossa volta e nos pareceu estarmos numa
espécie de corredor a cujos lados se alinhavam armários ou
escaninhos, ou algo similar. Fosse o que fosse, experimentei
puxar uma alça e uma grande gaveta abriu-se tão suavemen-
te como se tivesse sido feita recentemente. Dentro havia to-
da espécie de estranhos dispositivos. O Lama Mingyar Don-
dup espiou por cima de meu ombro, pegou uma das peças
ali contidas e disse:
-- Ah! Isto devem ser peças de reposição. Não tenho
dúvida de que esses armários contêm peças extras em núme-
ro suficiente para fazer esse engenho funcionar novamente.
Nós fechamos a gaveta, e nos movemos de novo. A
luz moveu-se à nossa frente e ofuscou-se assim que avança-
mos mais, e logo alcançávamos um grande aposento. Assim
que nele entramos, tornou-se brilhantemente iluminado, e
abrimos um olhar de surpresa. Aquela era obviamente a sa-
la de controle do engenho misterioso, mas o que nos deixou
boquiabertos foi o fato de haver homens ali. Um deles esta-
va sentado no que supus ser o assento de controle e estava
olhando para um medidor num painel à sua frente. Havia
ali um bom número de medidores, e conjeturei que ele esta-
va ultimando uma decolagem. E disse:
--Mas como podem esses homens ter um milhão de
anos? Eles parecem vivos, mas profundamente adormecidos.
Havia um outro homem sentado numa mesa e com al-
26

gumas grandes cartas de navegação à sua frente. Ele manti-
nha a cabeça apoiada em suas mãos e os cotovelos descan-

sando sobre a mesa. Eu e o lama trocamos palavras sussur-
radas. Era espantoso, e nossa ciência nada significava senão
uma caricatura comparada com aquilo que víamos.
O Lama Mingyar Dondup segurou pelo ombro uma
daquelas figuras estáticas e disse:
-- Penso que esses homens estão de alguma forma
com suas funções vitais suspensas. Penso que eles podem ser
trazidos de volta à vida, mas não sei como fazé-lo, desconhe-
ço o que aconteceria se eu não procedesse de modo conve-
niente. Como sabe, Lobsang, há outras cavernas nesta cadeia
montanhosa e nós visitamos uma onde há instrumentos co-
mo escadas que, aparentemente, operam mecanicamente.
Mas isso supera tudo que já pude ver, e na qualidade de um
dos lamas mais graduados e que é responsável pela manuten-
ção disto tudo intato, posso dizer-lhe que o que aqui vimos
é o mais maravilhoso de tudo, e me pergunto se haverá ou-
tras saliências nas paredes que possamos comprimir descor-
tinando-nos novos aposentos. Mas vamos dar uma boa olha-
da nisto primeiro. Dispomos de cerca de uma semana, por-
que acho que precisarei no mínimo desse tempo para estar
em condições de descer a montanha.
Ficamos andando em volta das outras figuras, sete ao
todo, e todas dando a impressão de estarem prontas para
uma decolagem quando algo assustador ocorresse. A impres-
são era a de que tivesse ocorrido ali um terremoto em outros
tempos, que precipitara a queda de pesadas rochas sobre o
que fora provavelmente uma rocha deslizante.
O lama parou e se acercou de um outro homem que
segurava um livro -- na realidade uma agenda. Evidentemen-
te ele tinha estado fazendo um registro de ocorrências, mas
não podíamos ler o que ali estava escrito, afinal não tínha-
mos nenhuma base para julgar que aquelas coisas escritas
eram letras, ideogramas, ou mesmo apenas símbolos técni-
cos. O lama disse:

27


-- Em todas as nossas pesquisas não descobrimos nada
que nos habilitasse a traduzir. . . espere um instante -- ele
disse com um toque de excitação na voz que não lhe era ha-
bitual -- imagino que esta coisa aqui seja um aparato para
emitir um registro. Naturalmente, não suponho que irá fun-
cionar após todos esses anos, mas vamos tentar.
Juntos nos movemos em torno do aparelho que ele
mencionara. Vimos tratar-se de algo em feitio de caixa, e na
metade inferior desta havia um fio que se estendia à sua vol-
ta. Fizemos a experiência de empurrar para cima a superfí-
cie por sobre o fio, e, para nossa satisfação, a caixa se abriu,
e em seu interior havia um mecanismo de carretéis e uma
coisa que parecia ser uma fita metálica que se enrolava em um
carretel passando para outro. O Lama Mingyar Dondup
olhou com atenção para os botões de contato dispersos ao
longo do painel da frente. Subitamente, demos um salto to-
mados de surpresa; quase nos pusemos a correr, porque uma
voz acabara de se fazer ouvir vinda do alto da caixa, uma
voz muito estranha, bastante diferente da nossa. Soava co-
mo uma leitura feita em língua estrangeira, e o que ele lia
nós não sabíamos. E então -- para nova surpresa nossa --
sons brotaram da tal caixa, musicais eu supus, mas para nós
soava de todo dissonante. Então meu guia apertou um ou-
tro botão e o ruído cessou.
Ambos nos sentíamos exaustos sobremaneira com o
que tínhamos descoberto e por um excesso de excitamento,
assim nos sentamos no que eram obviamente cadeiras, e me
senti em pânico porque me pareceu afundar naquela cadeira
como se estivesse na realidade sentado no ar. Assim que nos
recuperamos daquele impacto, o Lama Mingyar Dondup
disse:
-- Talvez fosse bom fazermos nossa tsampa agora pa-
ra revigorar-nos, pois acho que ambos estamos exaustos. --
Ele olhou em volta para ver onde poderíamos acender o fo-
go para aquecer nossa tsampa, e sua busca logo foi recom-
pensada porque havia um cubículo fora da sala de controle.

28

E assim que ali entrou a luz se acendeu. E ele disse: -- Creio
que era aqui que eles deviam preparar suas refeições, porque
todos esses botões não estão aí como decoração, eles têm
alguma finalidade utilitária.
O lama apontou para um botão onde se via gravado o
desenho de uma mão fazendo um gesto de "pare". Um ou-
tro botão ostentava o desenho de uma chama, e foi este que
o lama empurrou. E acima daquele instrumento viam-se va-
silhas diversas de metal. Apanhamos uma.
Mas dessa vez estávamos sentindo calor, e o lama mo-
veu uma das mãos em sentido abrangente e finalmente disse:
-- Aí está, Lobsang, sinta isto, é o calor necessário pa-
ra cozinharmos.
Aproximei minha mão de onde ele disse, mas um pou-
co além do necessário, daí ter dado logo um salto para trás
meio assustado. Mas meu guia simplesmente riu e colocou a
tsampa quase gelada no recipiente de metal e a seguir pou-
sou-o sobre algumas barras apostas sobre aquela coisa que as
aquecia. Ele adicionou água, e logo víamos gotinhas de va-
por surgirem do recipiente. Aí o lama comprimiu o botão
assinalado com o desenho da mão, e imediatamente a incan-
descência avermelhada e o vapor se extinguiram. Ele retirou
a vasilha de metal da fonte de calor, e com uma coisa metá-
lica, com uma extremidade abaulada, despejou a tsampa
em nossas tigelas. E por algum tempo não se ouviu nenhum
som a não ser o que produzíamos ao comer.
Terminada a tsampa, eu disse:
-- Gostaria de ter algo para beber, estou com mais se-
de do que nunca.
Ao lado da caixa que produzia calor vimos o que pa-
recia ser uma grande bacia, e acima desta havia duas alavan-
cas de metal. Experimentei uma delas e a movi do único
modo que funcionava, e então a água, uma água fria, jorrou
na bacia. Apressadamente girei a torneira e tentei a outra
que era de uma cor avermelhada. Ao fazê-lo, produziu-se
um jorro de água realmente quente, tanto assim que cheguei


29

a me escaldar, não com efeitos sérios, mas ainda assim o
bastante para me fazer saltar, quando então girei a rodinha,
devolvendo-a à sua posição original.
Mestre - eu disse então - se isto é água deve estar
aqui há um desses milhões de anos de que o senhor falou
Como é que somos capazes de bebê-la? Agora ela já deveria
ter-se evaporado toda ou ficado intragável, no entanto eu a
acho realmente deliciosa.
Ao que o lama replicou:
- Bem a água pode ser mantida boa durante anos.
Que me diz dos lagos e dos rios? São de água há tempos
imemoriais, e eu suponho que esta água provém de um de-
pósito hermeticamente vedado, o que significa que ela pode
permanecer potável e agradável ao paladar. Presumo que
esta nave espacial tenha vindo aqui em busca de suprimen-
tos, e talvez para alguns reparos, porque com a pressão da
água que vem dali deve haver uma grande quantidade dela
em algum tanque de armazenamento. Seja como for, o que
observamos aqui nos dará para ocupar a mente por um mês
- Bem, se a água foi mantida fresca, deve acontecer o
mesmo com os alimentos que existam aqui - disse eu
Tratei de me levantar da cadeira, com alguma dificul-
dade, porque ela parecia aderir a meu corpo, mas então fír-
mei minhas mãos sobre os braços da cadeira e imediatamen-
te me vi não somente libertado da mesma, como fui pousar
no chão, em pé. Ao me recuperar dessa maravilha e do im-
pacto que senti, caminhei ao longo das paredes da pequena
cozinha. Vi uma série de reentrâncias dentadas que pare-
ciam não servir a nenhum propósito. Coloquei um dedo nu-
ma das superfícies dentadas e a impeli, mas nada aconteceu
Tentei move-la de través, mas não adiantou, aquela coisa
não funcionava. Então me acerquei de outra daquelas peças
dentadas e fiz pressão com meu dedo sobre a mesma. Aí um
painel deslizou para um lado. Dentro do pequeno armário
ou nicho, que ficou à mostra, havia um bom número de jar-
ras que pareciam não ter quaisquer pontos de juntura Os

30

painéis eram transparentes, assim se podia ver o que estava
no interior. Obviamente era alguma espécie de alimento o
que aqueles recipientes continham, mas como alimentos po-
deriam ser preservados por um milhão de anos ou mais?
Quebrei a cabeça pensando nesse problema. Havia ali
descrições desenhadas de alimentos que eu nunca vira antes
ou ouvira falar, e algumas das coisas estavam embaladas
num recipiente transparente. No entanto, parecia não haver
nenhum meio de abrir tal recipiente. Fui de um para outro
daqueles pequenos armários, guarda-louças, ou depósitos,
e de cada vez colhendo uma nova surpresa. Sabia como
eram as folhas de chá, mas ali num daqueles armários havia
recipientes que, como pude ver através dos lados transpa-
rentes, continham folhas de chá frescas.
Houve outras surpresas porque alguns daqueles reci-
pientes transparentes continham o que, evidentemente, eram
postas de carne. Eu nunca tinha provado carne e ansiava por
ver um pedaço de perto, ou melhor, prová-la, saber como
era.
Depressa me senti cansado de me entreter na cozinha
e fui em busca do Lama Mingyar Dondup. Ele segurava um
livro e estava com as sobrancelhas franzidas num estado de
intensa concentração.
- Oh, mestre - eu lhe disse - descobri onde eles con-
servam seus alimentos, estocaram-nos em recipientes que
são transparentes, mas não vejo nenhum meio de abri-los.
Meu guia me olhou como sê não me visse por um mo-
mento e então se pôs a rir. E disse:
- Oh, sim, oh, sim, o modo atual de embalar alimen-
tos e conservá-los em nada se parece com o que se fazia há
milhões de anos atrás. Eu já provei carne de dinossauro, e
era tão fresca como se fosse a de um animal morto recente-
mente. Eu irei até lá rapidamente com você e faremos uma
investigação.
Percorri aquela sala de controle e depois me sentei pa-
ra analisar a situação. Se aqueles homens tinham um milhão

31

de anos, por que não tinham se convertido em pó? Era evi-
dentemente ridículo dizer-se que aqueles homens já tinham
um milhão de anos quando se achavam absolutamente in-
tactos e pareciam bem vivos e apenas à espera de um desper-
tar. Eu vira que dos ombros de cada um deles pendia uma
espécie de pequena sacola, assim removi uma de um daque-
les "corpos adormecidos" e a abri. Dentro estavam curiosos
pedaços de arame, trançados em espirais, e outras coisas
mais feitas de vidro, e aquilo tudo não fazia nenhum sentido
para mim. Havia também um painel cheio de botões com-
pressíveis, e calquei o primeiro que vi. Então soltei uma ex-
clamação de medo, o corpo do qual eu retirara a mochila
subitamente se contorceu e logo se desfez em uma fina ca-
mada de pó, o pó de um milhão de anos ou mais.
O Lama Mingyar Dondup acercou-se de onde eu esta-
va e parou, petrificado de temor. Olhou para a pequena mo-
chila, e a seguir para o montículo de pó, e então disse:
-- Há um bom número de cavernas como esta, já visi-
tei algumas, e nós aprendemos a nunca comprimir um botão
até sabermos para que serve, até termos analisado teorica-
mente sua função. Estes homens sabiam que iriam ser sepul-
tados vivos por algum terrível terremoto, assim o médico
da nave espacial cuidaria de atender cada homem e colocar-
lhe no ombro um pequeno aparato de sobrevivência. Esses.
homens então ingressariam num estado de suspensão das
funções vitais para assim não perceberem nada do que pode-
ria acontecer-lhes ou à sua volta, estariam tão perto da con-
dição de mortos como alguém pode estar sem ter realmente
morrido. Eles deviam estar recebendo uma alimentação ade-
quada para manter o corpo funcionando numa escala calcu-
lada. Mas quando você apertou esse botão, que eu noto ser
vermelho, deve ter interrompido o suprimento de força vital
para esse homem que estava num estado de animação sus-
pensa. Já não dispondo mais de um suprimento de força vi-
tal, o peso de sua idade se fez sentir sobre ele subitamente,
e de imediato se converteu num monte de pó.


32

Rodeamos os outros homens e decidimos que nada
havia que pudéssemos fazer por eles porque, afinal de con-
tas, estávamos encerrados naquela montanha e a nave tam-
bém, e quem nos diria se aqueles homens ao despertarem
não representariam um perigo para o nosso mundo? Não se-
riam eles um nsco para as lamaserias? Aqueles homens, na-
turalmente, eram possuidores de conhecimentos que os fa-
nam parecer deuses para nós, e tínhamos receio de ser fei-
tos escravos de novo, isto porque nós tínhamos uma lem-
brança impressa fortemente em nossa memória racial de que
havíamos sido escravos em alguma época.
O Lama Mingyar Dondup e eu nos sentamos perto um
do outro, no chão, sem trocar palavra, imerso cada um em
seus próprios pensamentos. O que aconteceria se apertásse-
mos tal ou qual botão, e que espécie de suprimento energé-
tico poderia ser aquele que mantinha homens vivos e bem
nutridos por mais de um milhão de anos? Sem querer, estre-
mecemos ao mesmo tempo, e então olhamos um para o ou-
tro, aí o lama disse:
- Você é jovem, Lobsang, e eu sou um homem já ido-
so. Já vi muitas coisas e me pergunto o que você faria num
caso como este. Esses homens estão vivos, não há nenhuma
duvida quanto a isso, mas se nós os trouxermos à vida nor-
mal, o que acontecerá se forem selvagens, e então tentarem
nos matar por termos deixado que um deles morresse^ Te-
mos que pensar nisso muito seriamente, não podemos deci-
frar essas inscrições - fez uma pausa porque eu me pusera
de pé um tanto excitado.
- Mestre, mestre - gritei - eu encontrei um livro que
parece ser uma espécie de dicionário de diferentes línguas
e me pergunto se poderá ajudar-nos.
Sem aguardar uma resposta, precipitei-me na direção
de um recinto próximo da cozinha da nave, e ali estava
aquele livro que parecia ter sido editado recentemente e
não há um milhão de anos. Segurei-o com as duas mãos
pois era muito pesado, e então o levei para o lama meu
guia.

33

O lama pegou o livro, e com uma ansiedade mal conti-
da o folheou. Por instantes, permaneceu sentado, inteira-
mente absorto na leitura. Por fim, reparou que eu estava in-
quieto, em extrema agitação, me perguntando o que havia
no livro e por que ele não me dizia nada.
-- Lobsang, Lobsang, sinto muito, eu lhe peço descul-
pas -- disse o lama -- mas acontece que este livro é a chave
para tudo, e como é fascinante este relato! Posso lê-lo, ele
foi escrito no que parece ser uma linguagem honorífica.
Uma pessoa comum não poderia, é claro, ler um texto tibe-
tano honorífico, mas eu posso, e esta nave conta com cerca
de dois milhões de anos. Ela funciona graças a uma energia
obtida da luz. . . qualquer luz, a das estrelas, a luz solar, e
colhe energia dessas fontes que têm empregado tal energia
e sido legadas através dos tempos.
O lama fez uma curta pausa antes de prosseguir:
-- Esses homens -- remontava novamente ao livro --
eram bastante perigosos, eram servos dos Jardineiros do
Mundo. Mas isso é uma velha história, de homens e mulhe-
res desejando-se uns aos outros, mas esta nave foi pilotada
por homens que haviam abandonado a grande nave-mãe e é,
realmente, o que eles denominam de nave salva-vidas. O ali-
mento estaria inteiramente conservado para ser comido, e
os homens poderiam ser despertados, mas não importa
quanto tempo tenham permanecido aqui, o fato é que ainda
são renegados por terem tentado encontrar mulheres que se-
riam pequenas demais para eles, e sua convivência com essas
mulheres seria uma absoluta tortura para elas. Eles queriam
saber se suas sacolas com substâncias vitais cumpririam sua
finalidade ou teriam que ser desligadas automaticamente da
nave a que se referem como sendo a nave-mãe. Penso que
temos de experimentar mais um pouco e ler algo mais, por-
que parece claro para mim que se esses homens forem res-
tituídos à vida normal, dispondo dos conhecimentos que
têm, podem nos causar um dano que nunca poderíamos re-
parar, pois essa gente nos trataria como gado, como criatu-
34

rãs em que pudessem realizar experiências genéticas. Eles já
fizeram muito mal antes, por causa de suas experiências se-
xuais com nossas mulheres, mas você é ainda muito jovem
para saber tudo sobre isso.
Eu fiquei andando em volta do local. O lama estava
agora deitado no chão para descansar suas pernas que ainda
lhe doíam muito. Continuei a perambular, e casualmente
fui ter a um aposento da nave que era todo verde. Havia ali
uma mesa de aspecto muito singular, com um grande foco
de luz incidindo sobre ela. E vi coisas que pareciam ser cai-
xas de vidro dispostas naquele recinto, em toda a sua exten-
são. "Hum", pensei então, "isto deve ser o lugar onde eles
curam seus companheiros enfermos, seria melhor eu voltar
para contar a meu mestre sobre isto." Assim, apressei-me a
voltar e contei ao Lama Mingyar Dondup que tinha encon-
trado um aposento muito particular, um recinto que era to-
do verde e que dispunha de estranhas coisas contidas no que
parecia ser vidro mas não era. Lentamente, o lama se pôs de
pé e com a ajuda das duas varas metálicas sob as axilas ca-
minhou até o aposento que eu descobrira.
Tão logo eu ali entrei - ia na dianteira - as luzes se
acenderam, luzes como a de um dia claro, e o Lama Mingyar
Dondup parou no umbral, com uma expressão de imensa
satisfação em seu rosto.
- Muito boas, muito boas, Lobsang, estas duas desco-
bertas que você fez. Estou certo de que essa notícia será
bem acolhida por Sua Santidade, o Dalai Lama.
Caminhou olhando para algumas daquelas coisas, to-
cando em outras, e espiando o conteúdo de algumas - bem,
eu não sei como chamá-las, pois várias daquelas coisas den-
tro de cubos de vidro fugiam inteiramente à minha compre-
ensão. Mas por fim o lama sentou-se numa cadeira baixa, e

ficou fascinado por um livro que retirara de uma prateleira.
-- Como é que o senhor pode entender uma lingua-
gem que, como disse, já conta um milhão de anos?
35

Com algum esforço, o lama pôs de lado o livro por
um momento enquanto analisava minha pergunta. Então,
disse:
-- Bem, esta é realmente uma longa história, Lobsang.
Ela nos faz recuar através das veredas da História, nos con-
duz através de caminhos que até mesmo alguns lamas não
podem seguir. Mas, em resumo, é como se segue: Este mun-
do estava pronto para ser colonizado, e assim nossos mes-
tres, devo chamá-los de mestres porque eles eram os líderes
dos Jardineiros da Terra e de outros mundos, determinaram
que uma certa espécie devia desenvolver-se na Terra, e esta
éramos nós.
"Num planeta longínquo, fora deste universo, prepa-
rativos foram feitos e foi construída uma nave especial que
poderia viajar numa velocidade absolutamente incrível, e
nós, como embriões humanos, fomos embarcados nessa na-
ve. De algum modo, os Jardineiros, como eram chamados,
trouxeram esses embriões para este mundo, e então não sa-
bemos o que aconteceu entre o tempo da chegada dos em-
briões e as primeiras criaturas que podem ser chamadas hu-
manas.
"Mas durante sua ausência de seu lar muita coisa
ocorreu no mundo. O velho governante, ou 'Deus', já era
idoso e ali havia certas pessoas de más intenções que ambi-
cionavam seu poder, e manobraram a fim de se livrarem da-
quele deus e colocar um outro -- seu títere -- para governar
em seu lugar. Seus atos, naturalmente, seriam dirigidos por
aqueles renegados.
"A nave voltou da Terra e seus tripulantes encontra-
ram as coisas muito mudadas, perceberam que não eram
bem-vindos e que o novo governante desejava eliminá-los,

pois representavam um estorvo para eles. Mas, em vez disso,
os Jardineiros que tinham acabado de regressar da Terra se
apossaram de umas poucas mulheres de seu próprio tama-
nho e decotaram de novo rumo ao Universo Terráqueo. Co-
mo sabe, Lobsang, há muitos e muitos diferentes universos.
36

"Chegados ao mundo onde tinham se desenvolvido
como seres humanos, eles estabeleceram seu próprio domí-
nio, construíram vários artefatos como pirâmides, graças
aos quais podiam manter uma vigilância através do rádio so-
bre tudo que viesse na direção da Terra. Eles usavam os hu-
manos que tinham feito crescer como escravos, estes faziam
todas as tarefas, e os Jardineiros simplesmente refestelavam-
se confortavelmente è se limitavam a dizer aos humanos es-
cravos o que tinham que fazer.
"Os homens e as mulheres, talvez devêssemos chamá-
los de super-homens e supermulheres, cansaram-se de seus
próprios parceiros, e aí ocorreram muitas ligações que moti-
varam disputas e todo tipo de perturbações. Mas então do
espaço exterior e não detectada pêlos radares das pirâmides
uma nave espacial apareceu. Era uma imensa nave, e ficou
instalada ali de modo a que as pessoas pudessem sair dela e
começar a construir habitações. As pessoas, que eram então
as primeiras sobre a Terra, ressentiram-se da chegada daque-
les homens e mulheres de outra galáxia, e assim, de duelos
verbais passou-se a uma batalha entre pessoas. A agitação
prosseguiu por algum tempo, e os inventos mais diabólicos
foram criados. Por fim, as pessoas da enorme nave espacial
não puderam suportar mais tempo aquela situação e envia-
ram um certo número de naves espaciais que aparentemente
estavam mantidas de reserva, aparelhadas, prontas para tal
emergência, e lançaram bombas terríveis onde quer que
aquelas outras criaturas da outra galáxia estivessem vivendo.
As bombas eram um tipo muito avançado de bomba
atómica, e no raio de alcance da explosão da bomba tudo
perecia. Produzia-se um clarão purpúreo brotado da terra e
os homens e mulheres do espaço que haviam provocado

aquilo voltaram à sua gigantesca espaçonave e abandonaram
a área bombardeada.
"Por uma centena de anos ou mais, praticamente não
vingou nenhuma forma de vida na Terra, nas áreas bombar-
deadas, mas quando os efeitos radioativos abrandaram, aque-
37

Ias pessoas se arriscaram a sair, quase rastejantes, trémulas
de medo, imaginando o que iriam ver. Depois, instalaram-se
numa espécie de colónia agrícola, passando a usar arados de
madeira e coisas desse género.
-- Mas, mestre -- eu disse -- o senhor declara que o
mundo tem mais de cinquenta milhões de anos; bem, há um
bocado de coisas que não entendo absolutamente. Por exem-
plo, esses homens. . . nós não sabemos que idade têm, des-
conhecemos há quantos dias, semanas, ou séculos eles se
acham aqui, e como esses mantimentos podem ter sido
mantidos em estado de boa conservação durante todos esses
anos. Por que esses homens não se converteram em pó?
O lama riu ao responder:
-- Nós somos um povo inculto, Lobsang. Costumava
haver povos muito mais inteligentes nesta terra; como sabe,
houve diversas civilizações. Por exemplo -- e apontou para
um livro na estante -- esta obra nos esclarece sobre as práti-
cas médicas e cirúrgicas de um tipo que nós, no Tibete, nun-
ca ouvimos falar, e somos um dos primeiros povos a ser tra-
zidos a esta terra.
-- Então por que estamos tão despreparados, por que
nossa vida é tão difícil? Alguns desses livros ilustrados que
o senhor trouxe de Katmandu mostram todo tipo de coisas,
mas nós não temos nenhum conhecimento de coisas como
essas, nada temos que seja motorizado circulando sobre ro-
das no Tibete.
-- Não, e há um velho ditado, muito antigo realmente,
que diz que quando o Tibete permitir que esses veículos se-
jam introduzidos no país, aí este será conquistado por uma

raça muito inamistosa. Suas predições foram exatas, como
se eles pudessem visualizar o futuro, e lhe digo, meu rapaz,
que eles podiam antever o futuro e dispunham de instru-
mentos aqui que mostrarão a você o que aconteceu no pas-
sado, o que está ocorrendo agora, e o que acontecerá no fu-
turo -- concluiu meu guia.
38

-- Mas como podem essas coisas durar tanto? Se as
coisas são abandonadas, bem, elas apodrecem, se desfazem
em pedaços, tomam-se inúteis devido ao desuso, tal como o
Moinho de Orações (dos lamaístas), naquela velha lamaseria
que o senhor me mostrou, um belo artefato corroído pelo
tempo e imóvel. Como essas pessoas poderiam evitar que as
coisas se deteriorassem, como podiam providenciar a força
motriz para manter essas coisas funcionando? Atente para o
modo como as luzes se acendem assim que entramos num
aposento da nave; não temos nada de semelhante, usamos
velas de cera feita de manteiga rançosa, ou lamparinas, e no
entanto, aqui vemos uma luz que é tão boa como a luz do
dia, e não está sendo gerada em nenhuma parte, porque na-
quele livro que o senhor me mostrou há ilustrações de má-
quina que operam num campo magnético e produzem o que
o senhor denomina eletricidade. Nós não temos isso. Por
que é que nós estamos tão isolados?
Eu estava realmente intrigado e o lama permaneceu
em silêncio por um momento, então disse:
-- Sim, terá de conhecer todas essas coisas, irá ser o
lama mais instruído que já existiu no Tibete, você ira ver o
passado, o presente e o futuro. Nesta particular cadeia de
montanhas há um bom número dessas cavernas e houve tem-
po em que todas elas eram unidas por túneis. Era possível
mover-nos de uma para outra e contar com luz e ar fresco
todo o tempo, não importando onde nós estávamos. Mas
esta terra do Tibete foi outrora quase tomada pelo mar, e
o povo daquela era primitiva dispunha de fontes de poder
inteiramente desconhecidas para nós. Mas houve então uma
terrível catástrofe, porque mais além de nossa terra cientis-

tas de um país chamado Atiântida acionaram um tremendo
explosivo e isto arruinou este mundo.
--Arrumou este mundo? Mas nossa terra está intei-
ra, como foi ela destruída, como este mundo foi feito em
ruínas?

39

O lama ergueu-se e acercou-se da estante. Havia mui-
tos livros ali, mas ele pegou um deles e encontrou certas ilus-
trações. Então disse:
-- Veja, este mundo foi certa vez coberto com nuvens.
Nunca havia um único sinal de sol, nós nada conhecíamos
sobre as estrelas. Mas então, naqueles dias, as pessoas viviam
centenas de anos, não como agora, quando morrem assim
que tenham aprendido algo. As pessoas morrem agora por
causa das perigosas radiações do sol, e devido a nossa nuvem
protetora ter se extinguido; então perigosos raios surgiram e
saturaram o mundo, trazendo com isso toda espécie de
doenças, todo tipo de aberrações mentais. O mundo esteve
conturbado, distorcido sob o impacto daquela tremenda ex-
plosão. A Atlântida, que ficava a longa distância daqui, no
outro lado do mundo, foi submergida pelo oceano, mas nós
do Tibete. . . bem, nossa terra elevou-se cerca de nove mil
metros acima do nível do mar. As pessoas tomaram-se me-
nos saudáveis e por longo tempo caíam doentes por não ha-
ver oxigénio suficiente àquela altitude para elas, e porque
estávamos mais próximos dos céus e onde nós nos encontrá-
vamos as radiações eram mais fortes. -- O lama fez uma cur-
ta pausa e esfregou suas pernas que o estavam incomodando
muito, dizendo a seguir: -- Há uma parte mais afastada de
nossa terra que permaneceu ao nível do mar, e as pessoas ali
tomaram-se cada vez mais diferentes de nós, sua mentalida-
de alcançando quase a estupidez. Eles não tinham templos,
eles não veneravam os deuses, e mesmo agora se põem a an-
dar em botes de couro de animal, capturando focas e pei-
xes e outras formas de vida. Há imensas criaturas, com enor-
mes cornos em suas cabeças, e estas pessoas mataram muitas

delas e comeram sua carne. Quando outras raças surgiram,
eles chamaram aqueles seres do extremo norte de esquimós.
Nossa parte do Tibete contava com um povo melhor, sacer-
dotes e homens doutos, e médicos de grande renome, e a
parte que foi cindida do Tibete e afundou ao nível do mar,
ou melhor, permaneceu ao nível deste, dispunha de mentali-

40

dades mais tacanhas, trabalhadores e gente comum, os corta-
dores de árvores e os caçadores das águas. Eles tinham per-
manecido quase que no mesmo estágio por mais de um mi-
lhão de anos. Aos poucos foram rastejando e começaram a
encontrar uma forma de sobreviver sobre a superfície terres-
tre. Construíram pequenas fazendas e dentro de cem anos
mais ou menos as coisas pareceram tornar-se normais e as-
sentadas. Antes de irmos adiante em nossas considerações,
eu lhe peço que examine minhas pernas, estão me incomo-
dando muito e eu tenho aqui um livro que esclarece coisas
sobre ferimentos como os meus. Posso ler o suficiente do
que está escrito para saber que estou com uma infecção.
Olhei fixamente para o lama, pois o que podia eu, um
cheia comum, fazer por um tão grande homem? Mas assim
era necessário, e eu retirei os trapos que lhe envolviam as
pernas e me horrorizei com o que vi. As pernas do lama es-
tavam cobertas de pus, e a carne parecia muito inflamada
realmente. Além disso, a parte das pernas logo abaixo dos
joelhos estava inchada. Aí o lama disse:
-- Agora, você terá que seguir minhas instruções com
exatidão. Antes de tudo temos de conseguir algo que desin-
fete estas pernas. Felizmente tudo aqui se acha em boas
condições de conservação, e ali naquela prateleira -- ele
apontou -- você encontrará um pote com algo escrito no vi-
dro. Acho que verá logo que se trata do terceiro recipiente
da esquerda na segunda prateleira de baixo. Traga-o aqui e
eu verei se é o indicado.
Obedientemente, eu me aproximei da estante e fiz
deslizar uma portinhola que me pareceu ser feita de vidro.

Bem, eu não conhecia muita coisa sobre vidro por termos
muito pouco dele, no Tibete. Nossas janelas eram cobertas
com papel oleoso para torná-las transparentes e permitir
desse modo a incidência da luz nos quartos, mas a maioria
das pessoas não tinha janelas em suas casas porque não po-
diam arcar com o custo de trazer vidros em todo aquele di-

41

fícil caminho através das montanhas, um vidro, aliás, que ti-
nha de ser adquirido na Índia.
Fiz a portinha deslizar para o lado, e então olhei para
os frascos e, sim, aquele era o indicado, pensei, assim levei-o
para o lama. Ele o observou e leu algumas indicações ali es-
critas, então disse:
-- Será melhor que me apanhe aquele grande recipien-
te que está ali do lado, revirado. Lave-o bem primeiro. Há
água em quantidade limitada aqui, você sabe, assim esfre-
gue-o bem, então coloque um pouco d'água dentro, cerca
de três tigelas cheias.
Assim fiz, esfregando o recipiente que já parecia bem
limpo, e após calcular a quantidade certa de água, levei-o ao
lama. Para meu mais profundo espanto, ele fez algo com a
garrafa e a extremidade da mesma saltou fora! Eu exclamei:
-- Oh! O senhor quebrou essa coisa, devo tentar pro-
curar outra?
-- Lobsang, Lobsang -- disse o lama -- você realmente
me faz rir. Se há alguma coisa nesse pote ou garrafa então
tem que haver um meio de verificá-lo e depois retirar o con-
teúdo. Isto aqui é meramente o que se chama uma tampa.
Eu uso esta tampa revirada e aí ela se toma um medidor.
Está vendo isto?
Olhei para a tampa que fora revirada, e pude consta-
tar que era um tipo de medidor, porque havia marcas em to-
da a parte baixa. Então, o lama prosseguiu:
-- Nós precisamos de alguns panos. Naquele armário,
se você o abrir, encontrará várias trouxas. Abra a porta do
armário para que eu possa ver.

Aquela porta não era feita de vidro e nem de madeira,
parecia ser de algo intermediário entre os mesmos, mas pu-
xei a porta e vi que havia ali dentro um bom número de far-
dos de pano, dispostos ordenadamente. O lama disse:
-- Apanhe aquele de cor azul, e à direita um outro
branco, traga-o também. -- Ele olhou para mim, obser-
vou minhas mãos e disse: - Vá até aquela bica e lave suas

42

mãos. Junto da bica você verá um bolo de material branco.
Umedeça suas mãos e então passe essa substância nelas, ten-
do cuidado para que suas unhas fiquem bem limpas.
Fiz tudo isso e fiquei curioso ao ver como a minha
pele se mostrava então muito mais clara. Era como ver um
negro pela primeira vez inteiramente preto, e então notar
que as palmas de suas mãos são rosadas. Minhas mãos esta-
vam agora justamente quase róseas, e eu ia enxugá-las na
minha túnica quando o lama disse:
- Pare! -- E apontou para algo que ele tinha retirado
do fardo branco. -- Enxugue suas mãos nisto e não toque de
modo nenhum sua velha túnica encardida após você ter se-
cado suas mãos. Você tem que conservar suas mãos limpas
para fazer esta tarefa.
Foi tudo realmente muito interessante porque ele ti-
nha estendido no chão um lençol de pano limpo, e sobre o
mesmo dispusera várias coisas: uma bacia, um objeto feito
uma caçamba, e outro que não entendi absolutamente o
que era. Torna-se difícil descrevê-lo porque eu nunca tinha
visto tal coisa, mas me pareceu ser um tubo de vidro onde
apareciam marcas; em uma das pontas via-se o que parecia
ser uma agulha de aço e na outra extremidade havia um pu-
xador. No tubo, que era obviamente oco, havia um certo
líquido colorido que se mostrava espumoso e brilhante. Aí
o lama disse:
- Agora, preste muita atenção: você terá que limpar
totalmente a carne da minha perna até o osso. Aqui dispo-
mos dos frutos de uma ciência médica maravilhosamente
avançada, e estamos prontos para fazer pleno uso dela. Pe-
gue essa seringa e puxe a parte de cima. . . espere, eu farei
isso, e então você espetará essa agulha na minha perna, exa-
tamente aqui -- indicou um ponto determinado -- e isso a
tornará insensível, de outro modo provavelmente eu desmaia-
ria devido à dor insuportável que essa operação pressupõe.
Agora, faça o que lhe disse.
Ergui aquela coisa que ele chamara de seringa e olhei
para meu mestre e guia e estremeci.
43

-- Não, não, eu não posso fazer isso, tenho muito re-
ceio de feri-lo.
-- Lobsang, você irá ser um lama médico, algumas ve-
zes terá que ferir pessoas para curá-las. Agora, faça como
lhe digo e espete essa agulha até o cabo. Eu lhe direi se a
dor for demasiada.
Segurei firme de novo aquela coisa, embora temesse
que acabasse desmaiando, mas... bem, ordens eram ordens.
Segurei a tal seringa não muito afastado do ponto onde a
agulha se achava anexada, fechei meus olhos e dei uma rápi-
da espetadela. Nenhuma exclamação saiu dos lábios do la-
ma, então abri meus olhos e vi que ele estava simplesmente
sorrindo!
-- Lobsang, você fez um belo trabalho, eu não senti
nem uma pontada. Você irá ser um sucesso como médico la-
ma. - Eu o olhei pensando que ele estava zombando de
mim, mas vi que não era assim, ele se expressara com abso-
luta sinceridade. E continuou dizendo: -- Agora, já deixa-
mos passar um tempo suficiente e esta perna se acha inteira-
mente insensível, assim sendo não reagirá à dor. Desejo ago-
ra que você pegue estas coisas, elas são chamadas fórceps, e
quero também que ponha um pouco deste líquido aqui nu-
ma tigela e a seguir enxugue a minha perna toda, sempre na
mesma direção: para baixo, não para cima. Você pode com-
primir então com força e verá que o pus se desprenderá to-
do feito uma massa. Bem, quando tiver extraído toda essa
quantidade de pus, terá de me ajudar a me mover para um
lugar mais arejado.

Peguei os objetos que ele chamava de fórceps e vi que
com eles podia colher um bom chumaço de algodão. Cuida-
dosamente, embebi o algodão no líquido da tigela e com ele
limpei as pernas do lama.
Foi incrível, absolutamente incrível como o pus e o sangue
ressecado começaram a brotar do local ferido.
Verifiquei que a perna do lama estava agora inteira-
mente limpa; tanto o osso como a pele apresentavam melhor
aspecto. Então o lama disse:
44

- Isto é um pó. Quero que você o espalhe dentro dos
ferimentos para que assim alcance a parte óssea. Essa aplica-
ção desinfetará minhas pernas e impedirá a formação de mais
pus. Quando você tiver feito isso, terá que envolver minhas
pernas com a bandagem que se encontra naquele fardo azul.
Assim foi feito. Procedemos a uma nova limpeza, es-
palhando bem aquele pó branco, e depois envolvendo uma
das pernas do lama com aquela coisa que ele chamara de
bandagem e que parecia feita de plástico, mas sem apertar
demais, somente ajustando fixamente. Quando terminei, es-
tava todo coberto de suor, mas o lama tinha uma aparência
melhor.
Depois de fazer a limpeza e colocar bandagem naque-
la perna, fiz o mesmo na outra, então o lama disse:
-- Seria melhor agora me dar um estimulante, Lobsang.
Vai encontrá-lo naquela prateleira mais alta. Traga-me ape-
nas uma ampola. Uma ampola é um pequeno recipiente
com uma extremidade pontuda. Você deve retirar a extre-
midade pontuda com os dentes e apertar a ampola contra a
minha carne, num ponto qualquer.
Assim fiz e depois removi todo o pus e outras coisas
usadas nos curativos, para deixar o local limpo. E então mer-
gulhei num profundo sono.

45


Capitulo 3


Oh, meu Deus! O sol estava quente de verdade. "Devo
procurar um lugar sombreado" - murmurei comigo mesmo.
E então me sentei e abri meus olhos meio aturdido com mar-
cado espanto. Onde eu estava? O que tinha acontecido? E
então, assim que vi o Lama Mingyar Dondup, voltei a conta-
tar com a realidade, e pensei que acabara simplesmente de
ter um sonho. Não havia nenhum sol ali, o lugar estava ilu-
minado por algo que se parecia com a luz solar vinda através
das paredes de vidro.
- Você parece muito espantado, Lobsang - disse o
lama. - Espero que tenha repousado bem.
- Sim, mestre - eu retruquei. - Mas começo a me
sentir cada vez mais intrigado, e quanto mais coisas me são
explicadas, mais confuso eu me sinto. Por exemplo, esta luz
vinda de alguma parte, ela não pode ser armazenada por um
milhão de anos e então brilhar tão intensamente como o
próprio sol.
- Há inúmeras coisas que terá de aprender, Lobsang,
você é um pouco jovem ainda, mas como viemos ter a este
lugar. . . bem, eu explicarei algo para você. Os Jardineiros da
Terra desejavam dispor de lugares secretos para que assim
pudessem vir para a Terra despercebidos pêlos seres mortais,
e portanto quando isto era apenas uma pilha de pedra baixa
sobressaindo do terreno, eles fizeram um corte no interior

46

da rocha viva usando o que mais tarde será conhecido como
maçaricos atómicos. Servem para dissolver a rocha, e uma
boa parte da superfície acinzentada exterior é evaporada da
rocha derretida; então, quando a caverna foi recortada no
tamanho desejado, eles deixaram-na esfriar, e ao esfriar
adquiriu uma superfície absolutamente lisa como o vidro.
"Tendo construído a caverna que é, como você pode
ver, grande o bastante para conter o próprio Potala, eles pro-
cederam a algumas investigações e depois perfuraram túneis

exatamente ao longo desta cadeia montanhosa, que naque-
les dias era quase que inteiramente recoberta de terra. Cos-
tumava ser possível assim caminhar cerca de quatrocentos
quilómetros através desses túneis, de uma gruta para a outra.
"Então ocorreu aquela gigantesca explosão que fez a
Terra tremer em seu eixo, e alguns lugares foram afundados
e outros alçados. Nós tivemos sorte de que a colina baixa se
convertesse numa cadeia montanhosa. Já vi fotografias disso
e as mostrarei para você, mas, naturalmente, em virtude dos
movimentos da Terra, alguns dos túneis foram desviados de
sua formação natural e não se pode mais percorrê-los de
ponta a ponta como outrora. Em vez disso, podemos visitar
talvez duas ou três cavernas antes de emergir da cadeia mon-
tanhosa, e depois então caminhar um pouco até onde sa-
bemos que o túnel prosseguia antes. Tempo é algo que não
importa para todos nós, como você sabe, portanto eu sou
um daqueles que já têm estado em cerca de uma centena
desses lugares e tenho podido ver muitas e muitas coisas es-
tranhas.
-- Mas, mestre, como podem essas coisas permanecer
utilizáveis após um milhão ou mais de anos? O que quer que
tenhamos, mesmo o Moinho de Orações, se deteriora com
o tempo e o uso, e no entanto aqui estamos sob uma luz
provavelmente mais brilhante do que a do exterior. Eu não
posso entender isto de modo algum.
O lama suspirou, e disse:
-- Vamos comer alguma coisa primeiro, Lobsang, ire-
47

mos permanecer aqui por vários dias e não podemos fazê-lo
sem uma mudança de nossa dieta alimentar habitual. Vá
àquele pequeno quarto -- apontou-o -- e traga algum daque-
les recipientes com rótulos ilustrados, e então veremos co-
mo as pessoas de há muito tempo atrás costumavam se ali-
mentar para viver.
Eu me levantei e murmurei para mim mesmo:
-- Meu Deus, eu sei o que devo fazer primeiro. - E
então disse em voz alta: -- Honorável lama, posso ajudá-lo

a atender às vossas funções corporais?
O lama sorriu e replicou:
-- Muito obrigado, Lobsang, mas isso já está providen-
ciado. Há um pequeno lugar ali naquele canto mais afasta-
do, e se você ali for, encontrará o que é realmente um bura-
co bem conveniente feito no solo. Coloque-se sobre aquela
cavidade e deixe que a natureza faça o resto!
Segui a direção por ele indicada e encontrei o tal bu-
raco muito conveniente para atender às minhas necessidades
fisiológicas. Aquele compartimento era feito de uma maté-
ria que tinha a superfície lisa do vidro e no entanto o piso
não era liso, era como um metal, fosco, e não se tinha medo
de escorregar ao pisá-lo. Bem, atendidas as minhas necessi-
dades mais imediatas, pensei de novo na alimentação, e avan-
cei até entrar no aposento mais ao fundo e ali lavei cuidado-
samente minhas mãos, porque era um prazer poder girar uma
alça de metal e verificar que a água saía a jatos da torneira.
Lavei minhas mãos muito bem e fechei a torneira. Nesse
momento senti um sopro quente de ar vindo de uma cavida-
de na parede. Era um orifício de formato retangular, e me
ocorreu que minhas mãos logo secariam se eu as encostasse
naquela abertura. Foi o que fiz, e penso ter sido a melhor
lavagem de mãos de que me recordo. A água era tão delicio-
sa, e eu estava conservando as mãos junto daquela cavidade
na parede quando o ar quente cessou. Suponho que os pla-
nejadores daquele processo de secagem calculavam em uns
poucos minutos o tempo que normalmente uma pessoa gas-
48

ta para lavar suas mãos. Então eu me aproximei do armário
e abri as portas. Olhei com surpresa para os recipientes ali
dispostos. Eram de todos os tipos e formatos, com rótulos
ilustrados, e essas ilustrações eram tão estranhas que nada
significavam para mim. Havia, por exemplo, um com gran-
des orelhas, e que parecia um monstro feroz, e outra coisa
que eu julguei se parecer com uma centopeia. E havia outras
ilustrações do que pareciam ser aranhas vestidas de armadu-
ras vermelhas. Bem, eu passei todas essas por alto, e apa-
nhei em seu lugar alguns recipientes que continham o que
eram, evidentemente, frutos de alguma espécie, uns eram
vermelhos, outros mais amarelos, e todos tinham um aspec-
to atraente. Recolhi tantos quanto pude carregar, quando vi
uma espécie de trole parado a um canto. Este dispunha de
rodas, e coloquei ali todos os recipientes e fui empurrando
o carrinho até onde estava o Lama Mingyar Dondup. Ele riu
quando me viu manobrando aquela coisa. E então pergun-
tou:
-- E como fez para lavar suas mãos? Gostou do méto-
do de secá-las? Calcule apenas que tudo isto aqui se encon-
tra há um milhão de anos e ainda se acha operante, porque
o átomo, que é a força motriz de todo esse equipamento, é
virtualmente indestrutível, e quando nós partirmos tudo fi-
cará parado, toda a força retomará à fonte de armazena-
mento, e assim irá permanecer até que os próximos visitan-
tes apareçam. Então as luzes voltarão a se acender, estas
mesmas luzes que, a propósito, você não consegue entender,
isto porque atrás da superfície com o vidro há uma
substância química que reage a um certo impulso, gerando
luz fria. Mas vejamos o que você trouxe.
Estendi uma daquelas coisas para o lama, depois a se-
guinte e assim por diante. Ele separou quatro latas e disse:
- Acho que nos servirão no momento, mas precisa-
mos também de algo para beber. No armário acima da pia
você encontrará recipientes que servem para conter água. En-
cha dois desses recipientes com água, e na parte de baixo do
49

mesmo armário você achará um outro recipiente cheio de
pílulas. Traga uma dessas pílulas e nós obteremos água de
um sabor diferente.
Retomei ao interior daquela... bem, daquela cozi-
nha, e encontrei os recipientes tal como tinham sido descri-
tos, e os enchi de água e os levei de volta ao lama. Então vol-
tei à "cozinha" e apanhei um frasco que continha pequenos
tabletes curiosos, de uma cor alaranjada. Voltei de novo, e o
lama pegou o frasco em feitio de tubo e fez algo com a par-
te superior, e uma pílula saltou, indo cair exatamente no
copo de água. Depois, ele repetiu a mesma façanha, outra
pílula surgiu e foi cair dentro do outro copo de água. O la-
ma levou um dos copos aos lábios e tomou um longo gole.
Embora hesitante, eu o imitei, e fiquei surpreso e encantado
com o sabor agradável da bebida.
Então, o lama disse:
- Vamos comer alguma coisa antes de bebermos um
pouco mais.
E assim dizendo, ele pegou uma da; latas redondas e
puxou uma pequena argola. Houve um ruído de ar escapan-
do. Depois, quando o ruído cessou, o lama forçou mais a
argolinha, e ao puxá-la a parte superior do recipiente desta-
cou-se. No interior havia frutas. O lama cheirou-as atenta-
mente, então pegou uma e levou-a à boca. Disse:
- Sim, sim, elas foram conservadas perfeitamente,
mantêm-se absolutamente frescas. Abrirei uma para você,
escolha a que preferir e a dê para mim.
Olhei para aquelas coisas, ali estavam algumas fruti-
nhas escuras com pequenas protuberâncias em volta da cas-
ca; eu disse que escolhia aquelas. O lama pegou a lata esco-
lhida por mim, puxou a argola e de novo se ouviu o ruído
do ar escapando. Ele puxou mais fortemente e a tampa do
recipiente soltou-se. Mas havia um pequeno problema agora:
aquelas coisas dentro do recipiente eram pequenas e esta-
vam imersas numa calda. Então, o lama disse:

50

-- Nós teremos que ser mais civilizados. Vá lá dentro,
e em uma das gavetas do móvel irá encontrar alguns utensí-
lios com uma das extremidades em feitio de concha e na ou-
tra ostentando um cabo para que os seguremos. Traga dois
deles, um para você e outro para mim. A propósito, são de
metal e têm uma cor prateada.
Lá fui eu de novo, logo voltando com aquelas peças
de metal bem peculiares.
-- Há outras coisas lá, mestre, peças de metal com

pontas numa extremidade, e outras que se parecem com
uma faca, com um gume na ponta.
-- Oh, sim, garfos e facas, nós as experimentaremos
mais adiante, mas estas coisas aqui são colheres. Enfie a
ponta da colher em sua lata e você poderá retirar a fruta e
a calda, e então poderá comer e beber o suco sem se sujar e
à sua volta.
E o lama me mostrou como se procedia para retirar o
fruto do recipiente; eu segui seu exemplo e enfiei aquela
coisa de metal na lata para retirar uma pequena quantidade
do fruto em calda. Quis primeiro provar um pouco, porque
eu nunca vira algo como aquilo até então.
-- Ah! -- Aquilo deslizou pela minha garganta e me
fez sentir muito gratificado. Não tinha ideia até ali de quão
faminto eu estava. Logo logo minha lata estava vazia. O La-
ma Mingyar Dondup liquidara com a sua mais rápido ainda.
-- Tínhamos que ter comido com mais vagar, Lobsang,
porque estivemos sem nos alimentar bastante tempo. Eu
não me sinto em condições de caminhar, assim sugiro que
você dê um giro por aí observando os diferentes comparti-
mentos porque necessitamos saber tudo que possamos.
Com certa brusquidão de movimentos, saí do grande
aposento e fui verificar então que havia compartimentos em
todo aquele lugar. Entrei em um deles, logo as luzes se acen-
deram e o local pareceu-me estar cheio de máquinas que bri-
lhavam como se tivessem sido instaladas naquele dia. Andei
ao redor das estranhas máquinas quase temeroso de tocá-las,
51

mas de modo inteiramente casual me aproximei de uma má-
quina que estava projetando uma ilustração viva. Ela mos-
trava botões sendo comprimidos e era uma cena viva, onde
aparecia uma espécie de cadeira e um homem de estranha
aparência estava ajudando um outro de aspecto ainda mais
estranho a sentar-se na tal cadeira. E a seguir o homem que
prestava ajuda ao outro segurou firme dois pegadores e eu o
vi girar o da direita e então a cadeira ergueu-se vários centí-
metros do chão. Então houve uma mudança de cena e a ca-
deira aparecia sendo empurrada ao longo de máquinas dife-
rentes, e fazendo coisas para eles. Aquilo estava sendo feito
para mim. Voltei-me apressadamente e esbarrei na cadeira me-
cânica e esta bateu em cheio em meu rosto. Tive a impres-
são de que meu nariz tinha sido arrancado e estava todo
úmido. Na verdade, eu tinha ferido meu nariz que estava
sangrando. Empurrei a cadeira à minha frente e me apressei
a voltar até onde estava o lama.
-- Oh, mestre, eu tropecei nesta incrível cadeira e ago-
ra preciso de alguma coisa para enxugar o sangue de meu
rosto.
Acerquei-me de uma caixa e abri um dos rolos de cor
azul. Sim, ali estava um material característico, branco, no
interior do envoltório azul, como um bocado de algodão
comprimido. Depois que apliquei aquilo em minhas narinas
por alguns minutos a hemorragia cessou, e joguei os peda-
ços de algodão úmidos de sangue dentro de um recipiente
que por acaso se achava vazio. Algo me compeliu a espiar o
interior do recipiente. E fiquei atónito ao perceber que o al-
godão simplesmente desaparecera, não na escuridão ou algo
assim, mas simplesmente desaparecera. Visto isso, eu fui até
o canto do aposento onde deixara todo o pus e o material
que fora usado para medicar o lama, e com a ajuda de um
objeto metálico achatado, que dispunha de um cabo de ma-
deira, recolhi todos os detritos que consegui, e os despejei
no recipiente de "refugo", onde tudo aquilo logo desapare-
ceu. Então voltei ao canto mais distante, onde havia aque-
52

la espécie de fossa para atender às nossas necessidades natu-
rais, e recolhi tudo que ali se encontrava para depois colocar
no recipiente. Imediatamente todo aquele material desapa-
receu, e o recipiente continuou a mostrar-se claro e limpo.
-- Lobsang, penso que esse recipiente deve ser ajustar
a esse buraco no chão que estivemos usando para satisfazer
aos apelos da natureza. Quer verificar se ele realmente se
ajusta?
Eu fui girando aquela coisa e. . . sim, ela se ajustava
perfeitamente àquela cavidade no solo, assim a deixei ali
pronta para uso imediato.
-- Mestre, mestre -- eu disse tomado de grande excita-
ção -- se o senhor se sentar nesta cadeira posso levá-lo por
aí e mostrar-lhe absolutas maravilhas.
O lama ergueu-se cauteloso e eu deslizei a cadeira pa-
ra junto dele a fim de que se sentasse. Então girei aquele
pegador como vira no filme e a cadeira ergueu-se cerca de
trinta centímetros no ar, justamente a altura exata para eu
segurar os dois pegadores e manobrar aquela coisa. E assim,
com o Lama Mingyar Dondup sentado no que eu chamei de
cadeira de rodas e que era evidentemente manobrada por
levitação e não rodas, voltamos àquele aposento onde havia
todas aquelas máquinas.
-- Acho que esta era a sala onde eles se entretinham,
Lobsang. Todas estas coisas proporcionam divertimentos e
jogos. Vamos dar uma olhada naquela caixa próxima da en-
trada desta sala.
Manobrei a cadeira de volta à entrada, e a empurrei na
direção exata da máquina em que eu tinha visto as instruções
referentes à cadeira. Uma vez mais apertei um botão e vi
uma cena fumada. Entre todas as coisas incríveis que a má-
quina mostrava estava a figura do Lama Mingyar Dondup
sentado na cadeira e eu empurrando-a. Então nos movemos
vários centímetros no interior do aposento e o lama se pôs
a dizer algo assim que nos voltamos e tomamos a nos acer-
car da tal máquina. Vimos então ela projetar tudo que tinha
53

acabado de ocorrer. Então a cena mudou e surgiram as for-
mas de várias máquinas, sendo projetadas instruções sobre a
função das mesmas. Havia uma máquina perto do centro
da sala, e se alguém empurrasse um dos botões, vários obje-
tos pequenos e coloridos deslizariam para um tabuleiro. Nós
nos acercamos dessa máquina. O lama apertou o botão indi-

cado, e com o ruído metálico algumas coisas redondas rola-
ram de um plano inclinado indo cair num pequeno tabulei-
ro mais abaixo. Examinamos tais objetos redondos, experi-
mentamos parti-los, e aí eu vi a um dos lados da máquina
uma coisa pequena feito um prato tendo ao alto uma lâmi-
na recurva. Coloquei algumas daquelas coisas redondas no
recipiente e puxei para baixo uma manivela -- receoso e
trémulo -- para ver o que aconteceria. Aqueles objetos esfé-
ricos logo foram partidos em dois, e pareceram ser algo vis-
cosos. Eu, sempre muito pronto a pensar em comida, toquei
um dos lados daquela coisa e levei-a ao encontro da minha
língua.
Êxtase puro! O sabor mais maravilhoso que eu já sen-
tira em minha vida. E eu disse:
-- Mestre, isto é uma coisa que o senhor realmente de-
ve experimentar.
Eu o fiz aproximar-se do tal botão e ele o apertou de
novo, e mais uma porção daquelas coisas redondas surgiram
da máquina. Peguei uma e a pus na minha boca. Foi como
se na realidade tivesse posto uma pedra na boca. Após uns
poucos instantes, porém, a casca aparente daquela coisa co-
meçou a amolecer com a pressão continuada de minhas
mandíbulas sobre a sua superfície e aí eu obtive o mais do-
ce de todos os sabores. Aquelas coisas pareciam ser de sabo-
res diferentes. Cada cor tinha um sabor diverso. Mas eu não
tinha a menor ideia do que fosse aquilo, e o lama viu que
me achava confuso.
-- Tenho viajado bastante, como sabe, Lobsang, e nu-
ma cidade do Ocidente eu vi uma máquina como esta, con-
tendo bolinhas de açúcar-cândi, exatamente como estas aqui.
54

Mas naquela cidade do oeste a pessoa tinha que depositar
uma moeda. Punha-se uma moeda numa fresta e muitas des-
sas bolas saíam da máquina. Há outras máquinas como essa,
fornecendo diferentes coisas. Havia uma que me chamou
particularmente atenção porque continha uma substância

chamada chocolate. Agora eu não posso escrever essa pala-
vra para você. Ah! Ah! -- ele exclamou - Ali está ela, ali es-
tá essa palavra escrita nesta oportunidade com seis outras
palavras. Presumo que são linguagens todas diferentes estas
aqui. Mas vejamos se isto funciona.
Ele calcou o botão escolhido, com firmeza, e a máqui-
na emitiu o ruído de uma leve tosse, e uma porta abriu-se
na parte da frente. Ali dentro eu vi diferentes tipos de cho-
colate ou balas, e nós nos servimos de tanto do que ali vía-
mos que chegamos a nos sentir mal depois. Eu cheguei fran-
camente a pensar que ia morrer! Acerquei-me daquele lugar
que já descrevi e ali pus para fora tudo que tinha comido. O
Lama Mingyar Dondup, abandonado em sua singular cadei-
ra, me chamou para buscá-lo às pressas. E assim nós simples-
mente iremos passar por alto o resto dessa nossa experiên-
cia.
Já recuperados do mal-estar, debatemos o caso e che-
gamos à conclusão de que fora nossa gula que nos fizera
abusar daquele estranho alimento; depois nos deslocamos
para um outro compartimento que devia ter sido destina-
do outrora à oficina de consertos. Ali havia toda espécie de
máquinas muito estranhas, e reconheci uma como sendo um
tomo. O Dalai Lama dispunha de um deles em um de seus
depósitos, ele lhe fora enviado por uma nação amiga que de-
sejava tomar-se mais amistosa ainda. Ninguém sabia como
usar aquela máquina, naturalmente, mas eu entrara naquele
depósito muitas vezes, furtivamente, e por acaso fora capaz
de descobrir o que era aquela coisa. Era um tomo com pe-
dal. Uma pessoa se senta num banco de madeira e usa os pés
juntos para empurrar dois pedais para cima e para baixo. Is-
so levava uma roda a girar, e se se pusesse, digamos, um pe-
55

daço de madeira entre o que era chamado o cabeçote fixo e
o cabeçote móvel do tomo seria possível tornear a madeira
e fazer varas perfeitamente correias. Eu não percebera de
início a sua utilidade, mas peguei nossos cajados e os aplai-
nei bem, e nos sentimos muito mais satisfeitos com o que

eu poderia chamar unicamente de um bastão feito por um
profissional.
Voltamos a mover-nos e vimos uma coisa que parecia
ser um cadinho de alto-forno. Havia ali maçaricos de sopro
e toda espécie de instrumentos térmicos, e logo nós os está-
vamos checando. Verificamos que podíamos amalgamar me-
tais fundindo uma peça dentro da outra, e gastamos muito
tempo experimentando diferentes coisas e pondo à prova
nossas habilidades. Mas o lama disse:
-- Vamos dar uma olhada mais adiante, Lobsang. Há
aqui algumas coisas maravilhosas, não acha?
Então, eu girei a manivela de novo, e a cadeira mecâ-
nica elevou-se cerca de sessenta centímetros. Eu a empur-
rei para fora do quarto onde estávamos e entramos em ou-
tro após percorrer um espaço bem grande. Ali o mistério
imperava. Havia um bom número de mesas, de metal, com
enormes bolas sobre elas. Isso não fazia nenhum sentido para
nós, mas a seguir, num aposento anexo, encontramos um
vão no piso e na parede logo acima estavam impressas o
que eram, obviamente, instruções sobre como se usar aque-
la coisa. Felizmente havia também ilustrações mostrando
como utilizar aquele recesso, assim nos sentamos à beira
do que resultava ser uma piscina vazia e eu retirei as ban-
dagens do lama. Depois o ajudei a levantar-se e imediata-
mente após ele se colocar no centro daquela espécie de pis-
cina esta começou a se encher de uma solução borbulhante!
-- Lobsang, Lobsang, isto irá curar minhas pernas.
Posso entender algumas das palavras impressas na parede, e
se não posso lê-las numa língua posso faze-lo em uma outra.
Isto é uma coisa para regeneração da carne e da pele.
56

-- Mas, mestre, como isto poderá curar os ferimentos
de suas pernas, e como é que o senhor conhece tanto acerca
dessas línguas?
-- Oh, é muito simples. Eu tenho estudado esse tipo
de coisa a vida toda. Tenho viajado a diversas partes do mun-

do, e travado contato com diferentes dialetos. Você deve
ter notado que eu sempre carrego livros comigo, e uso todo
o tempo disponível para a leitura desses livros e a colheita
"de seus conhecimentos. Bem, esta língua -- apontou para as
inscrições na parede -- é a que é denominada sumeriana, e
esta era a língua principal de uma das Atlântidas. !
-- Atlântidas? -- conjeturei. -- Mas o lugar era Atlân-
tida -- disse então, e o lama riu para mim muito alegremen-
te e disse:
-- Não, não, Lobsang, não há nenhum lugar dito
Atlântida, trata-se de um termo genérico para muitas terras
que afundaram no oceano sem deixar vestígios.
-- Oh, eu pensava que Atlântida fosse um lugar onde
seu povo possuía uma civilização em grau avançado a tal
ponto que nos faria parecer selvagens, mas agora o senhor
acaba de me dizer que não houve nenhuma Atlântida espe-
cificamente falando.
O lama interrompeu o que eu pretendia dizer ainda e
retrucou:
-- Há muita confusão a respeito disso, e os cientistas
deste mundo não iriam crer na verdade. E esta é a seguin-
te: em certa época remota este mundo contava apenas com
uma massa de terra. O resto era água, e eventualmente, por
efeito das vibrações da Terra, tais como os terremotos, a
massa única terrestre foi cindida em ilhas, e se estas aconte-
ciam ser maiores eram chamadas de continentes. Aos pou-
cos elas foram se separando e assim muitas dessas ilhas abri-
gavam pessoas que tinham esquecido a antiga língua, e pas-
saram a usar seu próprio dialeto familiar como sua lingua-
gem padrão. Anos passados não havia fala, todos se comuni-
57

cavam por telepatia, mas depois algumas pessoas de má ín-
dole passaram a tirar vantagem do conhecimento do que era
comunicado por uns a outros, e assim tomou-se costume
que nas comunidades de então os líderes das mesmas ideas-

sem idiomas que deveriam usar quando eles não desejassem
utilizar a telepatia que alguém pudesse apreender. Com o
tempo, a linguagem tomou-se cada vez mais empregada, e a
arte da telepatia foi esquecida, exceto por umas poucas pes-
soas como nós, do Tibete. Nós podemos nos comunicar
através do pensamento. Eu, por exemplo, venho me comu-
nicando com um amigo de Chakpori e lhe contei minha
atual situação. E ele replicou que seria mais conveniente en-
tão permanecermos onde estamos agora porque havia sinais
de fortes tempestades que tornariam muito difícil para nós
descer a montanha. Como ele disse: que importa onde este-
jamos e por quanto tempo, se estamos aprendendo algo, e
eu penso que estamos realmente aprendendo bastante. Mas,
Lobsang, essa substância parece estar produzindo um efei-
to maravilhoso em minhas pernas. Olhe para elas e verá co-
mo na verdade se mostram curadas.
Fiz o que me era pedido e o que vi era quase sobrena-
tural. A carne tinha sido reposta perfeitamente sobre os os-
sos, e pensei que já não seria preciso -- como supusera ho-
ras atrás -- amputar as pernas do lama na volta a Chakpori.
A imersão naquela coisa maravilhosa estava curando as per-
nas do lama. Assim que as examinei melhor pude verificar
como a pele se renovara unindo os talhos.
Subitamente, o lama disse:
-- Acho que interromperei esse meu banho por certo
tempo porque está fazendo minhas pernas comicharem tan-
to que se permanecer aqui acabarei por saracotear uma es-
pécie de dança que de algum modo arrancaria risos de você.
Assim, vou sair daqui, e não precisarei de ajuda para tal.
Ele moveu-se realmente com segurança, e assim que o
fez todo o líquido desapareceu da pequena piscina. Não ha-
via nenhuma abertura para isso, nenhum cano de escoamen-

58

to ou algo parecido, o líquido simplesmente desapareceu no
fundo. .
-- Veja, Lobsang, aqui estão alguns livros com ilustra-

ções absolutamente fascinantes. Mostram como fazer certas
operações, exemplificam como aquelas máquinas lá fora de-
vem funcionar. Nós devemos tentar entender isto porque
podemos ser capazes de beneficiar o mundo inteiro se essa
ciência bem antiga puder ser revivida.
Observei alguns daqueles livros, e eles me pareceram
um tanto chocantes. Gravuras exibindo as partes internas
das pessoas, criaturas com as feridas mais horríveis que se
possa imaginar, algumas tão ruins que uma pessoa nem mes-
mo poderia imaginar. Mas decidi fixar minha atenção naqui-
lo e procurar aprender tudo que pudesse acerca do corpo
humano. Mas primeiro, cheguei à firme conclusão de que a
alimentação era muito necessária. Não se pode exercitar o
cérebro sem um suprimento alimentar, e expressei com pa-
lavras meu pensamento sobre o assunto. O lama riu e disse:
-- Era justamente o que eu estava pensando. Esse tipo
de tratamento me trouxe um apetite intenso, assim vamos
até esse lugar que serve de cozinha e veremos o que há ali.
Nós estamos entre duas alternativas: ou temos de viver de
frutas ou então romper com uma de nossas normas e comer
carne.
Eu estremeci, e me senti nauseado. E disse:
-- Mas, mestre, como nós podemos comer a carne de
um animal?
-- Mas, meu Deus, Lobsang, esses animais morreram
há milhões de anos. Nós não sabemos quão antigo é este lu-
gar, mas sabemos que ele está em notáveis condições de boa
conservação. É melhor para nós comermos um pouco de
carne e continuar vivendo do que simplesmente sermos pu-
ristas e morrermos.
-- Mestre, como este lugar se acha em tal estado de
conservação se já tem um milhão de anos? Isso não me pa-
rece possível. Tudo se desgasta com o tempo e o uso, mas
59

este lugar dá a impressão de ter sido ocupado até ontem. Eu

simplesmente não posso compreender isso, como não enten-
do nada acerca da Atlântida.
-- Bem, há uma coisa chamada suspensão das ativida-
des vitais. Na verdade, estas criaturas, os Jardineiros da Ter-
ra, eram suscetíveis a enfermidades tal como nós o somos,
mas eles não podiam ser tratados e curados com as incipien-
tes substâncias à disposição na Terra; assim, quando uma
pessoa estava enferma e sua cura fora do alcance do talento
dos Jardineiros aqui na Terra, então os pacientes eram en-
volvidos em plástico após receberem o tratamento de sus-
pensão das atividades ou funções vitalizantes. Nesse estado
o paciente permanecia vivo, mas só em parte. Um batimen-
to cardíaco não podia ser captado, e certamente a respira-
ção também não seria detectada, e as pessoas podiam ser
mantidas nesse estado de animação suspensa por cinco anos.
Uma nave descia à Terra todo ano para recolher esses "em-
balsamados", e os pacientes eram levados para tratamento
em hospitais especiais na Morada dos Deuses. Quando eles
eram tratados ficavam tão bons como se fossem novas cria-
turas.
-- Mestre, e quanto a esses outros corpos, de homens
e mulheres, cada um num ataúde de pedra? Estou seguro de
que eles estão mortos, mas parecem vivos e saudáveis, por-
tanto o que se acham fazendo aqui, a que se destinam?
-- Os Jardineiros da Terra são pessoas muito ocupadas.
Seus superintendentes são ainda mais atarefados, e se dese-
jam saber algo a respeito das verdadeiras condições reinan-
tes entre as criaturas terrenas basta-lhes apenas fiscalizar um
desses corpos. Sua própria forma astral penetra num desses
corpos, que são apenas casulos, como você sabe, e ativam
o envoltório corpóreo. E então qualquer um deles pode vir
a ser um homem de trinta anos, ou qualquer outra idade
adequada, sem os incómodos e embaraços de um recém-nas-
cido comum, e viver uma infância e talvez ter tido um em-
prego, ou mesmo uma mulher. Tudo isso que poderia resul-
tar num bom número de complicações. Mas esses corpos são
60

mantidos em boa conservação, e se acham sempre aptos a
receber uma "alma", que deve ativá-los por certo tempo, e
fazê-los reagir a certos estímulos. E o corpo em questão tor-
na-se capaz de mover-se sob controle perfeito da vontade a
critério do novo e temporário ocupante do casulo corpóreo.
Há um bom número desses casos que nós podemos intitular
de pessoas transmjgradas. Elas aqui estão para a manuten-
ção de uma checagem dos humanos e a fim de tentar preve-
nir e corrigir algumas das tendências agressivas dessas pessoas.
-- Eu acho isso fascinante e quase inacreditável. E quan-
to aos corpos sobre o cimo do Potala, aqueles que são en-
volvidos em ouro, são destinados a algum uso também?
-- Oh, meu Deus, não -- retrucou o lama. -- Aqueles
são humanos de um tipo superior, e quando o corpo morre
o ego move-se para esferas mais elevadas. Alguns vão para o
mundo do astral, onde aguardam, estudando algumas das cria-
turas desse universo astral; mas eu terei de contar a você
mais sobre isso e acerca do reino de Patra. Pelo que tenho
conhecimento, somente nós, os lamas tibetanos, conhece-
mos algo sobre Patra, mas este é um assunto vasto demais
para ser resumido. Sugiro que demos uma olhada à nossa
volta um pouco porque este é realmente um longo comple-
xo de cavernas.
O lama adiantou-se a mim alguns passos para recolo-
car alguns livros nas estantes, e aí eu disse:
-- Não é uma pena deixar livros tão valiosos em estan-
tes como estas? Não seria melhor para nós levá-los para o
Potala?
O Lama Mingyar Dondup me endereçou um olhar sig-
nificativo, e então disse:
-- Eu me sinto cada vez mais surpreso com o quanto
você já conhece em sua juvenil idade, e o Dalai Lama me deu
plena permissão para lhe contar tudo que eu penso que você
deve saber.
Eu me senti muito lisonjeado com tais palavras, mas o
lama prosseguiu:
-- Você esteve presente à entrevista com aqueles solda-
61

dos ingleses, um deles chamado Bell, e o Dalai Lama ficou en-
cantado por você não ter revelado, nem mesmo a mim, o que
foi dito e feito na ocasião. Eu, deliberadamente, o pressionei,
Lobsang, para testar sua capacidade de guardar segredos, e
estou verdadeiramente encantado com o modo como você
reagiu.
"Dentro de poucos anos o Tibete irá ser conquistado
pelos chineses, e estes despojarão o Potala de todas as coisas
que o fazem ser realmente o Potala, irão levar as Figuras Dou-
radas e simplesmente derretê-las por causa do ouro que con-
têm. Livros sagrados e de ensino serão levados para Pequim
e estudados, porque os chineses sabem que podem aprender
bastante conosco; assim, nós buscamos lugares seguros e
escondidos para preservar as coisas mais valiosas. Você não
teria descoberto esta caverna a não ser por mero acaso, e
nós iremos vedar este lado da montanha para que o acaso
não possa ocorrer de novo. E, você pode ver, nós temos
aqui túneis intercomunicando-se por mais de trezentos
quilómetros, e os chineses não podem percorrê-los em suas
máquinas de quatro rodas, e certamente não podem vencê-
los a pé, embora para nós isto signifique apenas uma viagem
de dois dias.
"Em alguns anos o Tibete será invadido, mas não real-
mente conquistado. Nossos homens mais sábios irão para as
terras altas do Tibete, e viverão em subterrâneos de modo
muito semelhante ao das pessoas que escaparam antes de viver
na parte mais profunda deste mundo. Agora, não fiquemos
nervosos por ter que discutir essas coisas. O Dalai Lama diz
que não há motivo algum para que nos apressemos a voltar.
Eu terei que ensinar a você o máximo que possa, na medida
de meus conhecimentos, acerca de muitas coisas. Levar essas
obras de volta ao Potala seria como colocá-las simplesmente
em mãos dos chineses, e isto seria um destino lamentável.
"Bem, penso que já é hora para nós de efetuar uma
pesquisa metódica do que há nesta caverna em particular, e
iremos esboçar um mapa deste lugar.

62

-- Não será necessário, senhor -- eu repliquei. -- Aqui
está um mapa muito minucioso.


63


CAPITULO 4

O Lama Mingyar Dondup mostrou-se sumamente en-
cantado e ficou ainda mais satisfeito quando eu lhe mostrei
mapas de várias outras grutas.
Eu andara revistando uma das estantes e me surpreen-
dera por não haver uma partícula sequer de poeira ali, e o. ..
bem, eu diria que era papel, mas na realidade era alguma
substância parecida com papel só que muito mais fina. Nos-
so papel era todo confeccionado a mão, um material extraí-
do do papiro. Mas ao pegar naquela pilha de papéis vi que sê
tratava de mapas e cartas geográficas. Havia primeiramente
um mapa em pequena escala mostrando uma área de cerca
de quatrocentos quilómetros, e a seguir o túnel em questão
era assinalado com certos intervalos no seu alinhamento
para mostrar onde não era mais transitável, e aí uma pessoa
teria que sair de nosso próprio túnel e buscar a entrada para

um outro. Isto era exibido no mapa perfeitamente, mas sa-
ber quantos tremores de terra tinham afetado a precisão do
mapa, isto era o problema. Mas a seguir, o próximo mapa era
um desenho da caverna na qual nós estávamos agora abriga-
dos. Todos os compartimentos eram ali mostrados, e fiquei
surpreso com o número deles, e notei que os armários e
aposentos tinham sido todos rotulados, mas, é claro, eu não
podia entender aquelas explicações. Mas meu guia, pensei,
podia.

64

Pousamos o mapa no solo e nos agachamos enquanto
o examinávamos.
- Lobsang, você tem feito algumas descobertas notá-
veis durante esta jornada, e isto irá pesar bastante a seu fa-
vor. Certa vez trouxe aqui um jovem cheia, que ficou intei-
ramente receoso até mesmo de entrar na caverna. Como sa-
be, o velho ermitão que encontrou a morte na montanha
ïra realmente o Guardião da entrada dos túneis, e agora te-
remos que construir um novo eremitério para guardar essa
mirada.
- Penso, senhor, que não será necessário um Guar-
dião, porque o túnel inteiro pelo qual nós entramos está
bloqueado aparentemente por causa do tremor de terra,
por uma camada de rocha, e esta se prolonga até cobrir a
entrada. Não fosse por estes mapas, possivelmente ficaríamos
enterrados aqui para sempre.
O lama assentiu com ar muito sério, e, erguendo-se,
caminhou ao longo do trecho onde se achavam as estantes,
olhando para os livros, lendo seus títulos. Então, com uma
exclamação de agrado, ele pegou um livro - oh, era uma
coisa maciça, um livro grande, volumoso, que parecia ter si-
do editado não há um milhão de anos e sim recentemente.
- É um dicionário, Lobsang, das quatro línguas em
uso. Agora estamos bem equipados.
Ele ergueu o livro e de novo abaixou as mãos e colocou-o
no chão. Seria necessário desdobrar no chão todos aque-
les mapas, a mesa era pequena demais para tal. Mas o lama

empenhou-se na leitura de várias páginas do dicionário e en-
tão, já fazendo anotações no mapa de nossa caverna, disse:
- Séculos e séculos atrás, havia uma civilização muito
avançada, com um avanço bem maior do que o mundo veio
a alcançar desde então, mas infelizmente ocorreram mais
tremores de terra e maremotos, e algumas terras foram sub-
mergidas pelas vagas, e, de acordo com este dicionário, a
tlântida não foi apenas o único continente submerso. Hou-
ve um outro no oceano que eles chamaram de Atlântico, e
65

mais um outro mais abaixo do oceano Atlântico. Era um
lugar onde havia muitos picos elevados e esses cimos ainda
se projetam sobre as águas e agora são chamados de ilhas.
Posso mostrá-las a você em sua exata localização neste mapa.
Ele moveu-se rebuscando entre os papéis e então apa-
nhou uma grande folha colorida. A seguir, indicou os mares
onde existira a Atlântida. Então prosseguiu na sua explicação:
-- Atlântida, a terra perdida, este é o significado real
da palavra. Não é um nome como Tibete ou índia, trata-se
de um termo genérico para uma terra desaparecida, a que
afundou sem deixar vestígios.
Nós nos mantivemos em silêncio enquanto olhávamos
de novo aqueles mapas. Eu estava ansioso em descobrir co-
mo sair daquele lugar. O lama estava ansioso para encontrar
certos compartimentos. Por fim, ele se aprumou e disse:
-- Ouça, Lobsang. Naquele aposento há máquinas ma-
ravilhosas que nos mostrarão o passado que se estende até o
presente, e ali há uma máquina que revela o provável futu-
ro. Como sabe, graças à astrologia, por exemplo, você pode
antecipar o que irá acontecer a um país, mas quando se tra-
ta de uma pessoa em particular, tal antecipação requer um
génio em astrologia, e você teve tal génio astrológico para
antecipar seu futuro, e este é, na verdade, um difícil futuro.
"Vamos examinar primeiro alguns desses comparti-
mentos porque precisamos depois passar um longo tempo
na sala de máquinas, pois estas podem mostrar-nos o que
aconteceu desde que as primeiras criaturas vieram ter a este
mundo. Neste mundo elas cultivaram muitas crenças pecu-
liares, mas nós conhecemos a verdade porque temos sido
capazes de consultar o Registro Akashic e o Registro Akashic
de Probabilidades, isto é, podemos antecipar acuradamente
o que irá acontecer ao Tibete, à China, e à Índia. Mas quan-
to aos indivíduos, não, o Registro de Probabilidades se res-
tringe demasiado às possibilidades, e não pode ser levado
muito a sério.
-- Mestre, sinto-me absolutamente confuso porque to-
66

das as coisas que tenho aprendido me revelam que há uma
dissolução: o papel deve desfazer-se em pó, corpos devem
converter-se em pó, e os alimentos, bem, após um milhão de
anos certamente devem desfazer-se também, e simplesmente
não entendo como este lugar já pode ter um milhão de anos
mais ou menos. Tudo aqui parece novo, fresco, e simples-
mente não consigo entender isso.
- O lama me sorriu, e então disse:
- Mas há um milhão de anos atrás havia uma ciência
mais adiantada do que a de hoje, e eles dispunham de um
sistema por meio do qual o próprio tempo podia ser detido
Tempo é uma coisa puramente artificial, e é usada somente
neste mundo. Se você se acha à espera de algo muito agradá-
vel, parece então ser um tempo terrivelmente longo o que
terá que aguardar para obtê-lo, mas se você tem que ir à pre-
sença de um veterano lama para ter uma longa conversa
bem, parece não decorrer nenhum tempo antes que se ache
diante dele ouvindo sua opinião a seu respeito. Tempo é
uma coisa artificial, para que as pessoas possam fixar seus
compromissos comerciais ou cuidar de assuntos cotidianos
Essas cavernas são isoladas do mundo, dispõem do que eu
posso chamar apenas de um anteparo à sua volta, e este an-
trparo as coloca numa dimensão diferente, a quarta dimen-
são, onde as coisas não se deterioram. Nós iremos fazer uma
refeição antes de explorar os outros compartimentos, e o
que vamos comer será a carne de um dinossauro que foi

morto por caçadores há dois ou três milhões de anos passa-
dos. Você achará seu sabor inteiramente satisfatório.
- Mas, mestre, pensei que nos era proibido comer car-
ne.
- Sim, as pessoas comuns são proibidas de comer car-
ne. E tido como inteiramente adequado que elas vivam de
tsampa porque se seguem se empanturra de carne então seu
juízo se toma obtuso. Nós estamos recorrendo à carne para
nossa alimentação porque necessitamos da energia extra que
somente a carne pode oferecer e, seja como for, temos aqui
67

muito pouca carne, dispomos principalmente de legumes e
frutas. Mas você pode ter certeza de que comer esta porção
de carne não irá prejudicar sua alma imortal.
Dito isso, ele levantou-se e foi até àquela espécie ao»
despensa, e voltou trazendo um grande recipiente onde se
via uma horrível ilustração no rótulo que o envolvia. Nela
aparecia o que imaginei ser um dinossauro e sublinhada com
tinta vermelha via-se uma marca mostrando que parte do
dinossauro se achava na grande lata. O lama procedeu de-
pois à abertura da lata. Pude ver então que a carne contida
ali dentro estava absolutamente fresca, o animal podia per-
feitamente ter sido abatido naquele mesmo dia, tal o aspec-
to da carne.
-- Nós vamos cozinhar isto porque a carne cozida é
muito melhor do que crua, assim será bom que você obser-
ve bem o que eu fizer.
Eu o vi fazer algumas coisas curiosas com alguns da-
queles pratos de metal, e a seguir ele despejou o conteúdo
da lata de conserva num dos recipientes metálicos e o
introduziu no que parecia ser um pequeno armário de
metal. Depois, ele fechou a porta e girou alguns botões
com o que pequenas luzes se acenderam. Então o ouvi
dizer:
_--Agora, dentro de dez minutos, isto estará cozido
pefeitamente, porque não é preparado diretamente sobre

as chama, mas sim aquecido do interior para fora. Trata-se
de algum sistema de raios que eu reconheço não entender.
Mas agora devemos providenciar alguns legumes adequados
que irão bem com a carne.
-- Mas como o senhor aprendeu tudo isto, mestre?
-- Bem, tenho viajado bastante e recolhi conhecimen-
tos do mundo ocidental e observei como eles preparam uma
carne especial no sétimo dia da semana. Devo admitir que
tal prato tem um sabor realmente bom, mas requer um
sortimento completo de legumes, e penso que nós os temos
aqui.

68


Ele esticou as mãos até o fundo do armário e puxou
um recipiente alongado. Colocou-o a seguir na chapa metá-
lica e examinou atentamente o rótulo dizendo então:
- Sim, eis aqui os legumes e temos de colocá-los no
forno por cinco minutos para cozinhar. - No mesmo ins-
tante uma luz se apagou. - Ah, este é um sinal, devemos
empurrar essas verduras agora para o interior disto.
Depois, o lama acercou-se daquela coisa semelhante a
um forno, abriu a porta, e introduziu o recipiente. E, então
fechou rapidamente a porta. A seguir, ajustou alguns dos
botões superiores, e uma luz diferente se acendeu.
- Quando todas essas luzinhas se apagarem, Lobsang
nossa refeição estará preparada perfeitamente. Portanto
agora temos que apanhar pratos e aqueles outros utensílios
curiosos que você já viu, como facas afiadas e objetos de
metal com pequenas conchas numa extremidade, e aquelas
outras coisas que têm quatro ou cinco gumes numa extre-
midade, e que são chamadas de garfos. Acho que você irá
apreciar esta refeição.
Mal ele terminou de falar as pequenas luzes piscaram
enfraqueceram e se extinguiram. '
- Aí está, Lobsang. Agora, podemos sentar no chão e
fazer uma boa refeição.
Vi o lama aproximar-se daquele lugar aquecido que
ele chamara de forno, e, cuidadosamente, abrir a porta O

cheiro era delicioso e o observei com um gosto antecipado
nos lábios retirar os pratos metálicos das prateleiras gradea-
das. O lama colocou em meu prato uma boa porção de tudo
que fora cozido, e então uma porção menor para ele.
- Comece a comer, Lobsang, comece. Nós precisamos
conservar nossas energias em bom estado, você sabe.
Os pratos continham verduras de cor diferente, ne-
nhuma das quais eu vira até então, e com elas ali estava
aquele prato maior com um grande pedaço de carne de di-
nossauro. Cautelosamente, peguei aquela carne com meus
dedos quando então o lama me disse para usar um garfo

69

para espetar a carne, e me mostrou como proceder. Bem, eu
cortei um pedaço de carne, olhei-a, cheirei-a, e a levei à
boca. Rapidamente me precipitei na direção da cozinha e
me livrei daquela carne que estava em minha boca. O lama
irrompeu em riso.
-- Está inteiramente equivocado em seus pensamen-
tos, Lobsang. Você pensa que estou lhe pregando uma peça,
mas não estou. Em algumas regiões da Sibéria seus habitan-
tes algumas vezes enterravam um dinossauro capturado re-
centemente no solo gelado, e o animal ficava de tal modo
congelado que eram necessários de três a quatro dias para
que degelasse. E eles comiam a carne do dinossauro com um
supremo prazer.
-- Bem, eles podiam ficar com a minha parte desta
carne com um prazer ainda maior para mim. Pensei que
estava envenenado! Que coisa abominável é esta. Eu che-
garia até a comer a carne da minha avó ao invés dessa
nojeira!
Cuidadosamente, raspei os últimos restos da carne de
meu prato, e então olhei desconfiado para os legumes,
achando que devia experimentar algum deles. Para minha
surpresa, tinha um sabor realmente muito bom. Imaginem
vocês, eu nunca tinha provado legumes antes, tudo que tive-
ra para comer regularmente até ali fora tsampa e água para

beber. Assim, me servi de todos aqueles legumes até que o
lama me disse:
-- Será melhor parar agora, Lobsang. Você já fez real-
mente uma suculenta refeição, e, como sabe, não está acos-
tumado a comer essas verduras. Sendo esta a primeira vez,
essa absorção de verduras o deixará com o estômago pertur-
bado, a coisa toda funcionando como um purgante, e assim
eu vou lhe dar uns dois comprimidos para acalmar seu estô-
mago.
Eu engoli os desagradáveis comprimidos e estes me
pareceram tão grandes como cascamos. Depois que eu en-
golira tais coisas, o lama me olhou e disse:

70

-- Você os tomou a seco? Bem, o normal é engoli-los
com a ajuda de um bom copo d'água. Faça isso agora,
encha seu copo com água e verá que o gosto do pó dos com-
primidos desaparecerá.
Uma vez mais me levantei e caminhei até a cozinha,
cambaleei seria o termo mais exato, porque nunca em mi-
nha vida comera legumes ou frutas. Bem, eu podia sentir
alarmantes contrações dentro de mim, tão alarmantes de
fato que tive de deixar o copo de lado e correr -- o caminho
todo -- até o pequeno compartimento que dispunha daque-
la abertura no chão. Mais meio minuto e poderia ser tarde
demais. Contudo, felizmente alcancei aquela "latrina" a
tempo.
Voltei para onde estava o lama e disse:
-- Há muitas coisas que realmente me intrigam, e sim-
plesmente não consigo afastá-las da mente. Por exemplo, o
senhor disse que este lugar pode já ter dois milhões de anos,
então como é que os legumes e as frutas são tão apetecíveis?
--Ouça, Lobsang, você deve lembrar-se de que este
mundo tem milhões de anos de existência, e muitos tipos
diferentes de pessoas aqui já viveram. Por exemplo, há cerca
de dois milhões de anos atrás houve uma espécie de criatu-
ras sobre a Terra e que eram conhecidas como Homo habilis.
Elas ingressaram na nossa era com a invenção dos primeiros

utensílios deste ciclo particular. Você sabe que o Homo sa-
piens é o que nós somos, e procedemos daquele outro
Homo que eu acabei de mencionar.
"Para tentar fazê-lo entender isso um pouco melhor,
permita-me dizer que o mundo é como um jardim, e todos
os edifícios do mundo são plantas. Bem, com a devida fre-
quência, o cultivador terá que vir para cuidar de seu jardim.
Isto significa que ele irá revolver o solo, e assim procedendo
irá descobrir todas as plantas e raízes. Elas ficarão expostas
ao ar por alguns minutos, e assim que o plantio ocorre de
novo elas irão ser enterradas mais profundamente, tanto
que no fim ninguém poderia dizer que no jardim havia tal
71

ou qual planta. É o mesmo que ocorre com os seres humanos
no mundo; pensemos em nós como plantas. Mas os huma-
nos de tipos diferentes são postos à prova, e se não podem
atuar de modo a satisfazer os jardineiros, então catástrofes
e desastres serão seu fado. Haverá tremendas explosões e
terremotos, e todo traço de humanidade será sepultado, pro-
fundamente enterrado no solo, e aí então uma nova raça de
pessoas aparecerá. E assim o ciclo prosseguirá; tal como o
cultivador escava sob as plantas, desenraizando-as, assim
também os jardineiros do mundo causam tais desastres que
todo o vestígio de habitação é extinto.
"Com frequência um agricultor estará ocupado com
seu pedaço de terra, e ele poderá distinguir algo brilhando
no solo onde se acha escavando. Ele então se inclinará e co-
lherá tal coisa, perguntando-se o que ela será. E talvez ele a
guarde em suas vestes a fim de levá-la para casa e mostrá-la
à sua mulher e talvez a seus vizinhos. Poderia ocorrer que
ele tivesse encontrado algo que estava enterrado no solo re-
volvido há um milhão mais ou menos de anos e agora, com
os tremores de terra, o objeto de metal brilhante fosse trazi-
do à flor da terra.
"Algumas vezes uma ossada virá a ser descoberta e o
agricultor gastará talvez dois minutos perguntando-se que
espécie de pessoa seria a possuidora de tal objeto, porquan-

to já têm existido muitas estranhas criaturas nesta Terra. Já
houve, por exemplo, mulheres com a pele purpurina e oito
pares de seios, tal como uma cadela prenhe. Suponho que
seria de todo útil terem essas dezesseis mamas, mas tal raça
se extinguiu porque era inviável. Se a mulher viesse a dar à
luz muitas crianças, seus seios se tornariam tão pendentes
que ela dificilmente seria capaz de caminhar sem cair, assim
aquela raça se extinguiu. E depois houve uma outra raça
cujos homens tinham cerca de 130 centímetros de altura,
nenhum além dessa marca, e eles tinham nascido já como gi-
netes, não como você que mal consegue manter-se no lom-
bo do potro dócil que nós temos, mas suas pernas eram ex-

72

tremamente arqueadas e eles não tinham nenhuma necessi-
dade de estribos ou sela, ou alguma coisa parecida; a confor-
mação de seu corpo parecia ter sido destinada especialmen-
te para cavalgar. Infelizmente o cavalo não tinha sido "in-
ventado" naquela época.
- Mas, senhor, eu não posso entender como nós po-
demos estar numa montanha, exatamente no seu interior, e
no entanto dispormos de uma luz solar brilhante e esta ple-
nitude de calor. Isso me confunde, e eu não posso encontrar
nenhuma explicação.
O lama sorriu como sempre fazia diante de algum de
meus comentários, e disse:
- Estas rochas que chamamos de montanhas têm pro-
priedades especiais, elas podem absorver a luz do sol, conti-
nuadamente, e então, se há quem saiba como, nós podemos
obter a luz solar liberta de qualquer grau de brilho que ne-
cessitarmos. Assim, como o sol está brilhando mais ou me-
nos o tempo todo sob o cimo das montanhas, bem, nós es-
tamos sempre armazenando a luz solar para quando o sol
tiver sumido em sua jornada diária e esteja fora do alcance
de nossa visão. Isso não é absolutamente uma coisa mágica,
é uma ocorrência perfeitamente comum, como as marés.
Oh, eu esqueci que você nunca viu o mar, mas este é uma
vasta massa líquida. Uma água que não se pode beber por-
que provém da água fresca que escorreu do lado da mon-
tanha e através da terra trazendo com ela toda sorte de im-
purezas e detritos venenosos, se tentássemos bebê-la isso
apressaria nossa morte. Assim nós temos que usar parte da
luz solar armazenada. Ela incide sobre um tipo especial de
placa, e uma fria corrente de ar se desloca sobre a outra ex-
tremidade da placa ou prato, então a luz se manifesta como
calor de um lado e frio do outro. O resultado disso é que
gotículas de água se formam, nascidas da luz do sol e do
frio da terra. Isso resultará em água absolutamente pura,
chamada de água destilada, e assim nós podemos recolhê-la
em recipientes e dispor, depois, de bastante água fresca para
beber.

73

-- Mas, mestre, essa questão de terem essas coisas um
milhão ou dois de anos... bem, simplesmente não posso en-
tender em absoluto. A água, por exemplo; giramos algo de
metal e obtemos água fria que, obviamente, foi depositada
num tanque em algum lugar há um milhão ou mais de anos.
Bem, como foi que essa água não se evaporou? Como pode
possivelmente ser bebida após tantos anos? Isso me deixa
absolutamente incrédulo. Sei que no teto do Potala o reser-
vatório de água cedo secaria, assim como isto pode já ter
um milhão de anos?
-- Lobsang! Lobsang! Você pensa que temos uma
ciência adiantada agora, que conhecemos bastante sobre
medicina e ciências, mas aos olhos do mundo exterior so-
mos apenas um bando de selvagens deseducados. No entan-
to, aprendemos coisas que o resto do mundo não aprendeu,
o resto do mundo é um grupo de pessoas materialistas. Esta
água pode ter um milhão ou dois de anos, mas até virmos
aqui e a descobrirmos e pôr tudo para funcionar... bem,
isso pode ter sido simplesmente há uma hora ou duas antes.
Compreenda, há uma coisa que se chama animação suspen-
sa. Nós temos ouvido muitas coisas de outros países sobre
pessoas que ficaram mergulhadas num transe cataléptico du-
rante meses, e há alguém agora que já superou essa marca fí-
cando em transe por um ano e meio. E essa pessoa não pa-
rece ser afetada por isso, ela não parece mais velha, está sim-
plesmente. .. bem, está viva. Nós não podemos sentir as
batidas cardíacas de tal pessoa, não conseguimos nenhuma
marca de seu hálito num espelho, portanto o que a sustenta
em seu sono, e por que esse estado não lhe produz nenhum
dano? Há assim muitas coisas a serem redescobertas, todas
essas coisas que eram lugar-comum nos dias em que os Jar-
dineiros chegaram. Simplesmente, como um exemplo, deixe
que eu lhe mostre o aposento, está assinalado aqui, no ma-
pa, veja... onde corpos foram conservados num estágio de
atividades vitais suspensas. Uma vez por ano, dois lamas vi-
rão e entrarão naquele aposento, e retirarão um por um os

74

corpos dos esquifes de pedra e então os examinarão atenta-
mente para ver se detectam alguma doença. Se tudo estiver
em boas condições, eles fazem os corpos se movimentarem
para cima e para baixo a fim de fazer seus músculos traba-
lharem de novo. Então, após termos alimentado um pouco
os corpos, a tarefa a seguir seria a de pôr o corpo astral de
um Jardineiro no corpo retirado do ataúde de pedra. Essa é
uma experiência muito singular.
-- Como assim, senhor? É realmente uma coisa difícil
de fazer?
- Agora veja você, Lobsang, me dizendo por um lado
que não cré em tal coisa, e por outro que está tentanto
obter tantos esclarecimentos como lhe for possível. Sim, es-
ta é uma sensação terrível. No astral, um ser está livre para
assumir o tamanho que lhe seja mais conveniente, pode-se
desejar ser muito pequeno por alguma razão, ou se pode
querer ser bem alto e corpulento por algum outro motivo.
Bem, pega-se o corpo certo e então o deixamos ao lado do
outro. Aí os lamas injetam uma substância no corpo aparen-
temente morto e suavemente eles pegam o corpo, o seu no
caso, e o colocam sobre o outro. Aos poucos, num espaço de
cinco minutos mais ou menos, você desapareceria, tornar-se-
ia cada vez mais fraco, e então, de repente, a figura no es-
quife de pedra daria um salto e, sentando-se bem aprumada,
exclamaria assim: "Oh, onde estou? Como vim me encon-
trar aqui?" Por um certo espaço de tempo, saiba, ela tem a
memória da última pessoa a usar aquele corpo, mas dentro
de umas doze horas o corpo que tinha assumido deve pare-
cer como absolutamente normal, e na realidade capaz de
executar todas as coisas que você poderia fazer se estivesse
na Terra envolto em seu próprio corpo. Nós fazemos isso
porque algumas vezes não podemos nos permitir o risco de
danificar o corpo real. Esses simulacros de corpos, bem, não
importa muito o que lhes aconteça, eles têm somente que
encontrar alguém com as condições proximamente adequa-
das às suas, e depois podemos colocar o corpo num esquife
75

de pedra e deixar que a força vital derive para um outro pla-
no existencial. As pessoas nunca são forçadas a essa trans-
mutação, compreenda, isso sempre ocorreu com seu pleno
conhecimento e anuência.
"Mais tarde, você ira habitar num desses corpos por
um ano menos um dia. Este dia se explica porque os corpos
somente durariam trezentos e sessenta e cinco dias se certas
coisas complicadas não lhes acontecessem. Assim, é melhor
fixar a duração da tomada de posse do corpo em um ano
menos um dia. E então... bem, o corpo que você esteja
ainda ocupando ficaria no interior do ataúde de pedra, estre-
mecendo devido à frialdade do mesmo, e aos poucos sua
forma astral emergeria do corpo substituto e entraria em
seu próprio corpo e assumina todas ás suas funções, todos os
seus pensamentos, e todo o seu conhecimento. E sobre isso
agora seriam superpostos todos os conhecimentos que você
teria auferido durante os passados trezentos e sessenta e
quatro dias.
"Os de Atlântida costumavam ser grandes expoentes
deste sistema. Eles tinham um grande número desses cor-
pos-simulacro que eram constantemente assumidos por al-
guma pessoa superior que desejava colher uma certa parcela
de experiência. Então, tendo alcançado tal experiência, eles
voltariam a si e reclamariam seu próprio corpo, deixando o

substituto para a próxima pessoa a assumi-lo.
-- Mas, mestre, sinto-me sinceramente intrigado com
isto, porque se um Jardineiro do Mundo tem todos esses po-
deres, então por que ele não pode simplesmente observar a
leste ou oeste ou ao sul e ao norte e ver o que está aconte-
cendo? Por que toda essa história incoerente de ocupar um
corpo substituto?
-- Lobsang, você está se mostrando obtuso. Nós não
podemos nos arriscar a ver uma alta personalidade real feri-
da, não podemos permitir que seu corpo seja lesionado, e
portanto lhe providenciamos um corpo substituto, e se um
braço ou uma perna deste fosse removida, isto seria realmen-
76

te ruim, mas não magoaria a entidade superior que assumi-
ria o corpo-simulacro. Deixe-me explicar-lhe a coisa assim:
dentro de nossa cabeça há um cérebro. No entanto, aquele
cérebro é cego, surdo e mudo. Pode unicamente exercitar-se
em procedimentos animalescos, e não possui nenhum co-
nhecimento real do que representa. Para efeito de ilustração
digamos que a verdadeira entidade superior tal ou qual dese-
jasse ter a experiência de como se é queimado. Bem, em seu
próprio corpo ele não seria capaz de condescender com as
vibrações rudes, brutais, necessárias para alguém sentir a
queimadura, mas nessa entidade corpórea mais inferior. . . aí
sim, a queimadura pode ser sentida, portanto a superentida-
de penetra no corpo substituto e então as condições neces-
sárias acontecem, e talvez a entidade superior possa chegar a
conhecer o que deseja saber através da experiência de seu
substituto. O corpo pode ver, o cérebro não pode. O corpo
pode ouvir, o cérebro não. O corpo pode experimentar
amor, ódio, e toda espécie de emoções, mas a superentidade
não pode, assim tem que obter tal conhecimento por pro-
curação.
-- Então todos esses corpos estão vivos e prontos para
ser usados por alguém que assim deseje?
- Oh não, não, nada disso. Não se pode fazer a enti-
dade penetrar num desses corpos se isto for feito para um

propósito errado. A superentidade deve ter um bom motivo,
absolutamente genuíno para desejar comandar um corpo,
isso não pode ser feito em razão de seus interesses sexuais
ou monetários, pois estes não colaboram em nada no pro-
gresso verdadeiro de alguém no mundo. Comumente acon-
tece que exista alguma tarefa a ser cumprida pêlos Jardinei-
ros do Mundo, e é uma missão difícil porque sendo cérebros
superiores eles não podem sentir coisas, eles não podem ver
coisas, assim tomam providências para que um número a-
propriado deles (os supercérebros) assumam um corpo e
desçam à Terra, nela figurando como criaturas mortais. Eu
sempre digo que o problema maior é o cheiro terrível que
77
exalam esses corpos. Eles cheiram como carne quente, po-
dre, e pode levar a metade de um dia para que se possa su-
perar a náusea provocada por uma transmutação dessa or-
dem. .Assim não há realmente nenhum meio pelo qual uma
superentidade que possivelmente tenha agido errado em al-
gum lugar possa vitimar o corpo substituto. Pode-se obser-
var o que os outros estão fazendo, obviamente, mas nada
pode ser feito que venha a ferir a superentidade.
- Bem, tudo isso é como um terrível enigma para
mim, porque se uma superentidade terá que aguardar até
que um corpo esteja talvez com trinta anos de idade, o que
acontecerá quanto ao Cordão de Prata? É evidente que o
Cordão de Prata não é simplesmente cortado, pois nesse ca-
so suponho que o corpo substituto deveria simplesmente
deteriorar-se.
- Não, não, Lobsang - replicou o lama. - Esses cor-
pos substitutos tem uma espécie de Cordão de Prata (cor
dão umbilical) que leva a uma fonte de energia que mantém
o caminho livre para um corpo ser ocupado. Isto é conheci-
do dentro de muitas religiões do mundo. O Cordão de Prata
é, por meios metafísicos, conectado com uma fonte central
e as pessoas que zelam por esses corpos podem avaliar suas
condições mediante o Cordão de Prata, e podem adicionar
elementos nutrientes ou suspendê-los, dependendo das con-
dições do corpo em questão.
Balancei minha cabeça, desconcertado, e disse:

- Bem, como ocorre que algumas pessoas têm o Cor-
dão de Prata emergindo do alto da cabeça enquanto em ou-
tras ele emerge do umbigo? Isso quer significar que um é
melhor do que o outro? Significa que o botão de saída para
o cordão, no abdômen, é só para aqueles não muito evoluí-
dos?
- Não, não, em absoluto, não importa o mínimo o
fato de onde emerge o Cordão de Prata. Se você for de um
certo tipo pode ter um Cordão de Prata emergindo, diga-
mos, do dedão do pé enquanto o contato é feito, e isto é
78

tudo que importa. E enquanto o contato é processado e
mantido em boa ordem, o corpo vive num estado que cha-
mamos de êxtase. Isso significa que tudo está em ordem. Os
órgãos do corpo continuam funcionando muito lentamente,
e no transcorrer de um ano inteiro um corpo irá consumir
menos do que uma tigela de tsampa. Como vê, nós temos de
fazer isso desse modo, senão ficaríamos para sempre vaguean-
do ao longo dos túneis desta montanha assegurando-nos de
que um corpo está sendo cuidado adequadamente, e se ad-
mitíssemos que pessoas viessem aqui para alimentar esses
corpos, então isso realmente iria afetar tais corpos, porque
uma pessoa pode viver sob o estado de êxtase por vários mi-
lhões de anos contanto que mereça a atenção necessária. E
essa assistência necessária pode ser, e o é, fornecida pelo
Cordão de Prata.
-- Então uma grande entidade pode descer aqui a fim
de ver qual o tipo de corpo que irá ocupar?
-- Não. Se a entidade que está tencionando ocupar
um corpo vê um corpo desocupado, ela não sonharia em en-
trar em algo de tão feio aspecto. Ouça, venha comigo, e nós
iremos ao Saguão dos Esquifes.
E assim dizendo, o lama recolheu seus livros e seu ma-
terial, e ergueu-se um tanto trémulo.
-- Acho que primeiro devíamos examinar suas pernas,
porque me parece que o senhor está sentido muita dor.
-- Não, Lobsang, vamos dar primeiro uma olhada nes-
ses esquifes, e depois eu lhe prometo que examinaremos mi-
nhas pernas.
Juntos, caminhamos bem lentamente, o lama consul-
tando seu mapa aqui e ali, e então, por fim, ele disse:
-- Ah! Dobraremos a próxima curva à esquerda e de
novo a seguinte, e ali adiante está a porta pela qual devemos
entrar.
Seguimos a passo lento pelo caminho e dobramos à
esquerda, então tomamos pela primeira curva à esquerda de
novo. E ali estava a porta, uma grande porta que parecia ser
79

feita de ouro batido. Assim que nos aproximamos, uma luz
fora da porta piscou e então se firmou, e a porta se abriu
Nos entramos, e eu parei um instante, impressionado por
aquela visão algo repelente.
O aposento era maravilhosamente demarcado com
um bom numero de postes e trilhos.
- Isto é para que um corpo recentemente despertado
seja erguido, Lobsang - disse o lama. - Na maioria das ve-
zes eles tornam-se um pouco estonteados quando são desper-
tados, e seria sem dúvida um transtorno que um deles mal-
despertado caísse e batesse com o rosto no chão e assim afe-
tasse suas feições de tal modo que não pudesse ser usado
por algum tempo. Isso prejudicaria todos os preparativos já
feitos, e aí talvez fosse necessário obter um corpo diferente e
uma entidade, o que significa um bocado de trabalho extra
Nenhum de nós apreciaria de modo algum que tal ocorresse
Mas aproxime-se e veja este corpo.
Com relutância, me acerquei de onde o lama me ace-
nava. Eu não me sentia propenso a ver corpos mortos, isso
me fazia imaginar por que os humanos têm uma duração de
vida curta, muito curta realmente quando se sabe que uma
arvore pode durar cerca de quatro mil anos.
Olhei para o interior do esquife de pedra e ali estava
Um homem nu. Sobre seu corpo havia um bom número
de... bem, pareciam agulhas com fios muito finos saindo
das mesmas, e ao olhar com atenção vi que por vezes o cor-
po se retorcia e dava um pequeno salto, tornando-se isso

uma cena fantástica sem dúvida. Assim que olhei seu rosto
eu o vi abrir levemente os olhos e a seguir fechá-los de novo.
O Lama Mingyar Dondup disse:
- Devemos deixar este aposento agora, porque este
homem está para ser "ocupado" dentro de muito pouco
tempo, e a presença de intrusos será perturbadora para to-
dos eles. - O lama voltou-se então e caminhou pelo apo-
sento.
Dei uma olhada em volta, e então o acompanhei com
relutância, porquanto aquelas pessoas nos ataúdes de pedra,
80

homens e mulheres, estavam inteiramente nus, e me pergun-
tei o que uma mulher estaria fazendo ao ocupar um daque-
les corpos.
-Estou captando seus pensamentos, Lobsang; por
que uma mulher não poderia ser utilizada para algumas coi-
sas? Precisa-se de mulheres porque há alguns lugares onde os
homens não podem entrar, tal como há certos lugares onde
as mulheres não podem entrar._Mas vamos andar um pouco
mais rápido porque não desejamos adiar a vinda da entidade
superior aguardada.
Nós nos movemos um pouco mais depressa, e então o
lama disse:
- Sei que você está com um bocado de perguntas pa-
ra fazer; assim, por que não expressá-las, já que está destina-
do a ser um superlama e tem de aprender um número incrí-
vel de coisas, que são ensinadas quase que somente a um en-
tre um milhão do clero?
- Bem, quando a entidade superior já penetrou no
corpo "convidado", o que acontece então? Não se apressará
em conseguir uma farta e boa refeição? Eu certamente faria
isso !
O lama riu e replicou:
- Não, ele não se apressará a isso, de modo algum, ele
não está faminto porque o corpo substituto foi mantido
bem alimentado e pronto para sua imediata ocupação.
- Eu não posso entender o objetivo disso, mestre.
Quero dizer, uma superentidade deveria pensar que lhe ca-
bia entrar num corpo que porventura tivesse nascido recen-
temente em vez de toda essa confusão acerca de corpos
mortos que são como zumbis.
- Lobsang, procure apenas raciocinar. São necessários
vários anos para que um bebé aprenda uma coisa, e ele tem
que ir à escola, tem de se sujeitar a uma disciplina paterna,
e tudo isso representa um consumo maior de tempo. Isso
leva talvez trinta ou quarenta anos, ao passo que se o corpo
substituto pode fazer tudo aquilo e então vir para esses es-
quifes, aí seu valor torna-se muito maior, pois ele conhece
81

todas as condições da vida em sua própria parte do mundo,
e não tem de gastar anos de espera e aprendizagem, e não
estar de todo seguro do que representa tudo o que aprendeu.
-- Eu já tenho tido experiências, e as coisas que têm
me acontecido... bem, elas não parecem conter qualquer
sentido. Possivelmente eu virei a obter algum esclarecimen-
to antes de deixarmos este lugar. E; seja como for, por que
é que os humanos têm uma duração de vida tão terrivel-
mente curta? Lemos a respeito de alguns sábios, as pessoas
realmente ilustradas, e estas parecem ter vivido cem, duzen-
tos, ou trezentos anos, e ainda parecem jovens.
-- Bem, Lobsang, cabe dizer-lhe agora, eu estou com
mais de quatrocentos anos de idade, e posso dizer exata-
mente à você por que os humanos têm uma vida tão ter-
rivelmente curta.
"Há vários milhões de anos, quando este universo es-
tava em sua infância, um planeta se acercou muito deste
mundo quase o atingindo; de fato ele fora desviado de sua
órbita por causa dos impulsos antimagnéticos do outro
mundo. Mas o outro planeta colidiu com um pequeno pla-
neta que foi reduzido a pedaços, que são agora conhecidos
como o cinturão asteroidal. Nós trataremos disso com mais
amplitude um pouco mais tarde. No momento, eu lhe direi
que quando este mundo se achava em formação havia gran-
des vulcões em toda a sua extensão, e eles vertiam gotas de

lava e fumaça. Bem, a fumaça alçou-se e formou pesadas nu-
vens em derredor da Terra. Este mundo não era destinado
a ser um mundo de venturas, em absoluto. Você entende, a
luz solar é venenosa, ela possui raios letais que são muito
prejudiciais ao ser humano. Bem, os raios são danosos para
todas as criaturas. Mas a cobertura da nuvem tornou o mun-
do uma espécie de estufa, todos os raios benéficos puderam
vir através dela, mas os raios nocivos foram interceptados, e
as pessoas então costumavam viver centenas de anos. Mas
quando o planeta errante se aproximou demais ele varreu
todas as nuvens que cobriam esta terra, e no espaço de duas
82

gerações as pessoas passaram a ter uma duração de vida de
três vintenas e dez. Em outras palavras, setenta anos.
"O outro planeta, quando colidiu e destruiu o menor
para formar o cinturão asteroidal, despejou seus mares den-
tro deste mundo. Agora, nós temos água formando nossos
mares, mas aquele outro mundo tinha uma forma muito di-
ferente de mar, era um mar de petróleo, e sem aquela coli-
são este nosso mundo não disporia de nenhum produto pe-
trolífero e isso teria sido uma boa coisa, porque atualmente
drogas são extraídas do petróleo e muitas dessas drogas são
na verdade coisas danosas. Mas a realidade aí está e temos
que conviver com ela. Naqueles antigos tempos todos os
mares foram contaminados com produtos do petróleo, mas
eventualmente aquele petróleo imergiu fundo através dos
mares e dos leitos destes e foi recolhido em grandes depres-
sões rochosas, depressões estas que resultaram de influên-
cias vulcânicas sob o leito do mar.
"Com o passar do tempo, o petróleo estará inteira-
mente exaurido porque o petróleo acessível agora é de um
tipo prejudicial ao homem, sua combustão causa a forma-
ção de um gás letal. Isso ocasiona muitas e muitas mortes, e
também faz com que as mulheres grávidas dêem a luz crian-
ças doentias, e mesmo, em alguns casos, monstros. Nós ire-
mos ver alguns destes muito brevemente porque há ainda
outros recintos que vamos visitar. Você poderá ver tudo isso

no estágio tridimensional. Agora, eu sei que você está an-
siando saber como fotografias podiam ser tiradas há um bi-
lhão de anos atrás. A resposta está em que há extraordiná-
rias civilizações neste universo, e naqueles antigos dias eles
tinham um equipamento fotográfico que podia penetrar a
neblina mais profunda ou a escuridão mais intensa, e assim
fotos foram tiradas. Então, após algum tempo, o povo dono
de uma ciência superior veio ter a esta terra, e eles viram pes-
soas morrendo como moscas, assim se poderia dizer, por-
que se as pessoas podem viver somente setenta anos, isto
é uma duração muito breve realmente, e não dá a alguém
a oportunidade de aprender tanto como deveria.
83

Eu o escutava com suprema atenção. Achei tudo aqui-
lo fascinante, e em minha opinião o Lama Mingyar Dondup
era o homem mais inteligente do Tibete. E ele disse:
- Nós aqui, na superfície terrestre, conhecemos so-
mente metade do mundo porque este é oco, como muitos
mundos são, como a lua o é, e há pessoas vivendo em seu in-
terior. Ora. algumas pessoas negam que a Terra é oca. mas
eu sei que ela o é por experiência pessoal porque tenho esta-
do ali. Uma das maiores dificuldades consiste em que cientis-
tas do mundo inteiro negam a existência de tudo que eles
não podem descobrir. Eles dizem que não é possível para
uma pessoa viver várias centenas de anos, e declaram não ser
possível que a cobertura nebulosa, quando varrida, tenha
causado o encurtamento da duração da vida das pessoas. Mas
realmente assim foi. Os cientistas, compreenda você, sempre
se guiam por obras que comunicam informações que, ao se-
rem estudadas nas salas de aula, já estão com cerca de cem
anos de atraso, e lugares como este, a caverna onde nos en-
contramos agora, foram construídos aqui especialmente pê-
los homens mais sábios que já existiram. Os Jardineiros da
Terra podiam contrair doenças tal como os humanos nati-
vos, e algumas vezes uma operação cirúrgica se fazia neces-
sária, uma operação que não podia ser feita na Terra,
portanto o paciente era colocado num estado de animação

suspensa e encerrado numa uma plástica. Então o médico
das cavernas enviava mensagens etéreas especiais para uma
nave espacial hospitalar, e esta nave vinha pousar aqui e le-
var as urnas para onde se achavam as pessoas enfermas. De-
pois elas podiam ser operadas na nave espacial ou conduzi-
das de volta ao mundo que era seu lar.
"Como deve entender, é fácil viajar a uma velocidade
muito superior à da luz. Algumas pessoas costumavam di-
zer: 'Oh, se você viajar a cinquenta quilómetros por hora is-
to irá causar-lhe a morte porque a pressão do ar irá estourar
seus pulmões.' E então, quando essa previsão resultou falsa
as pessoas passaram a dizer: 'Oh, o homem nunca viajará a
84

cem quilómetros por hora, isso o mataria.' E depois a próxi-
ma afirmação foi a de que as pessoas nunca viajariam a uma
velocidade maior do que a do som, e agora estão dizendo
que nada pode jamais viajar mais rápido do que a luz._A luz
tem uma velocidade própria, como sabe, Lobsang. Ela é
composta das vibrações que, emanando de algum objeto,
exercem seu.impacto sobre os olhos humanos, e estes vêem
qual é esse objeto. Mas, de modo definitivo, dentro de ape-
nas poucos anos, pessoas estarão viajando a uma velocidade
muitas vezes maior que a da luz, como faziam os visitantes
daqui em suas naves espaciais especiais. A nave que está na
outra câmara estava justamente preparada para decolar
quando a montanha sofreu aquele abalo e as rochas obstruí-
ram a saída. E, naturalmente, logo que o abalo ocorreu to-
do o ar naquela câmara foi exaurido automaticamente e as
pessoas a bordo daquela nave ficaram num estado de anima-
ção suspensa, mas elas já tinham permanecido nesse estado
tanto tempo que se nós tentássemos revivê-las agora prova-
velmente ficariam de todo insanas. Isso porque certas por-
ções altamente sensíveis de seus cérebros teriam sido priva-
das de, oxigénio, e sem este elas morrem, e a pessoa que tem
um cérebro morto assim. .. bem, não vale a pena que per-
maneça viva, pois já não é mais humana. Mas estou falando
demais, Lobsang. Vamos movimentar-nos e observar algum
dos outros aposentos.
-- Mestre, eu gostaria de examinar primeiro suas per-
nas porque aqui temos os meios de curá-las rapidamente e
me parece errado que o senhor deva sofrer quando, median-
te esta superciência, pode ser curado muito depressa.
-- Muito bem então, Lobsang, meu camarada médico.
Vamos voltar ao compartimento da saúde, e daremos uma
olhada nas minhas pernas e veremos o que podemos fazer.

85

CAPÍTULO 5

Caminhamos ao longo do corredor que separava os
aposentos fora da câmara principal, e logo chegávamos ao
"aposento de saúde médica". No momento em que entra-
mos as luzes brilharam vivamente como anteriormente. O
lugar parecia inalterado, não havia nenhum indício de que
nós tínhamos estado ali antes, nenhum sinal deixado porven-
tura por nossos pés descalços e cobertos de pó, tudo parecia
como se o piso tivesse sido encerado há pouco e a cercadura
em torno da piscina central de novo polida. Observamos
isso de passagem, e em minha mente brotou mais uma série
de perguntas, mas antes de mais nada, eu disse:
-- Mestre, por favor, ponha suas pernas na piscina ago-
ra, e então eu retirarei essas bandagens.
O lama moveu suas pernas como eu pedira e sentou-se
na beirada da piscina. Eu entrei nela, e desenrolei as ataduras.
Senti-me mal ao ver aqueles panos. As ataduras estavam ama-
reladas e muito desagradáveis ao olhar.
- O que se passa com você, Lobsang? Está com a ex-
pressão de quem teve que comer um alimento muito estranho.
- Oh, mestre, suas pernas estão tão ruins, penso que
teremos que tentar trazer aqui outros monges para levar o
senhor de volta a Chakpori.
-- Lobsang, as coisas não são sempre o que parecem.
Retire as ataduras, depois todos os outros envoltórios. Pode
86

fazer isso de olhos fechados, se assim desejar, ou talvez eu mes-
mo possa fazê-lo.
Terminei de retirar as primeiras bandagens, mas senti
que não seria capaz de retirar o resto, porque se transfor-
mara numa massa realmente horrível, uma crosta viscosa.
Mas o lama abaixou-se e deu simplesmente um puxão
retirando o final das ataduras, que se desprendeu com um
aspecto de filamentos viscosos, de algo que pendia dos mes-
mos. Sem se deixar impressionar o mínimo, o lama simples-
mente jogou as bandagens no chão, e disse:
- Bem, agora eu irei pressionar esta válvula e então a
piscina se encherá daquele líquido. Eu a tinha desligado por-
que, evidentemente, nós não íamos querer que você retirasse
as ataduras com água até o peito. Saia da piscina e eu farei
com que o líquido corra mais depressa.
Apressadamente pulei fora da piscina, e então olhei
aquelas pernas de aspecto desagradável. Se estivéssemos em
Chakpori ou outro lugar parecido, penso que ambas teriam
de ser amputadas, e que isso seria uma coisa terrível para
o Lama Mingyar Dondup, sempre viajando daqui para lá para
fazer o bem a alguém. Mas assim que olhei de novo para as
pernas do lama vi que pedaços daquela matéria viscosa se
desprendiam. Partículas amarelo-esverdeadas como bílis
soltaram-se das pernas do lama e flutuaram na superfície
da piscina. O lama moveu-se um pouco já fora d'água e então
girou a válvula um pouco mais para que assim o nível da água
subisse e o material flutuante deslizasse para o que eu supus
ser um tubo de escoamento.
O lama consultou um livro novamente, e a seguir fez
certos ajustamentos num conjunto de.. . bem, eu posso uni-
camente chamá-las de válvulas, de cores diferentes, e vi então
a água mudar de cor e um odor medicinal espraiou-se no ar.
Olhei de novo para as pernas do lama, e agora elas se mostra-
vam rosadas, tal como as de um bebé recém-nascido. E então

ele suspendeu sua túnica mais um pouco, e acercou-se ligeira-
mente da parte mais funda da piscina em feitio de rampa para
87

que assim o líquido medicinal alcançasse a metade de suas
coxas. Ali ele ficou imóvel. Então, a pequenos intervalos, pas-
sou a caminhar em volta devagar, parando a seguir. Mas era

visível que suas pernas estavam saradas. Sua coloração evoluí-
ra de um rosado forte para outro tom róseo mais saudável, e
por fim já não havia mais nenhum vestígio daquelas escamas
amarelo-esverdeadas, tinham desaparecido inteiramente. E
eu desviei o olhar das pernas do lama para dar uma olhada
nas ataduras que retirara há pouco. Senti-me transido de es-
panto: as bandagens tinham desaparecido, não havia delas o
menor sinal, nada. Tinham simplesmente desaparecido, e eu
fiquei tão atónito que involuntariamente me sentei, esque-
cendo que estava agora dentro da água, uma água medicinal
como aquela. Quando alguém se senta na posição relaxada
em tal lugar deve, naturalmente, manter a boca fechada, pois
o sabor que se aufere é desagradável. E no entanto o daquele
líquido era simplesmente agradável. E verifiquei que um den-
te que sempre me incomodara até então cessou de doer. Pude
sentir isso tateando a gengiva com minha língua. Levantei-me
rapidamente e remexi na água à beira da piscina. Sim, ali es-
tava meu dente, achava-se partido em dois. Eu o via ali, à
minha frente, e disse para mim mesmo:
-- Ora, ora! Diabos te levem! Agora se vá e doa o quan-
to quiser!
Assim que fixei o olhar no dente vi algo absolutamente
fantástico. O dente estava em movimento, movendo-se para
a frente na direção da parede mais próxima, e assim que to-
quei esta ele desapareceu. Fiquei ali parado como um idiota,
molhado da cabeça aos pés, tentando descobrir alguma coisa
que não estava ali.
Voltei-me então para perguntar ao Lama Mingyar Don-
dup se ele tinha visto o que eu vira, e notei que meu guia
estava parado em certo trecho do piso onde o ladrilho do

mesmo era de uma cor diferente. E logo uma corrente de ar
morno penetrou no recinto escapando do piso. E o lama
logo estava inteiramente seco.
88

-- Agora é a sua vez, Lobsang - disse o lama. -- Você
está parecendo um grande peixe meio afogado; assim, fará
melhor em vir aqui secar-se.
Para dizer a verdade, eu me sentia mesmo como um
peixe semi-afogado, e então pensei com meus botões: bem,
como pode um peixe ficar semi-afogado se ele vive n'agua?
Assim, perguntei ao lama como aquilo podia ser, e a sua
resposta foi:
-- Sim, isso é perfeitamente verdadeiro, alguém pode
retirar um peixe da água e suas guelras começam a secar
imediatamente. Se você o devolver à água ele irá realmente
afogar-se. Nós desconhecemos a mecânica disso, mas sabe-
mos ser um fato. Mas você parece um bocado melhor agora
que esteve imerso nesse leito medicinal; antes parecia cansa-
do e agora dá a impressão de que poderia correr uns trezen-
tos quilómetros.. .
Eu me aproximei e observei as pernas do lama até à
altura dos quadris, e mesmo que aquela coloração rósea co-
meçasse a desaparecer e as pernas logo reassumissem sua cor
natural, não havia nenhum vestígio de que a carne das mes-
mas tivesse sido quase retirada dos ossos há apenas uma
hora. Ali estavam suas pernas, sãs, de aspecto renovado, e
eu que pensara que teriam que ser amputadas.
-Mestre, há tantas perguntas a serem feitas que me
sinto quase envergonhado de pedir-lhe para respondê-las,
mas eu não posso entender como os alimentos e a bebida,
que aqui têm estado por anos sem fim, podem ainda man-
ter-se frescos e inteiramente potáveis. Mesmo em nossas
geladeiras a carne aos poucos se torna ruim; assim, como é
que este lugar, com milhões de anos de existência, pode ser
tão novo como se tivesse sido construído ontem?
- Nós vivemos numa época muito singular, Lobsang,
uma época onde nenhum homem confia no seu próximo.

Algum tempo atrás, pessoas de um país de brancos se recu-
savam taxativamente a crer que havia pessoas negras e ama-
relas, era simplesmente fantástico demais para ser acreditado,
89

e então algumas pessoas viajando por um outro país viram
homens no lombo de cavalos. Ora, eles nunca tinham visto
cavalos antes, não sabiam que havia uma coisa como um ca-
valo, assim eles correram, e quando voltaram a seu país dis-
seram ter visto um homem-cavalo, um centauro. Mas mes-
mo quando se tornou sabido que os cavalos eram animais
que podiam ser montados por homens, muitas pessoas ainda
não deram crédito a isso, e pensaram que o cavalo era uma
espécie especial de criatura humana convertida na forma de
animal. Há muitas coisas como essa. As pessoas não acredi-
tam que algo possa ser uma coisa nova, a menos que elas
mesmas a tenham visto realmente, tocado, e feito em peda-
ços. Aqui nós estamos colhendo os frutos de uma civiliza-
ção realmente muito avançada, não uma das Atlântidas
porque, como já lhe disse, Atlântida é apenas um termo ge-
nérico para a terra desaparecida. Não, estes lugares remon-
tam muito além de Atlântida, e há um meio automático de
deter todo o desenvolvimento, todo o crescimento, até que
um ser humano se situe dentro de uma certa amplitude.
Portanto, se nenhum humano viesse aqui de novo, este lugar
permaneceria exatamente como está agora, inconquistável e
sem quaisquer indícios de corrupção ou dissolução. Mas se
pessoas aqui viessem e usassem o lugar como nós temos fei-
to, então após um certo número de tais usuários o local se
deteriora, ele acusaria a idade. Felizmente, estamos em
um que teria sido bem raramente usado, na realidade só foi
usado apenas duas vezes desde que construído.
--Mestre, como pode o senhor declarar que este lugar
só foi usado duas vezes?
O Lama apontou para algo que pendia do teto. E disse:
-- Ali está. Se alguém passar além daquele marco este
indicará um número. E este ali mostra o número 3. Refere-
se a você e a mim. E ao anterior visitante. Quando nós sair-

mos, e isto só ocorrerá dentro de três ou quatro dias, o tem-
po de nossa estada aqui será registrado prontamente para
que as próximas pessoas a entrar possam especular sobre
90

quem aqui esteve antes delas. Mas saiba, Lobsang, que estou
procurando fazê-lo entender que o grau de civilização exis-
tente quando este lugar foi construído era o mais elevado
que jamais foi atingido neste mundo. Veja bem, os seres
mais avançados de todos foram os Guardiães do Mundo, os
Jardineiros do Mundo. Sua civilização era de tal porte que
eles podiam derreter rochas, mesmo as mais duras, e deixá-
Ias então com o polimento semelhante ao do vidro, e essa
fundição devia ser o que nós denominamos fundição a frio,
isto é, nenhum calor era gerado. Assim um determinado lu-
gar podia ser usado imediatamente.
-- Mas eu não posso entender realmente por que essas
pessoas altamente civilizadas poderiam querer viver dentro
de cadeias montanhosas. O senhor me disse que esta cadeia
de montanhas se estende por todo o mundo, e assim sendo
por que deveriam eles esconder-se?
-- A melhor coisa que podemos fazer é ir ao compar-
timento do passado, presente e futuro. Trata-se do repositó-
rio de conhecimentos de tudo que tem ocorrido no mundo.
A história que você tem aprendido nas salas de aula nem
sempre é verdadeira, ela tem sido alterada em seus registros
para adequar-se ao rei ou ditador no poder em determinada
época. Algumas dessas pessoas desejam ser conhecidas como
se seu remado fosse o da Era de Ouro. Mas ao consultar a
coisa real, o autêntico Registro Akashic... bem, então aí
ninguém pode ser equivocar.
-- Disse Registro Akashic, mestre? Eu pensei que nós
somente podíamos vê-lo quando estivéssemos no plano as-
tral. Não sabia que nós podíamos vir às montanhas e ver tu-
do que tem acontecido.
-- Oh, sim, você se esquece de que as coisas podem ser
copiadas. Nós alcançamos um certo estágio de civilização,
pensamos que somos espantosamente inteligentes e nos per-
guntamos se alguém chegará a ser mais inteligente, mas ve-
nha comigo e eu lhe mostrarei a verdade real. Venha, trata-
se de uma caminhada bem curta, mas o exercício lhe fará
bem.

91

-- Mestre, não há um meio de que eu possa evitar-lhe
essa caminhada? Não há ali alguma coisa como um trenó?
Ou não poderia empurrá-lo se o senhor estivesse sentado
numa pele resistente?
-- Não, obrigado, Lobsang, sou inteiramente capaz
de caminhar essa distância, na verdade esse exercício pode
ser salutar para mim também. Assim, vamos indo.
Assim fizemos, mas eu teria gostado de investigar mais
algumas daquelas coisas interessantes que nos rodeavam. Eu
estava imensamente intrigado com as portas, cada uma de-
las ostentando uma inscrição gravada.
-- Todos esses aposentos, Lobsang, são dedicados a di-
ferentes ciências, ciências estas que no entanto nunca foram
do conhecimento deste nosso mim do, porque aqui nós so-
mos como pessoas cegas tentando descobrir o caminho nu-
ma casa dotada de muitos corredores. Mas eu sou como
uma pessoa de visão porque posso ler essas inscrições e, co-
mo lhe disse, já tive experiência dessas cavernas anterior-
mente.
Por fim nós chegamos perto de uma parede aparente-
mente branca. Havia uma porta à esquerda, e outra à direita,
mas o Lama Mingyar Dondup ignorou-as e em vez disso pa-
rou exatamente em frente daquela parede branca e emitiu
um som muito singular numa entonação autoritária. Imedia-
tamente, sem nenhum ruído, o espaço branco dividiu-se ao
meio e as duas metades desapareceram nos lados do corre-
dor. Ali dentro havia apenas uma luz fraca indicadora, de
brilho tremeluzente como o de uma estrela. Entramos no
aposento, e este parecia tão amplo como o mundo.
Com um som muito leve parecido com um suspiro as
anãs metades da porta deslizaram ao longo do corredor, e

desta vez nós nos achávamos no lado oposto da parede apa-
rentemente branca.
A luz brilhava de certa forma, assim pudemos ver va-
gamente um grande globo flutuando no espaço. Tinha mais
um feitio de pêra do que de uma esfera, e de ambos os lados
do globo havia flashes.
92

-- Esses flashes são os campos magnéticos do mundo.
Você irá aprender tudo sobre isso um pouco mais tarde.
Eu parei embasbacado, parecia haver cortinas brilhan-
tes de uma luminosidade sempre em mutação em redor dos
pólos, pareciam ondular e fluir de um para o outro, mas
com um grande esmaecimento de cores rodeando o equador.
O lama disse algumas palavras, todas numa linguagem
desconhecida para mim. Imediatamente brotou a luz de
uma pálida aurora, como a luz que realmente surge com o
nascer de um novo dia, e me senti como alguém que tivesse
acabado de se sentar no leito, desperto agora de um sonho.
Mas não era nenhum sonho, como logo verifiquei. E o
meu mestre disse:
-- Nós nos sentaremos exatamente aqui porque este é
um painel de controle graças ao qual as épocas históricas do
mundo podem ser diversificadas. Você não se acha na ter-
ceira dimensão agora, lembre-se. Aqui você está na quarta
dimensão, e poucas pessoas podem viver através disso. As-
sim, se você se sentir de algum modo perturbado ou doente
me diga logo e eu posso situá-lo corre lamente.
Pude distinguir vagamente a mão direita do lama es-
tendida e pronta para girar um botão. Então ele voltou-se
de novo para mim e disse:
-- Tem certeza de que está se sentindo bem, Lobsang?
Nenhuma sensação de náusea ou mal-estar?
-- Não, senhor, sinto-me perfeitamente bem e fascina-
do com tudo isto. E me pergunto o que iremos ver primeiro.
-- Bem, primeiramente teremos que ver a formação
do mundo, e então a chegada dos Jardineiros do Mundo.

Eles virão e olharão à sua volta, examinarão o local e tudo
mais, e depois irão embora para fazer planos. E mais tarde
você os verá de volta numa gigantesca espaçonave, porque
na realidade é o que é a Lua.
Subitamente tudo imergiu na escuridão, a mais pro-
funda que eu já vira. Mesmo numa noite sem luar eu já vira
uma estrela tremeluzir, e até mesmo num quarto fechado,
93

sem janelas, ainda se tem a impressão produzida por uma
réstia de luz. Mas ali não havia nada assim, absolutamente
nada. E então eu quase saltei de minha cadeira, faltou pou-
co para que emergisse de minha larga túnica devido ao sus-
to; com incrível rapidez dois ténues focos de luz se acende-
ram juntos, e se moveram, colidindo, e a seguir a tela foi ilu-
minada. Pude ver gases e fumaças de diferentes cores evola-
rem, e então a tela inteira, o globo inteiro se encheram de
imagens. Pude ver rios de fogo descendo de vulcões flame-
jantes. A atmosfera era quase túmida. Eu tinha consciência,
embora vaga, de que estava observando algo e que não esta-
va realmente em pessoa ali. No entanto, continuei a obser-
var a tela e cada vez mais fascinado, quando o mundo enco-
lheu um pouco e os vulcões tomaram-se menos ativos e me-
nores, mas os mares estavam ainda fumacentos por causa da
lama ardente que neles fora despejada. Não havia mais nada
ali senão rochas e água. Via-se somente uma faixa de terra.
não muito grande, mas simplesmente um bloco único, só-
lido, e isso emprestava ao gobo um movimento Singular-
mente errático. Ele não seguia uma trajetória circular, mas
parecia estar seguindo uma trilla que alguma criança insegu-
ra tinha traçado.
Aos poucos, enquanto eu me mantinha observando
atento, o mundo tomou-se mais redondo e frio. Ali não ha-
via ainda nada exceto rochas e água, e terríveis tempestades
que fustigavam toda a superfície. O vento açoitando os ci-
mos de montanhas derrubou-os, e estes rolaram pêlos flan-
cos das montanhas e foram ter ao chão em forma de pó.
O tempo escoou, e agora a terra cobria parte do mun-
do, pois a própria terra fora produzida pelas camadas de pó
descidas das montanhas. A terra pesava e estremecia, e de
certas partes ali surgiram grandes partículas de fumaça e va-
por, e assim que observei melhor vi uma parte da terra des-
prender-se subitamente da massa principal continental. Ela
fendeu-se e por alguns segundos pareceu aferrar-se à massa
principal numa vã esperança de se reunir à mesma. Pude ver
94

animais escorregando nas bordas inclinadas e caindo na água
de vapor quente. Então a porção de terra seccionada estalou
mais ainda, rompeu-se completamente e desapareceu sob as
vagas.
Verifiquei de algum modo que podia avistar o outro
lado do mundo ao mesmo tempo, e vi, para meu indescrití-
vel espanto, a terra erguer-se do mar. Ela elevou-se como se
uma mão gigantesca a levantasse, ergueu-se mais, estreme-
ceu um pouco, e então, após outros estremeções, imobili-
zou-se. Esta terra, naturalmente, era simplesmente rocha,
não havia ali nenhuma planta, nem um restolho de relva, e
nada parecido com árvores. E então, como pude observar,
uma montanha próxima ardeu em chamas, lúridas, verme-
lhas, amareladas e azuladas, e a seguir surgiu um fluxo de
lava, branca e ardente, fluindo como uma corrente de água
quente. Mas, mal ela tocou a água, cristalizou-se e solidifi-
cou-se, e logo a superfície da rocha nua era coberta rapida-
mente por uma massa de cor amarelo-azulada e refrigerante.
Ergui os olhos imersos em surpresa, e me perguntei
aonde meu guia fora. Mas ele estava justamente atrás de
mim, e disse:
- Muito interessante, não é mesmo, Lobsang? Nós de-
sejamos ver algo mais e iremos passar por alto esta parte em
que a barreira de terra foi abalada e retorcida sob amassa re-
frigerante pelo espaço. Quando voltarmos, veremos os pri-
meiros tipos de vegetação.
Voltei a sentar em minha cadeira, e me sentindo abso-
lutamente atónito. Aquilo estava realmente acontecendo?
Eu parecia ser um deus estendendo seu olhar sobre o nas-
cimento do mundo. Senti que era algo "singular" porque es-
te mundo à minha frente parecia mais amplo do que o mun-
do que eu conhecia, e... bem, eu parecia estar dotado de
notáveis poderes de visão. Pude ver as chamas devorarem o
centro do mundo, assim este ser mesmo um mundo
oco, algo assim como uma bola, e todo o tempo em que
observava as imagens sobre a superfície terrestre caíam me-
teoritos, poeira cósmica, e outras estranhas coisas.
95

Diante de mim, inteiramente dentro do meu alcance,
assim julguei, caiu uma espécie de máquina. Eu não podia
dar crédito a isso, em absoluto, porquanto a máquina foi
aberta e corpos expulsos da mesma, corpos e maquinarias, e
pensei comigo mesmo: "Numa época futura alguém poderá
encontrar casualmente esses destroços e se perguntar o que
os causou, indagar-se como isso se deu. Aí, meu guia falou:
- Sim, Lobsang, isso já foi feito. Nesta presente era,
mineiros das minas de carvão têm encontrado acidentalmente
coisas verdadeiramente notáveis. Artefatos de uma perícia
desconhecida na Terra, e à luz de lanternas de carvão pude-
ram ser vistos instrumentos muito estranhos, e em certa oca-
sião também o esqueleto de um homem corpulento e muito
alto. Você, Lobsang, e eu somos os únicos a ver isso porque
antes que a máquina que manejamos agora fosse inteiramen-
te completada os deuses conhecidos como os Jardineiros do
Mundo tiveram aquela contenda a respeito de mulheres, e
assim nós só podemos presenciar a formação disso, a nossa
Terra. Se a máquina tivesse sido terminada, aí seríamos ca-
pazes de ver também tudo a respeito de outros mundos.
Não teria sido uma coisa maravilhosa?
Os meteoritos choviam, e ao descerem levantavam jor-
ros d'água ao tocarem este líquido, e causavam sérias reen-
trâncias quando atingiam a rocha ou o solo rudimentar que
àquela época cobria a superfície terrestre.
O lama moveu sua mão na direçâo de um outro botão
-- comutadores, suponho que se chamassem -- e a ação evo-
luiu com uma rapidez tão intensa que eu não pude ver o
que se passava, e logo ela tomou-se lenta de novo. Vi então
uma superfície luxuriante surgir no mundo. Havia imensos

fetos, maiores do que árvores, alçando-ss rumo ao céu, um
céu agora coberto por uma nuvem purpúrea, e fazendo com
que o próprio ar adquirisse uma coloração purpurina. Foi
fascinante de início ver uma criatura respirando e depois
exalando o que se parecia com fumaça purpurina. Mas logo
me cansei dessa cena, ou depressa me familiarizei com ela, e
96

olhei mais adiante. Viam-se monstros fantasmais, coisas in-
críveis que seguiam em seu imperturbável caminhar através
de pântanos e lodaçais. Tinha-se a impressão de que nada
podena detê-Ios. Uma criatura enorme - eu não tinha a mí-
nima ideia de como era denominada - topou com um gru-
po inteiro de criaturas ligeiramente menores. Elas não se
moveram, e a criatura maior não podia deter-se, assim abai-
xa sua cabeça e com um espigão ósseo e maciço, no que eu
supus ser seu nariz, simplesmente abriu seu caminho através
dos outros animais. O solo úmido ficou juncado de sangue
vísceras e outras coisas de natureza semelhante, e assim que
aquelas partes dos animais caíram no chão, logo emergiram
da agua coisas singulares dotadas de seis pernas e mandíbu-
as do feitio de duas pás. Tais coisas devoraram vorazmen-
te todo o alimento que encontraram e depois olharam à sua
volta em busca de mais. Sim, havia uma daquelas coisas que
caíra sobre um lenho, ou algo parecido, e quebrara uma per-
na. Ai todas as outras caíram-lhe em cima e a devoraram vi-
va, deixando somente os ossos para atestar o que tinha acon-
tecido. Mas logo tais ossos foram cobertos pelas folhagens
que haviam crescido, florescido e murchado, e caído ao so-
lo. Milhões de anos mais tarde aquilo seria um veio de car-
vão e os ossos do animal seriam descobertos em alguma es-
cavação e examinados com admiração.
O mundo girou, mais depressa agora porque as coisas
estavam se desenvolvendo mais rapidamente. O Lama Min-
gyar Dondup esticou o braço já prestes a torcer outro comu-
tador e com seu cotovelo esquerdo me cutucou as costelas
e disse:
-Lobsang, Lobsang, tem certeza de que não está
adormecido? Isto você deve ver. Agora permaneça desperto

e observe.
O lama fez girar o botão e ficou à mostra o que podia
ser chamado uma tela, mas era tridimensional, sendo possí-
vel ficar atrás dela sem nenhum esforço aparente. O lamame
cutucou nas costelas e apontou para cima, para o céu pur-
97

purino. Havia ali um brilho prateado, um tubo de prata alon-
gado e fechado em ambas as extremidades estava descendo
lentamente. Por fim ele ficou liberto das nuvens purpúreas,
e adejou muitos metros acima da Terra, e depois, como se
tivesse tomado uma grande e súbita decisão, veio pousar sua-
vemente na superfície do mundo. Por uns poucos minutos
simplesmente ficou pousado ali, imóvel. Dava a impressão
de algum animal errante espreitando à sua volta antes de dei-
xar seu esconderijo seguro.
Por fim os tripulantes pareceram satisfeitos, e uma
grande prancha metálica caiu para um lado e bateu no chão
produzindo um ruído surdo. Um bom número de singulares
criaturas apareceram no vão aberto e olharam em volta. Ti-
nham duas vezes a altura de um homem alto, e eram duas
vezes também corpulentos, mas pareciam estar cobertos por
uma espécie de indumentária que os cobria da cabeça aos pés.
A parte da cabeça era inteiramente transparente. Podíamos
ver os rostos severos, autocráticos daquelas pessoas. Elas pa-
reciam consultar um mapa e fazer anotações.
Por fim acharam que tudo estava em ordem, e assim,
um por um, eles foram descendo pela grande peça de metal
que tinha caído ao chão, mas que no entanto ainda perma-
necia anexado à nave por uma das extremidades. Esses ho-
mens estavam cobertos com uma espécie de revestimento
ou roupa protetora. Um dos homens -- supus que fossem
homens, conquanto fosse difícil afirmá-lo em meio a toda
aquela fumaça e à dificuldade de ver além de seus capacetes
transparentes -- mas um deles, repito, deu alguns passos já
fora da grande prancha de metal e caiu em cheio, batendo
com o rosto no solo esfumaçado. Um instante após ele ter
caído, criaturas de aspecto vil emergiram da vegetação e o
atacaram. Seus companheiros não perderam tempo, sacan-
do uma espécie de arma do cinto que usavam. Rapidamente
o homem foi puxado de volta à prancha metálica. E era vi-
sível que o revestimento do corpo estava rasgado, aparente-
mente por animais, e o sangue rubro estava fluindo. Dois
daqueles homens carregaram-no para bordo da nave, ou o
98

que fosse aquilo, e vários minutos depois eles reapareceram
carregando algo em suas mãos. Pararam na prancha metálica
e ambos calcaram um botão de um instrumento que eles es-
tavam portando, e chamas brotaram de um bocal pontudo
Todas as coisas desprezíveis que estavam sobre a prancha
metálica torceram-se em espasmos ao serem queimadas e
toram varridas da prancha que então se fechou recompondo
o corpo da nave.
Os dois homens com aqueles lança-chamas moveram-
se cautelosamente, atingindo com suas armas chamejantes o
solo ou o terreno em volta. E assim queimaram inteiramen-
te uma faixa de terra a um dos lados da nave. Então eles
desligaram seus instrumentos chamejantes e caminharam
apressados atrás dos outros homens que tinham seguido atra-
vés de uma floresta de fetos. Estes eram tão grandes como
arvores enormes, e era fácil acompanhar a passagem dos ho-
mens através delas porque aparentemente eles dispunham
de uma espécie de instrumento cortante que era brandido
de lado a lado e cortava os fetos quase ao nível do solo. Eu
resolvi que tentaria entender o que eles estavam fazendo.
Então, me levantei da cadeira e caminhei um pouco
para a esquerda. Dali tinha uma visão melhor porque agora
eu podia ver os homens aparentemente vindo na minha di-
reçâo. Em frente dos outros homens dois companheiros
seus seguravam algum tipo de máquina que deslizava e cor-
tava todos os fetos que se achavam em seu caminho. A má-
quina parecia ter uma lâmina rotativa, e logo os homens ir-
rompiam através da floresta de fetos e encontravam um es-
paço aberto no qual um bom número de animais estavam

reunidos. Os animais olharam para os homens e estes olha-
ram para os animais. Um dos homens pensou que devia tes-
tar-lhes a agressividade, assim apontou um tubo de metal
para eles e puxou um pequeno esporão de metal. Houve
uma tremenda explosão, e o animal visado pela arma sim-
plesmente foi reduzido a pedaços. Isso me fez lembrar de
um monge que caíra do alto de uma montanha, despedaçan-

99

do-se. Mas dos outros animais agora não havia nenhum si-
nal, eles tinham escapado muito rapidamente.
-- Faremos melhor em nos adiantarmos um pouco no
tempo, Lobsang, temos um bocado de chão para cobrir e
vamos avançar cerca de mil anos. -- O lama moveu um da-
queles comutadores, e tudo no globo passou a girar como
num redemoinho, e por fim retomou seu movimento natu-
ral de rotação. -- Esta é uma época mais adequada, Lobsang.
Será bom que observe atentamente, porque nós iremos ver
como estas cavernas foram feitas.
Olhamos com muita atenção e vimos uma cadeia de
colinas muito baixas, e assim que elas se tomaram mais pró-
ximas de nós pudemos ver que eram rochas, rochas cobertas
de uma matéria musgosa verde, exceto no topo, e este topo
era simplesmente de rocha nua.
A um dos lados, num ângulo mais distante, vimos al-
gumas estranhas casas, parecendo ser em parte arredonda-
das. Se vocês cortarem uma bola pela metade e puserem es-
ta metade que foi cortada no solo, então terão uma certa
ideia de como se pareciam aquelas construções. Nós as
observamos e vimos pessoas movendo-se por ali. Estavam
vestidas com algum tipo de roupa bem justa no corpo e não
dando margem a dúvidas sobre o seu sexo. Mas dessa vez já
não usavam o capacete transparente, e estavam conversando
uns com os outros, e tudo indicava tratar-se de uma discus-
são acirrada. Um dos homens aparentemente era o líder;
deu ordens bruscamente e uma máquina surgiu de um dos
lugares mais escondidos e moveu-se na direção da fileira de

rochas. Um dos homens avançou e instalou-se então num
assento metálico na parte de trás da máquina. Então esta
moveu-se para a frente, emitindo "alguma coisa" produzida
pêlos bocais ou canos dispostos na frente, na traseira e nos
lados, e quando o estranho engenho moveu-se devagar a ro-
cha fundiu-se, e pareceu encolher-se internamente. A má-
quina emitiu uma ampla luminosidade, assim pudemos ver
que ela estava abrindo um túnel diretamente na rocha viva.

100

Movia-se sem cessar, e então começou a fazer círculos, e no
espaço de umas poucas horas já tinha sido escavada uma
imensa caverna, e pudemos observar que se tratava realmen-
te de um abrigo ou hangar para algumas de suas máquinas
que estavam sobrevoando todo o tempo. Aquilo tudo pare-
ceu-nos muito curioso.
Esquecemos de tudo referente ao tempo, de estarmos
famintos ou sedentos, e então, quando a grande câmara foi
concluída, a máquina seguiu por uma passagem comprida
que tinha sido aparentemente delineada no solo, e essa pas-
sagem foi convertida em um dos corredores. Aquele enge-
nho funcionava ininterruptamente, fora de nossas vistas,
mas logo outras máquinas entraram em ação e nos corredo-
res escavaram aposentos de diferentes tamanhos. As máqui-
nas pareciam derreter a rocha. Pareciam simplesmente der-
retê-las e empurrá-las para trás deixando depois a superfície
tão lisa como o vidro. Não havia ali nenhuma partícula de
pó ou sujeira, simplesmente aquela superfície brilhante e
polida.
Assim que as máquinas fizeram sua parte, grupos de
homens e mulheres introduziram-se nos aposentos carregan-
do caixas e mais caixas, mas todas pareciam flutuar no ar.
Certamente não exigiam nenhum esforço para serem levan-
tadas. Mas um superintendente parara no centro de um apo-
sento e apontara o lugar onde cada caixa devia ser deposita-
da. Então, quando o aposento já estava cheio daquelas cai-
xas, os trabalhadores começaram a abrir algumas delas. Ali
estavam estranhos mecanismos e toda sorte de objetos cu-
riosos, e um deles eu identifiquei como sendo um micros-
cópio. Eu já vira anteriormente um bem rudimentar, porque
naquela ocasião o Dalai Lama recebera um microscópio de
presente da Alemanha, e assim eu já conhecia o principal
a respeito daquele instrumento.
Nossa atenção foi atraída por uma altercação que pa-
recia estar ocorrendo. Era como se alguns dos homens e mu-
lheres se opusessem aos outros homens e mulheres. Houve
101

muitos gritos, muita gesticulação, e por fim um grupo com-
pacto de homens e mulheres entrou em alguns daqueles veí-
culos que viajavam no espaço. Eles não trocaram nenhum
adeus ou algo assim, simplesmente entraram por uma porta
que foi logo fechada, e as máquinas voadoras decolaram.
Poucos dias depois - dos dias de acordo com a velo-
cidade do globo que nós estávamos observando - um certo
número de naves retomaram, e sobrevoaram o acampamen-
to. Depois o bojo das naves abriu-se e caíram coisas. Olha-
mos bem e pudemos ver pessoas correndo com uma rapidez
ditada pelo desespero, afastando-se de onde aquelas coisas
iriam cair. Então, eles jogaram-se ao solo assim que o primei-
ro objeto atingiu o terreno e explodiu em meio a um terrí-
vel clarão brilhante e purpúreo. Nós tínhamos dificuldade
em ver o que ocorria porque estávamos com a vista inteira-
mente ofuscada pelo brilhante clarão, mas lá da floresta de
fetos brotaram finos raios de uma luz brilhante. Os focos
luminosos moveram-se, e um deles atingiu uma* das máqui-
nas voadoras em pleno ar. Imediatamente ela se desfez, con-
sumida pelas chamas.
- Como vê, Lobsang, até mesmo os Jardineiros da
Terra tinham seus problemas, e estes eram sexuais. Havia
homens demais e muito poucas mulheres, e quando os ho-
mens passam muito tempo sem a companhia de mulheres.
bem, eles se tomam lascivos e apelam para atos de grande
violência. Não há nenhum objetivo em presenciarmos isto,
pois se trata simplesmente de um caso de assassinato e rapto.
Após certo tempo um bom número das naves parti-
ram aparentemente para sua nave-mãe que estava circulando
o globo mais distanciada no espaço. Após alguns dias um
bom número de grandes naves surgiram e aterrissaram, e ho-
mens fortemente armados desceram e começaram a caçar
seus companheiros através dos arbustos. Apontavam as ar-
mas para o que quer que avistassem sem fazer quaisquer
perguntas, e atiravam, isto é, se a pessoa em questão fosse
macho. Se era uma fêmea, eles a capturavam e a levavam
para uma das naves.
102

Tivemos que parar. As pontadas da fome e da sede esta-
vam nos incomodando muito. Assim, comemos nossa tsam-
pa e bebemos água. E depois dessa frugal refeição e de ter-
mos feito outras poucas coisas, voltamos à câmara onde es-
tava aquele globo que parecia ser o mundo. O LamaMingyar
Dondup girou alguma coisa, e vimos o mundo de novo. Ali
estavam criaturas agora, criaturas essas de cerca de 130 cm
de altura e muito, muito arqueadas. Elas dispunham de ar-
mas de um tipo consistente de uma peça de madeira feito
um bastão tendo atada numa das extremidades uma pedra
afiada que tinham tomado mais aguçada ainda, amolando-a
seguidamente até que ficasse com a ponta bastante afiada.
Havia ali um bom número de homens fabricando tais armas,
e outros mais confeccionando outras de um tipo diferente.
Estas pareciam ter uma tira de couro, onde eles colocavam
grandes pedras. Dois homens puxaram para trás a correia do
arco que estava embebida em água para toma-la mais flexí-
vel, e juntos fizeram vibrar o arco. Uma pedra foi projetada
na direção do inimigo.
Mas nós estávamos mais interessados em ver como as
civilizações se modificavam, portanto o Lama Mingyar Don-
dup operou os controles novamente e tudo se tomou escuro
no globo. Pareceu transcorrer vários minutos antes que ocor-
resse uma iluminação gradual assim como o lento alvorecer,
e então de novo surgiu a luz do dia normal e nós vimos uma
enorme cidade com altos obeliscos e minaretes. De uma tor-
re para outra havia algo parecido com pontes pênseis frágeis.

Era espantoso para mim que elas pudessem suportar sozinhas
o peso do tráfego, mas aí eu percebi que todo o tráfego ali
era aéreo. Naturalmente, umas poucas pessoas caminhavam
naquelas pontes e nos diferentes níveis da rua, mas então
num repente escutamos um ruído estrondoso. Não se fizera
ainda para nós a alvorada porque no momento ela provinha
de um globo tridimensional, mas apuramos bastante a vista
e pudemos ver pontos diminutos vindo em direção da cidade.
Justamente antes de alcançarem a cidade as manchas dimi-
nutas circularam e coisas foram lançadas de seu bojo.
103

A grande cidade foi arrasada. As torres foram arranca-
das, as pontes se enroscaram como cordões muito entrança-
dos e torcidos demais para serem de alguma utilidade.
Vimos corpos caírem dos prédios mais altos. Calcula-
mos que deviam ter sido os cidadãos mais preeminentes por
causa de suas roupas e da ótima qualidade do mobiliário
que tombou juntamente com eles.
Observamos tudo aquilo com estupor. Vimos um ou-
tro número de pequenos pontos negros vindo de outra dire-
ção, e estes enfrentaram os invasores com uma ferocidade
sem par. Pareciam não ter nenhuma consideração por sua
própria vida; punham-se a atirar coisas no inimigo, e se este
falhasse na tentativa de derrubá-los, então os defensores fi-
cariam sepultados sob aquelas. . . bem, posso apenas deno-
miná-las de grandes bombas.
O dia terminou e a noite recaiu sobre o cenário. A
noite era iluminada por gigantescas chamas enquanto a cida-
de ardia. As chamas estavam irrompendo em toda parte, do
outro lado do globo nós pudemos ver cidades consumidas
pelas chamas, e quando a luz de um alvorecer brilhou naque-
le cenário com a presença a seguir de um sol rubro de san-
gue, vimos apenas montes de escombros, simples pilhas de
pó, e ferragens retorcidas.
O Lama Mingyar Dondup disse:
- Vamos passar por alto tais coisas, que não desejamos
ver, Lobsang, porque você, meu pobre amigo, irá presenciar

isto tudo na vida real antes que sua estada neste mundo seja
encerrada.
O globo que era o mundo girou. Da escuridão para a
luz, desta para a escuridão de novo, e me esqueci de quantas
vezes o globo rodara; ou talvez eu nunca pudesse saber, mas
finalmente o lama esticou sua mão e a rotação veloz do glo-
bo diminuiu até chegar ao normal.
Olhamos atentamente para lá e acolá, e então vimos
homens manejando peças de madeira no feitio de um arado.
Cavalos estavam puxando os arados através do solo, e vimos
104

uma construção após outra simplesmente desabarem dentro
das fossas escavadas pela charrua.
Dia após dia eles prosseguiram arando até que não
houvesse nenhum vestígio de que existira uma civilização
naquela área. O Lama Mingyar Dondup disse:
- Acho que isso já é o bastante por hoje, Lobsang;
nossos olhos estarão muito fatigados para poder fazer algu-
ma coisa amanhã, e desejamos observar isso porque irá acon-
tecer com frequência até que, por fim, os guerreiros em luta
irão praticamente extinguir toda a vida no mundo. Portan-
to, vamos apenas alimentar-nos um pouco e aproveitar uma
noite de sono.
Eu o fitei surpreso, dizendo:
- Noite, mestre? Mas como sabemos nós que horas
são?
O lama apontou para um quadrante a regular distân-
cia, talvez tão alto como três homens de pé sobre os ombros
uns dos outros. Havia a figura de uma mão, um ponteiro, e
no que parecia ser um fundo de lousa viam-se certas divisões
de luz e escuridão, e a "mão" agora estava apontando entre
a luz mais intensa e a escuridão mais negra.
- Aí tem, Lobsang - disse o lama - um novo dia está
quase começando. Mas ainda temos tempo bastante para re-
pousar. Eu vou até à fonte da juventude novamente porque
minhas pernas estão doendo um pouco. Acho que meus
ossos das pernas estão tão arranhados como a carne foi la-

cerada.
- Mestre, mestre, deixe-me fazer isso para o senhor.
E corri para o compartimento onde estava a fonte da ju-
ventude e ergui minha túnica. Então a água começou a bro-
tar, e movi aquela pequena coisa denominada de torneira
pelo lama, e a girei de modo a que a água se mantivesse fluindo
após eu sair da piscina. E a seguir girei uma outra torneira
que, como me fora dito, precipitava a entrada de uma por-
ção de uma substância medicinal pastosa que ao entrar em
contato com a água se dissolvia rapidamente, misturando-se
à mesma.
105

O lama sentou-se na borda da piscina, e então balan-
çou as pernas e as mergulhou no líquido.
- Ah! - ele disse. - Isto me faz sentir melhor. Traz
um grande alívio, Lobsang. Logo, logo minhas pernas estarão
novamente inteiramente normais e isto será justamente algo
sobre que discorreremos maravilhados.
Esfreguei-lhe as pernas vigorosamente, e pequenas par-
tículas de tecido descascado saíram até que por fim não ha-
via mais nenhuma marca de cicatriz, e suas pernas parece-
ram normais de novo. E eu disse:
- Isto parece bem melhor, senhor. Acha que já teve o
tratamento suficiente por enquanto?
-- Sim, estou certo que sim. Nós não vamos querer
consumir com isto metade da noite de que dispomos, não é
mesmo? Então faremos o que resta a fazer agora e iremos
em busca de alimento.
Assim dizendo, o lama saiu do interior da piscina e eu
girei aquela grande coisa de metal em feitio de roda e que
fazia com que a água escoasse por alguma parte. Fiquei ob-
servando até que a piscina ficasse completamente vazia, e
aí movi a torneira para que mais água fluísse e levasse as
partículas de tecido descascado. Isso feito, girei as torneiras
de novo e me voltei em busca do lama.
-- Já fizemos o bastante por hoje, Lobsang -- disse meu
guia. - Sugiro que façamos nossa tsampa com água para

nosso jantar, e depois dormiremos. Faremos uma refeição
mais substancial pela manhã.
Assim, sentamos no chão na costumeira postura dos
lamas, e comemos nossa tsampa. Agora nos sentíamos ultra-
sofísticados, pois estávamos comendo a tsampa com algo
que não com os dedos; usávamos um utensílio civilizado
que, pela ilustração que eu vira num daqueles livros, era cha-
mado colher. Mas antes que eu viesse a terminar meu jantar,
deixei-me cair de costas, morto para o mundo de novo, pro-
fundamente adormecido, enquanto o mundo girava ininter-
ruptamente.
106

CAPÍTUL0 6
Sentei-me de repente em meio à escuridão, perguntan-
do-me onde estava. Assim que me sentei mais aprumado a
luz surgiu aos poucos, não como o acender de uma vela em
que se colhe a escuridão num momento e um piscar de luz
no próximo, aquilo se apresentava como o alvorecer, assim
não exigia nenhuma contraçâo da vista. Pude ouvir o Lama
Mingyar Dondup movimentando-se na cozinha. Ele me cha-
mou e disse:
-- Lobsang, estou preparando o desjejum para você,
porque terá que comer um prato como este quando viajar
para a parte ocidental do mundo, assim é bom acostumar-
se desde agora -- e riu, com um contentamento interior.
Eu me levantei e comecei a me acercar da cozinha.
Então pensei: "não, a natureza vem em primeiro lugar", e
assim mudei de direção para ir até o lugar em que os apelos
da natureza têm primazia.
Com aquilo devidamente cumprido, voltei na direção
da cozinha e vi que o lama estava acabando de colocar algo
num prato. Era uma espécie de comestível de cor castanho-
avermelhada, e ali havia também dois ovos fritos, como su-
pus, mas naqueles tempos eu ainda não chegara a comer co-
mida frita. Então ele me fez sentar à mesa e postou-se atrás
de mim.
-- Bem, Lobsang, esta coisa é um garfo. Você segura o
garfo com uma das mãos espetando com ele a fatia de tou-
cinho enquanto a corta com a faca segura em sua mão direi-
107

ta. Depois, tendo cortado a fatia pela metade, você usará o
garfo para levar a porção cortada à boca.
-- Que ideia danada de tola -- eu disse, pegando com
o indicar e o polegar o toucinho e assim levando um cascudo
dado com os nós dos dedos pelo lama.
-- Não, não e não, Lobsang. Você irá cumprir no Oci-
dente uma missão especial, e terá que viver como eles vivem
por lá, e por isso tem que aprender como proceder desde
agora. Pegue aquela fatia de toucinho com seu garfo e o leve
à boca, e depois disso desprenda o garfo.
-- Eu não posso, senhor.
-- Não pode? E por que não pode fazer como eu digo?
-- Bem, senhor, eu já tinha levado à boca aquela coisa,
e aí o senhor me deu aquele cascudo que me fez engolir de
vez o maldito negócio.
-- Você tem a outra metade do toucinho aqui, veja.
Pegue-o com o seu garfo e o leve à boca. Coloque-o bem
dentro de sua boca e então retire o garfo.
Assim eu fiz, mas me parecia ainda ser uma coisa tola.
Por que devia alguém ter que usar um pedaço de metal en-
curvado para levar comida á boca? Era praticamente a coisa
mais idiota que já ouvira, mas o pior ainda estava por vir.
-- Agora, disponha a parte côncava do garfo sob um
desses ovos fritos e então corte com a faca para que assim
você mantenha uma quarta parte do ovo sobre o garfo. En-
tão ponha-o em sua boca e o coma.
-- O senhor quer dizer que se eu for ao Ocidente terei
que comer dessa maneira doida?

-- Certamente que sim, portanto é de todo convenien-
te para você acostumar-se ao uso desses utensílios desde
agora. Os dedos são muito úteis para uma certa categoria de
pessoas, mas você presume-se que seja de um nível superior.
Para que você pensa que eu o trouxe a um lugar como este?
-- Bem, senhor, nós viemos ter a este lugar infortuna-
do acidentalmente!
108

-- Não tanto, não tanto -- replicou o lama. -- Viemos
ter aqui por acidente, sim, eu admito isso, mas este era nos-
so destino. Compreenda, o velho ermitão era o guardião des-
te lugar. Já o tinha sido por cerca de cinquenta anos, e eu
tencionava trazer você aqui para aprimorar um pouco sua
educação. Mas acho que ao cair das rochas seu bom senso e
inteligência foram afetados.
O lama se pôs pensativo e acrescentou:
-- Eu me pergunto há quanto tempo esses ovos aqui
se encontram. -- Deixou de lado sua faca e seu garfo, e acer-
cou-se do recipiente onde os ovos estavam guardados, e eu o
vi contando nos dedos. -- Lobsang, esses ovos e este touci-
nho já contam perto de três milhões de anos, mas seu sabor
é tão natural como se os ovos tivessem sido postos ainda on-
tem.
Eu me entretive com o ovo e o resto de toucinho no
meu prato. Estava desconcertado. Já vira coisas apodrece-
rem mesmo quando postas no gelo, e agora me era dito que
estava comendo algo com cerca de três milhões de anos.
-- Mestre, tantas coisas me intrigam, e quanto mais o
senhor me fala, mais perguntas desperta em minha mente. O
senhor diz que esses ovos têm cerca de três milhões de anos,
e concordo com o senhor, eles realmente são como ovos
frescos, não há sinal algum de deterioração, portanto como
é possível que eles já tenham três milhões de anos?
-- Lobsang, seria necessária uma explanação muito in-
trincada para satisfazê-lo acerca de algumas dessas coisas,
mas vamos encarar isso de um modo que não é estritamente

preciso, mas que lhe dará alguma noção do que quero dizer.
Bem, suponha que tem uma série de blocos. Tais blocos, que
chamaremos de células, podem ser reunidos para formar di-
ferentes coisas. Se você estivesse brincando como um meni-
no, poderia fazer blocos de casas com seus pequenos cubos,
e depois poderia derrubar as casas e fazer algo inteiramente
diferente. Bem, toucinho, ovos, ou algo mais, são compos-
tos de pequenos blocos, pequenas células que têm uma vida
109

interminável porque sua matéria não pode ser destruída. Se
a matéria pudesse ser destruída o universo inteiro pararia.
Assim, a natureza dispõe para que esses blocos particulariza-
dos sejam feitos dentro de um feitio que represente touci-
nho, por exemplo, e esses outros blocos particulares repre-
sentem ovos. Agora, se você comer o toucinho e os ovos não
está desperdiçando nada, porque eventualmente tudo isso
passa através de você, sofrendo mudanças químicas no ca-
minho, e casualmente vem ter à terra, onde irá nutrir plan-
tas em seu crescimento. E depois, talvez um leitão ou uma
ovelha apareçam e comam as plantas, e engordem. Assim
tudo depende desses blocos, dessas células.
"Você pode ter células que sejam ovais, e nós devemos
dizer que é este o tipo normal de célula. Isso capacita uma
pessoa a ter uma conformação bem constituída, delgada, e
talvez alta. Isto porque as células, as ovóides, são todas dis-
postas numa direção. Mas suponhamos que tenhamos um
homem quê adora comer, que come muito mais do que de-
veria. .. porque alguém deve comer somente o suficiente
para satisfazer à sua fome imediata. Mas, seja como for, este
homem come pelo prazer de comer, e suas células ovais se
convertem então em células redondas. Estas células são re-
dondas porque foram saturadas com alimentação excessiva
na forma de gorduras. Agora, naturalmente, quando se tem
uma célula oval ela apresenta um certo comprimento, e en-
tão se você a converte em redonda sem incrementar sua ca-
pacidade ela se torna ligeiramente menos comprida, e assim

o tal homem gordo toma-se mais baixo do que deveria ser
se fosse um homem magro.
Sentei-me apoiado nos calcanhares e pensei em tudo
que ouvira, e então disse:
-- Mas qual é a utilidade de todas essas células, a me-
nos que elas contenham algo que proporcione vida e que tor-
ne alguém capaz de fazer alguma coisa que uma outra pes-
soa não pode fazer?
110

O lama riu e replicou:
- Eu estava somente dando a você uma exemplifica-
ção muito rudimentar. Há diferentes espécies de células. Se
você tiver um tipo de célula e esta for tratada adequadamen-
te, pode ser um génio, mas se tiver esse mesmo tipo de cé-
lula e a tratar mal, então pode vir a ser um louco. E estou
começando a me perguntar o que você é!
Concluímos nossa refeição apesar da recomendação
de que não se deve falar enquanto se está comendo. A aten-
ção devia ser dedicada ao alimento, de outro modo seria um
desrespeito. Mas supus que o lama sabia o que estava fazen-
do, e talvez ele tivesse permissão especial para infringir umas
poucas de nossas normas.
-- Vamos observar um pouco a nosso redor. Aqui há
toda espécie de coisas estranhas para se ver, como sabe, Lob-
sang, e nós desejamos contemplar o despertar e o declínio
de civilizações. Aqui você pode ver isso com precisão, real-
mente no ato. Mas não é bom ficar olhando dentro do glo-
bo o tempo todo. Necessita-se de uma variação, de uma re-
creação; recreação quer dizer o que o termo expressa, ela sig-
nifica que as células que o capacitam a enxergar têm-se fati-
gado de acolher tantas imagens quase as mesmas, portanto
deve desviar seus olhos dessas imagens e olhar para algo di-
ferente. Você necessita de uma mudança, e isto é chamado
re-criação, ou recreação. Venha até este aposento.
Eu me levantei com relutância e o acompanhei, ar-
rastando os pés com uma impressão exagerada de cansaço.
Mas o Lama Mingyar Dondup conhecia todos os truques,
ele provavelmente já fizera o mesmo com o seu guia.
Quando alcancei a porta quase dei meia-volta e corri.
Havia ali dentro muitas pessoas, homens e mulheres. Alguns
deles estavam despidos, e eu vi uma mulher exatamente à
minha frente, a primeira mulher nua que jamais vira, e me
voltei para sair às pressas após desculpar-me com aquela se-
nhora por violar sua privacidade. Mas o Lama Mingyar Don-
dup pôs suas mãos em meus ombros, e estava rindo tanto
que mal pôde falar.
111

- Lobsang. Lobsang! - A expressão de seu rosto esta-
va de acordo com todas as provações e contratempos que tí-
nhamos tido naquela jornada. - Essas pessoas estão conser-
vadas, elas viveram certa vez em planetas diferentes. Foram
trazidas para aqui, vivas, para agir como espécimes. Elas ain-
da estão vivas, saiba você!
- Mas, mestre, como há possibilidade de estarem vi-
vas após um milhão ou dois de anos? Por que não se conver-
teram em pó?
- Bem, temos aí de novo a animação suspensa. Elas
se acham num casulo invisível que impede qualquer das cé-
lulas de funcionar. Mas. você sabe, terá que entrar e exami-
nar essas figuras, de homens e mulheres, porque terá que li-
dar um bocado com as mulheres. Você irá estudar medicina
em Chungking, e mais tarde contará com um grande núme-
ro de mulheres como suas pacientes. Assim, será melhor pro-
curar conhecê-las a partir de agora. Aqui, por exemplo está
uma mulher que se achava quase pronta para dar à luz um
bebe e devemos revivê-la e deixar que a criança nasça para
sua edificação, porque o que estamos fazendo é da maior im-
portância, e se tivermos que sacrificar uma, duas ou três pes-
soas, então isso valerá a pena caso venha a salvar este mun-
do com seus bilhões de seres humanos.
Olhei de novo para aquelas criaturas e me senti enru-
bescer fortemente diante da visão daquela mulher nua.
- Mestre, há uma mulher ali adiante que é completa-
mente negra, mas como pode ser isso? Como pode haver uma
mulher inteiramente negra?

- Bem, Lobsang, confesso que estou perplexo com sua
surpresa a respeito dessa questão. Há pessoas de muitas co-
res diferentes, brancas, morenas, castanhas e negras e em al-
guns mundos há pessoas azuis e verdes. Tudo depende do
tipo de alimento que elas e seus pais e avós estavam acostu-
mados a comer. Tudo depende de uma secreção do corpo
que causa a coloração. Mas venha e examine essas pessoas!
112

O lama voltou-se e entrou num aposento mais inter-
no. Nele estavam aquelas criaturas que não se achavam mor-
tas, mas também não vivas de todo. A título de experiência,
toquei o braço da mulher de melhor aparência ali, e não es-
tava com a frieza do gelo, achava-se razoavelmente quente,
muito acima da minha própria temperatura, exceto que esta
se elevara consideravelmente nos últimos poucos minutos!
Um pensamento me ocorreu e o expressei:
-- Mestre, mestre, tenho uma pergunta premente a fa-
zer.
-- Ah, Lobsang, vejo que escolheu a mulher mais bo-
nita do grupo todo. Bem, deixe-me apreciar seu bom gosto.
Esta é uma mulher muito fina, e nós desejamos o melhor,
porquanto algumas das velhas desalinhadas de alguns museus
desagradam a qualquer um. Assim, as pessoas que providen-
ciaram esta coleção escolheram somente o melhor. Mas, qual
é sua pergunta? -- O lama sentou-se num tamborete baixo, e
eu fiz o mesmo.
-- Como as pessoas crescem, como se desenvolvem pa-
ra se assemelhar a seus pais? Por que não desabrocham co-
mo um bebé e então depois se assemelham a um cavalo ou
qualquer outra criatura?
-- Pessoas são formadas de células. As células controla-
doras do corpo em uma tenra idade são, como direi, impres-
sas com o caráter e a aparência geral dos pais. Portanto, essas
células possuem uma memória absoluta de como tais criatu-
ras devem parecer; mas, assim que alguém se torna mais ve-
lho, cada célula esquece apenas um pouco de como o mode-
lo ou padrão devia ser. As células, diríamos assim, "desgar-
ram-se" da célula-memória originalmente incorporada. Pode-
se, por exemplo, ter uma mulher, como você está observan-
do, e ela pode ter sido... bem, digamos não-despertada, e
assim suas células seguem cegamente o padrão da célula
anterior. Estou lhe dizendo tudo isto do modo mais simples
que posso, você irá aprender mais a respeito em Chakpori, e
mais tarde em Chungking. Mas cada célula do corpo tem uma
memória definida do que deveria ser quando saudável. Assim
113


que o corpo envelhece, a memória do modelo original tor-
na-se. .. bem, perdida ou incapacitada, por alguma razão,
de seguir o padrão exato, assim diverge ligeiramente das cé-
lulas originais e então, uma vez tendo se desviado do mode-
lo original, é cada vez mais fácfl que ela esqueça, mais e mais,
como o corpo devia parecer. Nós chamamos isso velhice, e
quando um corpo não pode mais acompanhar o modelo
exato impresso em suas células, então dizemos que as coisas
se deterioram, e o corpo está mentalmente enfermo. Após
uns poucos anos mais, a transformação se torna cada vez
mais pronunciada, e, eventualmente, a pessoa morre.
-- Mas quanto a pessoas com câncer, como fizeram
para chegarem a tal condição? -- eu perguntei.
E meu guia respondeu:
-- Nós temos conversado sobre células esquecendo que
padrão elas devem seguir. Elas esquecem o modelo que de-
via ter sido impresso enquanto o bebé está sendo formado,
mas nós dizemos que, quando uma pessoa é portadora de
um câncer de determinado tipo, então as células da memó-
ria tomam-se distorcidas, e elas determinam que o cresci-
mento do recém-nascido ocorra, onde não deveria haver ne-
nhum crescimento. O resultado disso é que temos no corpo
humano uma grande massa que interfere com outros órgãos,
talvez empurrando-os para fora do lugar certo, e talvez des-
truindo-os. Mas há diferentes tipos de câncer. Um outro tipo
é aquele em que as células que são controladoras do cresci-
mento se esquecem de que são destinadas a produzir células

novas de um certo tipo, e aí se dá uma reversão completa.
Certos órgãos do corpo se desgastam. A célula se exaure, ela
já tinha feito sua parcela de trabalho, a de manter o corpo,
e agora necessita ser substituída para que assim o corpo pos-
sa continuar a existir. Mas a célula perdeu o modelo origi-
nal, esqueceu o padrão de crescimento, se você preferir
assim, e tendo-o esquecido procede por conjeturas, e ou íá-
brica células novas desordenadamente, em número despro-
positado, ou produz células que devoram as células sãs e dei-
xam no interior do corpo uma massa sangrenta e pútrida.
Então o corpo perece.
114


-- Mas, senhor, como pode o corpo saber se está fada-
do a ser macho ou fêmea, porque antes do corpo nascer
quem cuida da formação do bebé?
-- Bem, isso depende dos pais. Se se tem um início de
crescimento que é alcalino, então se terá um determinado
sexo; se houver um tipo ácido de célula, então se terá o
sexo oposto, e há ocasiões em que monstros são gerados. Os
pais não eram realmente compatíveis, e o que a mulher pro-
duz não é nem macho nem fêmea, pode ser ambos, pode
mesmo ter duas cabeças e talvez três braços. Bem, nós sa-
bemos que os budistas não devem tirar a vida de ninguém,
mas o que mais pode ser feito, como pode alguém deixar
que um monstro sobreviva? Um monstro com um cérebro
aquém do rudimentar. . . bem, se deixarmos um tal mons-
tro crescer e propagar seus espécimes, cedo nós deveríamos
ter mais e mais monstros, porque nos parece que as coisas
ruins se multiplicam mais depressa que as boas.
"Você irá se acostumar com tudo isso quando chegar
a Chungking. Estou lhe dando uma explicação rudimentar
para que você conheça alguma coisa do que o aguarda. Ago-
ra, um pouco mais tarde, eu o levarei a um outro aposento
e lhe mostrarei monstros que vieram a nascer, e lhe aponta-
rei as células normais e as anormais. E então você verá que
coisa maravilhosa é um ser humano. Mas, antes de mais

nada, examine algumas dessas pessoas, particularmente as
mulheres. Aqui está o livro que mostra como uma mulher é
exteriormente e interiormente. Se a pessoa está destinada a
ser uma mulher atraente, suas células memorizantes, isto é,
as células que levam a memória a reproduzir precisamente as
células do corpo exatamente como antes, estão em boa or-
dem. Então nós temos de nos certificar de que a mãe tem ali-
mentação suficiente do tipo certo e se ela não tem nenhuma
comoção, etc. etc. E, claro, comumente não é aconselhável
ter relações com uma mulher quando ela está em seu oitavo
mês de gravidez. Isso pode perturbar o inteiro equilíbrio das
coisas.
115

"Agora, tenho que fazer o registro de tudo que esti-
vemos fazendo aqui, como aqui viemos ter, e tenho de con-
jeturar sobre como iremos sair daqui!
- Mas, mestre -- eu disse com certa exasperação --
qual o sentido de escrever sobre tudo isso se ninguém mais
vem aqui?
-- Oh, mas as pessoas vêm aqui, Lobsang, elas virão.
Os ignorantes chamam seus aparatos de UFOS. Elas vêm
aqui e permanecem em quartos acima deste. Elas vêm aqui
apenas para receber mensagens e relatar o que descobriram.
Compreenda, essas pessoas são os Jardineiros da Terra.
Possuem um vasto estoque de conhecimentos, mas de algum
modo através dos séculos eles têm se deteriorado. Antes de
tudo eram criaturas semelhantes a deuses, com um poder
quase ilimitado. Eles podiam fazer tudo, absolutamente
todas as coisas. Mas então o "Jardineiro Chefe" enviou
alguns deles à Terra que tinha sido formada, eu já lhe contei
tudo isso antes, e depois, viajando a uma velocidade muitas
vezes superior à da luz, os Jardineiros retornaram à sua base
em um outro universo.
"Como ocorre frequentemente na Terra, e, na realida-
de, em muitos outros mundos, houve uma revolução. Algu-
mas pessoas não apreciavam as ideias daqueles sábios, os
Jardineiros da Terra, apossando-se então de mulheres que

viviam à sua volta, especialmente quando uma dessas mulhe-
res era a mulher de outro homem. Inevitavelmente ocorre-
ram rixas, e os Jardineiros se cindiram em duas facções, que
poderíamos chamar partido do direito e os fora-da-lei. Estes
pensaram que, em vista das longas distâncias que tinham
percorrido e as duras tarefas que já haviam empreendido, ti-
nham direito a uma recreação sexual. Bem, quando eles
não puderam conseguir mulheres de sua própria raça para
que os seguissem, vieram à Terra e escolheram as mulheres
maiores que puderam encontrar. Os acontecimentos não
foram nada agradáveis porque os homens eram fisicamente
muito avantajados para aquelas mulheres, e a facção que
116

veio à Terra entreteve uma disputa e se dividiu em dois par-
tidos. Um destes foi viver no Leste, e o outro no Oeste, e
graças a seus grandes conhecimentos construíram armas
nucleares baseadas no princípio de um nêutron explosivo
e do raio laser. Então eles efetuaram ataques aéreos sobre
o território dos outros, sempre com o propósito de roubar,
talvez o termo rapto soe melhor nesse caso, as mulheres de
seus oponentes.
"Tais ataques aéreos suscitaram contra-ataques, e suas
grandes naves voavam incessantemente através do mundo e
retornavam. E o que aconteceu é simplesmente do interesse
da História; o partido menor, que comportava os homens
justos, em desespero lançou uma bomba sobre o local onde
estavam vivendo os membros da facção equivocada. Atual-
mente as pessoas relacionam tal área como sendo as "Terras
Bíblicas". Tudo foi destruído. O deserto, que existe ali ago-
ra, era outrora um mar cintilante cuja superfície era singra-
da por muitas embarcações. Mas quando a tal bomba caiu a
terra tremeu e tombou ali, e toda a água foi despejar-se
adiante, alcançando o Mediterrâneo e até o Atlântico, e
toda água que ficou naquela área veio a formar o Nilo. Nós
podemos apreciar tudo isto, Lobsang, porque dispomos
aqui de máquinas que irão captar cenas do passado.

-- Cenas do passado, mestre? Ver o que aconteceu há
um milhão de anos? Não parece possível.
-- Lobsang, tudo é vibração ou, se você assim preferir,
se deseja que isso soe mais científico, deverá dizer que tudo
possui sua frequência própria. Portanto, se podemos encon-
trar a frequência, e nós podemos, desses eventos, podemos
detectá-los, podemos fazer nossos instrumentos vibrarem a
uma frequência mais alta, e assim ela irá rapidamente captar
impulsos que foram remetidos há um milhão de anos atrás.
E se então nós reduzirmos a frequência de nossas máquinas,
se igualarmos a nossa frequência com aquela emitida origi-
nariamente pêlos sábios da antiguidade, poderemos ver exa-
tamente o que aconteceu. É muito cedo ainda para lhe falar
117

sobre tudo isto, mas nós viajamos na quarta dimensão,
assim podemos captar uma coisa na terceira dimensão, e
se apenas nos sentarmos tranquilamente, poderemos obser-
var tudo que aconteceu, e podemos ter motivo para risos a
respeito de algumas das coisas escritas em livros de História
e comparar aquelas obras de ficção com o que na realidade
aconteceu. Livros de História são um crime porque a Histó-
ria distorce o que aconteceu, ela nos conduz a caminhos
erróneos. Oh, sim, Lobsang, nós temos aqui a máquina men-
cionada, está no próximo aposento, e podemos ver o que as
pessoas chamam o Dilúvio. Podemos ver o que chamam de
Atlântida. Mas, como já lhe disse, Atlântida era simples-
mente o termo genérico aplicado a terras que submergiram.
Elas afundaram no mar em uma certa extensão da região
da Turquia, e um determinado continente próximo do Ja-
pão submergiu também. Venha comigo, eu irei mostrar-lhe
algo.
O lama ergueu-se, e eu o imitei e o acompanhei.
-- Naturalmente, nós temos registrado muitas dessas
cenas antigas porque representa realmente uma dose de pe-
noso trabalho sintonizar os acontecimentos na frequência
exata. Mas nós conseguimos essa sintonização com preci-
são, e temos um registro de absoluta exatidão do que ocor-
reu. Agora -- e ele tocou em algumas bobinas pequenas que
estavam numa fileira compacta contra a parede, e por fim se
deteve em uma das bobinas e prosseguiu: -- deve ser esta,
vamos observar isto funcionar.
O lama colocou o pequeno carretel numa máquina, e
o grande modelo da Terra -- oh, devia ter cerca de uns nove
metros de diâmetro -- pareceu ganhar vida de novo. Para
meu espanto ele girou e moveu-se obliquamente e então
para trás um pouco, e aí parou.
Eu observei a cena desenrolada naquele mundo, e a
seguir não "olhei" mais. Eu estava ali, naquele cenário. Tive
a impressão cabal de que estava ali. Era uma bela terra, a
relva era a mais verdejante que eu já vira, e me achava para-
118

do na beira de uma praia de areia prateada. Pessoas ali esta-
vam passeando, algumas usavam trajes de banho muito su-
gestivos e estampados e outras nada vestiam. As que nada
usavam sobre o corpo, certamente, pareciam muito mais de-
centes do que aquelas que usavam uma peça de roupa que
meramente encobria o órgão sexual.
Lancei o olhar ao largo do mar cintilante. O mar
era azul, o mesmo azul do céu, e o dia se mostrava calmo.
Pequenas embarcações dotadas de velas estavam entregues
a uma competição esportiva, para ver qual delas era a mais
veloz, e qual era o mais hábil piloto. E então. . . então,
muito repentinamente, houve um tremendo estrondo, e a
terra estremeceu. Onde nós estávamos parados a terra foi
abalada, e o mar precipitou-se adiante, desaparecendo, até
que, diante de nós, tudo que se podia ver era o que fora até
então o fundo do mar.
Mal tínhamos tido tempo para respirar quando uma
sensação mais singular nos acometeu. Verificamos que está-
vamos nos alçando rapidamente em pleno ar, não apenas
nós, mas a terra também, e a pequena franja de colinas ro-
chosas ergueu-se, e se converteu em assombrosas monta-
nhas, uma cadeia montanhosa que se estendia até onde a
vista humana pudesse alcançar, em qualquer direção.
Tive a impressão de estar parado na verdadeira borda
de um pedaço de terra firme, e quando, cautelosamente, ar-
risquei olhar para baixo, senti uma contração no estômago;
a terra era tão alta que eu pensei que nós devíamos ter viaja-
do até os Campos Celestiais. Nenhuma outra criatura estava
à vista, e eu me achava sozinho, assustado, o coração aperta-
do. O Tibete tinha se erguido nove mil metros em cerca de
trinta segundos. Senti dores. O ar estava rarefeito ali, e o
ato de respirar exigia um esforço penoso.
Subitamente, de uma fenda na cadeia de montanhas,
emanou água resultante, ao que me pareceu, de alta pressão.
Ela acomodou-se um pouco ali, e então iniciou seu próprio
curso descendo daquela alta montanha, escorrendo justa-
119

mente sobre a nova terra que fora antes o leito do mar. E
assim estava nascendo o poderoso Brahmaputra, que agora
tem seu escoadouro na Baía de Bengala. Mas não era uma
boa e límpida água a que alcançava agora a Baía de Bengala,
era uma água poluída pêlos cadáveres, de seres humanos e
animais, árvores, tudo. Mas a água não era a principal coisa
porque, para meu horror e espanto, eu estava sendo ergui-
do, a terra se alçava também, a montanha ia se tornando
cada vez mais alta, e lá ia eu juntamente com ela. Logo eu
me achei parado num vale estéril rodeado por imponentes
montanhas, e nós estávamos a cerca de nove mil metros
no ar.
Aquela coisa feito um globo, aquele simulacro do
mundo era algo absolutamente fantástico porque não se
estava simplesmente apreciando os acontecimentos, está-
vamos vivendo os mesmos, realmente participando deles.
Quando eu olhara pela primeira vez o globo, pensara: "Hum,
deve ser algum número artificioso de show, como uma espé-
cie de lanterna mágica, igual às que os missionários trazem."
Mas quando olhei dentro daquela coisa, tive a impressão de
cair, me pareceu estar caindo das nuvens, fora do céu, e
descendo, descendo, para vir pousar tão suavemente como
uma folha caída. E então eu vivi os reais acontecimentos de
milhões de anos passados. Isso era um produto de uma pu-
jante civilização, muito, muito acima da perícia dos atuais
artesãos ou cientistas. Não posso dar uma ideia exata do
que era viver ali. Verifiquei que podia caminhar. Por exem-
plo, havia ali uma sombra negra que me interessou grande-
mente, e caminhei em sua direção, sentindo que estava real-
mente caminhando. E então, talvez pela primeira vez, olhos
humanos contemplaram a pequena montanha sobre a qual,
em centenas de anos vindouros, o poderoso Potala seria edi-
ficado.
-- Não posso realmente entender nada disso, mestre.
O senhor está tentando me pôr à prova em algo que supera
a capacidade de minha mente.
120

-- Tolice, Lobsang, tolice. Você e eu temos estado
juntos em muitas, muitas vidas. Nós temos sido amigos por
uma vida após outra, e você irá continuar a missão depois
de mim. Eu já vivi quatrocentos anos e mais um pouco des-
ta vida, e sou o único em todo o Tibete que entende do fun-
cionamento de todas essas coisas. Esta era uma de minhas
tarefas. E minha outra incumbência -- e ele me fitou com
um toque de humor -- era instruí-lo, proporcionando-lhe
meus conhecimentos para que assim, quando eu me for em
futuro próximo deste mundo com uma adaga cravada nas
costas, você seja capaz de recordar este lugar, lembrar-se de
como conseguiu entrar aqui, de como usar todos seus dis-
positivos, e viver de novo os eventos do passado. Você
será capaz de perceber onde o mundo seguiu rumo errado,
e penso que está se tornando muito tarde neste particular
ciclo da vida para se fazer muito a esse respeito. Mas nunca
se esqueça, as pessoas estão conhecendo o caminho penoso
porque elas rejeitam o caminho fácil. Não há nenhuma
necessidade para todos esses sofrimentos, você sabe, Lobsang.

Não há nenhuma necessidade de toda esta contenda entre
os Afridis ( *) e o exército anglo-indiano, eles estão sempre
em luta e parecem pensar que a luta é o único meio de solu-
cionar as coisas. O melhor caminho para se fazer uma coisa
é a persuasão, não esse morticínio, essa rapinagem, assassi-
natos, torturas. Isso fere a vítima, mas atinge mais o execu-
tante de tais aios, porque tudo isso reverte contra o próprio
Eu. Você e eu, Lobsang, temos um prontuário muito limpo.
Nossa Entidade Superior está inteiramente satisfeita conosco.
-- Mestre, o senhor disse "Entidade Superior". Quer
isso significar que o senhor e eu temos a mesma "individua-
lidade superior"?
*Povo que habita em ambos os lados da fronteira entre o Paquis-
tão e o Afeganistão Oriental. (N. do T.)
121

-- Sim, na verdade assim é, jovem sábio, é justamente
este o significado. Isso quer dizer que você e eu seguiremos
juntos vida após vida, não meramente neste mundo, não
simplesmente neste universo, mas em toda parte, em todo
lugar, em qualquer tempo. Você, meu pobre amigo, irá ter
uma vida muito penosa dessa vez. Você irá ser vítima da
calúnia, haverá todo tipo de críticas mentirosas contra você.
E, no entanto, se o povo pudesse ouvi-lo o Tibete poderia
ser salvo. Mas, em vez disso, em anos futuros o Tibete irá
ser invadido pêlos chineses e arruinado. - Ele se voltou
rapidamente mas não antes que eu pudesse ver lágrimas em
seus olhos. Assim, eu me afastei até a cozinha e bebi um
pouco d'água.
-- Mestre -- eu disse depois -- gostaria que o senhor
me explicasse como essas coisas não se estragam.
-- Bem, atente para a água que você está bebendo
agora. Quão antiga é a água? Ela pode ser tão antiga como o
próprio mundo. Ela não é ruim, é? As coisas somente se tor-
nam ruins quando tratadas incorretamente. Por exemplo,
suponhamos que você corta um de seus dedos e ele começa

a cicatrizar, e então o corta de novo e ele principia a sarar,
e repete o mesmo processo uma vez mais, mas não necessa-
riamente da mesma maneira como se passara antes de você
cortar o dedo. As células regeneradoras se confundem, pas-
sam a crescer de acordo com seu padrão nelas impresso, e
depois se dividem de novo. Elas começam uma vez mais a
se desenvolver de acordo com seu padrão "embutido", e
assim por diante. E, ocasionalmente, as células esquecem o
modelo que devem formar e em vez disso se desenvolvem
mais ainda numa grande quantidade, e eis aí o que é o cân-
cer. ü câncer é o crescimento descontrolado de células
onde elas não deviam surgir, e se alguém fosse orientado
adequadamente, e tivesse pleno controle do seu corpo,
aí não haveria câncer algum. Se visse que as células esta-
vam, como direi, desenvolvidas erroneamente, aí então o
corpo poderia deter o processo a tempo. Nós temos pregado
122

sobre isso, e em diferentes países, e as pessoas simples-
mente se põem a rir desses nativos que têm a ousadia de vir
de algum país desconhecido. . . eles nos chamam de orien-
tais sujos, as coisas mais inúteis que existem. Mas, você sa-
be, só podemos ser orientais, mas no devido tempo essa será
uma expressão honrosa, digna de respeito. Se as pessoas nos
ouvirem, poderemos curar o câncer, poderemos curar a
tuberculose. Você esteve tuberculoso, Lobsang, lembre-se
disso, e eu o curei com sua cooperação, e se eu não contasse
com a sua cooperação não poderia tê-lo curado.
Mergulhamos em silêncio, num estado de comunhão
espiritual um com o outro. Nossa associação era puramente
espiritual, sem qualquer conotação carnal. Naturalmente,
houve alguns lamas que usavam seus cheias para maus
propósitos, lamas que não deviam tê-lo sido, mas sim... bem
trabalhadores, qualquer outra coisa, porque necessitavam de
mulheres. Nós não necessitávamos de mulheres, nem de
qualquer ligação homossexual. Nossa ligação era, como eu
disse, puramente espiritual, como mescla de duas almas que
se misturam para abraçar-se om espírito e então afastar-se
do espírito um do outro sentindo-se reconfortados e de pos-
se de novos conhecimentos.
Há uma forte impressão de que no mundo de hoje em
dia o sexo é a única coisa que importa, sexo para simples
gozo pessoal, não para a perpetuação da espécie, mas mera-
mente porque ele propicia sensações agradáveis. O sexo real
é aquele que temos quando deixamos este mundo, a comu-
nhão de duas almas, e quando retomamos ao Eu Supremo
nós podemos experimentar a emoção maior, o regozijo su-
premo. E então compreenderemos que as provações por que
passamos nesta terra brutal foram destinadas simplesmente
a afastar de nós as impurezas, expulsar pensamentos erró-
neos de nossa mente, e, em minha opinião, o mundo é duro
demais. É tão duro, e os seres humanos têm degenerado
tanto, que eles não conseguem suportar essa provação, não
podem tirar uma lição proveitosa dessas dificuldades, mas
123

em vez disso se tornam cada vez piores, è de mais a mais
perversos, descarregando seu rancor e malignidade sobre
pequenos animais. Isto é uma grande pena, porque os ga-
tos, por exemplo, são conhecidos como os olhos dos deu-
seus. Gatos podem ir a qualquer parte, ninguém presta
qualquer atenção quando um gato está sentado em algum
lugar, patas dianteiras dobradas e a cauda enroscada har-
moniosamente em volta do corpo, e os olhos meio fecha-
dos - as pessoas pensam que ele está descansando. Mas
não, o gato está trabalhando, ele está transmitindo tudo
que está acontecendo. O cérebro humano não pode ver na-
da sem seus olhos. Seu cérebro não pode articular um som
sem sua voz, e os gatos são uma outra extensão dos senti-
dos e que levam os Jardineiros da Terra a saberem o que
está se passando. Com o tempo nós iremos reconhecer isto,
no devido tempo compreenderemos que os gatos nos têm
salvo de muitos equívocos fatais. É assim uma pena que nós
não os tratemos mais bondosamente, não é mesmo?

124



CAPITULO 7

-- Lobsang! LOBSANG! Venha, nós temos algo a fazer.
Levantei-me com tanta precipitação que acabei chu-
tando longe meus sapatos, ou melhor, sandálias; sapatos
era algo inexistente no Tibete. Todos usavam sandálias ou,
se alguém tinha que cavalgar um longo percurso, aí usava
botas cujo cano ia até os joelhos. Seja como for, o fato é
que minhas sandálias foram atiradas para um lado e eu segui
na direção oposta. AO me acercar do lama, este disse:
-- Agora nos iremos apreciar um pouco de História,
a verdadeira História, não as excrescências que eles colocam
nos livros onde "as coisas foram alteradas tanto que não irão
incomodar nenhum homem numa posição muito poderosa.
E o lama me conduziu ao que nós tínhamos conven-
cionado chamar "O Aposento do Mundo", e então nos sen-
tamos no pequeno compartimento que denominamos "me-
sa de comando".
Era realmente uma coisa maravilhosa; aquele simula-
cro do mundo parecia maior que o aposento que o conti-
nha, o que todos sabem ser impossível. Mas o lama adivi-
nhou meus pensamentos, e disse:
-- Naturalmente, quando entramos aqui ficamos sob
a influência da quarta dimensão, e nesta pode-se ter um mo-
delo que é maior que o recinto que o contém caso esse mes-
mo recinto seja tridimensional. Mas não nos preocupemos
125

com isso, e sim com isto aqui. O que nós estamos vendo
neste mundo são os acontecimentos reais mundiais de anos
já passados, algo como um eco. Se você for a um local sujei-
to a ecos e emitir um som alto, terá de volta o mesmo som.
Bem, isso é uma ideia muito breve do que é isto, não estri-
tamente acurada, é claro, porque estou tentando lhe expli-
car no plano tridimensional o que realmente se acha na
quarta ou quinta dimensão. Assim, você tem de confiar em
seus sentidos quanto a tudo que vir, e o que você observar
será realmente de todo correio. -- Voltou-se de novo e
então disse: - Nós já vimos a formação do mundo; vimos
também as primeiras criaturas, hominídeos, serem situadas
neste mundo, portanto vamos acionar isto para o próximo
estágio.
O aposento ficou às escuras e eu me senti cair. Instin-
tivamente, segurei o braço do lama, e ele passou seu braço
em volta de meus ombros.
-- Está tudo bem, Lobsang, você não está caindo real-
mente, ocorre apenas que seu cérebro está se modificando
para aceitar o plano quadridimensional.
Então a sensação de queda cessou, e eu me achei para-
do num mundo nitidamente assustador. Havia ali gigantes-
cos animais, de uma fealdade acima de qualquer coisa que
eu já vira antes. Grandes criaturas passaram, voando e
ferindo o ar com o som mais odioso, soava como um couro
gasto e não encerado, estalando. Aquelas asas mal podiam
sustentar o corpo das criaturas que eu via. Mas estas eram
movidas e ocasionalmente uma daquelas criaturas descia
para colher uma porção de alimento que escapara de
algumas das outras criaturas voadoras. Mas uma vez no
chão, elas ali ficavam, sendo suas asas insuficientes para
elevá-las ao ar de novo. E tais criaturas não dispunham de
pernas com que se movimentassem.
Ruídos indescritíveis vieram do pântano à minha es-
querda. Eram ruídos espantosos, e me senti muito assusta-
do. E então, muito perto de mim, fora da imundície do
126

pântano, emergiu uma cabeça bem pequena do alto de um
vasto pescoço. Este devia ter cerca de seis metros de com-
primento, e muitas lutas sob a água ocorreram antes que

aquela coisa se arrastasse para terra firme. Ela tinha um cor-
po arredondado, e uma cauda que se movia de leve para
equilibrar os contornos do pescoço e da cabeça.
Mas quando eu estava olhando para aquela coisa, e
temeroso de que ela pudesse me avistar, escutei horríveis
estrondos e estalos como se alguma coisa enorme estivesse
avançando através da floresta e derrubando árvores com a
mesma facilidade com que nós fazemos estalar um pedaço
de palha. Eu captei então uma imagem da maior criatura
que jamais vira.
O lama disse:
-- Vamos avançar um século ou dois e saber quando
os primeiros seres humanos apareceram.
Tive a impressão de cochilar ou algo parecido porque,
quando olhei para o globo de novo. . . não, não. . . claro
que não, eu estava sobre o globo, dentro do globo, era parte
dele. Mas, fosse como fosse, quando ergui a vista de novo vi
algumas criaturas de aspecto horrendo caminhando. Havia
seis dessas criaturas, e tinham sobrancelhas hirsutas, com
um pescoço curtíssimo, e todas carregavam um grande pe-
daço de árvore como arma, tendo numa das extremidades a
empunhadura e na outra um nó de madeira grosso que devia
ser mais resistente que a madeira comum de que o tronco
era formado. Tais criaturas continuaram a caminhar. Havia
uma mulher no grupo, e ela estava dando de mamar a um
bebé enquanto caminhava. E eles não produziam nenhum
som, conquanto estivessem seguindo ao longo de terreno
pantanoso; não se ouvia o ruído de algo chapinhando ou es-
padanando, simplesmente o mais completo silêncio. Eu os
observei sumirem de vista, e então, uma vez mais, tive a im-
pressão de ter cochilado porque quando apurei a vista de
novo vi uma maravilhosa cidade. Ela era formada de pedras
brilhantes, de cores diferentes, havia pontes de um lado a
127

outro das mas, e também viam-se pássaros mecânicos que
voavam cruzando as ruas, com pessoas em seu interior.
Essas coisas podiam parar e adejar no ar enquanto as pes-
soas delas saíam ou entravam. Então, mais que de repente,
todo mundo se voltou e olhou no rumo do horizonte dis-
tante, acima da cadeia de montanhas. De lá veio um ruído
ensurdecedor, e logo um grupo inteiro daqueles pássaros
mecânicos surgiu e sobrevoou a cidade em círculos. As pes-
soas se puseram a correr em toda parte. Algumas ficaram de
joelhos para rezar, mas os clérigos, observei, não se detive-
ram para orar, concentraram todas as suas energias em cor-
rer. Depois de alguns poucos minutos daquele voo em
círculos, portas se abriram no ventre daquelas coisas mecâ-
nicas, e caixas metálicas caíram. Os pássaros mecânicos fe-
charam as portinholas de seu bojo, e se afastaram a grande
velocidade. A cidade ergueu-se no ar, e depois caiu ao solo
como poeira, e então ouvimos o ruído do impacto e da con-
cussão, porquanto a vista é muito mais rápida que o ouvido.
Escutamos os gritos daquelas pessoas, todas colhidas por vi-
gas ou sepultadas sob o pó. De novo, veio-me a impressão
de ter cochilado, só posso descrevê-la assim, porque não
tinha consciência de qualquer intervalo entre o que estivera
presenciando e o que estava vendo agora. Tratava-se de uma
era posterior, e pude ver uma cidade ser construída, uma
grande cidade, de beleza insuperável, de uma genuína maes-
tria. As flechas das torres alçavam-se bem alto no céu, e
havia delicados arabescos de metal unindo um edifício ao
outro. Havia pessoas por ali, pessoas entregues às suas
ocupações cotidianas, vendo lojas, comprando e vendendo,
paradas nas esquinas e discutindo assuntos diversos. Então
ouviu-se um estrondo, um terrível ronco, e um imenso ban-
do daqueles pássaros mecânicos passou sobrevoando em for-
mação, e todas as pessoas riram, deram vivas, e acenaram.
Os pássaros mecânicos seguiram em seu caminho imperturbá-
veis. Cruzaram a cadeia montanhosa, e logo escutamos es-
trondos e ruídos de baques e soubemos que "nosso lado"
128

estava cobrando ao inimigo pêlos danos que lhe haviam cau-
sado. Mas... os pássaros mecânicos logo estavam retornan-
do, ou não realmente, porque aqueles não eram os "nossos",
eram diferentes, alguns sendo de formato diferente, e mui-
tos de cores diversas. E eles sobrevoaram nossa cidade e des-
pejaram suas bombas de novo. Nossa cidade foi varrida por
uma tempestade de fogo, este se fez intenso e devastador, e
tudo na cidade ardeu em chamas e ruiu. Os delicados rendi-,
lhados das pontes tornaram-se rubros e depois brancos, e
então se derreteram, e o metal líquido caiu como chuva. Ce-
do eu me achei numa planície, a única coisa ali, agora. Não
havia nenhuma árvore, os lagos artificiais tinham desapare-
cido, convertidos em vapor, e eu parei ali e olhei a meu re-
dor, e me indaguei: qual era o sentido de tudo aquilo, por
que estavam aqueles Jardineiros da Terra guerreando contra
outros Jardineiros? Eu não podia encontrar nenhum sentido
naquilo, absolutamente.
Então o próprio mundo estremeceu e escureceu. Eu
me encontrei sentado numa cadeira ao lado do Lama Min-
gyar Dondup. Ele estava com a expressão mais triste que eu
jamais vira em outra pessoa.
-- Lobsang, isto vem acontecendo neste mundo há mi-
lhões de anos. Já ouve pessoas de um grau elevado de cultu-
ra, mas de algum modo entraram em contenda com outras,
e cada lado ou facção lançou bombas contra a outra facção,
e assim somente uns poucos humanos foram poupados, e es-
tes ocultaram-se em cavernas, e dentro de alguns anos se re-
cuperaram para recomeçar uma nova civilização. E essa civi-
lização por seu turno viria a ser destruída, e todas as suas re-
manescéncias seriam mergulhadas fundo no solo pelo arado
dos fazendeiros que estavam tentando desenvolver um culti-
vo numa terra castigada pêlos efeitos de duras batalhas.
O lama mostrava-se extremamente triste, e sentou-se
apoiando o queixo nas mãos. E disse a seguir:
-- Eu posso mostrar-lhe toda a história do mundo, mas
isso levaria uma vida inteira. Portanto, só lhe mostrarei al-
129

guns flagrantes, como podemos chamá-los, e lhe falarei so-
bre outros. É realmente uma triste constatação, mas vários

tipos de pessoas foram experimentados como colonos deste
mundo. Um exemplo disso foi uma raça toda negra, ela sur-
giu após uma grande agitação. Duas raças brancas tinham es-
tado em litígio para ver quem era a mais poderosa, e, natu-
ralmente, recorreram á guerra. Há sempre guerra, sempre
pessoas de maus pensamentos. Se as pessoas acreditassem
unicamente num Deus não haveria qualquer desses proble-
mas. Mas essa raça inteiramente negra causou uma terrível
mixórdia de eventos no mundo até que por fím alcançaram
um grau elevado de civilização, muito além da nossa atual
civilização. Mas então duas raças diferentes de gente negra
entraram em disputa e ansiaram tremendamente por obter
uma arma mais poderosa do que a de seus oponentes. Bem,
eles a conseguiram, e de alguma forma o sinal foi dado para
lançar essas... bem, essas coisas que se chamam foguetes, e
que causaram tremendos problemas a este mundo. A maio-
ria das pessoas foi eliminada, simplesmente destruída como
uma colónia de ferozes formigas que alguém resolver exter-
minar.
"Sempre há alguns sobreviventes, e assim agora nós
temos uma raça branca, uma negra, e uma amarela. Em cer-
to tempo houve uma raça verde. Naqueles tempos as pes-
soas viviam centenas de anos porque suas "células-memó-
ria" eram capazes de reproduzir células já mortas com exa-
tidão. Foi somente a partir do momento em que as células
perderam sua capacidade de reprodução acurada que nós
passamos a ter um tempo de vida tão curto. Mas numa das
guerras ocorreram poderosas explosões, e a maior parte da
cobertura da terra feita por nuvens foi levada para longe, ex-
pulsa no espaço, e a luz solar veio a afluir com todos os seus
raios letais. E ao invés das pessoas viverem setecentos ou
oitocentos anos, seu ciclo normal de vida reduziu-se a ape-
nas cerca de setenta anos.
"O sol não é o provedor benevolente e gentil da luz
solar, etc. etc. Ele envia raios que causam dano às pessoas
130

Você pode ver por si mesmo que nas pessoas expostas à luz

solar muito tempo sua pele se torna escura. Assim, se fosse
benéfico desfrutar dos raios solares, então a natureza não
necessitaria fabricar um escudo contra a luz solar. Mas os
raios, ultravioleta, e outros, afeiam os humanos e os tornam
piores, e os dois grupos de Jardineiros da Terra tornaram-se
mesmo mais ferozes. Uma das facções era boa e desejava ver
a raça humana desenvolver-se fecundamente e praticar o
bem; em vez disso, as pessoas expostas a um excesso de luz
solar passaram a contrair a tuberculose ou o câncer. Todas
as áreas populacionais do mundo foram presa de enfermida-
des, doenças de pele de várias formas, e tais males eram insi-
diosos, não havia cura para os mesmos. Afinal de contas
esses raios podiam penetrar em muitos metros de rocha, e
era inútil para os habitantes do mundo viverem em casas
porque os raios ainda podiam alcançá-los.
"Há um velho rifão que diz que havia gigantes naque-
les dias. Sim, isto é verdade. Os gigantes eram um grupo dos
Jardineiros da Terra. Eles tinham o dobro ou o triplo da al-
tura mediana dos seres humanos, e eram lentos no andar, de
algum modo letárgicos, e não apreciavam trabalhar. Eles
tentaram voltar para a sua base-lar, mas quando fizeram tal
tentativa verificaram que tinha havido problemas sérios no
seu lar. Um grupo de Jardineiros era bom e dispunha de um
bom líder, mas a outra facção era má. Eles se esmeraram em
iniqüidades de todo tipo, e eram imunes aos apelos daqueles
que ansiavam por um mundo pacífico dotado de uma dura-
ção de vida mais benéfica.
"Esses bons Jardineiros viram como era inútil perma-
necer em sua base-lar, assim reabasteceram suas naves e ins-
talaram novos depósitos de combustível, e decotaram de
novo rumo à Terra.
"Suas naves podiam viajar mais rápido que a luz. Elas
podiam viajar tão depressa que nenhum ser humano podia
controlá-las, e as naves tinham que ser operadas através de
uma forma de computador que dispunha de uma proteção

131

especial para esquivar-se a meteoritos, ou outro tipo de obs-
trução. De outro modo, sem esses protetores, as naves te-
riam sido crivadas de meteoritos ou poeira cósmica, resul-
tando, é claro, em perda de ar e na morte de todos a bordo.
"Por fim, eles voltaram à Terra e verificaram que ou-
tra guerra estava em desenvolvimento. O lado errado - a
parte ruim dos Jardineiros da Terra - se misturara demasia-
do livremente com o povo da Terra, e lhe ensinara muitos
de seus segredos. E desde aí o mundo tem-se tornado cada
vez pior, e haverá uma nova guerra mundial na qual muitas
pessoas morrerão. Muitas mais irão esconder-se no interior
de cavernas ou nas fendas de uma alta montanha. Elas fo-
ram instruídas por seus Sábios sobre tudo o que estava por
acontecer, assim se apegaram ao ponto de vista de que não
havia sentido em viver uma boa vida quando, em uns pou-
cos anos, talvez a própria Terra seria destruída. E nós esta-
mos perigosamente próximos dessa ocasião agora.
Eu ouvi atentamente toda essa dissertação, e então
disse:
-- O astrólogo-chefe tem-me ensinado que eu irei ter
uma vida terrível, uma vida angustiada. Ora, como é que
isso irá ser de ajuda para o mundo?
E o lama retrucou:
-- Sim, tudo que o astrólogo-chefe disse irá ocorrer,
e é verdade que você irá enfrentar tempos realmente muito
ruins, com a oposição de todos a você. Mas lembre-se sem-
pre de que irá ter êxito no que estiver fazendo, e quando
deixar este mundo você não será encerrado no astral, irá pa-
ra um lugar mais elevado. E, naturalmente, você nunca re-
tornará à Terra. Não estou certo de que já é tempo ainda de
lhe dizer todas as coisas que irão acontecer aqui, mas vamos
observar alguns dos acontecimentos do passado. Acho, con-
tudo, que primeiramente devemos alimentar-nos porque
essas percepções pictóricas tridimensionais cansam uma pes-
soa e a levam a esquecer o tempo.
E na realidade logo comíamos a nossa nativa tsampa,
acompanhada de goles d'água fria. E depois o lama disse:
132


-- Você terá que se acostumar com uma comida dife-
rente, porquanto em outras partes do mundo nada se co-
nhece sobre a tsampa, lá eles dispõem de alimentos que são
pré-cozidos, depois enlatados, e enquanto a lata é mantida
hermeticamente fechada tal alimento é comestível, não im-
portando quanto tempo se demore para comê-lo. Mas, natu-
ralmente, é necessário também conservar as latas numa tem-
peratura fresca, isto evita sua deterioração. Atualmente, no
Ocidente, eles usam o que chamam de refrigeradores. São
como grandes caixas cheias de gelo que fica em tomo das
latas de conserva, e de tantos em tantos dias essas "caixas"
têm de ser abertas para se ver a quantidade de gelo que der-
reteu. Se houve um grande derretimento, aí então o depósi-
to inteiro tem que ser reabastecido de gelo. Podemos sem-
pre nos certificar, contudo, de que tais alimentos se estraga-
ram porque, nesse caso, as latas estufam indicando que hou-
ve uma pressão do gás, o gás revelador dá decomposição. E
então tem-se que jogar fora tais latas, pois se as usarmos
ficaremos intoxicados.
"Agora, vamos limpar nossas gamelas, e então iremos
espiar de novo este mundo de que fazemos parte.
O lama ergueu-se e raspou os resíduos deixados pela
tsampa na gamela, e a seguir foi até onde estava uma pilha
de areia, encheu uma das mãos com a mesma, e acabou de
limpar sua tigela. Eu o imitei, pensando que tarefa desagra-
dável era a de ter que limpar pratos constantemente. E me
perguntei por que ninguém tinha inventado ainda algo para
conter a comida e ser depois descartado quando finda a re-
feição. Pensei em todos os monges e em todos os lamas às
voltas com suas mãos cheias de areia fina, mas isso, devem
saber, é muito mais saudável do que lavar uma tigela de ma-
deira. Se você tiver comido algo gorduroso então, obvia-
mente, a substância iria vazar da gamela de madeira. E supo-
nhamos que você tenha posto algum suco de ïrutas delicio-
so em sua tigela de madeira; você come a fruta e um pouco
do suco permanece ao fundo da gamela; e se você for lavá-
133

Ia, aí então estará saturando a madeira e permitindo que o
suco nela se entranhe. Não, até que descubram um novo sis-
tema, um bocado de areia fina é muito melhor do que água.
-- Há quanto tempo o senhor cré que este mundo tem
sido o que é?
O lama sorriu e disse:
-- Bem, você já viu parte dele, e eu acho que devemos
ver um pouco mais do mundo, em seu passado, presente e
futuro, não acha?
Caminhamos vagarosamente até o grande saguão ou
quarto onde o simulacro do mundo estava à espera de ser
usado.
-- Lobsang, você sabe que nós todos nos inclinamos a
pensar que este mundo é para todo o sempre, e no entanto
este universo está sendo realmente destroçado agora. Tem
sido estabelecido de modo definitivo que todos os mundos
são desdobrados uns dos outros. Bem, o melhor meio de ex-
plicar realmente isso é lhe dizendo de novo que o tempo
neste mundo é algo inteiramente artificial. O tempo real é
formado por espaço-tempo, e você deve lembrar-se daqueles
fósforos de cabeça grande que podem ser acesos ao vento. E
que podem ser riscados em alguma superfície áspera e en-
tão explodem em chamas. Bem, se você é um deus do espa-
ço, o nascimento, a vida e a morte deste mundo, ou de qual-
quer outro, devem assemelhar-se ao ato de acender tal fós-
foro. Primeiro, há o calor gerado pela fricção da cabeça do
fósforo contra algo áspero. Então a cabeça do fósforo se
acende numa chama viva, e a seguir esta chama se extingue
e você tem agora apenas a ponta em brasa do fósforo que
rapidamente se esfria para converter-se simplesmente numa
massa negra queimada. A Terra é assim, e todos os outros
planetas. Para nós que vivemos na Terra, ela nos parece eter-
na, mas suponhamos que você conte com uma pessoa dimi-
nuta, tão diminuta que possa ser colocada sobre a cabeça do
fósforo assim que este se resfria, bem, essa criatura pensaria
estar vivendo num mundo que iria existir para todo o sem-
pre. Você está acompanhando o meu raciocínio?
134

-- Sim, senhor, estou. Isso me foi dito por um lama
que tinha frequentado um curso superior na Alemanha, e
ele me disse que um fósforo desse tipo fornece uma analo-
gia adequada ao caso. Ele usou quase as mesmas palavras
que o senhor, mas acrescentou que após vários milhões de
anos a cabeça do fósforo, ou o mundo, alcançaria cerca de
vinte milhões de graus Fahrenheit porque se necessita de
uma certa temperatura antes que o hidrogénio da atmosfera
possa ser convertido em carvão, oxigénio e vários outros ele-
mentos. Todos esses elementos são necessários na formação
de um mundo Ele me disse, também, que antes do seu fim
o globo, que é o mundo, se dilata.
-- Sim, isto é absolutamente certo. Você tem de re-
cordar que no mundo ocidental eles não conhecem essas
coisas porque não dispõem de nada como o que nós temos
aqui. Temos aqui realmente os instrumentos que supercien-
tistas de há um bilhão de anos, talvez, construíram. .. e pa-
ra durarem um bilhão de anos ou mais. Estas máquinas aqui
permaneceram através de centenas, milhares de séculos, até
até que alguém viesse, alguém que soubesse como fazê-las
funcionar. Eu sei como elas operam, Lobsang, e vou ensinar-
lhe seu manejo, e você irá ter uma vida de adversidades
assim que souber como o mundo é realmente. E por causa
dos ensinamentos que levará de volta a Patra, pode torná-los
mais acessíveis a outros mundos.
-- Mas, senhor, eu o ouvi pronunciar a palavra "Pa-
tra", mas não sei de nenhum mundo com esta denomi-
nação.
-- Não, eu sei disso, mas você irá conhecê-lo em breve.
Eu irei mostrar-lhe a localização de Paira neste mundo, mas
há muitas coisas a serem vistas primeiro, e tenho sempre
constatado ser inútil dispor de um instrumento que produ-
zisse resultados previsíveis, mas então, se o operador não
soubesse como manejar a máquina e como o resultado final
foi obtido, aí ele seria realmente um operador muito inapto.
Nenhum instrumento pode ser usado a menos que o prová-
vel operador possa fazer as coisas para a execução das quais
o aparelho em questão foi fabricado.
135


Nos alcançamos o aposento, que poderia ser chamado
de saguão, por causa de seu tamanho, mas como quer que o
chamemos, nele entramos. Imediatamente surgiu um leve
fulgor e vimos a aurora começar a se converter na luz de um
novo dia. Era uma forma diferente de alvorecer que podía-
mos ver, porque, agora, todas essas esplêndidas cores que
nos presenciamos ao nascer do sol e ao crepúsculo são mera-
mente reflexos da poluição da atmosfera. Naqueles tempos
a poluição era alimento para a Terra, alimento para o so-
lo sendo depositado sobre este pêlos vulcões, e foram esses
vulcões que deram aos mares seu teor de sal. Sem o sal nin-
guém pode viver.
Nós nos sentamos naquela coisa feito uma mesa de
comando, e o Lama Mingyar Dondup disse:
- Vamos observar alguns detalhes colhidos ao acaso
Dispomos de todo o tempo de que necessitamos e lá na
lamaseria provavelmente estarão contentes por nos achar-
mos fora de seu caminho, especialmente você, seu jovem en-
diabrado, que costuma jogar coisas na calva das pessoas
Mas, nos antigos tempos, os animais, a primeira forma de
vida sobre a Terra, eram criaturas estranhas, na verdade. Por
exemplo, o broncossauro foi provavelmente a mais estranha
criatura jamais vista na face da Terra. Há uma série de coisas
esquisitas assim. Por exemplo, o ultrassauro era um animal
muito peculiar. Devia possuir uma pressão sanguínea muito
alta porquanto sua cabeça podia elevar-se a quase vinte me-
tros no ar, e além disso aquele animal pesava cerca de oiten-
ta toneladas, e possuía dois cérebros; um, na cabeça co-
mandava os movimentos das mandíbulas e das pernas dian-
teiras, e o outro em seu traseiro, isto é, exatamente atrás da
pélvis, fazia movimentar a cauda e as pernas traseiras. Isso
me faz lembrar uma pergunta que já me foi feita- "Que a-
contece se uma centopeia embaraça suas peminhas ao des-
cer um degrau?" Bem, eis aí uma pergunta que eu não po-
deria responder com exatidão. Posso dizer apenas que talvez
a centopeia seja vigiada por outra criatura especial que
atente para que ela não cruze as peminhas ao descer.
136

"Bem, Lobsang, o que iremos ver agora? Dispomos de
bastante tempo e assim pode me dizer o que mais deseja
ver.
Pensei por alguns instantes, então respondi:
-- Aquele lama japonês que esteve conosco algum tem-
po contou-nos uma porção de coisas singulares, e ainda hoje
não sei se devo acreditar nele ou não. Ele nos disse que o
mundo era outrora muito quente, e então, num repente, ele
se tornou muito frio e a superfície do universo foi coberta
pelo gelo. Podemos ver isso?
-- Sim, claro que podemos. Não há nenhuma dificul-
dade, de modo algum. Mas, você sabe, isso já ocorreu várias
vezes. Compreenda, o mundo já existe há bilhões de anos e
a cada certo número de milhões de anos há uma era glacial.
No Pólo Norte, por exemplo, há agora na água uma camada
de gelo com a profundidade de l .850 metros, e se todo o
gelo se derretesse, e os icebergs também se dissolvessem, to-
do mundo sobre a Terra se afogaria porquanto a terra seria
inundada... bem, exceto quanto a nós, no Tibete, pois es-
taríamos numa altitude muito elevada para que a água nos
alcançasse.
O lama voltou-se para a mesa de controle, ergueu a
vista na direção de uma coluna inteira de algarismos, e en-
tão a luz no grande saguão, ou quarto, se preferirem chamá-
lo assim, ofuscou-se. Por alguns segundos ficamos imersos
na escuridão e logo surgiu um foco luminoso, avermelhado,
muito singular, e dos dois pólos, o do Norte e o do Sul, bro-
taram faixas de luz diversificadas.
-- Isto é a aurora boreal, ou a aura do mundo. Nós po-
demos vê-la porque, embora pareçamos estar na Terra, esta-
mos longe desse fenómeno, e eis porque a vemos.
A luz tornou-se mais brilhante, deslumbrante, tão bri-
lhante que tivemos que apreciá-la através de nossos olhos
quase, fechados.
- Onde está o Tibete? - perguntei.
137

- Nós nos encontramos sobre ele, Lobsang, estamos
nele. Tudo que você está vendo agora ali abaixo é gelo.
Eu estava olhando para aquele gelo me perguntando o
que poderia ser, porquanto... bem, havia gelo verde, gelo
azul, e o que eu via ali era absolutamente transparente, tan-
to como a mais clara das águas. Eu não podia entender isso,
assim disse:
-- Eu já vi o bastante disso, que é uma visão muito lú-
gubre.
O lama riu e voltou a manejar aquelas coisas do painel
de controle, e aí o mundo girou e vibrou por causa da velo-
cidade da rotação. Então passou a rodar tão depressa que
tudo ficou cinzento, não havia nem escuridão nem qualquer
luminosidade, somente aquela imagem acinzentada, e logo o
globo passou a girar lentamente, e por fim nos achamos vi-
sualizando o que era uma grande e fantástica cidade. Era
uma cidade edificada pouco antes do advento dos sumeria-
nos. Fora construída por uma raça de cuja existência agora
já não havia nenhuma relato escrito, nada registrado sobre
ela na História, e, de fato, havia somente uma menção re-
motíssima relativa aos sumerianos nos livros de História.
Mas eles surgiram: como conquistadores e assaltaram, sa-
quearam e devastaram a cidade, e após tê-la reduzido a uma
condição em que não havia mais pedra sobre pedra, foram
embora e--de acordo com os livros de História -- desloca-
ram-se para alguma parte e sobre eles nenhum vestígio foi
jamais descoberto. Não, claro que não, porque eles se afas-
taram daquela cidade e depois deixaram a Terra em gigan-
tescas espaçonaves. Eu não podia entender por que aquela
gente podia ser tão selvagem a ponto de surgirem e simples-
mente arrasarem uma cidade -- bem, aparentemente para
seu entretenimento. Naturalmente que eles levaram prisio-
neiras muitas mulheres e isto pode ter sido um motivo pro-
vável de sua ação agressiva.
Então me acorreu à mente quê estava presenciando
algo que podia modificar toda a história do género humano.
E disse:
138

-- Mestre, tenho estado observando todas essas coisas,
atento a essas invenções realmente maravilhosas, mas parece
que somente bem poucas pessoas delas têm conhecimento.
Ora, com toda certeza se todos as conhecessem nós pode-
ríamos chegar a uma época quando haveria paz no mundo
inteiro, porque cessaria a motivação de uma contenda assim
que tudo pudesse ser conhecido através desses instrumentos
ou máquinas que há aqui.
-- Não, Lobsang, isso não é assim, positivamente não
é. Se houvesse qualquer informação de que as pessoas tives-
sem conhecimento disto, aí então financistas desonestos
aqui irromperiam com seus guarda-costas armados e iriam
se apossar de tudo isto e matar todos entre nós que conhe-
cêssemos tais máquinas. E depois, eles usariam esses instru-
mentos para controlar o mundo. Pense bem nisso. Um capi-
talista inescrupuloso tomando-se o imperador do mundo, e
todos os outros humanos convertidos em seus escravos.
-- Bem, eu não consigo compreender a atitude das
pessoas porque nós sabemos que o Tibete será invadido pê-
los chineses, e sabemos que eles virão para levar todosos li-
vros aqui, guardados, para estudá-los. O que os impedirá en-
tão de capturarem o mundo?
-- Lobsang, meu caro amigo, você deve ser muito, mas
muito ingénuo, fraco da cabeça ou algo assim. Não está pen-
sando que iremos deixar que quaisquer conquistadores se a-
possem de coisas como essas, está? Para começo de conver-
sa, nós temos dlítáieaías_ahsQlutamente fiéis dessas obras
exatamente no alto Ártico, onde os homens mal conseguem
mover-se devido ao frio. Mas no interior de cadeias de mon-
tanhas tudo se mostra quente, pacífico e confortável, e nós
tínhamos os olhos abertos sobre o mundo, pudemos sim-
plesmente ver o que estava acontecendo, e se fosse neces-
sário poderíamos tomar alguma providência. Mas este mate-
rial aqui -- fez um gesto largo com as mãos abarcando o que
nos rodeava -- tudo isto será destruído, detonado, e mesmo
armadilhas explosivas serão montadas. Primeiro os ingleses e
139


os russos tentarão capturar o Tibete, mas fracassarão, certa-
mente que causarão uma terrível mortandade, mas sua ten-
tativa de conquista fracassará. Mas eles darão aos chineses
uma ideia de como estes poderão ter êxito, e os chineses vi-
rão e conquistarão então o Tibete, isto é, parte dele. Mas
ainda assim não obterão nenhuma dessas máquinas, não con-
seguirão nenhum dos livros sagrados ou das obras médicas,
porquanto nós já sabíamos dessa invasão há anos, na reali-
dade há séculos, e falsos livros foram preparados e estão
prontos para serem postos no lugar dos outros ião logo os
chineses iniciem sua invasão. A profecia, como você sabe,
diz que o Tibete irá sobreviver até que motores venham ter
a este país, e quando veículos motorizados chegarem ao Ti-
bete isto será o fim de nossa terra. Portanto, não tema, to-
dos os nossos tesouros, toda a nossa ciência armazenada a
partir de alguns milhões de anos passados estão guardados
em segurança. Conheço o lugar onde se acham escondidos,
pois já estive lá. E você, também, irá conhecer a sua locali-
zação porquanto esta lhe será mostrada. Eu serei morto
ainda em seu período de vida, na realidade antes que você
deixe'o Tibete, e você será um dos raros homens que pode-
rá manejar essas máquinas e saber como servir-se delas.
-- Santo Deus, senhor, aprender como utilizar essas
máquinas levaria vários períodos da vida.
--Não, você irá aprender que elas são auto-repará-
veis. Você precisa, apenas, efetuar umas poucas manipu-
lações e a máquina, ou melhor, outras máquinas conser-
tarão a que estiver defeituosa. Saiba que essas máquinas
não terão muito mais tempo de existência, porquanto
surgindo dentro de uns poucos anos, em 1985, certas cir-
cunstâncias mudarão e haverá uma terceira Guerra Mun-
dial que irá prolongar-se muito, e após o ano 2000 haverá
muitas mudanças, muitas realmente, algumas para melhor,
outras para pior. Nós somos capazes de observar isso atra-
vés do Registro Akashic de Probabilidade. Ora, como você
sabe, o homem não está sobre trilhos, incapaz de desviar-se
140

de um determinado caminho. O homem goza de livre esco-
lha dentro de certos limites, limites estes fixados pelo signo
astrológico pessoal. Mas nós podemos ver com muita preci-
são o que acontece a um país, e isto é o que cedo estaremos
fazendo, porque eu desejo que você veja algumas das mara-
vilhas do mundo. Vamos entrar em sintonia com diferentes
situações, e épocas diferentes.
-- Mas, senhor, como lhe é possível sintonizar sons e
imagens, e tudo mais, que já ocorreram há longo tempo?
Quando uma coisa ocorre está tudo feito e acabado.
-- Não, Lobsang, não é assim. A matéria é indestru-
tível, e as impressões do que nós dizemos ou fazemos saem
de nós e circulam o universo, e tomam a circular. Com esta
grande máquina nós podemos recuar até cerca de dois bi-
lhões de anos. Refuta que com dois bilhões de anos a ima-
gem torna-se um pouco nebulosa, mas ainda assim com bri-
lho suficiente para verificarmos do que se trata.
-- Bem, eu não posso entender como alguém consegue
captar imagens e sons do nada.
-- Lobsang, em poucos anos haverá algo chamado rá-
dio. Está sendo inventado agora, e com isso uma pessoa po-
de captar o que será chamado programas de rádio, e se o
receptor for bem suficiente você pode fazer captações de
qualquer transmissor do mundo, e mais tarde as pessoas irão
dispor dessas caixas de sons que podem emitir imagens. Tu-
do isso já foi feito anteriormente, mas, quando uma civiliza-
ção sucede a outra, algumas vezes as mesmas coisas são rein-
ventadas. Certas vezes ocorre uma versão aperfeiçoada, mas
neste caso, aparentemente, a coisa chamada de rádio está
trazendo um bocado de problemas porque a informação ti-
nha que ser trazida do mundo astral por cientistas que pen-
sam que eles o inventaram. Mas, seja como for, dou-lhe a
minha palavra de que iremos prosseguir e ver o que está por
acontecer no mundo. Infelizmente nosso limite de alcance
perceptivo será de três mil anos, além do que não podere-
mos em definitivo alcançar, pois aí nossas imagens se tor-
141

nam nebulosas demais, demasiado confusas para que pos-
samos decifrá-las. Mas você irá conhecer uma grande dose
de padecimentos e uma série de viagens, e irá ser vítima de
várias pessoas inescrupulosas que não apreciarão o que você
está fazendo e tentarão denegrir sua reputação. Nesta má-
quina, dentro dos próximos dias, você estará vendo as cenas
relevantes de sua carreira. Mas vamos simplesmente observar
agora algumas incidências passadas sintonizando ao acaso
esta máquina. Agora, preste atenção, aqui estão aconteci-
mentos importantes desenrolados num lugar chamado Egito.
O lama ajustou vários controles, e nós vimos a escuri-
dão, e no horizonte, delineando-se nessas sombras alguns
triângulos negros. Isto não fazia nenhum sentido para mim,
assim o lama aos poucos regulou o controle e o mundo aos
poucos também ingressou na luz do dia. E o lama disse:
-- Veja, isto é a construção das Pirâmides. As pessoas
irão maravilhar-se mais tarde, perguntando-se como esses
grandes blocos de pedra foram movidos sem auxílio de
maquinaria alguma. Eles foram movidos por levitação.
-- Sim, senhor. Eu tenho ouvido falar bastante acer-
ca da levitação, mas não tenho a menor ideia de como se
processa.
-- Bem, como sabe, o mundo possui uma atraçâo mag-
nética. Se você lança uma coisa no ar o magnetismo terres-
tre a impele para baixo de novo. Se você cai de uma árvore o
faz para baixo, não para cima, porque o magnetismo terres-
tre é tal que você tem que cair na Terra. Mas nós temos uma
coisa que é antimagnética para a Terra, temos que mante-la
sob guarda cuidadosamente o tempo todo porque se uma
pessoa não instruída se apossar de um exemplar dessa coisa
poderia achar que tinha flutuado exatamente fora da Terra.
A queda então se processa para o alto. Como nós a contro-
lamos se deve ao fato de ter duas grades, ou lâminas metáli-
cas, uma sintonizada com o magnetismo da Terra, a outra
oposta a este mesmo magnetismo. Ora, quando os pólos do
circuito se acham numa certa posição as grades flutuarão,
142

elas não se erguerão nem descerão. Mas se você impulsionar
uma alavanca que altere a conexão das grades metálicas uma
com a outra, então numa direção a alavanca torna o magne-
tismo terrestre mais forte e, assim, a máquina vem afundar
na Terra. Mas se nós desejarmos erguê-la, então impulsio-
namos a alavanca de outro modo para que assim o antimag-
netismo surta efeito e a Terra venha a repeli-la em vez de
atraí-la, e portanto nós possamos erguê-la no ar. É esta a
coisa que os deuses usavam quando eles estavam fazendo
este mundo tal como é agora. Um homem podia erguer
esses blocos de pedra de centenas de toneladas e dispo-
los na posição certa sem esforço, e então, quando o bloco
estava na posição desejada, a corrente magnética era desliga-
da e o bloco se encaixava no lugar exato graças ao impulso
gravitativo terrestre. Eis aí como as Pirâmides foram cons-
truídas, eis como muitas coisas estranhas, em número in-
contável, foram edificadas. Temos, por exemplo, mapas da
Terra de vários séculos, e nós somos o único povo que
possui esses mapas porque apenas nós temos esses dispositi-
vos e têm sido usados para cartografar o mundo com exati-
dão. Mas este não é o momento para debater este ou outros
assuntos. Acho que agora devemos comer alguma coisa, e a
seguir examinaremos minhas pernas. E depois disso feito
iremos dormir, porque o alvor de um novo dia se aproxima,
um dia que você nunca viu antes.
143



CAPÍTULO 8

-- Lobsang! Venha, é hora de sua aula.
Minha mente retornou a uma outra aula. Acontecera
no Potala. Eu estivera ausente alguns dias na companhia do
Lama Mingyar Dondup, e então, no nosso regresso ao Pota-
la, ele me disse:
-- Bem, as aulas já começaram esta tarde, assim será
melhor você ir para sua classe agora.

Eu assenti um tanto desanimado e caminhei na dire-
ção da sala de aula. O lama-professor ergueu a vista e então
uma expressão de zanga desenhou-se em seu rosto. Ele me
apontou seu dedo e gritou:
-- Fora! Fora! Eu não quero ter você em minha turma.
Assim, como nada mais havia a fazer, eu dei meia-vol-
ta e saí. Alguns dos outros chelas se puseram a rir baixinho
e o professor acercou-se deles com sua vara de castigo fusti-
gando o ar.
Fui para o que nós chamávamos nosso pátio de recreio
e ociosamente me pus a arrastar os pés no chão. O Lama
Mingyar Dondup contornava um ângulo do pátio e me viu.
Acercou-se de mim e disse:
-- Pensei que você tinha ido para a sala de aula.
-- Eu fui, senhor, mas o professor ficou furioso comi-
go e me ordenou sair, e disse que não havia mais lugar para
mim em suas turmas.
144

-- Oh, ele disse isso? Venha, nós vamos ver juntos o
que está havendo.
Caminhamos lado a lado ao longo do corredor. O
chão estava todo escorregadio por causa da gordura de man-
teiga derretida que caíra de nossos lampiões, a manteiga
caída no piso endurecera com o frio e aquele lugar detestá-
vel se parecia às vezes com um rinque de patinação. Mas nós
avançamos juntos pelo corredor, chegamos à sala de aula, e
entramos. O lama-professor estava furioso, fustigando com
sua vara de marmelo, ao acaso, os seus alunos. Quando viu
ali o Lama Mingyar Dondup ficou muito pálido, sobressal-
tou-se e voltou a seu estrado.
-- Qual é o problema aqui? -- indagou o Lama Mingyar
Dondup.
--Não há nenhum problema aqui, exceto que esse
rapaz -- apontou para mim -- sempre perturba a aula. Nós
não sabemos se ele está mesmo na sala ou propenso a sair
dela, e eu não desejo ter um aluno assim.
-- Oh, então o caso é esse, hem? Pois este rapaz,
Lobsang Rampa, acha-se sob as ordens especiais do Gran-
de Décimo Terceiro, e o senhor irá acatar essas ordens tal

como eu faço. Venha comigo, nós vamos ver o Grande
Décimo Terceiro agora. -- E o Lama Mingyar Dondup deu
meia-volta e se retirou da sala de aula, com o lama-pro-
fessor seguindo-o submisso, ainda segurando sua vara de
castigo:
-- Oh, meu Deus! -- exclamou um rapazinho. -- Já
imagino o que irá acontecer agora. Pensei que ele estava
ficando louco. Deu varadas em todos nós e você pode ver as
marcas em nossos rostos. Eu imagino o que vai acontecer
agora.
Meu colega não teve que aguardar muito, porque logo
depois o Lama Mingyar Dondup aparecia, agora acompa-
nhado por um jovem lama, simpático, de ar solícito. O
Lama Mingyar Dondup nos apresentou com ar solene o
recém-chegado, e disse:
145

- Ele irá ser seu professor de agora em diante, e eu
conto com uma grande melhoria no comportamento da
classe e nos seus estudos. - Voltou-se para o novo professor,
dizendo: - Lobsang Rampa está sob ordens especiais. Al-
gumas vezes ele terá que se ausentar desta classe por uns
dias. Você fará o melhor possível para ajudá-lo a recuperar
esses dias perdidos de aula.
Os dois lamas trocaram uma solene saudação, e Min-
gyar Dondup retirou-se.
Eu não podia entender por que a lembrança de tais
cenas me acudira de repente à mente, mas aí ouvi a voz do
lama trazendo-me à realidade:
- Ei, Lobsang, acho que não ouviu uma palavra do
que eu disse, ouviu?
- Não, senhor, eu estava pensando naquela ocasião
quando fui expulso da sala de aula, e estava justamente
me perguntando como um lama como aquele podia ser
professor.
- Oh, bem, você encontra pessoas boas e outras más.
E eu suponho que daquela vez contamos com uma de má
índole. Mas não se preocupe, tudo foi resolvido. Podemos
dizer agora que eu sou seu guardião. Eu não sei se tenho
que levar você por uma coleira ou uma trela, ou o que seja,
mas sou seu guia, e digo-lhe o que acontece e nenhum outro
professor pode fazé-lo.
O lama sorriu para mim assim que eu esbocei um sor-
riso bem aberto. Eu podia aprender com Mingyar Dondup.
Ele não se prendia a regulamentos, mas nos dizia coisas
acerca do grande mundo exterior pelo qual tinha viaiado
tanto.
-- Bem, Lobsang, nós faremos melhor em começar-
mos o estágio elementar porque você terá que ensinar a pes-
soas do grande mundo exterior, e conquanto já saiba pro-
vavelmente toda essa primeira parte da qual irei lhe falar, tal
repetição não irá incomodá-lo. Poderá mesmo ampliar um
tanto seus conhecimentos.
146


O modo como ele falou resultou num elogio, e eu re-
solvi de novo ser um motivo de satisfação para ele. Se eu fui
bem-sucedido ou fracassei somente o tempo dirá, quando
voltarmos para Paira.
-- Vamos imaginar um corpo vivo -- disse então o la-
ma. -- A pessoa se deita e mergulha no sono, e então sua
forma astral emergirá desse corpo e irá viajar a algum lugar;
se a pessoa adormecida é sofrivelmente evoluída, despertará
pensando que teve um sonho e nada mais. Mas quando con-
tamos com uma pessoa instruída, ela pode aparentemente
estar profundamente adormecida, enquanto durante todo o
tempo se acha na verdade fazendo uma viagem astral con-
trolada e se acha ainda consciente do que está acontecendo
próximo de seu corpo físico. Ela sairá desse corpo e viajará
para onde deseje, aonde quer que tenha sido instruída a ir.
Você pode viajar a qualquer parte do mundo por meio dessa
viagem astral, e se se exercitar, poderá recordar todas as coi-
sas particulares que aconteceram quando retornar a seu en-
voltório corpóreo.
"Quando uma pessoa morre, isso se dá porque a per-
sonalidade astral deseja libertar-se do invólucro carnal. Tal-
vez esse corpo esteja incapacitado e não funcione mais ade-
quadamente, ou talvez tenha aprendido tudo que necessita-
va aprender naquela encarnação particular, porquanto as

pessoas retornam à Terra de tempos em tempos até que suas
lições sejam aprendidas. Você e eu somos diferentes porque
somos de um ponto além do astral, nós procedemos de
Paira, de que iremos tratar um pouco mais tarde.
"Quando a forma astral se acha inteiramente liberta
do corpo físico e o Cordão de Prata é cortado e a Taça Dou-
rada partida, então a entidade que se achava naquele corpo
está livre para mover-se, livre para realizar mais ou menos o
que deseja fazer. E então, após certo tempo, ela se acha
cansada de... bem, de apenas seguir ao acaso, e aí consulta
uma divisão especial do Governo cuja única tarefa é aconse-
lhar as criaturas astrais quanto ao que deverá ser melhor
147

para elas, se podem permanecer no astral e aprender um
pouco mais ali, ou devem ir de volta à Terra em circunstân-
cias diferentes para que assim possam aprender os duros ca-
minhos da vida. Você sabe, quando as pessoas estão no estágio
da Personalidade Superior -- oh, é longo o caminho até lá, de
onde você ainda se encontra agora, Lobsang - aí então elas
não podem experimentar pena, e as pessoas aprendem mais
depressa por meio do sofrimento do que pela bondade.
Assim, talvez seja programado que tal ser deva voltar à
Terra com anseio de matar, ele nascerá de pais que com
mais probabilidade lhe darão a oportunidade de matar
alguém. Ora, sua missão é a de lutar contra seu desejo não
inato de matar, e se no decorrer de sua vida não chegar a
matar outra pessoa, então essa vida terá sido um sucesso
completo. Ele está aprendendo a controlar-se, e nesse caso
será capaz de contar com um repouso no astral, e depois,
uma vez mais, irá contatar com o Comité Supremo de Con-
selheiros para saber qual a próxima missão que esperam que
ele execute. Pode, por exemplo, ser propenso a tornar-se um
grande missionário, ensinando porém coisas erradas. Bem,
de novo o vemos nascer de pais que podem dar-lhe a oportu-
nidade de ser um missionário, e então tudo irá depender de
quão satisfatório ele se mostre nesse trabalho, e se compreen-
der que está ensinando as coisas erradas, aí então tal pessoa
pode mudar e colher muitos benefícios dessa mudança. Pode,
por exemplo, compreender que não pode ocorrer o nasci-
mento de um novo ser de forma imaculada, a menos que o
nascituro seja do sexo feminino . Sob certas circunstâncias,
as mulheres podem gerar crianças sem a ajuda, sem dúvida
agradável, de um homem, mas em todas essas ocasiões a crian-
ça assim nascida será do sexo feminino. Se ela crescer e se ca-
sar e tiver um bebé, então este poderá ser uma mulher ou um
homem fraco, doentio. Nunca se terá uma pessoa preponde-
rante se esta não for gerada com a ajuda de um homem.
"No astral as pessoas podem observar seus erros e tal-
vez fazer algo para superar o mal que hajam feito a outras
148

pessoas. Você sabe, Lobsang, que na Terra toda pessoa tem
de viver segundo o ciclo completo do Zodíaco e de todos os
quadrantes zodiacais também porque a conformação astro-
lógica de uma pessoa tem uma grande influência sobre
o modo como ela se desenvolve e em sua posição na vida.
Uma pessoa de Aries, por exemplo, pode nascer e ser um
açougueiro bem-sucedido, mas se seus pais possuem um
status mais elevado, ele pode tornar-se um cirurgião afortu-
nado; como sabe, não há muita diferença entre ambos. Já
me disseram que um leitão e um ser humano têm um sabor
quase igual, mas eu nunca experimentei comer a carne de
um ou de outro e nem pretendo fazê-lo.
Refleti sobre isso por instantes e então disse:
- Mestre, isso quer significar que nós temos de vi-
ver segundo cada signo do Zodíaco, Marte, Vénus e todos
os outros, e depois viver mediante o mesmo signo astro-
lógico do Sol com todos os diferentes quadrantes?
- Bem, sim, claro que é assim. A diferença que é pro-
cessada por cada quadrante é quase inacreditável, porque se
temos um signo solar forte, então a primeira parte do qua-
drante conterá não só o signo do Sol mas também fortes
indicações do signo anterior. Ao passo que no centro dos
quadrantes o signo do Sol irá ser a influência predominan-
te, e então, enquanto se progride através desse signo, quando
chegamos â última parte do quadrante as indicações se tornam
muito fortes para o próximo signo da carta astrológica. Estou
lhe dizendo tudo isso porque você pode ter de explicar coi-
sas como essas às pessoas no futuro. Portanto, toda pessoa

vive segundo cada parte do Zodíaco, não necessariamente na
mesma ordem, mas naquela ordenação que as capacita a ti-
rar o máximo proveito das coisas que devem ser aprendidas.
- Mestre, eu fui advertido de que terei uma vida in-
teira repleta de sofrimentos e percalços, etc. etc. Bem, por
que terá que haver tantos sofrimentos?
O Lama Mingyar Dondup se pôs a olhar para seus pés
por curtos instantes e então disse:
149

- Você tem realmente uma grande tarefa a cumprir,
uma nobre missão, e irá descobrir que pessoas que não têm
nobreza de sentimentos tentarão impedi-lo de obter êxito, e
elas irão recorrer a qualquer tipo de ardil mesquinho para
evitar que você seja bem-sucedido. Como sabe, as pessoas
alimentam inveja, elas fazem ou escrevem coisas ruins, ou
desvirtuam algo que reconhecidamente era de longe melhor
do que um livro de ilustração e que era, antes de você se
entregar à sua missão, um paradigma indiscutível. Bem, eu
sei que o que digo pode soar meio confuso, mas é assim na
realidade. Você terá que contar com uma terrível dose de
inveja e você, pobre alma, conhecerá uma série de proble-
mas causados por mulheres, não mediante suas atividades
sexuais com elas, mas a mulher de alguém irá mostrar-se
cativante com você, e seu marido, não entendendo isso,
ficará terrivelmente ciumento. E depois outras mulheres se
sentirão enciumadas e frustradas porque sorrirão para você
que não irá retribuir-lhes esses sorrisos. Oh, Lobsang,
cuidado com as mulheres. Eu o tive a vida toda e posso falar
com conhecimento de causa.
Sentei-me imerso num sombrio silêncio refletindo so-
bre meu terrível destino, e então o lama disse:
- Anime-se, eu sei que você nada conhece sobre as
mulheres, mas cedo terá uma- oportunidade de examinar
seus corpos, interna e externamente, porque quando sair
daqui para ir para Chungking, dentro de uns poucos anos,
você verá corpos já sem vida, de homens e mulheres, nas
salas de dissecação. De início você se sentirá com o estôma-
go revolvido, mas não importa, dois dias depois já estará de
todo acostumado a tal espetáculo e, de acordo com o Regis-
tro de Probabilidades, você irá ser na realidade um médico
muito bom. Você pode ser um bom cirurgião porque... bem,
eu devo admitir que é um pouco "impiedoso", e uma pes-
soa tem de ser um tanto fria se quer tornar-se um bom
cirurgião. Portanto, quando sairmos desta cela, ou gaiola,
ou caverna, chame-a como preferir, logo você irá para uma
150

outra onde adquirirá certa prática com o instrumental cirúr-
gico e também aprenderá coisas mediante a linguagem uni-
versal. E, naturalmente, estou pronto para ajudá4o por
qualquer meio possível.
-- Mestre, o senhor mencionou Patra várias vezes nes-
tes últimos dias, mas eu nunca tinha ouvido esta palavra
antes e estou certo de que não são muitas as pessoas no
Potala e em Chakpori que a usem com frequência.
-- Bem, não há nenhum propósito em mencionar algo
que se acha distante, muito além do alcance da média das
pessoas. Paira é o supra-sumo dos Campos Celestiais, Todas
as pessoas, quando deixam a Terra, vão para o mundo astral.
Ele é realmente um mundo, como você deve ter visto atra-
vés de suas viagens astrais. Trata-se de um mundo tal como
esta Terra o é em muitos aspectos, mas lá há muito mais
facetas agradáveis para conhecer; você pode misturar-se com
as pessoas, pode ler, conversar, e pode ir a reuniões e obser-
var como outras pessoas estão vivendo e trabalhando. Verá
por que tal pessoa fracassa, e por que uma outra é bem-su-
cedida. Mas, do astral, as pessoas retornam à Terra ou a al-
gum outro planeta a fim de levar avante uma outra vida
mais bem-sucedida. Mas há um planeta muito singular cha-
mado Patra. Ele é o Céu dos Céus, somente as melhores
almas lá vão ter, somente aqueles que têm feito muita coisa
meritória. Leonardo da Vinci, por exemplo, lá se encontra,
trabalhando em projetos que irão ajudar outras "terras".
Sócrates está lá. Assim como Aristóteles e muitos de sua es-
tirpe. Você não encontrará lá charlatães, pois isso os exclui
em definitivo, e já está programado que você irá para Paira
ao término desta vida. Você irá para lá porque, por várias
vidas, conheceu uma provação após outra, e foi bem-sucedi-
do em superá-las» e a tarefa que está cumprindo agora. . .

bem, qualquer pessoa diria ser uma missão impossível, mas
você terá êxito e permanecerá em Patra por longo tempo.
Não há nenhum atrito lá, nem lutas, nem inanição ou
crueldade.
151

-- Os gatos são admitidos em Patra, mestre?
-- Oh, por Deus, sim, claro que são. Gatos têm alma
tal como as pessoas. Há um grande número de ignorantes
que pensam que essa coisa de quatro patas é simplesmente
um animal estúpido, quase sem sentimentos e certamente
despido de inteligência, e definitivamente sem uma alma.
Isto não é verdade. Os gatos têm alma, gatos podem progre-
dir. Eles podem progredir através do mundo astral e apren-
der sobre Patra. Em Patra eles podem estar junto com as
pessoas que amaram na Terra, ou talvez em algum outro
planeta. Oh, sim, Lobsang, você deve tornar claro a todos
que os gatos são gente, eles são individualizados, são peque-
nas criaturas altamente evoluídas que foram postas na Terra
para um objetivo especial. Assim, você deve tratar os gatos
com grande respeito, como sei que faz. Mas vamos dar um
giro, porque minhas pernas estão ficando entorpecidas, e
acho que estou pronto para passear um pouco a fim de
testá-las e desentorpecé-las. Assim, venha comigo movimen-
tar essas suas pernas preguiçosas, e nos caminharemos por aí
e veremos algumas outras coisas que você ainda não conhece.
-- Mestre! -- gritei para o Lama Mingyar Dondup, que
já estava a vários passos de distância de mim agora. Ele
parou para permitir que eu o alcançasse, e então prossegui:
-- Mestre, o senhor conhece bem este lugar, bem demais na
verdade, e eu pensei que isso fosse uma descoberta. Esteve
caçoando de mim até agora, mestre.
Ele riu e retrucou:
-- Não, eu não estive caçoando de você, Lobsang, e a
entrada particular pela qual ingressamos aqui. . . bem, isto
foi uma surpresa. Eu não calculava encontrar uma entrada
ali, porque não há nenhum registro sobre a mesma nos
mapas, e estou realmente perguntando por que ali deveria
haver uma entrada. Você concordará comigo em que não
há nenhum indício de deformação na rocha. Suponho que

isso se deva a que o velho ermitão tinha sob sua responsabi-
lidade vários suprimentos aqui e gostava de ter essa entrada
152

bem próxima de seu eremitério. Mas. . . não, eu não estive
troçando de você. Nós teremos que descobrir como sair da-
qui amanhã, porquanto agora minhas pernas já sararam e eu
posso conseguir descer a montanha.
- Bem, o senhor não irá fazer boa figura descendo a
montanha com suas roupas em farrapos.
- Ah, sim, isso tem jeito. Você e eu estaremos vesti-
dos amanhã com novas vestimentas, e que no entanto já
têm um milhão de anos! -- E a seguir, como se pensasse
melhor: - E você irá aparecer como um monge, não como
um cheia ou acólito. De agora em diante, você terá de ficar
em minha companhia e ir aonde eu for, e aprender tudo que
eu possa revelar-lhe.
O lama voltou-se, dando apenas alguns passos, incli-
nou-se diante de uma porta, e apôs suas mãos numa certa
posição. Então eu vi que, lentamente/uma parte da parede
deslizava para um lado em meio a um profundo silêncio.
Não se ouviu nenhum ruído dissonante de rochas atritando-
se, apenas silêncio, tão completo que fazia aquilo parecer
sobrenatural.
O lama me deu um leve empurrão, pressionando meus
ombros, e disse:
- Vamos, isto é algo que você tem que ver. Isto é Pa-
tra. É tal como Patra nos pareceria ser. Claro que este globo
-- e fez um gesto indicando um grande globo que pratica-
mente ocupava todo um amplo saguão - é meramente um
meio graças ao qual podemos ver o que está acontecendo
em Patra em qualquer ocasião.
Colocou sua mão sobre meu ombro, e nós caminha-
mos alguns metros até chegarmos a um trecho da parede
onde estavam ajustados instrumentos e uma enorme tela...
oh, tinha a altura de quatro homens e a largura de três. E
meu guia disse:
- Isto se destina a qualquer investigação detalhada.
As luzes no recinto foram se extinguindo. Com igual
rapidez, a luz do globo que o lama denominara Patra bri-

153

lhou. Era uma espécie de. . . bem, de luminosidade róseo-
dourada, e proporcionava-nos uma sensação de tepidez e a
impressão de que éramos realmente bem acolhidos.
O lama calcou novamente uma daquelas coisas feito
botões e a névoa no globo, ou em volta dele, desapareceu
como a cerração que envolve uma montanha se desfaz sob
os efeitos dos raios solares. Eu olhei com ânsia. Aquele era
na realidade um mundo maravilhoso. A mim me pareceu
estai parado sobre uma plataforma de pedia, e as ondas
nela batiam suavemente. Então, exatamente à minha direita,
vi um barco acercando-se. Sabia que era um barco porque já
vira ilustrações dos mesmos. Mas esse barco avançou e anco-
rou junto à plataforma de pedra bem em frente a mim, e
um bom número de pessoas saltou da embarcação, todas
com o ar de estarem satisfeitas consigo mesmas.
-- Bem, aí está uma multidão que parece feliz, mestre.
O que estão fazendo?
-- Oh, isto é Paira. Aqui você pode dispor de um bom
número de coisas, quaisquer delas, para recreação. Essas
pessoas, suponho, pensaram em como seria agradável
empreenderem uma viagem de recreio a esta ilha. Calculo
que tomarão chá ali e então voltarão.
"Isto está a vários passos acima do mundo astral. As
pessoas só podem vir aqui se são, digamos assim, superpes-
soas. Amiúde, muitos sofrimentos são requeridos para que
se mereça este lugar, mas quando alguém aqui chega e vê o
que isto é, e observa a qualidade dos que aqui se encontram,
então é evidente que esse lugar merece todos os sofrimentos.
"Aqui nós podemos viajar através do pensamento. Nós
estamos neste planeta e desejamos ver uma determinada pes-
soa. Bem, nós pensamos sobre ela, pensamos com muita dis-
posição, e, se tal pessoa se acha desejosa de ver-nos, subita-
mente nos desprendemos do chão e nos elevamos no ar, e via-.
jamos velozmente para o nosso desejado destino. Chegaremos
lá e iremos ver a pessoa que desejávamos ver, parada do lado
de fora da porta da frente, pronta para cumprimentar-nos.
154

- Mas, mestre, que tipo de pessoas vêm a este lugar e
como elas vivem aqui? E o senhor as chamaria de prisionei-
ros? Porque, presumivelmente, elas não podem escapar des-
te lugar.
- Oh, definitivamente isto não é uma prisão. Este é
um lugar muito adiantado, somente as pessoas boas podem
vir aqui, como já lhe falei. Aquelas que realizaram supremos
sacrifícios, as que têm feito o melhor possível para ajudar
seus iguais, homens e mulheres, podem vir. Normalmente
nos devemos desprender-nos do corpo material para alcan-
çar o corpo astral. Já notou que aqui ninguém tem um
Cordão de Prata? E que ninguém tem â sua volta ou em
torno de sua cabeça o halo vaporoso de uma Taça Dourada?
Eles não necessitam disso aqui porque todos são iguais
Nós temos toda espécie de boas pessoas aqui. Sócrates
Aristóteles, Leonardo da Vinci, e outros desse feitio. Aqui
eles perdem aquelas pequenas imperfeições que tiveram
porque, para manter-se na Terra, tinham que assumir uma
imperfeição. Eles eram possuidores de uma vibração tão
elevada que simplesmente não podiam permanecer na
Terra sem terem algum tipo de defeito, assim MendeIssohn
ou alguém mais, antes de poder descer à Terra teve que ter
uma imperfeição congénita destinada àquela vida particular
Portanto, quando ele morreu e foi para o mundo astral, tal
defeito se extinguiu, e a entidade também. Eu mencionei
Mendelssohn, o compositor; ele chegaria, no caso, ao plano
astral e haveria alguém assim como um policial ali para reti-
rar-lhe o Cordão de Prata e o Halo Dourado, e enviá-lo
então a Patra. Em Patra ele iria encontrar amigos e conheci-
dos, e eles poderiam conversar sobre sua vida passada e
realizar experiências que há longo tempo desejavam fazer.
- Bem, mestre, o que eles fazem para se alimentarem
aqui? Não parece haver alimento ou depósitos de manti-
mentos neste lugar e que, presumo, seja um cais.
- Não, você não irá encontrar muita comida neste
mundo que está vendo. As pessoas daqui dela não necessi-
155

tam. Elas obtém toda a sua energia física e mental graças a
um sistema de osmose, isto é, absorvem a energia fornecida

pela luz de Patra. Se desejam comer por prazer, ou beber,
então são inteiramente capazes de fazê-lo. O que não po-
dem é comer gulosamente e nem fazer uso dessas bebidas al-
coólicas que corroem o cérebro. Tais bebidas são muito,
muito danosas, você sabe, e podem retardar o desenvolvi-
mento de uma pessoa por várias vidas.
"Agora vamos fazer um ligeiro exame deste lugar. Há
o que se chama tempo. Assim é inútil você perguntar a uma
pessoa há quanto tempo vive aqui, porque ela simplesmente
o olhará intrigado e pensará que você é alguém que desco-
nhece as condições de vida. As pessoas nunca ficam presas
ao costume de estar em Patra, nunca se cansam deste recan-
to, há sempre algo novo a fazer, novas pessoas a encontrar,
mas você nunca pode topar com um inimigo aqui. Vamos
agora alçar-nos no ar e lá de cima contemplar esta aldeia de
pesca.
-- Mas eu pensei tê-lo ouvido dizer que as pessoas aqui
não necessitam comer, mestre, assim, por que desejam uma
aldeia pesqueira?
-- Bem, elas não estão colhendo peixes no sentido co-
mum da palavra, estão pescando para ver como podem os
peixes ser aperfeiçoados a fim de dotá-los de melhores senti-
dos. Na Terra, como sabe, os peixes são realmente tolos e
merecem ser apanhados, mas aqui eles são recolhidos em
redes e mantidos na água todo o tempo, e são tratados gen-
tilmente e assim não há ressentimento algum da parte deles.
Compreendem que estamos tentando fazer o bem a toda a
sua espécie. De modo similar aos animais, nenhum deles
receia os seres humanos deste mundo. São, em vez disso,
amigos. Mas vamos fazer apenas uma rápida incursão a vários
recantos porque cedo deveremos estar partindo e retornan-
do ao Potala.
Repentinamente me senti erguer no ar, e minha visão
pareceu desaparecer. Uma súbita dor de cabeça terrível me
156

acometeu e, para ser inteiramente sincero a respeito, julguei
estar morrendo. O Lama Mingyar Dondup me segurou e
apôs suas mãos sobre meus olhos. E disse:
-- Sinto muito, Lobsang, mas esqueci que você não

tinha sido preparado para uma visão em quarta dimensão.
Temos que voltar à superfície de novo por cerca de meia
hora.
E então eu senti que estava mergulhando, e depois me
veio a sensação, muito bem acolhida, de haver algo sólido
sob meus pés.
-- Este é o mundo da quarta dimensão, e algumas ve-
zes há traços da quinta dimensão. Se nós estamos mostran-
do Patra a uma pessoa, então, naturalmente, esta necessita
ter uma visão quadridimensional, de outro modo sofrerá
uma tensão enorme.
O lama me deixou deitado sobre um leito e então pin-
gou algo em meus olhos. Após alguns minutos ele colocou
óculos protetores em meus olhos, que ficaram completa-
mente cobertos. E eu disse:
-- Oh! Eu posso enxergar agora. Isto é maravilhoso.
Antes as coisas tinham se mostrado belas, extraordi-
nariamente belas, mas agora, que eu podia ver na quarta di-
mensão, as cenas eram tão soberbas que simplesmente não
podem ser descritas numa terminologia tridimensional. Mas
quase cansei minha vista apreciando aquele panorama, e en-
tão nos alçamos no ar de novo e concluí que nunca tinha
presenciado tanta beleza antes. Os homens eram de uma
beleza insuperável, mas as mulheres... bem, eram tão belas
que senti algo como uma estranha excitação em meu íntimo
e, claro, as mulheres e eu éramos como estranhos, porquanto
minha mãe tinha sido uma mãe muito austera, distante na
realidade, e minha irmã... bem, eu mal chegara a vê-la. Nós
éramos mantidos rigidamente à parte porque fora determi-
nado antes de meu nascimento que eu iria entrar para a la-
maseria. Mas a beleza, a absoluta beleza, e a tranquilidade,
elas realmente desafiam uma descrição numa linguagem tri-
157

dimensional. Seria como tentar obter uma descrição da Ter-
ra de um homem nascido cego. Como irá ele descrever as
cores? Nasceu cego, portanto o que conhece acerca das
cores, o que há para descrever? Ele pode dizer algo sobre
a conformação e o peso, mas a beleza real da coisa em ques-
tão está absolutamente além de sua compreensão. Dá-se

algo assim comigo agora: eu tinha sido orientado a ter a ca-
pacidade de ver na terceira dimensão, na quarta, e na quin-
ta, a fim de que quando chegasse a hora de deixar a Terra,
eu fosse direto para Patra. Assim, essas pessoas que dizem
ter um curso de estudos, e que este é dirigido pelo Dr
Rampa segundo o Conselho Ouija. .. bem, tais pessoas são
simplesmente doidas. Eu lhes digo novamente, quando dei-
xar este mundo estarei completamente além de seu alcance
Eu deverei me achar tão distante de vocês que não podem
nem mesmo fazer uma ideia!
É de todo impossível para mim descrever-lhes Patra.
E como tentar dizer a uma pessoa cega de nascença como
é tal ou qual mostra pictórica... nunca se conseguiria isso.
Mas há outras coisas além de imagens. Algumas gran-
des personalidades da antiguidade estavam ali naquele mun-
do de Patra, e se achavam trabalhando para ajudar a outros
mundos, dois mundos dimensionais, e três outros mundos
também dimensionais. Muitas das pretensas invenções surgi-
das na Terra não são da autoria dos que as reivindicam; ele
ou ela simplesmente recolheram a ideia de algo que viram
no mundo astral. E de volta à Terra, com a lembrança de
alguma coisa que tinha que ser inventada, tiveram uma
ampla noção de como proceder, e. . . bem, a pessoa no
caso construiu o que quer que devesse ser construído e
depois obteve a patente da invenção em seu próprio nome.
O Lama Mingyar Dondup parecia ser extraordinaria-
mente bem conhecido em Patra. Ele podia ir a qualquer
parte e logo encontrar alguém conhecido, e então me
apresentava como sendo um velho amigo, de quem todos se
recordavam - embora eu os tivesse esquecido por causa da
158

saturação do corpo humano na Terra. Eles riram comigo,
e diziam:
-- Não se preocupe, logo você estará vindo para nosso
convívio e então irá se lembrar para sempre.
O Lama Mingyar Dondup estava conversando com
um cientista, e este estava dizendo:
-- Claro que o maior problema que nós temos agora é
que pessoas de raças diferentes possuem pontos de vista di-
ferentes. Por exemplo, em alguns mundos as mulheres são
tratadas igualmente aos homens, mas em outros mundos
elas são tratadas como utensílios ou escravas, e quando lhes
acontece ir a um país onde se dá plena liberdade às mulhe-
res, elas se sentem nervosas e completamente desorientadas.
Nós estamos nos empenhando em descobrir um meio graças
ao qual todos os homens e todas as mulheres de todos os
países venham a ter um modo de ser comum. Eles obtêm
um pequeno avanço nesse sentido no mundo astral, mas, na-
turalmente, ninguém pode vir para Patra a menos que
entenda plenamente os direitos de cada um. -- Ele me olhou,
sorriu, e então dissse: -- Vejo que já reconhece os direitos
do Amigo Gato.
-- Sim, senhor -- repliquei. -- Eu gosto deles. Acho
que são os animais mais maravilhosos em qualquer parte.
-- Sua reputação de amigo dos animais se tornou co-
nhecida, saiba você, e quando voltar para nosso convívio em
Patra um grande número de gatos aqui estará para dar-lhe as
boas-vindas. Você terá um casaco de pele vivo -- disse
sorrindo com humor, porque um gato marrom e branco es-
tava subindo em meu corpo para vir sentar-se em meu om-
bro direito. E pousando sua patinha esquerda sobre a minha
cabeça para firmar-se... tal como um humano faria.
Aí o Lama Mingyar Dondup disse:
-- Bem, Bob, agora temos que nos despedir de você
porque já é hora, mas Lobsang breve estará retornando ao
lar e aí então você terá muitas oportunidades para sentar-
se em seu ombro.
159

Bob, o gato, assentiu solenemente e saltou para uma
mesa, mas se esfregou em mim e ronronou repetidas vezes.
O Lama Mingyar Dondup me disse depois:
- Vamos deslocar-nos para o outro lado de Paira. Ali
se encontra o reino de flores e plantas, e as árvores, em
especial, estão aguardando ver você de novo.
Mal ele acabou de falar já chegávamos ao maravilho-
so recanto onde se encontravam flores e árvores incrivel-
mente belas. Eu me senti receoso e fiquei hesitando em
me mover e pisar nas flores. O lama me olhou e entendeu

perfeitamente minha situação. E disse:
- Oh, eu sinto muito, Lobsang, devia ter lhe dito.
Aqui, no reino das flores, você tem que se alçar cerca de
trinta centímetros acima do solo real. Esta é uma das aptidões
da quarta dimensão. Você pensa que o solo é trinta centí-
metros mais alto, e no entanto, quando você caminha
pensando assim, na realidade é você que caminha trinta
centímetros acima do solo em que essas plantas vivem. Não
vamos pôr em risco coisa alguma agora. Em vez disso,
iremos apenas dar uma espiada em algumas outras partes
deste mundo. As máquinas humanas, por exemplo. Máqui-.
nas com alma, flores com alma, gatos com alma.' Suponho
que será melhor voltarmos, Lobsang - ele me disse então -
porque tenho, que lhe mostrar umas poucas coisas a fim de
prepará-lo para a vida que você ainda irá ter que viver. Eu
desejaria poder viajar com você e ajudá-lo mais, porém meu
Kharma (fado) é de que irei ser morto por comunistas que
me apunhalarão pelas costas. Mas não se preocupe com isso,
vamos retornar ao nosso próprio mundo.
160

CAPÍTULO 9

Deixamos o que era chamado o "Aposento da Quar-
ta Dimensão" e cruzamos o imenso hall a fim de chegarmos
ao recinto que era assinalado como sendo "Este Mundo".
Foi uma caminhada de cerca de quatrocentos metros, nos-
sos pés estavam muito doídos quando alcançamos o tal apo-
sento intitulado "Este Mundo"
O Lama Mingyar Dondup entrou e sentou-se no ban-
co próximo da mesa de controle. Eu o segui e me sentei em
outro banco ao lado dele. O lama tocou num botão e a luz
do aposento se extinguiu. E em seu lugar pudemos ver nos-
so mundo imerso numa luminosidade ténue. Eu olhei com
atenção, perguntando-me o que tinha acontecido; onde es-
tava a luz? E então olhei para o globo que figurava o mun-
do... e de imediato caí para trás, batendo com a cabeça no
piso duro. Assim que eu contemplara o interior do mundo
vira um hediondo dinossauro com as mandíbulas escancara-
das, e ele olhava diretamente para mim a uma distância de
cerca de dois metros.
Levantei-me muito envergonhado por me ter assusta-
do por causa de uma criatura que já estava morta há milha-
res de anos.
Aí o lama disse:
- Temos que passar os olhos em alguns trechos da
História porquanto há muita coisa absolutamente incorreta
nos livros. Veja!
161

No mundo eu via agora uma cadeia de montanhas, e
no sopé de uma dessas montanhas havia um grande número
de soldados e seus cantineiros, que incluía muitas mulheres.
Naqueles tempos, ao que parece, a soldadesca não podia
passar sem o consolo ofertado por um corpo feminino,
assim, as mulheres iam para a guerra com eles para poderem
satisfazê-los após uma vitória. E se tal vitória não ocorria, as
mulheres eram capturadas pelo inimigo e usadas precisa-
mente para o mesmo propósito, tal como teriam sido usadas
pelo outro lado, caso este saísse vitorioso.
A cena que se desenrolava era de grande movimenta-
ção. Os homens estavam agrupados em torno de um bom
número de elefantes, e um dos elefantes discutindo com os
outros que se achavam numa posição inferior.
-- Eu lhes disse, estes elefantes não vão atravessar as
montanhas onde há neve. Eles estão acostumados ao calor,
não podem sobreviver em clima frio. Além disso, como ire-
mos arranjar as toneladas e mais toneladas de alimento de
que esses elefantes necessitam? Sugiro que descarreguemos
os elefantes e coloquemos toda a carga no lombo dos cava-
los naturais desta região. Este é o único meio de seguirmos
adiante.
Bem, a agitação prosseguiu; eles eram como um ban-
do de mulheres desbocadas, discutindo e gesticulando, mas
o homem trepado no elefante impôs sua determinação. Os
elefantes foram livrados da carga e todos os cavalos daquele
lugar foram arrebanhados, a despeito dos protestos dos agri-
cultores aos quais pertenciam.
Naturalmente, eu não entendi uma palavra daquela
arenga, mas o aparelho especial que o lama acabara de colo-

car sobre minha cabeça levou ao conhecimento de minha
mente o conteúdo de tudo que estava sendo dito, em vez de
tal captação ser operada pêlos ouvidos, como seria natural.
Assim, fui capaz de acompanhar tudo nos mínimos de-
talhes.
162

Finalmente a imensa caravana estava pronta para se-
guir, e as mulheres foram também colocadas sobre os cava-
los. Não é compreendido geralmente que as mulheres são
realmente muito mais fortes fisicamente do que bs homens.
Supus que ali elas simulavam ser mais fracas porque desse
modo os homens carregavam a carga e as mulheres cavalga-
vam em póneis.
A cavalgada se iniciou, rumo ao caminho da monta-
nha, e, enquanto eu e meu guia avançávamos para o alto
também, pudemos ver que de fato não havia esperança algu-
ma de fazer os elefantes subirem pelo estreito caminho ro-
choso. E quando deparamos com a neve, os cavalos também
não apreciaram aquilo, e tiveram que ser instigados.
O Lama Mingyar Dondup operou um salto de uns pou-
cos séculos calcando novo botão da máquina, e, quando a
rotação veloz do globo cessou, vimos o que era uma bata-
lha se desenrolando. Não sabíamos onde ela se realizava,
mas os combatentes pareciam estar cobertos de sangue. Não
bastava para o vitorioso cravar uma espada num adversário,
ele costumava decepar a cabeça de sua vítima, e já ia se
formando uma grande pilha de cabeças cortadas. Olhamos
mais um pouco aquelas cenas para ver todos aqueles ho-
mens se matarem uns aos outros, enquanto flâmulas adeja-
vam e soavam gritos roucos, e às margens do campo de ba-
talha as mulheres observavam tudo de suas toscas barracas.
Não lhes importava qual o lado que venceria, porque elas
iriam ser depois usadas para o mesmo propósito. Mas con-
tinuavam a observar aquelas cenas, suponho eu que moti-
vadas mais ou menos pela mesma curiosidade ociosa que me
movia e ao lama.
Com um novo toque num botão, o mundo girou mais
depressa. O lama o fazia parar aqui e ali, e me parecia real-
mente incrível que a cada parada parecesse haver uma guer-
ra em andamento. Seguimos adiante até remontarmos ao
tempo das Cruzadas, de que o lama já me falara anterior-
mente. Era "costume" naqueles dias para os homens da no-
163

breza empreender viagem ao exterior e fazer guerra contra
os sarracenos. Estes eram uma raça afável, de cultura, mas
ainda assim estavam aguerridamente preparados para defen-
der sua terra natal, e muitos cavaleiros ingleses terminaram
seus dias no campo de batalha.
Por fim, vimos a Guerra dos Bóeres em andamento.
Ambas as facções em luta estavam de todo convictas da jus-
tiça de sua causa, e os Bóeres pareciam preferir, como alvo,
não o coração, nem o estômago, mas um ponto mais baixo;
assim, se um homem era ferido e não podia retornar ao lar,
fosse como fosse, certamente não seria mais de nenhuma va-
lia para sua mulher. Tudo isso me foi explicado pelo lama
num sussurro.
Então, muito de repente, a batalha terminou. Parecia
que ambos os lados eram os ganhadores ou os derrotados
porque eles se mesclavam e então, por fim, os invasores --
os cruzados -- moveram-se para um dos lados do campo de
batalha, enquanto os sarracenos o faziam pelo lado oposto,
onde também contavam com mulheres à sua espera.
Os feridos e os mortos foram deixados onde tinham
tombado, nada mais podia ser feito. Não havia nenhum ser-
viço médico, portanto, se um homem era gravemente ferido,
ele, com frequência, solicitava a seus amigos que o livrassem
de vez de sua desgraça, e eles então lhe entregavam um pu-
nhal e se afastavam. Se aquele homem desejava realmente
pôr fim à sua vida, teria simplesmente de cravar o punhal
em seu coração.
O mundo voltou a girar, e então descortinou-se uma
guerra feroz que parecia engolfar a maior parte do mundo.
Havia pessoas de todas as cores lutando e usando armas,
grandes peças montadas sobre rodas, e no ar, pendendo de
cordas, estavam coisas que eu agora vinha a saber que eram
chamadas balões. Alçavam-se tão alto que desse modo um
homem dentro de uma cesta anexada ao balão podia avistar
as linhas inimigas lá de cima e procurar entender como

iriam atacar ou como deviam ser atacadas. Então, vimos al-
164

gumas máquinas barulhentas cortando os ares, e elas atira-
ram contra os balões e os abateram.
O solo estava convertido num total charco de lama e
sangue, onde estavam fragmentos de corpos humanos. Havia
cadáveres caídos sobre cercas de arame farpado, e com fre-
quência soavam detonações, e grandes blocos vinham pelo
ar. Quando atingiam o solo, explodiam, com efeitos desas-
trosos tanto para os campos de cultivo como para o inimigo
visado.
Um novo botão foi pressionado e o cenário mudou.
Estávamos agora contemplando o mar, e pudemos ver pe-
quenas manchas tão ao longe que na verdade pareciam ser
exatamente simples manchas, mas o Lama Mingyar Dondup
enfocou-as mais para perto e então nós vimos tratar-se de
enormes embarcações metálicas dispondo de tubos de metal
alongados que se moviam para cá e para lá, e vomitavam
grandes foguetes. Estes percorriam vinte milhas marítimas
ou mais antes de caírem sobre um navio inimigo.Vimos um
couraçado que devia ter sido atingido no paiol, porquanto
observamos um projétil cair no convés e foi como se o mun-
do explodisse, e o couraçado ergueu-se bruscamente e ex-
plodiu, partindo-se em mil pedaços. Fragmentos de metal
voaram por cima do vaso de guerra, e também pedaços de
corpos humanos foram projetados longe, e com todo o
sangue que escorria tinha-se a impressão de que um ne-
voeiro rubro se estendera sobre o local.
Por fim alguma espécie de acordo pareceu ser efetua-
do porque os combatentes cessaram de atirar uns contra os
outros. E nós, de nossa vantajosa posição, vimos um homem
erguer furtivamente sua arma e atirar em seu oficial-coman-
dante!
O Lama Mingyar Dondup apertou rapidamente alguns
botões, e remontamos então ao local onde foi travada a
Guerra de Tróia. E eu sussurrei:
-- Mestre, nós não estaremos por acaso pulando de
uma época para outra sem qualquer consideração pela se-
quência cronológica?
163


-- Oh, mas eu estou lhe mostrando tudo isso por um
motivo especial, Lobsang. Veja - ele indicou. Um soldado
troiano subitamente colocou sua lança na posição justa e
ela foi atravessar precisamente o coração de seu comandan-
te. E o lama disse: - Procurava justamente mostrar a você
que a natureza humana não muda. Ela se repete exatamente
como mostra essa cena. Veja esse homem que mata seu co-
mandante. Depois, em uma outra reencarnação, ele se repre-
sentará e fará exatamente a mesma coisa novamente. Estou
tentando ensinar-lhe certas coisas, Lobsang, não para dar-
lhe aulas de História de acordo com um livro, porque as
obras de História são frequentemente alteradas para convi-
rem aos líderes políticos da época.
Continuamos sentados em nossas banquetas, e o lama
estabeleceu a sintonia com muitas cenas e episódios dife-
rentes. Algumas vezes decorria um intervalo de seiscentos
anos entre tais cenas. Isto proporcionava certamente a uma
pessoa a oportunidade de avaliar o que os políticos estavam
fazendo. Vimos impérios serem erguidos à base de refinada
traição, e também vimos impérios ruírem, de novo por obra
da traição.
Subitamente, o lama disse:
-- Agora, Lobsang, iremos ter um vislumbre do futuro.
Ato contínuo, o globo escureceu, iluminou-se, e de
novo escureceu, e vimos estranhas aparições. Contemplamos
um navio de carreira tão grande quanto uma cidade. Ele es-
tava navegando a pleno vapor, como uma rainha dos mares,
e eis que de repente soou um guincho de cortar o coração
enquanto o navio era cortado ao meio abaixo da linha de
flutuação pelas arestas de um enorme íceberg.
O navio começou a afundar. Houve um rumor de pâ-
nico, inúmeras pessoas entraram em barcos salva-vidas, ou-
tras caíram no mar assim que o navio adernou, e no convés
um rádio tocava para minimizar o pânico, e continuou assim
até o navio submergir em meio a um borbotão assustador.
Grandes bolhas de ar alçaram-se no ar, e também grandes
166

gotas de óleo. Então, aos poucos, estranhos materiais subi-
ram à tona. Vimos o corpinho sem vida de uma criança,
uma bolsa de mulher que de algum modo flutuava na super-
fície.
- Este, Lobsang, é outro tópico que está fora de sua
ordem cronológica. Isto deve ter ocorrido antes da guerra
que você viu recentemente. Mas não se preocupe com essa
questão cronológica, você pode folhear um livro ilustrado e
talvez obter tantos conhecimentos como se tivesse lido o
que se acha contido em tal livro na ordem exata. Estou ten-
tando imprimir certas coisas em sua mente.
O alvorecer surgiu. A luz do sol do início do dia bri-
lhou avermelhada sobre os cimos dos icebergs e espraiou-se
assim que o sol se pôs mais alto. Assim que a luminosidade
solar estendeu-se para adiante, perdeu sua cor avermelhada
e tornou-se a luz normal do dia.
O mar estava juncado de uma coleção de objetos real-
mente incrível. Cadeiras quebradas e vários fardos, e, natu-
ralmente, o que era inevitável: cadáveres, com a brancura da
morte e flácidos e inchados. Ali estavam homens, ou o que
tinham sido homens, em trajes de noite. Ali estavam mulhe-
res, ou o que tinham sido mulheres, também em trajes de
soirée, mas que podiam ser melhor descritos agora como
trajes comuns de noite.
Olhamos a cena várias vezes, e não havia ali nenhum
barco de salvamento à vista, e o lama disse:
- Bem, Lobsang, vamos deslocar-nos para algo mais,
não há nenhum propósito em ficarmos perdendo tempo
aqui quando não há nada que possamos fazer.
O lama aproximou sua mão direita dos botões de con-
trole e calcou o que se achava no final de uma pequena bar-
ra, e o globo passou a girar mais depressa. Luz do dia... es-
curidão. .. escuridão... luz do dia, e assim por diante, e
então nós paramos. Estávamos agora num lugar chamado In-
glaterra, e o meu mestre e guia traduziu alguns dos nomes para
mim. Piccadilly Circus, Estátua de Eros, e toda sorte de coisas

167

como essas; ele se deteve bem em frente de um vendedor de
jornais -- naturalmente, nós estávamos inteiramente invisí
veis para o jornaleiro, porquanto nos achávamos numa zom
diferente de tempo. O que estávamos vendo agora era o que
estava ainda para acontecer, estávamos tendo um vislumbre
do futuro. Achávamo-nos no início de um século, mas está-
vamos vendo algo assim como 1939 ou 1940 - eu não po-
dia distinguir os números, embora isso não importasse mui-
to. Mas havia grandes cartazes ali e o lama os leu para mim.
Eles versavam sobre alguém chamado Neville Chamberlain
e o mostravam indo para Berlim com seu guarda-chuva. E
então nós nos insinuamos no interior do que o lama cha-
mou de sala de espetáculos. Sobre uma tela nós vimos pro-
jetadas as figuras de homens de rosto sombrio, usando capa-
cetes de aço e equipados com todo o instrumental bélico.
Eles estavam marchando de um modo singular -- "o passo
de ganso", disse-me o lama, praticado pelo Exército ale-
mão. E então a cena mudou para mostrar gente faminta
em uma outra parte do mundo, criaturas que se deixavam
cair, mortas de fome e sede.
Nós nos movemos até à rua, e aí houve um salto no
tempo, de alguns dias. E depois o lama deteve a rotação do
globo para que tomássemos fôlego, etc., porque passar os
olhos pelo mundo através de várias épocas era na realidade
uma experiência inteiramente perturbadora e exaustiva, es-
pecialmente para mim, um rapaz que nunca estivera ausente
de seu próprio país, e que nunca tinha visto coisas providas
de rodas e motores até então. Sim, era sem dúvida uma coi-
sa absolutamente perturbadora.
Voltei-me para o Lama Mingyar Dondup e disse:
-- Mestre, falando a respeito de Paira: eu nunca soube
da existência deste lugar, nunca tinha ouvido nenhum de
meus professores mencionar Paira. Eles nos ensinavam que
quando nós deixamos esta Terra através do período de tran-
sição vamos para o mundo astral, e ali passamos a viver até
que se tornem prementes o nosso retorno à Terra num cor-
168

pó diferente ou a nossa ida para algum outro mundo tam-
bém num corpo diferente. Mas ninguém disse nada sobre

Paira, e me acho realmente confuso.
-- Meu caro Lobsang, há muitas coisas de que você
nunca ouviu falar, mas irá ouvir. Paira é um mundo. Ele é
de longe superior a este e ao mundo astral. Trata-se de um
mundo ao qual as pessoas vão ter quando possuem algumas
virtudes muito especiais, ou quando já tenham feito grande
bem ao próximo. Isso não é mencionado porquanto seria
muito desencorajador. Muitos são escolhidos como possível
material para Paira e então no último momento a pessoa
checada demonstra alguma fraqueza ou algum pensamento
impróprio e assim perde sua oportunidade de ir para Patra.
"Você e eu, meu caro Lobsang, estamos em definitivo
seguros de ir para Patra tão logo deixemos este mundo, mas
isso não é o ponto final, porque nós viveremos em Patra por
algum tempo e depois deveremos ir para um lugar ainda
mais elevado. Em Patra você vê pessoas que têm devotado
seu tempo à pesquisa para o bem do Homem e dos animais;
não só para o Homem, entenda bem, mas para o reino dos
animais também. Animais têm alma, e eles progridem ou
deixam de progredir e fracassam, tal como ocorre com os
seres humanos. Estes muitas vezes pensam que são os senho-
res da Criação, e que um animal existe apenas para ser usa-
do pelo homem. Não podiam estar mais equivocados!
-- Bem, mestre, o senhor esteve me mostrando o que
é a guerra, uma guerra que durou anos. Agora, gostaria de
ver o que aconteceu depois, como ela terminou, etc.
-- Muito bem -- disse o lama -- nós alcançaremos o
tempo justo antes do término da guerra.
E o lama desviou o olhar de mim e olhou para um
livro que continha datas, e a seguir ajustou os controles do
painel de comando e o simulacro de nosso mundo ganhou
vida novamente, ressurgindo em meio a uma luz profusa.
Vimos então uma região rural devastada e um cami-
nho sulcado por trilhos sobre os quais corriam certas má-
169

quinas que transportavam mercadorias ou passageiros. Ali
estava o que pareciam ser algumas caixas muito ornamenta-
das montadas sobre rodas. As partes laterais eram de vidro,
e guardas bem armados, em grande número, patrulhavam

tudo à sua volta. Vimos criados apanharem panos brancos e
cobrirem mesas, tendo retirado a camada de poeira que co-
bria várias peças de mobiliário.
Então houve um intervalo de calma. Aproveitei a
oportunidade para circular um pouco a fim de ver se minha
própria "natureza" estava reagindo bem, e quando voltei.
oh, apenas dois minutos depois, vi o que parecia ser um
imenso agrupamento de pessoas. Julguei que estavam fanta-
siadas, mas logo percebi que eram soldados e marinheiros de
certa graduação. Pareciam ser representantes de todos os
países envolvidos na guerra. Um grupo de pessoas não se
misturava com um outro grupo de pessoas. Por fim, eles en-
traram em certo entendimento e sentaram-se à mesa naque-
las coisas parecidas com caixas, que eram alguma espécie de
veículo.
Eu os observei e, naturalmente, nunca tinha visto algo
como aquilo antes, porque todos os homens que exerciam
um tipo de comando ostentavam medalhas, uma série delas.
Alguns tinham fitas em volta do pescoço, das quais pendiam
também medalhas, e imediatamente compreendi que aque-
les que eram membros preeminentes de um governo tenta-
vam impressionar a outra facção com o peso daqueles obje-
tos metálicos em seu peito e o número de fitas em torno de
seus pescoços. E realmente me causava espanto o fato de
poderem ouvir o que um dizia ao outro, por causa do tilin-
tar daquelas medalhas pesadas de metal usadas sobre o pei-
to. Houve muita gesticulação, e mensageiros se mantiveram
muito atarefados, tomando notas recolhidas do que um ho-
mem dizia a outro, ou mesmo dos que se achavam em uma
outra parte daqueles veículos. Naturalmente, eu nunca vira
antes um trem, e grande parte daquela cena significava pou-
co para mim então. Finalmente, um documento foi redigido
170

e depois passado de mão em mão, cada homem apondo sua
assinatura no papel, e era surpreendente a diferenciação en-
tre essas assinaturas. Eram tipos diferentes de escrita, e me
pareceu perfeitamente óbvio que na verdade nenhuma da-
quelas facções era melhor que a outra!
- Isto, Lobsang, tinha porém que acontecer. Esta ter-
rível guerra esteve em andamento por vários anos, e eles
agora propuseram e firmaram um armistício segundo o qual
cada lado litigante retornará a seu país de origem e tentará
refazer sua economia abalada.
Continuei a olhar a cena, e me surpreendi porque não
havia sinal de regozijo ali. Todos estavam com uma expres-
são taciturna, e os olhares não eram de alegria pelo fato de
ter a batalha terminado; aqueles olhares eram de ódio, um
rancor mortal que eu pude constatar ao captar os pensamen-
tos de uma das facções: "Muito bem, vocês ganharam este
round, mas nós iremos derrotá-los na próxima vez!'"
O Lama Mingyar Dondup conservou a máquina sinto-
nizada naquela faixa de tempo. Vimos soldados, marinhei-
ros e aviadores ainda combatendo até uma certa hora de um
certo dia. Eles estavam ainda em guerra até que naquele dia
às onze horas, um número incontável de mortos tivesse, é
claro, juncado o campo de batalha. Vimos um avião comum,
com círculos vermelhos, branco e azul pintados, voar de re-
torno à sua base. Eram agora onze e cinco, e então dentre as
nuvens surgiu o que parecia ser um avião de combate, uma
coisa terrível de se ver, sem dúvida. Ele rugiu voando mais
baixo e se pôs diretamente em perseguição ao avião com as
cores vermelha, branca e azul. E então o piloto do caça cal-
cou um botão à sua frente e um jato de algo saído das ar-
mas de fogo atingiu o aparelho vermelho, branco e azul, in-
cendiando-o. Este embicou, descendo envolto em chamas, e
então ouviu-se o ruído de um baque final, e pronto, aquele
assassinato estava consumado. Fora um crime, porquanto a
guerra tinha terminado.
171

Vimos depois grandes vasos de guerra singrando os
mares, carregados com tropas de retorno a seus países. Os
navios estavam lotados, assim muitos daqueles homens ti-
nham de dormir no convés, alguns em barcos salva-vidas,
mas as embarcações estavam todas se dirigindo para um país
muito grande, cuja linha política eu não podia entender:
eles tinham começado por vender armamentos a ambos os
lados, e depois, quando eventualmente se associaram naque-
la guerra... bem, passaram a combater contra sua próprias

armas. Achei que isso seguramente raiava a uma grande in-
sanidade.
Assim que os grandes navios cheios de tropas alcança-
ram o porto, este pareceu fremir de entusiasmo e excita-
mento. Bandeirolas agitavam-se no ar, carros buzinavam, as
sirenas dos navios também eram ouvidas, e bandas de músi-
ca se puseram a tocar aqui e ali, não importando que algu-
mas estivessem executando uma determinada peça musical
e várias outras uma outra melodia. A algazarra era indes-
critível.
Mais tarde vimos o que parecia ser um dos líderes das
forças vitoriosas dentro de um carro que seguia por uma
imensa rua, bordejada de gigantescos edifícios. E de todas as
janelas desses edifícios descia uma chuva de papel picado,
confetes, fitas de papel de rolo, e todo tipo de coisa. Várias
pessoas estavam soprando com força algum tipo de instru-
mento que certamente não poderia ser chamado de instru-
mento musical. Parecia haver ali uma grande comemoração
porque agora muitos lucros deveriam advir da venda dos ar-
mamentos do antigo Governo para outros países menores,
que desejavam entrar em guerra com algum país vizinho.
Era realmente uma cena desalentadora a que se de-
senrolava neste mundo. Os soldados, os marinheiros e os
aviadores tinha retornado à sua terra natal, vitoriosos, assim
pensavam, mas agora... bem, o que eles iriam fazer para vi-
ver? Ali estavam milhões de pessoas desempregadas. Não
havia dinheiro, e muitos deles teriam que formar fila diaria-
172

mente para contarem com o que chamavam de "sopa dos
pobres". Ali eles obteriam uma lata contendo uma comida
intragável, que levariam depois para casa a fim de comparti-
lhá-la com seus familiares.
O panorama era realmente sombrio. Num país devas-
tado economicamente aqueles maltrapilhos não poderiam
resistir muito mais tempo, eles estavam agora caminhando
ao longo das calçadas, espiando bem para ver se encontra-
vam algo no espaço entre a calçada e a rua. Na rodovia, eles
procuravam por um pedaço de pão ou algo mais para co-
mer, ou um toco de cigarro, qualquer coisa enfim. E então

paravam e se encostavam em postes que sustinham os veí-
culos de notícias ou luminárias, e depois iam desabar no
chão e rolar na sarjeta... mortos, mortos de inaniçao, mor-
tos pela ausência de esperança. No olhar dos espectadores
em vez de pesar lia-se alegria. Afinal, pensavam, mais algu-
mas pessoas tinham morrido; certamente haveria mais em-
pregos agora para eles. Mas, não, aquelas "sopas dos pobres"
se ampliavam. E várias pessoas uniformizadas se punham a
recolher os mortos e colocá-los num caminhão para serem,
ao que eu supunha, sepultados ou incinerados.
Observamos passagens variadas desenrolarem-se por
vários anos. E então num certo país vimos que seus habitan-
tes estavam de novo se preparando para a guerra. Era o país
que fora derrotado da última vez. Havia ali grandes prepa-
rativos, jovens em movimentação, e tudo mais. Esses jovens
recebiam um treinamento de voo a bordo de numerosos pe-
quenos aviões e anunciavam que se tratava apenas de ativi-
dades "recreativas".
Vimos um homenzinho muito pitoresco, com bigode
pequeno, de rosto pálido e olhos protuberantes. Onde quer
que ele aparecia e começava a discursar logo uma multidão
se aglomerava para ouvi-lo. Coisas como essa estavam se
processando em todo o mundo, e em muitos casos os países
iam à guerra. Eventualmente havia uma grande guerra eclo-
dindo e em que a maior parte deste mundo estava envolvida.
173

- Mestre - eu disse então - eu não posso entender
como o senhor consegue evocar cenas de coisas que ainda
não ocorreram.
O lama me fitou e então olhou para a máquina ali
parada e pronta para exibir-nos mais cenas.
-- Bem Lobsang, na realidade não há nada de muito
difícil nisso, porque se você encontrar um banco de pessoas
pode apostar tudo que possui como tais pessoas quando se
puserem a fazer coisas irão todas fazê-las do mesmo modo.
Se uma mulher está sendo perseguida por um homem, ela
irá correr numa direção e esconder-se. Ora, se isso ocorre
uma segunda e uma terceira vez, o caminho dessa mulher es-
tá estabelecido, e você terá toda certeza então ao prever que

haverá uma quarta ocasião e aí a mulher correrá para seu es-
conderijo, e que seu algoz cedo será capturado.
-- Mas, senhor, como é possível compor cenas de uma
coisa que ainda não aconteceu?
- Infelizmente, Lobsang, você não tem idade sufi-
ciente ainda para poder apreciar bem uma explanação; mas,
num resumo, coisas correspondentes acontecem na quarta
dimensão e nós obtemos o que é mais ou menos um eco que
se produz aqui, em terceira dimensão. Algumas pessoas têm
a capacidade de enxergar muito além, e de conhecer com
exatidão o que está acontecendo. Eu sou um desses aos
quais chamam de clarividentes muito sensíveis e telepatas,
mas você irá me suplantar muitas e muitas vezes, porque foi
treinado para tal quase antes de ter nascido. Você pensa que
sua família foi muito severa com você. Sim, eles o foram,
mas isto obedecia a uma ordem dos deuses. Você tem uma
missão especial a cumprir, e teve que lhe ser ensinado tudo
que lhe poderia ser útil. Quando você for mais velho, irá
entender tudo acerca do curso do tempo e das dimensões di-
ferentes toda essa espécie de coisa. Eu lhe falei ontem acerca
de cruzar uma linha imaginária sobre a Terra, e verificar que
você estava num dia diferente. Isto, naturalmente, é um de-
talhe inteiramente artificial, para que assim os países deste
174

mundo possam marcar encontros e negociar, e assim eles
contam-com esse sistema artificial onde o tempo é variado
artificialmente.
"Lobsang, há um item que você aparentemente ainda
não observou. As coisas que estamos vendo agora, e deba-
tendo, são fatos que não irão acontecer senão quando cin-
quenta anos ou mais já tenham decorrido.
-- Eu fiquei quase atónito quando o senhor me con-
tou isso, mestre, porque na ocasião parecia tudo natural,
mas.. .sim, eu posso ver agora que algumas dessas coisas...
bem, nós não temos a arte e o saber para forjá-las. Por con-
seguinte deve ser alguma coisa futura.
O lama concordou com um gesto solene de cabeça e
disse:
- Sim, em 1930 ou 1940, ou em alguma faixa de

tempo entre essas duas datas, a II Guerra Mundial irá come-
çar. E o conflito irá mesclar quase todo o globo. Irá trazer
completa ruína a alguns países, e os que vencerem a guerra
perderão a paz. Não posso dizer-lhe quando a guerra irá
começar realmente, e não adiantaria nada sabermos a data
exata, pois não podemos fazer nada para evitá-la. Mas pode
eclodir por volta de 1939, e isto representa bem poucos
anos à frente, no entanto.
"Após essa guerra - a II Guerra Mundial - haverá uma
campanha contínua de provocações, de constantes greves, e
durante todo o tempo as confederações e sindicatos tenta-
rão ampliar seu poder e obter o controle de seus respectivos
países.
"Lamento dizer-lhe, Lobsang, que por volta de 1985
um estranho evento ocorrerá e irá armar o palco da III Guer-
ra Mundial. Essa guerra acontecerá entre povos de todas as
nacionalidades e raças, e trará a Raça de Bronze à cena. Es-
tupro é uma coisa terrível, não há dúvida, mas se um ho-
mem de cor negra violenta uma mulher branca, então nós
temos uma outra cor - moreno bronzeado, a Raça de Bron-
ze. Nós temos que ter uma cor uniforme nesta terra. Esta é
uma das coisas verdadeiramente necessárias antes que possa
haver uma paz duradoura.
175

"Nós não podemos fornecer datas exatas, uma exati-
dâo referente ao dia, à hora, ao minuto e ao segundo, como
alguns idiotas pensam que podemos, mas temos condições
de dizer que por volta do ano 2000 haverá intensa atividade
no universo, e também neste mundo. Após uma contenda
realmente implacável, a guerra será decidida com a ajuda de
pessoas de outro espaço, pessoas que não apreciam o comu-
nismo aqui.
"Mas agora é hora de verificar se as minhas pernas
estão em boas condições para caminhar e descer a monta-
nha, porque devemos retornar ao Potala.
Olhamos para todas as máquinas que tínhamos utili-
zado e nos asseguramos de que estavam limpas e nas melho-
res condições possíveis. Nós nos certificamos de que todos
os comutadores estavam funcionando adequadamente, e a

seguir o Lama Mingyar Dondup e eu vestimos novas roupas,
"novas", sim, embora tivessem já um milhão ou mais de
anos e fossem um material maravilhoso. Devíamos estar
parecendo como duas velhas lavadeiras, caso alguém nos
tivesse visto observando com atenção aquelas roupas,
para encontrar algo que correspondesse de modo espe-
cial àquela dose de vaidade que ainda alimentávamos em
nós mesmos. Por fim nos declaramos satisfeitos. Eu estava
vestido como um monge, e Mingyar Dondup estava en-
volto numa túnica que denotava um s tatus elevado, e
eu sabia que ele era digno de uma posição ainda mais
alta.
Encontramos grandes mantos e os vestimos sobre as
novas roupas, para protegê-las quando estivéssemos descen-
do a montanha.
Fizemos uma breve refeição acompanhada de goles
d'água, e cada um de nós disse adeus àquele pequeno com-
partimento onde havia uma abertura no canto. . . Então
nos aprontamos para partir.
- Mestre! - exclamei então. - Como faremos para
ocultar a entrada da caverna?
176

- Lobsang, nunca duvide das potestades que existem.
Já está determinado que quando deixarmos este lugar uma
cortina de sólida pedra, de muitos metros de espessura, irá
deslizar e cobrir essa entrada, destruindo pois qualquer in-
dício dela do lado exterior. Assim, quando sairmos temos
que nos dar as mãos e correr. Temos que correr depressa
juntos, o quanto pudermos, para nos distanciarmos daqui
antes que a grande pedra saia do seu lugar e vede de vez es-
ses segredos, impedindo que os chineses os encontrem,
porque, como lhe contei, os chineses irão se apossar deste
país e o Tibete não existirá mais. Em vez disso haverá um
Tibete secreto, com os mais sábios dos homens doutos vi-
vendo em cavernas e túneis como esses, e tais homens irão
ensinar aos homens e mulheres de uma nova geração que se
seguirá muito mais tarde, e que trará a paz a esta Terra.
Atravessamos o caminho, e então vimos uma réstia da
luz do dia. Nós nos apressamos ao máximo, e ganhamos o

espaço aberto entre as rochas. Eu olhei com carinho para o
Potala, e para Chakpori, e a seguir contemplei o íngreme
caminho à nossa frente e me perguntei realmente como
conseguiríamos passar por ali.
Naquele exato momento ocorreu um tremendo abalo,
como se o mundo inteiro estivesse chegando a seu fim. A
porta feita de rocha caíra, e mal podíamos crer no que
víamos. Não havia mais nenhum indício de uma abertura,
nenhum sinal de uma passagem para o interior da monta-
nha. Era como se pensássemos que aquela aventura não
acontecera.
Assim levamos de vencida nossa descida da montanha,
e eu olhei para o meu guia, e pensei no fato de que ele iria
morrer nas mãos traiçoeiras de comunistas. E pensei em
minha própria morte, que iria acontecer num país estran-
geiro. Mas então o Lama Mingyar Dondup e eu estaríamos
unidos no Sagrado Paira.

177


EPÍLOGO

E assim uma outra história verídica chega ao seu tér-
mino. Agora não resta senão aguardar em meu leito de hos-
pital até que meu Cordão de Prata seja cortado e a Taça
Dourada seja partida, para que eu possa ir para o meu Lar
Espiritual: Patra.
Há tantas coisas que eu podia ter feito. Teria gostado,
por exemplo, de ter falado na Liga das Nações, ou como
quer que chamem esse organismo atualmente, em nome do
Tibete. Mas houve muita inveja, excessivo despeito, e o
Dalai Lama se encontrou numa posição difícil ao aceitar
ajuda exterior, e assim sendo, é claro, ele não poderia ir
contra seus desejos.
Eu podia ter escrito mais sobre o Tibete, mas aí de
novo despontaram a inveja e artigos tendenciosos, e a im-
prensa tem sempre visado algo terrivelmente chocante ou
o que se chama "maledicente" - e que praticam diaria-
mente.
A transmigração é uma verdade. Ela é um fato real da
vida, e costumava ser na realidade uma grande ciência. Ela é
como um homem viajando pelo ar para seu ponto de
destino e que encontra depois um carro à sua espera assim
que desce do avião. Somente ocorre na transmigração que
um Grande Espírito assume o comando de um corpo que
irá cumprir uma missão a ele outorgada.
178

Estes livros, os meus livros, são verdadeiros, absoluta-
mente verídicos, e se vocês pensarem que este livro em par-
ticular tem sabor de ficção científica, estão enganados A
ciência nele contida poderia ter sido muitas vezes ampliada
houvessem os cientistas se mostrado realmente interessados
nela, mas a ficção. . . bem, simplesmente não há nenhuma
dose dela nesta obra, nem mesmo "licença poética".
Portanto, volto a me deitar em meu leito de hospital
aguardando a minha libertação da longa noite de horror que
é a "vida" sobre a Terra. Meus gatos têm sido um alívio e
uma alegria para mim, e eu os amo mais do que a um ser
humano.
Agora, apenas uma palavra final. Algumas pessoas já
tem tentado "me matar". Algumas pessoas em Plymouth
Inglaterra, espalharam a notícia de que eu falecera, mas do
"Outro Lado" mandara que iniciassem um curso de corres-
pondência, e que eu (do "Outro Lado") estaria à testa disso
e nós nos corresponderíamos de acordo com o Conselho
Ouija. Ora, o Conselho Ouija é uma completa farsa, e pior
ainda, porque em alguns casos ele pode permitir a perigosos
ou travessas entidades, usando-o, tomarem posse da pessoa
em questão.

Possam os Bons Espíritos proteger vocês.




Conclusões sobre o livro sábio do Tibet.

Ao longo do livro fui selecionando alguns trechos importantes do livro trechos onde eu dou minha opinião sobre o assunto. Claro que não deu para fazer uma conclusão detalhada mais uma conclusão selecionada pelas frases e falas mais importantes que achei no livro. Claro também que deixei de comentar sobre muitas coisas mas por motivo de ser muito longo o livro tive que fazer uma conclusão pequena.



Uma frase que me chamou a atenção.

“- Sim, isto foi construído pela Raça de Jardineiros
que trouxeram seres humanos e animais para este mundo. ”

----------------------------

“- deslizei ao acaso meus dedos sobre alguma das ins-
crições feitas na parede. Saltei para trás assustado assim que
um certo clique foi emitido e uma parte da parede deslizou
para trás.
-- Lobsang! Lobsang! Você acaba de fazer uma desco-
berta. Nenhum de nós que já esteve aqui antes sabia que ha-
via um outro aposento anexo a este.”
Era uma espantosa estrutura. Certa vez tinha sido brilhante, mas agora apresentava brilho,embaçado,duro,acinzentado.Tinha a altura aproxima da de cinco homens altos, e se parecia de algum modo com dois pratos, um em cima do outro.Caminhamos em volta e a um lado mais distante vimos uma escada de metal cinza estendida desde a entrada daquele engenho até o solo.

FICA EVIDENTE QUE A ESTRUTURA ERA NA VERDADE O QUE CONHECEMOS HOJE COMO OVNI. QUE JÁ TEVE MUITOS NOMES AO DECORRER DA HISTORIA.

-------------------------



“-- Ah, Lobsang, isto é uma das carruagens aladas dos
deuses. Você já as tem visto passar, não é assim?

- oh» sim, senhor. Pensei que nelas iam os deuses atra-
vessando nossa terra para ver se tudo estava em ordem, mas,
é claro, nunca tinha visto um desses veículos tão de perto
como agora.”

ESSE TRECHO MOSTRA COMO AS APARIÇÕES DE OVNIS ACORRE COM FREQUENCIA NO MUNDO TODO. E NO TRECHO EM QUE É FALADO QUE DENTRO DESSAS CARRUAGENS IRIAM OS DEUSES OU O QUE DIGO HIBRIDOS QUE FICOU ENCARREGADO DE OBSERVAR E SERTIFICAR QUE TUDO ESTAVA EM EQUILIBRIO OU SEJA DO JEITO QUE ELES QUERIAM QUE FICASSE COMO ABSERVANDO SEUS PROJETOS DE PESQUISA OU RATOS DE LABORATORIO MAS AO IMAGINAR QUE ESSES RATOS DE LABORATORIO ERAM NOSSOS ANTEPASSADOS NÃO NOS SENTIMOS TÃO BEM ASSIM COM ESSA SITUAÇÃO.



“Aquela era obviamente a sa-
la de controle do engenho misterioso, mas o que nos deixou
boquiabertos foi o fato de haver homens ali. Um deles esta-
va sentado no que supus ser o assento de controle e estava
olhando para um medidor num painel à sua frente. Havia
ali um bom número de medidores, e conjeturei que ele esta-
va ultimando uma decolagem. E disse:
--Mas como podem esses homens ter um milhão de
anos? Eles parecem vivos, mas profundamente adormecidos.
Havia um outro homem sentado numa mesa e com al- gumas grandes cartas de navegação à sua frente. Ele manti-
nha a cabeça apoiada em suas mãos e os cotovelos descan-
sando sobre a mesa.
-- Penso que esses homens estão de alguma forma
com suas funções vitais suspensas. Penso que eles podem ser
trazidos de volta à vida, mas não sei como fazé-lo, desconhe-
ço o que aconteceria se eu não procedesse de modo conve-
niente.

O TRECHO MAIS IMPORTANTE QUE PUDE OBSERVAR É NA VERDADE QUE DENTRO DA SALA DE CONTROLE HAVIA ALI HOMENS, REPITO HOMENS E NÃO SERES COM GRANDES OLHOS NEGROS E CABEÇA ESTREMAMENTE DIFERENCIAL DO CORPO E CORPO MAGRO COM MÃOS FINAS E PERNAS LONGAS NA VERDADE E DESCRIÇÃO NÃO É ESSA E SIM QUE ALI HAVIA HOMENS, E NÃO OUTRA COISA A MAIS DO QUE ISSO. MAS FICA EVIDENTE QUE COMO HÁ MUITAS RAÇAS AQUELA NO ENTANTO NÃO É COMO CERTOS ABDUZIDOS OU CONTATADOS DIZEM TER OU ESTAR MANTENDO CONTATO PELO MESMO MOTIVO QUE ELES OS HOMENS SE ESCONDERAM NAS MONTANHAS POIS NÃO QUERIAM QUE O POVO DA SUPERFICIE OU OUTROS DA RAÇA A BAIXO DE SUA ALTURA OS VISSE TÃO FACILMENTE.

-----------

há outras cavernas nesta cadeia
montanhosa e nós visitamos uma onde há instrumentos co-
mo escadas que, aparentemente, operam mecanicamente.

FICA EVIDENTE AQUI QUE ESTAMOS LIDANDO NÃO COM UMA CAVERNA SOMENTE MAS COM UMA COLONIA DE CAVERNAS QUE FORAM CONSTRUIDAS A MUITO TEMPO ATRAS PARA ABRIGAR ALGO AO ALGUEM. SIGNIFICA QUE PODE TER MAIS DAQUELAS MONTANHAS EM OUTRAS PARTES DO MUNDO ATÉ MESMO ONDE HOJE CONHECEMOS COMO POLO NORTE OU ANTARTIDA. PODE HAVER SIM POIS NÃO SÓ CAVERNAS ABAIXO DO GELO MAS MONTANHAS QUE FORAM COBERTAS PELA MUDANÇA CLIMATICA DA TERRA AO DECORRER DA HISTORIA DO MUNDO.





Percorri aquela sala de controle e depois me sentei pa-
ra analisar a situação. Se aqueles homens tinham um milhão
de anos, por que não tinham se convertido em pó? Era evi-
dentemente ridículo dizer-se que aqueles homens já tinham
um milhão de anos quando se achavam absolutamente in-
tactos e pareciam bem vivos e apenas à espera de um desper-
tar. Eu vira que dos ombros de cada um deles pendia uma
espécie de pequena sacola, assim removi uma de um daque-
les "corpos adormecidos" e a abri. Dentro estavam curiosos
pedaços de arame, trançados em espirais, e outras coisas
mais feitas de vidro, e aquilo tudo não fazia nenhum sentido
para mim. Havia também um painel cheio de botões com-
pressíveis, e calquei o primeiro que vi. Então soltei uma ex-
clamação de medo, o corpo do qual eu retirara a mochila
subitamente se contorceu e logo se desfez em uma fina ca-
mada de pó, o pó de um milhão de anos ou mais.
Esses.
homens então ingressariam num estado de suspensão das
funções vitais para assim não perceberem nada do que pode-
ria acontecer-lhes ou à sua volta, estariam tão perto da con-
dição de mortos como alguém pode estar sem ter realmente
morrido. Eles deviam estar recebendo uma alimentação ade-
quada para manter o corpo funcionando numa escala calcu-
lada. Mas quando você apertou esse botão, que eu noto ser
vermelho, deve ter interrompido o suprimento de força vital
para esse homem que estava num estado de animação sus-
pensa. Já não dispondo mais de um suprimento de força vi-
tal, o peso de sua idade se fez sentir sobre ele subitamente,
e de imediato se converteu num monte de pó.

Rodeamos os outros homens e decidimos que nada
havia que pudéssemos fazer por eles porque, afinal de con-
tas, estávamos encerrados naquela montanha e a nave tam-
bém, e quem nos diria se aqueles homens ao despertarem
não representariam um perigo para o nosso mundo? Não se-
riam eles um nsco para as lamaserias? Aqueles homens, na-
turalmente, eram possuidores de conhecimentos que os fa-
nam parecer deuses para nós, e tínhamos receio de ser fei-
tos escravos de novo, isto porque nós tínhamos uma lem-
brança impressa fortemente em nossa memória racial de que
havíamos sido escravos em alguma época.

PODE SER QUE OS ARAMES FORMANDO UM ASPIRAL SEJA NA VERDADE UM RECEPIENTE PARA QUARDAR E CULTIVAR TODO DNA E ESTRUTURA GENETICA NUM SÓ RECEPIENTE ONDE ELAS NÃO PODEM SE MISTURAR ASSIM ENQUANDO O CORPO FICA SEM NENHUMA MATERIA OU CONTEUDO NO CASO DO SANGUE CIRCULANDO O CORPO ENTÃO TUDO FICA ARMAZENADO EM UM LUGAR QUE SERIA DENTRO DESSA ESPIRAL ENTRELAÇADOS.




e esta nave conta com cerca
de dois milhões de anos. Ela funciona graças a uma energia
obtida da luz. . . qualquer luz, a das estrelas, a luz solar, e
colhe energia dessas fontes que têm empregado tal energia
e sido legadas através dos tempos.

FONTE E ENERGIA RENOVAVEL É UM ASSUNTO EM PESQUISA ATÉ HOJE MAS NO ENTANTO APOUCO TEMPO EU PUDE LER SOBRE UM CARRO QUE SÓ SE MOVE COM A ENERGIA SOLAR ENTÃO A IDÉIA DE UMA NAVE QUE CAPTURA TODA ENERGIA DO CALOR DO SOL E ARMAZENA PARA SER UM COMBUSTIVEL EM SEU FUNCIONAMENTO NÃO É ASSIM TÃO IMPOSSIVEL MAS SE OBSERVAR MAIS VAI NOTAR QUE COMO ESTÁ ESCRITO A NAVE TEM SERCA DE 2 MILHÕES DE ANOS SENDO ASSIM ESTÁ RAÇA DE HIBRIDOS ESTÁVA A 2 MILHÕES DE ANOS A NOSSA FRENTE E NAQUELA ÉPOCA SABIAM E CONHECIAM COISAS QUE NÓS AGORA ESTAMOS COMEÇANDO A ENTENDER. OBSERVANDO TUDO ISSO EU REFLITO SOBRE O SEGUINTE, TEM TANTA COISA QUE O HOMO SAPIENS OU HUMANOS TEM A APRENDER QUE NÃO A TEMPO PARA DISPERDIÇAR MAS O QUE ME CHOCA E ME DEIXA ENRRITADO É QUE EM MEIO A TANTAS COISAS A SER DESCOBERTAS E INVENTADAS E ENTENDIDAS TEM PESSOAS ISSO ACONTECE EM MILHÕES DE PESSOAS MAS É ASSIM AS PESSOAS NASCEM, CRESCEM E MORRE SEM FAZEM NADA QUE POSSA FAZEM A RAÇA AVANÇAR IR PARA FRENTE OU A EVOLUIR A POSSUIR MAIS CONHECIMENTO DESCOBRIR COISAS OU RESPONDER PERGUNTAS NO ENTANTO O QUE ACONTECE É QUE MILHÕES É ASSIM RESUMINDO NASCEM E MORRE SEM FAZER NADA. SÓ CONSOME RECURSOS E OCUPA ESPAÇO E AS VEZES NOS DIZEM QUE NÓS CIENTISTAS ESTAMOS ERRADOS AINDA POR CIMA. IMAGINO QUE SE TODAS AS PESSOAS DESDE DO DIA EM QUE NASCEM FOREM INSTRUIDAS PARA FAZER A DIFERENÇA OU PARA FAZER ALGO NA SUA VIDA NÃO IMPORTA O QUE MAS QUE FAÇA A RAÇA EVOLUIR SENDO ASSIM CADA EVOLUÇÃO DEVEMOS AOS INTEREÇADOS EM FAZER A DIFERENÇA. TEM MUITA COISA QUE O HOMEM NÃO INTENDE E MUITAS QUE NÃO ACREDITA MAS SE TODOS ENTENDESSEM QUE AS AÇÕES VALEM MAIS DO QUE FICAR DE BRAÇOS CRUZADOS E VIVER UMA VIDA PATÉTICA E ACREDITANDO NUMA COISA MAIS PATÉTICA AINDA QUE OS CEGA E IMPEDE DE EVOLUIR OU DE FAZER ALGO QUE PRESTE NA VIDA, ALGO QUE FAÇA ESSA RAÇA PRIMATA CHAMADA HOMO SAPIENS OU HUMANOS EVOLUIR E SAIR DESSA PORCARIA DE FALTA DE INTERESSE DEPOIS ESSAS PESSOAS SE ACHAM INTELIGENTES SENDO QUE NASCEM E MORREM SEM FAZER NADA DE UTIL E ALGUNS NOS DIZEM QUE ELES ESTÃO CERTOS E NÓS É QUE ESTAMOS ERADOS. HÁ TANTAS COISAS QUE O HOMEM PRECISA APRENDER OU SABER QUE O TEMPO DE UMA VIDA É MUITO CURTO PARA ENTENDER TUDO SEJA 80 OU 90 ANOS É UM ESTAJIO MUITO CURTO. PORISSO COMO DISSE NÃO TEMOS TEMPO PARA PERDER MAS É AO CONTRARIO TEMOS POUCO TEMPO PARA ENTENDER. TEMOS TANTO A EVOLUIR E TEM MUITA GENTE QUE NÃO ESTÁ NEM AI COM A COISA SÓ QUER SABER DE VIVER SUAS VIDINHAS PATÉTICAS E MORRER COMO UM NADA OU NINGUEM QUE NÃO FEZ NADA DURANTE SUA VIDA TODA.



-- Esses homens -- remontava novamente ao livro --
eram bastante perigosos, eram servos dos Jardineiros do
Mundo. Mas isso é uma velha história, de homens e mulhe-
res desejando-se uns aos outros, mas esta nave foi pilotada
por homens que haviam abandonado a grande nave-mãe e é,
realmente, o que eles denominam de nave salva-vidas. O ali-
mento estaria inteiramente conservado para ser comido, e
os homens poderiam ser despertados, mas não importa
quanto tempo tenham permanecido aqui, o fato é que ainda
são renegados por terem tentado encontrar mulheres que se-
riam pequenas demais para eles, e sua convivência com essas
mulheres seria uma absoluta tortura para elas.

SERVOS DOS JARDINEIROS NA VERDADE OS JARDINEIROS É UMA EXPRESSÃO DE DEUSES QUE NA VERDADE SÃO HIBRIDOS MAS OS QUE ESTÃO ACIMA DELES SÃO OS PROPRIOS SANGUE PURO DE TAL RAÇA EXTRATERRESTRE. MULHERES QUE SERIAM PEQUENAS DE MAIS PARA ELES, É UM TERMO PARA FALAR QUE ESSES JARDINEIROS ESTAVAM PROCURANDO SE MISTURAR COM MULHERES NÃO DA PROPRIA RAÇA MAS COM MULHERES “ HUMANAS ” O TERMO MULHERES PEQUENAS DEMAIS PARA OS JARDINEIROS SÃO, MULHERES PRIMITIVAS E QUE NÃO É DA MESMA RAÇA DIGAMOS POIS OS JARDINEIROS FORAM PLANTAR A VIDA NA TERRA E RESUMINDO QUANDO VOLTARAM ELES FORAM BANIDOS ENTÃO VOLTARAM PARA A TERRA E AO LONGO DO TEMPO AS MULHERES DAS NAVES NÃO OS SATISFAZIAM MAIS. DAÍ PRA FRENTE É OUTRA HISTORIA....



Penso que
temos de experimentar mais um pouco e ler algo mais, por-
que parece claro para mim que se esses homens forem res-

tituídos à vida normal, dispondo dos conhecimentos que
têm, podem nos causar um dano que nunca poderíamos re-
parar, pois essa gente nos trataria como gado, como criatu-

rãs em que pudessem realizar experiências genéticas. Eles já
fizeram muito mal antes, por causa de suas experiências se-
xuais com nossas mulheres, mas você é ainda muito jovem
para saber tudo sobre isso.

OU SEJA DANOS COMO APARECER PARA O POVO AGORA OU SUA HISTORIA SER CONTADA POR ELES MESMOS E PROVAS DE SUAS EXISTENCIAS SEREM ACHADAS, PROVACARIA DANOS QUE NUNCA PODERA SER REPARADA PORQUE É O QUE VENHO DIZENDO NESTE BLOG QUE É O POVO NÃO ESTÁ PREPARADO PARA SABER SERTAS COISAS E QUEIRA OU NÃO QUANDO ESSAS PESSOAS ODEIAM ESSAS PESSOAS QUE ESCONDE A VERDADE, PARA MIM NA VISÃO DESSAS PESSOAS É ASSIM, QUEM SEJA QUE OCULTA A VERDADE NA VISÃO DOS QUE BUSCAM A VERDADE SÃO UM MAL ENTÃO EU DIGO QUE SÃO UM MAL NESCESSARIO POIS NOS PROTEGE DE SABER A VERDADE QUE CAUSARIA DANOS A MUITOS POVOS E CRENÇAS PARA SABER MAIS DISSO LEIA O MEU BLOG, AS MATÉRIAS ANTERIORES NA PARTE DAS CONCLUSÕES.


Este mun-
do estava pronto para ser colonizado, e assim nossos mes-
tres, devo chamá-los de mestres porque eles eram os líderes
dos Jardineiros da Terra e de outros mundos, determinaram
que uma certa espécie devia desenvolver-se na Terra, e esta
éramos nós.
"Num planeta longínquo, fora deste universo, prepa-
rativos foram feitos e foi construída uma nave especial que
poderia viajar numa velocidade absolutamente incrível, e
nós, como embriões humanos, fomos embarcados nessa na-
ve. De algum modo, os Jardineiros, como eram chamados,
trouxeram esses embriões para este mundo, e então não sa-
bemos o que aconteceu entre o tempo da chegada dos em-
briões e as primeiras criaturas que podem ser chamadas hu-
manas.
"Mas durante sua ausência de seu lar muita coisa
ocorreu no mundo. O velho governante, ou 'Deus', já era
idoso e ali havia certas pessoas de más intenções que ambi-
cionavam seu poder, e manobraram a fim de se livrarem da-
quele deus e colocar um outro -- seu títere -- para governar
em seu lugar. Seus atos, naturalmente, seriam dirigidos por
aqueles renegados.
"A nave voltou da Terra e seus tripulantes encontra-
ram as coisas muito mudadas, perceberam que não eram
bem-vindos e que o novo governante desejava eliminá-los,
pois representavam um estorvo para eles. Mas, em vez disso,
os Jardineiros que tinham acabado de regressar da Terra se
apossaram de umas poucas mulheres de seu próprio tama-
nho e decotaram de novo rumo ao Universo Terráqueo. Co-
mo sabe, Lobsang, há muitos e muitos diferentes universos.
"Chegados ao mundo onde tinham se desenvolvido
como seres humanos, eles estabeleceram seu próprio domí-
nio, construíram vários artefatos como pirâmides, graças
aos quais podiam manter uma vigilância através do rádio so-
bre tudo que viesse na direção da Terra. Eles usavam os hu-
manos que tinham feito crescer como escravos, estes faziam
todas as tarefas, e os Jardineiros simplesmente refestelavam-
se confortavelmente è se limitavam a dizer aos humanos es-
cravos o que tinham que fazer.
"Os homens e as mulheres, talvez devêssemos chamá-
los de super-homens e supermulheres, cansaram-se de seus
próprios parceiros, e aí ocorreram muitas ligações que moti-
varam disputas e todo tipo de perturbações. Mas então do
espaço exterior e não detectada pêlos radares das pirâmides
uma nave espacial apareceu. Era uma imensa nave, e ficou
instalada ali de modo a que as pessoas pudessem sair dela e
começar a construir habitações. As pessoas, que eram então
as primeiras sobre a Terra, ressentiram-se da chegada daque-
les homens e mulheres de outra galáxia, e assim, de duelos
verbais passou-se a uma batalha entre pessoas. A agitação
prosseguiu por algum tempo, e os inventos mais diabólicos
foram criados. Por fim, as pessoas da enorme nave espacial
não puderam suportar mais tempo aquela situação e envia-
ram um certo número de naves espaciais que aparentemente
estavam mantidas de reserva, aparelhadas, prontas para tal
emergência, e lançaram bombas terríveis onde quer que
aquelas outras criaturas da outra galáxia estivessem vivendo.
As bombas eram um tipo muito avançado de bomba
atómica, e no raio de alcance da explosão da bomba tudo
perecia. Produzia-se um clarão purpúreo brotado da terra e
os homens e mulheres do espaço que haviam provocado

aquilo voltaram à sua gigantesca espaçonave e abandonaram
a área bombardeada.
"Por uma centena de anos ou mais, praticamente não
vingou nenhuma forma de vida na Terra, nas áreas bombar-
deadas, mas quando os efeitos radioativos abrandaram, aque-
Ias pessoas se arriscaram a sair, quase rastejantes, trémulas
de medo, imaginando o que iriam ver. Depois, instalaram-se
numa espécie de colónia agrícola, passando a usar arados de
madeira e coisas desse género.
-- Mas, mestre -- eu disse -- o senhor declara que o
mundo tem mais de cinquenta milhões de anos; bem, há um
bocado de coisas que não entendo absolutamente. Por exem-
plo, esses homens. . . nós não sabemos que idade têm, des-
conhecemos há quantos dias, semanas, ou séculos eles se
acham aqui, e como esses mantimentos podem ter sido
mantidos em estado de boa conservação durante todos esses
anos. Por que esses homens não se converteram em pó?
O lama riu ao responder:
-- Nós somos um povo inculto, Lobsang. Costumava
haver povos muito mais inteligentes nesta terra; como sabe,
houve diversas civilizações.


-- Veja, este mundo foi certa vez coberto com nuvens.
Nunca havia um único sinal de sol, nós nada conhecíamos
sobre as estrelas. Mas então, naqueles dias, as pessoas viviam
centenas de anos, não como agora, quando morrem assim
que tenham aprendido algo. As pessoas morrem agora por
causa das perigosas radiações do sol, e devido a nossa nuvem
protetora ter se extinguido; então perigosos raios surgiram e
saturaram o mundo, trazendo com isso toda espécie de
doenças, todo tipo de aberrações mentais. O mundo esteve
conturbado, distorcido sob o impacto daquela tremenda ex-
plosão.

ACREDITO QUE OS EMBRIÕES NÃO FORAM TRAZIDOS A TERRA EM VIDROS OU RECIPIENTES E SIM EM UMA FORMA ORGANICA UM HUMANO CLONADO QUE NA VERDADE ELE SERIA O TAL EMBRIÃO.

ORAS ORAS UMA CIVILIZAÇÃO TÃO PODERASA E ANTIGA COM ALTA TECNOLOGIA E MILHÕES DE ANOS A NOSSA FRENTE POSSUIA NA VERDADE

AMBIÇÃO E TRAIÇÃO NO CASO DA RAÇA NOBRE E SANGUE PURO DE UMA RAÇA EXTRATERRESTRE QUE COVERNAVA NÃO SÓ UM MUNDO MAS OUTROS TAMBEM MAS QUE POSSUIA INIMIGOS E ERA NA VERDADE O DESENVOLVEDOR DE UNS MUNDOS MAS NÃO DO UNIVERSO TODO COMO AS PESSOAS ACHAM


ENTÃO OS JARDINEIROS APÓS SEREM EXPULSO DE SEU PLANETA NATAL, VOLTARAM PARA A TERRA NO ENTANTO PARA EVITAR QUE ALGUMA NAVE DE SEU ANTIGO PLANETA VIESSE OU QUE AS PESSOAS ALI HUMANAS SABEREM QUE ALGO ESTÁ OU NÃO VINDO DO CEU PARA QUE POSSA DAR TEMPO PARA SE PROTEGER CRIARAM AS PIRAMIDES QUE NAS PONTAS CONTINHA RADIO OU RADAR PARA SABER SE ALGO ESTAVA VINDO DE CEU OU NÃO. NO ENTANTO EU QUERO FAZER UMA CONEXÃO QUE É A SEGUINTE AS PIRAMIDES AI DESCRITAS SÃO AS DO EGITO QUE NA VERDADE TEM HAVIDO BOATOS QUE LÁ NO EGITO HAVIA VIDA HUMANA PESSOAS VIVENDO LÁ HÁ CERCA DE 12.000 ANOS ANTES DO QUE AS PESSOAS CHAMAM DE CRISTO. DOZE MIL ANOS ANTES É MUITA COISA SÃO GERAÇÕES E GERAÇÕES DE PESSOAS NA QUAL MUITAS MORRERAM E VIVERAM. IMAGINE O BRASIL TEM 500 ANOS IMAGINE O QUANTO A HISTORIA DO BRASIL TEM A CONTAR AGORA PENSE EM DOZE MIL ANOS ANTES DE CRISTO QUANTO TEMPO NÃO FAZ. MUITA COISA PODE TER OCORRIDO COISAS QUE O TEMPO PODE TER APAGADO COISAS QUE AINDA HÁ NA HISTORIA DO EGITO E QUE AS PESSOAS DE HOJE EM DIA NÃO ACREDITA MAIS COMO OS DEUSES QUE SÃO MUITOS HÁ UM DEUS PARA CADA TIPO DE COISA DIGAMOS PARA TUDO NA VERDADE. DEUSES COM CORPO HUMANO E CABEÇA DE ANIMAL MAS NÃO QUAISQUER ANIMAIS SÓ OS MAIS FORTES QUEM CONHESSE A HISTORIA EGIPCIA SABE QUE NÃO HAVIA UM DEUS COM CABEÇA DE RATO OU DE TUBARÃO OU DE PEIXE OU DE ELEFANTE OU CAMELO ENTÃO NÃO ERAM TODOS OS ANIMAIS QUE ERAM ESCOLHIDOS MAS OS MELHORES. OS EGIPCIOS ENTÃO ACREDITAVAM NOS DEUSES E OS ADORAVAM MAS NÃO HÁ REGISTRO QUE OS EGIPCIOS FORAM ESCRAVOS DE ALGUMA OUTRA CIVILIZAÇÃO OU ALGO MAIS.

MAS NA CRENÇA EGIPCIA TAMBEM PODEMOS VER QUE OS DEUSES NÃO ERAM PERFEIROS UM EXEMPLO DISSO FOI O QUE OCORREU COM UM DESSES DEUSES E POR FIM O DEUS SETH ACABOU MATANDO SEU IRMÃO OSIRIS POR CAUSA DE TRAIÇÃO OU CIÚMIS COISA QUE OCORRE COM MUITOS CASAIS DA ATUALIDADE ISSO PROVA QUE ATÉ OS DEUSES NA EPOCA REMOTA TINHA DESEJOS E COBIÇA SENDO OS DEUSES HIBRIDOS ENTÃO NÃO HÁ NADA DE ERRADO POIS HIBRIDOS SÃO OS QUE SÃO HUMANOS OU É DESCENDENTE DA TAL RAÇA PURA EXTRATERRESTRE QUE NA MAIS É CLONES CRIADOS COM BASE NO DNA DE UM PURO E QUANDO ESSE DNA É MODIFICADO É ASSIM CHAMADO FEITO EM ENGENHARIA GENÉTICA OU DNA RAMIFICADO ENTÃO PODEMOS DIZER QUE ESSE SER É UM HIBRIDO, ENTÃO PODEMOS CHEGAR A CONCLUSÃO QUE OS DEUSES NO CASO OS JARDINEIROS SÃO HIBRIDOS QUE NO CASO SÃO OS DEUSES EGIPCIOS NÃO SÓ PELA PIRAMIDE MAS TAMBEM POR TODA CULTURA E HISTORIA DO ANTIGO EGITO QUE SE SABE E É ESTUDADO HOJE ME DIA, E TAMBEM A CONEXÃO ENTRE AS PIRAMIDES QUE NA VERDADE ESTÃO APONTADAS PARA UMA CONSTELAÇÃO A MESMA QUE AS PIRAMIDES DE MARTE TAMBEM ESTÃO APONTADAS QUE É PARA A CONSTELAÇÃO DE ORION ENTÃO JUNTANDO TUDO ISSO CREIO QUE OS DEUSES EGIPCIOS SÃO MESMO NA VERDADE ESSES JARDINEIROS E SUMIRAM PORQUE PODIAM SER DIFERENTE E TER O DNA RAMIFICADO MAIS NÃO ERA IMORTAL OU ESTÃO COMO OS OUTROS DA CAVERNA COMO PARALIZADOS EM SUSPENÇÃO EM ALGUM LUGAR ENTERRADO. OU NO CASO OS POVOS DO PASSADO REMOTO DO EGITO E OCORREU TODA AQUELA BATALHA E MORTES MAS CENTENAS DE ANOS MAIS TARDE DIGAMOS A PÓS AS COISAS ESFRIAREM ENTÃO AS COISAS ACALMARAM UM POUCO E ASSIM OUVE UMA OUTRA GERAÇÃO DE PESSOAS E ASSIM FOI INDO MAS O FATO DE ISSO TER OCORRIDO HÁ 50 MILHÕES DE ANOS TERIA QUE SER BEM LÁ NO PASSADO POIS QUEM SABE A VIDA NO EGITO NÃO SEJA TÃO VELHA APONTO DE CHEGAR A 50 MILHÕES DE ANOS ISSO A TECNOLOGIA DO SECULO 21 AINDA NÃO PODE PROVAR INFELIZMENTE.

EU ACHO QUE AS PESSOAS NÃO DURAM DIGAMOS CENTENAS DE ANOS COMO ANTIGAMENTE NÃO POR CAUSA DO SOL OU DE RADIAÇÃO OU ALGO ASSIM ACHO QUE OS HUMANOS SOFRERAM UMA MUDANÇA. OS JARDINEIROS OU ALGO DEVE TER MUDADO O DNA DO HOMEM PARA QUE NÃO VIVESSEM MUITO TEMPO POIS ASSIM ELES OS HUMANOS IRIA DESCOBRIR E CRIAR MUITA COISA NO FUTURO E A RAÇA HUMANA EVOLUIRIA NUM RITIMO MUITO ACELERADO UM RITIMO QUE SERIA MUITO INSTAVEL E EM ALGUMA GERAÇÃO A RAÇA IRIA SER DESTRUIDA POR ELAS MESMAS ENTÃO PENSARAM OS DEUSES OU JARDINEIROS PARA QUE O HOMEM VIVESSE APENAS UM POUCO ASSIM A RAÇA HUMANA AVANÇARIA AOS POUCOS E SEM EVOLUIR RAPIDAMENTE E DESCONTROLADAMENTE CREIO QUE O DNA DO HOMEM FOI MUDADO E QUE HOJE EM DIA NÓS AINDA TEMOS ESSA MUDANÇA POIS NINGUEM PODE PROVAR O QUE HÁ NOS 2 % DO DNA HUMANO QUE NÃO FOI MAPEADO QUEM SABE NÃO ESTEJA ISSO A CHAVE PARA A JUVENTUDE OU A CHAVE PARA ABRIR GENETICAMENTE E MODIFICAR O DNA RETIRAR E COLOCAR PARES DE CROMOSSOMOS MUDAR FUNÇÕES DE ALGUNS PARES ENFIM E ASSIM POR DIANTE, OU QUEM SABE SERTOS GOVERNOS JÁ SAIBA COMO FAZER MAS OCULTA ISSO É UMA COISA QUE DUVIDO QUE ACONTEÇA MAS NÃO É IMPOSSIVEL QUE SABE.



-- Há uma parte mais afastada de
nossa terra que permaneceu ao nível do mar, e as pessoas ali
tomaram-se cada vez mais diferentes de nós, sua mentalida-
de alcançando quase a estupidez. Eles não tinham templos,
eles não veneravam os deuses, e mesmo agora se põem a an-
dar em botes de couro de animal, capturando focas e pei-
xes e outras formas de vida. Há imensas criaturas, com enor-
mes cornos em suas cabeças, e estas pessoas mataram muitas
delas e comeram sua carne. Quando outras raças surgiram,
eles chamaram aqueles seres do extremo norte de esquimós.
Nossa parte do Tibete contava com um povo melhor, sacer-
dotes e homens doutos, e médicos de grande renome, e a
parte que foi cindida do Tibete e afundou ao nível do mar,
ou melhor, permaneceu ao nível deste, dispunha de mentali-

dades mais tacanhas, trabalhadores e gente comum, os corta-
dores de árvores e os caçadores das águas. Eles tinham per-
manecido quase que no mesmo estágio por mais de um mi-
lhão de anos. Aos poucos foram rastejando e começaram a
encontrar uma forma de sobreviver sobre a superfície terres-
tre. Construíram pequenas fazendas e dentro de cem anos
mais ou menos as coisas pareceram tornar-se normais e as-
sentadas.

Pegue essa seringa e puxe a parte de cima. . . espere, eu farei
isso, e então você espetará essa agulha na minha perna, exa-
tamente aqui -- indicou um ponto determinado -- e isso a
tornará insensível, de outro modo provavelmente eu desmaia-
ria devido à dor insuportável que essa operação pressupõe.
Agora, faça o que lhe disse.

No caso acho que está falando dos bárbaros e os vikins .

O fato de um monge como o rampa não saber usar e nem saber o que é um seringa é meio estranho torna um pouco suspeita está historia assim como outros pequenos detalhes espalhados pelo livro.




Os Jardineiros da
Terra desejavam dispor de lugares secretos para que assim
pudessem vir para a Terra despercebidos pêlos seres mortais,
e portanto quando isto era apenas uma pilha de pedra baixa
sobressaindo do terreno, eles fizeram um corte no interior

da rocha viva usando o que mais tarde será conhecido como
maçaricos atómicos. Servem para dissolver a rocha, e uma
boa parte da superfície acinzentada exterior é evaporada da
rocha derretida; então, quando a caverna foi recortada no
tamanho desejado, eles deixaram-na esfriar, e ao esfriar
adquiriu uma superfície absolutamente lisa como o vidro.

Porque dispor de lugares secretos o que eles temiam ? qual motivo os levava a se esconder na escuridão? Bom minha teoria explica isso logo acima que naquela época os jardineiros sabiam que suas identidades não podiam ser reveladas no presente na tal época pois se não no futuro iriam encontrar evidencia e provas da existência de híbridos ou extraterrestres no passado remoto. Toda ação desses seres tem um fundamento em tudo que fazem por serem muitos velhos os torna mais experiente e inteligente. Para saber mais leia as conclusões dos artigos deste blog na cessão das abduções que lá explicara tudo isso e mais um pouco da minha teoria. Agora sobre a perfuração das pilhas de pedra isso pode ser feito com uma arma ultra-sônica para conferir mais sobre isso veja o filme “ o núcleo ”



Era um orifício de formato retangular, e me
ocorreu que minhas mãos logo secariam se eu as encostasse
naquela abertura. Foi o que fiz, e penso ter sido a melhor
lavagem de mãos de que me recordo. A água era tão delicio-
sa, e eu estava conservando as mãos junto daquela cavidade
na parede quando o ar quente cessou. Suponho que os pla-
nejadores daquele processo de secagem calculavam em uns
poucos minutos o tempo que normalmente uma pessoa gas- ta para lavar suas mãos. Então eu me aproximei do armário
e abri as portas.

Lendo isso nós nos perguntamos. Nossa numa nave de milhões de anos há lá seca mãos? Como encontramos hoje em alguns estabelecimento no banheiro? Foi a primeira coisa que pensei também e achei que isso fosse invenção, mas acredito que não é ao pensar um pouco e entendi que as coisas que o homem busca são as coisas obvias que todo mundo se pergunta ou perguntou na vida. Mas acredito que o homem aos poucos evoluiu sua mente então nos pensamentos desses homens do passado era assim. Como podemos fazer para poder lavar nossas roupas mais rapidamente e melhor do que ir na beira de rio esfregar roupa ? bom o tempo se passou e hoje temos lava ro pás. É assim o homem faz perguntas tão obvias que são as mesmas perguntas que uma raça ou muitas outras raças de vida inteligente já fez um dia, então a torneira o objeto para secar as mãos até o fato de armários podem ser respondidos com o que disse logo acima. A pergunta será que esses jardineiros um dia teve as mesmas perguntas e podem ter inventado coisas que hoje conhecemos como um tipo de microondas diferente do que temos hoje mas com a mesma finalidade ? eu acho que sim mas isso foi a muito tempo atrás e a cada dia que passa estamos ficando cada vez mais iguais a eles os jardineiros.

E assim dizendo, ele pegou uma da; latas redondas e
puxou uma pequena argola. Houve um ruído de ar escapan-
do. Depois, quando o ruído cessou, o lama forçou mais a
argolinha, e ao puxá-la a parte superior do recipiente desta-
cou-se. No interior havia frutas.

Quando li isso fiquei surpreso e pensei agora eu já li de tudo nesse livros. Dentro da nave ter o que se encontra hoje em sesta básica de natal que é aquele pêssego em lata, acho impossível já isso a um milhão de anos atrás os jardineiros terem já comida em Lata e porque armazenar essas coisas velhas na nave sendo que com a inteligência deles eles podem criar fracos para conservar e guardar alimentos muito mais eficiente para abrir e que não seja tão primitiva assim ? a menos que eles estavam fazendo um estoque e colhendo alimento diferente ao redor do mundo todo em diversas épocas da terra desde a época mais remota até o dia em que foram “suspensos” acho que é a única explicação obvia para isso. Mas mesmo assim é de se desconfiar de uma coisa assim quando se lê principalmente sobre uma historia que na qual não há provas que tudo isso do livro ocorreu e até hoje ninguém sabe onde fica essa tal caverna pelo menos é que nos dizem se estão ocultando algo do povo creio que não vamos saber tão em breve não.

Então a cena mudou e surgiram as for-
mas de várias máquinas, sendo projetadas instruções sobre a
função das mesmas. Havia uma máquina perto do centro
da sala, e se alguém empurrasse um dos botões, vários obje-
tos pequenos e coloridos deslizariam para um tabuleiro. Nós
nos acercamos dessa máquina. O lama apertou o botão indi-

cado, e com o ruído metálico algumas coisas redondas rola-
ram de um plano inclinado indo cair num pequeno tabulei-
ro mais abaixo. Examinamos tais objetos redondos, experi-
mentamos parti-los, e aí eu vi a um dos lados da máquina
uma coisa pequena feito um prato tendo ao alto uma lâmi-
na recurva. Coloquei algumas daquelas coisas redondas no
recipiente e puxei para baixo uma manivela -- receoso e
trémulo -- para ver o que aconteceria. Aqueles objetos esfé-
ricos logo foram partidos em dois, e pareceram ser algo vis-
cosos. Eu, sempre muito pronto a pensar em comida, toquei
um dos lados daquela coisa e levei-a ao encontro da minha
língua.
Êxtase puro! O sabor mais maravilhoso que eu já sen-
tira em minha vida. E eu disse:
-- Mestre, isto é uma coisa que o senhor realmente de-
ve experimentar.
Eu o fiz aproximar-se do tal botão e ele o apertou de
novo, e mais uma porção daquelas coisas redondas surgiram
da máquina. Peguei uma e a pus na minha boca. Foi como
se na realidade tivesse posto uma pedra na boca. Após uns
poucos instantes, porém, a casca aparente daquela coisa co-
meçou a amolecer com a pressão continuada de minhas
mandíbulas sobre a sua superfície e aí eu obtive o mais do-
ce de todos os sabores. Aquelas coisas pareciam ser de sabo-
res diferentes. Cada cor tinha um sabor diverso. Mas eu não
tinha a menor ideia do que fosse aquilo, e o lama viu que
me achava confuso.
-- Tenho viajado bastante, como sabe, Lobsang, e nu-
ma cidade do Ocidente eu vi uma máquina como esta, con-
tendo bolinhas de açúcar-cândi, exatamente como estas aqui.


Mais uma prova de que eles os jardineiros estavam viajando pelo mundo coletando coisas desde comida a suprimentos a maquinas enfim um pouco de tudo para que eu não sei mas talvez não para usar mais para guardar como amostra da evolução ou criação que o homem fez ou faz através dos tempos.


-- Há muita confusão a respeito disso, e os cientistas
deste mundo não iriam crer na verdade. E esta é a seguin-
te: em certa época remota este mundo contava apenas com
uma massa de terra. O resto era água, e eventualmente, por
efeito das vibrações da Terra, tais como os terremotos, a
massa única terrestre foi cindida em ilhas, e se estas aconte-
ciam ser maiores eram chamadas de continentes. Aos pou-
cos elas foram se separando e assim muitas dessas ilhas abri-
gavam pessoas que tinham esquecido a antiga língua, e pas-
saram a usar seu próprio dialeto familiar como sua lingua-
gem padrão. Anos passados não havia fala, todos se comuni-
57

cavam por telepatia, mas depois algumas pessoas de má ín-
dole passaram a tirar vantagem do conhecimento do que era
comunicado por uns a outros, e assim tomou-se costume
que nas comunidades de então os líderes das mesmas ideas-

sem idiomas que deveriam usar quando eles não desejassem
utilizar a telepatia que alguém pudesse apreender. Com o
tempo, a linguagem tomou-se cada vez mais empregada, e a
arte da telepatia foi esquecida, exceto por umas poucas pes-
soas como nós, do Tibete.


Acredito que todos tem o potencial igual. Há pessoas que dizem se comunicar telepaticamente outras dizem ter visões outras dizem que pode se auto curar bom isso se for ver não é possível se uma pessoa consegue as outras também podem conseguir pois todos tem a mesma capacidade mas só do fato de duvidar que essas coisas podem ser feita a pessoa jamais vai fazer acontecer pois só basta um pensamento negativo que a tal pessoa seria incapaz de fazer isso e pronto a própria pessoa que duvidou não vai conseguir pois não acredita se não acreditar no seu potencial nunca vai conseguir explorar as barreiras que muitos pensam ser impossível.


Mas,
Lobsang, essa substância parece estar produzindo um efei-
to maravilhoso em minhas pernas. Olhe para elas e verá co-
mo na verdade se mostram curadas.

Acredito que isso tem um efeito que recria células do corpo na qual foi danificada fazendo a reestruturação genética que permite duplicar reconstruir moléculas e seja o que for que o corpo precise não é impossível mas só há um jeito que se fazer isso e colocar em hospitais e em muitos outros lugares mas para que essa técnica de tecnologia seja posta em ação se precisa criar e para criar tem que se ter o pessoal certo os cientistas certos como geneticistas mas as experiências para criar tal técnica tem que ser testada coisa que na visão de muitas pessoas é imoral ou contra lei ou contra a própria crença pois estaria mexendo com engenharia genética e o melhor jeito de testar tudo isso é em clones que tem melhores funções do que um animal como rato ou macaco ou até outros tipos de animais isso é tolice se a técnica pode curar uma pessoa então as experiências tem que ser feita com um da raça ou clone que não tem família e pode ser criados quantos quiser ou fácil pega esses condenados que vai morrer mesmo seja na cadeira elétrica ou de câmera de gás e fazem os testes nos mesmos já que vai morrer mesmo que faça algo para o bem da ciência. Lógico que isso já ocorre em certas partes do mundo as o obvio é que eles nunca que vão afirmar que fazem isso mas fazem de baixo do pano.hoje são chamados de insanos e de animais e de desumanos mas no futuro esses cientistas serão chamados de visionários e patriotas e futuristas e serão lembrados nas paginas da historia.



houve, por exemplo, mulheres com a pele purpurina e oito
pares de seios, tal como uma cadela prenhe. Suponho que
seria de todo útil terem essas dezesseis mamas, mas tal raça
se extinguiu porque era inviável. Se a mulher viesse a dar à
luz muitas crianças, seus seios se tornariam tão pendentes
que ela dificilmente seria capaz de caminhar sem cair, assim
aquela raça se extinguiu.


Nossa isso se for ver é uma coisa terrível para tais mulheres se no caso podemos chamar de mulheres acho que o termo é mutantes pois explica mais detalhadamente essa situação em questão dessas mulheres. É duvidoso pensar que um dia ouve uma certa raça de mulheres humanas tão aberrante assim sendo que não há provas para sustentar o fato. Mas acredito que se possa um dia ter existido foi fruto de uma mutação genética. Mas nem todo fruto das aberrações são na verdade criadas pela própria natureza do corpo dos da mesma raça ou que tenha acontecido essa mutação de uma hora para outra é criado ou feito se precisa de anos de deformações da mesma espécie no caso dessas mulheres seus pais ou parentes do passado foram sofrendo mudanças que se distinguiam diferentes das da outra raça ou no caso outras mulheres. Se no caso isso é uma aberração se não for uma experiência dos jardineiros ou dos colonizadores não digo nada.

-------------------

Aí os lamas injetam uma substância no corpo aparen-
temente morto e suavemente eles pegam o corpo, o seu no
caso, e o colocam sobre o outro. Aos poucos, num espaço de
cinco minutos mais ou menos, você desapareceria, tornar-se-
ia cada vez mais fraco, e então, de repente, a figura no es-
quife de pedra daria um salto e, sentando-se bem aprumada,
exclamaria assim: "Oh, onde estou? Como vim me encon-
trar aqui?" Por um certo espaço de tempo, saiba, ela tem a
memória da última pessoa a usar aquele corpo, mas dentro
de umas doze horas o corpo que tinha assumido deve pare-
cer como absolutamente normal, e na realidade capaz de
executar todas as coisas que você poderia fazer se estivesse
na Terra envolto em seu próprio corpo.

Isso está me parecendo mais como necronomancia.

----------------------

Comumente acon-
tece que exista alguma tarefa a ser cumprida pêlos Jardinei-
ros do Mundo, e é uma missão difícil porque sendo cérebros
superiores eles não podem sentir coisas, eles não podem ver
coisas, assim tomam providências para que um número a-
propriado deles (os supercérebros) assumam um corpo e
desçam à Terra, nela figurando como criaturas mortais.

Não sei para que fazer isso se eles os jardineiros podem estar em suas naves usando o que chamamos de invisibilidade mas como é possível isso é muito fácil. Certas cores girando em alta velocidade causa invisibilidade sendo assim um campo magnético e dentro desse campa há um outro girando em alta velocidade capaz de criar invisibilidade se eles podem fazer isso quer dizer eles podem estar passando por cima de uma cidade e ninguém sabe pois não vê. Se eles podem fazer isso porque vão usar esse método de entrar no corpo de pessoas para descer na terra é incabível algo assim não há sentido. Mas há no caso de que vai saber se certos jardineiros não possui mais entre a mundo carnal estão agora onde chamo de mundo espectral daí sim acho que eles podem usar o método do corpo ai sim tem fundamento mas sem isso não há fundamento nenhum.

---------------------

'Oh, o homem nunca viajará a
84

cem quilómetros por hora, isso o mataria.' E depois a próxi-
ma afirmação foi a de que as pessoas nunca viajariam a uma
velocidade maior do que a do som, e agora estão dizendo
que nada pode jamais viajar mais rápido do que a luz._A luz
tem uma velocidade própria, como sabe, Lobsang. Ela é
composta das vibrações que, emanando de algum objeto,
exercem seu.impacto sobre os olhos humanos, e estes vêem
qual é esse objeto.

As pessoas céticas da terra são assim mesmo não crê em nada para elas na época dos cem quilometro viajar a tal velocidade é impossível e criticavam e debatiam com as pessoas que um dia derrubou esses céticos. Hoje é a mesma coisa muitos falam para os cientistas sobre diversas coisas sobre as teorias baseado em tudo sobre a medicina sobre a engenharia sobre tudo esses céticos de hoje em dia não acham possível o homem aprimorar o que é uma teoria e passar para a realidade. O que muitas pessoas do passado achava que era impossível de se fazer hoje em dia é possível e muita coisa que as pessoas acha hoje em dia impossível de fazer num futuro muito próximo será realizado. As pessoas são assim em vez de ajudar a criar só sabem dizer que é impossível de fazer e que é uma causa perdida fazer aquela teoria uma pratica. Se essas pessoas vivessem para ver que estavam erradas eu gostaria de ver a expressão de seus rostos.

-----------------

E disse:
-- Ali está. Se alguém passar além daquele marco este
indicará um número. E este ali mostra o número 3. Refere-
se a você e a mim. E ao anterior visitante. Quando nós sair-

mos, e isto só ocorrerá dentro de três ou quatro dias, o tem-
po de nossa estada aqui será registrado prontamente para
que as próximas pessoas a entrar possam especular sobre
90

quem aqui esteve antes delas.

é mostrou o numero 3 mas os tripulantes então quase não entraram ali neste recinto como a nave sabe que o que pisa ali é ou não o tripulante. Será que há algum luzes ou algo assim que faz um checape do corpo e mapeia a dna para ver se é um deles. Pois é impossível não ser isso. Os tripulantes passaram ali muitas vezes e o contador digamos assim não contou ai tem coisa.

--------------------

Registro Akashic

Registros Akáshicos (Akasha é uma palavra em sânscrito que significa "céu", "espaço" ou "éter"), segundo o hinduísmo e diversas correntes místicas, são um conjunto de conhecimentos armazenados misticamente no éter, que abrange tudo o que ocorre, ocorreu e ocorrerá no Universo.
--------------

E mais tarde
você os verá de volta numa gigantesca espaçonave, porque
na realidade é o que é a Lua.

É interessante pensar que a lua é uma espaçonave eu sempre achei que nela havia construção de algo mas nunca pensei que podia ser toda ela uma construção no caso uma nave é impossível mas a idéia é meio maluca e sem sentido mas eu gostei.

--------------

Havia ali um brilho prateado, um tubo de prata alon-
gado e fechado em ambas as extremidades estava descendo
lentamente. Por fim ele ficou liberto das nuvens purpúreas,
e adejou muitos metros acima da Terra, e depois, como se
tivesse tomado uma grande e súbita decisão, veio pousar sua-
vemente na superfície do mundo. Por uns poucos minutos
simplesmente ficou pousado ali, imóvel. Dava a impressão
de algum animal errante espreitando à sua volta antes de dei-
xar seu esconderijo seguro.
Por fim os tripulantes pareceram satisfeitos, e uma
grande prancha metálica caiu para um lado e bateu no chão
produzindo um ruído surdo. Um bom número de singulares
criaturas apareceram no vão aberto e olharam em volta. Ti-
nham duas vezes a altura de um homem alto, e eram duas
vezes também corpulentos, mas pareciam estar cobertos por
uma espécie de indumentária que os cobria da cabeça aos pés.
A parte da cabeça era inteiramente transparente. Podíamos
ver os rostos severos, autocráticos daquelas pessoas. Elas pa-
reciam consultar um mapa e fazer anotações.
Por fim acharam que tudo estava em ordem, e assim,
um por um, eles foram descendo pela grande peça de metal
que tinha caído ao chão, mas que no entanto ainda perma-
necia anexado à nave por uma das extremidades. Esses ho-
mens estavam cobertos com uma espécie de revestimento
ou roupa protetora. Um dos homens -- supus que fossem
homens, conquanto fosse difícil afirmá-lo em meio a toda
aquela fumaça e à dificuldade de ver além de seus capacetes
transparentes -- mas um deles, repito, deu alguns passos já
fora da grande prancha de metal e caiu em cheio, batendo
com o rosto no solo esfumaçado. Um instante após ele ter
caído, criaturas de aspecto vil emergiram da vegetação e o
atacaram. Seus companheiros não perderam tempo, sacan-
do uma espécie de arma do cinto que usavam. Rapidamente
o homem foi puxado de volta à prancha metálica. E era vi-
sível que o revestimento do corpo estava rasgado, aparente-
mente por animais, e o sangue rubro estava fluindo. Dois
daqueles homens carregaram-no para bordo da nave, ou o
98

que fosse aquilo, e vários minutos depois eles reapareceram
carregando algo em suas mãos. Pararam na prancha metálica
e ambos calcaram um botão de um instrumento que eles es-
tavam portando, e chamas brotaram de um bocal pontudo
Todas as coisas desprezíveis que estavam sobre a prancha
metálica torceram-se em espasmos ao serem queimadas e
toram varridas da prancha que então se fechou recompondo
o corpo da nave.
Os dois homens com aqueles lança-chamas moveram-
se cautelosamente, atingindo com suas armas chamejantes o
solo ou o terreno em volta. E assim queimaram inteiramen-
te uma faixa de terra a um dos lados da nave. Então eles
desligaram seus instrumentos chamejantes e caminharam
apressados atrás dos outros homens que tinham seguido atra-
vés de uma floresta de fetos. Estes eram tão grandes como
arvores enormes, e era fácil acompanhar a passagem dos ho-
mens através delas porque aparentemente eles dispunham
de uma espécie de instrumento cortante que era brandido
de lado a lado e cortava os fetos quase ao nível do solo. Eu
resolvi que tentaria entender o que eles estavam fazendo.
Então, me levantei da cadeira e caminhei um pouco
para a esquerda. Dali tinha uma visão melhor porque agora
eu podia ver os homens aparentemente vindo na minha di-
reçâo. Em frente dos outros homens dois companheiros
seus seguravam algum tipo de máquina que deslizava e cor-
tava todos os fetos que se achavam em seu caminho. A má-
quina parecia ter uma lâmina rotativa, e logo os homens ir-
rompiam através da floresta de fetos e encontravam um es-
paço aberto no qual um bom número de animais estavam

reunidos. Os animais olharam para os homens e estes olha-
ram para os animais. Um dos homens pensou que devia tes-
tar-lhes a agressividade, assim apontou um tubo de metal
para eles e puxou um pequeno esporão de metal. Houve
uma tremenda explosão, e o animal visado pela arma sim-
plesmente foi reduzido a pedaços. Isso me fez lembrar de
um monge que caíra do alto de uma montanha, despedaçan-

99

do-se. Mas dos outros animais agora não havia nenhum si-
nal, eles tinham escapado muito rapidamente.

Um trecho muito importante pois nele revela que os tripulantes das naves foram descritos como homens e não como extraterrestres de olhos negros e grandes e pele cinza ou magros ao contrario não dava para ver a pele pois estava usando uma roupa protetora talvez o ar do ambiente anda não estava 100 % saudável para se respirar ou porque na verdade poderia ser outra raça de jardineiros. O trecho mostra que eles os jardineiros um deles fazia anotações e da a impressão como se tudo fosse um teste de criação e na verdade é. Enfim é um trecho muito bom para refletir de todas as visões e lembranças que os abduzidos descrevem hoje em dia que não tem nada a ver com o trecho acima.

-----------

Como pode haver uma
mulher inteiramente negra?


Muito estranho. Esses monges da época freqüentavam até escola o que será que eles estudavam sendo que nem o lobsang sabia que avia pessoas de cor negra no mundo. Que espécie de escola é essa que não ensina quase nada.

---------

-- Bem, isso depende dos pais. Se se tem um início de
crescimento que é alcalino, então se terá um determinado
sexo; se houver um tipo ácido de célula, então se terá o
sexo oposto

isso na verdade não tem nada a ver uma coisa com a outra. Mas a biologia ou ciência moderna sabe e toda criança hoje em dia em todas as escolas aprender que não tem nada a ver com o trecho que retirei do livro mas sim com cromossomos enfim daí para frente todo mundo sabe como funciona.

----------------

Bem, quando eles
não puderam conseguir mulheres de sua própria raça para
que os seguissem, vieram à Terra e escolheram as mulheres
maiores que puderam encontrar.

É daí que nasce os híbridos que ao longo do tempo vem sendo conhecido como paranormais que sabem fazer coisas extraordinárias ou que até as vezes são clarividentes e assim por diante a maioria disso tudo são causados por híbridos. Isso não ocorre sempre mas na maioria das vezes sim.


-------------

-- Tolice, Lobsang, tolice. Você e eu temos estado
juntos em muitas, muitas vidas. Nós temos sido amigos por
uma vida após outra, e você irá continuar a missão depois
de mim.

Amigos de reencarnação na verdade bem interessante isso.

--------------

-- Veja, isto é a construção das Pirâmides. As pessoas
irão maravilhar-se mais tarde, perguntando-se como esses
grandes blocos de pedra foram movidos sem auxílio de
maquinaria alguma. Eles foram movidos por levitação.
-- Sim, senhor. Eu tenho ouvido falar bastante acer-
ca da levitação, mas não tenho a menor ideia de como se
processa.
-- Bem, como sabe, o mundo possui uma atraçâo mag-
nética. Se você lança uma coisa no ar o magnetismo terres-
tre a impele para baixo de novo. Se você cai de uma árvore o
faz para baixo, não para cima, porque o magnetismo terres-
tre é tal que você tem que cair na Terra. Mas nós temos uma
coisa que é antimagnética para a Terra, temos que mante-la
sob guarda cuidadosamente o tempo todo porque se uma
pessoa não instruída se apossar de um exemplar dessa coisa
poderia achar que tinha flutuado exatamente fora da Terra.
A queda então se processa para o alto. Como nós a contro-
lamos se deve ao fato de ter duas grades, ou lâminas metáli-
cas, uma sintonizada com o magnetismo da Terra, a outra
oposta a este mesmo magnetismo. Ora, quando os pólos do
circuito se acham numa certa posição as grades flutuarão,
142

elas não se erguerão nem descerão. Mas se você impulsionar
uma alavanca que altere a conexão das grades metálicas uma
com a outra, então numa direção a alavanca torna o magne-
tismo terrestre mais forte e, assim, a máquina vem afundar
na Terra. Mas se nós desejarmos erguê-la, então impulsio-
namos a alavanca de outro modo para que assim o antimag-
netismo surta efeito e a Terra venha a repeli-la em vez de
atraí-la, e portanto nós possamos erguê-la no ar. É esta a
coisa que os deuses usavam quando eles estavam fazendo
este mundo tal como é agora. Um homem podia erguer
esses blocos de pedra de centenas de toneladas e dispo-
los na posição certa sem esforço, e então, quando o bloco
estava na posição desejada, a corrente magnética era desliga-
da e o bloco se encaixava no lugar exato graças ao impulso
gravitativo terrestre. Eis aí como as Pirâmides foram cons-
truídas, eis como muitas coisas estranhas, em número in-
contável, foram edificadas. Temos, por exemplo, mapas da
Terra de vários séculos, e nós somos o único povo que
possui esses mapas porque apenas nós temos esses dispositi-
vos e têm sido usados para cartografar o mundo com exati-
dão.

Está ai a resposta de como as pirâmides foram construídas e olha que coisa mais interessante construção de pirâmides através de um aparelho de gravidade zero aparelho dos jardineiros é claro e os jardineiros é claro que são em outras palavras deuses que é a afirmação da minha teoria sobre os jardineiros eles tiveram e tem muitos nomes na historia e uma delas são os deuses do Egito. Osíris, seth, nut, geb, anúbis, sobek e assim por diante olha que ligação surpreendente essa que coisa é apenas coincidência? Duvido que seja. é apenas um fato que remonta os acontecimentos da época do antigo Egito.

bom quero o enfim chegou o final da conclusão foi até aqui que o texto do livro me interessou o restou não achei nada que possa afirmar minha teoria sobre o egito sobre os deuses e sendo assim já cheguei a conslusão ou no ponto em que eu queria mostrar aos meus caros amigos leitores.




Nenhum comentário: