quinta-feira, maio 17, 2007

"Teoria da Conspiração"

Olá a Todos , Bom Vou Começar As Conspirações Falando um Pouco Sobre O Governo Secreto

Bom particulamente eu acredito que possa existir um governo secreto sim , e também acredito que quando a vazamento de informação a um certo tipo de equilíbrio e controle de informação , logo depois que essas noticias vazão ninguém ao certo sabe se é verdade ou apenas boato ou invenção ou até mesmo especulação , o que acontece depois todo mundo sabe a noticia e esquecida e o governo nega qualquer autoria ou envolvimento mas no certo eles já silenciarão as testemunhas e destruirão as provas restando apenas uma pequena noticia ou uma pequena matéria ou artigo nos conspiradores trabalhamos com apenas essas pequenos artigos que foram deichados para trás , as vezes de propósito e as vezes alguém o deixou lá por deixar , que eu acredito que niguém deixaria uma noticia , matéria ou boato para trás , sempre acho que exista uma certa segurança na qual se vc falar talvez naum dure muito , ou se vc pesquisar demais onde eles não querem que ninguém saiba talvez vc esteja em perigo mas isso já leva a outro assunto que não vem ao caso falar , nos conpiradores não podemos deixar nada para trás e sempre temos que ficar me alerta Maximo a tudo ao nosso redor , uma coisa que aprendi nesses anos todos é que “ nada aparenta ser o que é ” , daí nos chamam de loucos ou doidos , bom levando em conta que na maioria dos casos um louco pode ter um grau de QI acima do normal ou abaixo de normal mas na maioria é acima do normal , mas não significa que todos os loucos são inteligentes , nos chamam de paranóicos mas não sabem que a paranóia tem suas vantagens de por exemplo sempre estar em alerta a todo e a todos sempre de olhos abertos e pronto para observar o que pode para a maioria das pessoas é normal para nós não é , bom vamos a matéria sobre o governo secreto .

“Lembrando que as palavras que estão em vermelho são utilitários para pesquisa mais a fundo sobre o assunto abordado” .


O Governo Secreto (Parte I)



...Ufos made in USA ...fim dos segredos militares ...manipulação da Humanidade...

A Luz da Verdade
No final da década de 80, o intransponível segredo a respeito dos OVNIS – adotado pelos governos mundiais – começou a ruir. Um número cada vez maior de cientistas, ex-agentes dos serviços de inteligência (Espionagem) e militares norte-americanos que haviam trabalhado nos projetos secretos tecnológicos relacionados aos alienígenas, começou a falar o que sabia.
Na verdade, essas revelações vieram fechar o “quebra-cabeças” do maior segredo da história da humanidade, pelo menos para todo pesquisador verdadeiramente capacitado a lidar com algo tão além de nossas estreitas concepções dos fatos que fazem com que a ficção científica pareça monótona e sem imaginação. Os “OVNIS” acompanhados por helicópteros da Força Aérea dos EUA, as mutilações de animais em regiões sobrevoadas por discos voadores, as abduções (seqüestros) de pessoas em todo o mundo que retornam apresentando as marcas de exames e cirurgias (implantes de microchips e coleta de amostras de sangue e esperma) realizados pelos Ets, e as penalidades impostas a pilotos (civis ou militares)e astronautas que relatem seus “encontros” no espaço, foram alguns dos intrigantes aspectos da Ufologia devidamente esclarecidos. Esses depoimentos vieram “iluminar” toda a questão do “porquê” de tanto sigilo, de tanta sabotagem e perseguição – uma verdadeira “caça às bruxas”- desferida sobre os contatados e políticos e pesquisadores que se “aproximassem demais da verdade…”.
Os pioneiros nesse processo de abertura foram o militar da Marinha dos EUA, Milton William Cooper, o físico nuclear Bob Lazar e o piloto de provas da Força Aérea dos EUA, John Lear (filho do dono da “Lear Jet”). Posteriormente, aos poucos, foram surgindo mais e mais depoimentos feitos pelo pessoal diretamente envolvido na questão como, Mike Hunt, Phil Scheneider, Thomas C., Marion Leo Willliams, Richard Boylan e outros,todos corroborando e expandindo os anteriores.
É provável que alguns deles estejam consciente ou inconscientemente) cumprindo um programa de liberação de informações para o público estabelecido pelo próprio governo, incluindo a apresentação de fotos, filmes e documentação, geralmente trazendo consigo alguma coisa truncada ou incompleta, a fim de que “sempre fique algo no ar”. Eis um resumo dessas informações.
Quem, a meu ver, apresentou o maior número de revelações bombásticas(posteriormente comprovadas uma a uma), foi Milton W.Cooper. Ele nos diz que entre janeiro de 1947 e dezembro de 1952, pelo menos 16 naves alienígenas caíram ou foram derrubadas em nosso planeta. Em dois desses acidentes, no Novo México, um total de 17 corpos alienígenas – e pelo menos 1 ET vivo – foram recuperados.
Above Top Secret - Acordo Interplanetário
Igualmente importante foi a descoberta de um recipiente contendo órgãos humanos, reunidos dentro das naves. A partir daí, a paranóia tomou conta dos integrantes do governo que tinham acesso à documentação, e o acobertamento do episódio tornou-se um assunto classificado militarmente como “Above Top Secret” acima e ultra-secreto) e considerado cinco pontos acima do sigilo da bomba atômica (Projeto Manhattan).
Em 4 de novembro de 1952, o Presidente Truman criou a super-secreta “Agência de Segurança Nacional” NSA) que tinha como objetivo reprimir a divulgação do segredo das visitas e da presença alienígena na Terra. Em 1953, o novo presidente os EUA, o general Dwight Elsenhower e seu amigo e companheiro membro de “Relações Estrangeiras” Nelson Rockfeller, planejaram a estrutura secreta da organização, cuja missão seria a de supervisionar os alienígenas. Assim surgiu o “Majestic 12”, ou “MJ.12”.
Mais tarde, em 1954, foi firmado um acordo entre os EUA e uma civilização alienígena originária de um planeta situado ao redor de uma estrela vermelha da constelação de “Órion”, chamada por nós “Detelgeuse”. O 1° contato oficial deu-se na Base Aérea de Holloman, enquanto que o acordo assinado pessoalmente pelo Presidente Eisenhower (considerado anticonstitucional e portanto ilegal) foi efetuado na Base Aérea de Edwards. Os termos desse acordo eram claros e bilaterais. Os Ets, por seu lado, teriam permissão para permanecer em nosso planeta (alegaram que seu planeta estava morrendo) e, em troca, nos forneceriam tecnologia avançada e nos ajudariam em nosso próprio desenvolvimento tecnológico. É só nos determos um pouco no “salto tecnológico” dado por nossa humanidade nos últimos 40 anos.
Cooper informa que os ETs se comprometeram a manter esse acordo exclusivamente com os EUA e, em troca, manteríamos em segredo sua presença e visitas. Em troca dessa “exclusividade”, foi-lhes permitido que continuassem a raptar seres humanos -como já vinham fazendo-, mas em bases limitadas e com o propósito de realizarem exames médicos e científicos para monitorar o nosso desenvolvimento psicofisiológico. Os alienígenas providenciariam para que as pessoas não se lembrassem dos seqüestros, enquanto o MJ-12 receberia um cronograma com relação dos humanos contatados e adaptados por eles.
Hoje, nós podemos entender a eficiente tarja de “desequilibrado mental” imediatamente aplicada pelas autoridades (e reforçada pela ignorância da imprensa e do povo em geral) a todo aquele que relatava os sofrimentos passados nas mãos dos Ets.
Cooper nos alerta para o fato de que, nesse meio tempo, outros alienígenas, de aparência semelhante à humana e pertencentes a uma “Confederação dos Mundos da Galáxia”, contatou o governo dos EUA espontaneamente, alertando-os contra esse acordo. Disseram que seríamos incapazes de lidar pacificamente com a tecnologia que passaríamos a ter e que já estávamos a caminho de nossa própria destruição; que deveríamos parar de nos matar, de poluir a Terra e os recursos naturais do planeta. Ofereceram ajuda espiritual (não tecnológica) com a condição de que desmontássemos nosso arsenal nuclear. Porém, o desarmamento não foi aceito e o tratado, portanto, rejeitado.
Curioso, no entanto, é o fato de que quando essas informações começaram a ser veiculadas, um ufólogo brasileiro que se autodenomina como sendo da “linha científica” pobre ciência se fosse esse o caso...) refutou a informação sobre o acordo ETS/EUA alegando que os alienígenas não firmariam pactos com nossos governos, já que possuem uma tecnologia muito mais desenvolvida e poderosa do que a nossa; invadiriam logo e tomariam conta de nosso planeta, transformando-nos em seus meros escravos. É bom lembrar que o autor dessas afirmações é, geralmente, muito procurado pela mídia para esclarecer o assunto OVNIS para o público... Na verdade, uma dedução desse tipo, para não dizer outra coisa, é digna, no mínimo, da ingenuidade de criancinhas de escolinha dominical, pois é óbivio que, se num pequeno planeta como o nosso, situado na borda da Via Láctea que contém bilhões de outros sistemas solares, nós possuímos uma organização como a ONU, fica evidente que, à nível de universo, devem existir, necessariamente, organizações bem mais amplas, complexas e poderosas. É bom lembrar que na casuística ufológica têm sido uma constante as referências, feitas por inúmeros contactados de credibilidade comprovada, sobre uma “Confederação dos Mundos da Galáxia”. Essa “Confederação”, segundo informação passada pelos próprios alienígenas, tem o poder de impedir que uma civilização mais desenvolvida tecnologicamente invada e escravize a de outro planeta; mas não pode interferir em nosso livre-arbítrio (no caso dos “representantes” governamentais). A partir daí, pergunta-se: o que é mais cômodo para a realização dos interesses desses seres: enfrentar uma organização universal ou, simplesmente, ceder o material necessário para que nós, com nossa tradicional ambição autodestrutiva, encarreguemo-nos de fazer o trabalho para eles?
O acordo tratou também das instalações e espaço físico que os Ets utilizaram em nosso planeta. Seriam construídas bases secretas subterrâneas nas reservas indígenas nos estados de Utah, Colorado, Novo México e Arizona; uma seria construída em Nevada numa área conhecida como “S-4”,próxima de outra área, chamada de “Área-51”, ou “Dreamland”.
Quem apresentou extensos relatórios falando de sua própria experiência como funcionário do governo norte-americano, trabalhando nessa base com a função de readaptar espaçonaves alienígenas para nossos pilotos, foi o físico Bob Lazar. Ele nos diz, entre outras coisas, que houve recentemente um cancelamento do acordo entre EUA e Ets no campo de testes de Nevada. Tais seres pertenciam à espécie “Alfa-cinzenta” (outra civilização envolvida no acordo), cujo lugar de origem era ”Zeta Reticuli 2”, que nos têm visitado há mais de 10 mil anos, também responsáveis pela nossa evolução dirigida pela bioenergética, uma de suas bases está em Dulce, Novo México.
Quem nos dá detalhes minuciosos sobre o que está envolvido nesse nosso “salto tecnológico” é o Dr.Richard Boylan, médico, PhD, e diretamente ligado aos altos escalões do governo dos EUA. Ele nos diz que é nos complexos militares industriais secretos que os discos voadores feitos nos EUA são desenhados, manufaturados e testados em vôo. Ele revela que o “Comando de Defesa da Força Aérea”, em Tonopah, Nevada, mantém quartéis-generais na área, apesar da “Base de Nellis” estar próxima. Essa área é parte de uma organização para o desenvolvimento e melhoramento de armas do “Departamento de Energia dos EUA”, integrando o “Laboratório Nacional de Sandia”,em Albuquerque, que é mais uma das empresas da “AT&T" criadas como pressuposto da defesa.
Sandia está totalmente envolvido com o sistema de defesa “Star War” criado no governo Reagan que, entre outras funções, rasteja asteróides em rota de colisão com a Terra para tentar explodi-los com mísseis nucleares),com sistema de fusão nuclear, armas de partículas, campos magnéticos, investigação laser, etc. Convenientemente,o campo de testes de Sandia está localizado apenas a 100KM da “Área 51” e é de lá que são testados os discos de “Groom Lake”(“Área 51”) e do “Lago Papoose”(“S-4”).
A Guerra do Vietnã
Em “Los Alamos” é investigada a relação existente entre os campos magnéticos e gravitacionais. Na porção do “Deserto de Mojave”, conhecida como “Antelope Valley”, estão localizadas as dependências secretas subsidiadas pelo “orçamento negro do governo”. Fundos não aplicados nos projetos secretos. Milton Cooper, por sua vez, nos diz que a solução encontrada pelo governo secreto, relativa ao arrecadamento de fundos para a construção das bases Ets/EUA, foi o tráfico de drogas controlado pela CIA: o motivo principal e velado da guerra do Vietnã foi o controle das drogas na região conhecida como “ Triângulo Dourado”, na Tailândia e Birmânia. Os que acharem isto extravagante devem ver o documentário exibido no Brasil pela GNT, emissora de TV a cabo intitulado “Dealing With Demon” (A Aliança Maldita), baseado no best-seller de Alfred McCoy “The Politics of Heroin in Southeast Asia”. Não ficam dúvidas quanto ao envolvimento da Cia com as drogas.
O Dr. Richard Boylan também nos diz que essas dependências seriam das companhias “Lockheed” (Helendale), “McDonel-Douglas” (Llano) e “Northrop”. O setor da “Northrop” está localizado no “Téjon Ranch” , nas montanhas “Tehachapi”, perto da boca do vale “Little Oak”. Esse é o lugar onde os chamados “discos voadores feitos na América” estão sendo construídos. O complexo industrial dos EUA, segundo Boylan, está “encalhando uma frota de discos voadores cujas capacidades operacionais tornam obsoletas as do bombardeiro “Stealth F-117”.
Recentemente, o documentário americano “Dreamland”, também exibido na GNT, nos mostrou imagens da “Área 51” e dos discos voadores nela sendo testados em vôo. Temos também, além das declarações dos físicos Stanton Friedman, Bob Lazar e Bruce MacCabbee, do coronel Wendelle Stevens e do político britânico Nick Hope – todos referindo-se à essa monstruosa conspiração que já dura meio século – o depoimento de uma operadora de radar da base que, após ter presenciado um teste com discos voadores, recebeu injeções na nuca e sugestões hipnóticas para que não se lembrasse do fato.
Na seqüência temos o depoimento de um engenheiro que trabalhou por 16 anos num simulador de disco voador – para treinamento de nossos pilotos – orientado telepaticamente por um ET chamado “Jarod”. Ao ser perguntado pelo entrevistador do programa sobre corpos de Ets, responde: “Corpos, não…Ets vizinhos andando entre nós; milhares de Ets cinzentos!”.
UFOS Made in USA
Sabe-se, hoje, que alguns programas foram criados pelo governo secreto e um deles foi o “Projeto Redlight” que realizava experiências e provas com naves alienígenas em vôo. Um outro projeto, designado “Snowbird”, foi formado com a tarefa exclusiva de dar explicações à população e à imprensa de cada avistamento que fosse feito por populares das naves testadas pelo “Projeto Redlight”.
O “Snowbird” construía e usava naves feitas com tecnologia convencional, que voavam exclusivamente para dar shows à imprensa e “explicar“ alguns verdadeiros avistamentos públicos de naves alienígenas. Com isso, diminuíram sensivelmente as declarações de observações de UFO’s . A troca de tecnologia atualmente ocorre no local conhecido como “S-4”, que recebeu o nome código de “The Dark Side of the Moon”. O Exército dos EUA formou uma organização super-secreta para treinar e fornecer o pessoal de segurança para todas as bases alienígenas. Esta organização foi chamada “Organização Nacional” NRO) e é baseada em Forte Carson, Colorado. As equipes encarregadas da segurança do projeto foram chamadas de “Delta”.
Thomas C., o oficial de segurança da base de Dulce, Novo México, nos afirma que existem mais de 18 mil pequenos “Ets cinzentos” em Dulce, e também alguns grandes “reptóides”, ou “humanóides reptilianos”. São andrógenos e reproduzem-se por “partogênese”. A maioria deles trabalha nos níveis 6 e 7 e mora no nível 5, onde o único sinal em inglês está num tubo de transporte: “Para Los Álamos”. Os sinais de identificação nas portas e corredores são uma combinação de caracteres alienígenas com o sistema de símbolos universais. No nível 2 ficam os trens, os transportes, as máquinas de cavar túneis e os discos voadores. No nível 4 pesquisa-se a aura humana, a telepatia, a hipnose e os sonhos.
Os pesquisadores já sabem como “separar o corpo bioplasmático do homem de seu corpo físico, para colocar uma entidade alienígena no homem, depois de removida a matriz de força da Alma”. O nível 6 abriga os laboratórios genéticos, onde se realizam experimentos com focas, peixes, pássaros e ratos, que têm suas formas originais alteradas. No nível 7, de maior segurança, ficam as celas onde milhares de cobaias humanas aguardam a vez, geralmente drogadas e confusas, e onde embriões humanóides são mantidos em geladeiras.



Analizando a I parte.

* Bob Lazar
* Majestic 12
* Área 51
* Grey
* Zeta Reticuli 2
* A Base de Dulce
* Projeto Star Wars:Acobertamento


· BOB LAZAR I Parte *


Resumo da entrevista de Jacques Vallee com Robert Lazar em Las Vegas, em Março de 1989.Robert Lazar possuía dois graus em física (ele disse) e trabalhou no Cal Tech. Era especializado na construção de detectores de partículas ALPHA, que vendia para o Laboratório Nacional de Los Alamos. Lazar foi o informante de John Lear (Lear Jets) sob a alcunha de Dennis, o homem que convenceu Lear de que cientistas alienígenas trabalhavam com humanos na Área 51."Eu estava francamente intrigado com Robert Lazar, por sua sinceridade e seu modo refrescante de pensar seriamente sobre as questões antes de respondê-las. Esta habilidade não era partilhada pela grande maioria de pessoas que entrevistei para este livro (REVELATIONS). Os outros achavam que possuíam todas as respostas, antes mesmo de que as perguntas fossem feitas. Quando apelavam para a Física, usavam de termos técnicos impropriamente, confundindo Massa com Peso e Velocidade com Aceleração. Muitos deles nem sabiam a diferença entre Galáxia e Sistema Solar, a velocidade da luz e a velocidade do som. Isto não acontecia com Lazar. Ele era preciso em sua linguagem técnica .E este fato tornava a sua estória mais curiosa.Lazar me disse que foi convocado, de forma irregular, e levado para um local em um ônibus cujas vidraças eram enegrecidas. A viatura o levou a um local no deserto, onde uma série de hangares havia sido construída dentro da montanha. Lá, dentro destes hangares, haviam nove discos voadores, muito sólidos da cor do estanho.Perguntei-lhe: " Você os viu em pleno vôo?""Uma vez, a uma distância de duzentos pés", respondeu. Do lado de baixo ele brilhava na cor azul, mas não havia ionização ao redor dele"."Qual o tipo de trabalho que você fazia lá?"Com o sistema de propulsão .........eles nos disseram que uma equipe havia cortado ao meio um dos reatores .Quando eles tentaram fazê-los trabalhar, a coisa explodiu nas suas caras. Isto aconteceu antes deles mandarem os russos embora, em Maio de 1987.Verdadeiramente, isto era um absurdo! Ninguém no seu senso normal faria uma coisa destas; um chefe de projeto não deixaria que um absurdo desses fosse feito. Lazar concordou comigo: "Isto não tem o menor dos sentidos".Avaliei que a simples presença de Lazar, também não fazia sentido. Ele disse:"Eu não sou um físico de pesquisas. Se aquelas coisas fossem, realmente, discos alienígenas, eles mereceriam os melhores cientistas deste país trabalhando com eles. Ao contrário, nos deram este trabalho, dizendo-nos que podíamos fazer o que quiséssemos com eles. Nada, por escrito, nos foi passado."O que você possuía no seu banco de trabalho, no laboratório?""Possuía um voltímetro digital", disse Lazar."Isto é tudo?" Exclamou um dos meus amigos."Também um osciloscópio.Só isto".Onde estavam os sistemas raios X de inspeção, os analisadores de multicanais, os sinais geradores de que existem as ferramentas que apontam para a alta tecnologia?Outra vez estávamos batendo na porta do absurdo. A experiência de Robert Lazar era o mais puro teatro."Quando você parou de trabalhar lá?""Em Maio de 1988. Espera, talvez em Maio de 1989"."Qual das duas datas?""Não me lembro. Estou confuso a respeito disto".A confusão era tão absurda que não me fazia pensar em distração."Você já pensou se a sua confusão a respeito destes fatos é pior do que você poderia esperar de ser?""Minha memória é meio falha a respeito disto"."O que você quer dizer com isto?""Havia um tipo de enfermaria nos fundos deste local. Eles me fizeram vários testes lá"."Poderia me descrever estes testes?""Bem, por uma vez, eles retiraram uma grande quantidade de sangue meu. Eles disseram que era necessário devido às coisas com as quais eu estava trabalhando"."O que mais?""Eles me fizeram beber um copo cheio de um líquido amarelo que cheirava a pinheiro.E me parece que me hipnotizaram, várias vezes, e nunca descobri porque"."Quantos médicos havia lá?""Elas eram mulheres, uma doutora e uma enfermeira"."Quem lhe pagava?""A Inteligência Naval"."Por que você parou?""Não me sentia bem com aquele projeto"."Quais eram as formas de sumario que recebeu?""Eram apostilas finas, tipo papéis de carta, havia cerca de 2000 delas"."Qual o sistema de controle de documentos?""Não havia números como em documentos, se é o que quer saber"."Qual a Agência que os expediu?""Não havia indicação de origem, apenas textos: leve-os ou deixe-os"."Qual o grau de classificação?""Não havia selo de segredo neles"."Haviam páginas marcadas com as palavras "Confidential ou Noform?""Nada"."Tudo isto era um absurdo. Nenhum documento pertencente a um projeto é destituído de um sistema de controle. Se aqueles textos se referiam, presumivelmente, e descreviam o projeto o mais secreto da historia, teriam que estar controlados o mais rigorosamente possível. Apesar de tudo, ele dizia que havia obtido uma amostra do famoso elemento 115 e eu lhe perguntei: o elemento 115 é radioativo?"'Evidentemente que não. Eu o guardei na minha casa"."Eu não sabia que elementos super-pesados eram estáveis"."A maioria não é. Mas existe uma zona de estabilidade para os números altos, acima de 110"."Outra vez, Lazar estava me mostrando uma sabedoria apurada da física atômica, uma classe de conhecimento que não era para ser proferida por um laico em Física. Realmente, um artigo sobre elementos super-pesados, publicado, muito estranhamente, no Scientific American de Maio de 1989, quando as estórias sobre Lazar começaram a ser bastante divulgadas em Las Vegas, dizia que os físicos esperavam que os mais elevados elementos fossem relativamente estáveis".Vallee passa a fazer considerações técnicas sobre a questão exposta acima e termina dizendo que apesar da sua honestidade, Lazar não o persuadiu a respeito do elemento 115 guardado em sua casa."Você viu algum alienígena?""Não, respondeu Lazar"."John Lear jantou na minha casa e me disse que o seu informante Dennis vira um e Dennis é você".Lazar moveu-se desconfortavelmente em sua cadeira."Bem, um colega meu me disse que se eu quisesse ver uma coisa estranha, que eu o seguisse no corredor e não parasse. Olhei através de uma porta, com algo na vidraça e vi uma cabeça, por detrás de alguma coisa que poderia ser até um boneco". Vallee forneceu a Lazar o seu endereço particular e depois desta entrevista, andou recebendo estranhas cartas de um certo general, convidando-o para passar um mês, com todas as despesas pagas, com um grupo de 12 pessoas que estavam preparando uma enorme mudança na América. O currículo do cientista francês, segundo este Coronel de Las Vegas, poderia ser de "grande vantagem"!!! O incentivo para este encontro seria o contato com alienígenas. "Quando ignorei a primeira carta ela incluía o logo do grupo, um desenho neo-nazista com uma águia escorando o símbolo SS, diz Vallee, e um "ramo" de raios, o Coronel enviou-me uma segunda carta, mais especifica. "SE você for sincero no seu desejo de contatá-los, podemos discutir o caso, mas somente se não houver envolvimento governamental"."Para demonstrar que isto significava negócios, o meu correspondente incluiu detalhada informação: longitude e latitude de um certo "avistamento" de UFO datado de Maio de 1943.Tive o pressentimento de que o problema estava entrando em uma nova e perigosa fase, e o meu sentimento foi fortalecido pelas novas revelações que vieram à luz depois que Lazar foi desacreditado".Entretanto, Vallee considera Lazar como uma vítima do que ele chama de PUPPET SHOW, se o leitor raciocinar sobre as revelações de Robert Lazar para Jacques Vallee, não será difícil imaginar PORQUE!





II Parte:


Em 1989 entra em cena Robert Lazar, engenheiro e fisico nuclear, que afirma ter sido convocado para a trabalhar num projeto secreto, chamado projeto Galileu, destinado ao estudo de naves extraterrestres. Estas naves teriam sido capturadas pelo governo norte-americano em acidentes ocorridos no sul dos EUA e estariam sendo estudadas nesta base ultra secreta. A funçao de Lazar era estudar os meios de propulsão destes discos.
Segundo Lazar o sistema de propulsão destas naves era composto por uma espécie de reator que produzia antimateria e reagia com materia numa reacao de aniquilacao. Este reator tinha apenas 45 cm de diametro por 30 cm de altura e localizava-se no centro do disco. A forma como acelerava protons no reator e a forma como o calor era convertido em eletricidade eram totalmente uniformes, sem qualquer desperdicio de calor ou de energia latente. O reator parecia ser alimentado com um elemento nao encontrado na Terra. Parte de sua contribuicao no projeto era descobrir que elemento era este e onde ele se ligava à tabela periodica dos elementos quimicos. Depois de muitas pesquisas sua equipe chegou a conclusao que esse elemento seria de numero atomico 115. Alem disso, em todos os discos voadores existentes no setor S-4 da area 51 haviam amplificadores gravitacionais, posicionados um junto do outro em suas bases, os quais eram os mecanismos de propulsao das naves.
O que e antimateria? E possivel construir um propulsor de antimateria? O que ha de verdade por detras das declaraçoes de Bob Lazar? Bem, vamos por partes...
O que sao antiparticulas?
Em 1897, Joseph John Thompson, baseado em experiencias de varios Fisicos e de seu proprio grupo, mostrou que os raios catodicos eram constituidos por particulas com carga eletrica negativa, batizadas por G. Stoney como eletrons em 1891. Esta e outras descobertas notaveis no fim do seculo passado abriram novos horizontes no mundo da Fisica que culminaram, no inicio desde seculo, com os modelos atomicos de Ernest Rutherford e Niels Bohr. Desde entao, os fisicos comecaram a compreender que toda a materia compunha-se de certos tipos diferentes de particulas. Em 1930, o fisico Ingles Paul Dirac, um dos grandes responsaveis pelo desenvolvimento da mecanica quantica, estava desenvolvendo uma teoria matematica para descrever o comportamento dessas particulas, quando concluiu que cada tipo de particula deveria ter sua particula oposta. A teoria de Dirac previu existencia de uma particula de mesma massa que o eletron, mas com uma carga positiva, batizada de "antieletron". Do mesmo modo, tambem previu uma particula com a mesma massa que a do proton, mas com uma carga negativa. De fato, estas particulas foram posteriormente descobertas, de forma que hoje temos um "antieletron" ou "positron", um "antiproton", um "antimeson" e outras antiparticulas. Hoje sabemos que para a maioria das particulas conhecidas existe uma corresponde antiparticula.
Qual a definicao de antimateria ?
Desde do seculo passado sabemos que a materia que conhecemos e formada por atomos, que por sua vez são compostos de protons, eletrons e neutrons. Do mesmo modo, um antiatomo seria composto por um antiproton, um antieletron e um antineutron. Esses antiatomos se agregariam em (anti)moleculas, que por sua vez formariam a antimateria. Assim, a antimateria é formada por antiparticulas que tem a mesma massa e spin que suas particulas correspondentes, porem com carga oposta. Pelo menos em tese, com os antiatomos e as antimoleculas seria possivel criar um mundo de antimateria habitado por antiseres! Certamente é um pensamento ousado, mas é possivel que existam regioes no universo onde a antimateria é dominante, e a materia que nos conhecemos sendo criada somente em reaçoes nucleares para ser logo aniquilada, como acontece com a antimateria no universo que conhecemos, e se a vida não é fenomeno unico na Terra, como imaginamos, não ha razão para que estes antiseres não possam existir!
Até recentemente, a existencia de antimateria so era constatada pelas antiparticulas e nao existiam evidencias experimentais de que estas antiparticulas pudessem se agrupar para formar agregados macroscopicos. Na realidade nenhum antiatomo jamais foi (havia sido) criado em laboratorio. É verdade que alguns cientistas afirmavam informalmente que pesquisadores de Harvard estavam no limiar da produçao do atomo de anti-hidrogenio (ou um antiatomo de hidrogenio). Agora, de acordo com o jornal O Guardiao (The Guardian) da Alemanha, pesquisadores acreditam que ja podem produzir uma forma de antimateria, que um dia podera ser usado como propulsor de uma nave espacial. Pesquisadores do Fermi National Accelerator Laboratory (EUA) ou FERMILAB, o laboratorio de aceleraçao de particulas do departamento de Energia norte-americano, em Illinois, acham que é possivel criar atomos de anti- hidrogenio com uma eficiencia que lhes permita estudar pelo menos suas propriedades e fornecer meios de provar teorias fundamentais da fisica. No FERMILAB, a antimateria não é coisa de ficção científica. É a pesquisa básica de milhares de cientistas que utilizam as suas instalações. Talvez, essa nova descoberta e as pesquisas destes milhares de cientistas, permitam no futuro reproduzir um sistema de propulsão, como o usado pela nave USS Enterprise da serie de ficção científica Jornada nas Estrelas ou, quem sabe, se for verdadeiro, reproduzir o sistema de propulsão dos UFOs supostamente investigados por Bob Lazar.
O fato é que quando a antimatéria entra em contato com "a materia normal", os dois estados se niquilam e produzem energia pura. O potencial dessa forma de energia a muito tempo era conhecido pelos escritores e aficcionados da ficção científica, mas ainda não podia ser levado a sério porque a antimateria não existe naturalmente na Terra e era (ou é) extremamente difícil cria-la. Alias, um dos grandes misterios do mundo que conhecemos é que não se sabe a razão de existir mais materia que antimateria no Universo.
Mas, voltando ao que diz Bob Lazar, mesmo que já se possa criar antimateria em laboratório, mesmo que se possa usar esta forma de energia para impulsionar naves terrestres ou UFOs, ainda existem outros grandes problemas e um deles é o armazenamento desta forma de energia. O caminho viavel passa por campos magnéticos, que são absolutamente essenciais para lidar com quantidades substanciais de antimateria sem que ocorra uma catastrofe. O sistema de armazenamento de antimateria a bordo de uma nave espacial devera ser semelhante ao utilizado pelo FERMILAB para armazenar antiprotons durante longos periodos. Como os antiprotons e os antieletrons são particulas carregadas eletricamente é necessario a presença de um campo magnetico forte para manter essas particulas aprisionadas em orbitas circulares. Logo, se as particulas são aceleradas em campos eletricos e então um campo magneticos de intensidade apropriada é aplicado, as antiparticulas viajam em circulos de tamanho predeterminado. O que permite que eles sejam armazenados em dispositivos em forma de anel onde as antiparticulas nunca tocam as paredes, evitando desse modo que se aniquilem em uma grande explosão.
Este principio tambem é usado nos reatores experimentais do tipo TOKOMAK, utilizados para armazenar plasmas de altas temperaturas para o estudo da fusao nuclear controlada, onde um plasma a aproximadamente 107 K nao pode ser confinado nos reatores convencionais. Como este novo estado da materia (plasma) e constituido de eletrons e ions carregados, é possivel o seu confinamento por campos magneticos. Os ions e os eletrons executam trajetorias helicoidais em torno de linhas de indução magnetica, que se fecham ao longo de um toroide. Isto é a base dos reatores de fusão do tipo TOKOMAK, em funcionamento experimental na antiga RUSSIA e EUA. O reator TOKOMAK é semelhante a um transformador onde o circuito secundario e constituido por um toroide que confina o plasma. O grande problema e que os TOKOMAKs, que em principio poderiam ser usados como modelo para construcão de um dispositivo de confinamento de antimateria, são de dimensoes gigantescas. No entanto, é possivel que uma ciencia muito mais avancada que a nossa consiga armazenar a antimateria em pequenas "garrafas magneticas".
De qualquer forma, mesmo que estas novas descobertas permitam criar um propulsor a base de antimateria e, tambem, criar pequenas "garrafas magneticas" para transportar o "combustivel", como os supostos discos voadores estudados por Bob Lazar, ainda restaria o problema da velocidade da luz. Segundo a Teoria da Relatividade Especial, do grande Fisico alemão Albert Einstein, a velocidade maxima que um corpo pode atingir é a velocidade da luz e, alem disso, existe uma relaçao entre massa e energia dada pela equacao E = mc2 (energia = massa X velocidade da luz ao quadrado), que nos diz que toda energia do Universo nao seria suficiente para acelerar um grao de areia, quanto mais uma nave espacial, para alem da velocidade da luz. Certamente são argumentos fortes de uma grande teoria que tem resistido a todas as provas e, em principio, teriamos que concordar que as viagens interstelares sao praticamente impossiveis de serem realizadas. E ainda, como as leis Fisicas sao universais, o que significa dizer que daqui a um milhao de anos a Teoria da Relatividade sera tao valida quanto ela o e nos dias atuais, independente das novas descobertas da nossa ciencia que certamente acontecerao, se essas naves existem e são oriundas de civilizaçoes mais adiantadas, por mais adiantados que elas estejam, elas tambem estariam limitados por estas leis da Natureza e jamais conseguiriam empreender viagens interstelares em nossa direção. Logo, eles não poderiam estar entre nos! Assim, em principio, se Lazar realmente viu alguma nave na Area 51, essas naves não poderiam ser extraterrestres, independentemente da propulsão por antimateria ser possivel ou nao!
Mas, para os defensores de Bob Lazar, nem tudo esta perdido! Apesar das poucas informaçoes disponiveis, ainda restam os "amplificadores gravitacionais". Como funcionariam estes amplificadores? Ainda segundo Bob Lazar, estes dispositivos seriam os verdadeiros "motores" das naves. Bem, quanto ao seu funcionamento nada podemos afirmar de concreto, primeiro porque dispomos de poucas informaçoes e, segundo, mesmo que tivessemos mais informaçoes não acredito que nossa ciencia teria condiçoes de entender, pelo menos nos proximos 30 anos, não so os principios Fisicos envolvidos como todos os mecanismos que possibilitariam a estas naves empreender viagens à pontos tão distantes do nosso universo. Mesmo assim, podemos fazer algumas suposiçoes...
Do ponto de vista da mecanica quantica, para que haja ação de uma forca, e necessaria a troca de particulas virtuais entre os corpos envolvidos e, desde da explicação da radiacão do corpo negro por Planck em 1900, estas particulas são chamadas individualmente de "quantum". Desde 1905, com a explicação que Einstein deu ao efeito fotoeletrico, sabemos que o "quantum" de energia da força eletromagnetica e o foton. Do mesmo modo, para que a Terra gire em torno do sol, os dois ficam trocando bilhoes de gravitons, que e a particula que (provavelmente) faz a mediaçao da força gravitacional. Qual a relaçao entre os gravitons e as declaraçoes de Bob Lazar? Sera que a funçao desses amplificadores e intensificar a ação desta "força gravitacional", distorcendo o espaco-tempo e criando atalhos para outras regioes do universo?
Desde a publicacao da Teoria da Relatividade Generalizada, por Einstein em 1916, que a gravidade, definida pelo grande Newton como sendo a forca de atração entre dois corpos, deixou de ser uma forca e passou a ser uma entidade relacionada com "distorcão do espaco-tempo". Assim, a presenca de uma massa no espaco seria capaz de "entorta-lo", de "curvar o espaco" como se o mesmo fosse uma folha de borracha. Esta nova visão do mundo possibilitou aos cientistas vislumbrar novas teorias e possibilidades muito mais excitantes, jamais sonhadas pelo homem. Junto com o espaco curvo vieram os buracos negros, os buracos de minhoca, a velocidade de dobra, o espaco deformado do fisico mexicano Miguel Alcubierre e, ate mesmo a possibilidade de viagens no Tempo. A grande verdade e que o espaco curvo abre todo um universo novo de possibilidades.
Assim, e possivel imaginar que esses "amplificadores gravitacionais" não sejam simples sistemas de propulsão e sim dispositivos com capacidade para realizar distorcoes no espaco-tempo com intensidade suficiente para criar atalhos (ou, como alguns preferem, portais) para mundos distantes. Mas isso não passa de simples especulacão! Por outro lado, a Teoria da Relatividade Geral e tão complexa, que significa que ainda hoje não compreendemos completamente todas as suas consequencias e, portanto, não podemos excluir todas as possibilidades existentes, por mais absurdas que elas possam parecer no momento.


III Parte:

Bob LazarEx-engenheiro da Nasa declara já ter trabalhado com espaçonaves extraterrestres na Área 51

o noroeste da cidade de Las Vegas (EUA), conhecida mundialmente pelos seus cassinos e a uma distância aproximada de 210 quilômetros através do deserto, situa-se a área de testes atômicos de Nevada. Até pouco tempo atrás esta região não existia oficialmente, pois é lá que se encontra, próximo ao lago de Groom Lake, a ultra-secreta Área 51. Só recentemente o governo americano reconheceu a sua existência. Contudo, reconheceu como sendo somente uma simples área de testes, se é que se pode chamar de "simples área de testes" uma região onde se realizam testes atômicos. De qualquer forma, parece que não é bem assim. Construída pela Lockheed em 1955 para desenvolver o fantástico avião espião U-2 para a CIA, a Área 51 tem sido palco de fantásticos acontecimentos. Algo de estranho aconteceu (ou acontece) naquela região. Se, como o governo americano afirma, era uma simples área de testes, por que tanto segredo? Por que tanta segurança? Por que usar a violência contra as pessoas que tentaram se aproximar da região? Por que o controle do tráfego aéreo?Em 1989 entra em cena Robert Lazar, supostamente engenheiro e físico nuclear, que afirma ter sido convocado para a trabalhar num projeto secreto, chamado projeto Galileu, destinado ao estudo de naves extraterrestres. Estas naves teriam sido capturadas pelo governo norte-americano em acidentes ocorridos no sul dos EUA e estariam sendo estudadas nesta base ultra secreta. A função de Lazar era estudar os meios de propulsão destes discos.Segundo Lazar o sistema de propulsão destas naves era composto por uma espécie de reator que produzia antimatéria e reagia com matéria numa reação de aniquilação. Este reator tinha apenas 45 cm de diâmetro por 30 cm de altura e localizava-se no centro do disco. A forma como acelerava prótons no reator e a forma como o calor era convertido em eletricidade eram totalmente uniformes, sem qualquer desperdício de calor ou de energia latente. O reator parecia ser alimentado com um elemento não encontrado na Terra.Parte de sua contribuição no projeto era descobrir que elemento era este e onde ele se ligava à tabela periódica dos elementos químicos. Depois de muitas pesquisas sua equipe chegou a conclusão que esse elemento seria de número atômico 115. Além disso, em todos os discos voadores existentes no setor S-4 da Área 51 haviam amplificadores gravitacionais, posicionados um junto ao outro em suas bases, os quais seriam os mecanismos de propulsão das naves. Especula-se que esses "amplificadores gravitacionais" não sejam simples sistemas de propulsão e sim dispositivos com capacidade para realizar distorções no espaço-tempo com intensidade suficiente para criar atalhos (ou, como alguns preferem, portais) para mundos distantes. Mas isso não passa de simples especulação! Por outro lado, a Teoria da Relatividade Geral é tão complexa, que significa que ainda hoje não compreendemos completamente todas as suas consequências e, portanto, não podemos excluir todas as possibilidades existentes, por mais absurdas que elas possam parecer no momento...

IV Parte:

Façanha científica desmascara “revelações” de Bob Lazar sobre combustível de ÓVNIS

No começo deste ano, com pompa e circunstância, foi trazido ao mundo um novo elemento da tabela periódica, o elemento de número atômico 115. Há muito tempo químicos e físicos tentavam realizar este “nascimento”, mas até agora os esforços tinham sido em vão. Finalmente, uma equipe de cientistas do Joint Institute for Nuclear Research (JINR), na Rússia em parceria com o pessoal do Lawrence Livermore National Lab, dos Estados Unidos, conseguiu produzir quatro preciosos átomos desse elemento.
Antes mesmo de nascer, o 115 já tinha um nome provisório: Unumpentium. Ele faz parte dos elementos super-pesados e é radioativo. Para quem ler o texto do anúncio em http://newton.ex.ac.uk/aip/latest.html, porém, está reservada uma surpresa: lá está escrito que “A longa vida observada para o elemento 115 sugere que os físicos podem estar mais perto “da zona de estabilidade”. Esta zona de estabilidade é algo que a físico-química teórica previa para elementos super-pesados mas que até agora está só na teoria. Mas não se pode deixar enganar por esta “longa vida”. Mesmo que os 90 milisegundos que duraram os átomos pareçam uma enormidade para a química nuclear, foram apenas suficientes para identificar que o elemento 115 esteve ali pelos seus produtos de decaimento radiativo (os átomos nos quais se transformou ). Neste caso, o primeiro produto do decaimento radioativo parece ser o elemento 113, fazendo da descoberta uma dupla façanha, já que este elemento também está sendo visto pela primeira vez. Alguns átomos têm em seu núcleo quantidades incompatíveis de neutrons e prótons, que não conseguem fechar um pacote bem equilibrado, e, espontaneamente, emitem partículas até se transformarem em outro tipo de átomo, menor e mais estável. Isso é o que se chama de decaimento radioativo ou radioatividade. Deste processo resulta a diminuição, ao longo do tempo, do número de átomos radioativos originais de uma amostra.
Bem... o leitor agora deve estar se perguntando: mas o que isso tem a ver com a Ufologia? Para quem chegou a levar as estórias de Robert Lazar (ou Bob Lazar) sério, estes cientistas sintetizaram aquilo que ele descreveu como sendo o combustível propulsor de um disco voador que examinou, quando trabalhava, segundo ele, na mais famosa base secreta do mundo, a Área 51.
O incrível relato de Robert Lazar ficou conhecido no mundo todo. E se os leitores lembrarem bem do que ele falou a respeito do elemento 115, uma bela quantidade dessa substância teria sido “emprestada” por ele, que a levou até a sua casa para a examinar com mais calma...
É possível tentar imaginar Bob Lazar pegando uma boa quantidade do elemento 115, levando-o para casa e colocando-o sobre a mesa da cozinha. De cor laranja, ele descreveu à época, em suas muitas aparições na mídia. Supondo que a meia-vida (tempo em que a metade da amostra inicial leva para se transformar em outro material) do e-115 é de 45 milissegundos, e que Lazar se apossou de um quilo inteiro do Unumpentium para “estudá-lo”, 45 milissegundos (ms) mais tarde sobrariam apenas 500 gramas da substância original. Mais outros 45 ms e ficariam só 250 gramas... Outras 30 meias vidas mais tarde, ele teria menos do que um micrograma, algo menos que uma pestana de uma pulga, para efeito de comparação. E não seria muito prudente estar junto com Bob Lazar quando ele levou este material para casa.
E quanto duram 30 meias vidas? Isto é 30 x 45 milissegundos, ou 1,35 segundos. Bob deve ter dirigido incrivelmente rápido até sua casa. Pode-se questionar ainda sobre como foi fácil para Lazar (ou qualquer outra pessoa) levar material radioativo para fora dos laboratórios da “Área 51” (ou de qualquer outro lugar com restrições de segurança militar), o local de testes em Nevada, em um impulso, sem ser descoberto. Mas nem seria preciso. Ao que parece, a pá de cal definitiva neste engodo foi dada pelo próprio elemento que ele tornou tão famoso. A fama foi tanta que não seria surpresa se alguém sugerisse batizar o recém-nascido elemento de “Lazário”. Claro essa não é minha opnião mas talvez seja para alguns mas não para mim , acredito mais em memória seletiva um tipo de lembrança implantada , pasicamente neste século não existe tal tecnologia mas digamos que de outros seres sim acho que possa ser isso , bom se o matassem Robert Lazar ganharia e sua historia se mostraria verdadeira então o deixarão vivo mas quase sem provas nenhuma como a maioria das pessoas acredita somente se tiver provas 100 % plausíveis então pra muitos lazar é somente mais um nessa historia toda, agora a detelhes que nos deixa a duvidar será que ele foi e esteve na área 51, bom acho que quem achar provas disso não vivera muito tempo até que eles te silencie também , ah são muito bons nisso , fazer parecer um acidente , ou morte natural tipo enfarto , fazer vc sumir criar uma nova identidade para vc , e a pessoa ao descobrir essa prova estaria pondo em risco sua família , amigos no geral , então eu pergunto será que alguém vai correr esse risco , quer dizer fale a pena acabar com sua vida pra provar algo que eles vão desmentir seus esforços não valeria de nada , isso se não fizerem uma memória seletiva em vc implantarem informação errada para que vc passe essa informação para outras pessoas e pela mídia ajudaria a eles e não ajudaria em nada a descobrir a verdade oculta .

· Majestic 12



Magic vs. "Majic"Uma Comparação da Criptoanálise Pré-Guerra de Códigos Japoneses e o Espúrio "Majestic 12





Em dezembro de 1984, um pacote foi entregue na casa de Jaime Shandera, um produtor de televisão e escritor de Los Angeles. Ele continha um rolo de 35 mm de filme não processado que, quando revelado, provou conter fotografias de supostos documentos de governo secretos que descreviam a recuperação de uma nave extraterrestre caída no deserto do Novo México em 1947. Especificamente, os documentos eram (pretensamente) um memorando do Presidente Truman para o Secretário de Defesa Forrestal, autorizando que ele começasse a "Operação Majestic 12"; um memorando de sete páginas ao presidente eleito Eisenhower, relatando a ele o status das operações Majestic 12 no estudo (e encobrimento) do acidente no Novo México; e um memorando de Robert Cutler, um assistente do Presidente Eisenhower, ao Chefe da Força Aérea Nathan Twinning.
Por várias razões (veja artigo relacionado), a maioria das pessoas concluiu que estes documentos são fraudes totais. Sua proveniência é desconhecida, há erros sérios em sua preparação e estrutura, e as alegações deles estão freqüentemente em conflito com fatos históricos conhecidos. A UFOlogia está repleta de fraudes, de estórias de contatados nos anos cinqüenta ao absurdo filme da "autópsia alien" de apenas alguns anos atrás. O caso Majestic 12 é mais ambicioso que o resto. O(s) forjador(es) deliberadamente brincam com personagens reais, de presidentes, a generais, a cientistas famosos, envolvendo-os em uma conspiração espúria para encobrir a "verdade" de um acidente OVNI. Desde a liberação da estória Majestic 12 há dez anos atrás, o cabal fantasma de militares e cientistas se tornou uma base do folclore UFO, figurando até mesmo na série de TV "Dark Skies" como o grupo secreto que comanda todos os Estados Unidos por detrás das cenas. Como tantos outras partes falsas do folclore UFO, Majestic 12 provavelmente nunca irá embora. Uma pergunta mais relevante poderia ser: De onde ele veio? Há candidatos principais para a honra duvidosa de ter criado os falsos documentos. Não é meu propósito aqui apontar o dedo de culpa; se os leitores forem curiosos e pesquisarem a literatura disponível reconhecerão quem são os suspeitos. Meu propósito aqui é sugerir quais influências não-OVNI inspiraram os forjadores a criar o misterioso Majestic 12. Códigos Mágicos e Falsificações Majestosas Nos documentos, duas abreviações em código são usadas em lugar do nome completo "Majestic 12", e elas são "MJ12" e "Majic". O uso do último é particularmente interessante já que representa, acho eu, uma tentativa deliberada de ligar o falso grupo de encobrimento UFO a uma real operação secreta conhecida como "Magic" (Mágica). Assim as pessoas que soubessem algo sobre a história de operações de inteligência nos anos quarenta poderiam associar os dois rótulos em suas mentes, e o Magic real emprestaria credibilidade ao Majic falso. "Magic" era o nome de cobertura usado para o deciframento da máquina japonesa de codificação diplomática em 1940. Os japoneses haviam introduzido uma nova máquina avançada de codificação, a Tipo 97, ou "Bei Gwa" (Máquina "B") em 1937 para salvaguardar suas mensagens diplomáticas de olhos estrangeiros. O projetista chefe do Bei Gwa era o Capitão (posteriormente Almirante) Jinsaburo Ito que partiu da habitual mecânica de máquinas de codificação operadas por rotor (como a máquina Enigma alemã) para incorporar interruptores de passo rotativos no mecanismo. Os interruptores de passo introduziram transposições adicionais no processo de codificação para dez à quinta potência (10 x 10 x 10 x 10 x 10). Os japoneses acreditavam que a Bei Gwa era imune à decodificação. Esse não era o caso. Um time americano de criptoanalistas, conduzido pelo brilhante William F. Friedman, começou a atacar as mensagens Bei Gwa em 1938. Usando métodos estatísticos avançados que Friedman foi um dos primeiros a avançar, os americanos rapidamente determinaram a natureza da máquina de código japonesa, mas levaram dois anos para quebrar o código. A inovação veio quando um jovem criptolólogo do Exército, Harry Lawrence Clark, teorizou que os japoneses não poderiam estar usando rotores em sua máquina e deduziu que interruptores de passo eram a chave. Depois disso, uma máquina de ensaio foi montada em grande segredo, e o código Bei Gwa estava comprometido. O nome de cobertura americano para o código Bei Gwa era "Púrpura". O almirante Walter S. Anderson, chefe do Escritório de Inteligência Naval (ONI) em 1940, deu à quebra do "Púrpura" o nome de código "Magic" (Mágica). Este era um rótulo caprichoso naquele momento, uma referência tanto ao brilhantismo incrível dos criptoanalistas como também ao tom oculto ligado à criptografia desde a Idade Média. Mensagens japonesas individuais, uma vez decifradas, eram chamadas de "magics" (mágicas), com M minúsculo. Pessoas que tinham acesso a mensagens "Púrpura" eram conhecidas como "Ultras". Por causa da importância extrema do conhecimento de que o Bei Gwa tinha sido quebrado, "Magic" também se tornou uma classificação de segurança, muito mais alta que Top Secret. Toda a vantagem ganha em ler mensagens japonesas seria perdida se os japoneses soubessem que o Bei Gwa estava comprometido. Tão convencidos estavam os japoneses da infalibilidade da Máquina B que eles nunca a abandonaram, até mesmo quando houve evidência de que os americanos a haviam penetrado. A história do Magic permaneceu um segredo nacional durante algum tempo depois da guerra, assim como a solução anglo-franco-polonesa da máquina de códigos alemã Enigma. Pelos anos 60 livros começaram a aparecer sobre a quebra de "Púrpura": The Broken Seal de Ladislas Farago e The Codebreakers de David Kahn ambos saíram em 1967. Em 1970 um grande filme de semi-documentário, Tora! Tora! Tora! foi lançado, que descrevia dramaticamente a operação "Magic", a segurança cercando-a e o grupo pequeno de líderes americanos que sabiam sobre isto. [Algumas palavras sobre nomes de código e como os militares norte-americanos as usavam. Durante a Segunda Guerra Mundial, a criação de nomes de código foi sistematizada, e foram compiladas em livros listas de codinomes aprovados ara uso oficial. Codinomes nunca eram reutilizados, e às vezes uma operação poderia ser renomeada se seu propósito mudasse ou sua segurança fosse comprometida. Assim a invasão do Norte da África foi chamada "Torch" (Tocha), a operação da Normandia "Overlord", etc. Na "declaração do operador cinematográfico" associada com o filme da autópsia alien, era alegado que a recuperação de corpos alienígenas no deserto em 1947 possuía o codinome "Anvil" (Bigorna), mas foi logo notado que "Anvil" era o primeiro codinome para a invasão do sul da França em 1944. Convenientemente, "Anvil" desapareceu das versões impressas da declaração do operador cinematográfico da autópsia alien... Seria interessante pesquisar os arquivos para ver se o codinome "Majestic" foi alocado a qualquer operação na Segunda Guerra Mundial.] O(s) forjadore(s) que criaram os documentos Majestic 12 sabiam bastante sobre história para incluir generais proeminentes e cientistas reais na lista de alegados membros. Eles escolheram cuidadosamente 12 homens que estavam todos mortos antes de 1984 e assim não poderiam negar já ter sido membros do MJ12. O membro mais incomum (do ponto de vista dos aficionados OVNI) era o Dr. Donald Menzel, o astrônomo de Harvard que publicou alguns livros sarcásticos e superficiais desmascarando OVNIs. Quando um pouco de pesquisa trouxe a "revelação" de que Menzel havia trabalhado para algumas agências de inteligência durante a guerra e possivelmente depois dela, isto foi saudado como prova de que ele era um membro do MJ12, e de fato como prova de que o MJ12 realmente existiu. O fato claro é, quase todos os cientistas nos EUA tiveram algum papel na guerra e na guerra fria que se seguiu, seja em pesquisa e desenvolvimento de fato ou como consultores em assuntos nos quais eles eram peritos. A carreira de inteligência de Menzel é escassamente surpreendente a qualquer um que entenda como os recursos nacionais da América foram utlizados durante a guerra.



História real "Magic":
"Majic" alega:
A operação mais secreta nos EUA, até mesmo mais que o projeto da Bomba atômica.
idem
Acesso altamente restrito por razões de segurança.
idem
Tecnologia nova e análise científica avançada envolvida.
tecnologia "alien", corpos "alien"
Aqueles que sabiam incluiam militares de alta patente e cientistas renomados.
idem
A operação gera níveis novos de classificação de segurança: magic, ultra.
"majic", "MJ12", etc.
A operação continuou depois de um evento seminal (Pearl Harbor) com importância crescente.
MJ12 continua a estudar aliens mesmo depois do acidente no Novo México. MJ12 existe até hoje.
Guardou pedaços de informação liberados ao público depois de eventos por alguns dos envolvidos
Fotocópias enviadas a Jaime Shandera, associado de Stanton Friedman e William Moore, pesquisadores UFO bem conhecidos que haviam publicado previamente um livro sobre o incidente em Roswell.
Estes paralelos demonstram amplamente a possível inspiração pelo "Magic" histórico para o falso "Majic". Em conjunto com a falta de conhecimento da procedência e os erros nos próprios documentos, não parece haver nenhuma razão para considerar os documentos MJ12 como qualquer coisa além de ficção -- e ficção mal-feita, se for assim.

Teoria Majestic 12

Ateoria é mais ou menos assim: um grupo secreto dentro do governo americano (conhecido como Majestic-12, ou Jason Society ou ainda Jason Scholars) concedeu aos Greys grandes faixas de terra no sudoeste americano, próximo da área de Four Corners e nessas terras foram construídas grandes bases subterrâneas, conhecidas como DUMBs (Deep Underground Military Bases - ou seja, Bases Militares subterrâneas profundas). Desses locais, os Greys são capazes de abduzir seus escolhidos com muito mais facilidade e menos chance de serem observados, obtendo assim locais para a abdução mais perto das suas locações. Isto proporciona menos tempo disponível para a reação e também para a detecção do fato. Tudo isto é conhecido como "Teoria da Troca de Tecnologia entre o Governo dos Estados Unidos e os Aliens" e é uma teoria muito popular, em vários níveis, entre muitos pesquisadores e outros, os quais acreditam que o governo está constantemente mentindo sobre o seu envolvimento com o fenômeno OVNI, mantendo as informações secretas, ao mesmo tempo em que usa táticas de desinformação para fazer com que todas as testemunhas pareçam, no mínimo, tolas.

Área 51


I Parte:

A Área 51 está localizada no Campo de Testes de Nevada, onde há muitas décadas vêm sendo desenvolvidos projetos ultra-secretos, inclusive aviões de espionagem como o U-2 e o SR-71, a nave Stealth e a tecnologia associada à Iniciativa de Defesa Estratégica ( conhecida como "Guerra nas Estrelas" ). Nos últimos anos, muitas pessoas informaram ter visto luzes estranhas em manobras que as aeronaves convencionais não fazem, como voar em grande velocidade, parar abruptamente e permanecer pairando no ar por longos períodos. As primeiras aparições foram quase todas à noite, mas em alguns casos as testemunhas viram-nas ao reflexo do luar e puderam, por isso, determinar que pareciam enormes triângulos. Passaram a surgir boatos de que, com base em discos extraterrestres acidentados, eram desenvolvidos sistemas de acionamento gravitacional e tecnologia de campo de força para propulsão de aeronaves. Originou-se, então, um certo folclore-ficção científica que fala de contatos entre extraterrestres e o governo, inclusive de um tratado pelo qual os alienígenas fornecem tecnologia ao governo americano em troca de permissão para raptar cidadãos.

II Parte :

O que é a "Área 51"?


A “Área 51” é parte de uma base de testes da Força Aérea Americana, ao norte de Las Vegas, Nevada. Seu surgimento em meados dos anos 50 está ligado à CIA e à companhia de aviação Lockheed, e em particular com a criação e testes do avião espião ícone da Guerra Fria, o U-2. Mas o famoso nome foi designado pela Comissão de Energia Atômica, por nenhum grande motivo em especial: outras partes da base de testes de Nevada eram designadas como outras áreas numeradas pela comissão. Que a “Área 51” fosse referência a um 51o estado americano é mais uma das histórias em torno da mais famosa base “secreta” do mundo.
De concreto, sabe-se que além do U-2, aviões como o A-12, o SR-71, o F-117A, entre outros, foram testados e desenvolvidos na base. Da sopa de letrinhas e números, basta dizer que o SR-71 é detentor do recorde de velocidade e altitude de um avião tripulado, e o F-117 é o avião “invisível” ao radar. A base de testes de Nevada também foi palco para experimentação de diversas armas, incluindo testes nucleares na atmosfera e aviões soviéticos capturados.
O que realmente lançou a base ao estrelato foram as alegações de um homem chamado Robert Lazar, que em 1989 disse ter trabalhado com a “engenharia reversa” de naves alienígenas dentro da base. Mas, além de histórias repletas de problemas, como um material radioativo que ele teria levado no bolso até sua casa e deveria tê-lo matado se existisse, ele não forneceu nenhuma prova. Suas credenciais acadêmicas eram falsas, e ele havia declarado falência pessoal pouco antes. Nada disso impediu que a “Área 51” entrasse para a cultura popular em filmes como “Independence Day”.
Curiosos que se aproximam da base, e adentram o terreno circundante – também reservado – são abordados e detidos por seguranças, podendo ser multados. Há placas que advertem sobre o “uso de força letal autorizado” contra intrusos, mas não se conhece nenhum incidente em que o aviso foi algo além de um espanta-turistas. O estado de Nevada distribui pôsteres turísticos sobre a visita às proximidades da “Área 51”, e a estrada próxima foi oficialmente nomeada em 1996 a “Rodovia Extraterrestre” pelo governador do estado.
Mas o governo americano não reconhece nem nega a existência da “Área 51”. Em resposta a processos ambientais, anualmente o presidente americano renova uma determinação de isenção de regulamentos ambientais do “local de operações da Força Aérea próximo de Groom Lake, Nevada”. Em 2001, funcionários da base chegaram a entrar em greve por dois dias. Algo bem terrestre.

III Parte :

Área 51.


Jacques Vallee fazia uma conferência em São Francisco, quando ouviu falar, pela primeira vez, na Área 51. Devido ao desgosto que lhe provocara a "Experiência MJ-12", quando ficou provada a credibilidade dos que professavam a ufologia, ele confessou que não deu atenção aos novos rumores.O seu interesse só foi despertado num "encontro" sobre o tema: "Anjos, Alienígenas e Arquétipos". Tomaram parte neste encontro: Whitley Strieber, Dr. Keneth Ring, Linda Howe e Bill Moore.Bill Moore ainda citava o seu "Aviário"... Linda Howe anunciava que se encontrara com um investigador extraordinário chamado John Lear, filho do inventor dos jatos Lear. Na atmosfera ainda rarefeita da "Teoria MJ-12", alguns (e o próprio Lear) julgavam Bill Moore e os seus falcões e condores, pobres vítimas que tinham sido manipuladas pelo governo para a divulgação de uma farsa, talvez, para esconder algo muito mais real e muito mais secreto. Este algo, logicamente, dizia respeito aos alienígenas. Alienígenas vivos, que estavam trabalhando com os melhores cientistas americanos, escondidos em bases situadas no oeste dos Estados Unidos. Se isto fosse provado, o MJ-12 teria sido uma farsa irrelevante diante de uma situação real que envolveria todo o planeta. As notícias circulantes informavam a presença de 600 extraterrestres trabalhando na Área 51, no deserto, Bill Moore e o Aviário, comentava-se, haviam perdido o seu tempo espalhando a farsa do MJ-12, enquanto uma tremenda realidade os espreitava silenciosamente. Bill Moore fizera um estrago, dizia-se, como promotor da FARSA governamental!Houve gente que rechaçou estes argumentos, dizendo que o Majestic 12 seria o importante segredo. O governo americano estaria lançando agora a verdadeira farsa para despistar o seu real segredo e para desacreditar Bill Moore. É desanimador para quem pesquisa e busca a realidade, encontrar-se com grupos e pessoas que se firmam no que lhes agrada acreditar, mesmo que os fatos indiquem que estão trilhando o caminho da irrealidade, deduziu Jacques Vallee.Na situação apresentada neste "encontro", estes "cabeças duras" louvavam Bill Moore e Stanton Friedman e jogavam Linda Howe e John Lear no inferno zodiacal como "agentes provocadores" do governo e das suas campanhas de desinformação, como esta da área 51. Vallee se perguntava qual a razão da sua presença ali no meio de toda esta confusão, que acabou por desembocar, até, no assassinato do Presidente Kennedy!A razão mais forte que o prendera ali, reconheceu ele, foi a curiosidade inerente a todo pesquisador. A outra parte desta razão também se prendia à curiosidade, ele se esforçava por captar o que fazia alguns dos seus amigos aceitar e crer com tanta facilidade neste tipo de notícia, já que eles não eram cultores dos temas do New Age com as suas informações provenientes de visões, canalizações ou... cogumelos de um certo tipo.A Base Subterrânea - John LearJohn Lear, além de capitanear a "Lear jet" do seu pai, trouxera louros e vitórias para a CASA, por dezessete vezes, ganhando recordes de velocidade a nível mundial. Lear, fascinado pelos Ufos, dizia possuir uma FONTE sediada na "Inteligentzia Comunitária".Vallee perguntou-lhe aonde encontrar a Área 51 e obteve como resposta: - "Em Nevada, na Nellis Air Force Base". Linda Howe completou: - "Em Groom Lake".Os projetos haviam sido denominados: Snowbird e Redlight, todavia, a maior instalação se encontrava no Novo México.-"Porque todo o mundo ignora isto? Perguntou Vallee.-"É uma base subterrânea escondida no deserto. Não se pode detectá-la"Vallee: - Qual o tamanho?Resposta: - Do tamanho de ManhattanVallee: - Quem retira o lixo?Todos ficaram chocados! Segundo Vallee há uma certa etiqueta seguida quando se discute a respeito de alienígenas e discos voadores espatifados. Presume-se que haja perigo de vida e outros mais, para as fontes informativas dos pesquisadores. Assassinos pagos pelo Pentágono logo entrariam em ação. As questões têm que se manter pairando nos "altos tópicos" e você, se quer andar de conformidade com o figurino, não pode contradizer nada ou pelo menos, fingir que engoliu a pílula. Este "regulamento" não formatado, só permite perguntas do estilo: a filosofia dos alienígenas, seus propósitos no universo - fica proibida a parte prosaica das suas existências. Finalizando: todas as perguntas, "terra a terra" e VERIFICÁVEIS são execradas!Vallee, teimosamente, insistiu sobre "Quem seria o lixeiro"? E acrescentou: -"Foi-me dito que a Área 51 é do tamanho de Manhattan e debaixo do solo do Novo México. Eles necessitam de água e devem gerar lixo sólido, portanto, o local deve ter sofrido diversas mutações. Onde estão estas evidências?"Responderam-lhe que existiam meios suficientes para se esconderem instalações como esta e Vallee foi mandado recordar-se do NORAD na Montanha Cheyenne.Teimando, Vallee contra atacou: -"E a assinatura infravermelha? Qualquer um pode ver NORAD nos filmes dos satélites. Há estradas ao redor da montanha e a base dever ser uma das maiores produtoras de calor. Ela surge como se fosse um polegar inflamado nas imagens infravermelhas tiradas pelos satélites." Vallee recebeu, apenas, olhares de suspeição como respostas."Ninguém tem acesso a estes satélites, são altamente classificados". Aparteou Bill Moore.Pura besteira! Pensou Vallee e acrescentou em voz alta: - "O satélite SPOT francês, comercialmente disponível para a indústria e outras organizações, tem definição de 10 metros. Sob um sistema de processamento inteligente de computador a definição pode ser melhorada, pelo menos, sob um fator de dois. Não existe esta coisa como uma base subterrânea secreta de tal magnitude".-"O governo pode "segurar" esta informação" - disse alguém. Jacques Valle não deixou por menos, esclarecendo que, mesmo que o governo pudesse esconder este tipo de coisa dos americanos, o mundo continha também a Inglaterra, a Rússia, a França e Israel. Ignorando-se o SPOT francês, ainda sobraria o LANDSAT nos sobrevoando, com a sua resolução de 30 mts. Mas que, podia ser inteiramente suficiente para detectar uma base alienígena. O Landsat, mesmo com a sua imagem obsoleta, ainda é usado por milhares de geógrafos, planejadores, estudantes e geólogos, em todos os Estados Unidos e no mundo inteiro.Uma Verdade HorrívelJacques Vallee jamais teve a oportunidade de saber quem seria o lixeiro da famosa Área 51. Entretanto, as estórias a respeito deste local foram se intensificando e aumentando de volume e de público, levando nesta voragem, pessoas de grande gabarito intelectual e racional, para o âmago deste mistério pleno de sugestões a respeito de uma pesada barreira de silêncio levantado para ocultar uma verdade horrível, que jamais poderia ser levada ao conhecimento de todo o mundo.No dia 29/12/1987, John Lear emitiu um sumário alertando o leitor: "A Alemanha recuperou um disco voador em 1939. O gal. James M. Doolitle voltou da Suécia em 1946 para inspecionar um disco voador que caiu em Spitzbergen". O término deste sumário dizia:"A verdade horrível ficou conhecida, somente, por um mínimo de pessoas: havia pequenas criaturas horríveis do tipo "gárgulas", porém mais avançadas do que nós, talvez, em um bilhão de anos. Do grupo original, o primeiro a conhecer esta "verdade horrível", pois muitos cometeram suicídio, era o mais proeminente dentre os suicidas, o gal. James V. Forrestal, quem saltou para a morte de uma janela de hospital situada no 16º andar... Presidente Truman, rapidamente, colocou uma tampa no segredo, atarraxando a mesma de forma tão apertada que o público, de um modo geral, continua pensando que os discos voadores são uma brincadeira ou uma piada". (Revelations - pág. 58 - J. Vallee - Ed. Ballantine Book).Lear ainda esclareceu a data da primeira comunicação entre os alienígenas e terrestres: 30/04/1964, local: "Base Aérea Holloman da Força Aérea", situada no Novo México. Lear continuou:"Durante o período de 1969-1971... o governo dos Estados Unidos fez um contrato com estas criaturas chamadas EBEs (Extraterrestrial Biological Entities) através do Dr. Detler Bronk, o 6º Presidente da Universidade John Hopkins. O contrato era este: em troca de tecnologias, nós concordamos em ignorar as abduções que estão ocorrendo e vamos suprimir as informações sobre as mutilações do gado. Os EBEs asseguraram ao grupo de cientistas MJ-12 que as abduções são meras monitorações em andamento, no sentido do desenvolvimento das civilizações". John Lear. Revelations - J. Vallee - pág. 58 - Ballantine Book.Jacques Vallee analisou as primeiras declarações de John Lear e as encontrou repletas de contradição, até mesmo gritantes: se os primeiros contatos com os alienígenas, através das quedas citadas, iniciaram-se na 2ª Guerra Mundial, estes contatos teriam sido feitos muito antes do ano de 1964."Onde estariam então as evidências destes contatos nas nossas tecnologias se tivéssemos obtido o acesso às invenções dramáticas que uma civilização um bilhão de anos a frente da nossa poderia nos proporcionar? Qual a necessidade dos alienígenas de pedirem permissão a Washington para realizarem o que quer de que necessitassem? Um esquadrão de F-16s precisaria da permissão dada pelos chefes tribais da Nova Guiné para sobrevoar os seus territórios? Na verdade, posta a questão, razoavelmente, ela se apresentaria a mesma". Revelations - J. Vallee - pág. 59 - Ed. Ballantine Book.John Lear, todavia, passou por cima de toda a racionalidade e conseguiu fazer repercutir as suas idéias nas crenças de Budd Hopkins, um artista de Nova York, explicando que a proposta destas abduções era a condução de experiências de engenharia genética, onde estava incluída a "impregnação de mulheres humanas com o término antecipado da gravidez, para proteção do produto do cruzamento" ou seja: da criança híbrida.. Hopkins tornou-se adepto, defensor e porta voz de Lear e das suas revelações.A Manipulação GenéticaJacques Vallee manteve-se à parte destes acontecimentos achando que esta manobra científica, levada a efeito através da engenharia genética, era uma hipótese tão ridícula, cientificamente falando, que nem valia a pena ocupar-se dela. Esta comunicação feita por Lear, revelava uma desinformação mais do que completa, referente aos desenvolvimentos da engenharia genética previstos para os próximos dez anos o que resultou nos investimentos maciços que haviam sido feitos nesta área (ano de 1993). Realmente, Vallee possuía carradas de razões, quando avaliou a idéia de porque uma civilização com "um bilhão de anos" à nossa frente necessitaria de envolver-se em situações de risco em áreas populosas do planeta Terra, para abduzir mulheres terrestres americanas em período de ovulação! Estes alienígenas tão avançados estariam tão defasados em biologia molecular? Vallee julga ser esta uma das idéias mais excêntricas expostas no "caso" da Área 51 e no decorrer dos seus trinta anos de pesquisas ufológicas (ano de 1993).Havia uma outra questão: a tecnologia alienígena, "um bilhão de anos à nossa frente", era tão incerta, que só nos Estados Unidos, dizia-se, já haviam ocorrido cinqüenta acidentes com queda das naves alienígenas no solo terrestre!"A única hipótese ainda mais ridícula do que a manipulação genética realizada nas fêmeas terrestres, era a idéia de Lear de que o governo americano teria dado aos alienígenas, a permissão para mutilar o nosso gado: "Com o fito de se sustentarem, eles usam um enzima ou secreção hormonal, obtida dos tecidos que obtêm, retirados dos seres humanos e dos animais. Bois e seres humanos são geneticamente similares. No caso de um desastre nacional, o sangue dos bois poderá ser usado pelos seres humanos". J. Lear . Revelations - J. Vallee - pag. 12 - Ed Ballantine Book.Uma civilização tão mais adiantada do que a nossa, "um bilhão de anos", não seria capaz de sintetizar algo como um enzima essencial para a sua sobrevivência? Perguntou-se J. Vallee. Foi mais longe, é lógico que eles já deveriam ser capazes de curar qualquer desordem genética causadora da atrofia do seu sistema digestivo.Se ignorarmos estas considerações, na brutalidade dos fatos, é lógico que tal tipo de alienígenas com "um bilhão de anos de avanço", teria acesso... e escolha... de "abduzir" qualquer gado do mundo sem precisar pedir ou fazer contrato, para se apropriar do gado que escolhesse e que estivesse pastando nos pastos de todo o planeta Terra - raciocinou Vallee.A Hematologia Fala:Como bom pesquisador e detetive, Vallee consultou um seu amigo, altamente respeitado na pesquisa da hematologia (estudo do sangue). Vallee perguntou-lhe se o sangue do gado poderia ser usado em uma emergência, numa transfusão em seres humanos. O hematologista riu e mirou o ufólogo zombeteiramente, entretanto, muito educado, não taxou a pergunta de ridícula. Como quem corrige um filho dos seus enganos escolares, respondeu que, se isto fosse possível ele teria que voltar, depressa, para a Escola de Medicina. Insistida a pergunta com um - e se isto acontecesse? - logo chegou a resposta - choque imunológico instantâneo! - o paciente morreria em minutos.A "Biopure" é uma empresa que extrai a hemoglobina do sangue do gado, mas não o injeta "in natura" em veias humanas. O sangue é tratado e depois usado como um mero suplemento nas transfusões. Um dos grandes problemas a respeito do sangue do gado é uma doença, BSE (Bovine Spongiform Encephalopaty). Será que os "grays" sabiam disto?Se não sabiam estão "um bilhão de anos" (do conceito de Lear) mais atrasados do que nós, já que os japoneses possuem duas companhias trabalhando nesta área de substituição da hemoglobina humana, tendo em vista a Aids. - A Ajinomoto e a Fujirebio. John Lear continuou ignorando estas realidades, apesar de que fora alertado sobre elas."As diversas partes dos corpos são levadas para laboratórios subterrâneos, um dos quais está situado no Novo México, cidade de Dulce. Este local de ocupação conjunta (CIA/alienígenas) foi descrito como sendo enorme, com vastas paredes azulejadas para durarem "para sempre". As testemunhas reportavam também, grandes banheiras providas com um líquido cor de âmbar onde corpos humanos jaziam misturados e em pedaços". Revelations - J. Vallee - pág. 62 - Ballantine Book.* Ilustração: Claudio Salvio.



IV Parte :


Área 51 - Conclusão.


John Lear foi jantar na casa de Jacques Vallee em 1989 e confirmou, convictamente, os testemunhos macabros que anunciara. Vallee admitiu que Lear causava um impacto nos seus ouvintes, uma impressão forte e magnética devida ao seu carisma. Com estes dons, existentes na personalidade daquele homem vitorioso, tornava difícil não se deixar levar por ele e lutar contra argumentos, quando alguém queria ouvir a voz da razão. John Lear é um piloto máster, que já sobrevoou o mundo inteiro quebrando recordes. Vallee o admirava e respeitava muito e cita enumerando, todos os galardões já recebidos por Lear, sem deixar de admitir que Lear era igualmente respeitado e admirado em todos os Estados Unidos que deviam a ele grandes cooperações com a CIA e com outras agências secretas americanas.Vallee observa o fato de que John Lear devia estar enganado ou ter sido mal informado, em relação ao que denunciava aos quatro ventos, como pode acontecer com qualquer mortal. Durante o tempo que o cientista o ouviu discorrer sobre as Bases situadas no Novo México e os pequenos "grays", Vallee ponderava e constatava que Lear não estava mentindo e de que ele, também, não encarnava o tipo "viajante de poltrona". Suas reportagens eram reais e sinceras dentro das premissas que lhe haviam sido apresentadas."Você já viu um alienígena?" Indagou Vallee."Pessoalmente, não"."Então, como diz que estão na Terra?""Uma das minhas fontes trabalha na Área 51, perto da "Nellis Air Force Base"."Quem é?"Lear remexeu-se na cadeira e disse que não podia revelar, mas que a testemunha identificava-se sob o pseudônimo de Dennis.Embora negando-se a apresentar Jacques Vallee a Dennis, Lear sugeriu ao pesquisador encontrar-se com Bill Cooper, quem poderia, até, alerta-lo mais profundamente sobre os alienígenas. Vallee não deixou por menos e marcou um jantar com Bill Cooper.


*GREY *

GreysEntre os vários mistérios que cercam a ufologia está o da origem das entidades conhecidas como Greys

Acredita-se que esses pequenos seres são os maiores responsáveis pelas abduções humanas

Através dos relatos das pessoas abduzidas foram formuladas algumas teorias sobre sua origem e comportamento:Majestic 12Uma das teorias atuais é a de que os Greys estão de alguma forma relacionados com o Governo dos USA e que esta íntima relação resultou em avanços tecnológicos enormes nos últimos 50 anos. Entre esses avanços estão os caças F-117 e os bombardeiros B-2, bem como um sistema de armamento conhecido como JOSHUA, uma arma ultrasônica.Seres de luzOutra teoria muito popular abraçada por aqueles envolvidos na filosofia New Age, é a de que os Greys são na realidade a raça benevolente que eles afirmam ser, que estão aqui para guiar a humanidade para o próximo milênio com o entendimento espiritual mútuo, de forma a criar uma sociedade perfeita. Esta crença também entende que os Greys vêm de uma sociedade cujo todo genético tem se tornado demasiadamente intercruzado e que portanto está se esgotando.Abduções e clonagemEssa não é uma teoria nova, simplesmente uma modificação de outras teorias que tem circulado há algum tempo. Em primeiro lugar, deve ser estabelecido que os Greys são na realidade clones. Existem muitas razões para considerá-los clones, se levarmos em conta características comportamentais e aparência visual, deduzidos de relatos de abduzidos.Contudo, a mais intrigante evidência está nos próprios planos de abdução e nas testemunhas de primeiro grau a respeito de "tanques" contendo partes de corpos humanos e aliens em algum lugar dos desertos do Novo México. Os Greys estão abduzindo homens e mulheres com o propósito de extrair esperma, óvulos e outras amostras de nossa série genética por razões desconhecidas.Aparência físicaSegundo informes de abduzidos, os Greys apresentam as seguintes características físicas: os "doutores" e os líderes das abduções apresentam altura aproximada entre 1,32m e 1,46m e os trabalhadores entre 1m e 1,20m; a coloração da pele varia de cinza-claro a cinza-escuro e parece não ser porosa;a cabeça é grande e apresenta inversão triangular no plano vertical. A porção superior da testa é alta e arredondada;os olhos são grandes, oblíquos e inclinados para cima em direção ao crânio;braços e pernas muito magros (finos) e o pescoço é exageradamente fino para suportar o peso da cabeça;não há genitália visível naqueles que parecem ser machos nem há volume pubiano visto sob as roupas;Origem nos cetáceosCom base na evidência de sua aparência física, levantou-se a seguinte hipótese: Os Greys descendem de alguma espécie tipo golfinho ou cetáceo.Aspectos físicos similaridades: a pele dos Grey é muito similar em cor e textura à dos golfinhos.em terra, os cetáceos desenvolvem pernas e braços mas quando retornam para os oceanos estes braços e pernas evolvem para nadadeiras e cauda. A análise de raio-x mostra claramente esses apêndices residuais nos golfinhos e baleias de nossos dias. É possível que os Greys tenham evoluído de maneira similar a dos golfinhos.os Greys tem uma grande área arredondada na região da testa. Os golfinhos também.os olhos dos Greys se parecem muito com os dos golfinhos, que são adaptados ao funcionamento em ambientes de luz reduzida. Aspectos comportamentais similaridades:os golfinhos usam capacidades de sonar para navegar e deter presas e inimigos. Este efeito de detenção é de particular interesse neste caso. Golfinhos podem emitir ultrassons muito poderosos e direcionados a partir de um órgão chamado "melon" localizado na seção anterior de suas testas. Estes ultrassons são utilizados para deter presas e inimigos, como o tubarão e a barracuda: esta emissão ultrassônica literalmente paralisa e desorienta os tubarões e as barracudas. Este ultrassom é dirigido diretamente para o alvo. A força do raio de ultrassom pode também ser alterada; por exemplo, quando o golfinho está caçando, a intensidade deste ultrassom ocasiona a instantânea morte da presa. Autopsias de tubarões após o ataque de golfinhos revelam que os órgãos internos deste tubarão foram profundamente alterados. Esse fenômeno é muito parecido com a técnica que os Greys empregam como meio de controle telepático sobre os abduzidos. Os abduzidos relatam que eles são paralisados pelo Greys e ficam mentalmente desorientados. Os "senhores"Outra das teorias começa com uma forma de vida cetácea que evoluiu em outro planeta. Diferentes dos cetáceos da Terra, os cetáceos deste planeta não retornaram à vida aquática, mas foram descobertos e a seguir alterados e clonados por outras espécies. Estas espécies que os clonaram assim o fizeram no intento de obter trabalho escravo. Arbitrariamente assumindo que tudo ocorreu um milhão de anos passados, as espécies mais evoluídas daquele tempo na Terra teriam sido os golfinhos e as baleias. É assim que é possível acreditar que em outros planetas teria acontecido da mesma forma. Depois de um tempo, os Greys aparentemente se rebelaram e estavam aptos a usar a tecnologia de seus"senhores", mas desde que eles foram criados para serem simplesmente operacionais a própria tecnologia operacional ficou inutilizada.Conclusões:As conclusões finais deduzem que os Greys eram artificialmente desenvolvidos por seres desconhecidos, ou por eles mesmos, e que os Greys são provenientes de uma forma de vida evoluída de algum tipo de cetáceo de outro planeta. Em virtude do processo reprodutivo por clonagem, sua seqüência genética se degradou após cada clonagem de clones e esse é o motivo que leva os Greys a abduzirem humanos: a busca para reparar o dano de seu próprio DNA e também para adicionar novas seqüências genéticas as suas próprias .



Zeta Reticulum I



A 19 de setembro de 1961, Barney Hill, casado, 38 anos, funcionário dos correios, e sua mulher Betty, 40 anos, assistente social, resolveram, espontaneamente, tirar um dia de folga e viajar da fronteira do Canadá, pela Rodovia 3, em direção a Portsmouth, passando pelas White Mountains. Como o serviço de Meteorologia previa um furacão, eles viajaram de noite a fim de garantir a volta para casa antes de o tufão desabar. Em Colebrook, ao norte do Estado de Hampshire, fizeram uma breve parada e continuaram viagem às 22h. sob condições normais, andando à velocidade costumeira, deveriam chegar em casa lá pelas 2 h e 30 m da madrugada.
Ao sul de Lancaster, New Hampshire, deram com uma estrela excepcionalmente brilhante, lá no céu. Aliás, eles pensaram que fosse uma estrela. A estrada estava quase sem trânsito e o luar era tão claro que eles até poderiam ter viajado com os faróis apagados. Quando a suposta estrela, de repente, mudou de curso e passou pela Lua, eles pensaram que fosse um satélite. Curiosa, Betty acompanhou-a, com o binóculo, da janela do carro; a estrela parecia aumentar de tamanho e segui-los.
Barney parou; ele e a mulher saíram do carro para observar o objeto melhor. Mais tarde, Betty falou que ela nunca havia visto coisa alguma igual àquela; era um objeto enorme, com uma porção de luzes piscando. De repente, Barney sentiu um certo mal-estar e voltou correndo para o carro chamando pela mulher :
""Eles estão atrás de nós !" Ambos entraram no automóvel e Barney pisou no acelerador, fazendo o carro andar a toda velocidade. Ao mesmo tempo, tenso e nervoso, não parou de instruir a mulher para ficar de olho no objeto. "Deve estar diretamente acima de nos ?" gritou ele.
Repentinamente, o casal avistou o objeto, da altura de um "prédio de dez andares", pairando no ar, sobre a rodovia. Betty distinguiu nele janelas, dispostas em duas fileiras, uma em cima da outra, e uma luz vermelha, em ambos os lados. Então Barney parou o automóvel e pulou para fora. Betty ficou sentada, dentro do carro. Mas, Bamey correu em direção ao objeto e acompanhou, com o binóculo, as suas manobras de aterrissagem, com Betty apavorada, gritando para que ele voltasse e subisse no carro. Porém, Barney ficou lá, onde estava, como petrificado e viu como, devagar, uma espécie de escada desceu da máquina. Pouco depois, ele recuperou seu autocontrole, correu para o carro e pisou no acelerador. Naquele mesmo instante, o casal ouviu um estranho zunido elétrico, que fez o automóvel vibrar. Eles próprios sentiram o corpo todo arder e ficaram tontos. A partir daquele momento, Barney e Betty Hill não se lembraram de mais nada. Com um novo zunido, porém diferente do primeiro, recuperaram a memória. Eles estavam andando pela estrada e tudo lhes parecia estranhamente silencioso.
Repararam numa placa, à beira da estrada, assinalando: "Concord a 25 km". jamais procuram saber como foram para lá, desde Ashland, onde a sua viagem foi interrompida; porém, quando procuraram lembrar bem aquilo que aconteceu, perceberam que algo estava errado, pois na sua memória havia uma lacuna de duas horas e meia, completamente perdidas em sua consciência.
O que teria acontecido durante aquelas duras horas e meia ?
Betty Hilt lembrou, nitidamente, que, de repente, surgiu um objeto voador desconhecido. Além disso, ela sonhou que um grupo de homens uniformizados bloqueou a estrada. Esse sonho repetiu-se constantemente, mas, acordada, Betty não conseguiu lembrar aqueles acontecimentos. Assim sendo, ela acabou se dirigindo à Comissão Nacional de Investigações de Fenômenos no Espaço Aéreo (NICAP).
Quando depois, em janeiro de 1964, Barney começou a sofrer de uma úlcera gástrica, o casal resolveu seguir o conselho de um funcionário da NICAP, Walter Webb, e consultar o célebre psiquiatra, Dr. Benjamim simon, em Boston.
O Dr. simon optou pela hipnose, para, assim, chegar ao subconsciente de Barney e saber detalhes a respeito daquelas duas horas e meia perdidas na memória do casal. Ele hipnotizou Barney e Betty, em separado, e, com ambos, tentou um bloqueio da memória, através da sugestão hipnótica. Assim eles não poderiam trocar quaisquer informações referentes à sua vivência, nem combinar o depoimento a ser prestado. Durante a hipnose, os dois tornaram a viver aquele incidente esquisito, ocorrido durante aquelas duas horas e meia que estavam perdidas em seu subconsciente.
As sessões foram gravadas em fita magnética e revelaram o seguinte: Eles saíram da rodovia e entraram por uma estrada estreita, onde foram barrados por uns homens, de 1,50m de altura. Eles eram grotescos e diferentes; mas, Betty não soube explicar por que. Até então, o casal não havia sentido medo; porém, quando o motor do seu carro deixou de pegar e três dos alienígenas abriram a porta, do lado de Betty, ela entrou em pânico.
"Um deles colocou sua mão nos meus olhos, perdi os sentidos e tive a sensação de cair no sono, apesar de, no meu íntimo, não querer adormecer. Com os derradeiros resquícios da minha força de vontade, lutei contra aquele estado de torpor e vi que os homens estavam ali, ao redor do nosso automóvel", relatou Betty.
Enquanto eles arrastaram Barney e levaram Betty escada acima, ela gritou "Acorda, Barney!"
Em seguida, um dos alienígenas, ao lado de Betty, perguntou a ela, esforçando-se para falar em inglês:
- O nome dele é Barney?
Furiosa, Betty replicou :
- Não é da sua conta !
Independentemente um do outro, Barney e Betty concordaram em que os homens usavam uniforme.
Segundo o depoimento prestado por Barney, o chefe usava uma capa preta, brilhante, com uma faixa negra pendente sobre o ombro esquerdo, a qual lembrava a de um capitão da marinha. Betty ficou impressionada, sobretudo, com seus olhos quase negros, cuja expressão a deixava com medo. Aparentemente, os homens não tinham orelhas e sua pele era de cor cinzenta. Betty achou que eles eram seres humanos ou parecidos com os humanos.
A bordo do objeto voador desconhecido, o casal foi separado. Betty ficou no primeiro recinto, enquanto que Barney foi levado para o recinto contíguo. O primeiro recinto impressionou Betty como um pedaço de torta, com a ponta cortada e todas as paredes reluzindo uma luz branca azulada", conforme as suas palavras.
O chefe e um outro homem, médico, como ela soube depois, levaram Betty para uma cadeira branca, na qual a fizeram sentar. Em seguida, procederam a um exame minucioso dos seus olhos, garganta, nariz, orelhas e dentes. Depois, mandaram-na deitar-se sobre uma mesa de exame. Até então, todos os exames eram sem dor. Por fim, o médico aproximou-se dela com um instrumento comprido, em forma de agulha, a ser introduzido no seu umbigo, para fazer um teste de gravidez, conforme ele explicou. Em vão, Betty implorou que não fizessem aquele teste e chorou de dor, quando a agulha foi introduzida no seu ventre. Os homens ao seu redor entreolharam-se, surpresos e o chefe apressou-se em colocar sua mão sobre os olhos de Betty, quando, naquele mesmo instante, a dor cessou. Ela disse: "soube, então, que eles não me queriam fazer mal". Com esse teste, o exame de Betty estava encerrado e falaram a ela para aguardar, tão-somente, por Barney.
Quando o médico foi para o recinto contíguo e, enquanto lá se demorou, Betty conversou com o chefe, ao qual falou :
"Depois de chegar em casa, vou contar o que aconteceu; ninguém acreditará nas minhas palavras, a não ser que eu possa apresentar uma prova qualquer".
O chefe perguntou a Betty o que que ela queria levar. Ela olhou em volta, descobriu um livro com símbolos e perguntou se poderia levá-lo; rindo, o Chefe concordou. Naquele momento, o médico entrou no recinto, segurando na mão a dentadura de Barney. Ele dirigiu-se para Betty e procurou tirar os dentes dela, o que não conseguiu, pois Betty não usava dentadura. Os alienígenas ficaram estupefatos! Betty tentou explicar a eles que, por razões várias, as pessoas costumam perder seus dentes, mais cedo ou mais tarde, mormente em idade avançada. Porém, os seres estranhos ignoravam o conceito "idade" e tampouco compreenderam as explicações de Betty. Então, foi a vez de Betty perguntar de onde vieram com a sua nave espacial.
Em resposta, o chefe apontou para um mapa celeste, que, de uma ou outra forma fazia parte da parede que estava se abrindo. Ele explicou que as linhas grossas, entre um ponto e outro, eram rotas comerciais permanentes, as linhas finas indicavam roteiros de viagens ocasionais e as linhas tracejadas, roteiros de expedições. Lamentavelmente, as estrelas no mapa não levavam nome e, portanto, para Betty, olhar naquele mapa não passou de uma olhada para fora da janela. O chefe falou a Betty que, naquele mapa, havia também o nosso sol, mas ela não sabia por onde procurá-lo. Ao todo, o mapa mostrava doze estrelas brilhantes, esferas flutuantes, que cintilavam. Todavia, o chefe ficou devendo a resposta à pergunta por sua procedência.
Entrementes, Barney voltou. "Fiquei mais que feliz, por poderiamos sair. No entanto, ouvi como os membros da tripulação argumentavam entre si." O chefe voltou, dirigiu-se a Betty e dela tirou o livro que lhe havia dado de presente, anunciando : ficou resolvido, vocês devem esquecer tudo isto." Betty chorou de raiva e respondeu: Não, não posso esquecer isto. Mas, você que me fez tantas perguntas a que eu não soube responder, por que não volta mais uma vez? Eu poderia providenciar um encontro entre você e pessoas competentes, capazes de responder às suas perguntas".O chefe replicou que não caberia a ele tomar qualquer decisão a este respeito e, além do mais, eles saberiam encontrar as pessoas certas, sempre que fosse preciso.
Depois disso, os alienígenas acompanharam o casal Hill até o seu carro, sem proferir sequer uma palavra e a nave espacial desapareceu, rápida e misteriosa como chegara. Após cuidadosa análise do caso, o Dr. Simon chegou à conclusão de que o casal Hill descreveu a sua vivência, conforme acreditou tê-la vivido. Esta sua conclusão final, positiva, foi baseada no protocolo dos depoimentos prestados pelo casal, em estado de hipnose e dos quais seguem alguns trechos, para a melhor compreensão do assunto:
Dr. Simon: Agora, o Dr. Hynek falará com você e você responderá às suas perguntas.
Barney: saí do carro e corri pela estrada, para baixo, para o bosque.
Lá há uma luz, cor de laranja. Há alguma coisa ali. Se, pelo menos, eu estivesse com a minha espingarda.
Prof. Hynek : Barney, você se lembra perfeitamente de tudo aquilo. Conte-me tudo o que se passou. Você está ouvindo bem o ruído de bip-bip.
Descreva-me aquele ruído com mais precisão.
Barney: Betty olhe para lá! Está lá, Betty! Meu Deus, que coisa louca. Eu estou atravessando a ponte, correndo. Meu Deus, meu Deus! (Barney respira com dificuldade.) Não posso acreditar. Há homens na estrada. Não, não acredito. Não! Não quero continuar. Não! Isto é impossível.
Dr. Simon : Continue, Barney. você se lembra de tudo, perfeitamente bem.
Barney: (nervoso e desesperado). Estamos subindo a rampa. Gostaria de dar umas pancadas neles, mas não posso. Não consigo mais controlar-me. Devo dar-lhes umas pancadas. Meus pés batem contra qualquer coisa. Estou em um corredor. Não quero entrar aqui. Não sei onde esta a Betty. Nada me aconteceu. Estou me debatendo. Mas, se me fizerem alguma coisa, vou bater neles, vou bater, mesmo. Não sinto nada. Meus dedos estão adormecidos. Meus pés estão adormecidos. Encontro-me sobre uma mesa.
Dr. Simon : Esta bem. Você pode parar aqui. Você esta sobre a mesa. Você está tranqüilo, relaxado, deve descansar, até eu falar; Ouça Barney! Você não ouve nada daquilo que vou falar agora. Betty, o que aconteceu?
Betty: Estávamos andando de automóvel; de repente, Barney desvia o carro para a esquerda, os freios estão chiando. Não sei porque. Decerto, vamos perder o nosso caminho. Fazemos uma curva. - Pausa - Barney procura dar partida, procura novamente dar partida, mas o motor não pega. Agora, eles se aproximam de nós, lá entre as árvores. Há alguma coisa com o primeiro dos homens que se dirigem para nós. Estou ficando com medo. Devo sair do automóvel, correr e esconder-me. Quero abrir a porta do carro, correr e esconder-me no bosque.
Prof. Hynek: Será que, antes daqueles acontecimentos, você viu algo, de uma forma ou de outra, parecida com aquilo?
Betty: Não.
Prof. Hynek: Essa cena é iluminada pelo luar? Você está vendo, simultaneamente, a Lua?
Betty: Tudo esta mergulhado num luar muito claro, quase tão claro como a luz do dia; mas posso enxergar. Esta no chão e tem uma espécie de anel envolvendo o seu canto.
Prof. Hynek: Esta colocado sobre pés, ou deitado no chão ?
Betty: O canto fica um pouco acima do chão e de lá desce a rampa.
Prof. Hynek: Qual é o seu tamanho, Betty? Compare-o com alguma coisa, cujo tamanho você conheça, Betty.
Betty: Estou procurando pensar sobre o assunto...
Prof. Hynek: Serviria um vagão ferroviário, a título de comparação? É maior ou menor que um vagão ferroviário ?
Betty: Não posso imaginar bem o tamanho de um vagão ferroviário. O seu comprimento corresponde, mais ou menos, à distância entre a esquina da nossa casa e a garagem.
Prof. Hynek: O que você pensa, ao aproximar-se?
Betty: Quero sair daqui - e nada mais.
Prof. Hynek : E por que você não pode sair daqui?
Betty: Não posso. Aquele homem ao meu lado. somente posso dizer: Barney, acorda. Ele me pergunta se o nome do meu marido é Barney. Isto não é da conta dele. Não quero ir com ele. Não vou entrar ali.
Prof. Hynek : Eles falaram de onde vieram ?
Betty: Não.
Foram aventadas as teorias mais diversas para explicar o caso do casal Hill. Por exemplo, seria lícito supor que aquele seqüestro fosse uma reação, intensamente emotiva, uma vivência imaginária, motivada pelo medo experimentado diante do aparecimento de um OVNI. Outrossim, há um fato notável, referente tanto ao marido, quanto à mulher, ou seja, o dos exames aos quais Barney e Betty foram submetidos e que se assemelharam a um teste de fertilidade. Colocaram um aparelho sobre o abdômen de Barney, enquanto Betty teve de passar pela experiência dolorosa de ter uma agulha introduzida no umbigo. O casal era otimamente bem conceituado e muito querido entre as pessoas do seu convívio; levava intensa vida social, porém, não teve filhos. Será que foi este o motivo, talvez o catalisador de uma motivação psicológica para uma vivência imaginária? Teria esse teste, em especial, servido de fator compensativo?
Evidentemente, há muitas pessoas que acreditam piamente que tudo quanto se passou, decorreu exatamente na maneira como foi exposto pelo casal Hill, em estado de hipnose. Argumenta-se que uma pessoa hipnotizada nem pode falar outra coisa, senão a verdade simples e pura. Outrossim, embora praticamente todos os que souberam do caso concordassem no ponto de ficar excluída qualquer fraude, lamentavelmente a hipnose não vale como prova concludente. Pois, mesmo hipnotizados, Betty e Barney podiam falar somente aquilo que eles consideravam como a verdade.
Seja como for, ainda persiste um detalhe surpreendente e que se refere ao mapa celeste, em três dimensões, mencionado por Betty. A sua descrição daquele mapa sugere, e de maneira notável, a holografia (fotografia por raios Laser, processo para a reprodução de objetos iluminados, mediante a reconstituição do campo de ondas da luz - aqui, na Terra, ainda em fase inicial). Aquele mapa celeste foi reconstituído, em trabalho paciente e penoso, pela astrônoma Majorie Fish, que dele fez um modelo. (Cumpre mencionar que, sob hipnose, as pessoas se lembram dos menores detalhes de uma vivência, esquecidos em estado normal.) Todavia, comparando com o nosso firmamento estrelado, nada se identificou naquela reconstituição.
Em seguida, Majorie Fish entregou o seu modelo ao Dr. Mitchell, da Universidade Estadual de Ohio, que o examinou e o submeteu a extensos estudos computados. Enfim, o Dr. Mitchell chegou à seguinte surpreendente conclusão: .
O mapa, feito segundo as indicações dadas por Betty Hill, mostra um trecho do nosso universo, visto da estrela Zeta Reticuli I, a 36 anos-luz distante da Terra!

* A Base Dulce *

Dulce é uma pequena cidade ao norte do Novo México. Não é um local de veraneio e não tem grande movimento. Mas, segundo forasteiros, abaixo da mata fechada "Archuleta Mesa", há um segredo ligado à governo-alienígenas, encarregados de executar experimentos bizarros em humanos e animais.
Gave Valdez (policial), Manual Gomez (dono de um rancho) e Howard Burgess (cientista aposentado) ficaram curiosos a respeito de como o gado estava sendo selecionado para as mutilações (que estavam ocorrendo com muita frequência na região). Então, eles encurralaram 120 cabeças de gado de corte de Gomez e as moveram através de uma rampa estreita sob luz ultravioleta. Eles descobriram uma "substância brilhante no pescoço, na orelha e na perna direita". Exames feitos na pele atingida mostram depósitos significativos de magnésio e potássio (esse 70 vezes acima do normal).
Thomas (ex-oficial de segurança da base Dulce) afirma que haviam mais de 18.000 pequenos "Grays" na Instalação de Dulce, e que ele viu humanóides reptíleos. Um colega ficou frente-a-frente com um reptóide de 2m o qual se materializou em sua casa. Thomas tinha uma autorização Ultra-7 (ele conhecia 7 subníveis, mas poderia ter mais). Supostamente, a maioria dos aliens estão nos níveis 5, 6 e 7, com habitação alienígena no nível 5.
O único aviso em inglês era um sobre uma estação de trem, onde se lia: "Para Los Alamos". Conexões iam de Dulce para Page, instalação do Arizona, então para a base subterrânea abaixo da Área 51, em Nevada. O resto das mensagens estão escritas em linguagem alien e num sistema de símbolos compreendido por humanos e alienígenas. Ainda segundo Thomas, após o 2º nível cada pessoa é pesada (nua), recebendo então um uniforme. Visitantes recebem um traje completamente branco, com zíper. O peso da pessoa é colocada num cartão de identidade feito no computador a cada dia. Qualquer mudança no peso é anotada; se ultrapassar 3 libras, um exame físico e raios-x são pedidos.Tudo (até os elevadores) são controlados por magnetismo, até mesmo a iluminação. Não há lâmpadas normais e os túneis são iluminados por unidades fosfóricas. Alguns túneis profundos usam uma forma de anidrido fosfórico para iluminar temporariamente certas áreas. Por razões desconhecidas, os aliens não se aproximas destas zonas.
As espécies Cinza e reptóide são altamente analíticas e possuidoras de grande tecnologia. Elas tiveram conflitos com os humanos nórdicos em outras sociedades espaciais. Segundo Thomas, o chefe dos experimentos genéticos de Los Alamos e Dulce é Larry Deaven.
Níveis da Base Dulce
Nível-1: garagem para a manutenção da rua;Nível-2: garagem para trens, naves, máquinas de furar e manutenção de discos;Nível-4: estudo de aura humana, telepatia, sonhos e hipnose. Thomas diz que eles sabem como separar o corpo bioplasmático do corpo físico, e colocam uma matriz de força de vida de "entidade alienígena" dentro do corpo humano, após remover a matriz de força de vida da "alma" do humano;Nível-6: particularmente chamado "Salão do Pesadelo". Aqui nós temos laboratórios genéticos, onde são feitos experimentos em focas, peixes, pássaros e camundongos, que tem seus corpos amplamente alterados. Há humanos com multibraços e multipernas. Jaulas, tanques, com criaturas humanóides com aparência de morcego, com 2,30m de altura;Nível-7: Filas e filas de milhares de humanos, restos de misturas humanas e embriões de humanóides mantidos em armazenamento frio. Foi quando Thomas viu isso que as coisas para ele atingiram o clímax; ele diz: "Eu freqüentemente encontrava humanos em jaulas, geralmente tontos ou drogados, mas às vezes eles choravam ou imploravam por ajuda. Nós fomos avisados de que eles eram irremediavelmente insanos e envolvidos em teste com droga de alto risco, a fim de curar a insanidade.". Thomas também alertou de que os et's não querem a terra, o ouro, os minerais ou a água que possuímos, nem mesmo a vida humana ou animal. O que os aliens querem é o poder magnético que move a Terra. Eles colhem essa força magnética de um modo desconhecido para nós.
Resumido do livro Segredo Cósmico, de William F. Hamilton III




SidneySheldon




Bom antes de começar gostaria de falar um Pouco Sobre Sheldon , bom ele foi um grande escritor, ao longo de minha pesquisa descobri uma matéria que estará logo abaixa sobre uma Lista que Sheldon e após eu ler está matéria me interessei pela noticia e resolvi pesquisar mais afundo e cada vez mais eu estava afundando na pesquisa até que um dia achei um site em inglês que falava sobre coisas secretas e ocultas e logo vi que o nome Sidney Sheldon estava lá e resolvi salvar a pagina para que eu pudesse traduzi-la e durante 1 mês eu traduzi tudo que ali estava escrito e ao longo do pesquisa pude ver que o que ele estava contando fazia sentido e continuei a traduzir , movido a extremo interesse e a muita curiosidade eu pude terminar a tradução . E no dia 30 de janeiro de 2007 eu ouvi uma noticia na tv que um escritos muito famoso chamado Sidney Sheldon avia falecido , logo fiquei muito chocado com isso mas disseram De acordo com pessoas próximas, ele estava internado no Centro Médico Eisenhower, em Los Angeles, e teve complicações por conta de uma pneumonia, não resistindo. Noticia original
http://ofuxico.uol.com.br/Materias/Noticias/2007/01/40936.htm

mas não acredito muito que foi uma pneumonia que o matou não , faria sentido depois que ele fez a Lista , teoria tem várias mas vamos ver a tal Lista e abaixa dela a pesquisa detalhando o Projeto STAR WAR e as mortes que ocorrerão no andamento do projeto “ que foram dadas como suicidio , assassinado, acidente enfim mas não acredito que foi por acaso não eu acho que teve algum governo , uma cúpula que resolveu eliminar um a um , todos falam hoje do projeto STAR WAR mas quase ninguém sabe quantos cientistas morrerão nesse projeto em um curto espaço de tempo , então leia e tire suas próprias concluções e talvez concordara comigo sobre a verdade do projeto STAR WAR .

A lista de SheldonCientistas que trabalhavam num projeto secreto, capaz de defender a Terra contra invasão alienígena, morrem em circunstâncias intrigantes. Por que?

Aconteceu em outubro de 1986 na cidade de Bristol: ...um homem elegantemente vestido amarrou cuidadosamente a ponta de uma corda à uma árvore, fez um laço na outra ponta, colocou no próprio pescoço, entrou no carro e arrancou em alta velocidade. Teve morte instantânea.A polícia, ao chegar no local, identificou o suicida, era o professor Arshad Sharif. Os jornais noticiaram o incidente, mas parece que ninguém se interessou pelo estranho fato de que o professor Sharif, ao resolver matar-se, incompreensivelmente viajou para isto mais de 100 km de sua casa em Londres até Bristol.Alguns dias depois, mais um professor londrino, sr. Vimal Daziby percorreu o mesmo caminho para jogar-se de cabeça para baixo da ponte de Bristol. Foi uma estranha coincidência, principalmente se levarmos em conta que estes cientistas trabalhavam no mesmo tema - desenvolviam uma arma eletrônica para um projeto do governo inglês análogo ao "Guerra nas estrelas" dos EUA. E mais um detalhe curioso - ambos, Sharif e Daziby interessavam-se por OVNIs.O famoso escritor americano, Sidney Sheldon, que decidiu fazer uma investigação particular sobre o caso, descobriu que o suicídio de Sharif e Daziby não foram os únicos. Uma misteriosa epidemia caiu sobre os cientistas ingleses que se ocupavam com o problema OVNI e armas estelares:Janeiro, 1987. Avtar Sing-Gada desapareceu sem vestígios, declarado morto;Fevereiro, 1987. Peter Pegegel foi esmagado na garagem pelo próprio carro;Março, 1987. David Senias suicidou-se, jogando seu carro em alta velocidade contra um café-bar;Abril, 1987. Mark Visner - enforcou-se;Abril, 1987. Stuart Guding - assassinado;Abril, 1987. David Greenhalg - caiu da ponte;Abril, 1987. Shanny Warren - afogou-se;Maio, 1987. Michael Baker - morreu em desastre automobilístico.Pelos dados de Sheldon, o total de colegas de Sharif e Daziby que, num curto período de tempo, os seguiram 'para outro mundo' passou de vinte. Mais exatamente - 23 pessoas. Poderia-se considerar isto como simples coincidência??...

AGORA VAMOS APROFUNDAR MAIS NO PROJETO STAR WAR .

A LISTA DE SHELDON

Em outubro de 1986 cidade de bristol um homem amarrou cuidadosamente uma corda á
uma árvore colocou no proprio pescoso entrou no carro e arancou em alta velocidade
morte instantânea. O homem chama professor arshad sharif, ninguem-se inteiressou
pelo fato do professor sharif resolver- matar- se viajou para isso mais de 100 km de
casa em londres a bristol.
Porque um professor formado andou 100 km de casa paraq cuidadosamente-se
enforcar.onde sheldon tirou a informação que ele-se amarou cuidadosamente se ele
não estava lá, provavelmente os peritos da omicidios deduzio os passos que ele
arshad sharif percoreu com ou sem carro.esse suicidio teve uma forcinha do governo
americano .sabe aquelas agencias do governoque quando resolve pegar uma pessoa
e quando pega ninguem ninguem encontra vestigios mesmo-se encontrar os agentes
vão e destroecomo a CIA, NASA O FBÍ talves.é Claro eles não iria revelar que o governo
o matou para midia a desculpa que o governo implantou colou as pessoas nem
ligaram,é jogada de mestre matar e fazer parecer suicidio tem dedo do governo
secreto.isso em 1986. Alguns dias depois,mais tarde um professor de londres,sr vimal
daziby percoreu o mesmo caminho para-se jogar de cabeça para baixo da ponte de bristol,
estes cientista trabalhavam no mesmo tema ‘desenvolviam armas eletronicas’
progeto do governo inglês ‘a pesquisa chamava guerra nas estrelas ‘ dos E.U.A,
ambos sharif e daziby inteiressavam-se por ovnis. Josto os britanicos que são os
melhores Á INTELIGENCIA BRITANICA a tal inteligencia que virou até tema de filme
como 007 e entre outros demais.





Master list of dead
acientists e microbíologists
Senhor da lista dos cientistas mortos
e microbiologistas

- possibilidade de você compriender o dia
incorreto
dos erros,de agradar abastecer informações
ezatas, agradeça você.

-Em o 1980 além 22 cientistas mortos graduados
formados como peritos em funcionamento de
marconi ou no sistema de defesa circuntancia
misteriosa em molde, de maior publicação de
suicidio, o molde destes cientistas de clacificar
em envolvimento do projeto guerra nas estrelas
como nós deveriamos fazer em qualquer consecção
de modo ‘ estilo’ juiz do lugar proprio.......

Março de 1982: professor keith bowden,46 anos
---pericia: programa de computador tambem cientista
da univercidade essex empenhar dentro do trabalho
em lugar de marcini, que tanto a perito sobre super
computador das aeronaves.
--- condição: inevitavel estrondo de carro quando
seu veiculo vai fora do controle atravez de um carro
de estilo disused na linha da via espresa. A policia
embora como amigos todos,o declararam desculparam.
Coroner’s veredicto: acidente .

Abril: 1983: lt-coronel anthony godley, 49 anos
--- pericia :shefe de os estudos de laboratório da unidade do nobre
colégio de militar de ciências.
--- Condição: desapareceu misteriosamente em abril de 1983
esteriormente sem esclarecimento.presumido morto.

Março de 1985: roger hill; 49 anos
--- pericia: desenhista de radar tambem projetista desenhista de
marconi
--- condição : ao lado da arma de fogo em (arma shotgum) em sua
residencia,coroner’s veredicto:suicidio.

Novembro 19, de 1985: jonathan wash,29 anos
--- pericia: expecialista em comunicação digital quem enganaro trabalho
no gec tambem no povo inglês no sentro de pesquisa secreta telecom
é no martlesham sufocado pela temperatura altA ou calor.
--- condição: igualmente um resultado de proveniente de demtro de
um quarto de hotel abidjan, a oeste da africa, espaço ou tempo de
trabalho por inglêses da telecom. A mensagem que o homem possuia
temores essas suas vidas ‘duraçõs’ ‘ existancia’ em perigo.
Coroner’s veredicto: acessivel desprotegido

4 de agosto,de 1986: vimal dajibhai,24 anos
--- pericia:engenheiro de software de computador apesar de marconi
ter a responsabilidade por computador de teste do sistema de
controle do tigre peixe como em torpedos em tempo determinado
marconi debaixo do sistema de aguá verde.
--- condição: morreu perto ‘ ao lado’ próximo 74m (240pés) DE DISTância
da parte da ponte de suspensão de bristol. A policia relatou sobre
o corpo um alfinet pontudo’afiado’ de certo tamanho colocado a
esquerda da nadega, más isto posteriormente tão existente de um
resultado de queda.tinha que viver de aspecto dianteiro em direção
da partida empreitada á recente dentro, a cidade de londom como
amigos teve essa confirmação do lugar que deveria ir por razão
em direção a ele cometeu suicidio.em tempo de sua morte. O homem
sua ultima semana de trabalho com marconi.
Corener’s veredicto:perfurado ‘ discutivel’.

Outubro de 1986 arshad sharif, 26 anos
--- pericia: relatório a possuir ser sistema de posto de operação,
a detectaçaõ de subimarino atravéz do satelite.
--- condição: morrer do mesmo gráu um resultado de uma altura ao
redor de seu pescoso laçada outro termo em direção á uma árvore
tambêm esse tempo forte livre ‘distante’ de seu carro com o pedal
do acelerador a direita . Sua incomun morte complicou a separavel
emisão: sharif de vida por meio carater,homem completaqmente
leal se suicidou em bristol e assim inexplicavelmente. Tinha gasto
a ultima noite de sua vida em um quarto. O homem tinha pago por
sua morada em dinheiro,como observar para adiante ter um pacote
de denominação de um lugar elevado, posiçaõ em suA nota ‘cédula’de,
sua nota referencial não feito de as suas investigações assim eles
nunca afirmou.edição,durante,a maior do os outros hospédes em
o quarto de trabalho do aeroespaço britanico,acontecimento do
trabalho por marconi, sharif tinha como direção aeroespacial
britanica sobre tecnologia de projeto de armas.
Coroner’s veredicto: suicidio.

Naneiro1987:richard pugh, 37 anos
--- pericia: consutor de moldes de computadores tambêm especialista
em comunicação digital.
--- condição: achado morto dentro de seu apartamento saltou com
matéria plastica um papel esteriormente sua cabeça foi enforcada
ao redor de um tronco. Com quatro espiral ao redor.de seu pescoço
coroner’s veredicto: acidente.

Janeiro 12, 1987: dr.john brittan, 52 anos
--- pericia:cientista comprometido dentro do máximo centro de
laboratório secreto,em o colega do menbro da familia real do
cientista militar no shrivenham,oxfords,assim posteriormente
dentro de um departamento de pesquisa junto no molde.
--- condição: morto ao loado do monoxido de carbono,envenenamento
interno,possuir em sua garagem,sob sequentemente regreso de um
passeio em direção as us dentro da conecção por seu laboratório.
Coroner’s veredicto: acidente.

Fevereiro 1997. David skeels,43 anos
--- pericia: tecnico’engenheiro’ de marconi.
--- condição: morto sobre dentro de seu carro por um hosepipe com uma mangueira Conectado ao escapamento.
Coroner’s veredicto: discutivel

Fevereiro de 1987: victor moore, 46 anos
--- pericia:tecnico de projetos de marconi,sistema de defesa como espaço.
--- condição: morto proveniente por overdose
coroner’s veredicto: suicidio.

Fevereiro 22, de 1987:peter peapell 46 anos
--- pericia: cientista sobre os militares colegas da familia real.
O homem tinha que continuar a operação colocado em teste em
defesa de sua resistência em direção aos explosivos como o uso do
computador de análise de sinal de metais.
--- condição: morto sobre por causa de suposto envenenamento de
monoxido de carbono dentro de sua garagem. A circustância de sua
morte alguns elementos de dúvida. Sua esposa tinha que estabelecer
lhe um colocado de suas costas com sua cobeça paralela em direção
com o motor do carro. A policia de certo módo aparentemente
confusão tão em direção a pergunta o homem do poder ter manobra
dentro a posiçaõ em fundar’criar’.
Coroner’s veredicto: discutivel.

Abril 1987: george kountis idade politécnica.
--- pericia: sistema de analise perto de bristo politécnica.
--- condição: afogou-se no mesmo dia igualmente do grupo do sudeste
da asia contada olhar abaixo tão igualmente resultado de um
acidente de carro criar existencia de vidas dentro do rio comercial
liverpool.
Coroner’s veredicto: desventura (sua irmã calou em defesa de um
fresco inquérito tanto quanto a mulher pensava adicionar um
resultado acendente.)

Abril 10,1987: shaní warren 26 anos
--- pericia: assistente pessoal dentro de uma companhia micro estenção
que tomar superior perto de gec marconi menos que 4 semanas
posteriormente semanas de sua morte.
--- Condição: afogou-se dentro de 45 cm . (18dentro) da água não distante
do o lugar de david greenhalgh’s catarata morta .
Uma semana dado a exibir aquele pequeno povo seguentemente o morto
do stuart objetivo tambêm gravé insulto em direção a greenhalgh. A
mulher, estabeleceu um nó ao redor de seu pescoço.lhe arastar -se
igualmente pular,com suas mãos atraz das costas. Coroner’s veredicto:
discutivel objetivo fito aquele local povoado ela mesma tinha que
assumir sua responsabilidade palo seus atos em como rapaz desajeitado
em direção ao lodo sobre afogar ela mesma.)


Abril 10, 1987:stuart gooding 23 anos
--- pericia: estudantede pesquisa de pós graduação e colega de militar
de ciencias da familia real.
--- condição: estrondo fatal de carro espaço de tempo colocado no
feriado dentro cyprus. A ocorrencia do morto no mesmo tão igualmente
de uma pessoa funcionario do espaço aberto do exercicios de
alcanse de armas colocado cyprus.
Coroner’s veredicto: acidente.

Abril 24,1987: mark wisner,24 anos
--- pericia: engenheiro de software sobre os moldes
--- condição: morto sobre dentro da parte da casa com 2 colegas.
O homem estabeleceu com um saco plastico ao redor de sua cabeça
assim como varios agem com lentidão de segurar ‘ agarar’ a pelicula
ao redor de sua cara. O metodo da morte quase idêntico em direção
a esse de richard pugh certa quantidade de 3 meses de antecipação.
Coroner’s veredicto: acidente.

Março 30,1987:david sands,37 anos
--- pericia: o mais velho cientista da operação em busca da fraqueza
camberley,surrey, uma campanhia de sua irmã em direção de
marconi. Dr john brittan tinha tambêm worked no cambrley
--- condição: fatal colisão de carro quando o homem alegou fabricado
uma repentina mudança radical sobre um dual uma pista de rodovia
durante em ação de seu método em direção ao trabalho, colição
junto a direita velocidade de arespeito de um obsoleto cafeteria.
O homem estabeleceu um silêmcio exaustivo. O uso de seu cinto e
como o objetivo descobrir aquele carro o que tinha a ser uma
manutenção adicional na mama da gasolina. Nenhum de o ’normal’
razões por uma possibilidade de basear-se capaz de suicidio.
Coroner’s veredicto: discutivel.

Maio 3,1987: michael baker,22 anos
--- pericia:técnico em comunicação digital operação sobre um projeto
de defesa em plessey.membro da parte do trabalho da corporação
cignals de grupo de operações especiais.
--- condição: acidente fatal owhen colisão direta de seu carro á uma
barreira próximo ao tanque dentro dorset.
Coroner’s veredicto: descraça ‘ omicidio acidental’


Junho 1987: jennings,frank,60 anos
--- pericia: engenheiro ‘tecnico’ de armas eletronicas com plessey.
--- condição: afirmar sobre dA parte de um ataque de coração
nenhum inquerito ‘investigação’

janeiro 1988: russell smith,23 anos
--- pericia: tecnico de laboratório a reswpeito de a pesquisa de
energia atômica, estabelicimento em harwell essex.
--- condição:morto quando um resultado ‘efeito’ de um rochedo de
queda perto de um matagal em cornwall.
Corener’s veredicto: suicidio.

Março 25,1988,cavalheiro trevor ,52 anos
--- pericia: engenheiro de computador de marconi de sistema de defesa
espacial em stanmore,middlesex.
--- condição: morto sobre em sua casa em haspenden,hertfordshire
sobre o volante de seu carro com um cinto ligado em direção ao
exaustor.um st.albans o juiz investigador da morte suspeita
mencionou aquele cavalheiro amigo da mulher ;senhorita narmada
geralmenti (quem tambêm igualmente ‘perturbava’ worked ele
em relação sobre marconi ) tinha que apoiar o grupo de 3 suicidios
no memorando a esquerda perto de o gual feito de o espaço de sua
intensão. Senhorita geralmente tinha mencionado aquele
cavalheiro a versão de seu trabalho más porem a mulher não
descobriu qualquer ato sobre esse haver o motivo o para o suicidio.
Coroner’s veredicto: siucidio.

Agosto ,1988: alistair beckham,50 anos
--- pericia: engenheiro de software plessy sistema de defesa.
--- condição: morto sobre seguentemente ser elecrutado dentro de
seu galpão de jardim com arames ligado em direção ao seu corpo.
Coroner’s veredicto: discutivel.

Agosto 22,1988 peter ferry,60 anos,
--- pericia: brigadeiro de armas aposentado e ainda diretor assistente
de mercadoria de marconi
--- condição: sobre 22nd ou senão 23rd agosto de 1988 elecrutado
em sua compania da superficie plana por eletrico prumador em
sua carnosa palma da mão.
Coroner’s veredicto: discutivel.


Setembro 1988: andrew hall,23 anos
--- pericia: administrador de engenharia por espaço britanico.
--- condição: envenenado com um monôxido de carbono com uma mangueira
conectado em direção ao exaustor.
Coroner’s veredicto: suicidio.
O acima mencionado da lista colidir prôximo a raymound a.robinson,
em as inversôes estranhas (UM HORENDO Conselho ‘sinal de perigo’
‘notificação’ http:// www.geocities.com/orgonegal/marconi-scientists.
Html


Atualmente o site está fora do ar

o texto em inglês Master LIst Of DeadScientists & Microbiologists
http://www.rense.com/general62/sci.htm


o texto termina em January 1988: Russell Smith, 23

daí em diante as mortes já não batem não fazem sentido algum .

bom todos sabem que o projeto STAR WAR era um programa de defesa caso ouvesse uma invasão alienígena só que ao decorrer do projeto a tal arma avançada a laser ficou muito potente e todos temiam que se o projeto não fosse parado e encerado dado como destruído mas na verdade as anotações e vídeos ficariam guardados como arquivo ultra secreto como arquivo morto , mas na verdade eles não admitiriam isso então oficialmente pra mídia deram como arquivo deletado projeto e provas enceradas mas sabemos que ainda há provas para que logo em breve o projeto reabra e volte a funcionar pq temiam que o projeto caísse em mãos erradas e acabasse virando uma arma poderosa e encapas de vencer , mas concerteza o governo mandou sileciar os cientistas to projeto e calar suas famílias para que não ouvesse vazamento disso tenho certeza .

Nenhum comentário: